Your SlideShare is downloading. ×
Cartilha alienacao parental
Cartilha alienacao parental
Cartilha alienacao parental
Cartilha alienacao parental
Cartilha alienacao parental
Cartilha alienacao parental
Cartilha alienacao parental
Cartilha alienacao parental
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Cartilha alienacao parental

85,383

Published on

VOCE SABE O QUE E ALIENACAO PARENTAL? …

VOCE SABE O QUE E ALIENACAO PARENTAL?
A Alienacao Parental acontece quando pai, mae ou quem eh
responsavel pela criança ou adolescente tenta, de forma abusiva, afastar o
filho do relacionamento com o outro genitor e sua família. Ou seja, quando
um dos genitores tenta de varias formas destruir ou impedir a relação da
criança e do adolescente com o outro e sua família. fonte: Campanha organizada pela
Comissão do Direito das Famílias da 4ª Subsecção da OABRio Claro/SP.

18 Comments
20 Likes
Statistics
Notes
  • Você( pai) tem ou não a visita regulamentada? Pois este é o primeiro passo, e muito importante, para que possa estar com sua filha. Se tiver, vá ate a delegacia mais próxima e faça o registro do B.O (Boletim de Ocorrência) por desobediência judicial, faça isso por várias vezes. Após, terá a opção de postular uma ação de reversão de guarda, alegando a alienação parental e desobediência de ordem judicial. Certamente a citação da mãe, para responder ao processo, será feita por edital, já que a mãe tem o endereço desconhecido. O processo é lento, infelizmente, mas este é o começo de sua batalha judicial para ter efetivado o convívio com a sua filha. E não se esqueça de que, mesmo que não consiga o seu objetivo, isto servirá, um dia, para mostrar-lhe, documentadamente, o seu esforço para poder estar com ela.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Eu gostaria de que alguém pudesse me informar uma coisa. Minha filha esta com 7 meses, tentei registrar ela varias vezes, porem a mãe sempre arranjava uma desculpa, até que eu fui no ministério publico da comarca aonde elas residiam e como ela não tinha certeza que a mesma era minha filha pedi a promotoria de justiça o exame de DNA, o resultado do mesmo constatou que realmente é minha filha só então consegui registrar ela no meu nome. Depois disso tudo a mãe até hoje não deixou eu ver mais minha filha, e já esta ensinando a minha bebe que o pai dela e outra pessoa. Agora minha pergunta: Este caso entra na alienação parental? O pior de tudo que depois da audiência com a promotoria de justiça ela se mudou e não me fala aonde a bb esta. O que eu faço pelo amor de Deus???
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • O que fazer ao perceber que está sendo vítima de Alienação Parental ou que alguém de seu convívio a está praticando? A Constituição Federal determina que não apenas os pais, mas, o Estado, a família e a sociedade, devem garantir o direito da criança ao convívio com toda sua família. Por isso, quem presencia um caso de alienação parental, deve alertar quem a está praticando para que pare com tais atitudes, advertindo dos graves problemas que causará ao filho e, em tendo contato com quem é vítima do problema, orientar para que busque ajuda profissional: jurídica e psicológica. Aquele que está sendo alienado do convívio com o filho, deve o mais rápido possível buscar auxílio psicológico e jurídico, e ainda tentar controlar a raiva e ficar calmo, mantendo o controle de seu comportamento. Caso você não possa pagar um advogado, procure a Ordem dos Advogados de sua cidade e se informe sobre os requisitos necessários e formas para ser beneficiário da Assistência Jurídica Gratuita, ou ainda a Defensoria Pública. Caso não possa arcar com tratamento psicológico para você e para seu filho, as Prefeituras Municipais ou Universidades, dispõem dos Centros de Referência da Infância e da Adolescência. O diálogo sempre será a melhor opção.Tentar a mediação, mesmo que seja com conhecidos ou parentes, certificando-se de que possam ser imparciais. Tentar conversar com o alienante (aquele que pratica a alienação), demonstrando para ele os prejuízos que o filho poderá sofrer, caso seja afastado do seu convívio. Se a mediação falhar ou não for possível, deve-se adotar uma atitude mais rígida e recorrer ao processo judicial para garantir a sua convivência saudável com o seu filho. Esta medida pode ser dolorosa e demorada, como tudo no judiciário,mas deve ser capaz de documentar para o juiz que você tentou estar em paz com o seu filho e mostrará para seu filho, que você nunca desistiu dele. E mais, sempre que estiver com seu filho, foque em atividades positivas e durante esse período relembre os bons tempos que tiveram juntos e reafirme o quanto podem seguir sendo felizes.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • A verdade é que quando um comportamento doentio e obsessivo toma conta de um dos pais ou dos dois, nem a justiça consegue identificar. E não é só a mulher que deve ou merece ser protagonista de tal fato, como na maioria das vezes acontece. Tem muito pai se aproveitando da lei para forjar de maneira covarde alienação por parte das genitoras, é necessário parar, respirar e usar estrategias superiores, o pai da minha filha pratica alienação na minha frente, fico calada, depois conversamos a sós sobre o assunto e jamais uso a frase 'É mentira dele!'. Existem milhares de formas para conquistar a confiança dos filhos e uma delas é jamais denegrinir a imagem do outro. E alerto! Mulheres que passaram por violencia domestica, psicologica, moral e tantas outras devem ser assitidas pelo mesmo orgão que criou a lei, não se pode exigir que tais mulheres deletem de uma hora pra outra suas lembranças, superem seus traumas e se tornem refens de uma decisão judicial, recebendo o pai dos filhos, que foi seu algoz, com um sorriso no rosto, como acontece em muitos aspectos, a justiça ampara um e desampara o outro, deixando lacunas a serem prenchidas por oportunistas. O assunto é amplo e complexo, é fácil ouvir historinhas, se comover com meia dúzia de palavras, mas se for investigar profundamente cada caso, a história é outra. Como vivemos a merce da burocracia e lentidão dos orgãos competentes imagino que qd cada caso for julgado a criança já foi vítima, já será um adulto problemático e como Marcelo Taz falou: 'ALIENAÇÃO PARENTAL É UM TIRO NO CORAÇÃO E OUTRO NO PÉ!'
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Material gratificante,tirou muitas duvidas minha....Obrigada!!!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
85,383
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
937
Comments
18
Likes
20
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Mãe Pai CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO VOCÊ SABE O QUE ÉALIENAÇÃO PARENTAL?
  • 2. O que é Alienação Parental? A Alienação Parental acontece quando pai, mãe ou quem éresponsável pela criança ou adolescente tenta, de forma abusiva, afastar ofilho do relacionamento com o outro genitor e sua família. Ou seja, quandoum dos genitores tenta de várias formas destruir ou impedir a relação dacriança e do adolescente com o outro e sua família.Os casos mais comuns de alienação parental estão associados a situaçõesonde deixando os pais de conviver, um deles, por vingança, mágoa,inconformismo com o fim do relacionamento, passa a apegar-seexcessivamente à criança, passa a tratá-la como objeto, um instrumentopara agredir, atingir o outro. O genitor ou responsável pelo menor passa então a desqualificar ooutro, desacreditando-o, desmoralizando-o perante o filho, inventandomuitas vezes histórias, ou ainda dando a fatos realmente ocorridos super ousub valorização. Exemplos disso são os dizeres para o filho: “Seu pai atrasou opagamento da pensão”, “Sua mãe não deixou eu falar com você ontem”,“Seu pai não trouxe sua roupa”, “A nova namorada do seu pai não vale nada”,“Sua mãe fica levando qualquer um para casa”, “Seu pai não gosta de você,deixou de vir te ver ontem” etc. O filho, ouvindo tudo isso, passa a se envolver em problemas que nãolhe dizem respeito, a acreditar em tudo que lhe é contado, e passa a afastar-se do outro genitor.Porque é importante conhecer, prevenir e lutar contra a alienaçãoparental? A alienação parental é uma das formas mais graves de violência psicológicacontra a criança e o adolescente. E é contra isso que se tem que lutar. Aquele que a pratica, normalmente o faz pensando em atingir o outro,quando na verdade, está prejudicando e muito o desenvolvimento psicológicosaudável de seu próprio filho, com quem deveria se preocupar e poupar. Quem é alienado e não toma qualquer atitude para impedir a alienação,gera no filho sentimento de rejeição, abandono e priva o filho de com ele conviver, oque já se sabe, também é fundamental para seu desenvolvimento saudável. -1-
  • 3. A criança e o adolescente, vítimas da alienação parental são maispropensos a:aApresentar distúrbios psicológicos como depressão, ansiedade e pânico;aálcool como forma de aliviar a dor e culpa;Utilizar drogas eaCometer suicídio;a relação estável quando adulta;Não conseguir umaa de gênero em função da desqualificação do genitor atacado;Possuir problemasa comportamento quando tiver filhos.Repetir o mesmoComo age quem pratica alienação parental? É importante frisar que as condutas abaixo descritas, podem também sertomadas por um dos pais ou responsável, enquanto convive com o outro, ou seja,sem que tenha havido término do relacionamento.a outro genitor fatos importantes relacionados à vida do filhoNão comunica ao (rendimento escolar, consultas médicas, doenças etc);aToma decisões importantes sobre o filho sem prévia consulta ao outro genitor, como escolha ou mudança de escola, pediatra etc;a atividades para o dia de visitas de modo a torná-las Organiza diversas desinteressantes ou mesmo inibi-las;aControla excessivamente os horários de visita;a com terceiros sem comunicar o outro genitor; Viaja e deixa o filhoacompanheiro (a) à criança como sendo seu novo pai ou mãe; Apresenta novoa inconvenientes sobre presentes ou roupas compradas pelo Faz comentários outro genitor;aCritica a competência profissional e financeira do outro genitor;?aObriga o filho a optar entre pai ou mãe ameaçando-o das conseqüências caso aescolha recaia sobre o outro;a em espião da vida do outro genitor;Transforma o filhoa a levar para a casa do outro genitor os brinquedos e roupasNão autoriza o filhoque mais gosta;a o filho esteja com o outro genitor em ocasiões outras que nãoNão permite queaquelas prévia e expressamente estipuladas. -2-
  • 4. Qual a pior e mais grave atitude tomada pelo alienador? Além de todas as condutas descritas acima que por elas mesmas já sãograves, o alienador quando não consegue definitivamente afastar o filho doconvívio com o outro, ou com o fim de alcançar mais rapidamente seu objetivo,chega a formular falsas denúncias de abuso sexual. Como nesses casos há obrigatoriamente o envolvimento do poder público(Promotor, Juiz), sendo necessário que se investigue a fundo o que ocorreu, o quenormalmente leva muito tempo, para evitar maiores prejuízos à criança ouadolescente, no caso da alegação ser verdadeira, a primeira atitude a ser tomadapelo juiz é a de impedir que as visitas ocorram. Por causa desses dois fatos (demora no processo e cessação das visitas), vaise perpetrando uma enorme distância entre o filho e aquele que é acusado doabuso, o que resulta naquilo que até então se lutou para evitar: o rompimento doslaços afetivos entre o filho e o genitor não culpado. Em casos tais, há que se pedir, com a insistência que se revelar necessária,que as visitas não sejam interrompidas, mas, assistidas por pessoa de confiança dojuízo e neutra no processo, tendo sempre por justificativa as conseqüências maisque gravosas de uma separação abrupta entre o genitor alienado e o filho, o quemuitas vezes não tem volta, para que ao final comprove-se ou chegue-se àconclusão de que não houve abuso, mas, trata-se de típico caso de alienaçãoparental.Quais são os sinais dados pelo filho que sofre com a Alienação Parental?- De uma forma geral, apresenta:aBaixa autoestima;a autodestrutivo;ComportamentoaIrritabilidade;aAgressividade;aCrueldade;aDepressão;aAnsiedade;aStress postraumático; -3-
  • 5. - Com relação ao genitor que está sendo alienado:aSentimento constante de raiva e ódio;aRecusa-se a dar atenção, visitar ou se comunicar com o outro genitor;a e crenças negativas sobre o outro genitor (conforme lhe éGuarda sentimentos narrado e apresentado pelo alienante).O que fazer ao perceber que está sendo vítima de Alienação Parental ouque alguém de seu convívio a está praticando? A Constituição Federal determina que não apenas os pais, mas, o Estado, afamília e a sociedade, devem garantir o direito da criança ao convívio com toda suafamília. Por isso, quem presencia um caso de alienação parental, deve alertar quema está praticando para que pare com tais atitudes advertindo dos graves problemasque causará ao filho e, em tendo contato com quem é vítima do problema, orientarpara que busque ajuda profissional: jurídica e psicológica. Aquele que está sendo alienado do convívio com o filho, deve o mais rápidopossível buscar auxílio psicológico e jurídico, e ainda:aTentar controlar a raiva e ficar calmo, mantendo o controle de seu comportamento;a O diálogo sempre será a melhor opção.Tentar a mediação.aTentar conversar com o alienante (aquele que pratica a alienação), demonstrando para ele os prejuízos que o filho poderá sofrer, caso seja afastado do seu convívio;afalhar ou não for possível, deve-se adotar uma atitude maisSe a mediaçãorígida e recorrer ao processo judicial para garantir a sua convivência com ofilho;a pegar seu filho em horários programados, mesmo quandoSempre ligar ousouber que a criança não estará disponível. Esta medida pode ser dolorosa,mas deve ser capaz de documentar para o juiz que você tentou ver o seu filhoe não conseguiu e mostrará para seu filho, que você não desistiu dele;a em que estiver com seu filho, foque em atividades positivas eDurante o temporelembre com a criança os bons tempos que tiveram juntos. -4-
  • 6. aNão ficar na defensiva com o seu filho. Concentre-se em falar abertamentesobre o que ele está realmente vendo e sentindo, para que você tenhaconhecimento do que a criança tem por verdade;a melhorar suas habilidades parentais, leia livros e/ou artigos Trabalhar para sobre como se deve agir em caso de alienação, enfim, procure a melhor forma de lidar com a situação;apara uma avaliação psicológica a fim de reconhecer e tratar a Levar seu filho alienação parental. Se isso não for possível, procure ir sozinho para aprender a reagir e neutralizar o problema da melhor forma possível;a que viole as decisões judiciais, pague a pensão à criança em dia Não fazer nada e cumpra todas as obrigações parentais ao pé da letra. Evite se tornar uma pessoa indesejável;aNão reagir ao comportamento alienante entrando no jogo, não aceitar tudo o que lhe for imposto achando que vai poupar a criança do sofrimento, isso só tornará as coisas piores e ainda prejudicará o seu filho;aSe o genitor alienante não respeitar as decisões judiciais, incluindo dias e horários de visita, comunique imediatamente ao juiz ou mesmo faça boletins de ocorrência para documentar o caso. Quanto mais cedo você informar sobre as violações de decisões judiciais, menor o risco do problema se tornar permanente e irreversível. Se o seu pedido de custódia não é específico quanto ao tempo exato e as datas em que você pode estar com a criança, procure especificar detalhadamente na ação, os dias e horários de visita;aNão culpar a criança, não foi ela quem criou essa situação. Seu filho precisa desesperadamente do seu amor e carinho e ele é tão vítima da situação quanto você;a assegurar o direito de conviver com a criança e não apenas o Procurar sempre de visitá-la;aNão tratar a criança como visita, ela tem que se sentir em casa, como parte integrante da sua família e do seu convívio social.aTentar não ser apenas aquele que dá presentes, diversão, pois, o seu filho podeestar querendo mais que isso.acaso (ação) com seu filho;Nunca discutir oa que estiver com a criança para saber coisas da vida dela;Aproveitar o tempo desenvolver atividades caseiras como jogar bola, brincadeiras, jogos ou mesmo assistir televisão juntos e, se possível, a introduza na sua rotina diária, lembre-se que atenção e carinho são fundamentais. -5-
  • 7. E o juiz, o que pode fazer quando se tratar de alienação parental? Desde agosto de 2.010, quando passou a vigorar a Lei n.º 12.318, em casode constatação de alienação parental, o juiz poderá:aprocesso tramite prioritariamente;Fazer com que oa para preservação da integridade psicológica da criança;Determinar medidasaDeterminar elaboração urgente de laudo de perito judicial ou equipe multidisciplinar que constate a alienação parental;aAdvertir o alienador;?a Ampliar a convivência familiar em favor do genitor prejudicado;?aalienador; Aplicar multa aoaDeterminar alteração para guarda compartilhada ou inverter a guarda;a do domicílio da criança ou adolescente.Determinar a fixaçãoOnde pesquisar mais sobre o assunto? A internet dispõe de um material imenso a respeito da AlienaçãoParental, tanto no que diz respeito a artigos, sites que só tratam do assunto eainda entrevistas dadas para a Televisão. Está ainda disponível para compra o documentário intitulado “A MorteInventada”, de Adam Simas, que traz depoimentos muito ricos de casos dealienação parental, bem como o depoimento de psicólogas, assistentes sociais,juízes e advogados. Caso você não possa pagar um advogado, procure a Ordem dosAdvogados de sua cidade e se informe sobre os requisitos necessários e formaspara ser beneficiário da Assistência Jurídica Gratuita, ou ainda a DefensoriaPública.OAB Rio Claro: Avenida 07, nº 466 - centro, fone: 3534.0414. Agendamentossão feitos ara posteriormente passar pela triagem, de Segunda a Sexta feira, das8:00 às 11:00 h. Caso não possa arcar com tratamento psicológico para seu filho, asPrefeituras Municipais dispõem dos Centros de Referência da Infância e daAdolescência – CRIARI, que atendem crianças de 03 a 17 anos de idade. Em RioClaro: Rua 3 nº 227 (entre avs. 17 e 19) - centro - Tel: 3533.4055. -6-
  • 8. “SE VC ESTÁ ENFRENTANDO ESTA SITUAÇÃO DIFÍCIL, PORFAVOR, DEMONSTRE AO SEU FILHO QUE JAMAIS DESISTIRÁDELE.LUTE COM TODAS SUAS FORÇAS PARA COMBATER ESSE MAL.CERTAMENTE, VOCÊ ESTARÁ CONTRIBUINDO NÃO SÓ PARAO DESENVOLVIMENTO SADIO DE SEU FILHO, MAS TAMBÉM,COM A CONSTRUÇÃO DE UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA EMELHOR”. Campanha organizada pela Comissão do Direito das Famílias da 4ª Subsecção da OAB-Rio Claro/SP. Subseção Rio Claro Apoio Associação Brasileira Criança Feliz Uma criança só será feliz se tiver o carinho de ambos os pais, mesmo que separados! NÚCLEO REGIONAL RIO CLARO / SP ibdfam.rioclaro@gmail.com

×