• Save
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA)

on

  • 1,137 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,137
Views on SlideShare
1,137
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) Presentation Transcript

  • Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e a Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) Dr. José Alexandre Pires de Almeida
  • INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA  “Incapacidade do sistema respiratório manter a ventilação e ou oxigenação. O sangue venoso venosos que retorna aos pulmões não consegue ser alterializado”( Knobel,2005,p. 282).  “É uma deterioração súbita e com risco de vida da função da troca gasosa do pulmão” ( BRUNNER e SUDDARTH,2005,p.575).  “Ocorre quando o organismo é incapaz de, oxigenar os tecidos e remover dióxido de carbono” (SCHELL,2005, P. 222).
  • FISIOPATOLOGIA RESPIRATÓRIA View slide
  • CUIDADOS NA INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AVALIAÇÃO INICIAL História clínica Exame físico Dados laboratoriais View slide
  • Classificação  IRpA Hipoxêmica (Tipo I)  IRpA Hipercápnica (Tipo II)
  • Classificação  IRpA Hipoxêmica (Tipo I): PaO2↓ e PaCO2 ↓ em decorrência de uma Hiperventilação, geralmente causada por doenças pulmonares agudas (preenchimento alveolar por líquido ou por colapso alveolar: PNM, SDRA, etc).
  • Classificação  IRpA Hipercápnica (Tipo II): PaO2↓ e PaCO2↑ em decorrência de uma disfunção do drive respiratório (lesão do centro respiratório), disfunção neuromuscular (Ex: TRM), obstrução de VVAASS (DPOC ou corpo estranho), disfunção em parênquima pulmonar (atelectasias) ou disfunção vascular (TEP, ICC).
  • SINAIS E SINTOMAS •Dispnéia Intensa com FR > 35irpm •Cianose •Alteração do nível de consciência (sonolência/ torpor) •Taquicardia > 100bpm
  • SINAIS / EXAMES RESULTADOS Consciência Sonolência / torpor / coma Dispnéia Moderada / intensa Frequência respiratória > 35 Saturação de O2 < 90% PaO2 <60 mmhg PaCO2 > 50 -55 mmhg Cianose Intensa +++ / ++++ Estado hemodinâmico Instável Aspecto Radiológico Hiperdensidade intensa e/ou bilateral PH < 7.35 ou > 7.45 Os 10 mandamentos da IRpA
  • CLASSIFICAÇÃO DA IRpA TIPO PaO2 PaCO2 Mecanism o básico Exemplo I <60mmHg < 50mmHg ou normal Déficit de oxigenaçã o SDRA; Broncopneumonia grave. II Hipoventilaçã o alveolar < 60mmHg >50mmHg Déficit de ventilação Diminuição do drive respiratório central; Doenças neuromusculares periféricas; Obstrução do fluxo aéreo. Mecanismos Básicos: Hipoventilação, desequilíbrio ventilação/perfusão, shunt e difusão diminuída, além da hipoxemia de origem extra pulmonar.
  • MECANISMOS FISIOPÁTOLÓGICOS DE HIPOXEMIA  Redução da concentração ambiental de oxigênio expirado;  Hiperventilação: CO2 O2  Hipoventilação; CO2 O2  Anormalidade na difusão;  Alteração da relação ventilação- perfusão( V/Q);  Shunt intrapulmonar;  Baixa tensão de oxigênio venoso misto( PvO2).
  • MECANISMOS FISIOPÁTOLÓGICOS DE HIPOXEMIA
  • MECANISMOS FISIOPÁTOLÓGICOS DE HIPOXEMIA CAUSAS EXEMPLOS A VAS Asma, DPOC B Parênquima Pulmonar PNM, SDRA, Fibrose C Vascular Embolia Pulmonar, EAP D SNC AVE, Meningite, Encefalite E SNP Guillain-Barré F CX Torácica e Abdômen Trauma, PO(cirurgias altas)
  • MECANISMOS FISIOPÁTOLÓGICOS DE HIPOXEMIA
  • MECANISMOS FISIOPÁTOLÓGICOS DE HIPOXEMIA  Determinação do comprometimento das trocas Gasosas através da P(A-a): Pressão artério-alveolar P (A-a) = PAO2 – PaO2 • PAO2 = (pB – H2Op) x FiO2 – (1,25 x PACO2) • pB = 760mmHg • H2Op = 47mmHg • FiO2 = Fração Inspirada de O2, não em % • PaCO2 = Gasometria Arterial • PaO2 = Gasometria Arterial • VALORES NORMAIS = <15mmHg em adultos jovens ( < 25 mmHg em idosos) PS: Se a PAO2 – PaO2 > 15 = Distúrbio de V/Q Se a PAO2 – PaO2 < ou = 15 Não há distúrbio
  • MECANISMOS FISIOPÁTOLÓGICOS DE HIPOXEMIA  Determinação do comprometimento das trocas Gasosas através da P (A-a) - Pressão artério-alveolar 1)Determine o Distúrbio Ácido-Básico 2) Calcule a P (A-a)O2 em cada caso.
  • MECANISMOS FISIOPÁTOLÓGICOS DE HIPOXEMIA  Determinação do comprometimento das trocas Gasosas através da P (A-a) - Pressão artério-alveolar EXEMPLO 1 pH = 7,45mmHg PaCO2 = 33mmHg PaO2 = 40mmHg HCO3 = 22mEq/L SapO2 = 70% FiO2 = 21%
  • MECANISMOS FISIOPÁTOLÓGICOS DE HIPOXEMIA  Determinação do comprometimento das trocas Gasosas através da P (A-a) - Pressão artério-alveolar EXEMPLO 2 pH = 7,21mmHg PaCO2 = 72mmHg PaO2 = 53mmHg HCO3 = 27mEq/L SapO2 = 81% FiO2 = 21%
  • METAS NO CONTROLE DA IRpA  Restauração das trocas gasosas adequadas para fornecer a distribuição de oxigênio aos órgãos vitais (VMNI, VMI, oxigenoterapia);  Tratamento da Patologia de Base
  • TRATAMENTO  Seriar Gasometria;  Aumentar Oferta de Oxigênio;  Intubação Traqueal;  Ventilação Mecânica Invasiva (VMI e VNI). Cateter nasal 30% Venturi 50% VNI com PEEP
  • INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL TÉCNICA:  Máscara e ressuscitador manual conectados ao oxigênio;  Material para aspiração orotraqueal;  Testar o cuff do TOT/TQT antes da intubação;  Retirar próteses dentárias;  Proteção: luvas, máscaras e óculos;  Sedação e analgesia: Midazolan e Fentanil;  TOT: 7,0 - 7,5 - 8,0 - 8,5 - 9,0 - 9,5 e 10,0.  Ausculta final/RX tórax
  • INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL
  • Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA)
  • SDRA  Histórico 1. 1967: Ashbaugh et. Al – Primeira Descrição, 12 pacientes
  • SDRA  Histórico 2. 1994: Conferência de Consenso Euro-Americano para definição diagnóstica, mecanismos de lesão e realização de ensaios clínicos
  • SDRA  Histórico 3. 2012: Definição de Berlim
  • É um tipo de insuficiência respiratória de instalação aguda, de natureza inflamatória, de barreira constituída pelo epitélio alveolar e endotélio, que determina entre outras coisas, a formação de um edema alveolar rico em proteínas. SDRA  SDRA na definição de 1994 • IRpA • Infiltrado Pulmonar Bilateral • Pressão de Oclução da Artéria Pulmonar < 18mmHg ou ausência de sinais de hipertensão arterial esquerda (HAE = EAP de caráter Cardiogênico) - Catéter de Swan Ganz
  • SDRA SDRA na definição de 1994 Catéter de Swan-Ganz
  • SDRA  SDRA na definição de 1994 • Índice de Oxigenação < 200 (onde 200-300 = LPA) • Pelo menos um fator de risco
  • SDRA  SDRA na definição de 1994 • Críticas - Definição de LPA levaria à uma análise de sub-diagnóstico e sub-tto para casos menos graves - Ausência de definição para duração de um quadro agudo - Não leva em conta a influência da PEEP PaO2/FiO2 - Valoriza procedimento invasivo (Swan-Ganz) para mensuração da POAP
  • SDRA  SDRA na definição de 1994
  • SDRA  Mortalidade da SDRA após a definição de 1994
  • SDRA  SDRA na definição de Berlim 2012
  • SDRA  SDRA na definição de Berlim 2012 - Radiografia consistente com SDRA (opacidades bilaterais e ausência de derrame pleural ou sinais de atelectasias)
  • SDRA  SDRA na definição de Berlim 2012 - Radiografia inconsistente com SDRA ( + derrame pleural)
  • FATORES PREDISPONENTES
  • LESÃO DIRETA E AGRESSÃO INDIRETA
  • Volutrauma/Barotrauma (LPAV)
  • Colapso Alveolar
  • Recrutamento e Estabilização Alveolar
  • O que costuma evitar a entrada de fluido no pulmão ?  Pressão hidrostática;  Pressão osmótica coloidal;  Integridade da membrana capilar. - Na SARA a membrana capilar está rompida resultando em movimentação de fluidos e substâncias com alto peso molecular dentro dos capilares para o interstício e para o espaço alveolar.
  • FISIOPATOLOGIA Lesão da membrana alvéolo- capilar Extravasamento de líquido com alto teor de proteínas para espaços intersticiais e alvéolos Estreitamento das pequenas vias aéreas e complacência pulmonar reduzida Diminuição na capacidade residual funcional e hipoxemia grave e aumento do trabalho respiratório
  • De que forma a membrana rompida, na SARA, afeta as trocas gasosas?Acúmulo de fluido e proteínas no pulmão Lesão às células responsáveis pelas trocas gasosas e inativação do surfactante Intensifica o colapso nos alvéolos Volume pulmonar Complacência Shunts Alteração Pulmonar intrapulmonares V/Q Shunts áreas perfundidas e não ventiladas
  • APRESENTAÇÃO CLÁSSICA DA SDRA  Hipoxemia refratária - a administração de oxigênio 100% leva a pouca ou nenhuma mudança na PaO2 devido ao shunt intrapulmonar significativo;  Elevação da pressão de pico e redução da complacência;  Pulmão rígido - dificuldade na movimentação do ar para dentro e para fora dos pulmões;  Hipertensão pulmonar;
  • METAS DA VENTILAÇÃO MECÂNICA NA SDRA  A meta é adaptar os volumes de ar corrente com base na mecânica pulmonar do paciente, em vez de normalizar a gasometria arterial;  Prevenção de novas lesões ao pulmão;  Manutenção da oxigenação pulmonar;  Otimização da distribuição de oxigênio aos tecidos.
  • METAS DA VENTILAÇÃO MECÂNICA NA SDRA
  • METAS DA VENTILAÇÃO MECÂNICA NA SDRA
  • METAS DA VENTILAÇÃO MECÂNICA NA SDRA  III CONSENSO BRASILEIRO DE VENTILAÇÃO MECÂNICA J. Brasil. Pneumol. 2007
  • METAS DA VENTILAÇÃO MECÂNICA NA SDRA
  • METAS DA VENTILAÇÃO MECÂNICA NA SDRA
  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CINTRA, E.A.; Nishide, V.M.; Nunes, W.A. Assistência de Enfermagem ao paciente crítico. 2. ed, São Paulo: Atheneu, 2000. KNOBEL, E.; Laselva, C.R.; Junior, D.F. Terapia Intensiva: enfermagem.SãoPaulo: Atheneu, 2006. LOPES, Mario.; Emergências Respiratórias. 2. ed, Rio de Janeiro: Guanabara koogan, 2003. SCHELL, Hildy M. Segredos em enfermagem na terapia intensiva. Tradução: Regina Garcez.Porto Alegre: Artmed,2005.
  • QUESTÕES (HUSFP)
  • QUESTÕES (CESPE/UnB)
  • QUESTÕES (HUSFP)