Your SlideShare is downloading. ×
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS   BIBLIOTECAS – 2012-13                                           C...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS   BIBLIOTECAS – 2012-13                        CAPÍTULO II – ORGANI...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS   BIBLIOTECAS – 2012-13       ♦ Professores que realizem atividades...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS   BIBLIOTECAS – 2012-13As horas atribuídas à equipa deverão ter em ...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS   BIBLIOTECAS – 2012-13   b) Zelar pelo bom funcionamento da Biblio...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS   BIBLIOTECAS – 2012-13   a) A página do agrupamento (em elaboração...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS   BIBLIOTECAS – 2012-13   i) Seguir as indicações que sejam transmi...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS   BIBLIOTECAS – 2012-13      requisitar obras para consulta domicil...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS   BIBLIOTECAS – 2012-13                           Artigo 17º - Equi...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS         BIBLIOTECAS – 2012-13   d) Os alunos que não respeitem os c...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS         BIBLIOTECAS – 2012-13   d) Os alunos que não respeitem os c...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS         BIBLIOTECAS – 2012-13   d) Os alunos que não respeitem os c...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Regimento interno

198

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
198
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Regimento interno"

  1. 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 CAPÍTULO I - PREÂMBULO Artigo 1º - DefiniçãoA Biblioteca Escolar (BE) é um espaço multimédia que coloca à disposição dos seus utenteslivros, programas informáticos, periódicos, registos vídeo e áudio, diapositivos, filmes, CD-ROM, etc.Dado que a BE é formada por áreas multifuncionais e também específicas, no sentido detornar claro o seu funcionamento, a metodologia adotada teve em conta a organizaçãodo espaço por setores, nomeadamente, Setor de Leitura, Visionamento e Audição,Multimédia e Auditório (exceto no 1º ciclo). Como no Setor de Leitura se encontra a Zonade Atendimento o utente deverá, em primeiro lugar, dirigir-se a esta zona sempre quepretenda utilizar os recursos existentes ou fazer requisições. Artigo 2º - Objetivos1 – Objetivos Geraisa) Disponibilizar espaços, devidamente equipados, que permitam a toda a Comunidade Educativa uma formação integral baseada na interligação de saberes.b) Proporcionar à Comunidade Educativa atividades culturais e acesso à informação.2 – Objetivos Específicosa) Dotar a escola de um fundo documental adequado às necessidades curriculares.b) Facilitar a recolha, organização, produção e tratamento de informação.c) Fomentar o gosto pela leitura, pesquisa e criação.d) Estimular nos alunos o interesse pela ciência, a arte e a cultura.e) Promover a reflexão crítica.f) Estimular, ao nível de professores e alunos, a produção de materiais e a organização de atividades.g) Desenvolver nos alunos competências e hábitos de trabalho baseados na consulta, tratamento e produção de informação.h) Associar a frequência da Biblioteca Escolar à ocupação formativa dos "Tempos Livres".i) Fomentar o gosto dos alunos e professores por novas formas de aprendizagem.j) Dinamizar o funcionamento dos vários espaços.k) Apoiar as atividades curriculares e extracurriculares. 1/10
  2. 2. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 CAPÍTULO II – ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO ESPAÇO Artigo 3º - Espaço físicoAs BE são compostas pelas seguintes áreas funcionais: ♦ A - Setor de Leitura: - Zona de atendimento - Leitura de Periódicos/ Leitura Informal - Leitura /consulta geral ♦ B - Zona de Visionamento e Audição ♦ C - Zona de Trabalho de Grupo – MultimédiaOs professores que pretendam utilizar o espaço (setor de leitura ou multimédia) para arealização de atividades letivas, tendo como suporte os recursos existentes, deverão fazerpreviamente a requisição do espaço, em impresso próprio, junto da funcionária de apoio àBiblioteca ou com titular da turma ou com o professor bibliotecário, no 1º Ciclo. Esta medidaprocura articular a realização de aulas com a utilização de recursos, a nível individual, noespaço multimédia ou de leitura. Artigo 4º - HorárioO horário de funcionamento é atualizado anualmente, encontrando-se afixado à entradada Biblioteca. Artigo 5º - Outros espaços afetos à BEPara além dos espaços indicados anteriormente, o Auditório também faz parte integranteda BE (exceto no 1º ciclo)1 – AuditórioO Auditório (Sala de Audiovisuais) com capacidade para cerca de 52 pessoas faz parteintegrante da BE/CRE e dispõe de um computador multimédia, um ecrã fixo na parede, um 1/10projetor de vídeo, um amplificador+colunas e um quadro interativo. O acesso à saladestina-se exclusivamente a uma utilização criteriosa de âmbito curricular e/ou lúdico-pedagógica. O equipamento só pode ser utilizado por quem conheça a forma de omanusear, devendo ser tomadas todas as precauções no sentido de evitar a propagaçãode vírus. a) Utilizadores ♦ Professores/alunos que realizem atividades de desenvolvimento curricular, no âmbito do PAA, e que necessitem da sala e/ou equipamento.
  3. 3. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 ♦ Professores que realizem atividades no âmbito da sala de aula e que pretendam recorrer a visionamento em qualquer suporte. b) RequisiçõesO Auditório poderá ser requisitado de acordo com as seguintes regras: ♦ A sala deverá ser requisitada, junto da funcionária de apoio à BE, através do preenchimento de um impresso próprio. ♦ A requisição deverá ser efetuada até 48 horas antes da sua utilização. ♦ A sala poderá ser requisitada no próprio dia, desde que o espaço se encontre disponível. ♦ As desistências, sempre que possível, deverão ser comunicadas. ♦ O utente do espaço poderá fazer a marcação para o número de horas que considere necessárias, de acordo com o projeto que pretende desenvolver. ♦ A sala só poderá ser utilizada para além do período de tempo inicialmente previsto, caso não haja qualquer requisição prévia. c) Utilização ♦ Antes de iniciar a sua atividade nesta sala, o utilizador deverá dirigir-se à funcionária do Bloco A que lhe facultará a respetiva chave e comando. ♦ O encerramento da sala e do equipamento é da responsabilidade do utilizador. ♦ Qualquer anomalia verificada deverá ser comunicada à funcionária. ♦ Os utentes poderão utilizar os recursos existentes na BE ou, ainda, os seus próprios recursos. ♦ Os CD-Áudio, CD-ROM e DVD só poderão ser requisitados para utilização interna. Os professores poderão requisitá-los, no âmbito curricular, a título de empréstimo domiciliário. CAPÍTULO III – GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS Artigo 6º - Professor Bibliotecário/Equipa1 – Professor Bibliotecário 1/10 A designação de cada professor bibliotecário foi efetuada de acordo com a Portaria 756/2009.2 – Constituição da EquipaA equipa da BE de cada escola do agrupamento deverá de ser formada por um númerode professores proporcional aos alunos das escolas dos 2º/3º ciclos e Secundário), sendoestes designados pela direção por um período coincidente com o do professorbibliotecário.
  4. 4. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13As horas atribuídas à equipa deverão ter em conta o crédito horário da escola e as opçõespedagógicas do diretor.3 – PerfilOs professores que integram a equipa responsável pelas BE serão designados de entre osdocentes das escolas que disponham de competências nos domínios pedagógico, degestão de projetos, de gestão da informação, das ciências documentais e das tecnologiasde informação e comunicação.Na constituição da equipa responsável pelas BE deverá ser ponderada a titularidade deformação que abranja as diferentes áreas do conhecimento de modo a permitir umaefetiva complementaridade de saberes.4 – FunçõesOs professores são responsáveis pelos setores antes referidos, de acordo com as seguintesfunções: a) Definição de objetivos, prioridades e serviços de acordo com o currículo da escola. b) Aplicação de padrões profissionais na organização e manutenção da biblioteca escolar. c) Elaboração do plano de atividades da BE, do seu regimento específico e do relatório anual do trabalho desenvolvido. d) Gestão, manutenção e dinamização da utilização dos espaços, equipamentos e recursos dos respetivos setores. e) Articulação com professores dos vários grupos de recrutamento. f) Cumprimento do seu horário na BE de forma a assegurar o funcionamento o espaço, caso a funcionária esteja impedida de o fazer. Artigo 7º - Assistentes operacionais1 – PerfilO número de assistentes operacionais afeto às BE deverá ter em conta o número de alunosda escola e a possibilidade do seu horário coincidir com o da escola. A sua designaçãoanual será realizada de acordo com os seguintes indicadores: 1/10 - a sua formação; - a capacidade de organização; - as boas relações interpessoais.2 – FunçõesO funcionário desempenhará as seguintes funções: a) Cumprir e fazer cumprir o regimento da Biblioteca.
  5. 5. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 b) Zelar pelo bom funcionamento da Biblioteca, pela conservação e correta utilização do material e equipamentos existentes. c) Arrumar os livros nas respetivas estantes. d) Vigiar a utilização do espaço, dos materiais e do equipamento da Biblioteca. e) Gerir as requisições e devoluções dos computadores portáteis. f) Cumprir rigorosamente o horário de funcionamento publicitado para a comunidade. g) Exercer a sua autoridade de forma correta e eficaz relativamente a todos os utentes. h) Orientar e auxiliar os utentes, sempre que estes o solicitem. i) Receber e registar as importâncias devidas pela prestação de serviços onerosos. j) Manter em boas condições de higiene e limpeza o espaço, o equipamento e demais material existente na Biblioteca. k) Comunicar ao Professor Bibliotecário, por escrito, erros, anomalias ou quaisquer outras situações não previstas. CAPÍTULO IV – ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DOS RECURSOS DE INFORMAÇÃO Artigo 8º - Organização e Gestão da informação1 – Manual de ProcedimentosCada BE terá um Manual de Procedimentos onde são referidas as opções relativas acatalogação, classificação, indexação e gestão de coleções.2 – Tratamento da documentação a) O tratamento documental dos materiais livro e não livro decorre de normas internacionais, com as adaptações nacionais, sob a responsabilidade da Biblioteca Nacional, para catalogação (Regras Portuguesas de Catalogação) e classificação (Tabela de Autoridade da CDU, edição portuguesa), encontrando-se informatizados através do programa BIBLIOBASE. b) Todos os procedimentos da cadeia de tratamento técnico-documental obedecem a critérios de adequação aos perfis de utilizadores, coerência e unicidade documental. Estes critérios devem ser registados no “Manual de Procedimentos”. c) A gestão documental deverá ser feita tendo em conta as regras definidas no respetivo manual “Gestão da Coleção” do agrupamento que se encontra em fase de elaboração. 1/10 Artigo 9º - Divulgação da informação1 – AquisiçõesA equipa da BE responsabiliza-se pela divulgação das novas aquisições de acordo com asnecessidades e solicitação dos utilizadores.2 – Divulgação
  6. 6. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 a) A página do agrupamento (em elaboração) é um dos meios para divulgação da informação relativa às atividades e aos recursos existentes nas BE. b) A consulta do catálogo de algumas das bibliotecas do agrupamento poderá ser efetuada por via eletrónica. c) A equipa das BE utilizará anualmente outros suportes de divulgação, de acordo com as atividades definidas no PAA. CAPÍTULO V – UTILIZAÇÃO Artigo 10º - UtilizadoresAs várias áreas que fazem parte das BE podem ser utilizadas por professores, alunos,funcionários, pais e/ou encarregados de educação e, eventualmente, outras entidades (adefinir pelos órgãos dirigentes da escola). Artigo 11º - AcessoO acesso é livre, devendo todos os utentes registar a sua presença num impresso próprio, Artigo 12º - Direitos e Deveres dos utilizadores1 – Direitos a) Consultar livremente toda a documentação. b) Usufruir de todos os recursos e serviços prestados pela BE, de acordo com o regimento. c) Participar em todas as atividades. d) Apresentar críticas e sugestões.2 – Deveres a) Respeitar o silêncio. b) Não comer ou beber em todas as áreas das BE. 1/10 c) Preencher os documentos necessários à requisição do equipamento e fundo documental. d) Cumprir o prazo estipulado para a devolução do fundo documental requisitado. e) Não alterar o posicionamento do equipamento. f) Manter em bom estado de conservação o material de consulta e equipamento. g) O material impresso, após a consulta, deve ser colocado no “carrinho” e não nas prateleiras. h) O material não impresso, após a sua utilização, deve ser devolvido à funcionária de apoio.
  7. 7. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 i) Seguir as indicações que sejam transmitidas pelo funcionário/professores de apoio às BE. j) Repor o material danificado ou o valor correspondente, em caso de perda ou dano, de qualquer tipo de material de consulta ou equipamento. CAPÍTULO VI – UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS Artigo 13º - Livros1 – Leitura presencial a) A seleção dos livros deverá ser feita diretamente nas estantes. b) Os livros retirados das prateleiras deverão ser sempre colocados no carrinho e não na estante. c) A consulta deverá ser efetuada, preferencialmente, no espaço onde os documentos se encontram.2 – Leitura na sala de aulaA título excecional, enciclopédias, dicionários e obras constituídas por vários volumespoderão ser requisitados para a sala de aula.3 – Leitura domiciliária a) Poderá ser requisitada para consulta domiciliária, em impresso próprio, toda a documentação à exceção de: • Obras de referência (enciclopédias, dicionários). • Obras em mau estado de conservação. • Obras de que exista apenas um exemplar e que sejam muito solicitadas. • Periódicos (jornais, revistas, boletins). • DVD. • CD-ROM. • CD áudio. b) O utente poderá requisitar até duas obras. c) A requisição deverá ser feita tendo em conta os seguintes prazos máximos de devolução: • Livros – 15 dias • Vídeos/DVD/ CD-ROM/ CD áudio (âmbito curricular) – 2 dias 1/10 d) Estes prazos só poderão ser alargados desde que, na altura da requisição, o utente fundamente a necessidade de uma utilização mais prolongada. Só serão considerados válidos os fundamentos que se relacionem com a utilização dos materiais num âmbito curricular. e) O utente que não proceder à devolução das obras no prazo estabelecido será avisado pelo diretor de turma, assinando, para comprovativo, o aviso colocado no livro de ponto. f) O utente que, após ter sido avisado duas vezes consecutivas, entregar os materiais requisitados fora do prazo será penalizado com a suspensão temporária do direito de
  8. 8. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 requisitar obras para consulta domiciliária. O período de tempo correspondente à suspensão poderá ir de um mês a um período letivo. g) Em caso de perda ou dano da(s) obra(s) requisitada(s), o utente terá que repor o material danificado ou o valor correspondente. h) Só depois de devolvidas as obras requisitadas poderá ser feito novo pedido. Artigo 14º - PeriódicosA leitura de periódicos (jornais e revistas) deverá ser feita, preferencialmente, no localdestinado a esse efeito.Após a leitura, os periódicos deverão ser colocados no sítio respetivo.A título excecional, os periódicos poderão ser requisitados para a sala de aula. Osperiódicos desatualizados poderão ser utilizados pelos alunos para a realização dos seustrabalhos. Artigo 15º - Jogos a) A requisição dos jogos deverá ser feita diretamente junto da funcionária de apoio à Biblioteca. b) Os jogos poderão ser requisitados na própria hora. c) Só poderá haver lugar à requisição desde que não existam mais do que dois grupos de utilizadores. d) A utilização deverá ser feita no espaço multimédia, individualmente ou em grupo, no máximo de quatro elementos. Artigo 16º - Equipamento audiovisual1 – DVD /CD-ROM/CD-ÁUDIO a) A seleção do material audiovisual deverá ser feita diretamente nos expositores onde se encontram as caixas das cassetes de vídeo/DVD/CD áudio ou, então, nos dossiês próprios. b) Depois de selecionar o documento pretendido (DVD, CD- Áudio ou CD-ROM) deverá solicitá-lo à funcionária, através da indicação do número de registo (ver etiqueta). c) O utente só poderá utilizar uma obra de cada vez. d) A devolução deverá ser feita à funcionária de apoio após o seu visionamento/audição. 1/10 e) A mesma obra poderá ser utilizada por um/dois utilizadores. f) A utilização do equipamento audiovisual (da BE ou do utente) só poderá ser feita com auscultadores. g) O utente poderá requisitar o equipamento necessário para audição/visionamento dos seus CD/DVD.
  9. 9. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 Artigo 17º - Equipamentos multimédia/informático1 – EquipamentoO espaço Multimédia faz parte integrante das BE e dispõe de um projetor de vídeo e decomputadores ligados à Internet.2 – UtilizadoresO equipamento destina-se a ser utilizado prioritariamente por: a) Alunos e professores que desenvolvam atividades no âmbito da sala de aula. b) Alunos e professores que desenvolvam atividades em complemento do trabalho realizado na sala de aula. c) Alunos e professores que desenvolvam atividades no âmbito do Apoio à Disciplina. d) Alunos e professores a nível individual ou em grupo, até ao limite de três elementos por computador.3 – Requisições a) O equipamento existente deverá ser requisitado, em impresso próprio, junto da funcionária. b) Só os professores poderão requisitar o projetor de vídeo portátil. c) Só os professores poderão utilizar os computadores quando a Biblioteca estiver encerrada. d) O equipamento poderá ser requisitado com uma antecedência máxima de 48 horas. A utilização poderá ser feita no próprio dia sem marcação prévia desde que o equipamento se encontre disponível. e) As desistências deverão, sempre que possível, ser comunicadas. f) Os utentes deverão comparecer na sala até 10 minutos após o toque. Caso tal não se verifique, o equipamento poderá ser considerado disponível. g) O aluno que pretenda utilizar os computadores, poderá fazer a marcação para um período correspondente a dois períodos de 50 minutos por semana. Caso a utilização se destine à realização de um trabalho, o aluno deverá solicitar, junto da funcionária, um impresso para ser assinado pelo professor da respetiva disciplina, onde conste o prazo de entrega do respetivo trabalho. Só nestes casos os alunos poderão marcar mais do que o estipulado semanalmente, até à conclusão do trabalho. h) O equipamento existente poderá ser utilizado para além do período de tempo inicialmente previsto, caso não haja qualquer requisição prévia. 1/104 – Utilização a) O utente deverá preencher o impresso relativo ao tipo de utilização efetuada. b) O acesso à Internet destina-se exclusivamente a uma utilização criteriosa de âmbito curricular e/ou lúdico-pedagógica. c) Os utilizadores, desde que exista impressora, poderão imprimir os seus trabalhos, caso sejam de natureza curricular. Para esse efeito, deverão respeitar as normas afixadas em local visível junto ao equipamento.
  10. 10. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 d) Os alunos que não respeitem os critérios de utilização ficarão impedidos de utilizar os computadores por um período de tempo dependente da gravidade da situação. A ocorrência será participada ao encarregado de educação. Artigo 18º - Computadores PortáteisOs computadores portáteis/projetor de vídeo deverão ser requisitados em impresso próprioestando a sua utilização definida num regimento específico. CAPÍTULO VII ARTICULAÇÃO CURRICULAR DA BE COM AS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS E DOCENTES Artigo 19º - Procedimentos para um trabalho colaborativoA equipa das BE deve favorecer o desenvolvimento das literacias, designadamente daleitura e da informação, e apoiar o desenvolvimento curricular.A equipa das BE deve apoiar os professores no processo de ensino-aprendizagem, de modoa desenvolver nos alunos competências ao nível da informação.Os responsáveis pelas BE deverão, anualmente, apresentar aos órgãos responsáveis umPlano de Atividades que esteja devidamente integrado no Projeto Educativo doAgrupamento e que esteja articulado com as propostas apresentadas pelos váriosdepartamentos curriculares. CAPÍTULO VIII – PARCERIAS Artigo 20º - Colaboração com entidades exterioresAs BE estão integradas na Rede de Bibliotecas Escolares, trabalhando em parceria com aBiblioteca Municipal e SABE (Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares).Para além destas parcerias poderão vir a ser realizadas outras, de acordo com o PAA. CAPÍTULO IX – DISPOSIÇÕES DIVERSAS 1/10 Artigo 21º - Vigência e Situações OmissasO presente Regimento deverá entrar em vigor após aprovação pelo órgão respetivo,podendo ser revisto anualmente, tendo em conta as alterações que se venham a verificar.Qualquer situação omissa será resolvida pelos Professor Bibliotecários e/ou pela Direção doAgrupamento. Equipa da BETexto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.
  11. 11. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 d) Os alunos que não respeitem os critérios de utilização ficarão impedidos de utilizar os computadores por um período de tempo dependente da gravidade da situação. A ocorrência será participada ao encarregado de educação. Artigo 18º - Computadores PortáteisOs computadores portáteis/projetor de vídeo deverão ser requisitados em impresso próprioestando a sua utilização definida num regimento específico. CAPÍTULO VII ARTICULAÇÃO CURRICULAR DA BE COM AS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS E DOCENTES Artigo 19º - Procedimentos para um trabalho colaborativoA equipa das BE deve favorecer o desenvolvimento das literacias, designadamente daleitura e da informação, e apoiar o desenvolvimento curricular.A equipa das BE deve apoiar os professores no processo de ensino-aprendizagem, de modoa desenvolver nos alunos competências ao nível da informação.Os responsáveis pelas BE deverão, anualmente, apresentar aos órgãos responsáveis umPlano de Atividades que esteja devidamente integrado no Projeto Educativo doAgrupamento e que esteja articulado com as propostas apresentadas pelos váriosdepartamentos curriculares. CAPÍTULO VIII – PARCERIAS Artigo 20º - Colaboração com entidades exterioresAs BE estão integradas na Rede de Bibliotecas Escolares, trabalhando em parceria com aBiblioteca Municipal e SABE (Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares).Para além destas parcerias poderão vir a ser realizadas outras, de acordo com o PAA. CAPÍTULO IX – DISPOSIÇÕES DIVERSAS 1/10 Artigo 21º - Vigência e Situações OmissasO presente Regimento deverá entrar em vigor após aprovação pelo órgão respetivo,podendo ser revisto anualmente, tendo em conta as alterações que se venham a verificar.Qualquer situação omissa será resolvida pelos Professor Bibliotecários e/ou pela Direção doAgrupamento. Equipa da BETexto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.
  12. 12. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA - REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS – 2012-13 d) Os alunos que não respeitem os critérios de utilização ficarão impedidos de utilizar os computadores por um período de tempo dependente da gravidade da situação. A ocorrência será participada ao encarregado de educação. Artigo 18º - Computadores PortáteisOs computadores portáteis/projetor de vídeo deverão ser requisitados em impresso próprioestando a sua utilização definida num regimento específico. CAPÍTULO VII ARTICULAÇÃO CURRICULAR DA BE COM AS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS E DOCENTES Artigo 19º - Procedimentos para um trabalho colaborativoA equipa das BE deve favorecer o desenvolvimento das literacias, designadamente daleitura e da informação, e apoiar o desenvolvimento curricular.A equipa das BE deve apoiar os professores no processo de ensino-aprendizagem, de modoa desenvolver nos alunos competências ao nível da informação.Os responsáveis pelas BE deverão, anualmente, apresentar aos órgãos responsáveis umPlano de Atividades que esteja devidamente integrado no Projeto Educativo doAgrupamento e que esteja articulado com as propostas apresentadas pelos váriosdepartamentos curriculares. CAPÍTULO VIII – PARCERIAS Artigo 20º - Colaboração com entidades exterioresAs BE estão integradas na Rede de Bibliotecas Escolares, trabalhando em parceria com aBiblioteca Municipal e SABE (Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares).Para além destas parcerias poderão vir a ser realizadas outras, de acordo com o PAA. CAPÍTULO IX – DISPOSIÇÕES DIVERSAS 1/10 Artigo 21º - Vigência e Situações OmissasO presente Regimento deverá entrar em vigor após aprovação pelo órgão respetivo,podendo ser revisto anualmente, tendo em conta as alterações que se venham a verificar.Qualquer situação omissa será resolvida pelos Professor Bibliotecários e/ou pela Direção doAgrupamento. Equipa da BETexto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.

×