Maturidade em automação de testes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Maturidade em automação de testes

on

  • 733 views

Maturidade em automação de testes. TestComplete. Selenium.

Maturidade em automação de testes. TestComplete. Selenium.

Statistics

Views

Total Views
733
Views on SlideShare
731
Embed Views
2

Actions

Likes
4
Downloads
23
Comments
0

1 Embed 2

https://twitter.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Maturidade em automação de testes Maturidade em automação de testes Presentation Transcript

  • www.qualister.com.br (48) 3285 5615 contato@qualister.com.br Maturidade  em   automação  de  testes   • Terceirização de profissionais • Consultoria de teste • Avaliação de usabilidade • Automação de testes • Testes de performance • Treinamentos
  • www.qualister.com.br Direitos autorais Importante –  É proibida a cópia e reprodução de qualquer parte do conteúdo desta apresentação incluindo, mas não limitado a, textos, imagens, gráficos e tabelas. Esta apresentação é protegida pelas leis de Copyright e são propriedade de Cristiano Caetano e Qualister Consultoria e Treinamento LTDA. –  Não é permitido modificar, copiar, guardar em banco de dados público, alugar, vender ou republicar qualquer parte desta apresentação, sem prévia permissão explícita do autor. –  Quando houver permissão de uso deste material, é obrigatória a referência bibliográfica conforme as normas vigentes.
  • www.qualister.com.br Instrutor Cristiano Caetano Email: cristiano.caetano@qualister.com.br Apresentações: slideshare.net/cristianocaetano Blog: cristianocaetano.wordpress.com É certificado CBTS pela ALATS. Diretor técnico da Qualister com mais de 10 anos de experiência, já trabalhou na área de qualidade e teste de software para grandes empresas como Zero G, DELL e HP Invent. É colunista na área de Teste e Qualidade de software do site linhadecodigo.com.br e autor dos livros "CVS: Controle de Versões e Desenvolvimento Colaborativo de Software" e "Automação e Gerenciamento de Testes: Aumentando a Produtividade com as Principais Soluções Open Source e Gratuitas". Participante ativo da comunidade de teste de software brasileira, é o criador e mantenedor do portal TestExpert: A sua comunidade gratuita de teste e qualidade de software (www.testexpert.com.br).
  • www.qualister.com.br Twitter twitter.com/c_caetano
  • www.qualister.com.br Parcerias internacionais                               Soluções para automação, profilling e gestão de testes Soluções para testes de performance Soluções de apoio a avaliação de usabilidade
  • www.qualister.com.br Tópico •  Maturidade em automação de testes
  • www.qualister.com.br Você está pronto para automação de testes? - Experiência do time de testes em automação + -Maturidadedoprocessodetestes+
  • www.qualister.com.br Checklist: Critérios para escolher a ferramenta ideal •  Facilidade de uso •  Manuais claros com informações úteis •  Suporte técnico e treinamento •  Integração com outras ferramentas (Gestão de teste e defeitos, Rastreabilidade) •  Possibilidade de automatizar múltiplas tecnologias(Java, .NET, WEB, Delphi, etc) •  Linguagem de script robusta •  Recursos de debug (depuração de scripts) •  Suporte para a execução em múltiplas plataformas (Windows, Linux, Unix, Mac) •  Suporte para a execução em múltiplos navegadores (IE, FF, Safari, etc) •  Reconhecimento de objetos e as propriedades dos objetos •  Criação de pontos de verificação para validar os objetos e propriedades dos objetos •  Recursos para comparação de arquivos (*.txt, *.pdf, etc) •  Recursos para comparação de áreas da tela com imagens pré-definidas •  Recurso para acesso a banco de dados e SQL (via ODBC, etc) •  Recursos para criação de teste dirigidos a dados (Data-Driven) •  Execução dos testes distribuídas em múltiplos computadores simultâneos •  Geração de relatórios detalhados com o resultado da execução dos testes
  • www.qualister.com.br Níveis de maturidade em automação de testes Inspirado em: KRAUSE Mitchel H. A Maturity Model for Automated Software Testing. Medical Device & Diagnostic Industry Magazine. Dez 1994.
  • www.qualister.com.br Níveis de maturidade em automação de testes Nível  1:  Automação  acidental     Neste  nível,  algumas  inicia7vas  individuais  baseadas  na  tenta7va   e  erro  e  sem  suporte  ou  apoio  da  alta  gerência  são  iniciadas   acidentalmente  em  virtude  de  uma  alta  demanda  de  testes   regressivos.  A  automação  de  alguns  testes  é  iniciada  sem   nenhum  planejamento,  sem  o  conhecimento  dos  paradigmas,   7pos,  técnicas  e  melhores  prá7cas  da  automação  de  testes.  Não   existe  uma  ferramenta  ins7tucionalizada  na  organização  e  os   profissionais  não  são  capacitados  nem  dominam  as  ferramentas   que  são  u7lizadas.  O  código  não  é  armazenado  sob  o  controle  de   versões  e  o  código  não  é  projetado  para  ser  reu7lizado  (código   spagheJ).  
  • www.qualister.com.br Níveis de maturidade em automação de testes Nível  2:  Automação  proposital     Neste  nível,  a  alta  gerência  percebe  que  a  automação  de  testes  é  uma   alterna7va  para  aumentar  a  cobertura  e  a  profundidade  dos  testes.  A  alta   gerência  suporta  e  apóia  uma  inicia7va  de  introduzir  a  automação  de  testes.   No  entanto,  a  automação  de  testes  ainda  é  considerada  como  mais  uma   a7vidade  de  teste  de  soLware  e  não  está  formalmente  integrada  ao  ciclo  de   vida  de  desenvolvimento.  É  realizada  uma  prova  de  conceito  (ou  projeto   piloto)  para  determinar  qual  ferramenta  atende  as  necessidades  da   organização.  Uma  consultoria  é  contratada  para  disseminar  as  melhores   prá7cas  da  automação  de  testes  e  capacitar  os  profissionais.  A  automação  de   alguns  testes  é  iniciada  por  meio  de  critérios  e  planejamento  rudimentares.  A   metodologia,  processo,  diretrizes,  padrões  e  procedimentos  estão  sendo   criados  e  aprimorados.  
  • www.qualister.com.br Níveis de maturidade em automação de testes Nível  3:  Automação  formal     Neste  nível  a  ferramenta,  metodologia,  processo,  diretrizes,  padrões  e   procedimentos  estão  estabelecidos  e  ins7tucionalizados  na   organização.  A  automação  de  testes  é  realizada  em  todos  os  níveis  de   testes  (Unidade,  Integração,  Sistema  e  Aceitação).  A  automação  de   testes  é  tratada  como  um  projeto,  com  fases,  a7vidades,  papéis,   cronograma  e  orçamento  independentes.  A  automação  de  testes  é   planejada,  es7mada  e  controlada  formalmente.  A  automação  de  testes   é  integrada  ao  ciclo  de  vida  de  desenvolvimento  de  soLware  e,  quando   é  necessário,  são  adicionados  recursos  de  testabilidade  no  sistema   para  facilitar  a  automação.    Os  profissionais  estão  capacitados  e   mo7vados.    O  código  é  projetado  para  a  reu7lização  e  está  sob  o   controle  de  versões.  
  • www.qualister.com.br Níveis de maturidade em automação de testes Nível  4:  Automação  formal  em  o<mização     Neste  nível,  existe  um  grupo  ou  comitê  que  define,  distribui  e   suporta  os  procedimentos,  polí7cas  e  diretrizes  da  automação  de   testes.  As  polí7cas  definidas  por  esse  comitê  são  colocadas  em   prá7ca  e  revisadas  periodicamente.  Os  testes  automa7zados  são   revisados  por  meio  de  técnicas  formais  de  revisão.  Uma  polí7ca   e  metodologia  de  medição  são  definidas  com  o  obje7vo  de   iden7ficar,  coletar  e  analisar  métricas  relacionadas  à  eficiência  e   eficácia  da  automação  de  testes,  bem  como,  propor  ações  de   melhoria.  
  • www.qualister.com.br Processo de automação de testes ATLM  –  The  Automated  Tes7ng  Life-­‐cycle  Methodology     Adaptado de "Automated Software Testing", Elfriede Dustin, et all, Addison Wesley Longman, Inc. July 1999
  • www.qualister.com.br Processo de automação de testes 1.  Decidir  automa<zar  os  testes   Esta  fase  ocorre  quando  a  empresa  decide  automa7zar  os  testes.  A  a7vidade  principal  desta  fase   é  estudar  o  retorno  de  inves7mento,  os  paradigmas  e  7pos  de  testes  existentes  para  evitar  falsas   expecta7vas  em  relação  à  automação  de  testes.  Suposições  errôneas  são  o  resultado  da  falta  de   conhecimento  dos  beneZcios  e  limitações  de  um  projeto  de  automação  de  testes.  Esta  fase   também  tem  o  obje7vo  de  garan7r  o  patrocínio  e  comprome7mento  da  alta  gerência.     2.  Aquisição  de  uma  ferramenta  de  automação  de  testes   Nesta  fase  serão  definidos  os  critérios  e  o  processo  que  será  u7lizado  para  a  aquisição  da   ferramenta.  Uma  prova  de  conceito  deverá  ser  conduzida  para  demonstrar  os  beneZcios,   limitações  e  restrições  da  ferramenta.     3.  Introdução  da  automação  de  testes  na  organização   Nesta  fase  serão  conduzidos  os  primeiros,  diretrizes,  procedimentos  e  melhores  prá7cas  que   serão  adotadas  ao  longo  das  a7vidades  de  automação  de  testes.  passos  para  a  introdução  da   automação  de  testes.  Um  dos  passos  principais  desta  fase  é  a  modificação  do  processo  de  teste   de  soLware  estabelecido  na  organização  para  suportar  as  a7vidades  de  automação  de  testes.    
  • www.qualister.com.br Processo de automação de testes 4.  Planejamento,  projeto  e  desenvolvimento  dos  testes  automa<zados   Nesta  fase  ocorre  o  planejamento  projeto  e  desenvolvimento  dos  testes  automa7zados  de  um   projeto  real  da  organização.  Todas  as  a7vidades  desta  fase  devem  seguir  os  processos  e  diretrizes   ins7tucionalizados.  A  automação  de  testes  é  uma  combinação  entre  teste  e  desenvolvimento  de   soLware.  Dessa  forma,  a  automação  de  testes  deve  ser  encarada  como  um  projeto  com  um  ciclo   de  vida  e  caracterís7cas  próprias,  ou  seja,  exige  um  planejamento  detalhado,  assim  como,   a7vidades  de  projeto,  desenvolvimento  e  testes,  tal  qual  o  desenvolvimento  de  um  soLware   convencional.     5.  Execução  e  controle  da  automação  de  testes   Nesta  fase  os  testes  automa7zados  desenvolvidos  são  executados  no  ambiente  de  automação   pretendido.  As  métricas  são  coletadas  para  o  controle,  tais  como  indicadores  de  progresso,   cobertura,  eficiência,  entre  outros.     6.  Revisão  e  melhoria  do  processo   Nesta  fase  diversas  a7vidades  de  avaliação  são  conduzidas  com  o  obje7vo  de  implementar  a   melhoria  do  processo  de  automação  de  testes  com  base  nas  métricas  e  nas  lições  aprendidas  ao   longo  do  projeto.  
  • www.qualister.com.br Para saber mais Cursos  de  automação  de  testes  (www.qualister.com.br/cursos)   •  Automação  de  testes  funcionais  com  TestComplete   •  Automação  de  testes  funcionais  com  Selenium   •  Automação  de  testes  funcionais  com  QTP   •  Automação  de  testes  funcionais  com  Badboy   •  Automação  de  testes  funcionais  com  Ra7onal  Func7onal  Tester   •  Automação  de  testes  com  Wa7r   •  Automação  de  testes  com  Fitnesse   •  Automação  de  testes  com  Robot  Framework   •  Automação  de  testes  com  Cucumber   •  Automação  de  testes  com  SIKULI   •  Automação  de  testes  de  WebServices  com  SoapUI  
  • www.qualister.com.br Dúvidas? •  Contato: –  Email: cristiano.caetano@qualister.com.br –  Telefone: (48) 3285 5615