• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
 

Os Romanos Em Portugal

on

  • 38,836 views

 

Statistics

Views

Total Views
38,836
Views on SlideShare
38,709
Embed Views
127

Actions

Likes
17
Downloads
0
Comments
4

5 Embeds 127

http://www.slideshare.net 106
http://historiando-historia.blogspot.pt 12
http://eb23jnjunior.net.educom.pt 4
http://historiando-historia.blogspot.com 4
http://static.slidesharecdn.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

14 of 4 previous next Post a comment

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Muito bom, achei muito interessante. Pena que existem pessoas que pensam que um slide desse fará o trabalho para ela, se não achou o suficiente estude e faça o seu, fica mais digno do que contestar sobre um trabalho alheio...
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • nao esta mla mas nao e o sufesiente
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • muito interessante.
    obrigado e parabéns!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • O comentário que deixo é só para o guest812e931- O que tem de melhorar é a tua escrita! Para a próxima aprende a escrever em PORTUGUÊS, que aparentemente é a tua língua materna (caso saibas o que raio quer isto dizer) antes de deixar um comentário cheio de erros e que pode ser visto por várias pessoas!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Os Romanos Em Portugal Os Romanos Em Portugal Presentation Transcript

    •  
    • Breve Introdução
      • Pouco se sabe acerca dos povos que terão habitado a Península Hispânica antes da chegada dos romanos (séc. III a. C.). Nesses povos incluem-se, entre outros, os Iberos , os Celtas , os Fenícios , os Gregos e os Cartagineses .
      • A Península fora habitada, em tempos muito remotos, pelos Iberos, povo agrícola e pacífico. Por volta do século VI antes de Cristo, este território foi invadido pelos Celtas, um povo turbulento e guerreiro. E a prolongada permanência provocou o cruzamento entre os dois povos, dando origem à denominação de Celtiberos .
      • Depois, os Fenícios, os Gregos e os Cartagineses estabeleceram colónias comerciais em vários pontos da Península.
      • Como os últimos pretendiam apoderar-se de todo o solo peninsular, os Celtiberos pediram socorro aos Romanos – E a “AVENTURA” começa…
      • Os Romanos invadem a Península, no século III antes de Cristo, com o intuito de travar a expansão dos seus poderosos inimigos chefiados por Aníbal, os Cartagineses, dado que estes constituíam uma séria ameaça ao domínio do mundo mediterrâneo pretendido por Roma.
      • Vencidos os Cartagineses, seguiram-se as lutas contra os povos peninsulares.
      • Por volta de 194 a. C. deu-se o primeiro confronto com os Lusitanos. Entre os chefes destes sobressaíam Viriato e Sertório. A conquista da Península iria demorar até 19 a. C., no tempo de Augusto, dada a enorme resistência dos povos peninsulares ao assédio romano. A conquista foi-se estendendo do sul para o norte, mais montanhoso, onde era mais fácil resistir.
      • Os Romanos acabaram por dominar toda a Península, tanto no
      • aspecto político-militar como no aspecto cultural, nomeadamente no que respeita à língua.
      Romanização da Península Ibérica
    • Galba e os Lusitanos
      • Em 151 a.C., os chefes Lusitanos, que se encontravam nos castros (povoações rodeadas por muralhas) nos montes Hermínios, após muitas lutas contra os romanos, decidiram propor a paz. Em troca de terras férteis na planície, abandonariam a luta. As conversações sobre a intenção dos Lusitanos tiveram como interlocutor um chefe romano de seu nome Galba que fingiu aceitar a proposta oferecendo-lhes um local esplêndido. Em troca teriam que entregar as armas.
      • Quando os lusitanos se encontravam espalhados por uma zona sem hipóteses de defesa, Galba cercou-os, matando milhares de Lusitanos. Aprisionou e enviou para a Gália, como escravos, outros tantos. Porém, alguns conseguiram escapar, entre os quais, Viriato.
      • Castro
      Castro
      • Galba, com esta traição, pensava que a sua vitória seria bem recebida em Roma e que com a violência do seu acto tivesse destruído para sempre a resistência dos Lusitanos. No entanto, esta traição ia contra os conceitos estabelecidos pelas autoridades romanas, que davam muito valor às vitórias militares mas exigiam lealdade e respeito pelos inimigos. Quando souberam que Galba tinha mentido e assassinado homens desarmados que tinham confiado na palavra de um chefe romano, chamaram-no a Roma e julgaram-no em tribunal.
      •   Os Lusitanos, ao contrário do esperado por Galba,
      • formaram um exército de milhares de homens vindos de
      • vários castros e desencadearam ataques sucessivos contra os
      • Romanos, alcançando muitas vitórias sobre o comando desse
      • grande herói do povo Lusitano que só à traição seria
      • eliminado - Viriato.
    • Viriato
      • Chefe militar lusitano do século II a. C.
      • Dedicou-se à pastorícia, como era comum aos homens do seu povo, e veio a assumir a chefia dos Lusitanos contra o exército romano invasor, vencendo-o por sucessivas vezes. Ao fim de oito anos (147-139 a. C.) de resistência bem sucedida, Viriato morreu assassinado por traidores, que se venderam a troco de recompensa.
      • Morte de Viriato
      •  
      • Sobre os lusitanos há que referir que tiveram grande influência celtibera. Eram ágeis, vigorosos e frugais. Dormiam na terra dura, usavam compridos e soltos cabelos, como os das mulheres. Apreciavam muito os sacrifícios e tiravam prognósticos do exame das entranhas das vítimas. Eram disciplinados e hábeis na arte da guerra.
      • Em suma,
      • existe uma pequena filiação entre os portugueses de hoje e as tribos que inicialmente habitaram a região, embora os portugueses desde sempre se considerem, eles próprios, descendentes dos Lusitanos, um povo celta que veio para a região depois de 1000 a.C.
      • Os Lusitanos tinham como sua região chave a Serra da Estrela. Sob o comando de Viriato (Século II a.C.) e Sertório (Século I a.C.) resistiram à ocupação romana.
      • Após a morte de Sertório, os lusitanos desintegraram-se, o que foi aproveitado por Pompeu para os derrotar.
      • Mas a influência romana já se fazia sentir através de Sertório no ensino, no direito, na educação da juventude e no movimento artístico. A partir daí foi a integração completa.
      • Algumas tribos, como os Cónios no Algarve, submeteram-se a Roma mais facilmente.
      • Os habitantes do sul e do sudeste assimilaram prontamente a cultura dos romanos, mas os povos do norte e do interior sofreram uma influência menor.
      • Júlio César e Augustus completaram a conquista da área,
      • nascendo assim a Lusitânia , província romana. A sociedade
      • romana dominou e do Latim derivou a língua portuguesa.
    • Legado Político e Cultural Romano
      • Durante cerca de 200 anos deu-se a adaptação ao modo de vida romano por parte das sociedades conquistadas – romanização.
      • A romanização supõe uma mudança de vida em aspectos tão elementares como a língua, o ensino, os costumes, a religião, o urbanismo, o comércio, a administração...
      • Consequentemente, a sua língua, o Latim, tornou-se indispensável e obrigatória, suplantando os idiomas já existentes e funcionando como factor de ligação e de comunicação entre os vários povos.
      • O latim teve logicamente variantes regionais - em Portugal, o latim vulgar deu origem ao galaico-português que redundou na língua actualmente falada, eliminando os entraves linguísticos que se colocavam ao comércio, à implantação de colonos e à unidade no seio do Império.
      • As línguas românicas derivam do latim (que tem este nome por ser o idioma falado pelos habitantes do Lácio - núcleo inicial da cidade de Roma).
      • Após a conquista da Península Ibérica pelos Romanos, estes dividem-na em três grandes províncias: Tarraconense, Lusitânia e Bética.
      • A Lusitânia tinha três conventos jurídicos: Emérita (Mérida), Pax Iulia (Beja) e Scallabis (Santarém).
      • As povoações, até aí predominantemente nas montanhas, passaram a surgir nos vales ou planícies, habitando casas de tijolo cobertas com telha.
      • Como exemplo de cidades que surgiram com os Romanos, temos Braga (Bracara Augusta) , Beja (Pax Iulia) , Conímbriga e Chaves (Aquae Flaviae) .
      • A divisão administrativa e judicial foi feita à moda de Roma, com a divisão da Península em três províncias (Tarraconense, Lusitânia, Bética) e com a criação dos conventos jurídicos.
    • Dioramas da vida Romana
    •  
    •  
      • Ora, o processo de romanização só era possível devido à existência de uma boa rede de comunicações entre os distintos pontos do Império. Deste modo, e tomando como ponto de partida a própria Roma, começaram a construir-se as primeiras vias ou estradas e as calçadas, elemento chave para o desenvolvimento do Império, e que facilitaram tanto o transporte de mercadorias como o imparável avanço das legiões. Os romanos chegaram a dispor de 85.000 km de Calçadas, que percorriam o Império do Norte a Sul, de Este a Oeste.
      • Daquelas infra-estruturas restam ainda alguns troços. Sobre elas foram sendo construídas muitas das actuais estradas.
      • Messines
      Fornos de Algodres
      • Neste âmbito entra ainda a arquitectura civil e religiosa, desde os aquedutos, as pontes e as represas à estrutura da malha urbana e aos templos.
      • As divisões administrativas romanas estão na origem também das actuais, desde a demarcação de países (então denominados províncias) aos conventus (colónias romanas de província, onde residiam cidadãos).
      Calçada do Torrão
    • Ponte Romana de Monforte – Alto Alentejo
      • Os Aquedutos garantiam o abastecimento regular de águas às cidades. A sua construção implicava a condução da água desde as fontes fora das cidades. A estrutura, que era em sua maior parte subterrânea, corria com uma ligeira inclinação e era visível somente perto das cidades. O Aqueduto terminava num colector, a partir do qual uma rede de tubos distribuía a água por vários pontos da cidade.
      • A construção dos Complexos Termais reflectia um duplo desejo dos governantes romanos:
      • embelezar a cidade e passarem para a posteridade como benfeitores do povo, uma vez que alguns dos magníficos recintos de banhos e higiene foram
      • disponibilizados àquele e incorporaram-se na vida quotidiana;
      • neles untavam-se com óleos perfumados, recebiam medalhas,
      • faziam exercício ou tomavam alguma bebida.
    • Termas - Conímbriga
    • Ruínas de S. Cucufate
      • A indústria desenvolveu-se, sobretudo a olaria, as minas, a tecelagem e as pedreiras, o que ajudou a desenvolver também o comércio, surgindo feiras e mercados, com circulação da moeda.
      • A influência romana fez-se sentir também na religião e nas manifestações artísticas.
      • A arte romana subsistiu em diversas vertentes técnicas e temáticas, desde a arquitectura à escultura e pintura, depois de ter criado as suas raízes no ideal da arte praticada pelos helenos.
      • Mosaicos Romanos - Conímbriga
      • Conímbriga
    • Direito Romano
      • É uma das mais grandiosas criações do povo romano e, no processo de romanização, uma das suas mais valiosas contribuições para a civilização ocidental.
      • O mais apelativo do Direito Romano, em relação a outros Direitos nacionais, é não ter desaparecido quando desapareceu o poder político de Roma.
      • Desde a Idade Média, onde foi acolhido e assimilado pelos povos bárbaros, passando para a Modernidade, até ao século XIX - com o Código de Napoleão -, o Direito Romano não só sobreviveu como se estendeu a outros continentes.
      • O sistema jurídico deixado por Roma constitui, hoje em dia, o núcleo do Direito de todo o mundo Ocidental.
    • Cidades contemporâneas dos Romanos
      • Aeminium – Coimbra Aquae Flaviae – Chaves Bracara Augusta – Braga Conímbriga Ebora Liberalitas Julia – Évora Egitânia – Idanha-a-Velha Interamniense-Viseo – Viseu Miróbriga – Santiago do Cacém Myrtilis – Mértola Olisipo Felicitas Julia – Lisboa Ossonoba – Faro Pax Julia – Beja Portucale-Castrum Novum – Porto Salatia – Alcácer do Sal Scallabis – Santarém Sellium – Tomar Tróia
    • Império Romano
    • E, para finalizar, um pequeno DESAFIO:
      • Preparado(a) para a batalha?
      • Então, vamos ver se sabes como os Romanos conquistaram a Península Ibérica e nela introduziram a sua civilização.
    • Pergunta 1
      • Os Romanos eram originários da…
      • a) Península Itálica.
      • b) Península Ibérica.
      • c) Península Arábica.
    • Pergunta 2
      • As legiões romanas chegaram pela primeira vez à Península em…
      • a) 217 a. C.
      • b) 218 a.C.
      • c) 216 a.C.
    • Pergunta 3
      • As causas para a sua vinda foram…
      • a) boas condições climáticas e riquezas.
      • b) boas vinhas e a preciosa cultura da oliveira.
      • c) boas colheitas de milho e qualidade de vida.
    • Pergunta 4
      • Romanização é o…
      • a) processo de transformação social de todos os povos da Península Ibérica.
      • b) processo de transformação étnica de todos os povos da Península Ibérica.
      • c) processo de transformação étnica, linguística, cultural e social efectuada pelos romanos.
    • Pergunta 5
      • Que língua falavam os Romanos?
      • a) Latim.
      • b) Inglês.
      • c) Francês.
    • Pergunta 6
      • Que afirmações são verdadeiras e que afirmações são falsas ?
      • a) O Império Romano estendia-se por três continentes: Europa, Ásia e África.
      • b) As lutas entre os romanos e os povos peninsulares duraram cerca de 50 anos.
      • c) As riquezas da Península Ibérica não interessavam aos Romanos.
      • d) Os Celtas foram um povo que resistiu aos Romanos.
      • e) Viriato era o Imperador de Roma.
      • f) Os Romanos permaneceram na Península Ibérica cerca de 700 anos.
    • Pergunta 7
      • Completa as frases:
      • Os Romanos permaneceram à volta de __________ na Península Ibérica. Durante esse período, e a pouco e pouco, os povos Ibéricos aprenderam a ____________, as ____________, os ____________, as __________ de construção e outros conhecimentos dos Romanos. Este processo designa-se de ______________.
    • Pergunta 8
      • No estudo da História, em que situação a numeração romana é ainda hoje utilizada?
      • a) Nos séculos.
      • b) Nos cardinais.
      • c) Nos ordinais.
    • Respostas correctas
      • 1. a)
      • 2. b)
      • 3. a)
      • 4. c)
      • 5. a)
      • 6.
      • a) - Verdadeira
      • b) - Falsa
      • c) - Falsa
      • d) - Verdadeira
      • e) - Falsa
      • f) - Falsa
      • 7. 700 anos … língua … leis …costumes … técnicas … Romanização.
      • 8. a)
    • Bibliografia
      • ARAÚJO, Carla et al (2003). Grande Temática Planeta – História. Vol. 1. Editorial Planeta de Agostini, S.A.
      • Diciopédia 2006 , Porto Editora
      • Diciopédia X
      • http://www.animationfactory.com
      • http:// www.enciclopedia.com.pt /readarticle.php?article_id=305
      • http://esjmlima.prof2000.pt/ hist_evol_lingua /R_GRU-C.HTM
      • Algumas fotografias da autoria de Guilherme Rosas Borges
      • Investigador:
      • Guilherme Borges
      • Elemento da equipa de investigadores:
      • 7º B
      • Data de realização do estudo:
      • Fevereiro de 2008