Your SlideShare is downloading. ×
0
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Apresentaçao Queimados

7,407

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
7,407
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
100
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA. CURSO DE NUTRIÇÃO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM NUTRIÇÃO CLÍNICA CONDUTA NUTRICIONAL APLICADA A UM CASO DE QUEIMADURA – HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO Estagiária: Cristiane Carolina Machado Orientadora: Amanda Alcaraz da SilvaFonte : Google Imagens (2011).
  • 2. INTRODUÇÃO Fonte : Google Imagens (2011).
  • 3. INTRODUÇÃOOs traumas por queimadura são a segundacausa de morte em crianças menores decinco anos de idade e a mais comum de óbitopor acidente doméstico.•(KARA, 2008).
  • 4. INTRODUÇÃOA importância do tratamento do paciente queimadona fase aguda implica: Na estabilização dos sinais vitais; Desbridamento da ferida; Suporte nutricional; Antibióticos; Prevenção e tratamento de complicações como infecções e lesões no pulmão; (KARA, 2008).
  • 5. OBJETIVOS Objetivo geral Elaborar prescrição dietoterápica para um paciente queimado internado no Hospital Infantil Joana de Gusmão que fica localizado na cidade de Florianópolis/SC. Fonte : Google Imagens (2011).
  • 6. OBJETIVOSObjetivos específicos Avaliar e diagnosticar o estado clinico- nutricional; Elaborar fisiopatologia e conduta dietoterápica; Realizar prescrição dietoterápica; Elaborar orientações nutricionais;
  • 7. IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE C.A.O, sexo feminino, nascida em 23 de agosto de 2005, atualmente com 5 anos e 11 meses, é natural e procedente de Florianópolis – SC. Reside no bairro Ingleses, com o tio, tia e 2 irmãos. Profissão do tio engenheiro eletricista e da tia professora do ensino fundamental. A casa onde a criança mora atualmente é de alvenaria possui água encanada e esgoto tratado. Antes do acidente a paciente vivia com a mãe e cinco irmãos.
  • 8. HISTÓRIA DA DOENÇA PREGRESSA, ATUAL, SINAIS E SINTOMAS O paciente foi internado no dia 02 de agosto de 2011; Em consequência de queimadura de espessura parcial profunda (segundo grau) na região da face e ombros e de espessura total na axila (terceiro grau); Totalizando 8% de superfície corporal queimada (SCQ); Sendo o agente causal fogo;
  • 9. HISTÓRIA DA DOENÇA PREGRESSA, ATUAL, SINAIS E SINTOMAS A história da lesão registrada em prontuáriomédico, de acordo com o relato da mãe é a seguinte: Criança estava acompanhada mãe; Mãe estava queimando cobre;A criança se abaixou sobre a chama, a blusa inicioua queimar;Mãe apagou as chamas e procurou atendimentomédico;
  • 10. HISTÓRIA DA DOENÇA PREGRESSA, ATUAL, SINAIS E SINTOMASNa segunda semana de internação a mãe ausentou-se do hospital e a tia materna se apresentou como tutora da paciente. Segundo relato da tia, a queimadura da criança ocorreu porque a mãe ateou fogo na casa com os cinco filhos no local.
  • 11. FISIOPATOLOGIA Queimaduras são lesões nos tecidos orgânico causadas por trauma de origem térmica;Decorrente da exposição a chamas, eletricidade, frio extremo, radiações, substâncias químicas, atritos ou fricção, líquidos, superfícies quentes e biológicos; (SMELTZER, 2002).
  • 12. FISIOPATOLOGIAAs queimaduras podem ser classificadas de acordo com a extensão da superfície corpórea afetada, calculada em porcentagem da área total lesionada (ATSQ).Além da área atingida, deve-se avaliar a profundidade das lesões que podem ser de primeiro (queimadura de espessura superficial) segundo (espessura parcial profunda) ou terceiro grau (queimadura de espessura total) . (VANNUCCHI, 2006).
  • 13. FISIOPATOLOGIAO tratamento pode ser realizado com enxertia de pele e pele artificial (Integra);As queimaduras de terceiro e quarto grau, são mais graves e complicadas, com elas surgem graves alterações hormonais, metabólicas e imunológicas; (MOIEMEN, 2001).
  • 14. ESQUEMA DE FISIOPATOLOGIAFonte: SOMEYA et al., 2004, adaptado por Machado, 2011. PICCOLO, 2002, adaptado por Machado, 2011. GARÓFOLO, 2005, adaptado por Machado, 2011.
  • 15. AVALIAÇÃO FÍSICA Região Corporal Características Normais Características Alteradas Pele Sem dermatose Sem alteração Cabelos Brilhosos Sem alteração Unhas Brilhosas e fortes Sem alteração Edema Não apresentava Sem alteração Paciente não apresentava sinais de desnutriçãoAvaliação clínica das características de deficiências nutricionais.Fonte: Machado, 2011.
  • 16. AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA Variáveis Valores Peso 22 Kg Estatura 1,17 m Idade 5anos e 11 meses Dados Antropométricos. Fonte: Machado, 2011.Indicadores Escores Z Diagnóstico Referências NutricionalPeso para idade Entre escores Z 0 e Peso Adequado para Curvas da(P/I) +1 idade OMS, 2007.Estatura para idade Entre escores Z 0 e Estatura adequada para Curvas da(E/I) +1 idade OMS, 2007.IMC/I = 16,17 Entre escores Z 0 e Eutrofia Curvas dakg/m2 +1 OMS, 2007.Diagnóstico nutricional de acordo com os indicadores P/I, E/I e IMC/I.Fonte: Machado, 2011.
  • 17. AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA Hemograma Completo Resultados Valores de Referência 15/08/2011 Hemácias (RBC) 4,56 4,0 a 5,3 Hemoglobina (HGB) 12,0 11,5 a 14,5/dl Hematócrito (HCT) 33,2 33,0 a 43,0 % VCM (MCV) 72 46 a 90 CHM (MCH) 26,3 25 a 31pg CHCM (MCHC) 36 32 a 36 g/dl RDW (RDW – CV) 13,0 11,5 a 15,0% Leucócitos Totais 13.800 ↑ 4.000 a 12.000/mm³ Bastonetes 276 0 a 1000/mm3 Segmentados 1488 1.200 a 6.000/mm3 Eosinófilos 552 0 a 700/mm3 Linfócitos típicos 2070 1.000 a 5.500/mm3 Monócitos 414 0 a 1.000/mm3 Plaquetas 307.000 150.000 a 450.000/mm3Dados bioquímicos do paciente.Fonte: Prontuário médico.
  • 18. ANÁLISE O valor dos leucócitos totais encontrava-se acima do valor de referência, esseaumento pode estar relacionado cominfecções, desordens inflamatórias, períodospós-operatórios e queimaduras.(LEÃO, 2007).
  • 19. MEDICAÇÃOIndicações, efeitos colaterais, interação drogas nutrientes da Dipirona econduta dietoterápica.Fonte: Reis, 2004
  • 20. DIAGNÓSTICO DO ESTADO NUTRICIONAL Paciente encontrava-se com peso, estatura e IMC adequados para idade associado à leucocitose.
  • 21. A recomendação de vitaminas e minerais paracrianças entre 4 e 8 anos de acordo com aDRI (2001) está demonstrado nos Quadrosabaixo: Vitamina Recomendação Vitamina A 400 µg Vitamina C 25 mg Vitamina E 7 mg Minerais Recomendações Cálcio 800 mg/dia Cobre 440 µg/dia Ferro 10 mg/dia Magnésio 130 mg/dia Selênio 30 µg/dia Zinco 5 mg
  • 22. CÁLCULOS DAS NECESSIDADES NUTRICIONAISINQUÉRITO ALIMENTAR A análise foi embasada na necessidade energética e denutrientes de uma criança saudável, ou seja, antes da injúria.Foi utilizada a fórmula da DRI, 2002.•Kcal: 1314,08 Kcal/ dia.•Proteínas: 0,95g/kg/dia: 22 x 0,95 = 20,9g – 83,6 kcal/dia –6,36% VET.•Carboidrato: 40,99 Kcal/Kg/dia – 225,49g/dia – 68,64% VET.•Lipídio: 14,93 Kcal/Kg/dia – 36,50g/dia – 25% VET.
  • 23. ANAMNESE ALIMENTARRefeição/ Horário Alimento Medida caseira Quantidade – ml/g Desjejum Pão de trigo 1 unidade 50 g 9h00min Margarina 1 colher chá 10g Café 1 copo 100ml Açúcar 1 colher chá 5gLanche da manhã Não realiza Almoço Feijão 1 concha grande 165ml 12h00min Arroz 2 colheres de servir 153g Frango frito com 1 pedaço médio 130g pele Tomate crú Meio 75gLanche da Tarde Bolacha recheada 10 unidades 150g 16h00min de chocolate Jantar Feijão 1 concha 165ml 19h40min Arroz 2 colheres de servir 153g Ovo frito 2 unidades 100g Ceia Não realiza VET: 2.375,91kcal PTN: 306,24
  • 24. ADEQUAÇÃO ANAMNESE ALIMENTAR Macronutrientes, Porcentagem Porcentagem/ Kcal dieta Porcentagem energia e fibras recomendada valor de adequação e Kcal consumido Energia 1314,08 2.375,91 kcal 2.375,91 kcal 180,80% Carboidratos 68,64% 49,76 1182,24 72,49% Proteínas 6,36% 12,89 306,24 202,67% Gorduras 25% 37,35 887,40 149,4% Fibras 25g 16g - 64%Análise do consumo de energia, macronutrientes e fibra.Valores obtidos a partir do software Dietwin® Profissional, 2008.
  • 25. ADEQUAÇÃO ANAMNESE ALIMENTAR Micronutrientes Recomendação Consumo Porcentagem UL diária alimentar no de adequação domicílio Cálcio (Ca) 800 mg/d 190,21 mg 23,77% 2,5mg/d Ferro (Fe) 10 mg/d 9,57 mg 95,70% 40mg/d Zinco (Zn) 10 mg/d 7,28 mg 72,80% 12mg/d Magnésio (Mg) 110 mg/d 269,12 mg 244,65% 110mg/d Selênio (Se) 20 mcg/d 35mcg 175% 150mcg/d Vitamina A 500 mcg/d 322,21 mcg 64,44% 900mcg/d Vitamina C 45 mg/d 18,60 mg 41,33% 650mg/d Vitamina E 7 mg/d 17,94 mg 256,28% 300mg/dValores de micronutrientes.Valores de consumo obtidos a partir do software Dietwin® Profissional, 2008.
  • 26. ANÁLISE MACRONUTRIENTES• Carboidratos - o consumo de carboidratos está ↓ da recomendação, a principal função dos carboidratos é fornecer energia, quando é consumido em ↓ quantidades, pode ocasionar ↓ no desempenho escolar e físico da criança.• Proteínas - o consumo de proteínas está ↑ da recomendação.• Lipídios - o consumo de lipídios está ↑ da recomendação, ocasionando assim riscos futuros à saúde da criança como obesidade, dislipidemias, hipercolesterolemia, doenças cardiovasculares.
  • 27. ANÁLISEFIBRAS A ingestão de fibras não alcançou arecomendação, as fibras alimentares possuemfunções benéficas para o trato gastrintestinal comoreduzir o risco de alguns tipos de câncer, doençascardíacas e controle do peso.
  • 28. ANÁLISE• MICRONUTRIENTESA ingestão de cálcio, ferro e zinco não alcançou a recomendação para a idade;O cálcio é um mineral importante para a formação e manutenção dos ossos e dentes;O ferro permite o transporte de oxigênio pelo sangue, evitando assim a anemia, quando a criança ingere quantidades inferiores que o recomendável está sujeita a desenvolver anemia.; (OLSON, 2003).
  • 29. ANÁLISEOs valores de adequação de consumo das vitaminas A e C estão abaixo do recomendado; A vitamina A possui diversas funções a principal delas está relacionada com a visão;Desenvolvimento dos ossos, ação protetora na pele e mucosa e no fortalecimento do sistema imune; A vitamina C é necessária para o metabolismo de absorção do ferro, formação de colágeno e combate os radicais livres. (BIESEK, 2005).
  • 30. CÁLCULOS DAS NECESSIDADES NUTRICIONAIS As três equações utilizadas para calcular necessidade energética para pacientes pediátricos queimados são Equação de Curreri (1986), Davies e Liejedahl (1971) e Galveston (1990).
  • 31. CÁLCULOS DAS NECESSIDADES NUTRICIONAIS Fórmula de Curreri: 1.386 Kcal/dia Fórmula de Davies e Liejedahl: 1.600 Kcal/ dia Fórmula de Galveston: 1.590 Kcal/ dia
  • 32. CÁLCULOS DAS NECESSIDADES NUTRICIONAISAo realizar os cálculos das três fórmulas, adota-se o resultado mediano entre as três fórmulas (Padronizado pelo Serviço de Nutrição e Dietética do HIJG).Nesse caso foi utilizada a fórmula de Galveston (1990), totalizando 1.590 Kcal/ dia, recomendando- se assim 72 Kcal/Kg/dia.
  • 33. MACRONUTRIENTES PTN Foi padronizada pelo Serviço de nutrição e Dietética do HIJG, a utilização da fórmula de Davies ( 1994), para calcular as necessidades de proteínas diária.PTN = ( 3g x P) + 1g x %SCQPTN = (3 x 22) + 1x 8PTN = 66 + 8PTN = 74 g/dia, 296 Kcal e 18% ou 3,36g/Kg/dia.
  • 34. MACRONUTRIENTES Carboidratos: 1.590 Kcal/ dia 100% X 55% 55% = 795 Kcal/dia, 198.75g/dia. Lipídeos: 1.590 Kcal/ dia 100% X 27% 27% = 429.3 Kcal/dia, 47.7 g de lipídeos dia.
  • 35. NECESSIDADE HÍDRICA Regra de Holliday e Segar (1957): 1500+[( P -20) x 20] 1500+[(22-20) x 20] 1500+ (2x 20) 1540 ml/dia
  • 36. RECORDATÓRIO ALIMENTAR 24 HORAS NO HOSPITAL Refeição Alimento Medida caseira Quantidade ml/g Café da manhã Pão de trigo 1 unidade 50g 8h00min Queijo mussarela 1 fatia 15g Café Meia xícara 30ml Leite integral Meia xícara 30ml Açúcar 1 colher de chá 5g Lanche da manhã Maçã 1 unidade 120g 10:30min Banana 1 unidade 50g Almoço Arroz branco 1 colher 76,5g 12:30min de servir Filé de frango sem 1 pedaço médio 100g pele grelhado Feijão 1/2 concha 80ml Salada de alface 1 folha 5g
  • 37. RECORDATÓRIO ALIMENTAR 24 HORAS NO HOSPITALLanche da tarde Café com leite 1 xícara 75ml 16:00min integral com açúcar Pão de trigo 2 unidades 100g Margarina 1 colher de sopa 10g Janta Creme de verduras 1 prato fundo 300ml 20:30min (batata, cenoura e abóbora) VET: 1.349,73kcal PTN (Total): 272,24Recordatório alimentar 24 horas no HIJG.Calculado no software Dietwin® Profissional, 2008
  • 38. RECORDATÓRIO ALIMENTAR 24 HORAS NO HOSPITAL Macronutrientes e Fibras Macronutrientes, Recomendaça Ingestão no Kcal dieta Porcentagem energia e fibras o (kcal/%) hospital de adequação (kcal/%) Energia 1.590 Kcal 1.349,73 Kcal 1.349,73 Kcal 84,88% Carboidratos 55% 57,79 780,00 105,07% Proteínas 18% 20,17 272,24 112,05% Gorduras totais 27% 22,04 297,45 81,62% Fibra 25g 29,72g - 118,88%Recordatório alimentar 24 horas no HIJG.Calculado no software Dietwin® Profissional, 2008
  • 39. RECORDATÓRIO ALIMENTAR 24 HORAS NO HOSPITAL MICRONUTRIENTESMicronutrientes Recomendação Ingestão no Porcentagem UL diária hospital de adequação Cálcio (Ca) 800 mg/d 374,47mg 46,80% 2,5mg/d Ferro (Fe) 10mg/d 6 mg 60% 40mg/d Zinco (Zn) 10mg/d 5,29mg 52,90% 12mg/d Magnésio (mg) 110mg/d 309,35mg 281,22% 110mg/d Selênio (Se) 20mcg/d 119,67mcg 598,35% 150mcg/d Vitamina A 500mcg/d 348,79mcg 69,75% 900mcg/d Vitamina C 45mg/d 69,29mg 153,97% 650mg/d Vitamina E 7mg/d 8,37mg 119,57% 300mg/dRecordatório alimentar 24 horas no HIJG.Calculado no software Dietwin® Profissional, 2008
  • 40. ANÁLISE MACRONUTRIENTES Carboidratos e proteínas - A ingestão de carboidratos e proteínas está ↑ do recomendado, devido a injúria do paciente é importante manter uma dieta Hipercalórica e Hiperproteica; Lipídeos - A ingestão de lipídeos está ↓ do recomendado, a ingestão diária de energia não atingiu o valor recomendado devido a ↓ ingestão de lipídios, para situação estresse (queimadura) apresentando um risco para perda de peso.
  • 41. ANÁLISEFIBRAS A ingestão de fibras ultrapassou a quantidaderecomendada, é importante relatar que ingerir fibraacima da recomendação poderá desencadear adiminuição da absorção de vários micronutrientes,entre eles o cálcio, o zinco e o ferro.
  • 42. ANÁLISEMICRONUTRIENTEO consumo de cálcio, ferro, zinco e das vitaminas A, Ce E está ↓ do recomendado, enquanto a ingestão demagnésio ficou ↑;O cálcio é importante processo de coagulaçãosanguínea e o zinco estimula a cicatrização;As vitaminas A e E são antioxidante, estabilizam amembrana celular e protegem as células e ajudam apotencializar o processo de cicatrização; (SILVA, 2005) (STURMER, 2001).
  • 43. RECOMENDAÇOES NUTRICIONAIS E CONDUTA DIETOTERÁPICAO principal objetivo da terapêutica nutricional para casos de queimadura é diminuir a deterioração clínica do paciente com a finalidade de prevenir a infecção, reduzir o número de intervenções cirúrgicas, acelerar a cicatrização e o tempo de permanência hospital.
  • 44. RECOMENDAÇOES NUTRICIONAIS E CONDUTA DIETOTERÁPICANo atual estudo de caso recomenda-se uma dietaHiperproteica com 3,36g de proteínas/kg/dia e umsuplemento Hiperprotéico (Fortini®) com a finalidade depotencializar a cicatrização da lesão.Com a finalidade de garantir um aporte adequado decarboidratos para o paciente em estudo foi estipuladoque 55% do valor energético total virão carboidratos;
  • 45. RECOMENDAÇOES NUTRICIONAIS E CONDUTA DIETOTERÁPICANormolipídica - Os lipídios tem como principal função fornecer energia às células, armazenar energia (reserva alimentar) e dissolver algumas vitaminas;Necessidade hídrica de 1540 ml/dia;Foi prescrito 25g/ dia de fibras;
  • 46. RECOMENDAÇOES NUTRICIONAIS E CONDUTA DIETOTERÁPICAMICRONUTRIENTES Devido a liberação excessiva de oxidantes,recomenda-se a ingestão de vitaminasantioxidantes, que protegem o organismo eajudam a potencializar a cicatrização. Vitamina A 500mcg/d Vitamina C 45mg/d Vitamina E 7mg/d
  • 47. RECOMENDAÇOES NUTRICIONAIS E CONDUTA DIETOTERÁPICAOs minerais e vitaminas são essenciais parao metabolismo dos nutrientes e nas reaçõesfisiológicas. A deficiência desses elementospoderá dificultar o processo de cicatrizaçãoda lesão. Cálcio (Ca) 800 mg/d Ferro (Fe) 10mg/d Zinco (Zn) 10mg/d Magnésio (mg) 110mg/d Selênio (Se) 20mcg/d
  • 48. PRESCRIÇÃO DIETOTERÁPICA DO HOSPITALDieta livre, hipercalórica e hiperprotéica, administrada por via oral.
  • 49. PRESCRIÇÃO DIETOTERÁPICAPROPOSTA PELA ESTAGIÁRIADieta com consistência normal, por via oral, hipercalórica (1590 Kcal/dia – 72,27 kcal/kg/dia);Hiperprotéica (74g/dia - 3,36g/kg/dia); Normolipídica, normoglicídica, aporte adequado de fibras (25g/ dia); Minerais e vitaminas (vitamina A, C, E, zinco, cobre, selênio, ferro e magnésio); Fracionada em 6 vezes ao dia;Suplemento alimentar Hipercalórico e hiperprotéico no período da manhã – 10h30min;
  • 50. DIETA ELABORADA PELA ESTAGIÁRIA Refeição Alimento Medida caseira Quantidade ml/g Café da manhã Pão de trigo 1 unidade 50g 8h00min Requeijão 2 colheres 15g Café, infusão 10% Meia xícara 30ml Leite, de vaca, Meia xícara 30ml integral Açúcar, refinado 2 colheres de chá 10g Banana 1 unidade 40gLanche da manhã Fortini ® 1 pote 200ml 10:30min
  • 51. DIETA ELABORADA PELA ESTAGIÁRIAAlmoço Salada de alface 1 folha 15g12:30min Tomate picado ¼ unidade pequena 30g Cenoura ralada 1 porção pequena 30g Abóbora cozida 1 colher de sopa 18g cheia Macarrão cozido 1 colher de mesa 90g cheia Molho ao sugo 2 colheres de sopa 40g cheias Frango, peito, sem 1 pedaço pequeno 80g pele, grelhado Suco de laranja lima 1 copo 100ml
  • 52. DIETA ELABORADA PELA ESTAGIÁRIALanche da tarde Vitamina de mamão 1 copo 100ml 16:00min e banana com leite integral Pão de trigo 1 unidades 50g Margarina 1 colher de chá cheia 10g Jantar Beterraba, crua 1 colher de sopa 30g 20:30min ralada cheia Cenoura, crua ralada 1 porção pequena 30g Filé de peixe 1 pedaço médio 100g (pescada) grelhado Arroz parboilizado 1 xícara 60g tipo 1 ® Feijão, preto, cozido 1 concha pequena 40g Chuchu, cozido 1 colher de sopa 30g cheia Suco de uva natural 1 copo 100ml
  • 53. DIETA ELABORADA PELA ESTAGIÁRIA Ceia Salada de frutas 1 pote de sobremesa 90g 9:30min completa (banana, mamão, maçã, Canela moída 1 colher de chá 5g Ingestão Hídrica 6 copos (água) VET: 1862,84kcal PTN (Total): 341,16 KcalDieta prescrita pela aluna.Calculada no software Dietwin® Profissional, 2008.
  • 54. ANÁLISE DOS DADOSMacronutrientes, Porcentagem Porcentagem/ Kcal dieta Porcentagemenergia e fibras recomendada valor de adequação e Kcal consumidoEnergia 1590 Kcal/dia - 1862,84kcal 117,15%Carboidratos 55% 55,39% 1031,96 100,70%Proteínas 18% 18,31% 341,16 101,72%Gorduras totais 27% 26,27% 489,42 97,29%Fibra 25g 26,79g - 107,16%Macronutrientes, energia e fibras. Dieta prescrita pela aluna.Calculada no software Dietwin® Profissional, 2008.
  • 55. ANÁLISE DOS DADOSMicronutrientes Recomendação Dieta Porcentagem UL diária prescrita pela de adequação estagiária Cálcio (Ca) 800 mg/d 951,54mg 118,94% 2,5mg/d Ferro (Fe) 10 mg/d 17,64mg 176,4% 40mg/d Zinco (Zn) 10 mg/d 11,7mg 117% 12mg/d Magnésio 110mg/d 107,34mg 97,58% 110mg/d Selênio (Se) 20mcg/d 42,66mcg 213,3% 150mcg/d Vitamina A 500 mcg/d 805,35mcg 161,07% 900mcg/d Vitamina C 45 mg/d 487mg 1082,22% 650mg/d Vitamina E 7 mg/d 11,68mg 166,85% 300mg/dValores e adequação de micronutrientes.Calculada no software Dietwin® Profissional.
  • 56. ANÁLISE DOS DADOSCom base na necessidade calórica total obtida através dafórmula de Galveston (1990), e demais nutrientes, a dietaprescrita pela aluna atingiu as necessidadesrecomendadas a este paciente. As recomendações detodos os minerais foram ultrapassadas, porém nenhumvalor foi além do limite máximo permitido pela UL.
  • 57. ORIENTAÇÕES NUTRICIONAISConsumir leite integral 3x ao dia (ajuda aumentar o aporte proteico);Consumir alimentos ricos em ferro (ajuda na recuperação) como: feijão, folhosos escuros, carnes, peixes e miúdos;Consumir frutas ricas em vitamina C (ajuda na absorção do ferro e aumenta a resistência a infecções e ajuda na cicatrização) como: morango, limão e laranja;
  • 58. ORIENTAÇÕES NUTRICIONAISConsumir alimentos ricos em vitamina E como: óleo de girassol, palma, milho, soja. Semente de girassol, germe de trigo. Outras fontes de vitamina E são grãos integrais, peixe e vegetais verdes folhosos;Consumir água durante o dia, (8 coposIngerir frutas, verduras e legumes todos os dias;Realizar as preparações das refeições assadas, grelhadas ou cozidas;Realizar 6 refeições ao dia;Prefira suco natural a sucos industrializados;
  • 59. DESFECHO DO TRATAMENTO DIETOTERÁPICOO paciente foi internado no dia 12 de agosto de 2011 e foi acompanhado pela estagiária por 5 dias;Durante o acompanhamento foi possível verificar a evolução do quadro do paciente, que por sua vez aceitava bem a dieta, possuía hábitos urinários e intestinais normais; Cicatriz: integra com bom aspecto sem secreção, outros curativos sem complicações, o paciente não teve alterações de peso durante o acompanhamento.
  • 60. CONCLUSÃO• O estudo de caso possibilitou o contato com a prática, contribuiu para uma melhor formação profissional dando experiência na área hospitalar para o acadêmico de nutrição.• Através do estudo de caso foi possível aprofundar os conhecimentos sobre as doenças diagnosticadas.• A avaliação clínico-nutricional juntamente com o histórico da doença atual e pregressa possibilitou um diagnóstico com maior segurança e precisão.• A conduta e prescrição dietoterápica desenvolvidas, possibilitaram, com a evolução do estado nutricional do paciente, observar a importância da alimentação adequada para recuperação do paciente.
  • 61. REFERÊNCIAS• BIESEK, Simone et al. Estratégias de Nutrição e Suplementação . São Paulo: Ed. Manole, 2005.• BAYNES, J; DOMINICZAK, M.H. Bioquímica Médica. 2 ed. São Paulo: Manole, 2007.• CLAUDINO AM, Borges MBF. Critérios diagnósticos para os transtornos alimentares: conceitos em evolução. São Paulo, 2002.• DAMAS, T. B. Análise dos óbitos de crianças internadas por queimaduras no hospital infantil Joana de Gusmão de janeiro de 1991 a dezembro de 2002. Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina, 2003. Disponível em: em: http://www.bibliomed.ccs.ufsc.br/PE0490.pdf. Acesso em: 1 de setembro de 2001.• DELGADO AF, Carrazza FR, OBA J. Perspectivas futuras na terapia nutricional infantil. Rev Bras Nutr Clin 2001.• DIETARY, reference intakes DRI Application in dietary assessment: a report of the subcommittees on interpretation and Uses of DRI and Upper reference levels of nutrients, and the standing Commettee on the Scientic Evaluation of Dietary Reference Intakes, Food and Nutrition Board, Institute of medicine. Washington National Academy Press, 2001.• DIETARY, reference intakes DRI Application in dietary assessment: a report of the subcommittees on interpretation and Uses of DRI and Upper reference levels of nutrients, and the standing Commettee on the Scientic Evaluation of Dietary Reference Intakes, Food and Nutrition Board, Institute of medicine. Washington National Academy Press, 2002.• FERREIRA, I.K.C. Terapia Nutricional em Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Bras. Ter.• Intensiva, v.19, n.1, p.90-7, 2007.• HIRCHBRUCH, M.D.; CARVALHO, J.R. Nutrição Esportiva. Barueri: Editora Manole, 2002.• HESS, Cathy Thomas. Tratamento de feridas. Rio de Janeiro, RJ: Ed Reichmann• Affonso, 2002.• HERMEN, DN, Spies M – Modern burn care. Semin Pedatr Surg 2001.• IRION, Glenn. Feridas: novas abordagens, manejo clinico e atlas em cores. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.• JUNIOR, EML, Serra MCVF. Tratado de Queimaduras. São Paulo: Atheneu; 2010.• KARA, IG, Gok S, Horsanli O, Zenair. População baseada em M. estudo questionário sobre a prevalência e epidemiologia da queimadura paciente. Ed. Burn, 2008.• KNOBEL, E. Condutas no paciente grave. 3. ed. São Paulo: Atheneu, 2007.• LEÃO, L.S.C.S; GOMES,MCR. Manual de Nutrição Clínica: para atendimento ambulatorial adulto. Petrópolis, 2007.• LIMA, M.E.; SERRA, M.A. Tratado de queimaduras. São Paulo: Atheneu, 2004.• LIMA, O. de S.F. LIMA S. FILHO, L.M.S. Queimados: alterações metabólicas, fisiopatologia, classificação e interseções com o tempo de jejum.Fortaleza,2005 Disponivel em: http://www.saj.med.br/uploaded/File/artigos/Queimados.pdf• Acesso em: 08 de setembro de 2011.• MACEDO, J.L.S.; et al. Fatores de risco da sepse em pacientes queimados. Rev. Col. Bras. Cir. v.32, n.4, 2005.• MARCHESAN, W.G.; FARINA, JR.J.A. Tratamento de ferida queimada. In: Jorge, S.A.; Dantas, S.R.P.E. Abordagem multiprofissional no tratamento de feridas. São Paulo: Atheneu. 2003.

×