Apresentação do Projecto do 3º ciclo

3,305 views
3,191 views

Published on

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,305
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
363
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação do Projecto do 3º ciclo

  1. 1. Apresentação do Projecto de Educação para a Saúde e Educação Sexual https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home Direcção Regional de Educação do Norte/Coordenação Educativa do Porto Agrupamento de Escolas de Valbom GONDOMAR
  2. 2. <ul><li>Enquadramento </li></ul><ul><ul><li>A área temática da saúde foi incluída no projecto educativo da escola e foi designado um professor coordenador para esta área (Despacho n.º 2506/2007); </li></ul></ul><ul><ul><li>A Educação para a Saúde aborda especificamente quatro grandes temas </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Alimentação e actividade física, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Saúde Mental/violência em meio escolar, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Prevenção do consumo de substâncias psico-activas, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Educação sexual e IST , </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>sem prejuízo de outros que as escolas possam considerar relevantes </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ambiente e sustentabilidade, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Solidariedade, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Saúde comunitária . </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Beneficia de apoio financeiro por resposta a um edital anual. </li></ul></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  3. 3. <ul><li>Objectivo geral da Educação para a Saúde </li></ul><ul><li>Contribuir para a aquisição de competências por parte da comunidade escolar, que lhe permitam fazer opções e a tomar decisões adequadas ao seu bem-estar físico, social e mental. </li></ul><ul><li>A Educação Sexual é um processo pelo qual se obtém informação e se formam atitudes e crenças acerca da sexualidade e do comportamento sexual. Tem como objectivos: </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  4. 4. <ul><li>Sexualidade </li></ul><ul><li>É experienciada e expressa em pensamentos, fantasias, desejos, crenças, atitudes, valores, comportamentos, práticas, papéis e relações (OMS, 2000). </li></ul><ul><li>Mas, embora possa incluir todas essas dimensões nem todos as experienciam ou expressam sempre. A sexualidade é influenciada pelas interacções dos factores biológicos, psicológicos, sociais, económicos, políticos, culturais, éticos, legais, históricos, religiosos e espirituais (OMS, 1993, 1995). </li></ul><ul><li>(Teresa Vilaça, 2010) </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  5. 5. <ul><li>A Educação Sexual no Agrupamento engloba… </li></ul><ul><li>A formação de professores e outros profissionais de forma a terem uma actuação profissional adequada e coerente face às dúvidas e manifestações de crianças e jovens relativas à sexualidade. </li></ul><ul><li>A abordagem pedagógica sistemática de temas ligados à sexualidade humana em contexto curricular, quer nas áreas disciplinares, quer nas áreas não disciplinares, numa lógica interdisciplinar, privilegiando o espaço turma e as diferentes necessidades de crianças e jovens. </li></ul><ul><li>A promoção de actividades de apoio às famílias na educação sexual de crianças e jovens. </li></ul><ul><li>O estabelecimento de mecanismos de parceria , nomeadamente com os serviços de saúde, que permitam o encaminhamento e a orientação individual sempre que necessários. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  6. 6. <ul><li>Quadro legal </li></ul><ul><li>A educação sexual nas escolas é uma necessidade e um direito das crianças, jovens e das famílias, previsto na legislação portuguesa desde 1984 (Lei n.º3/84 – Direito à Educação Sexual e ao Planeamento Familiar) </li></ul><ul><li>Lei n.º 60/2009, de 6 de Agosto </li></ul><ul><li>Portaria n.º 196-A/2010, de 9 de Abril </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  7. 7. <ul><li>Finalidades da Educação Sexual </li></ul><ul><li>Constituem finalidades da educação sexual: </li></ul><ul><li>a) A valorização da sexualidade e afectividade entre as pessoas no desenvolvimento individual, respeitando o pluralismo das concepções existentes na sociedade portuguesa; </li></ul><ul><li>b) O desenvolvimento de competências nos jovens que permitam escolhas informadas e seguras no campo da sexualidade; </li></ul><ul><li>c) A melhoria dos relacionamentos afectivo–sexuais dos jovens; </li></ul><ul><li>d) A redução de consequências negativas dos comportamentos sexuais de risco, tais como a gravidez não desejada e as infecções sexualmente transmissíveis; </li></ul><ul><li>e) A capacidade de protecção face a todas as formas de exploração e de abuso sexuais; </li></ul><ul><li>f) O respeito pela diferença entre as pessoas e pelas diferentes orientações sexuais; </li></ul><ul><li>g) A valorização de uma sexualidade responsável e informada; </li></ul><ul><li>h) A promoção da igualdade entre os sexos; </li></ul><ul><li>i) O reconhecimento da importância de participação no processo educativo de encarregados de educação, alunos, professores e técnicos de saúde; </li></ul><ul><li>j) A compreensão científica do funcionamento dos mecanismos biológicos reprodutivos; </li></ul><ul><li>l) A eliminação de comportamentos baseados na discriminação sexual ou na violência em função do sexo ou orientação sexual. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  8. 8. <ul><li>Equipa de Educação Sexual </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  9. 9. <ul><li>Quadro ético </li></ul><ul><li>A sexualidade e a afectividade são componentes essenciais da intimidade e das relações interpessoais. </li></ul><ul><li>A Sociedade em que vivemos é uma sociedade plural em que coexistem, sobre esta matéria, valores muito diversos. </li></ul><ul><li>A intervenção profissional deve ter uma referência ética simultaneamente clara, abrangente do pluralismo moral e promotora do debate de ideias e valores. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  10. 10. <ul><li>Referencial ético </li></ul><ul><li>A Escola deve desenvolver o espírito crítico e a prática democrática numa perspectiva de educação para a cidadania e do desenvolvimento pessoal e social; </li></ul><ul><li>A Escola deve promover o desenvolvimento da sexualidade como componente essencial de uma vida plena. </li></ul><ul><li>A Escola deve promover a não discriminação (cultural; características físicas; orientação sexual; igualdade de género; etc.) </li></ul><ul><li>A Escola tem obrigação de desenvolver a assertividade; </li></ul><ul><li>A Escola tem obrigação de motivar e envolver os pais e encarregados de educação; </li></ul><ul><li>A Escola deve criar condições para que os alunos adiem as relações sexuais; </li></ul><ul><li>A Escola deve contribuir para a tomada de decisões saudáveis na área da sexualidade; </li></ul><ul><li>A Escola deve desenvolver competências para identificar e saber aplicar respostas adequadas a situações de injustiça, abuso e perigo e saber procurar apoio quando necessário. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  11. 11. <ul><li>Principais actividades a implementar </li></ul><ul><li>Criação de um gabinete de informação e apoio no âmbito da Educação para a Saúde e Educação Sexual. </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Artigo 6.º da Lei n.º 60/2009 de 6 de Agosto </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>“ Linguagem dos afectos” - Sala 201  ESV </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>“ Linguagem dos afectos” – Sala Gabinete Médico EML </li></ul></ul></ul></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  12. 12. <ul><li>Principais actividades a implementar </li></ul><ul><li>Formação no âmbito da dinâmica de organização e implementação de projectos de Sexualidade e IST para professores responsáveis pela Educação para a Saúde e Educação Sexual das turmas. </li></ul><ul><li>Dinamização de uma palestra anual para Pais e Encarregados de Educação no âmbito de uma das temáticas prioritárias – </li></ul><ul><li>“ Com a Escola na Prevenção…” </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  13. 13. <ul><li>Principais actividades a implementar </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de actividades de leitura, outras actividades lúdicas, actividades de pesquisa orientada e sessões temáticas no âmbito da Educação para a Saúde e Educação Sexual. </li></ul><ul><ul><li>6 horas no 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico. </li></ul></ul><ul><ul><li>12 horas no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário </li></ul></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  14. 14. <ul><li>A sexualidade manifesta-se desde o nascimento. </li></ul><ul><ul><li>Ensino Pré-escolar </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento de uma moral sexual </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento de uma identidade de género </li></ul></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  15. 15. <ul><li>Sexualidade nos pré-adolescentes do 2º ciclo do ensino básico </li></ul><ul><li>10-11-12 anos </li></ul><ul><li>Assumir o novo corpo funcional : a puberdade dura cerca de 3 a 4 anos e inicia-se, em média: </li></ul><ul><li>♀ = 10,5 anos </li></ul><ul><li>♂ = 11,5 anos </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  16. 16. <ul><li>Conhecer o desenvolvimento puberal e aceitar a nova imagem corporal </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  17. 17. <ul><li>Sexualidade na adolescência intermédia: 3º ciclo do ensino básico </li></ul><ul><li>13-14-15 anos </li></ul><ul><li>Assumir o novo corpo funcional </li></ul><ul><li>Re-definição da imagem corporal </li></ul><ul><li>Configuração do desejo sexual </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  18. 18. <ul><li>Despertar da maturidade sexual: </li></ul><ul><li>Aprender sobre as novas respostas sensuais e sexuais </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  19. 19. <ul><li>Primeira Relação Sexual </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  20. 20. https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  21. 21. https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  22. 22. <ul><li>É normal? </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  23. 23. https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  24. 24. <ul><li>ERECÇÃO </li></ul><ul><li>É o termo para designar o pénis excitado. </li></ul><ul><li>Durante a puberdade, por vezes, há erecções no autocarro, nas aulas… mesmo quando não estão a pensar em sexo. </li></ul><ul><li>EJACULAÇÃO </li></ul><ul><li>Descarga do sémen de um pénis erecto como resultado de uma excitação sexual que origina contracções musculares das glândulas e ductos do sistema reprodutor. </li></ul><ul><li>Durante a ejaculação a válvula da entrada da bexiga fecha para impedir a entrada da urina na uretra. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  25. 25. <ul><li>SÉMEN ou ESPERMA </li></ul><ul><li>Líquido emitido aquando da ejaculação e que é constituído por espermatozóides e produtos de glândulas anexas. </li></ul><ul><li>3 milhões de espermatozóides. </li></ul><ul><li>Homem fértil: pelo menos 20 a 35 milhões de espermatozóides por cm3. </li></ul><ul><li>SONHOS HÚMIDOS </li></ul><ul><li>Ejaculações que ocorrem quando estão a dormir. </li></ul><ul><li>Ninguém pode controlá-las, prevê-las ou impedir que aconteçam. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  26. 26. <ul><li>É normal? </li></ul><ul><li>Uma vez terminado o período de maturação, os pénis da maioria dos rapazes têm geralmente o mesmo tamanho erectos, independentemente do tamanho que tenham quando não estão erectos. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  27. 27. <ul><li>Não deves ter relações sexuais só porque: </li></ul><ul><li>O teu namorado(a) diz que se o(a) amasses terias. </li></ul><ul><li>Os teus amigos dizem que é normal. </li></ul><ul><li>Pensas que o sexo fará com que ele(a) te ame mais. </li></ul><ul><li>Queres ter um bebé. </li></ul><ul><li>Queres chatear a tua mãe. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  28. 28. <ul><li>Não deves ter relações sexuais só porque: </li></ul><ul><li>Sentes curiosidade. </li></ul><ul><li>Decidiste que chegou a altura de perder a virgindade. </li></ul><ul><li>O teu namorado(a) diz que te deixa se não tiveres relações sexuais. </li></ul><ul><li>Pensas que já não tens idade para ser virgem. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  29. 29. <ul><li>Mensagens sobre a primeira </li></ul><ul><li>relação sexual </li></ul><ul><li>Gostas dele(a) e decidiste que queres ter relações sexuais. </li></ul><ul><li>Existe confiança mútua. </li></ul><ul><li>Falaste sobre contracepção e consultaste um médico. </li></ul><ul><li>Pesaste todos os prós e contras. </li></ul><ul><li>SE TIVERES DÚVIDAS É PORQUE NÃO ESTÁS PREPARADO. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Vilaça, 2010)
  30. 30. <ul><li>Principais conteúdos a implementar </li></ul><ul><li>Os conteúdos abordados nas actividades e sessões seguem as sugestões apresentadas no relatório final do GTES, na Portaria n.º 196-A/2010, de 9 de Abril e nos trabalhos desenvolvidos pela APF e por algumas investigadoras reconhecidas. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  31. 31. <ul><li>Referencial teórico </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de relações de afectos </li></ul><ul><li>O 3º Ciclo do Ensino Básico abrange período distintos de evolução da sexualidade dos jovens e do seu desenvolvimento global, caracterizados por mudanças rápidas e em ritmos muito diferenciados de jovem para jovem. As acções de educação sexual devem, pois, ter em conta o facto de envolverem populações muito heterogéneas em termos de desenvolvimento, dúvidas, preocupações e respostas emocionais. </li></ul><ul><li>Da mesma forma, as disparidades quanto a contextos de vida familiares, económicos ou socioculturais, devem ser tomadas em consideração quando se trabalha neste domínio. </li></ul><ul><li>A educação sexual tem por base o projecto de vida ligado aos objectivos pessoais e às tarefas a desenvolver para os atingir. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  32. 32. <ul><li>Objectivos </li></ul><ul><li>Desenvolver uma identidade sexual; </li></ul><ul><li>Conhecimento do corpo; </li></ul><ul><li>Prevenção das IST; </li></ul><ul><li>Desenvolver relacionamentos positivos; </li></ul><ul><li>Prevenção de abusos; </li></ul><ul><li>Construir projectos de vida responsáveis. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  33. 33. <ul><li>Conteúdos </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home <ul><li>7º Ano </li></ul><ul><li>Noção de Sexualidade. </li></ul><ul><li>Valorização do corpo: </li></ul><ul><ul><li>Como me vejo? </li></ul></ul><ul><ul><li>Como me vêm os outros? </li></ul></ul><ul><ul><li>É giro ser rapariga ou rapaz! </li></ul></ul><ul><li>3. Conhecimento do corpo: </li></ul><ul><ul><li>Mudanças necessárias; </li></ul></ul><ul><ul><li>Morfologia geral da reprodução humana; </li></ul></ul><ul><ul><li>Fisiologia geral da reprodução; </li></ul></ul><ul><ul><li>Saúde e higiene pessoal. </li></ul></ul><ul><li>4. Relações interpessoais/ Proteger o corpo: </li></ul><ul><ul><li>Sexualidade responsável; </li></ul></ul><ul><ul><li>Métodos contraceptivos. </li></ul></ul>
  34. 34. <ul><li>Orientações metodológicas </li></ul><ul><li>Portaria n.º 196-A/2010, de 9 de Abril </li></ul><ul><li>8 Blocos de 90 minutos. </li></ul><ul><li>Dimensão ética da sexualidade humana: </li></ul><ul><ul><li>Compreensão da sexualidade como uma das componentes mais sensíveis da pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores (por exemplo: afectos, ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética; </li></ul></ul><ul><li>Compreensão da fisiologia geral da reprodução humana; </li></ul><ul><li>Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  35. 35. <ul><li>Conteúdos </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home <ul><li>8º Ano </li></ul><ul><li>Proteger o corpo: </li></ul><ul><ul><li>Contracepção </li></ul></ul><ul><ul><li>IST e prevenção dos comportamentos de risco </li></ul></ul><ul><li>2. Proteger o corpo </li></ul><ul><ul><li>Violência </li></ul></ul><ul><ul><li>Abusos sexuais </li></ul></ul><ul><li>3. Relações interpessoais: </li></ul><ul><ul><li>Namoro/ amizade </li></ul></ul><ul><ul><li>Pressões emocionais e sexuais </li></ul></ul>
  36. 36. <ul><li>Orientações metodológicas </li></ul><ul><li>Portaria n.º 196-A/2010, de 9 de Abril </li></ul><ul><li>8 Blocos de 90 minutos. </li></ul><ul><li>Contracepção , IST e prevenção dos comportamentos de risco: </li></ul><ul><ul><li>Compreensão do uso e acessibilidade dos métodos contraceptivos e, sumariamente, dos seus mecanismos de acção e tolerância (efeitos secundários); </li></ul></ul><ul><ul><li>Compreensão da epidemiologia das principais IST em Portugal e no mundo (incluindo infecção por VIH/vírus da imunodeficiência humana — HPV2/vírus do papiloma humano — e suas consequências) bem como os métodos de prevenção. Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais; </li></ul></ul><ul><li>Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  37. 37. <ul><li>Conteúdos </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home <ul><li>9º Ano </li></ul><ul><li>Relações interpessoais </li></ul><ul><ul><li>Namoro/ amizade </li></ul></ul><ul><ul><li>Pressões emocionais e sexuais </li></ul></ul><ul><li>2. Identidade sexual </li></ul><ul><li>3. Reprodução humana: </li></ul><ul><ul><li>Maternidade e gravidez na adolescência; </li></ul></ul><ul><ul><li>Interrupção voluntária de gravidez; </li></ul></ul><ul><ul><li>Parentalidade responsável </li></ul></ul>
  38. 38. <ul><li>Orientações metodológicas </li></ul><ul><li>Portaria n.º 196-A/2010, de 9 de Abril </li></ul><ul><li>8 Blocos de 90 minutos. </li></ul><ul><li>Reprodução humana: </li></ul><ul><ul><li>Conhecimento das taxas e tendências de maternidade e da paternidade na adolescência e compreensão do respectivo significado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Conhecimento das taxas e tendências das interrupções voluntárias de gravidez, suas sequelas e respectivo significado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Compreensão da noção de parentalidade no quadro de uma saúde sexual e reprodutiva saudável e responsável; </li></ul></ul><ul><li>Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas. </li></ul><ul><ul><li>Saber como proteger o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais. </li></ul></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  39. 39. <ul><li>Principais materiais utilizados </li></ul><ul><li>Os materiais utilizados são os sugeridos e adquiridos à APF – Associação para o Planeamento Familiar; </li></ul><ul><li>Os utilizados em Projectos como: </li></ul><ul><ul><li>PRESS - Programa Regional de Educação Sexual em Saúde Escolar; </li></ul></ul><ul><ul><li>Jovens Saudáveis em Acção – Teresa Vilaça, Investigadora da IE-UM. </li></ul></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  40. 40. <ul><li>Materiais </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  41. 41. https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Caderno PRESSE – 3º Ciclo)
  42. 42. <ul><li>Métodos e técnicas de trabalho </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home <ul><li>Devem ser utilizadas metodologias activas e participativas </li></ul><ul><li>Os métodos destinam-se essencialmente a descontrair o ambiente, aumentar os conhecimentos, discutir valores e atitudes e treinar competências. </li></ul>(Duarte Vilar, 2005)
  43. 43. <ul><li>Orientações metodológicas – 3º Ciclo </li></ul><ul><li>No 3º ciclo do Ensino básico pretende-se continuar a promover a educação para a saúde e a educação sexual através da leitura, outras actividades lúdicas, actividades de pesquisa orientada e de sessões temáticas. </li></ul><ul><li>Como pilar estratégico todos os conteúdos a desenvolver devem ser referenciados ao Projecto de vida a construir ligado aos objectivos pessoais e às tarefas a desenvolver para os atingir. </li></ul><ul><li>Os adolescentes e jovens ao longo do seu desenvolvimento devem integrar um quadro de valores no âmbito da educação sexual tais como: </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  44. 44. <ul><li>Orientações metodológicas </li></ul><ul><li>Responsabilidade – referida às decisões e às escolhas pessoais; à repercussão das escolhas que faço da forma que faço e do que terei que assumir. </li></ul><ul><li>Relação de paridade – como o olhar para o outro ao mesmo nível. Que os interesses do outro, os seus problemas e questões com que se confronta sejam valorizadas ao mesmo nível que as minhas. Tenham o mesmo peso de importância. </li></ul><ul><li>Intimidade – vinculada à moral sexual da sociedade, das famílias e do grupo de amigos. </li></ul><ul><li>Respeito por si e pelo outro – como norma da convivência a dois. O respeito do outro como ele é, o respeito pelas decisões que toma, pelas escolhas que faz. O respeito por mim pelo que sou e pelo que pretendo ser. </li></ul><ul><li>Fidelidade ao projecto de vida – ligada aos objectivos pessoais e às tarefas a desenvolver para os atingir. </li></ul><ul><li>Liberdade – como componente essencial duma vivência autónoma aceitando-se e desenvolvendo o que se é, e aceitando o outro como é. </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home (Teresa Tomé Ribeiro, 2010)
  45. 45. <ul><li>Orientações metodológicas – 3º Ciclo </li></ul><ul><li>Notas importantes: </li></ul><ul><li>Não ensinar a mais </li></ul><ul><li>Preservar a intimidade de alunos e educadores </li></ul><ul><li>Utilizar uma linguagem cientifica e/ou familiar, mas não utilizar calão </li></ul><ul><li>Não mentir, mas utilizar uma linguagem para a qual os alunos estejam preparados – utilizar analogias e metáforas </li></ul><ul><li>Não emitir opinião pessoal, falar sempre na generalidade, apontando as vantagens e/ou desvantagens dos vários pontos de vista </li></ul><ul><li>Ter em atenção os vários tipos de famílias existentes na actualidade, falar sempre em adultos de referência </li></ul><ul><li>A metodologia utilizada deve ser activa e participativa </li></ul><ul><li>Todos os temas devem ter um espaço para discussão em grupo-turma e em família </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home
  46. 46. <ul><li>Obrigada pela participação. </li></ul><ul><li>Bom trabalho! </li></ul>https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home https://sites.google.com/site/linguagemdosafectos/home

×