• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Plano De AcçãO Be D Carlos I
 

Plano De AcçãO Be D Carlos I

on

  • 3,263 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,263
Views on SlideShare
3,231
Embed Views
32

Actions

Likes
1
Downloads
43
Comments
0

4 Embeds 32

http://becredcarlosi.blogspot.com 15
http://www.slideshare.net 12
http://becredcarlosi.blogspot.pt 4
http://www.lmodules.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Plano De AcçãO Be D Carlos I Plano De AcçãO Be D Carlos I Presentation Transcript

    • 2009 - 2013 Plano de Acção da Biblioteca Escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I Professora Bibliotecária: Cristina Calado
    • ÍNDICE Lista das abreviaturas usadas .................................................................................................................................................................................................. 3 Introdução ........................................................................................................................................................................................................ 4 Diagnóstico da Biblioteca Escolar ................................................................................................................................................................... 6 1ª Área de intervenção: Leitura e literacia .......................................................................................................................................................................... 9 2ª Área de intervenção: Apoio ao desenvolvimento curricular ......................................................................................................................................... 13 3ª Área de intervenção: Projectos, parcerias; apoio a actividades livres de abertura à comunidade ................................................................................. 20 4ª Área de intervenção: Gestão da biblioteca escolar ........................................................................................................................................................ 26 Conclusão ....................................................................................................................................................................................................... 36 2 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • LISTA DAS ABREVIATURAS UTILIZADAS ACND Actividades Curriculares Não Disciplinares AEC Actividades de Enriquecimento Curricular ALV Aprendizagem ao Longo da Vida BE Biblioteca Escolar BMS Biblioteca Municipal de Sintra CEF Cursos de Educação e Formação EE Encarregados de Educação EFA Educação e Formação de Adultos MABE Modelo de Avaliação das Bibliotecas Escolares PAA Plano Anual de Actividades PAEC Plano de Actividades de Enriquecimento Curricular PCT Projecto Curricular de Turma PNEP Plano Nacional de Ensino do Português POTE Plano de Ocupação Plena dos Tempos Escolares PPLA Plano de Promoção da Leitura do Agrupamento PTE Plano Tecnológico PTIC Plano de Tecnologias de Informação e Comunicação RBE Rede de Bibliotecas Escolares 3 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • INTRODUÇÃO A Biblioteca Escolar D. Carlos I serve cinco jardins-de-infância, cinco escolas de 1º ciclo e a escola-sede com 2.º e 3.º ciclos, onde se encontra situada – a Escola Básica Integrada com Jardim-de-infância D. Carlos I. Desde a sua integração na Rede de Bibliotecas Escolares, em 2007, a BE D. Carlos I tem vindo a constituir-se como o centro nevrálgico do agrupamento ao nível da articulação entre ciclos e escolas e jardins-de-infância, nomeadamente em termos da promoção da leitura no âmbito do PNL, do qual assume a coordenação; do desenvolvimento das literacias da informação, tecnológica e digital; da gestão da colecção; e do estabelecimento de parcerias com a Biblioteca Municipal e outras entidades culturais. As directrizes emanadas pela Rede de Bibliotecas Escolares apontam para um alargamento da missão das bibliotecas escolares como pólos centrais no apoio ao desenvolvimento curricular, na promoção da leitura e das literacias da informação e no estabelecimento de parcerias, na elaboração de projectos e na abertura à comunidade. Nesse sentido, o PLANO DE ACÇÃO constitui-se um instrumento fundamental de orientação no cumprimento da missão da BE a longo prazo: configura-se como o suporte do trabalho da professora bibliotecária e da equipa BE, dos seus colaboradores directos e demais intervenientes e concede maior visibilidade aos objectivos das acções concretizadas pela biblioteca, relativamente às metas e estratégias constantes no Projecto Educativo do Agrupamento, a saber: Projecto Educativo do Agrupamento D. Carlos I (excerto) Metas Estratégias a desenvolver pela BE Proporcionar o acesso digital ao acervo documental. Realizar actividades de animação e promoção da leitura e das literacias, em articulação com o Currículo e as estruturas de orientação educativa. Promoção da leitura e das literacias Promover a formação de utentes da BE (professores, alunos, técnicas assistentes e pais/encarregados de Melhoria dos resultados escolares educação). Desenvolver projectos de interacção com a comunidade. Proporcionar ocupação dos tempos livres com actividades que aliam o lúdico à aprendizagem. 4 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • Tomando como quadro de referência o Modelo de Avaliação das Bibliotecas Escolares, o PLANO DE ACÇÃO da BE D. Carlos I está organizado por áreas de intervenção prioritária as quais correspondem aos domínios definidos no MABE, para uma maior facilidade na articulação entre os objectivos e acções da BE e o que é suposto ser avaliado. Todavia, a ordem que foi atribuída às áreas de intervenção no PLANO DE ACÇÃO não corresponde à dos domínios no MABE; está de acordo com o que foi considerado de intervenção prioritária nas reuniões da equipa BE e sues colaboradores e de Conselho Pedagógico, sob proposta da professora bibliotecária, depois do diagnóstico da situação das actividades desenvolvidas no ano lectivo precedente e da ponderação das metas do novo Projecto Educativo. Esta será, portanto, a ordem pela qual se fará a aplicação do MABE. Para cada área de intervenção, depois de previamente identificados os pontos fortes e fracos, definiram-se as acções a desenvolver, os respectivos objectivos, os intervenientes e os recursos necessários. Optou-se por uma calendarização abrangente, dado que há uma forte dependência entre as várias áreas de intervenção e se pressupõe a continuidade de muitas das acções, ao longo do quadriénio de vigência. A leitura do presente PLANO DE ACÇÃO deve ser feita, por isso, por secção, em cada área de intervenção, correspondendo cada objectivo a um conjunto de acções, de intervenientes e de recursos, a desenvolver de forma contínua ou mais incisiva num determinado período de tempo. Conforme as intenções expressas no documento, a BE D. Carlos I pretende desenvolver um serviço efectivo, dinâmico e com qualidade, de apoio às aprendizagens e ao desenvolvimento curricular, articulado entre ciclos e escolas do agrupamento, com o objectivo de contribuir para a melhoria dos resultados escolares e a promoção da leitura e das literacias da informação. Entendamos, contudo, o PLANO DE ACÇÃO como um documento aberto que será ajustado, sistematicamente, face aos resultados da auto-avaliação da BE e das oportunidades que, certamente, surgirão ao longo do quadriénio do seu desenvolvimento. 5 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • DIAGNÓSTICO DA BIBLIOTECA ESCOLAR D. CARLOS I DOMÍNIO PONTOS FORTES FRAQUEZAS OPORTUNIDADES AMEAÇAS Competências da Professora bibliotecária: Inexperiência da professora Formação profissional Tempo disponível professora bibliotecária experiência pedagógico- bibliotecária em gestão da especializada na área da didáctica e competências em biblioteca e sem formação biblioteconomia e da gestão TIC (como utilizador) e em em biblioteconomia. de bibliotecas escolares; investigação (Mestrado na enriquecimento pessoal. área da Literatura). Organização e Gestão da A equipa integra: Uma equipa ocasional, A mudança de coordenação Pouca receptividade da BE pouco especializada, ainda pode permitir uma mais fácil Direcção para as propostas - Um elemento com larga que multidisciplinar, sem mudança de hábitos de mudança, ao nível do experiência e conhecimento horário que proporcione um enraizados ao nível da orçamento e da afectação de em biblioteconomia; trabalho articulado coeso. afectação tipo “depósito” de recursos humanos docentes, da distribuição de - Duas auxiliares de acção Excesso de professores verbas para renovação/ educativa muito colaboradores para manutenção e responsáveis e atenciosas, completamento de horário. enriquecimento dos recursos em permanência. e na abertura do espaço a Hábitos de gestão diferentes actividades Bom relacionamento entre enraizados, baseados no professores da equipa e entre pontual e no restrito, sem professores, auxiliares e projecto a longo prazo; alunos. utilização do espaço para reuniões, apoios, etc.. Espaço amplo e luminoso, renovado, de acordo com as Falta de formação orientações da RBE, e especializada das AAE. relativamente bem apetrechada 6 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • DOMÍNIO PONTOS FORTES FRAQUEZAS OPORTUNIDADES AMEAÇAS Existência de uma auto- Não contemplação de verba avaliação prévia que para a BE no orçamento do permitiu identificar os agrupamento. pontos fortes e fracos numa Desconhecimento geral do fase de diagnóstico. papel que a BE pode ter na promoção das literacias e na melhoria dos resultados escolares. Gestão da Colecção Acervo variado e Dispersão do acervo pelas Informatização. Resistência de alguns considerável, que beneficiou várias escolas do docentes com poucos das verbas do PNL. agrupamento, sem qualquer Divulgação das existências hábitos de partilha. registo informatizado nas várias escolas do Gestão de colecção assente agrupamento através da em propostas feitas pelos Inexistência do hábito de bibliobase. docentes curriculares. circulação de obras. A BE como espaço de Acervo muito variado Articulação BE/docentes Projecto “Conto vai…conto Incapacidade de resposta conhecimento e catalogado manualmente, ainda muito pontual vem” despoletou por parte imediata da equipa às aprendizagem. Trabalho mas com indexação já dos professores uma nova solicitações colaborativo e articulado avançada e que resultou do Inexistência de um trabalho atitude face à articulação com departamentos e trabalho articulado entre a colaborativo real à escala de que a BE pode fazer com os docentes. BE e alguns professores das um departamento ou curricula. diferentes áreas curriculares. conselho de ano/educadores. Reconhecimento da validade da Hora do Conto Formação para a leitura e Concentração dos recursos Pouca importância dada por Renovação do corpo docente Incapacidade de dar resposta para as literacias informáticos na BE alguns docentes às com experiência de práticas oportuna às solicitações (portáteis, comandos dos QI, actividades de leitura e de articuladas com a BE. etc.). pesquisa, bem como à sua Reconhecimento dos orientação articulada com a benefícios para as BE aprendizagens dos alunos 7 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • DOMÍNIO PONTOS FORTES FRAQUEZAS OPORTUNIDADES AMEAÇAS que experimentaram a Hora Práticas expositivas e Necessidade de dar resposta do Conto e o Conto fechadas, ainda muito ao PNL. vai…Conto vem… enraizadas. Oportunidade de articulação com o 1.º CEB no âmbito do PNEP. BE e os novos ambientes Parque informático Inexistência de um apoio O Plano de Contingência da Mau funcionamento da digitais. renovado. técnico permanente em Gripe A veio despoletar a plataforma. termos de manutenção e necessidade de tornar a Existência de salas de estudo orientação dos alunos. plataforma moodle num Desconhecimento ou fraca digitais no moodle do espaço de importância utilização da plataforma por agrupamento. Espaço digital da BE muito capital na manutenção das parte dos alunos incipiente. actividades escolares, de divulgação e interacção. Gestão de evidências/ Existência de um Rotinas centradas na Um Plano de Acção para Resistências por parte dos avaliação. observatório da Qualidade conveniência pessoal e na quatro anos obriga a uma recursos humanos no Agrupamento que pode resolução do pontual por visão proactiva do que há a orientar a recolha de parte de colaboradores, mudar para a consecução evidências. docentes e AAE. dos objectivos. Práticas habituais de planificação (a longo, médio e curto prazo) e de avaliação desenvolvidas desde sempre pela professora bibliotecária. 8 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • 1.ª ÁREA DE INTERVENÇÃO LEITURA E LITERACIA (Domínio B do MABE) 9 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 1.1. Integrar a BE nas estratégias e  Sensibilização da Direcção Executiva, dos Professora Projecto A desenvolver ao programas de leitura do Departamentos Curriculares/Conselhos de docentes e bibliotecária Educativo e longo do agrupamento, com abertura à educadores e as demais estruturas representadas no Curricular de quadriénio comunidade. Conselho Pedagógico, para a importância da leitura nas Equipa BE Agrupamento 2009 - 2013 aprendizagens; Estruturas de PAA Forte  Integração da leitura e da literacia como meta do coordenação investimento em Projecto Educativo e Projecto Curricular do educativa e de PPLA 2009/2010 agrupamento, bem como das respectivas estratégias supervisão para a sua promoção; Projectos e pedagógica e  Elaboração de um plano de actividades de promoção registos de docentes da leitura (PPLA) em articulação com os diferentes actividades no departamentos curriculares, conselhos de ano e de Direcção âmbito da educadores, para o ensino regular; Executiva leitura  Elaboração de um plano de actividades de promoção da leitura (PPLA) direccionado para os públicos CEF, Biblioteca Materiais de EFA e a Educação Especial, em articulação com os Municipal e apoio à leitura docentes responsáveis, os currículos próprios e os outros produzidos e PCT; parceiros editados  Coordenação da articulação de actividades de leitura com a Biblioteca Municipal, com contadores, Pais/EE Questionários animadores, especialistas e escritores convidados, aos docentes direccionadas para todos os níveis de ensino e escolas Alunos do do agrupamento; ensino regular Questionários  Coordenação das actividades no âmbito do PNL, aos pais/EE Alunos CEF, através da divulgação das listagens actualizadas, da EFA e Sítio/ Blogue gestão da colecção, da organização de animações, da Educação da BE/ disponibilização de guiões de leitura, bibliografias e de Especial Moodle outros materiais de apoio, em articulação com os docentes de todos os níveis de ensino e o seu trabalho em sala de aula;  Produção e divulgação de materiais diversificados, e em diferentes ambientes, de apoio à leitura e à escrita, em articulação com os docentes dos diferentes níveis de ensino, áreas curriculares, ACND, Educação 10 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO Especial, CEF e EFA;  Criação de ambientes de leitura diversificados em espaços de aprendizagem, de trabalho ou de lazer e fornecimento de livros e recursos aos diferentes espaços de leitura;  Envolvimento das famílias em projectos/actividades de leitura. 1.2. Promover as competências e o  Realização sistemática de actividades diversificadas de Professora Registos de A desenvolver ao gosto pela leitura abrangendo promoção da leitura e de escrita em diferentes suportes Bibliotecária actividades/ longo do todos os níveis de ensino e os e contextos (Feiras do livro, Hora do Conto, Conto projectos quadriénio de diferentes públicos do vai…Conto vem, fóruns, blogues, concursos Equipa BE 2009 – 2013 agrupamento. internos/externos de leitura/escrita, encontros com Questionários escritores, etc.), que induzam comportamentos de Docentes aos docentes e Forte leitura em todos os níveis de ensino do agrupamento alunos investimento em Alunos 2009/2010  Reforço do diálogo informal com as crianças e jovens, Estatísticas de para os incentivar a ler; utilização da  Realização de visitas de estudo e outras actividades de BE para leitura em articulação com a BMS ou outras entidades; leitura  Divulgação regular de destaques e novidades no recreativa ou âmbito da leitura, bem como das listagens actualizadas actividades de do PNL; leitura  Disponibilização de uma colecção actualizada, variada orientada, e adequada aos gostos, interesses e necessidades dos articulada com diferentes tipos de utilizadores (professores, alunos, os docentes alunos CEF/EFA, educação especial, pais/EE);  Disponibilização de um conjunto de periódicos Listagens das diversificados adequados aos diferentes públicos obras utilizadores da BE; existentes/  Prospecção e identificação de novas propostas de Catálogo leitura, do interesse dos diferentes públicos do agrupamento, através da consulta Web, de visitas Catálogos das regulares às livrarias e Biblioteca Municipal ou a editoras partir de sugestões dos docentes; 11 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO  Realização de avaliações periódicas à colecção para Estatísticas de identificar eventuais limitações; empréstimo  Inventariação periódica das necessidades e sugestões domiciliário/ dos docentes e dos alunos; requisição  Incentivo ao empréstimo domiciliário de todos os para sala de livros, excepto enciclopédias, dicionários, atlas e obras aula que, pelo seu valor ou estado de degradação, não o permitam. Registos de observação Sítio/ Blogue da BE/ Moodle 12 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • 2.ª ÁREA DE INTERVENÇÃO APOIO AO DESENVOLVIMENTO CURRICULAR (Domínio A do MABE)  Articulação com as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica e os docentes;  Promoção das literacias da informação, tecnológica e digital. 13 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 2.1. Cooperar com as diferentes  Participação regular nas reuniões e decisões do Professora Documentos A desenvolver ao estruturas de coordenação educativa Conselho Pedagógico; bibliotecária reguladores da longo do e de supervisão pedagógica do  Reformulação da integração da BE nos documentos Equipa BE actividade do quadriénio agrupamento: Conselho Pedagógico, reguladores da actividade do agrupamento (Projecto agrupamento e 2009 – 2013 Departamentos Educativo, Regulamento Interno, Plano Anual de Estruturas de da sua Maior Curriculares/Conselhos de Ano/ Actividades) e da sua operacionalização (Planos de coordenação operacionaliza investimento a Educadores, Coordenadores de recuperação/acompanhamento/desenvolvimento, educativa e de ção partir de Estabelecimento, Conselhos de PPLA, PTIC, etc.); supervisão Planificações 2010/2011 Turma, e o docentes/educadores, em  Realização de reuniões formais e informais da BE com pedagógica dos geral. as diferentes estruturas de coordenação educativa e de Docentes em departamentos supervisão pedagógica e os docentes/educadores, em geral curriculares/ geral, do agrupamento, para planificação de áreas actividades, estratégias e recursos necessários, de Direcção disciplinares acordo com o currículo e/ou os PCT; Executiva  Organização de sessões de formação de utilizadores da PCT BE junto dos docentes das diferentes áreas Registos de curriculares; reuniões/  Apresentação aos docentes de sugestões de articulação contactos de actividades com a BE em diversas áreas temáticas;  Congregação de esforços com a Direcção Executiva Registos de para a disponibilização de meios financeiros para a projectos/ actualização regular dos recursos adequados às actividades e necessidades. das sessões de formação de utilizadores 2.2. Apoiar os docentes responsáveis  Realização de reuniões formais e informais da BE com Professora Planificações A desenvolver ao pelas Áreas Curriculares Não os docentes responsáveis pelas ACND, do bibliotecária das ACND longo do Disciplinares: Área de Projecto, agrupamento para planificação de actividades, quadriénio Formação Cívica, Estudo estratégias e identificação de recursos necessários, de Equipa BE PCT 2009 - 2013 Acompanhado/Apoio ao Estudo. acordo com diferentes áreas temáticas e/ou os PCT; Docentes Registos de  Apresentação aos docentes das ACND de sugestões de responsáveis reuniões/ articulação de actividades com a BE em diversas áreas pelas ACND contactos temáticas; 14 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO  Organização de sessões de formação de utilizadores da Registos de Maior BE junto dos docentes das diferentes ACND. projectos e Investimento a actividades partir de 2010/2011 Planos das sessões de formação de utilizadores Questionário aos docentes 2.3. Apoiar os docentes responsáveis pela  Realização de reuniões formais e informais da BE com Professora Planificações A desenvolver ao Educação Especial/ Apoios os docentes responsáveis pela Educação Especial e bibliotecária da Educação longo do Educativos. Apoios Educativos do agrupamento para planificação Especial/ quadriénio de actividades, estratégias e identificação dos recursos Equipa BE Apoios 2009 – 2013 necessários, de acordo com diferentes áreas temáticas; Educativos Docentes Maior  Apresentação aos docentes da Educação Especial e responsáveis Registos de investimento a Apoios Educativos de sugestões de articulação de pela Educação reuniões/ partir de actividades com a BE em diversas áreas temáticas; Especial/ contactos 2010/2011  Organização de sessões de formação de utilizadores da Apoios BE junto dos docentes da Educação Especial/ Apoios Educativos Registos de Educativos. projectos/ actividades Planos das sessões de formação de utilizadores Questionário aos docentes 15 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 2.4. Participar no PTE e outros  Integração da professora bibliotecária na equipa PTE, Professora PTIC A desenvolver ao programas/projectos de de acordo com a legislação em vigor, e participação Bibliotecária longo do inovação/formação do agrupamento. nas suas reuniões/decisões; Registos de quadriénio  Cooperação com a equipa PTE com vista à Equipa BE reuniões/ 2009 – 2013 manutenção do bom funcionamento das redes, contactos Equipa PTE Maior equipamentos e software existente na BE; construção Registos de investimento a do sítio da BE e do catálogo informatizado; Docentes projectos/ partir de  Realização de reuniões com os responsáveis pelos responsáveis/ actividades 2010/2011 diferentes programas e projectos para planificação de participantes acções cooperativas; nos diferentes Questionário  Recolha, organização e divulgação de materiais programas / aos docentes relacionados com os temas e necessidades formativas projectos dos docentes envolvidos nos diferentes programas/projectos;  Inserção de acções desses programas/projectos no PAA da BE. 2.5. Integrar o Plano de Ocupação dos  Integração dos objectivos e estratégias da BE no Professora POTE A desenvolver ao Tempos Escolares (POTE) do POTE; Bibliotecária longo do agrupamento.  Disponibilização dos espaços e recursos da BE e Registo de quadriénio articulação de actividades para OTE, nomeadamente: Equipa BE reuniões / 2009 - 2013 actividades de leitura, estudo, pesquisa orientada, contactos Direcção Maior clubes, uso das TIC, visionamento de filmes didáctico- Executiva Registo de investimento a lúdicos (ciclos de cinema), audição de música projectos / partir de seleccionada (ciclos musicais), entre outras. Docentes actividades 2010/2011  Produção de materiais específicos de apoio à OTE; envolvidos na  Sugestões de actividades a apresentar à Direcção OTE Questionário Executiva e aos docentes para OTE. aos docentes 16 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 2.6. Rentabilizar os recursos da BE no  Formação da equipa BE e seus colaboradores, no Professora Plano anual de A desenvolver ao âmbito das actividades lectivas. sentido de melhorar o acompanhamento/apoio aos Bibliotecária actividades da longo do alunos e diversificar as actividades próprias da BE, BE quadriénio para que abranjam diferentes áreas Equipa BE 2009 - 2013 curriculares/temáticas; Registo de Assistentes reuniões/ Maior  Contacto com todos os docentes/educadores no sentido técnicas contactos investimento a da articulação na planificação/concretização de actividades com a BE, quer as já disponíveis em bolsa, partir de Docentes/ Registos de 2010/2011 quer novas actividades; educadores projectos/  Produção conjunta, com os docentes das várias áreas actividades curriculares e níveis de ensino, de materiais didácticos, Outras páginas de Internet, blogues, guiões de pesquisa ou escolas/ Materiais de leitura, dossiês temáticos, fichas de trabalho e outros bibliotecas apoio instrumentos formativos/de apoio às diferentes produzidos actividades;  Edição e divulgação a todos os docentes dos materiais Sítio/ Blogue e actividades promovidos pela BE através do contacto da BE/ directo, do sítio web, dos blogues da BE e da Moodle plataforma moodle do agrupamento;  Partilha dos materiais com outras escolas, externas ao Questionário agrupamento, através do contacto directo ou da sua aos docentes publicitação em sítios web, blogues ou via e-mail. 2.7. Organizar actividades de formação  Agendamento com os directores de turma e os Professora Plano anual de A desenvolver ao de utilizadores da BE. docentes titulares das turmas de sessões de formação bibliotecária actividades da longo do de utilizadores com as respectivas turmas; BE quadriénio  Produção e partilha com outras escolas de materiais Equipa BE 2009 - 2013 informativos e/ou lúdicos de apoio à formação de Registo de Directores de reuniões/ utilizadores. turma/ contactos docentes titulares de Registo de turma sessões de formação Outras escolas 17 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO Materiais produzidos /editados Registos de observação Sítio/ Blogue da BE/ Moodle 2.8. Promover acções promotoras do uso  Fomento de uma política orientada para o ensino Professora Registo de A desenvolver ao das TIC e da Internet para o sistemático, e em contexto curricular, de competências Bibliotecária reuniões/ actas longo do desenvolvimento das competências de de informação, através do reforço dessa informação e quadriénio pesquisa, tratamento e comunicação apelo aos docentes à sua consecução, em reuniões de Equipa BE PTIC 2009 - 2013 da informação nos alunos, em Conselho Pedagógico, Conselhos de Directores de articulação com o currículo e os PCT, Turma, Departamentos Curriculares/ Conselhos de Estruturas de Modelo de Maior estimulando a aprendizagem Docentes; Coordenação pesquisa BIG6 investimento a Educativa e partir de responsável e autónoma, essenciais à  Cooperação com os docentes da equipa PTE na Guia de sua formação ao longo da vida. Supervisão 2010/2011 elaboração de um plano articulado e progressivo, a utilizador TIC Pedagógica e partir do 1.º ano de escolaridade, para o os Docentes desenvolvimento das competências da informação Registo de (PTIC); Equipa PTE projectos/  Proposta e divulgação de um modelo de pesquisa de actividades de informação a ser usado por todo o agrupamento; Alunos- formação, de  Integração no guia do utilizador da BE de um conjunto monitores TIC ensino/ de orientações e de um código de conduta para o uso aprendizagem responsável dos recursos de informação; Alunos em  Organização, em conjunto com a equipa PTE, de geral Plano de acções de formação em literacia tecnológica e digital Actividades da para docentes, alunos e assistentes técnicas; Assistentes BE  Organização de actividades de ensino/aprendizagem de técnicas competências de informação com turmas/grupos de Planificações alunos em cooperação com os docentes ou apoiadas ACND/ por grupos de alunos-monitores, integradas nas ACND, 18 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO nos currículos ou nos PCT; Departamentos  Produção e divulgação de guiões e outros materiais e Áreas informativos e de apoio à adequada utilização da Curriculares/ Internet (guiões, guias de procedimentos, listas de PCT apontadores, grelhas de avaliação de sítios, etc.), enquanto um dos instrumentos fulcrais da ALV. Currículo e Programas Materiais de apoio produzidos e editados Sítio/ Blogue da BE/ Moodle 19 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • 3.ª ÁREA DE INTERVENÇÃO PROJECTOS, PARCERIAS E APOIO A ACTIVIDADES LIVRES DE ABERTURA À COMUNIDADE (Domínio C do MABE)  Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular; Projectos e parcerias 20 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 3.1. Apoiar a utilização voluntária da BE  Estabelecimento de um horário de funcionamento da Professora Horário da A desenvolver ao para o desenvolvimento de métodos BE coincidente com o período de permanência dos bibliotecária BE/serviço longo do de estudo e trabalho autónomos. alunos na escola; docente e não quadriénio  Cooperação com a Direcção no sentido de serviço de Equipa BE docente 2009 – 2013 uma equipa BE e seus colaboradores que abranja o Assistentes Material livro mais possível o horário de funcionamento da BE e técnicas e não livro/ diferentes áreas curriculares, de modo a garantir um apoio permanente e mais eficaz aos alunos, por informático Professores professores e assistentes técnicas; colaboradores Registos de  Apoio à leitura, pesquisa, estudo e realização de observação trabalhos escolares pelos alunos, em diversos suportes, Direcção fora do seu horário lectivo, por ex. através da Sítio/ Blogues disponibilização de links para salas de estudo digitais; da BE/  Enriquecimento da colecção para o desenvolvimento Moodle da leitura, pesquisa e estudo autónomos. 3.2. Incentivar a utilização autónoma e  Enriquecimento do acervo de literatura infanto-juvenil, Professora Registo/ A desenvolver ao voluntária da BE como espaço de dos jogos educativos, da música e dos filmes de ficção; bibliotecária listagens e longo do lazer e livre fruição dos recursos.  Ampliação das formas de divulgação das novidades na catálogo da quadriénio BE em termos de literatura infanto-juvenil, dos jogos Equipa BE colecção 2009 – 2013 educativos, da música e dos filmes de ficção; Professores Painéis de  Estabelecimento de um horário de funcionamento da colaboradores divulgação/ BE durante os períodos de interrupção lectiva;  Incentivo ao empréstimo domiciliário durante os fins- sítio/blogue da Docentes BE de-semana e períodos de férias. Assistentes Registos de técnicas observação Alunos Horário da BE Estatísticas de empréstimo domiciliário 21 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 3.3. Dinamizar actividades livres, de  Diversificação do leque de actividades de animação Equipa BE Registos de A desenvolver ao carácter lúdico e cultural na cultural dinamizadas pela BE por iniciativa própria ou actividades longo do escola/agrupamento, que em cooperação com outras instâncias: exposições, Professores (planeamento, quadriénio desenvolvam a sensiblidade estético- espectáculos, debates, palestras, sessões de poesia, colaboradores execução e 2009 – 2013 cultural e científica nos alunos. teatro, concursos, celebração de efemérides, ciclos avaliação) periódicos de cinema ou de música; Docentes  Ampliação da divulgação dos programas de animação Plano de Alunos actividades da cultural da BE, em diferentes suportes;  Solicitação da cooperação dos pais na organização e BE Pais/EE financiamento das actividades. Registo de Outros contactos / parceiros reuniões Registos de observação 3.4. Disponibilizar espaços, tempos e  Incentivo e orientação à iniciativa própria de Professora Plano de A desenvolver ao recursos para a iniciativa e actividades/projectos eventualmente promovidos pelos bibliotecária actividades da longo do intervenção livre dos alunos. alunos, nomeadamente em termos de alunos-monitores BE quadriénio TIC. Equipa BE 2009 – 2013 Registo de Equipa PTE actividades/ projectos de Alunos autoria dos alunos 3.5. Apoiar as actividades de  Divulgação junto dos docentes das AEC dos recursos Equipa BE Plano de A desenvolver ao enriquecimento curricular (AEC) do disponíveis e da oferta de actividades da BE; actividades da longo do 1.º ciclo da escola-sede, conciliando-  Programação conjunta com a Direcção e os Docentes das BE quadriénio as com a utilização livre da BE. responsáveis das AEC da utilização da BE quer para o AEC 2009 – 2013 apoio às actividades, quer para a estruturação de uma Registo de Direcção reuniões / Maior oferta própria nesse âmbito;  Organização de sessões de formação de utilizadores da contactos investimento BE para os docentes das AEC. Estatísticas de 22 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO utilização da a partir de BE em AEC 2010/2011 3.6. Envolver a BE em projectos da  Desenvolvimento de projectos por iniciativa da BE ou Equipa BE Plano de A desenvolver ao escola/agrupamento ou em parceria em parcerias de âmbito local, regional ou nacional; por actividades da longo do com outras entidades (por ex.: CMS, ex. Comemoração do Centenário da República; Comunidade BE quadriénio BMS, Museus, etc.).  Melhoria das formas de divulgação de projectos à educativa 2009 – 2013 comunidade educativa de forma a aumentar o seu grau Registos de Parceiros projectos/ de participação. actividades e sua divulgação Registo de contactos/ reuniões Sítio/ blogue da BE/ Moodle 3.7. Desenvolver actividades / projectos  Realização de contactos e reuniões com professores Professora Registos de A desenvolver ao em comum com outras bibliotecas bibliotecários/equipas BE de outras bibliotecária contactos/ longo do escolares e agrupamentos do escolas/agrupamentos, no sentido da cooperação e reuniões quadriénio concelho de Sintra. concepção de projectos comuns; Equipa BE 2009 – 2013  Organização e participação em partilhas de Registos de Professores actividades/ Maior experiências entre professores bibliotecários/equipas bibliotecários/ projectos investimento a BE; equipas BE e partir de  Contacto com as juntas de freguesia para apoio aos alunos de Plano de 2010/2011 projectos; outras actividades da  Disponibilização dos recursos da BE para empréstimo escolas/agrupa BE inter-bibliotecas ou inter-escolas. mentos Estatísticas de Juntas de empréstimo freguesia inter-escolas 23 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 3.8. Participar em reuniões de trabalho  Participação regular da professora bibliotecária nas Professora Convocatórias A desenvolver a concelhias ou inter-concelhias reuniões concelhias da RBE ou outra entidade, em bibliotecária de reuniões/ partir de promovidas pela RBE ou outra reuniões de trabalho, de partilha de experiências e/ou certificados de 2009/2010 e ao entidade, mediante de cooperação na concepção/execução de Coordenadora presença longo do convocatória/convite ou actividades/projectos conjuntos de auto-formação, concelhia e quadriénio voluntariamente. promoção da leitura e literacia, apoio técnico, etc.. professores Eventuais 2009 – 2013 bibliotecários planos de RBE actividades/ projectos Escolas/ conjuntos agrupamentos Outros Outros registos parceiros 3.9. Estimular a participação dos pais/EE  Recepção aos alunos da escola-sede e respectivos Professora Registos de A desenvolver ao na promoção da leitura e pais/EE (1.º e 5.º anos), no início do ano, com visita à bibliotecária frequência da longo do desenvolvimento de competências BE; BE por quadriénio cívicas junto das crianças e jovens do  Organização de sessões de partilha de experiências de Equipa BE pais/EE ou 2009 – 2013 agrupamento. leitura entre pais/EE e filhos/educandos ou avós e outros Alunos familiares com netos;  Convite directo aos pais/EE, familiares e amigos para Pais/EE as crianças/ participarem nas feiras do livro e outras actividades jovens promovidas pela BE;  Organização de sessões de formação de utilizadores da Registos de BE para pais/EE. contactos/ reuniões com pais/EE Materiais de apoio produzidos e editados 24 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 3.10. Abrir a BE à comunidade local.  Disponibilização do espaço BE e seus recursos à Professora Listagens da A desenvolver ao comunidade local, com fins formativos, em períodos de bibliotecária colecção longo do funcionamento extra-lectivos; quadriénio  Disponibilização de listagens /catálogo da colecção no Equipa BE Catálogo 2009 – 2013 sítio/blogue da BE/ catálogo informatizado/ em rede informatizado RBE/BMS da colecção Maior com a BMS/RBE. investimento a Comunidade Espaços e partir de local recursos da 2012/2013 BE 25 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • 4.ª ÁREA DE INTERVENÇÃO GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR (Domínio D do MABE)  Articulação da BE com a Escola/ Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE;  Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços;  Gestão da colecção/informação. 26 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 4.1. Integrar a BE no Agrupamento como  Participação regular da Professora bibliotecária nas Professora Documentos A desenvolver estrutura de orientação educativa. reuniões de Conselho Pedagógico; Bibliotecária orientadores e em 2009/2010 e  Realização de reuniões informais e formais com a reguladores da actualização no Direcção e as estruturas de orientação educativa e Equipa BE vida do início de cada supervisão pedagógica para apresentação e discussão agrupamento e ano lectivo Órgãos de respectivos subsequente dos objectivos e da missão da BE; Gestão e  Integração do Plano de Acção da BE nos documentos instrumentos Administração documentais orientadores/reguladores da vida no agrupamento: do de PEA, PCA e PAA; Agrupamento  Integração dos objectivos e estratégias em operacionaliza instrumentos operacionais como o POTE, PTIC, ção Estruturas de PPLA, PAEC e planos de recuperação/ orientação acompanhamento e desenvolvimento; educativa e  Reformulação dos seguintes documentos: Regimento supervisão Interno da BE, Guia do Utilizador e Manual de pedagógica Procedimentos. 4.2. Garantir que os órgãos de direcção,  Comunicação constante com os órgãos de gestão e Professora Actas/ A desenvolver a administração e gestão do administração e as estruturas de orientação educativa e bibliotecária apresentações/ partir de agrupamento valorizam e apoiam o supervisão pedagógica, dando conta do MABE e das relatórios 2009/2010 e ao funcionamento e acção da BE. dificuldades, necessidades, projectos e parcerias da Equipa BE longo do BE; Registos de quadriénio Órgãos de contactos  Elaboração e execução de um plano de divulgação dos 2009 - 2013 gestão e documentos orientadores da acção da BE e das administração Sítio/blogue actividades, que contemple o recurso a diferentes e as estruturas da BE, fóruns meios e ambientes, nomeadamente a WEB 2.0; de orientação no Moodle  Concertação com a Direcção de uma verba anual para a educativa e renovação de equipamento, actualização da colecção e supervisão para o funcionamento da BE; pedagógica  Sugestão de constituição da equipa BE e da distribuição de serviço dos professores colaboradores com a BE. 27 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 4.3. Garantir que a BE responde às  Criação de uma equipa multidisciplinar e dinâmica que Professora Horário e A desenvolver a necessidades do agrupamento. responda às necessidades de funcionamento do bibliotecária distribuição de partir de agrupamento em horário alargado, às múltiplas serviço da BE 2009/2010 e ao actividades formativas que são realizadas e ao apoio Equipa BE longo do efectivo às aprendizagens; Recursos da quadriénio Estruturas de BE  Prestação de serviços de reprografia, encadernação e 2009-2013 orientação plastificação, com rapidez e qualidade, a alunos, educativa e Materiais de docentes, AAE e pais/EE, segundo um atendimento supervisão apoio especializado e personalizado; pedagógica produzidos e  Criação de um ambiente propício às aprendizagens editados (pesquisa, estudo) e ao lazer, (espaços, recursos Docentes humanos e materiais); Registos de  Apoio efectivo aos utilizadores na pesquisa e contactos/ tratamento da informação e estímulo a uma cultura de reuniões integração da BE em práticas de ensino mais activas, em articulação com os departamentos Caixa/ fórum curriculares/conselhos de docentes e os PCT; de sugestões/  Formação de utilizadores (docentes, alunos, pais e reclamações assistentes técnicas);  Desenvolvimento de projectos de leitura, de literacia Questionários da informação e culturais que envolvam de forma articulada os diferentes níveis e escolas do Estatísticas de agrupamento e mobilizem a comunidade educativa; utilização da BE  Criação e divulgação de dinâmicas de promoção cultural, contribuindo para dar uma imagem pública da BE como centro de difusão e dinamização pedagógico- cultural nevrálgico;  Rentabilização de recursos materiais e humanos, garantindo que respondam às metas e estratégias do PEA, PCA e Plano de Acção da BE;  Disponibilização de um espaço de sugestões/reclamações (caixa/fórum no Moodle). 28 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 4.4. Implementar um sistema de auto-  Aplicação do MABE, integrando-o nas práticas de Professora MABE A partir de avaliação contínuo. gestão da BE e envolvendo todos os intervenientes bibliotecária 2009/2010 e ao necessários: Questionários longo do Equipa BE quadriénio - Selecção dos domínios a avaliar em cada ano lectivo Estatísticas de 2009-2013 do quadriénio: B (2009/2010); A (2010/2011); C Alunos resultados (2011/2012); D (2012/2013); Pais/EE Registos de - Adaptação e aplicação dos instrumentos de avaliação; actividades / Docentes contactos/ - Análise/interpretação dos dados; reuniões Órgãos de - Planeamento de acções para a melhoria de acordo gestão e … com os pontos fracos detectados; Estruturas de orientação - Alteração de práticas de acordo com a identificação educativa e dos pontos fortes e fracos detectados; supervisão pedagógica - Divulgação dos resultados aos órgãos de gestão e administração e estruturas de orientação educativa e supervisão pedagógica do agrupamento; - Integração dos resultados da auto-avaliação da BE na auto-avaliação do agrupamento.  Integração da Professora bibliotecária no Observatório de Qualidade do agrupamento. 4.5. Criar condições para o exercício  Exercício responsável e empenhado das funções de Professora Portaria A desenvolver a pleno das funções de professora professora bibliotecária, de forma concertada com a bibliotecária n.º756/2009 partir de bibliotecária, de acordo com o equipa BE e o órgão de direcção do agrupamento; 2009/2010 e ao previsto na Portaria n.º756/2009.  Diagnóstico da situação da BE no agrupamento, no Equipa BE MABE longo do sentido de identificar condições de funcionamento e de quadriénio Órgãos de PEA 2009-2013 trabalho; gestão  Análise sistemática de condições de funcionamento e PAA de práticas de trabalho para detecção de pontos fortes e 29 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO fracos e proposição de acções de melhoria; Estruturas de RI  Definição de objectivos para a BE de acordo com os orientação documentos orientadores da RBE e elaboração de um educativa e PTIC Plano de Acção para quatro anos e de um Plano Anual supervisão de Actividades, em articulação com a equipa BE e as pedagógica POTE estruturas de coordenação educativa e supervisão Registo de pedagógica e os órgãos de gestão, em consonância com reuniões/ o PEA; contactos  Realização de reuniões com os diferentes órgãos de gestão e estruturas de orientação educativa e Planos/ supervisão pedagógica para comunicação e cooperação registos de em decisões, definição de objectivos e estratégias, actividades planeamento de actividades e produção de documentos; Materiais  Participação produtiva no conselho pedagógico e produzidos e demais estruturas de coordenação educativa e editados supervisão pedagógica, garantindo a integração e adequação dos objectivos e actividades da BE ao Questionários Projecto Educativo e Curricular do Agrupamento, bem como no RI, PTIC, POTE, etc.; Análise de resultados de  Reforço da acção da BE no apoio ao funcionamento da avaliação escola e às actividades de ensino/aprendizagem; (estatísticas/  Gestão baseada na rentabilização de recursos materiais relatórios) e na criação de possibilidades de trabalho na escola;  Gestão dos recursos humanos assente na base do respeito mútuo e na busca da consensualidade;  Mobilização da comunidade educativa e escolar para a articulação e o reconhecimento da missão da BE;  Divulgação de recursos e actividades, em articulação com o currículo, a todas as escolas do agrupamento, garantindo igualdade de condições de acesso;  Apoio a projectos e articulação com o PTIC, PNEP, PNL, etc.;  Planificação estratégica e operacional face aos resulta- 30 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO dos escolares e às prioridades do agrupamento;  Operacionalização de programas de formação para as literacias e actividades culturais que contribuam para as aprendizagens dos alunos e o sucesso escolar;  Investigação para o enriquecimento da colecção e para a utilização de novas estratégias de promoção da leitura e das literacias;  Implementação da auto-avaliação de serviços, introduzindo processos de melhoria contínua e de promoção/marketing;  Investimento prioritário na informatização do acervo e serviços da BE. 4.6. Adequar os recursos humanos às  Constituição de uma equipa BE motivada, coesa e Professora Currículos A desenvolver a necessidades de funcionamento da dinâmica, em articulação com a Direcção, que integre bibliotecária profissionais partir de BE no agrupamento. também as duas assistentes técnicas actuais e que dos membros 2009/2010 e ao respeite as competências previstas na lei; Equipa BE da equipa longo do  Rentabilização dos recursos humanos colaboradores da quadriénio Direcção Horários e 2009-2013 BE e do respectivo serviço (menor n.º e mais horas por colaborador); mapas de Entidades distribuição de  Articulação das competências e horários da professora formadoras bibliotecária, equipa BE e seus colaboradores às serviço dos necessidades de funcionamento da BE e das restantes docentes e não escolas do agrupamento para a realização de docentes actividades ou serviços;  Operacionalização do Plano de Acção através da distribuição da coordenação de sectores aos diferentes membros da equipa BE;  Inventariação das necessidades de formação dos recursos humanos que asseguram a coordenação e o serviço da BE e busca de oferta de formação adequada;  Aprofundamento dos conhecimentos pessoais (professor bibliotecário e equipa) através de formação especializada/contínua junto de entidades formadoras 31 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO ou da auto-formação não formal em ambientes diversificados. 4.7. Adequar o espaço da BE às  Reorganização do espaço destinado ao Pré-escolar e 1.º Professora Planta da BE A desenvolver necessidades do agrupamento. CEB com colocação de um data-show e ecrã fixo; Bibliotecária em 2009/2010 e  Reorganização da estanteria destinada ao fundo Equipamentos ao longo do documental local e “História da Escola”; Equipa BE quadriénio  Deslocalização da estanteria destinada ao acervo de Registos de 2009-2013 História e Geografia; Colaboradores observação  Solicitação de intervenção técnica especializada no da BE Questionários reforço da estanteria; Direcção aos docentes e  Renovação da sinalética geral e da estanteria; Executiva alunos  Aquisição de uma mapoteca;  Aquisição de expositores-vitrina e de um biombo para exposição móvel das reproduções de embarcações e para exposições temporárias;  Substituição dos televisores antigos por ecrãs LCD;  Aquisição de três aparelhos de desumidificação e aquecimento para evitar a degradação do acervo com o excesso de humidade existente e proporcionar maior conforto aos utentes;  Reformulação da planta da BE e seu envio para a RBE. 4.8. Adequar o parque informático ao  Inventariação de equipamentos disponíveis em boas Professora Inventário de A desenvolver a trabalho da BE e dos utilizadores do condições de funcionamento e os que necessitam de bibliotecária equipamentos partir de agrupamento. reparações; tecnológicos e 2009/2010 e ao  Aquisição de 4 equipamentos MP3; Equipa BE digitais longo do  Intervenção de elementos da equipa PTE para quadriénio Equipa PTE Software 2009-2013 resolução de problemas técnicos;  Actualização de hardware/ software, instalação de Direcção Bibliobase redes;  Actualização do programa de catalogação, circulação e Redes empréstimo (Bibliobase) e sua correcta instalação para que possa funcionar; 32 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO  Disponibilização do Programa de Alunos (para uso exclusivo de professores) em todos os computadores da BE  Colocação concertada com a Direcção de um colaborador com formação especializada em informática para apoio aos alunos;  Formação de utilizadores em literacia tecnológica e digital. 4.9. Gerir a colecção de acordo com a  (Re) Definição de uma política documental, de partilha Professora Documento A desenvolver a inventariação das necessidades do acervo e do desenvolvimento da colecção, em bibliotecária Política partir de curriculares e dos interesses dos articulação com os órgãos de gestão e as estruturas de Documental 2009/2010 e ao utilizadores do agrupamento. coordenação educativa e supervisão pedagógica, Equipa BE da Colecção longo do devendo este ser discutido e aprovado em CP; quadriénio Direcção Registos/  Elaboração do documento de Política Documental da 2009-2013 Colecção; relatórios/ Estruturas de actas de  Avaliação anual da colecção com detecção dos pontos coordenação fortes e fracos e desbaste; reuniões educativa e  Divulgação de catálogos de obras, ou do resultado de supervisão Mapas de visitas a livrarias; pedagógica receitas/  Inventariação das necessidades face ao currículo a despesas apresentar por todos os departamentos Parceiros curriculares/conselhos de docentes/educadores; financeiros Inventários de  Planificação, afectação de verbas e execução da necessidades actualização da colecção, adequando-a às necessidades dos públicos que serve;  Regularização de fontes de financiamento internas ao agrupamento através da concertação com a Direcção de uma verba anual do OGA para satisfação das necessidades e enriquecimento da colecção;  Estabelecimento de parcerias inter-escolas para o enriquecimento da colecção;  Eventual partilha/circulação e empréstimo entre a biblioteca e a BMS: 33 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO 4.10. Promover a circulação e  Divulgação de listagens ordenadas da colecção Professora Colecção A desenvolver ao empréstimo de fundos documentais existente em todo o agrupamento de eventuais bibliotecária longo do entre a BE e as escolas do materiais de apoio à leitura, produzidos ou recolhidos Estatísticas de quadriénio agrupamento. pela BE a serem utilizados quer por alunos, quer por Equipa BE empréstimo 2009-2013 docentes, quer por pais/EE; Docentes das Materiais de  Alargamento das possibilidades de empréstimo diferentes apoio à leitura domiciliário; escolas do  Incentivo à circulação de obras entre as várias escolas Sítio/Blogue agrupamento do agrupamento. da BE/Moodle Mapas de circulação de obras 4.11. Construir um catálogo  Catalogação, classificação e indexação do acervo Equipa BE Módulo Investimento informatizado da colecção e divulgá- disponível no agrupamento com recurso ao programa Catalogação e prioritário ao lo online. Bibliobase; Parceiros no pesquisa da longo do  Afectação de pelo menos um elemento da equipa à apoio técnico Bibliobase quadriénio de tarefa de catalogação, classificação e indexação; 2009/2010  Solicitação de apoio técnico à BM, à empresa Acervo (livro Bibliobase, a colegas bibliotecárias; e não livro)  Publicitação online do catálogo através da RBE /BM. 4.12. Difundir a informação  Planificação e implementação de uma estratégia de Professora Registo de A desenvolver ao difusão dos recursos da informação (documentos bibliotecária utilizadores longo do impressos, recursos digitais) sobre diversas temáticas, quadriénio de de âmbito curricular ou associadas a determinados Equipa Instrumentos 2009-2013 projectos; BECRE de difusão  Criação das condições tecnológicas necessárias para o produzidos e Maior Equipa PTE editados: investimento a efeito;  Produção em diferentes suportes de instrumentos de guias, partir de promoção/divulgação da informação: boletin folhetos, 2010/2011 informativos, folhetos, guias, listas bibliográficas, etc.; boletins, etc. 34 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • OBJECTIVOS ACÇÕES A DESENVOLVER INTERVENIENTES RECURSOS CALARENDARIZAÇÃO  Utilização prioritária da web para difusão da Sítio da BE/ informação (blogues, sítio da BE, etc.) e para utilização blogue/ de estratégias de interacção com os utilizadores: Moodle webquests, testes, jogos, etc., acerca de livros ou assuntos. 35 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • CONCLUSÃO PLANO DE ACÇÃO: O PLANO DA MUDANÇA… A construção e execução do PLANO DE ACÇÃO inicia um processo de mudança de atitude e de organização relativamente à BE D. Carlos I, que passa pelo estabelecimento de prioridades de intervenção em áreas distintas, mas interligadas, ao longo do quadriénio 2009-2013. As acções da mudança apostam crucialmente numa equipa BE que resulte da concertação de escolhas, assentes na motivação, competência e dinamismo dos docentes, e na formação adequada das duas assistentes técnicas - condições essenciais para levar a bom porto a missão da biblioteca. Paralelamente, será um factor de sucesso conseguir ultrapassar as resistências à mudança, à articulação curricular e ao trabalho cooperativo, para a construção de uma outra visão da BE na vida do agrupamento/escola. Embora todas as áreas de intervenção constantes no Plano de Acção sejam de capital importância para a missão da BE, consideramos que a informatização do acervo é, sem dúvida, a mais prioritária, não apenas porque o processo, sendo moroso, ainda não foi iniciado, mas também porque sem um catálogo, que permita um rápido e eficaz conhecimento das existências, a BE poderá ver comprometido o sucesso da sua missão. A informatização estender-se-á também à divulgação dos recursos e actividades, estratégia fundamental para conferir visibilidade à BE e à sua acção junto da comunidade educativa. Tornar a BE um espaço indispensável ao ensino e à aprendizagem, tal é um dos grandes propósitos do PLANO DE ACÇÃO, seja através de uma colaboração efectiva entre a BE e as estruturas de orientação educativa e supervisão pedagógica, seja através da dinamização de actividades centradas na ligação ao currículo, na investigação, na interacção e na criação de ambientes virtuais de aprendizagem, com vista ao favorecimento da transformação autónoma da informação em conhecimento. Para isso será importante a Formação de Utilizadores: dos alunos aos professores e aos pais, esta actividade poderá ser extensível a todos os públicos, à medida das suas necessidades e dos seus gostos, numa estreita articulação entre oferta e procura, de natureza mais livresca ou mais informatizada. As actividades de promoção e animação da leitura têm sido, desde sempre, uma das prioridades na escola-sede, pelo que já existem rotinas de Hora do Conto adquiridas; importa, agora, estendê-las, de forma mais sistemática, a todo o agrupamento, contribuindo, assim, para a concretização de uma verdadeira articulação vertical e horizontal na promoção da leitura. Apostaremos também a nível da cooperação com a comunidade educativa e do estabelecimento de parcerias, nomeadamente com a Biblioteca Municipal de Sintra, no sentido de uma maior rentabilização de recursos e actividades. 36 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013
    • Dinamismo e qualidade será, assim, o lema da BE D. Carlos I, assente numa monitorização sistemática das evidências que permita adequar práticas e responder rápida e eficazmente às necessidades inerentes ao desenvolvimento curricular e às solicitações das crianças e jovens, em particular para ocupação dos seus tempos de lazer. 37 PLANO DE ACÇÃO DA BE D. CARLOS I 2009-2013