Your SlideShare is downloading. ×
A guerra colonial em Angola, 9ºB
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

A guerra colonial em Angola, 9ºB

9,660
views

Published on

Trabalho de alunos do 9ºA com o objectivo de apresentarem uma comunicação oral à turma

Trabalho de alunos do 9ºA com o objectivo de apresentarem uma comunicação oral à turma


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
9,660
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
148
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESCOLA EBI/JI DE MONTENEGRO
    A Guerra colonial e o processo de descolonização - Angola
    História - 9º ano
    Discentes:
    Maria Beatriz nº16 , 9ºB ; Emanuel Noivo nº , 9ºB ; Patrícia Pacheco nº17, 9ºB
    Docente:
    Cristina Lourenço
  • 2. A Colonização de Angola
    • Angola descoberta por Diogo Cão (1482 e 1486), tornando-se assim território ultramarino português baseando-se no principio de colonialismo.
    • 3. Principais interesses: espalhar a fé cristã, monopolizar as melhores terras de cultivo e as riquezas do subsolo(ouro,diamantes,etc), para além disto os Portugueses fizeram da população Angolana escravos e exploravam-nos.
  • Guerra Colonial de Angola
    Designa-se por Guerra colonial de Angola, ao período de confrontos entre as Forças Armadas Portuguesas e as forças organizadas pelos movimentos de libertação de Angola, entre 1961 e 1974.
    Tratou-se de um tipo de guerra de guerrilha e de contra-guerrilha, onde a principal estratégia é a ocultação e a extrema mobilidade das tropas.
    A 4 de Fevereiro de 1961 ocorreu, em Angola, o início da guerra, na zona que corresponde aos distritos do Zaire, Uíje e Quanza-Norte.
  • 4. Vídeo sobre a guerra colonial
  • 5. Causas da guerra colonial em Angola
    • Portugal ao tornar-se membro da ONU, recebeu ordens para dar a independência às suas colónias, porém Portugal não estava disposto a abdicar das mesmas o que levou a conflitos dando origem à guerra colonial de Angola.
    Soldados Portugueses durante a guerra colonial de Angola
  • 6.
    • …a guerra sustentava-se pelo princípio político da defesa daquilo que considerava território nacional (colonialismo), baseando-se ideologicamente num conceito de nação pluri-continental e multi-racial.
    …via as suas matérias-primas serem monopolizadas pelos portugueses;
    …os seus direitos humanos serem submetidos aos interesses dos colonos (Portugueses) sendo feitos escravos;
    Devido a estes factores surgiram os movimentos de libertação de Angola com base no princípio de autodeterminação e independência.
    Por parte de Portugal….
    Por parte de Angola….
    Dois pontes de vista
  • 7. Principais movimentos libertadores
  • 8. Principal objectivo do surgimento dos movimentos de libertação
    • Organizar uma luta armada contra a dominação colonial de Angola por Portugal com base no princípio de autodeterminação e independência.
    Soldados pertences ao movimento UNITA
  • 9. Mapa com os Principais Focos do Conflito
    I- Batalhas no território da República Popular do Congo.
    II- Batalhas no Norte de Angola, entre as cidades de S. Salvador e Carmona.
    III- Batalhas no Norte de Angola, a Leste de Luanda, em redor de Caombo, e Duque de Bragança.
    IV- Batalhas no centro de Angola, em volta da cidade de Luso e na própria cidade.
    V- Batalhas no Sul de Angola, em volta da cidade de Serpa Pinto e na própria cidade.
    I
    II
    III
    IV
    V
  • 10. Consequências da guerra colonial
  • 11. Acordo do Alvor
    Assinado entre:
    Acordo de Alvor, em Janeiro de 1975
    MPLA, FNLA, UNITA (3 principais movimentos de libertação de Angola).
    Governo Português
    Principal objectivo:
    Estabelecer os parâmetros para a partilha
    do poder na ex-colónia entre esses movimentos,
    após a concessão da independência de Angola.
  • 12. Independência de Angola e o processo de descolonização
    • A descolonização de Angola deu-se a 25 de Abril de 1974, em Portugal, com aRevolução dos Cravos que determinou o seu fim.
    • 13. Com a mudança do rumo político do país, o empenhamento militar das forças armadas portuguesas deixou de fazer sentido. Os novos dirigentes anunciaram a democratizaçãodo país ( Angola) e aceitaram as reivindicações de independência das colónias — pelo que se passaram a negociar as fases de transição com os movimentos de libertação empenhados na luta armada.
    • 14. Os novos dirigentes anunciaram a democratização do país (Angola) e aceitaram as reivindicações de independência das colónias.
  • Consequências do Acordo do Alvor
    Pouco tempo depois do Acordo assinado, os três movimentos(MPLA ; FNLA ; UNITA) envolveram-se num conflito armado pelo controlo do país e, em especial, na sua capital, Luanda, no que ficou conhecido como a Guerra civil de Angola, onde as perdas humanas foram muito significativas.
  • 15. Entrevista a um interveniente da guerra
    Entrevistador: Como se chama e que idade tem?
    Entrevistado: Chamo-me Tomás António Fernandes e tenho 76 anos de idade.
    Entrevistador: Em que anos esteve destacado em Angola?
    Entrevistado: Estive entre 1966 e 1971.
    Entrevistador: Qual o motivo de terem sido enviados para a guerra?
    Entrevistado: Bem , nós não tínhamos um motivo concreto para ir-mos para a guerra , simplesmente recrutaram-nos e diziam que Angola era território nacional e tínhamos o dever de a defender-mos.
  • 16. Entrevistador: Para que posto estava destacado?
    Entrevistado: Eu na altura tinha 31 anos de idade mas aquela era a primeira vez que ia prestar serviço militar pois tinha vivido em França muito tempo com a minha família. Era um artilheiro, ou seja, dava suporte aos meus companheiros e desimpedia áreas onde podiam estar rebeldes com morteiros, lança granadas, e artilharia pesada.
    Entrevistador: Recorda-se de ter morto alguém?
    Entrevistado: Bem eu não me recordo de ter morto ninguém mas tenho a certeza que tirei várias vidas pois com as explosões à distância que causava, quem estivesse na área não conseguiria escapar.
  • 17. Entrevistador: Quais foram os seus principais sentimentos enquanto este em Angola?
    Entrevistado: Acima de tudo muito medo, por poder morrer a qualquer momento e de não voltar a ver a minha família. Foi das piores coisas que já senti em toda a minha vida. Mas também me lembro de ter momentos de alegria e diversão, pois quando eu e os meus camaradas estávamos juntos, normalmente arranjávamos sempre alguma maneira de nos rirmos da nossa situação. Acho que isso e o desejo de ver novamente a minha família foi o que me manteve vivo esse tempo todo.
  • 18. Entrevistador: De tudo o que viu nesta guerra, o que mais o impressionou?
    Entrevistado: Sinceramente, de tudo o que vi o que mais me chocou foi ver centenas, milhares de crianças sozinhas porque os seus pais tinham morrido ou porque simplesmente as abandonaram. Foi absolutamente horrível.
    Entrevistador: Gostava de saber o que sentiu ao chegar a Portugal.
    Entrevistado: Bem, quando cheguei finalmente a Portugal, tinha a minha mulher e os meus 3 filhos à minha espera e lembro-me bem que estavam a chorar. Finalmente passados tantos anos tinha voltado e a primeira coisa que fiz foi largar toda a minha bagagem e fui beijar a minha mulher e abraçar os meus filhos. Foi a melhor sensação que tive em toda a minha vida
  • 19. Entrevistador: Para terminar, gostava de saber a sua opinião pessoal sobre esta guerra.
    Entrevistado: Bem, primeiro acho que foi uma guerra totalmente inútil, pois não houve um vencido nem um vencedor. Tanto sofrimento e morte e ainda me pergunto para quê? Acho que a ambição de Portugal querer ser um país tão grande o levou a ser um país que apenas pensava no seu próprio bem e para mim isso é errado. Acho que devíamos ter concedido a independência às nossas colónias quando estas a pediram. A verdade é que a guerra aconteceu e hoje já só podemos pensar no que teria sido Portugal sem esta guerra inútil.
  • 20. Webgrafia
    http://www.guerracolonial.org/index.php?content=126
    http://www.guerracolonial.org/index.php?content=18&category=4&dateBegin=1961&dateEnd=1974
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_Civil_Angolana
    http://www.youtube.com/watch?v=aOGsaw6nTvo&feature=related
    http://angolaterranossa.blogspot.com/2010/12/blog-post_6442.html