Física e químicaMEDIÇÃO EM QUÍMICA                     Trabalho realizado por:                     - Andreia Almeida nº1  ...
Introdução       Este trabalho teve como objetivo a observação e medição dosvolumes de água e de sumo, a medição da massa ...
Lista de material- 1 garrafa de água- 1 pacote de sumo- Sal- Moeda de 20 cêntimos- Moeda de 10 cêntimos- Moeda de 5 cêntim...
Procedimento-     Inicialmente colocámos em cada proveta atotalidade da água e do sumo existente das respetivasembalagens....
Resultados                                                                     Volumes                  Grupos            ...
Grupos       Massa de Sal                         A         6,0g +/- 0,1g                         B         6,0g +/- 0,1g ...
Discussão de Resultados      Na medição dos volumes do sumo, observámos uma diferençade valores do Grupo E, devido ao erro...
Nas massas observadas pelas moedas conforme o que estátabelado, nomeadamente a moeda de 0,01€ que corresponde a 2,30ghouve...
Conclusão      Com este trabalho, concluímos que as medidas com omesmo solvente e na mesma quantidade nem sempre são asmes...
Bibliografia        http://www.google.pt/imgres?q=medi%C3%A7%C3%A3o+e        m+quimica&hl=pt-        PT&biw=1280&bih=705&g...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Relatorio medição em quimica

6,416

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,416
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
60
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Relatorio medição em quimica

  1. 1. Física e químicaMEDIÇÃO EM QUÍMICA Trabalho realizado por: - Andreia Almeida nº1 - Beatriz Tojal nº3 - Cristiana Amorim nº6 10ºct2Escola Básica e Secundária Fernão do Pó 16/11/2011
  2. 2. Introdução Este trabalho teve como objetivo a observação e medição dosvolumes de água e de sumo, a medição da massa volúmica demoedas e pesar uma quantidade de determinada de sal. Na medição do volume destes líquidos tivemos que ter emconta o menisco para não realizarmos erros de paralaxe. O erro de paralaxe são erros associados à incorreta posição doobservador. A leitura deverá ser feita de modo a que a direção doolhar coincida com a linha tangente à parte interna do menisco seeste for côncavo (ex. água), ou à parte externa do menisco se estefor convexo (ex: mercúrio) . A escolha do material a utilizar tem que se ter em conta aquantidade de líquido que se vai observar. Se tivermos, porexemplo, uma pequena quantidade de água, logicamente que aproveta onde a iremos colocar, tem que ter uma capacidade umpouco acima da quantidade de água, e assim sucessivamente. As medições foram realizadas por vários grupos usandoembalagens de sumo e água iguais e utilizámos as mesmasmoedas. 2Física e Química
  3. 3. Lista de material- 1 garrafa de água- 1 pacote de sumo- Sal- Moeda de 20 cêntimos- Moeda de 10 cêntimos- Moeda de 5 cêntimos- Moeda de 2 cêntimos- Moeda de 1 cêntimo- 1 vidro de relógio- 1pipeta volumétrica 1- 1 proveta de vidro 2 (com erro de+/- 5 ml)- 1 proveta de vidro3 (com erro de +/- 2 ml)- 1 pompete- balança digital(com erro de +/- 0,1 g) - 1 espátula1 - não anotamos a capacidade da pipeta e das provetas e a sua temperatura de calibração2 - idem3 - idem 3Física e Química
  4. 4. Procedimento- Inicialmente colocámos em cada proveta atotalidade da água e do sumo existente das respetivasembalagens.- De seguida observamos os volumes obtidos eregistámo-los.- Depois encaixámos a pompete na pipeta volumétrica efomos experimentar usá-la por curiosidade na água poisnunca o tínhamos realizado para verificarmos como é oseu procedimento.- De seguida construímos uma tabela para cada grupocolocar os volumes observados de cada líquido.- Quando finalizamos a tabela do volume de sumo eda água, medimos a massa das moedas (de 1, 2, 5, 10 e20 cêntimos). Depois construímos uma tabela para osdiferentes grupos registarem a massa observada de cadauma das moedas.- Para finalizar pesamos o sal com uma balança.Tirámos o sal com a espátula a olho para vermos o queera para nós 0,6 gramas e por sorte conseguimos mesmoacertar no valor. 4Física e Química
  5. 5. Resultados Volumes Grupos Sumo Água A 200,0 ml +/- 1,0ml 330,0ml +/- 5ml B 201,0 ml +/- 1,0 ml 330,0ml +/- 5ml C 200,0 ml +/- 1,0ml 329,8 ml +/- 5 ml D 200,0 ml +/- 1,0ml 330,0ml +/- 5ml E 220,0 ml +/- 2,0ml4 320,0ml +/- 5 ml Média 204,2ml 327,96ml Erro absoluto 204,2 – 200 = 4,2ml 327,9 - 330= -2,04 ml Erro relativo 4,2 : 200 = 0,021ml -2,04 : 33 = -6,18x10-3ml Massa das moedas Grupos 0,01€ 0,02€ 0,05€ 0,10€ 0,20€ A 2,3g +/- 0,1g 3,1g +/- 0,1g 4,0g +/- 0,1g 4,0g +/- 0,1g 5,7g +/- 0,1g B 2,3g +/- 0,1g 3,1g +/- 0,1g 4,0g +/- 0,1g 4,1g +/- 0,1g 5,8g +/- 0,1g C 2,4g +/- 0,1g 3,1g +/- 0,1g 4,0g +/- 0,1g 4,1g +/- 0,1g 5,7g +/- 0,1g D 2,4g +/- 0,1g 3,1g +/- 0,1g 4,0g +/- 0,1g 4,1g +/- 0,1g 5,7g +/- 0,1g E 2,3g +/- 0,1g 3,1g +/- 0,1g 4,0g +/- 0,1g 4,1g +/- 0,1g 5,7g +/- 0,1g Média 2,34g 3,1g 4,0g 4,08g 5,72gErro absoluto 2,34 -2,30 = 0,04g 3,1 -3,06 = 0,04g 4,0 -3,92 = 4,08 - 4,10 = 5,72-5,74g= 0,08g -0,02g -0,02gErro relativo 0,04 : 2,30=0,02g 0,04 : 3,06 = 0,01g 0,08 : 3,92 = -0,02 : 4,10 = -0,02 : 5,74 = 0,02g -4,88x10-3g 3,48x10-3g 4 - O grupo E utilizou uma proveta com calibração diferente dos restantes 5 Física e Química
  6. 6. Grupos Massa de Sal A 6,0g +/- 0,1g B 6,0g +/- 0,1g C 6,0g +/- 0,1g D 6,0g +/- 0,1g E 6,0g +/- 0,1g Médias 6,0g Erro absoluto 6,0g-6,0g=0g Erro relativo 6,0g:6,0g=0g 6Física e Química
  7. 7. Discussão de Resultados Na medição dos volumes do sumo, observámos uma diferençade valores do Grupo E, devido ao erro que a proveta apresentava,mas também observamos uma medição diferente no grupo B. Por outro lado na medição do volume da água, as provetasapresentavam os mesmos erros, mas as medições foram diferentes,com o valor mais baixo no grupo E que nos restantes grupos, emque se verificaram valores semelhantes. Tendo as provetas osmesmos erros, a diferença das medições observadas deve-se por umlado a uma menor exatidão nas observações e por outro ao fato deterem cometido erros de paralaxe. Na medição da massa das moedas, as balanças apresentavamtodas um erro de 0,1g. Na moeda de 0,01 cêntimos, o grupo C e Dapresentam uma massa diferente ao dos outros grupos. Na moedade 0,02 cêntimos todos os grupos observaram a mesma massa damoeda como também observaram na moeda de 0,05 cêntimos. Aomedirmos a massa das moedas de 0,10 cêntimos apenas o grupo Aobteve uma massa diferente á dos outros grupos. Em relação ámoeda de 0,20 cêntimos todos os grupos obtiveram a mesma massaá excepção o grupo B que verificou uma massa diferente. Na medição da massa de sal, todas as balanças que tínhamosna sala de aula apresentavam um erro de 0,1 grama, neste casotodos os grupos obtiveram a mesma massa de sal, nomeadamente 6gramas. Nos volumes registados no sumo, existe uma grande exatidãopelo facto de o pacote de sumo conter 0,2L e também existe precisão.O valor registado pelo grupo E, tem uma particularidade diferenteda dos outros grupos. É que o erro da proveta utilizada por estegrupo era de 2ml enquanto a dos outros grupos era apenas 1ml,graças a isso o valor medido também acrescentou mais 2 ml que osoutros grupos. Já nos volumes medidos de água, houve pouca exatidão eprecisão, pois o valor que todos os grupos tinham que obter era0,33L. 7Física e Química
  8. 8. Nas massas observadas pelas moedas conforme o que estátabelado, nomeadamente a moeda de 0,01€ que corresponde a 2,30ghouve precisão entre os valores observados e alguma falta deexatidão em dois grupos. A massa da moeda de 0,02€, com valortabelado de 3,06g, neste caso existe uma grande exatidão e tambémuma grande precisão. A moeda de 0,05€ cujo valor tabelado temuma massa de 3,92g, aqui existiu uma grande precisão mas umafalta significativa de exatidão. Ao medirmos a massa da moeda de0,10€, em que o seu valor tabelado é de 4,10g, houve exatidão eprecisão. Por fim a moeda de 0,20€ em que a sua massa tabelada éde 5,74g, os grupos obtiveram exatidão e precisão. Em relação ao sal, todos os grupos conseguiram chegar aovalor de massa pedido (6grama), graças a isso houve uma grandeexatidão e também uma grande precisão. 8Física e Química
  9. 9. Conclusão Com este trabalho, concluímos que as medidas com omesmo solvente e na mesma quantidade nem sempre são asmesmas, como podemos observar nesta experiencia em quecada grupo tem um valor diferente. A disparidade devalores registados deve-se principalmente a dois tipos deerro: o de paralaxe e o de exatidão nas observações. De forma a minimizar os erros cometidos, osdiferentes grupos deviam ter escolhido instrumentos demedição, neste caso as provetas, todas idênticas, isto é,todas com a mesma graduação e valor de erro. Ao mesmotempo deveria de ter existido um maior rigor nasobservações efetuadas. 9Física e Química
  10. 10. Bibliografia http://www.google.pt/imgres?q=medi%C3%A7%C3%A3o+e m+quimica&hl=pt- PT&biw=1280&bih=705&gbv=2&tbm=isch&tbnid=xo_nQrgK Cx2T2M:&imgrefurl=http://loucospelaquimica.blogspot.com /&docid=FQogOwjRssOOIM&imgurl=http://1.bp.blogspot.c om/_q- kXTO5Kcto/SS6AJAvwJrI/AAAAAAAAABs/98qIfsTbUJE/s 400/Pnobel_quimica.jpg&w=400&h=300&ei=JfTDTuLRJZCU8 gOK2IWWCw&zoom=1&iact=rc&dur=2&sig=10382547744242 1743929&page=1&tbnh=141&tbnw=197&start=0&ndsp=17&v ed=1t:429,r:1,s:0&tx=108&ty=87 Manual escolar do aluno: Autores: João Paiva, António José Ferreira, Graça Ventura, Manuel Fiolhais e Carlos Fiolhais, editado em 2007, Química, da página 102 à 113. http://www.google.pt/imgres?q=ciencia&um=1&hl=pt- PT&sa=N&biw=1600&bih=719&tbm=isch&tbnid=Gni7oNXGI EpVVM:&imgrefurl=http://blog- espiritismo.blogspot.com/2011/10/espiritismo-e- ciencia.html&docid=7kBnuPPfwVS6cM&imgurl=http://3.bp. blogspot.com/- 5qp4ew3OM6A/Tq2Hrtl5XEI/AAAAAAAAAlc/vghJ9_FcB2 g/s1600/ciencia.gif&w=290&h=290&ei=vKbPTvGZCYOc- waSspnlDg&zoom=1&iact=hc&vpx=1328&vpy=345&dur=121 7&hovh=225&hovw=225&tx=196&ty=157&sig=1131627151306 93153179&page=1&tbnh=151&tbnw=151&start=0&ndsp=24& ved=1t:429,r:15,s:0 10Física e Química

×