Cases de Logística
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Cases de Logística

on

  • 6,525 views

Palestra: Cases de Logística...

Palestra: Cases de Logística

Palestrante: Adm. João Batista Nascimento Filho, que atua a 27 anos com logística e comércio internacional, com larga experiência em logística empresarial, comércio internacional e seguros de transporte.

Evento: I Seminário de Logística do CRA-BA

Realização: CRA/BA - Conselho Regional de Administração da Bahia

Statistics

Views

Total Views
6,525
Slideshare-icon Views on SlideShare
6,456
Embed Views
69

Actions

Likes
1
Downloads
296
Comments
0

1 Embed 69

http://www.slideshare.net 69

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Cases de Logística Cases de Logística Presentation Transcript

    • I Seminário de Logística – CRA-BA
      • Seminário: Grupo de estudos em que se debate matéria que cada participante expõe.
      • Experiência x Escolas x Didática x Público alvo
      • Ciência da Administração x Logística
    • RISC OS Gerenciar riscos é olhar para o FUTURO!! A área da segurança nas empresas, passam a ter que monitorar riscos estratégicos, avaliando a dinâmica!!
    • O que queremos proteger?
      • Exxon Valdez em 1989  prejuízos imediatos:
        • Custo do reparo do casco US$ 12 milhões
        • Perda da carga US$ 3,4 milhões
        • Limpeza mais multas ambientais: US$ 7 bilhões
      • Consequência do acidente: Oil Pollution Act, que obrigará as empresas a substituírem todos os petroleiros por navios de casco duplo
      Conclusão: O impacto no negócio de um risco incorrido pode ser completamente fora de proporção em relação aos valores envolvidos diretamente na operação em que ocorre a vulnerabilidade! Essencial: Conhecer o negócio!
    • Risco Retorno Visão Tradicional Visão Emergente Administração de Riscos: última fronteira para o sucesso? Gerenciamento de Riscos
    • Questionando o ponto de vista tradicional de risco …..
      • Evitar o risco
      • Exposição conhecida
      • Facilmente mensurável
      • Seguro / hedge / crédito
      Gerenciamento de Riscos Visão Tradicional
    • … .. e mudando rapidamente para uma nova perspectiva!
      • Otimização do risco
      • Exposição a riscos conhecidos e desconhecidos
      • Mapear e medir todos os riscos
      • Envolver toda a empresa
      Gerenciamento de Riscos Visão Emergente
    • GERÊNCIA DE RISCO OPERACIONAL E DISCIPLINAS RELACIONADAS Gerência de Risco Operacional Controle Estatístico de Processos Planejamento de Contingências Processos de Risco e Organizações Controle Interno Segurança Empresarial Modelos de Perdas Atuariais Auditoria Gerência de Operações Seguros Gestão da Qualidade Total Gerência de Instalações Gerência de Riscos Financeiros
    • POR QUÊ MONITORAR ?
      • Localizar
        • Veículos e Cargas
      • Interagir
        • Prevenção de Roubos
        • Pró-ação anti sinistros e ação corretiva imediata
        • Cercas eletrônicas
      • Otimizar
        • Dinâmica de Rotas
        • Melhoria no uso de frotas para transporte de cargas
        • Manutenção Corretiva e Preventiva de veículos
        • Comunicação independente de infra-estrutura de Telecomunicações
    • S ISTEMA DE POSICIONAMENTO: Utiliza a Tecnologia GPS (Sistema de P osicionamento Global) para cálculo do posicionamento dos veículos. SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE DADOS: Pode ser feita através de Telefonia Celular ,Rádio VHF / Truking ou Satélite , para a comunicação base/veículo. SISTEMAS DE MONITORAMENTO - COMPOSIÇÃO INTELIGÊNCIA EMBARCADA: Sensores e Atuadores SOFTWARE: Segurança e Logística
    • GPS (Global Positioning System - Sistema de Posicionamento Global) - É composto por um conjunto de 24 satélites, que percorrem a órbita da Terra a cada 12 horas. Este sistema permite que através de dispositivos eletrônicos, chamados GPS Receivers (Receptores GPS), possam ser convertidos os sinais de satélites em posicionamentos, permitindo assim a localização geográfica de qualquer objeto no globo terrestre com uma precisão em torno de 10 metros. Meios de Comunicação Meios de Comunicação Satelital Alta Orbita Baixa Orbita Celular TDMA CDMA GSM SMS SMS GPRS AMPS 1XRTT Triangulação SME
    • SME - Serviço Móvel Especializado, conecta grupos de usuários por ligações diretas de rádio, além de realizar chamadas para telefones de rede pública (fixa e móvel), pó meio dos gateways da operadora. Conhecido originalmente como trunking. TRIANGULAÇÃO DE ANTENAS - SME
    • Destino 1 Destino 2
    • SATELITAL Satelite - Equipamento de comunicação que gira sobre a órbita terrestre. Seu funcionamento consiste em refletir sinais de microondas enviados da superfície da Terra para outro satélite ou diretamente para uma antena no solo. Satelital Alta Orbita Baixa Orbita
    • O USO DA COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE
      • Vantagens
        • Cobertura Nacional e Internacional
        • Independência de infra-estrutura terrestre para o funcionamento
        • Operação sob quaisquer condições ambientais havendo desobstrução de antenas
        • Disponibilidade de Serviços (> 99% do tempo)
      • Desvantagens
        • Menor precisão na triangulação em áreas urbanas por obstrução
        • Custo de comunicação nem sempre competitivo quando comparado a outros meios
    • SISTEMAS DE MONITORAMENTO – SATÉLITES Inteligência Embarcada: - Sensores - Atuadores Estação de Terra Central de Operações 24 hrs (Gerenciadora / Transportador / Embarcador) localiza a posição do veículo sobre os mapas digitais automaticamente 1 GPS Localiza o Veículo O Satelite capta a localização e reenvia para a estação 2 3
    • CELULAR – CDMA CDMA ( Code Division Multiple Access) - Acesso Múltiplo por Divisão de Código. - Para comunicação discada de dados em até 9.600 bps e voz. AMPS (Advanced Mobile Phone System) - Para comunicação discada de dados em até 1.200 bps e voz. SMS – Para comunicação de dados “Short Message”. 1XRTT - É uma combinação de comunicação de dados e voz, uma extensão do padrão CDMA, que transmite dados a 144Kbps com conexão permanente, é possível receber música, fotografias e filmes no celular. - Para comunicação de dados IP em até 144bps.
    • CELULAR – GSM GPRS – Para comunicação de dados IP em até 115 Kbps. SMS – Para comunicação de dados “Short Message”. GSM – Para comunicação discada de dados em até 9.600 bps e voz. Uma característica importante, Atendido pelas operadoras destas tecnologias , é ser multiprotocolo , com capacidade para utilizar os diferentes padrões de comunicação de voz, dados e mensagens de texto. O Sistema pode empregar cada uma dessas linguagens na comunicação entre veículo e a Central, quando necessário. Isso quer dizer, maior abrangência disponível hoje em telefonia celular.
    • O USO DA COMUNICAÇÃO VIA CELULAR
      • Vantagens
        • Cobertura Urbana mais precisa (onde existam estações de Rádio-Base)
        • Tempo de propagação menor que o do satélite
        • Custo de comunicação competitivo
      • Desvantagens
        • Ausência de Cobertura fora de grandes Centros
        • Inexistência de acordos entre operadoras para roaming
        • Incompatibilidade entre sistemas TDMA, CDMA, GSM
        • Tarifa interurbana não competitiva em caso de roaming
    • SISTEMAS DE MONITORAMENTO – CELULAR, RÁDIO E ANTENA Inteligência Embarcada: - Sensores - Atuadores Central de Operações 24 hrs (Gerenciadora / Transportador / Embarcador) localiza a posição do veículo sobre os mapas digitais automaticamente 1 GPS Localiza o Veículo O Satelite capta a localização e reenvia para a estação 2 3
    • SISTEMAS DE MONITORAMENTO - SENSORES São equipamentos responsáveis pelo monitoramento constante do veículo, registrando todas as variações de status que vierem a ocorrer durante o percurso. Em caso de qualquer tentativa de violação destes parâmetros, o operador é imediatamente avisado, tomando as medidas cabíveis.
    • Alguns Sensores disponibilizados no mercado: Sensor de Ignição – Informa variações do estado de ignição Sensor de Velocidade – Mede as variações de velocidade durante o percurso. Chave de Portas – Aciona o travamento e o destravamento das portas do baú. Sensor de Porta do Baú – Detecta a abertura não autorizada da porta do baú. Sensor de Temperatura – Monitora e informa constantemente a temperatura do baú. Sensor de Carona – Detecta o ingresso não autorizado de pessoas na cabine do veículo. SISTEMAS DE MONITORAMENTO - SENSORES Sensor de desengate – Informa quando o semi – reboque é desengatado de forma não autorizada.
    • SISTEMAS DE MONITORAMENTO - ATUADORES Os atuadores são os mecanismos que interferem diretamente no funcionamento do veículo. Podem ser ativados automaticamente através do sistema interno no caminhão ou através da central de monitoramento. Alguns Atuadores disponibilizados no mercado: Bloqueio do veículo – Bloqueia o veículo de forma definitiva (até que seja cancelado o comando). Travas do Baú – Trava as portas do baú do veículo. Sirenes – Ativa as sirenes do veículo. Imobilizador do Veículo – Imobiliza o semi-reboque, não permitindo que outro veículo, não autorizado, possa fazer o engate. (Pode ser usado também em caminhões toco,truck,etc, desde que possuam freio estacionário). Travas do Capo – Trava o capo do veículo.
    • TECNOLOGIAS Satelital Satelital Celular Radiofrequência Celular Satelital                                           
    • GERENCIADORAS
      • Em 2001 2% da operação era rastreada e 98% controlado via 0800 e postos de controle.
      • Hoje a operação é 100% rastreada, sem postos de controle nas rodovias e nas plantas fabris.
      • Os resultados são:
      • redução de sinistros: média anual de 1;
      • Redução da perda financeira em 96%.
      POLIBRASIL
    • Em 2002 surge a demanda de tratar informações on line – tempo real - para as áreas de Logística, vendas e clientes da Polibrasil. Com a implantação do rastreamento nos autocargas, o número de telefonemas era muito grande, pois todos queriam saber a posição da carga, tempo de parada, atraso eventual, nome do motorista, entre outras informações. POLIBRASIL
    • Desta forma surgiu o CAL – Centro de Apoio à Logística, software que une as informações de Gerenciamento de Risco com informações detalhadas e em tempo real, disponibilizadas pela internet aos vários departamentos e clientes da empresa. POLIBRASIL
    • Em iniciativa pioneira no mercado, a Polibrasil Resinas S.A disponibiliza aos seus clientes um serviço de informações de cargas denominado ROL-Rastreamento Online, permitindo o acesso via internet para o acompanhamento de todas as viagens no território nacional. Este projeto desenvolveu-se em conjunto com a Brasiliano & Associados, Gerenciadora de Riscos no Transporte Rodoviário de Cargas da Polibrasil.
    • O sistema permite que todo o processo de planos de viagem; cadastro de autocargas; motoristas e mensagens entre os envolvidos seja desenvolvido de forma digital, via internet, pelo CAL – Centro de Apoio á Logística. Com as informações recebidas através do rastreamento, automaticamente as bases de dados são alimentadas e as informações aparecem para consulta .
    • Origem do Carregamento Planejamento da Viagem Plano de Contingência Destino GPS ( Global Position System ) Estação de Terra Satélite Central de Atendimento 24 horas
    • O CAL INTEGRA OS SISTEMAS DISPONÍVEIS
    • Quais as Vantagens do Rastreamento para nossos Clientes
      • Maior Rapidez e Confiabilidade nas Informações;
      • Informações Disponíveis 24 horas;
      • Horário de embarque da sua carga;
      • Previsão de horário da entrega de seu material;
      • Dados do Motorista,Veículo e Transportadora.
      O cliente , seja ele interno ou externo, poderá acessar todas as posições do caminhão desde o início de sua viagem, e nos contatar em caso de dúvidas; solicitações e eventuais reclamações.                   
    • Quais as Vantagens do Rastreamento para a Polibrasil
      • Redução do Número de Ligações para Informações sobre Previsão de Entrega;
      • Informações Precisas e Bom Atendimento de Pós-Venda;
      • Criar base histórica para medir o nível de atendimento ao cliente;
      • Acompanhamento da Entrega;
      • Horário de Início de Viagem e Descarregamento;
      • Rota do Motorista e Suas Paradas;
      • Prevenção em caso de atrasos;
      • Sinistros, Colisões e Acidentes;
      • Contato com o Motorista para possíveis alterações em horários e datas de entregas;
                        
    • SEGURO COMO PROTEÇÃO
    • Gerenciamento de Riscos Prevenção e Controle de Perdas
    • RESULTADO = FATURAMENTO - CUSTOS SEGURANÇA : Conjunto de Medidas Técnicas e de Treinamento, com objetivo principal de prevenir Perdas/Danos . MINIMIZANDO AS PERDAS REDUZIREMOS OS CUSTOS E CONSEQUENTEMENTE MELHORAMOS OS RESULTADOS R$ RESULTADO R$ PERIGO = RISCO MEDIDAS DE SEGURANÇA
    • Plano de Gerenciamento de Riscos É um sistema preventivo e corretivo , que visa minimizar as perdas advindas de acidentes , desvio de carga, furto e roubo, através da utilização de ferramentas de segurança , controle e acompanhamento das operações de Logística.
    • Etapas de Implantação Análise qualitativa e quantitativa (APR) Elaboração do projeto Aprovação Implantação/Treinamento Manutenção
    • Gerenciamento de Riscos e Qualidade Motoristas Agregados Próprios Autónomos Ajudantes Funcionários Internos Segurança Interna Patrimonial Externa Rastreamento Escolta Satelital Celular Radio Credenciada Velada Logística Ferramentas Telemonitoramento Apoio Aéreo/Terrestre SOS Estrada Cadastro Roteirização
    • C = CONHECIMENTO (SABER) Qualidade H = HABILIDADE (SABER FAZER) A = ATITUDE ( QUERER FAZER )
    • É sempre dimensionada pelo cliente. Os fatores que a afetam são: O que é Qualidade Confiabilidade Conformidade Durabilidade Atendimento Estética A reputação e a opinião que o CLIENTE tem a respeito de um OBJETO, MARCA, PRODUTO, SERVIÇO OU EMPRESA.
    • SEGURO DE TRANSPORTES
    • O Seguro de Transporte
      • Segurados
      • Objetivos do Produto
      • Tipos e Modalidades
      • Coberturas
      • Tipos de Apólices
      • Limites de Responsabilidade
    • Segurados
      • Proprietário, Embarcador, Fabricante
      • Transportador
      • Operador Logístico
      • Operador Portuário
    • Tipos e Modalidades
      • Transporte Nacional
      • Rodoviário, Aquaviário e Aéreo
      • Transporte Internacional
      • Importação e Exportação
      • Responsabilidade Civil Transportador
      • RCOTM-C, RCTF-C, RCTR-C, RCF-DC, RCA-C, RCTA-C, RCTI-C e RCTR-VI
    • COBERTURAS Questionário Produto (Apólice) “ A” Aquáviário Resseguro Análise “ B” Aéreo Proposta “ C” Diagnóstico Coberturas Nacional e Internacional Tarifa Terrestre Presi 41/75 IRB - Analisa Circular 178 - Embarcadores Respons. Civil - Transportadores RCTR-C RCF-DC RCTR-VI Gerenciamento de Risco RCF-DC Argentina Uruguay Paraguay Chile Brasil
    • Tipos de Apólices
      • Apólices Avulsas
      • Apólices simplificadas
      • Apólices Abertas
      • Averbações Mensais ou Diárias
      • Comunicação eletrônica de dados (SIREDA)
    • Limite de Responsabilidade
      • Por Apólice
      • Por Evento
      • Acúmulo
    • Segurança Resultados Qualidade Análise do Risco VISANDO OBTER: Cuidados na Contratação do Seguro
    • Obrigado! Adm. João Batista Nascimento Fl. [email_address]