02 LabMM4 - Bases de dados

819 views

Published on

Aula 02, LabMM4, 2011-2012

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
819
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
110
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

02 LabMM4 - Bases de dados

  1. 1. Bases de dados: IntroduçãoCarlos SantosLabMM 4 - NTC - DeCA - UAAula 02, 16-02-2012
  2. 2. Bases de dados [1963]O que é uma base de dados (BD)? • Uma coleção de dados relacionados entre si.Alguns exemplos de BDs? • Cartões com informação sobre os livros de uma biblioteca • Fichas dos pacientes de um médico • Sistema informático com os dados académicos dos alunos da UAVantagens das BDs suportadas em sistemas informáticos? • Rapidez no acesso aos dados • Facilidade na gestão desses dados • Selecionar, atualizar, adicionar e remover • Outras: cópia, segurança,...
  3. 3. Sistemas de Gestão de Bases de Dados (SGBD)Aplicações que permitem gerir as BDs e os dados que estas contêm • MySQL • PostgreSQL • MS SQL Server / MS Access • OracleEstruturam as BDs aí existentes, segundo um modelo • “Ficheiros simples” • Hierárquico (dados organizados em árvore – 1 pai/N filhos) • Rede (dados organizados em rede – N pais/ N filhos) • Relacional • Orientado por objectos (métodos e propriedades) • mais informação: http://en.wikipedia.org/wiki/Database_model
  4. 4. Bases de Dados RelacionaisEdgar F. Codd (1923-2003) – “Pai” das BDs relacionais (BDR) • “A relational Model of Data for Large Shared Data Banks” [1970] Propunha uma nova teoria (essencialmente matemática) para representar estruturas de dadosEm 1985 publicou dois artigos (Computerworld) que definiam as 12 regrasque um SGBD devia respeitar. (Conteúdo muito complexo!) • Note that a view is theoretically updatable if there exists a time-independent algorithm for unambiguously determining a single series of changes to the base relations that will have as their effect precisely the requested changes in the view. • mais informação: http://en.wikipedia.org/wiki/Codd%27s_12_rulesChristopher J. Date - foi um colaborador do Edgar F. Codd e é hoje umdos autores mais importantes nesta área
  5. 5. Bases de Dados RelacionaisModelo relacional • Genericamente pode afirmar-se que se trata de um modelo baseado nas relações (associações) existentes entre tabelas onde são armazenados os dados • No entanto, de acordo com o modelo de Codd, a definição dum modelo relacional prende-se com o armazenamento dos próprios dados nas tabelas
  6. 6. SGBDR e principais componentesSistema de Gestão de Bases de Dados Relacionais (SGBDR) • SGBD que opera num modelo relacionalAlguns componentes de um SGBDR (como o MySQL) • Tables (tabelas) • Queries (consultas/questões) • Views (vistas)
  7. 7. Tabelas: definiçãoTabela • Estrutura bidimensional fundamental no modelo relacional • Armazena dados de uma entidade, nas suas linhas e colunasColunas • Campos (atributos/propriedades) da entidadeLinhas • Registos (instâncias) da entidade
  8. 8. Tabelas: exemplo nMec Nome Apelido AnoEntradaUA DataNascimento 23594 João Gomes 2002 10-04-1978 34921 Lurdes Costa 2008 19-02-1980 33482 Manuel Martins 2007 23-03-1981 18923 Ana Lopes 1995 08-12-1977
  9. 9. Tabelas: estruturaArmazenam dados com uma estrutura similar nMec Nome Apelido AnoEntradaUA DataNascimento 23594 João Gomes 2002 10-04-1978 34921 Lurdes Costa 2008 19-02-1980 33482 Manuel Martins 2007 23-03-1981 18923 Ana Lopes 1995 08-12-1977 43002 Rua 5 Nr. 22, 3º 3810 Aveiro UC Lab. Mult 5 BD 2011-2012 Carlos Santos
  10. 10. Tabelas: regrasRegra para a identificação das tabelas • Nome único dentro da BD: Alunos, Formandos • Regras de case-sensitive dependem de SGBDR e possíveis configurações: não arriscar e respeitar sempre o case! • Plural ou singular?Dicas para a identificação das colunas • Nome único para cada coluna (evita mais tarde o uso de ALIAS) • Os nomes das colunas (campos) não podem ser duplicados na mesma tabela e devemos evitar utilizar palavras reservadas (user, date, login, password, ...) • Nome escrito no formato CamelCaps: DataNascimento (recomendação) • Sempre sem espaços, acentos e outros caracteres estranhos!
  11. 11. QueryConsulta/questão colocada ao SGBDR sobre os dados armazenadosnuma BD que este contém • Consulta/questão é processada pelo SGBDR que devolve depois o resultado • Nome e idade dos Caloiros de NTC em 2011/2012? • Nome dos alunos de LabMM4 com nota final positiva ordenados por nota final?O resultado de uma query é também uma tabela que se designa por tabelaresposta
  12. 12. ViewPermite a construção de uma tabela virtual na BD com os registos queresultam do processamento de uma query complexa (envolvendonormalmente campos de várias tabelas) • O acesso a esses registos fica mais rápido e eficiente • A tabela virtual é gerida automaticamente pelo SGBDR • Podem fazer-se outras queries sobre uma view
  13. 13. Tipo de dados armazenadosPara cada coluna/campo de uma tabela • Definir o tipo de dados que esta irá armazenar • Disso dependerá a eficiência, o desempenho e a otimização da BD, das tabelas e do acesso aos dados aí contidos
  14. 14. Tipo de dados armazenadosEscolher um tipo que exija um menor espaço de armazenamento emdisco, mas que ainda assim, seja suficiente para conter os dadospretendidos • Armazenar o género dum paciente • masculino/feminino ou 0/1 ou m/f?Escolher um tipo adaptado ao dados que se querem armazenar • Armazenar data de acordo com uma formatação específica • YYYY-MM-DD ou YY-MM-DD?Escolher um tipo de dados que permita restringir (quando apropriado) agama de valores passíveis de armazenamento • Armazenar o departamento da UA, a partir dos elementos de uma lista completa de departamentos da UA • Armazenar o país a partir de uma lista de países

×