ExpedienteSecretaria de Estado da Saúde de São Paulo                  AgradecimentosCoordenadoria de Controle de Doenças  ...
BOLETIM        EPIDEMIOLÓGICO     C.R.T. – DST/AIDS. C.V.E.            Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo         ...
Índice Apresentação                                                                              03 1. AIDS               ...
Apresentação       Nesta edição do Boletim Epidemiológico da Coordenação do Programa Estadual de DST/Aids deSão Paulo são ...
4 • Boletim Epidemiológico | AIDS • DST
aids        A Base Integrada Paulista de Aids (BI-                           Relacionamento das basesPAIDS) é gerada atrav...
Tabela 1. Casos notificados de aids, óbitos por aids não notificados no SINAN, casos registrados no banco do Depar-tamento...
Na Tabela 2 verificou-se que o Grupo de     Perfil epidemiológico da aidsVigilância Epidemiológica de Araraquara (GVE     ...
Tabela 2. Casos notificados de aids, óbitos por aids não notificados no SINAN, casos registrados no banco do Departa-mento...
Tabela 3. Casos notificados de aids, Taxa de Incidência* (TI), segundo ano de diagnóstico, sexo e razão de sexo,estado de ...
Figura 2. Taxa de 2Incidência* dede aids por 100 mil habitantes-ano e razão de sexoe(%) por ano de diagnósƟco, Estado ano ...
crescente para o sexo masculino até 1996 quan-                                        rápido para os homens do que para as...
Tabela 5. Taxa de incidência de aids por 100.000 habitantes-ano*, segundo faixa etária (anos), sexo e ano de diagnóstico, ...
Raça/cor                                                                           respondeu a 59,4% dos casos, a preta 10...
Escolaridade                                             Na investigação de suspeita de trans-                            ...
Tabela 7. Casos notificados de aids em indivíduos com 19 anos de idade ou mais, segundo escolaridade, sexo e ano de diagnó...
Tabela 8. Casos notificados de aids em indivíduos com 13 anos de idade ou mais, segundo categoria de exposiçãoe ano de dia...
e 74 casos/ano, respectivamente, com signi-                                               heterossexuais reduziu-se em 18%...
Figura 5. Tendência dos casos de aids em adultos do sexo masculino segundo categoria de exposição, estado deSão Paulo, 200...
Em relação ao sexo feminino (n= 53.678                                          que na análise da tendência entre os heter...
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Boletim dst aids_esp2011
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Boletim dst aids_esp2011

2,538 views
2,428 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,538
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
55
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Boletim dst aids_esp2011

  1. 1. ExpedienteSecretaria de Estado da Saúde de São Paulo AgradecimentosCoordenadoria de Controle de Doenças Nossos agradecimentos ao Departamento NacionalCentro de Vigilância Epidemiológica “Alexandre Vranjac” de DST/Aids e Hepatites Virais pelo fornecimento doCentro de Referência e Treinamento em DST/Aids – CRT- relacionamento das bases de dados do SINAN-Aids,DST/AIDS-SP Sistema de Mortalidade (SIM), Sistema de Controle dePrograma Estadual de DST/Aids de São Paulo Exames Laboratoriais (SISCEL) e Sistema de Logística de Medicamentos antirretrovirais (SICLOM), em especial aoCoordenação do Programa Estadual de DST/Aids Departamento de Vigilância, Informação e Pesquisa: KarenMaria Clara Gianna – Coordenadora Bruck, Gerson Fernando Mendes Pereira e Silvano Oliveira.Rosa Alencar - Coordenadora Adjunta Revisão do Texto:Vigilância Epidemiológica do Programa Estadual Ângela Tayra, Artur Olhovetchi Kalichman, Carmen Silviade DST/Aids/CVE Bruniera Domingues, Carla Gianna Luppi, Luiza Harunari Matida, Maria Clara Gianna, Rosa Alencar.DiretoriaÂngela Tayra Equipe Técnica Ana Lúcia C. Monteiro, Ana Paula Volpato Kuga, CarmenOrganização dessa Edição Silvia Bruniera Domingues, Carla Gianna Luppi, Celsis deCarmen Silvia Bruniera Domingues Jesus Pereira, Emily Anna Catapano Ruiz, Ione AquemiMariza Vono Tancredi Guibu, Márcia Cristina Polon do Carmo, Maria Aparecida da Silva, Maria Lúcia Rocha de Mello, Marina Maeda T.Elaboração dos Santos, Mariza Vono Tancredi, Solange E. C. Gomes eVigilância Epidemiológica do Programa Estadual Wong Kuen Alencar.de DST/Aids - SP:Ângela Tayra, Carmen Silvia Bruniera Domingues, Equipe de ApoioMárcia Cristina Polon do Carmo, Maria Aparecida da Eunice Francisco da Silva, Magda C. B. de Queiroz eSilva, Maria Lúcia Rocha de Mello, Mariza Vono Tancredi, Roberto Barbosa dos Santos.Solange E. C. Gomes. CapaColaboração Criação de Alex Cardoso, inspiradoCoordenação da Transmissão Vertical do HIV e Gerência em obra de Romero Brito.de Prevenção do Programa Estadual de DST/Aids - SP:Luiza Harunari Matida, Naila Janilde Seabra Santos e Editoração, CTP, Impressão e AcabamentoMárcia Giovanetti Imprensa Oficial do Estado de São PauloFundação Seade Cópias do boletim estão disponíveis no setor de VigilânciaBernadette Cunha Waldvogel, Lilian Cristina Correia Epidemiológica do Centro de Referência e TreinamentoMoraes, Margarete Silva Jordani, Mônica La Porte Teixeira em DST/Aids e no site www.crt.saude.sp.gov.bre Valmir José Aranha. ISSN 1984-641xCentro de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo -ETH/SERSA/CVS Rua Santa Cruz, 81Regina Lúcia Cardoso Botega 04121-000 – São Paulo – SP Fone/Fax: (11) 5539-3445 ou 5087-9864/9865Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatites Virais E-mail: epidemio@crt.saude.sp.gov.brSilvano Oliveira Disque AIDS: 0800-162550 Tiragem : 4.000 exemplares
  2. 2. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO C.R.T. – DST/AIDS. C.V.E. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Coordenadoria de Controle de DoençasCentro de Referência e Treinamento em DST/Aids – CRT-DST/AIDS-SP Programa Estadual de DST/Aids de São Paulo ANO XXVIII – Nº 1 DEZEMBRO 2011
  3. 3. Índice Apresentação 03 1. AIDS 05 2. AIDS em indivíduos menores de 13 anos de idade 39 3. Gestante infectada pelo HIV no estado de São Paulo 67 4. Vigilância Epidemiológica da Criança Exposta ao Risco de Transmissão Vertical do HIV 77 5. Sífilis na Gestação 85 6. Sífilis Congênita no estado de São Paulo 97Editoração, CTP, Impressão e Acabamento: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo
  4. 4. Apresentação Nesta edição do Boletim Epidemiológico da Coordenação do Programa Estadual de DST/Aids deSão Paulo são apresentados os dados de casos de aids, da Base Integrada Paulista de Aids (BIPAIDS),produto da vinculação dos casos de aids notificados no SINAN e dos óbitos do Sistema de Mortalidadeda Fundação Seade, complementada pelo relacionamento com a base de dados do Departamento deDST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, pelo segundo ano consecutivo. Apresentamos de forma inédita uma análise detalhada em capítulo específico dos casos de aidsem crianças menores de treze anos de idade. A redução da aids em crianças encontra-se intrinseca-mente relacionada com as medidas preconizadas para a prevenção e assistência de crianças expostasa transmissão vertical do HIV e de gestantes soropositivas, pois cerca de 90% dos casos dizem respei-to à esta categoria de transmissão. Neste sentido, em 2010, a Coordenação Estadual de DST/Aids deSão Paulo propôs o “Protocolo para investigação dos casos HIV/aids por transmissão vertical” com afinalidade de investigar todos os casos de criança soropositiva para o HIV ou aids. Ressalta-se que aocorrência de aids entre crianças é um evento sentinela da qualidade da atenção materno-infantil oude contextos de vulnerabilidades às DST/aids que exigem medidas de intervenção de acordo com arealidade e necessidade local. O contexto epidemiológico da transmissão vertical da sífilis e HIV – gestante HIV positivo, criançaexposta ao risco de transmissão vertical do HIV, sífilis na gestação e sífilis congênita traz subsídios paramelhor planejamento e avaliação das ações implementadas rumo à meta de eliminação da transmis-são vertical destes agravos no estado de São Paulo, até 2015. Dra. Maria Clara Gianna - Dra. Rosa de Alencar Souza Coordenação do Programa Estadual DST/AIDS-SP
  5. 5. 4 • Boletim Epidemiológico | AIDS • DST
  6. 6. aids A Base Integrada Paulista de Aids (BI- Relacionamento das basesPAIDS) é gerada através do relacionamento de de dados de aidsbanco de dados do SINAN-Aids com os dados demortalidade da Fundação Seade e vem sendoatualizada anualmente. Esse processo está sen- Dos 212.551 casos de aids registrados nodo replicado desde 2004 e atualmente faz parte estado de São Paulo, 9.928 (5,1%) foram óbitosda rotina de trabalho das equipes das duas ins- ainda não notificados no SINAN e 17.132 (8,1%)tituições, integrando e racionalizando o uso dos registrados no SISCEL e SICLOM, totalizandosistemas já existentes. 27.060 casos (12,7%) subnotificados (Tabela 1 e A parceria com a área de Vigilância e Infor- Figura 1).mação do Departamento de DST, Aids e Hepati- A subnotificação medida pelos óbitostes Virais do Ministério da Saúde propiciou pelo por aids não notificados como caso no SINANsegundo ano consecutivo a recuperação de casos oscilam aproximadamente de 2 a 12% entrede aids registrados no Sistema de Informação de 2000 e 2009. A proporção de casos originadosExames Laboratoriais (SISCEL) e do Sistema de da base de dados do Departamento NacionalControle Logístico de Medicamentos (SICLOM). de DST, Aids e Hepatites Virais (DN) variou de No período de 1980 até junho de 2011 fo- 1,1% em 2000 a 26,2% em 2010. Ressalta-seram registrados no Estado de São Paulo 212.551 que todos estes casos identificados pela téc-casos de aids. Deste total, 185.491 casos foram nica de vinculação anual são enviados paranotificados no Sistema Nacional de Agravos de as equipes de vigilância epidemiológica regio-Notificação (SINAN), 9.928 conhecidos a partir nais/municipais, para procedimentos de inves-do Sistema de Mortalidade da Fundação Seade tigação e notificação.e 17.132 através do SISCEL e SICLOM.Figura 1. Total de casos de aids notificados no SINAN, BIPAIDS, BIPAIDS+DN - DST/Aids - MS, estado de São Paulo,1980 a 2011* Figura 1 - Total de casos de aids noƟficados no SINAN, BIPAIDS,BIPAIDS+DN-DST/Aids-MS, Estado de São Paulo, 1980 a 2011* SINAN BIPAIDS (SINAN+SEADE) BIPAIDS+DN** 14.000 12.000 10.000Nº de casos 8.000 6.000 4.000 2.000 0 20 * * * 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 20 09 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08 ** * 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 20 20 19 19 19 20 20 20 20 20 20 20 20 10 11 Ano de diagnósƟcoFonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIPAIDS) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação Seade, MS/SVS/Departamento Nacional deDST, Aids e Hepatites ViraisNotas:* Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (Seade), sujeitos a revisão mensal** DN - Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatite Virais - Casos de aids segundo Critério CDC Adaptado – Contagem de linfócitos T CD4+menor do que 350 células/mm³*** Não foi realizado relacionamento entre a base de óbitos e o SINAN
  7. 7. Tabela 1. Casos notificados de aids, óbitos por aids não notificados no SINAN, casos registrados no banco do Depar-tamento Nacional de DST/Aids (DN), proporção de subnotificação de casos de aids em relação ao óbito e banco doDN por ano diagnóstico, estado de São Paulo, 1980 a 2011* Óbitos BIPAIDS Departamento Proporção de Subnotificação Ano de BIPAIDS SINAN sem SINAN (SINAN Nacional Diagnóstico +DN** Em relação Em relação Total (Seade) +Seade) DST/Aids (DN)** ao óbito ao DN** 1980 1 - 1 - 1 - - - 1981 - - - - - - - - 1982 8 - 8 - 8 - - - 1983 26 - 26 - 26 - - - 1984 86 - 86 - 86 - - - 1985 340 10 350 - 350 2,9 - 2,9 1986 612 16 628 - 628 2,5 - 2,5 1987 1.530 48 1.578 - 1.578 3,0 - 3,0 1988 2.538 99 2.637 - 2.637 3,8 - 3,8 1989 3.440 111 3.551 - 3.551 3,1 - 3,1 1990 5.055 303 5.358 - 5.358 5,7 - 5,7 1991 6.666 453 7.119 - 7.119 6,4 - 6,4 1992 8.159 502 8.661 - 8.661 5,8 - 5,8 1993 8.739 644 9.383 - 9.383 6,9 - 6,9 1994 9.113 641 9.754 - 9.754 6,6 - 6,6 1995 10.128 318 10.446 - 10.446 3,0 - 3,0 1996 10.996 281 11.277 - 11.277 2,5 - 2,5 1997 11.216 622 11.838 - 11.838 5,3 - 5,3 1998 12.235 178 12.413 - 12.413 1,4 - 1,4 1999 10.612 403 11.015 - 11.015 3,7 - 3,7 2000 10.391 198 10.589 - 10.589 1,9 - 1,9 2001 9.747 364 10.111 115 10.226 3,6 1,1 4,7 2002 9.480 484 9.964 961 10.925 4,9 8,8 13,2 2003 8.931 485 9.416 1.123 10.539 5,2 10,7 15,3 2004 7.552 506 8.058 1.515 9.573 6,3 15,8 21,1 2005 7.128 490 7.618 2.016 9.634 6,4 20,9 26,0 2006 6.726 476 7.202 1.997 9.199 6,6 21,7 26,9 2007 6.029 592 6.621 2.135 8.756 8,9 24,4 31,1 2008 6.019 938 6.957 2.154 9.111 13,5 23,6 33,9 2009 5.558 766 6.324 2.430 8.754 12,1 27,8 36,5 2010*** 4.935 - 4.935 1.754 6.689 - 26,2 26,2 2011*** 1.495 - 1.495 932 2.427 - 38,4 38,4 Total 185.491 9.928 195.419 17.132 212.551 5,1 8,1 12,7Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIPAIDS) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação Seade, MS/SVS/Departamento Nacional de DST,Aids e Hepatites ViraisNotas:* Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (Seade), sujeitos a revisão mensal**DN - Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatite Virais - Casos de aids segundo Critério CDC Adaptado – Contagem de linfócitos T CD4+menor do que 350 células/mm³*** Não foi realizado relacionamento entre a base de óbitos e o SINAN6 • Boletim Epidemiológico | AIDS • DST
  8. 8. Na Tabela 2 verificou-se que o Grupo de Perfil epidemiológico da aidsVigilância Epidemiológica de Araraquara (GVE no estado de São Paulo12), apresentou a menor proporção de subno-tificação (7,5%, sendo 2,9% em relação ao siste- No estado de São Paulo, no período dema de mortalidade e 4,7% em relação ao banco 1980 a 30 de junho de 2011, foram registradosdo DN (SISCEL e SICLOM), ou seja, 92% dos ca- 212.551 casos na BIPAIDS (SINAN até 30/06/2011sos de aids estavam notificados ao Sistema de e Seade até 31/12/2009) e no banco de dados doVigilância Epidemiológica, seguido do GVE da DN, sendo 145.340 (68,4%) em homens e 67.193Capital, Araçatuba e Ribeirão Preto com cerca (31,6%) em mulheres (Tabela 3).de 90% de cobertura de notificação. Na análise da série temporal, observou-se As regionais de Franco da Rocha, Assis tendência crescente dos casos até 1998 (Tabela 3e Mogi das Cruzes são as que apresentam as e Figura 2), quando a taxa de incidência (TI) atin-maiores taxas de subnotificação 25%, 23% e giu 34,8 casos por 100.000 habitantes-ano. En-23%, respectivamente. tretanto, apesar do maior número de casos tanto Os resultados apresentados apontam em homens, quanto em mulheres ter ocorridopara a necessidade de aprimoramento das equi- neste ano, a TI masculina apresentou seu picopes de vigilância epidemiológica na busca ativa dois anos antes (46,9 casos em 1996). O pico dade casos em outras fontes de informação, como TI em mulheres foi atingido em 1998 e, a partiro Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), deste ano, o número de casos e taxas reduziram-SISCEL, SICLOM, Sistema de Informações Hospi- -se paulatinamente, em ambos os sexos.talares do SUS (SIH-SUS), SINAN de tuberculose A razão entre os casos do sexo masculi-e hepatites, dentre outros. No Anexo 1 apresen- no e feminino foi de 34/1 em 1985 e apresen-tamos uma sugestão de roteiro para busca ativa tou tendência de queda até 1996 quando foide casos de aids nos serviços de saúde. de 2/1 e vem se mantendo estável até 2011. O presente boletim apresenta tabelas Entretanto, é importante observar que, se tra-elaboradas através do BIPAIDS e outras que são balharmos com a razão masculino/feminino empossíveis apenas com dados do SINAN, como a números absolutos verifica-se que ela mantevecategoria de exposição. As tabelas de mortalida- sua tendência decrescente até 2005, quando foide têm como fonte de dados a Fundação Seade. de 1,69 e, a partir deste ano, apresentou leve Observa-se que em virtude do atraso do acréscimo, atingindo 1,81 em 2009.fluxo da notificação de aids e também porquea doença é crônica, o que permite a notificaçãodo caso, anos após o diagnóstico, o último me-lhor ano para se ter como referência de análiseé o ano de 2009. ...necessidade de aprimoramento das equipes de vigilância epidemiológica na busca ativa de casos em outras fontes de informação, como o Sistema de Mortalidade (SIM), SISCEL, SICLOM, Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH-SUS), SINAN de tuberculose e hepatites... Boletim Epidemiológico | AIDS • DST • 7
  9. 9. Tabela 2. Casos notificados de aids, óbitos por aids não notificados no SINAN, casos registrados no banco do Departa-mento Nacional de DST/Aids (DN), proporção de subnotificação de casos de aids em relação ao óbito e banco do DN porGVE, estado de São Paulo, 1980 a 2011* Departamento Proporção de Subnotificação BIPAIDS Óbitos sem Nacional BIPAIDS GVE de residência SINAN (SINAN+ SINAN (Seade) DST/Aids +DN** Em relação Em relação Seade) Total (DN)** ao óbito ao DN** GVE 1 Capital 77.007 1.503 78.510 5.411 83.921 1,9 6,4 8,2 GVE 10 Osasco 7.929 813 8.742 1.052 9.794 9,3 10,7 19,0 GVE 11 Araçatuba 2.497 107 2.604 172 2.776 4,1 6,2 10,1 GVE 12 Araraquara 3.759 113 3.872 193 4.065 2,9 4,7 7,5 GVE 13 Assis 1.015 138 1.153 165 1.318 12,0 12,5 23,0 GVE 14 Barretos 2.190 128 2.318 162 2.480 5,5 6,5 11,7 GVE 15 Bauru 3.511 244 3.755 466 4.221 6,5 11,0 16,8 GVE 16 Botucatu 1.151 44 1.195 153 1.348 3,7 11,4 14,6 GVE 17 Campinas 13.178 835 14.013 1.276 15.289 6,0 8,3 13,8 GVE 18 Franca 1.666 158 1.824 187 2.011 8,7 9,3 17,2 GVE 19 Marília 1.603 96 1.699 216 1.915 5,7 11,3 16,3 GVE 20 Piracicaba 4.770 474 5.244 655 5.899 9,0 11,1 19,1 GVE 21 Presidente Prudente 1.482 76 1.558 118 1.676 4,9 7,0 11,6 GVE 22 Presidente Venceslau 501 28 529 73 602 5,3 12,1 16,8 GVE 23 Registro 611 40 651 56 707 6,1 7,9 13,6 GVE 24 Ribeirão Preto 7.648 393 8.041 490 8.531 4,9 5,7 10,4 GVE 25 Santos 12.357 896 13.253 946 14.199 6,8 6,7 13,0 GVE 26 São João da Boa Vista 1.920 74 1.994 212 2.206 3,7 9,6 13,0 GVE 27 São José dos Campos 4.838 275 5.113 362 5.475 5,4 6,6 11,6 GVE 28 Caraguatatuba 1.169 128 1.297 121 1.418 9,9 8,5 17,6 GVE 29 São José do Rio Preto 6.640 294 6.934 567 7.501 4,2 7,6 11,5 GVE 30 Jales 428 25 453 76 529 5,5 14,4 19,1 GVE 31 Sorocaba 5.638 605 6.243 859 7.102 9,7 12,1 20,6 GVE 32 Itapeva 347 25 372 55 427 6,7 12,9 18,7 GVE 33 Taubaté 3.979 436 4.415 588 5.003 9,9 11,8 20,5 GVE 7 Santo André 9.717 838 10.555 1.122 11.677 7,9 9,6 16,8 GVE 8 Mogi das Cruzes 6.573 766 7.339 1.180 8.519 10,4 13,9 22,8 GVE 9 Franco da Rocha 1.336 261 1.597 195 1.792 16,3 10,9 25,4 GVE ignorada 31 115 146 4 150 78,8 2,7 79,3 Total 185.491 9.928 195.419 17.132 212.551 5,1 8,1 12,7Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIPAIDS) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação Seade, MS/SVS/Departamento Nacional de DST, Aidse Hepatites ViraisNotas:* Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (Seade), sujeitos a revisão mensal**DN - Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatite Virais - Casos de aids segundo Critério CDC Adaptado – Contagem de linfócitos T CD4+ menordo que 350 células/mm³8 • Boletim Epidemiológico | AIDS • DST
  10. 10. Tabela 3. Casos notificados de aids, Taxa de Incidência* (TI), segundo ano de diagnóstico, sexo e razão de sexo,estado de São Paulo, 1980 - 2011 ** Sexo Total Razão de Sexo Ano de Diagnóstico Masculino Feminino Ign*** N TI N TI N N TI M/F 1980 1 0,0 - - - 1 0,0 - - 1981 - - - - - - - - - 1982 8 0,1 - - - 8 0,0 - - 1983 25 0,2 1 0,0 - 26 0,1 25/1 25,00 1984 81 0,6 5 0,0 - 86 0,3 16/1 16,20 1985 340 2,5 10 0,1 - 350 1,3 34/1 34,00 1986 594 4,2 34 0,2 - 628 2,2 17/1 17,47 1987 1.414 9,9 164 1,1 - 1.578 5,5 9/1 8,62 1988 2.254 15,4 383 2,6 - 2.637 8,9 6/1 5,89 1989 3.012 20,2 539 3,5 - 3.551 11,8 6/1 5,59 1990 4.482 29,4 876 5,6 - 5.358 17,4 5/1 5,12 1991 5.812 37,4 1.306 8,2 1 7.119 22,6 4/1 4,45 1992 6.861 43,4 1.799 11,1 1 8.661 27,0 4/1 3,81 1993 7.265 45,1 2.117 12,8 1 9.383 28,8 3/1 3,43 1994 7.438 45,4 2.313 13,7 3 9.754 29,3 3/1 3,22 1995 7.670 46,0 2.774 16,1 2 10.446 30,9 3/1 2,76 1996 7.947 46,9 3.330 19,0 - 11.277 32,7 2/1 2,39 1997 7.927 46,0 3.909 21,9 2 11.838 33,8 2/1 2,03 1998 8.112 46,3 4.300 23,7 1 12.413 34,8 2/1 1,89 1999 7.188 40,3 3.825 20,6 2 11.015 30,3 2/1 1,88 2000 6.827 37,7 3.761 19,9 1 10.589 28,6 2/1 1,82 2001 6.414 35,0 3.809 19,9 3 10.226 27,3 2/1 1,68 2002 6.773 36,5 4.151 21,4 1 10.925 28,8 2/1 1,63 2003 6.504 34,7 4.035 20,6 - 10.539 27,5 2/1 1,61 2004 5.853 30,9 3.720 18,8 - 9.573 24,7 2/1 1,57 2005 5.833 30,5 3.801 19,0 - 9.634 24,6 2/1 1,53 2006 5.695 29,4 3.504 17,3 - 9.199 23,2 2/1 1,63 2007 5.560 28,5 3.196 15,6 - 8.756 21,9 2/1 1,74 2008 5.688 28,9 3.423 16,5 - 9.111 22,5 2/1 1,66 2009 5.634 28,3 3.120 14,9 - 8.754 21,4 2/1 1,81 2010 4.494 22,4 2.195 10,4 - 6.689 16,2 2/1 2,05 2011 1.634 793 2.427 2/1 2,06 Total 145.340 - 67.193 - 18 212.551 - 2/1 2,16Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIPAIDS) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação Seade, MS/SVS/Departamento Nacional deDST, Aids e Hepatites ViraisNotas:* Taxa de Incidência por 100.000 habitantes-ano. Utilizada projeção populacional da Fundação Seade ** Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (Seade), sujeitos a revisão mensal *** Casos com sexo ignorado na declaraçäo de óbito Boletim Epidemiológico | AIDS • DST • 9
  11. 11. Figura 2. Taxa de 2Incidência* dede aids por 100 mil habitantes-ano e razão de sexoe(%) por ano de diagnósƟco, Estado ano de diag- Figura - Taxa de Incidência aids por 100 mil habitantes-ano razão de sexo (%) pornóstico, estado São Paulo, 1980 a 2010** São Paulo, 1980 a 2010* Masculino Feminino Total Razão de Sexo 50 40 45 35 40 30 TI (por 100mil hab-ano) 35 razão M/F (%) 30 25 25 20 20 15 15 10 10 5 5 0 0 1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 Ano de DiagnósƟcoFonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIPAIDS) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação Seade, MS/SVS/Departamento Nacional deDST, Aids e Hepatites ViraisNotas:* Utilizada projeção populacional da Fundação Seade** Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (Seade), sujeitos a revisão mensalIdade e sexo Em número absoluto de casos, toman- Podem ser observados dois fatos interes-do-se as décadas de 80 e 90 inteiras, a faixa santes, relacionados à questão do envelhecimen-etária predominante foi a de 30 a 39 anos de to da epidemia. O primeiro é que, embora seidade. Focalizando a medida de risco de aids, mantendo em segunda posição de 2003 a 2009,a partir de 1991, verifica-se que no período a faixa etária de 40-49 anos vem se aproximandode 1991 a 1995 a maior taxa de incidência (TI) da faixa de 30-39 anos, de tal sorte que em 2003concentrou-se na faixa etária de 25 a 29 anos, estas taxas foram, respectivamente, 50,4 e 68,7quando foi superada, em 1996, pela faixa de e em 2009 elas passaram a 40,9 e 44,5 casos por30 a 39 anos (TI= 84,9 casos por 100.000 ha- 100 mil habitantes-ano. A segunda questão a ob-bitantes-ano), que permaneceu como a predo- servar é que na comparação das faixas etárias deminante até 2009 (TI= 44,5 casos por 100.000 20-24 anos e de 50-59 anos, as taxas de incidên-habitantes-ano). De 1996 até 2002, a faixa de cia da primeira faixa etária foram maiores do que25 a 29 anos ocupou a segunda posição da taxa as da segunda até 2001, tendo sido ultrapassa-de incidência, tendo sido superada em 2003 das em 2002, e a partir de então as taxas de inci-pelo grupo etário de 40 a 49 anos (TI = 50,4 dência de 50-59 anos tem sido cada vez maiores,casos por 100.000 habitantes-ano) que passou com relação às TI de 20-24 anos (Tabelas 4 e 5).a ocupar a segunda posição de incidência le- Na Tabela 5 verifica-se que no total a taxavando a faixa de 25 a 29 anos para a terceira de incidência de aids no sexo masculino perma-posição, permanecendo as faixas nesta ordem nece mais elevada em relação ao feminino ematé 2009 (Tabelas 4 e 5) . todo o período. A taxa de incidência de aids foi10 • Boletim Epidemiológico | AIDS • DST
  12. 12. crescente para o sexo masculino até 1996 quan- rápido para os homens do que para as mulheresdo atingiu 46,9 por 100.000 habitantes-ano e nas faixas etárias mais velhas, para os homens nareduziu para 28,3 em 2009. Entretanto, no sexo faixa de 30-39 anos passa a ter a maior incidên-feminino o pico da taxa de incidência foi atingido cia em 1996, para as mulheres isto só ocorre emem 1998 com 23,7 casos por 100.000 habitantes- 2001. A incidência de 40-49 anos passa a ser a se--ano e reduziu-se durante o período para 14,9 gunda taxa em 2001 para os homens e, em 2004,em 2009. para as mulheres. Em todo o período as taxas de A taxa de incidência na faixa etária de 15 a incidência na faixa de 70 anos e mais são maiores19 anos foi maior entre os homens até 1996, des- para os homens (Tabelas 4 e 5).de então, tem sido maior entre as mulheres, comexceção dos anos de 2004. Na faixa etária de 20 a24 anos ocorreu predomínio da TI em homens nagrande maioria dos anos. Na faixa etária de 70 anos e mais, compa- ...o aumento da TI ocorre maisrando-se os anos de 2000 e 2008, observou-se um rápido para os homens do que paraaumento de 97% e 49% na taxa de incidência para as mulheres nas faixas etárias maishomens e mulheres, respectivamente. Estudos es- velhas, para os homens na faixapecíficos para esta faixa são de extrema relevân- de 30-39 anos passa a ter a maiorcia, para o conhecimento do momento da infecção incidência em 1996, para as mulherespelo HIV e dos fatores associados à evolução para isto só ocorre em 2001.aids. Observa-se que o aumento da TI ocorre maisTabela 4. Casos notificados de aids, segundo faixa etária (anos) e ano de diagnóstico, estado de São Paulo,1980 a 2011* Ano de Diagnóstico Faixa Etária (anos) Total 80 a 89 90 a 99 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 0-4 243 2.896 310 279 239 179 129 116 76 59 73 69 51 20 4.739 5-9 33 453 85 96 115 117 93 60 52 34 26 13 20 9 1.206 10 - 12 28 121 13 24 19 20 30 27 22 22 18 21 14 6 385 13 - 14 33 125 10 15 14 11 17 14 16 14 32 9 13 2 325 15 - 19 435 1.988 143 130 146 141 110 114 119 130 158 137 82 31 3.864 20 - 24 1.283 10.510 801 739 730 665 564 574 516 515 557 582 529 159 18.724 25 - 29 1.820 21.198 1.853 1661 1661 1471 1344 1272 1242 1182 1220 1246 961 302 38.433 30 - 39 3.172 38.276 4.356 4145 4523 4255 3715 3671 3423 3131 3138 2968 2135 842 81.750 40 - 49 1.263 15.404 2.079 2177 2394 2526 2421 2561 2502 2378 2492 2301 1761 648 42.907 50 - 59 383 4.484 695 704 804 856 865 972 912 965 1051 1014 848 305 14.858 60 - 69 124 1.396 211 203 216 238 222 201 265 257 268 321 228 82 4.232 70 anos e mais 21 278 30 49 54 54 59 46 50 69 73 66 47 21 917 ignorada 27 135 3 4 10 6 4 6 4 - 5 7 - - 211 Total 8.865 97.264 10.589 10.226 10.925 10.539 9.573 9.634 9.199 8.756 9.111 8.754 6.689 2.427 212.551Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIPAIDS) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação Seade, MS/SVS/Departamento Nacional deDST, Aids e Hepatites Virais Nota: * Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (Seade), sujeitos a revisão mensal Boletim Epidemiológico | AIDS • DST • 11
  13. 13. Tabela 5. Taxa de incidência de aids por 100.000 habitantes-ano*, segundo faixa etária (anos), sexo e ano de diagnóstico, estadode São Paulo, 1991 a 2010** Faixa Ano de Diagnóstico Etária (anos) 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010Masculino 0-4 6,3 7,7 8,4 9,5 10,1 10,8 12,9 9,2 8,8 9,4 7,8 6,9 5,3 4,1 3,7 2,7 1,9 2,4 2,5 1,6 5-9 0,7 0,9 1,0 1,0 1,3 1,8 2,0 1,9 2,3 2,7 2,8 3,1 3,8 2,7 1,5 1,8 1,1 0,7 0,3 0,510 - 12 0,3 0,6 0,7 0,5 0,6 0,8 1,2 0,5 0,5 0,5 1,6 0,9 0,9 1,1 1,5 0,9 1,3 0,8 1,0 0,713 - 14 2,4 1,6 1,7 0,5 1,2 1,9 1,0 1,0 1,3 0,7 1,1 0,7 0,7 1,3 0,7 0,6 0,9 2,5 0,4 0,7 15 - 19 16,8 11,7 10,5 7,4 6,6 5,4 3,9 4,8 3,8 3,2 2,8 3,5 3,3 3,1 2,7 3,0 3,1 4,4 3,8 2,3 20 - 24 58,8 59,3 59,9 49,2 43,3 32,9 33,2 30,8 25,7 23,6 19,3 20,6 19,2 15,8 16,8 17,0 16,9 18,5 20,3 19,6 25 - 29 88,8 111,8 118,8 115,0 119,6 113,1 103,4 96,5 81,6 69,7 60,0 56,2 49,0 44,3 40,9 42,2 41,6 41,5 45,5 36,9 30 - 39 85,8 103,1 108,6 118,3 116,7 129,0 128,7 129,9 112,0 103,9 94,5 98,9 89,8 77,5 74,1 68,3 64,3 61,7 59,9 43,8 40 - 49 49,4 60,1 59,8 61,8 66,8 71,3 69,0 74,2 64,8 63,0 63,3 66,5 69,4 62,8 65,0 62,2 59,7 60,5 55,9 44,5 50 - 59 24,1 24,8 27,2 26,3 27,8 28,2 29,5 33,7 31,5 32,7 30,3 35,1 33,7 32,1 33,7 31,8 31,6 33,3 30,4 25,5 60 - 69 11,8 12,0 11,5 13,1 16,1 13,1 13,7 15,9 15,8 15,1 14,8 15,3 14,9 13,6 11,4 14,8 13,6 14,1 16,5 11,2 70 anos 3,1 4,9 4,2 4,4 5,9 3,9 3,9 5,2 5,3 3,1 5,9 5,0 5,9 5,1 4,1 4,4 5,8 6,0 4,3 3,8 e mais Subtotal 37,4 43,4 45,1 45,4 46,0 46,9 46,0 46,3 40,3 37,7 35,0 36,5 34,7 30,9 30,5 29,4 28,5 28,9 28,3 22,4 Feminino 0-4 6,8 7,6 8,3 9,5 11,6 12,3 13,7 10,4 10,2 10,0 10,0 8,6 6,5 4,6 4,2 2,6 2,3 2,9 2,6 2,2 5-9 0,7 1,0 1,2 0,8 1,2 1,8 2,5 2,0 2,3 2,7 3,3 4,3 3,8 3,4 2,5 1,7 1,2 1,1 0,6 0,9 10 - 12 0,1 0,2 0,2 0,4 0,7 0,5 0,8 1,4 0,6 0,8 0,8 1,0 1,1 1,9 1,2 1,3 0,9 1,0 1,1 0,7 13 - 14 0,6 0,5 0,3 0,6 0,5 0,5 0,4 0,7 1,0 0,7 1,0 1,3 0,9 1,2 1,3 1,8 1,2 2,2 0,9 1,2 15 - 19 3,4 4,8 4,3 4,4 4,4 4,7 4,8 5,5 4,4 4,7 4,4 4,7 4,6 3,1 3,9 3,9 4,5 4,9 4,4 2,720 - 24 17,9 22,5 24,3 20,3 21,6 26,8 26,6 27,7 23,9 21,8 22,3 20,3 17,9 15,5 15,0 11,5 11,5 12,1 11,7 9,425 - 29 19,4 27,7 32,8 35,2 40,9 46,7 54,7 60,1 48,7 46,3 41,9 43,7 37,9 33,7 31,6 27,5 23,8 25,0 21,4 14,130 - 39 14,6 20,8 24,9 28,8 33,7 43,4 49,1 55,5 48,7 44,7 44,4 50,3 48,5 41,6 42,0 38,6 32,5 34,2 29,8 20,140 - 49 8,8 11,4 13,5 15,7 19,1 23,1 26,9 28,7 26,2 26,8 28,5 32,2 32,6 32,9 34,1 32,8 29,0 30,7 27,0 18,050 - 59 3,9 5,7 7,5 7,3 10,6 12,5 13,4 15,4 13,4 15,0 15,9 15,7 18,0 18,0 20,4 17,1 18,1 18,8 18,0 13,6 60 - 69 1,9 2,7 2,7 4,1 5,5 4,7 6,3 6,7 6,4 7,9 6,7 6,7 8,4 7,4 6,9 8,6 8,3 8,1 9,2 6,5 70 anos 0,6 0,4 0,7 1,1 2,1 0,9 1,7 1,3 1,2 1,4 1,5 2,4 1,6 2,4 1,6 1,6 2,1 2,1 2,5 1,1 e mais Subtotal 8,2 11,1 12,8 13,7 16,1 19,4 21,9 23,7 20,6 19,9 19,9 21,4 20,6 18,8 19,0 17,3 15,6 16,5 14,9 10,4 Ambos os sexos 0-4 6,6 7,6 8,4 9,5 10,8 11,6 13,3 9,8 9,5 9,7 8,9 7,7 5,9 4,3 3,9 2,6 2,1 2,6 2,5 1,9 5-9 0,7 1,0 1,1 0,9 1,3 1,8 2,3 2,0 2,3 2,7 3,1 3,7 3,8 3,0 2,0 1,7 1,1 0,9 0,4 0,7 10 - 12 0,2 0,4 0,5 0,5 0,7 0,7 1,0 1,0 0,6 0,7 1,2 1,0 1,0 1,5 1,3 1,1 1,1 0,9 1,1 0,7 13 - 14 1,5 1,0 1,0 0,5 0,8 1,2 0,7 0,9 1,2 0,7 1,1 1,0 0,8 1,2 1,0 1,2 1,0 2,3 0,7 1,0 15 - 19 10,0 8,2 7,4 5,9 5,5 5,0 4,3 5,2 4,1 3,9 3,6 4,1 4,0 3,1 3,3 3,4 3,8 4,7 4,1 2,5 20 - 24 38,4 40,9 42,2 34,8 32,5 29,6 29,9 29,3 24,8 22,7 20,8 20,4 18,5 15,7 15,9 14,3 14,2 15,3 16,0 14,6 25 - 29 53,7 69,2 75,2 74,7 79,8 79,3 78,8 78,1 65,0 57,9 50,8 49,9 43,4 38,9 36,2 34,8 32,6 33,2 33,4 25,4 30 - 39 49,6 61,2 66,0 72,7 74,3 84,9 88,1 91,9 79,6 73,6 68,9 74,0 68,7 59,1 57,7 53,1 48,0 47,6 44,5 31,7 40 - 49 28,9 35,4 36,3 38,3 42,4 46,2 47,4 50,8 44,9 44,3 45,3 48,8 50,4 47,3 49,0 47,0 43,8 45,1 40,9 30,7 50 - 59 13,6 14,9 17,0 16,4 18,8 19,8 21,1 24,2 22,1 23,5 22,8 25,0 25,5 24,7 26,7 24,1 24,5 25,7 23,8 19,2 60 - 69 6,5 7,0 6,8 8,3 10,4 8,5 9,7 10,9 10,7 11,2 10,4 10,7 11,4 10,2 9,0 11,4 10,7 10,8 12,5 8,670 anos 1,6 2,3 2,2 2,6 3,7 2,1 2,6 2,9 2,9 2,1 3,3 3,5 3,3 3,5 2,6 2,7 3,6 3,7 3,2 2,2e maisTotal 22,6 27,0 28,8 29,3 30,9 32,7 33,8 34,8 30,3 28,6 27,3 28,8 27,5 24,7 24,6 23,2 21,9 22,5 21,4 16,2Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIPAIDS) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação Seade, MS/SVS/Departamento Nacional de DST, Aids e Hepatites ViraisNotas:*Utilizada projeção populacional da Fundação Seade** Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (Seade), sujeitos a revisão mensal 12 • Boletim Epidemiológico | AIDS • DST
  14. 14. Raça/cor respondeu a 59,4% dos casos, a preta 10,4%, a parda 23,5%, a amarela 0,6% e a vermelha 0,1%. Em 2000 a variável raça/cor foi inserida A proporção de casos de aids de raça/corna ficha de notificação epidemiológica de aids preta junto a parda, apresentou aumento, es-(FIE). A melhora na qualidade de preenchimen- pecialmente, entre as mulheres de cor de peleto das FIE ocorreu a partir de 2004 e, em 2010, preta/parda, de 33,1% em 2004 para 43,3% emapenas 4,7% das notificações não apresentaram 2011. Entre os homens pretos/pardos este au-esta informação (Tabela 6). Dos 45.442 casos no- mento foi de 28,8% para 35,4%, nos mesmostificados neste período, a cor de pele branca cor- anos específicos (Tabela 6).Tabela 6. Casos notificados de aids, segundo ano de diagnóstico, sexo e raça/cor, estado de São Paulo,2004 - 2011* Raça/Cor Total Ano de Diagnóstico Branca Preta Parda Amarela Indigena Ign/Branco N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%)Masculino2004 2.959 61,9 480 10,0 897 18,8 28 0,6 3 0,1 410 8,6 4.777 100,02005 2.799 62,8 395 8,9 895 20,1 31 0,7 3 0,1 331 7,4 4.454 100,02006 2.777 64,0 403 9,3 867 20,0 22 0,5 5 0,1 263 6,1 4.337 100,02007 2.397 60,1 413 10,4 938 23,5 32 0,8 5 0,1 202 5,1 3.987 100,02008 2.349 60,7 391 10,1 940 24,3 22 0,6 1 0,0 167 4,3 3.870 100,02009 2.217 59,6 345 9,3 966 26,0 19 0,5 7 0,2 168 4,5 3.722 100,02010 2.004 59,1 321 9,5 868 25,6 26 0,8 5 0,1 164 4,8 3.388 100,02011 650 61,3 101 9,5 275 25,9 6 0,6 1 0,1 28 2,6 1.061 100,0Subtotal 18.152 61,3 2.849 9,6 6.646 22,5 186 0,6 30 0,1 1.733 5,9 29.596 100,0Feminino2004 1.593 57,4 329 11,9 589 21,2 15 0,5 - - 249 9,0 2.775 100,02005 1.482 55,4 333 12,5 617 23,1 16 0,6 3 0,1 223 8,3 2.674 100,02006 1.393 58,3 249 10,4 563 23,6 10 0,4 3 0,1 171 7,2 2.389 100,02007 1.141 55,9 256 12,5 546 26,7 8 0,4 1 0,0 90 4,4 2.042 100,02008 1.166 54,3 263 12,2 609 28,3 8 0,4 4 0,2 99 4,6 2.149 100,02009 1.000 54,5 205 11,2 548 29,8 9 0,5 2 0,1 72 3,9 1.836 100,02010 841 54,4 181 11,7 439 28,4 16 1,0 - - 70 4,5 1.547 100,02011 221 50,9 52 12,0 136 31,3 3 0,7 - - 22 5,1 434 100,0 Subtotal 8.837 55,8 1.868 11,8 4.047 25,5 85 0,5 13 0,1 996 6,3 15.846 100,0 Total 2004 4.552 60,3 809 10,7 1.486 19,7 43 0,6 3 0,0 659 8,7 7.552 100,0 2005 4.281 60,1 728 10,2 1.512 21,2 47 0,7 6 0,1 554 7,8 7.128 100,0 2006 4.170 62,0 652 9,7 1.430 21,3 32 0,5 8 0,1 434 6,5 6.726 100,0 2007 3.538 58,7 669 11,1 1.484 24,6 40 0,7 6 0,1 292 4,8 6.029 100,0 2008 3.515 58,4 654 10,9 1.549 25,7 30 0,5 5 0,1 266 4,4 6.019 100,0 2009 3.217 57,9 550 9,9 1.514 27,2 28 0,5 9 0,2 240 4,3 5.558 100,0 2010 2.845 57,6 502 10,2 1.307 26,5 42 0,9 5 0,1 234 4,7 4.935 100,02011 871 58,3 153 10,2 411 27,5 9 0,6 1 0,1 50 3,3 1.495 100,0Total 26.989 59,4 4.717 10,4 10.693 23,5 271 0,6 43 0,1 2.729 6,0 45.442 100,0Fonte: SINAN - Vigilância Epidemiológica - Programa Estadual DST/Aids-SP (VE-PEDST/Aids-SP) Nota: * Dados preliminares até 30/06/11, sujeitos a revisão mensal Boletim Epidemiológico | AIDS • DST • 13
  15. 15. Escolaridade Na investigação de suspeita de trans- missão de doenças por transfusão é ideal e Dos 177.667 casos de aids com mais de necessário que a vigilância epidemiológica e18 anos de idade, verifica-se na Tabela 7 um sanitária realizem o trabalho em conjunto. Aaumento da proporção com 8 a 11 anos de es- vigilância epidemiológica realiza a busca ati-tudo, passando de 28,1% em 2005 para 39,1% va, prevenção/controle de doenças e agravos,em 2010, e diminuição na proporção de casos e a vigilância sanitária realiza a busca de errosde aids com 1 a 3 anos de estudo (de 11,1% em ou falhas no processo dos serviços de hemo-2005 para 6,5% em 2010). Estas mudanças no terapia, ambas contribuem para minimizargrau de escolaridade dos casos assemelham- o risco de ocorrência de reações adversas à-se a da população geral do Estado. A principal transfusão. O processo de investigação epi-diferença entre os sexos foi expressa naqueles demiológica e sanitária da suspeita de trans-com 12 anos e mais de estudo, pois entre os missão de doenças pelo sangue poderá serhomens esta medida foi o dobro das mulheres, desencadeado de várias maneiras, sendo de-13,9% e 5,6%, respectivamente, em 2010. Vale talhado no Anexo 2.ressaltar o elevado percentual de casos ignora- A identificação de outras situações dedos (17,9%) em 2010, o que pode comprometer maior vulnerabilidade para a exposição ao HIV,a análise desta variável. tais como, usuários de crack, álcool e outras drogas, travestis, transexuais, profissionais do sexo, populações privadas de liberdade, migran-Categoria de exposição - Aids em tes, moradores de rua, pessoas vivendo em con-indivíduos com 13 anos ou mais de dições de extrema pobreza, parcerias sexuais deidade pessoas em situação de risco, dentre outras, são importantes para melhor caracterizar o perfil Nesses 30 anos de epidemia de aids no comportamental e suas tendências. Para tanto,estado de São Paulo, dos 179.962 casos de aids faz-se necessário a melhora nos instrumentoscom 13 anos de idade ou mais notificados no de investigação epidemiológica, como a FIE e asistema de vigilância epidemiológica (SVE), ficha do Sistema de Informação dos Centros de42,0% apresentaram categoria de exposição Testagem e Aconselhamento (SICTA) que pode-heterossexual, 20% foram os de homens que riam ser aprimorados.fazem sexo com homens (HSH), 21,5% usuáriosde drogas injetáveis (UDI), 986 casos forampor hemocomponentes contaminados (0,5%),97 casos por transmissão vertical e 15,9% ainformação sobre a forma de transmissão foiignorada ou sem investigação, infelizmente,indicando falha na qualidade da investigação(Tabela 8). Com o controle sorológico na triagempara doação de sangue e hemoderivados em1987, os casos com diagnóstico de aids na ...notificação de um caso suspeito dedécada de 2000, revelaram durante a inves- transmissão do HIV por via sanguíneatigação, que os doadores encontravam-se em é extremamente importante quejanela imunológica. A identificação e notifica- seja imediata, para que as ações deção de um caso suspeito de transmissão do vigilância epidemiológica e sanitáriaHIV por via sanguínea é extremamente impor- possam ser desencadeadas de formatante que seja imediata, para que as ações de ágil e eficaz.vigilância epidemiológica e sanitária possamser desencadeadas de forma ágil e eficaz.14 • Boletim Epidemiológico | AIDS • DST
  16. 16. Tabela 7. Casos notificados de aids em indivíduos com 19 anos de idade ou mais, segundo escolaridade, sexo e ano de diagnóstico, estado de São Paulo, 1980 - 2011* Ano de Diagnóstico Total Escolaridade 80 a 89 90 a 99 2000 a 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) Masculino Nenhuma 111 1,6 1.516 2,3 677 2,4 86 2,0 83 1,9 39 1,0 43 1,1 44 1,2 45 1,3 15 1,4 2.659 2,1 De 1 a 3 1.672 23,6 18.486 28,4 5.515 19,5 451 10,3 369 8,7 294 7,5 273 7,2 236 6,4 203 6,1 65 6,2 27.564 22,1 De 4 a 7 1.752 24,7 18.587 28,6 8.566 30,3 1.418 32,5 1.276 30,0 1.059 27,0 917 24,2 827 22,5 682 20,4 194 18,6 35.278 28,2 De 8 a 11 990 13,9 9.718 14,9 6.071 21,4 1.248 28,6 1.275 30,0 1.436 36,6 1.397 36,8 1.452 39,6 1.322 39,5 461 44,2 25.370 20,3 De 12 e mais 1.009 14,2 5.491 8,4 2.334 8,2 512 11,7 544 12,8 423 10,8 500 13,2 476 13,0 466 13,9 130 12,5 11.885 9,5 Ign/Branco 1.564 22,0 11.283 17,3 5.154 18,2 654 15,0 710 16,7 672 17,1 665 17,5 635 17,3 631 18,8 179 17,1 22.147 17,7 Subtotal 7.098 100,0 65.081 100,0 28.317 100,0 4.369 100,0 4.257 100,0 3.923 100,0 3.795 100,0 3.670 100,0 3.349 100,0 1.044 100,0 124.903 100,0 Feminino Nenhuma 37 4,0 1.002 4,3 620 3,9 86 3,4 66 2,9 30 1,5 56 2,7 38 2,1 36 2,4 11 2,6 1.982 3,8 De 1 a 3 331 36,2 7.871 33,6 3.448 21,7 317 12,4 264 11,5 186 9,4 204 9,9 179 10,0 114 7,6 35 8,3 12.949 24,5 De 4 a 7 237 25,9 6.817 29,1 5.226 33,0 890 34,8 803 34,9 617 31,3 648 31,5 527 29,5 452 30,2 129 30,4 16.346 31,0 De 8 a 11 71 7,8 2.827 12,1 3.106 19,6 701 27,4 684 29,7 671 34,1 732 35,6 633 35,5 572 38,3 161 38,0 10.158 19,3 De 12 e mais 38 4,2 850 3,6 711 4,5 180 7,0 128 5,6 105 5,3 116 5,6 109 6,1 83 5,6 19 4,5 2.339 4,4 Ign/Branco 201 22,0 4.030 17,2 2.748 17,3 383 15,0 359 15,6 360 18,3 303 14,7 299 16,8 238 15,9 69 16,3 8.990 17,0 Subtotal 915 100,0 23.397 100,0 15.859 100,0 2.557 100,0 2.304 100,0 1.969 100,0 2.059 100,0 1.785 100,0 1.495 100,0 424 100,0 52.764 100,0 Ambos os sexos Nenhuma 148 1,8 2.518 2,8 1.297 2,9 172 2,5 149 2,3 69 1,2 99 1,7 82 1,5 81 1,7 26 1,8 4.641 2,6 De 1 a 3 2.003 25,0 26.357 29,8 8.963 20,3 768 11,1 633 9,6 480 8,1 477 8,1 415 7,6 317 6,5 100 6,8 40.513 22,8 De 4 a 7 1.989 24,8 25.404 28,7 13.792 31,2 2.308 33,3 2.079 31,7 1.676 28,4 1.565 26,7 1.354 24,8 1.134 23,4 323 22,0 51.624 29,1 De 8 a 11 1.061 13,2 12.545 14,2 9.177 20,8 1.949 28,1 1.959 29,9 2.107 35,8 2.129 36,4 2.085 38,2 1.894 39,1 622 42,4 35.528 20,0 De 12 e mais 1.047 13,1 6.341 7,2 3.045 6,9 692 10,0 672 10,2 528 9,0 616 10,5 585 10,7 549 11,3 149 10,1 14.224 8,0 Ign/Branco 1.765 22,0 15.313 17,3 7.902 17,9 1.037 15,0 1.069 16,3 1.032 17,5 968 16,5 934 17,1 869 17,9 248 16,9 31.137 17,5 Total 8.013 100,0 88.478 100,0 44.176 100,0 6.926 100,0 6.561 100,0 5.892 100,0 5.854 100,0 5.455 100,0 4.844 100,0 1.468 100,0 177.667 100,0 Fonte: SINAN - Vigilância Epidemiológica - Programa Estadual DST/Aids-SP (VE-PEDST/Aids-SP)Boletim Epidemiológico | AIDS • DST • 15 Nota: * Dados preliminares até 30/06/11, sujeitos a revisão mensal
  17. 17. Tabela 8. Casos notificados de aids em indivíduos com 13 anos de idade ou mais, segundo categoria de exposiçãoe ano de diagnóstico, estado de São Paulo, 1980 a 2011* Categoria de Exposição Ano de Total Diagnóstico HSH** Hetero UDI*** Hemof T.Sangue & Ac.Profis Vertical Invest N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) 1980 1 100,0 - - - - - - - - - - - - - - 1 100,0 1981 - - - - - - - - - - - - - - - - - - 1982 6 75,0 1 12,5 1 - - - - - - - - - - - 8 100,0 1983 18 69,2 2 7,7 4 15,4 - - - - - - - - 2 7,7 26 100,0 1984 61 71,8 5 5,9 11 12,9 1 1,2 - - - - - - 7 8,2 85 100,0 1985 245 73,1 21 6,3 31 9,3 5 1,5 1 0,3 - - - - 32 9,6 335 100,0 1986 410 68,4 47 7,8 90 15,0 11 1,8 6 1,0 - - - - 35 5,8 599 100,0 1987 758 51,3 161 10,9 399 27,0 21 1,4 14 0,9 - - - - 126 8,5 1.479 100,0 1988 1.038 42,5 321 13,2 806 33,0 36 1,5 27 1,1 - - - - 212 8,7 2.440 100,0 1989 1.208 36,3 515 15,5 1.280 38,5 25 0,8 32 1,0 - - - - 267 8,0 3.327 100,0 1990 1.461 29,9 794 16,3 2.039 41,8 36 0,7 45 0,9 - - - - 506 10,4 4.881 100,0 1991 1.687 26,2 1.266 19,6 2.742 42,5 39 0,6 68 1,1 - - - - 649 10,1 6.451 100,0 1992 1.847 23,3 1.877 23,7 3.184 40,2 28 0,4 88 1,1 - - - - 887 11,2 7.911 100,0 1993 1.628 19,2 2.351 27,8 3.194 37,7 28 0,3 71 0,8 - - - - 1.197 14,1 8.469 100,0 1994 1.605 18,2 2.646 30,0 2.943 33,4 24 0,3 63 0,7 - - - - 1.533 17,4 8.814 100,0 1995 1.558 16,0 3.093 31,7 2.907 29,8 28 0,3 95 1,0 - - 1 0,0 2.081 21,3 9.763 100,0 1996 1.700 16,1 3.832 36,2 2.849 26,9 26 0,2 64 0,6 1 0,0 - - 2.105 19,9 10.577 100,0 1997 1.812 16,8 4.600 42,8 2.665 24,8 35 0,3 24 0,2 - - 2 0,0 1.618 15,0 10.756 100,0 1998 1.939 16,3 5.128 43,2 2.554 21,5 - - 2 0,0 - - 2 0,0 2.235 18,8 11.860 100,0 1999 1.678 16,4 4.770 46,6 1.994 19,5 1 0,0 - - - - 2 0,0 1.799 17,6 10.244 100,0 2000 1.560 15,6 4.803 48,1 1.810 18,1 - - - - - - 3 0,0 1.818 18,2 9.994 100,0 2001 1.484 15,8 4.740 50,6 1.431 15,3 1 0,0 1 0,0 - - 5 0,1 1.710 18,2 9.372 100,0 2002 1.548 16,8 4.820 52,4 1.228 13,4 3 0,0 - - - - 6 0,1 1.586 17,3 9.191 100,0 2003 1.441 16,6 4.776 55,1 1.095 12,6 5 0,1 - - - - 8 0,1 1.346 15,5 8.671 100,0 2004 1.310 17,8 4.108 55,8 774 10,5 2 0,0 1 0,0 - - 9 0,1 1.162 15,8 7.366 100,0 2005 1.241 17,8 3.982 57,0 662 9,5 4 0,1 1 0,0 - - 5 0,1 1.088 15,6 6.983 100,0 2006 1.340 20,3 3.574 54,0 589 8,9 2 0,0 - - - - 11 0,2 1.097 16,6 6.613 100,0 2007 1.175 19,8 3.316 55,8 419 7,1 4 0,1 - - - - 8 0,1 1.017 17,1 5.939 100,0 2008 1.296 21,8 3.407 57,4 384 6,5 1 0,0 1 0,0 - - 18 0,3 828 14,0 5.935 100,0 2009 1.325 24,1 3.080 56,0 304 5,5 - - - - - - 7 0,1 784 14,3 5.500 100,0 2010 1.234 25,2 2.764 56,5 256 5,2 - - - - - - 8 0,2 628 12,8 4.890 100,0 2011 404 27,2 791 53,3 84 5,7 - - - - - - 2 0,1 202 13,6 1.483 100,0 Total 36.018 20,0 75.591 42,0 38.729 21,5 366 0,2 604 0,3 1 0,0 97 0,1 28.557 15,9 179.963 100,0Fonte: SINAN - Vigilância Epidemiológica - Programa Estadual DST/Aids-SP (VE-PEDST/Aids-SP)Notas:* Dados preliminares até 30/06/11, sujeitos a revisão mensal** HSH - Homens que fazem sexo com homens*** UDI - Uso de drogas injetáveis& Os casos por transfusão de sangue foram reinvestigados de acordo com o algoritmo da CNDST/Aids-MS Realizou-se análise da tendência dos casos Entre os 126.285 casos de aids em ho-de aids segundo categoria de exposição através de mens com 13 anos ou mais de idade notificadosmodelos de regressão polinomial e respeitou-se no SINAN observou-se tendência decrescentea significância estatística da tendência, admitida no período de 2005 a 2009, para as categoriasquando o modelo de regressão estimado obteve p de exposição: Heterossexual e UDI, porém com< 0,05, isto é, com intervalo de confiança de 95%. diferentes velocidades de queda, 69 casos/ano16 • Boletim Epidemiológico | AIDS • DST
  18. 18. e 74 casos/ano, respectivamente, com signi- heterossexuais reduziu-se em 18% e entre osficância estatística. A categoria HSH apresen- UDI a redução foi de 52%, no mesmo período.tou tendência de estabilidade nesse período Esta tendência de estabilidade entre osde 2005 a 2009, sem relevância estatística e, HSH aponta para a maior atenção frente à maiorapresentou crescimento no número de casos vulnerabilidade desta categoria comparada comde7% nesse período. A proporção de homens as demais (Tabela 9 e Figura 5).Tabela 9. Casos notificados de aids em homens com 13 anos de idade ou mais, segundo categoria de exposição eano de diagnóstico, estado de São Paulo, 1980 a 2011* Categoria de Exposição Ano de Total HSH** Hetero UDI*** Hemof T.Sangue& Vertical Invest Diagnóstico N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) 1980 1 100,0 - - - - - - - - - - - - 1 100,0 1981 - - - - - - - - 1982 6 75,0 1 12,5 1 12,5 - - - - - - - - 8 100,0 1983 18 72,0 1 4,0 4 16,0 - - - - - - 2 8,0 25 100,0 1984 61 76,3 1 1,3 11 13,8 1 1,3 - - - - 6 7,5 80 100,0 1985 245 74,9 14 4,3 31 9,5 5 1,5 1 0,3 - - 31 9,5 327 100,0 1986 410 72,1 31 5,4 81 14,2 11 1,9 3 0,5 - - 33 5,8 569 100,0 1987 758 56,9 107 8,0 320 24,0 21 1,6 8 0,6 - - 117 8,8 1.331 100,0 1988 1.038 48,9 196 9,2 653 30,8 36 1,7 15 0,7 - - 184 8,7 2.122 100,0 1989 1.208 42,0 328 11,4 1060 36,9 25 0,9 19 0,7 - - 233 8,1 2.873 100,0 1990 1.461 35,2 465 11,2 1714 41,3 36 0,9 30 0,7 - - 440 10,6 4.146 100,0 1991 1.687 31,6 733 13,7 2330 43,6 39 0,7 35 0,7 - - 522 9,8 5.346 100,0 1992 1.847 29,2 998 15,8 2656 42,0 28 0,4 50 0,8 - - 749 11,8 6.328 100,0 1993 1.628 24,5 1251 18,9 2698 40,7 28 0,4 38 0,6 - - 993 15,0 6.636 100,0 1994 1.605 23,6 1358 20,0 2499 36,7 24 0,4 34 0,5 - - 1281 18,8 6.801 100,0 1995 1.558 21,4 1488 20,5 2501 34,4 28 0,4 54 0,7 - - 1647 22,6 7.276 100,0 1996 1.700 22,5 1766 23,4 2367 31,4 26 0,3 35 0,5 1 0,0 1649 21,9 7.544 100,0 1997 1.812 24,9 2011 27,6 2225 30,6 35 0,5 10 0,1 1 0,0 1180 16,2 7.274 100,0 1998 1.939 24,8 2175 27,8 2110 27,0 - - 1 0,0 1 0,0 1587 20,3 7.813 100,0 1999 1.678 24,9 2095 31,1 1653 24,5 1 0,0 - - 2 0,0 1306 19,4 6.735 100,0 2000 1.560 24,0 2134 32,9 1545 23,8 - - - - 3 0,0 1251 19,3 6.493 100,0 2001 1.484 25,0 2086 35,1 1162 19,6 1 0,0 - - 3 0,1 1206 20,3 5.942 100,0 2002 1.548 26,4 2208 37,6 1011 17,2 3 0,1 - - 2 0,0 1093 18,6 5.865 100,0 2003 1.441 26,2 2201 40,1 884 16,1 5 0,1 - - 3 0,1 957 17,4 5.491 100,0 2004 1.310 27,9 1935 41,2 624 13,3 2 0,0 1 0,0 4 0,1 821 17,5 4.697 100,0 2005 1.241 28,3 1864 42,5 549 12,5 4 0,1 - - 2 0,0 730 16,6 4.390 100,0 2006 1.340 31,3 1670 39,0 489 11,4 2 0,0 - - 3 0,1 774 18,1 4.278 100,0 2007 1.175 29,8 1661 42,1 360 9,1 4 0,1 - - 1 0,0 743 18,8 3.944 100,0 2008 1.296 33,8 1636 42,7 314 8,2 1 0,0 - - 8 0,2 578 15,1 3.833 100,0 2009 1.325 35,9 1537 41,6 263 7,1 - - - - 6 0,2 563 15,2 3.694 100,0 2010 1.234 36,6 1445 42,9 215 6,4 - - - - 3 0,1 473 14,0 3.370 100,0 2011 404 38,4 411 39,0 74 7,0 - - - - 1 0,1 163 15,5 1.053 100,0 Total 36.018 28,5 35.807 28,4 32.404 25,7 366 0,3 334 0,3 44 0,0 21.312 16,9 126.285 100,0Fonte: SINAN - Vigilância Epidemiológica - Programa Estadual DST/Aids-SP (VE-PEDST/Aids-SP)Notas:* Dados preliminares até 30/06/11, sujeitos a revisão mensal** HSH - Homens que fazem sexo com homens*** UDI - Uso de drogas injetáveis& Os casos por transfusão de sangue foram reinvestigados de acordo com o algoritmo da CNDST/Aids-MS Boletim Epidemiológico | AIDS • DST • 17
  19. 19. Figura 5. Tendência dos casos de aids em adultos do sexo masculino segundo categoria de exposição, estado deSão Paulo, 2005 a 2009* HSH** Hetero UDI*** Linear (HSH**) Linear (Hetero) Linear (UDI***) 2.000 y = -69x + 1880 1.800 r 2 = 0,84; p = 0,023 1.600 1.400 1.200 y = 12x + 1238,2 Nº de casos r 2 = 0,08; p = 0,327 1.000 800 600 400 200 y = -74x + 619,1 R 2 = 0,97; p < 0,001 0 2005 2006 2007 2008 2009 Ano de diagnósƟcoFonte: SINAN - Vigilância Epidemiológica - Programa Estadual DST/Aids-SP (VE-PEDST/Aids-SP)Notas:* Dados preliminares até 30/06/11, sujeitos a revisão mensal** HSH - Homens que fazem sexo com homens*** UDI - Uso de drogas injetáveisFigura 6. Tendência dos casos de aids em adultos do sexo feminino segundo categoria de exposição, estado deSão Paulo, 2005 a 2009* Hetero UDI** Linear (Hetero) Linear (UDI**) 2500 2000 1500 y = -128x + 2183,1 Nº de casos r 2 = 0,82; p =0,035 1000 500 y = -17x + 128,8 r 2 = 0,90; p < 0,001 0 2005 2006 2007 2008 2009 Ano de DiagnósƟcoFonte: SINAN - Vigilância Epidemiológica - Programa Estadual DST/Aids-SP (VE-PEDST/Aids-SP)Notas:* Dados preliminares até 30/06/11, sujeitos a revisão mensal** UDI - Uso de drogas injetáveis18 • Boletim Epidemiológico | AIDS • DST
  20. 20. Em relação ao sexo feminino (n= 53.678 que na análise da tendência entre os heterosse-casos), 74,1% eram heterossexuais e 11,8% UDI. xuais, a velocidade de queda dos casos entre asNo período de 2005 a 2009, a tendência tam- mulheres foi, aproximadamente, 2 vezes maiorbém se apresentou decrescente, com uma velo- que a dos homens (Tabela 10 e Figura 6). A pro-cidade de queda de 128 casos/ano e 17 casos/ porção de mulheres heterossexuais reduziu-seano para heterossexual e UDI, respectivamente, em 31% e entre as UDI a redução foi de 59%, emcom significância estatística. Chamou a atenção 2006 e 2010.Tabela 10. Casos notificados de aids em mulheres com 13 anos de idade ou mais, segundo categoria de exposiçãoe ano de diagnóstico, estado de São Paulo, 1983 a 2011* Categoria de Exposição Total Ano de Diagnóstico Hetero UDI** T.Sangue & Ac.Profis Vertical Invest N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) N (%) 1983 1 100,0 - - - - - - - - - - 1 100,0 1984 4 80,0 - - - - - - - - 1 20,0 5 100,0 1985 7 87,5 - - - - - - - - 1 12,5 8 100,0 1986 16 53,3 9 30,0 3 10,0 - - - - 2 6,7 30 100,0 1987 54 36,5 79 53,4 6 4,1 - - - - 9 6,1 148 100,0 1988 125 39,3 153 48,1 12 3,8 - - - - 28 8,8 318 100,0 1989 187 41,2 220 48,5 13 2,9 - - - - 34 7,5 454 100,0 1990 329 44,8 325 44,2 15 2,0 - - - - 66 9,0 735 100,0 1991 533 48,2 412 37,3 33 3,0 - - - - 127 11,5 1.105 100,0 1992 879 55,5 528 33,4 38 2,4 - - - - 138 8,7 1.583 100,0 1993 1100 60,0 496 27,1 33 1,8 - - - - 204 11,1 1.833 100,0 1994 1288 64,0 444 22,1 29 1,4 - - - - 252 12,5 2.013 100,0 1995 1605 64,5 406 16,3 41 1,6 - - 1 0,0 434 17,5 2.487 100,0 1996 2066 68,1 482 15,9 29 1,0 1 0,0 - - 455 15,0 3.033 100,0 1997 2589 74,4 440 12,6 14 0,4 - - 1 0,0 438 12,6 3.482 100,0 1998 2953 73,0 444 11,0 1 0,0 - - 1 0,0 648 16,0 4.047 100,0 1999 2675 76,2 341 9,7 - - - - - - 493 14,0 3.509 100,0 2000 2669 76,2 265 7,6 - - - - - - 567 16,2 3.501 100,0 2001 2654 77,4 269 7,8 1 0,0 - - 2 0,1 504 14,7 3.430 100,0 2002 2612 78,5 217 6,5 - - - - 4 0,1 493 14,8 3.326 100,0 2003 2575 81,0 211 6,6 - - - - 5 0,2 389 12,2 3.180 100,0 2004 2173 81,4 150 5,6 - - - - 5 0,2 341 12,8 2.669 100,0 2005 2118 81,7 113 4,4 1 0,0 - - 3 0,1 358 13,8 2.593 100,0 2006 1904 81,5 100 4,3 - - - - 8 0,3 323 13,8 2.335 100,0 2007 1655 83,0 59 3,0 - - - - 7 0,4 274 13,7 1.995 100,0 2008 1771 84,3 70 3,3 1 0,0 - - 10 0,5 250 11,9 2.102 100,0 2009 1543 85,4 41 2,3 - - 1 0,1 221 12,2 1.806 100,0 2010 1319 86,8 41 2,7 - - 5 0,3 155 10,2 1.520 100,0 2011 380 88,4 10 2,3 - - 1 0,2 39 9,1 430 100,0 Total 39.784 74,1 6.325 11,8 270 0,5 1 0,0 54 0,1 7.244 13,5 53.678 100,0Fonte: SINAN - Vigilância Epidemiológica - Programa Estadual DST/Aids-SP (VE-PEDST/Aids-SP) Notas: * Dados preliminares até 30/06/11, sujeitos a revisão mensal ** UDI - Uso de drogas injetáveis & Os casos por transfusão de sangue foram reinvestigados de acordo com o algoritmo da CNDST/Aids-MS Boletim Epidemiológico | AIDS • DST • 19

×