Missão artística francesa 3

9,885 views
9,503 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,885
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
326
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Missão artística francesa 3

  1. 1. MISSÃO FRANCESA<br /> NO BRASIL<br />Profª CrissCostaTurma:202<br />
  2. 2. LINHA DO TEMPO<br />Séc. XVI BARROCO NA EUROPA<br />Séc.XVII BARROCO E ROCOCÓ NO BRASIL(movi. tardio)<br />Séc.XVIII NEOCLASSISISMO NO BRASIL(movi. Simultâneo)<br />Séc. XIX-XX SEMANA DE 22=MODERNISMO=ACADEMICISMO<br />
  3. 3. A INFLUÊNCIA DA MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA<br />No século XIX o Brasil é marcado pela chegada da família real portuguesa, que fugia do conflito entre a França Napoleônica e a Inglaterra.<br />Ao chegar ao Brasil,o soberano português começou uma série de reformas administrativas, e sócio econômicas.<br />
  4. 4. Dessa forma foram criadas as primeiras fábricas, e fundadas instituições como o Banco do Brasil, a Biblioteca Real, o Museu Real e a Imprensa Régia.<br /> A partir de então o Brasil sofre forte influência da cultura européia, que começa a assimilar e a imitar, essa tendência vai se firmar com a chegada da Missão Artística Francesa, oito anos depois da vinda da família real.<br />
  5. 5. A Missão Artística Francesa chegou ao Brasil em 1816, oito anos depois da família real, chefiada por JoachinLebreton, além deste faziam parte:<br />Nicolas Antoine Taunay, Jean-Baptiste Debret e Auguste-Henri-VictorGrandjean de Montigny.<br /> Esse grupo recebeu de D. João a missão de fundar uma escola de artes no Brasil, feito alcançado em agosto de 1816 com a fundação da Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, essa instituição teve seu nome alterado inúmeras vezes até se tornar a Imperial Academia e Escola de Belas Artes em 1826.<br />
  6. 6.
  7. 7. Banco do Brasil<br />
  8. 8. Museu imperial<br />
  9. 9. Pintura<br />
  10. 10. CARACTERÍSTICAS<br /><ul><li>Exaltação de elementos mitológicos
  11. 11. . As figuras pareciam fazer parte de uma encenação teatral e eram desenhadas numa posição fixa.
  12. 12. beleza deliberadamente estatuária.
  13. 13. contornos claros e bem delineados
  14. 14. as cores, puras e realistas, e a iluminação, límpida.
  15. 15. pinceladas que não marcavam a superfície da tela
  16. 16. academicismo e técnicas apuradas</li></li></ul><li>TEMAS PRINCIPAIS<br />Cenas do cotidiano brasileiro<br />paisagens<br />Cenas épicas<br />Mitologia grega<br />Escravidão <br />Nobreza<br />
  17. 17. Nicolas-Antonine Taunay: Morro de Santo Antônio<br />
  18. 18. Debret ,distribuição de medalhas<br />
  19. 19. Debret ,<br />
  20. 20. Debret ,cotidiano dos brasileiros<br />
  21. 21. Debret ,<br />
  22. 22. TETO DA IGREJA DA CANDELÁRIA<br />
  23. 23. Principais artistas<br />Jean-BaptisteDebret: (1768-1848) foi chamado de "a alma da Missão Francesa". Ele foi desenhista, aquarelista, pintor cenográfico, decorador, professor de pintura e organizador da primeira exposição de arte no Brasil (1829).<br />Nicolas-Antonine Taunay: (1775-1830) pintor francês de grande destaque na corte de Napoleão Bonaparte e considerado um dos mais importantes da Missão Francesa. Durante os cinco anos que residiu no Brasil, retratou várias paisagens do Rio de Janeiro.<br />
  24. 24. ARQUITETURA<br />
  25. 25. CARACTERÍSTICAS<br /><ul><li>Materiais nobres (pedra, mármore, granito, madeiras)
  26. 26. Processos técnicos avançados,Formas regulares, geométricas e simétricas
  27. 27. Valorizou a intimidade e o conforto nas mansões familiares
  28. 28. · Colunas (de origem grega): Estrutura de sustentação das construções. Compõe-se de três partes : base, fuste (parte maior) e capitel (parte superior com ornamentos).
  29. 29. Arcos (de origem romana): Elemento de construção de formato curvo existente na parte superior das portas e passagens que serve de sustentação.
  30. 30. Frontões: Estrutura geralmente triangular existente acima de portas e colunas e abaixo do telhado. Os frontões podem receber os mais variados tipos de decoração.</li></li></ul><li>· Arcos (de origem romana): Elemento de construção de formato curvo existente na parte superior das portas e passagens que serve de sustentação.· Frontões: Estrutura geralmente triangular existente acima de portas e colunas e abaixo do telhado. Os frontões podem receber os mais variados tipos de decoração.<br />
  31. 31. CONTRIBUIÇÃO ARQUITETÔNICA DA MISSÃO FRANCESA<br /> No campo da arquitetura o principal nome é Grnadjean de Montigny, autor do projeto da Academia de Belas Artes – 1826.<br /> Além disso destacam-se também a Casa da Moeda e o Solar dos Marqueses de Itamarati. Esse último foi projetado por José Maria Jacinto Rebelo, aluno de Montigny.<br />
  32. 32.
  33. 33.
  34. 34. BIBLIOTECA NACIONAL<br />
  35. 35. Museu imperial<br />
  36. 36. IGREJA DA CANDELARIA, RIO DE JANEIRO<br />
  37. 37.
  38. 38.
  39. 39. ESCULTURA DO ALTAR<br />E LADRILHOS DA IGREJA<br />
  40. 40. CÚPULA, Zeferino da Costa<br />
  41. 41. ESCULTURA<br />
  42. 42. CARACTERÍSTICAS<br />Formas de RepresentaçãoDe inspiração clássica foram representados com toda a minúcia, os corpos eram nus ou semi-nus, formas reais, serenas e de composição simples. Rostos individualizados (das pessoas que queriam representar), mas com pouca expressividade. Seguiram os cânones da escultura clássica, sem qualquer liberdade criativa. TécnicaSão obras perfeitamente conseguidas, onde a sua concepção se baseia em maquetas de barro ou gesso para um primeiro estudo. Acabamentos rigorosos e relevos de pouca profundidade. MateriaisMármore branco que representava a pureza, limpidez e brilho,e o bronze, mas em menor quantidade. <br />
  43. 43. Históricos, literários, alegóricos e mitológicos. Serviram de base para a representação de figuras humanas com poses semelhantes às dos deuses gregos e romanos. EstatuáriaRepresentou figuras de corpo inteiro ou bustos e relevos pouco pessoais glorificando e fazendo publicidade a políticos ou figuras importantes das cidades (praças, casas de nobres e burgueses ou cemitérios). RelevosTêm o mesmo sentido honorífico e alegórico da estatuária e revestem as frontarias de edifícios públicos ou de palácios.<br />
  44. 44. D. Pedro I<br />
  45. 45.
  46. 46.
  47. 47. Até a próxima!<br />
  48. 48. ATIVIDADE<br />1.FORMAR 4 GRUPOS<br />2.RESPONDER AS <br />PERGUNTAS<br />3.QUEM RESPONDER <br />O MAIOR NÚMERO <br />GANHA HORRORES<br /> DE BOOBALÚ!!!!!!!!<br />

×