Metasip

395 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
395
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Metasip

  1. 1. METASIP VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁRegistrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA sob nº01288404COMPOSIÇÃO:O,S-dimethyl phosphoramidothioateMETHAMIDOPHOS (Metamidofós)....................................600 g/L ou (60% m/v)Ingredientes Inertes.........................................................603 g/L ou (60,3% m/v)CONTEÚDO: 1,0 L; 5,0 L; 10 L e 20 L.CLASSE: Inseticida / Acaricida sistêmico com ação de contato e ingestãoGRUPO QUÍMICO: OrganofosforadoTIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado SolúvelTITULAR DO REGISTROSipcam Agro S.A.Endereço: Rua Igarapava, 599 – Distrito Industrial IIICEP: 38102-970 – Uberaba/MG CNPJ Nº 23.361.306/0001-79Tel.: (0XX34) 3319-5550 Fax: (0XX34) 3319-5570Registro no IMA nº 701-06046FABRICANTE DO PRODUTO TÉCNICO:Bayer Cropscience LtdaEndereço: Estrada Boa Esperança, 650CEP: 26110-100 – Belford Roxo/RJCNPJ nº 89.163.430/0005-61Registro no FEEMA nº 0040/52FORMULADORBayer Cropscience LtdaEndereço: Estrada Boa Esperança, 650CEP: 26110-100 – Belford Roxo/RJCNPJ nº 89.163.430/0005-61Registro no FEEMA nº 0040/52 Nº do lote ou partida: Data de fabricação: VIDE EMBALAGEM Data de vencimento: ANTES DE USAR O PRODUTO, LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA, E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. PROTEJA-SE. 1
  2. 2. É OBRIGATÓRIA A DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA. Indústria Brasileira CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA II – ALTAMENTE TÓXICOCLASSIFICAÇÃO DO POTENCIAL DE PERICULOSIDADE AMBIENTAL II – PRODUTO MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTEINTRUÇÕES DE USO:METASIP é um inseticida/acaricida organofosforado sistêmico com ação de contato eingestão, aplicado em pulverizações nas seguintes culturas e doses: PRAGAS DOSESCULTURAS Nome Comum Nome Cientifico ml/ha ml/100 L de águaALGODÃO Pulgão-das-inflorescências Aphis gossypii 500 - Tripes Frankliniella schulzei 400-700 - Ácaro-rajado Tetranychus urticae 1250-1500 - Ácaro-vermelho Tetranychus ludeni 400-700 - Curuquerê Alabama argillacea 500 - Lagarta-mede-palmo Trichoplusia ni 1000 -AMENDOIM Tripes-do-bronzeamento Enneothrips flavens 500 -BATATA Pulgão-das-solanáceas Macrosiphum euphorbiae - 100 Pulgão-verde Myzus persicae - 100 Lagarta-rosca Agrotis ipsilon - 100 Traça-da-batatinha Phthorimaea operculella - 100FEIJÃO Cigarrinha-verde Empoasca kraemeri 500 - Mosca-branca Bemisia tabaci 500-1000 - Tripes-do-fumo Thrips tabaci 500-1000 - Tripes-do-feijoeiro Caliothrips phaseoli 500-1000 - Vaquinha-verde-amarela Diabrotica speciosa 500-1000 - Ácaro-rajado Tetranychus urticae 1250 -SOJA Lagarta-da-soja Anticarsia gemmatalis 250-500 - Lagarta-falsa-medideira Pseudoplusia includens 500 - Percevejo-da-soja Nezara viridula 500 - Percevejo-verde-pequeno Piezodorus guildinii 500 - Brocas-das-axilas Epinotia aporema 500 -TOMATE(*) Broca-grande-do-fruto Helicoverpa zea - 100 Pulgão-verde Myzus persicae - 100 Vaquinha-verde-amarela Diabrotica speciosa - 100(*) Uso autorizado somente para tomate rasteiro, com fins industriais.ÉPOCA, NÚMERO E INTERVALO DE APLICAÇÃO:ALGODÃOIniciar a aplicação quando as pragas atingirem o nível de dano econômico, ou seja:Pulgão – iniciar o controle quando em 7 das 10 plantas examinadas as folhas estiveremcomeçando a se deformar e existirem pulgões vivos. É importante o controle até 60 diasapós a emergência das plantas.Ácaro-rajado – controlar qualquer foco inicial de ataque até 100 dias de emergência.Tripes – realizar o controle quando forem encontrados 6 insetos por planta e antes doengruvinhamento das folhas até 15 dias após a emergência.Curuquerê – o controle deve ser efetuado quando ocorrer 2 lagartas por planta e o nívelde desfolha atingir 25%. 2
  3. 3. SOJAIniciar a aplicação quando forem encontradas 40 lagartas grandes por amostragem (2 mlineares da cultura) ou 4 percevejos grandes. Para produção de sementes, aplicar quandoencontrar 2 percevejos grande por amostra.Para as demais culturas indicadas, recomendamos iniciar o tratamento quando o danocausado pelas pragas atingir nível de significação econômica e repetir se necessário, comintervalos de 15 a 20 dias.MODO DE APLICAÇÃO:O produto METASIP é aplicado diluído em água nas quantidades recomendadas, pormeio de pulverização terrestre. Usar pulverizadores de barra com bicos cônicos (D2). Compressão de 80 a 100 lb/pol2 e vazão de 200 a 300 L de calda/ha, exceto para batata etomate que deve ser de 500 a 1000 L/ha, variando de acordo com o desenvolvimento dacultura.INTERVALO DE SEGURANÇA:Algodão, amendoim, batata, feijão, tomate.......................21 diasSoja................................................................................23 diasINTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:Até 48 horas após a aplicação, caso necessário, reentrar na área tratada, utilizar macacãode mangas compridas, chapéu impermeável de aba larga, luvas e botas de borracha.LIMITAÇÕES DE USO:Aplicando nas dosagens recomendadas, METASIP não é fitotóxico às culturas indicadas.INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREMUTILIZADOS:Vide item “Dados Relativos à Proteção da Saúde Humana”.INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS:Vide item “Modo de Aplicação”.DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPLICE LAVAGEM DA EMBALAGEM OUTECNOLOGIA EQUIVALENTE:Vide item “Dados Relativos à Proteção do Meio Ambiente”.INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO,DESTINAÇÃO, TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DASEMBALAGENS VAZIAS:Vide item “Dados Relativos à Proteção do Meio Ambiente”.INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO EDESTINAÇÃO DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:Vide “Dados Relativos à Proteção do Meio Ambiente”.INFORMAÇÕES SOBRE MANEJO DE RESISTÊNCIA:Qualquer agente de controle de pragas pode ficar menos efetivo ao longo do tempodevido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a 3
  4. 4. Inseticidas (IRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistênciavisando prolongar a vida útil dos inseticidas e acaricidas:Qualquer produto para controle de pragas da mesma classe ou de mesmo modo de açãonão deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.Utilizar somente as doses recomendadas na bula.Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendaçõeslocais para o manejo de resistência.INFORMAÇÕES SOBRE O MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS:Incluir outros métodos de controle de pragas (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentrodo programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponíveis e apropriados.Dados relativos à Proteção da Saúde Humana:ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES:ATENÇÃO: “Durante o manuseio, preparação da calda e aplicação, use Equipamentos deProteção Individual (EPI): macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas,chapéu impermeável de abas largas, avental impermeável, óculos protetores ou viseirafacial, mascar descartável providas de filtros contra eventuais vapores orgânicos cobrindonariz e boca e luvas e botas de borracha”.Precauções Gerais:- Leia e siga as instruções desta bula;- Uso exclusivamente agrícola;- Durante manipulação, preparação da calda ou aplicação use EPI;- Mantenha o produto afastado de crianças e animais domésticos;- Mantenha o produto afastado de alimentos ou ração animal;- Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto;- Não utilize equipamento com vazamento ou com defeitos;- Não desentupa bicos, orifícios, válvulas, tubulações, etc. com a boca;- Não transporte o produto com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas;- Ao abrir a embalagem, faça de maneira a evitar respingos ou poeira;- Não utilize Equipamentos de Proteção Individual (EPI) danificados.Precauções no Manuseio:- Ao abrir a embalagem, faça de maneira a evitar respingos ou poeira;- Use os Equipamentos de Proteção Individual;- Manuseie o produto em lugar arejado;- Use protetor ocular – se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente, VEJA PRIMEIROS SOCORROS;- Use máscara cobrindo o nariz e aboca - caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS;- Use luvas de borracha – ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS;- Observe atentamente as recomendações da bula visando utilizar as doses adequadas.Precauções Durante a Aplicação:- Use os Equipamentos de Proteção Individual;- Aplique somente as doses recomendadas e observe o intervalo de segurança; 4
  5. 5. - Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes;- Mantenha afastado da área de aplicação crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas;- Evite o máximo possível o contato com a área aplicada com o produto até o término do intervalo de reentrada;- Não utilize equipamento com vazamento ou danificados;- Não desentupa bicos, orifícios, válvulas, tubulações, etc. com a boca;Precauções Após a Aplicação:- Não reutilize a embalagem vazia;- Após a utilização do produto, remova as roupas protetoras, tome banho e lave a roupa de proteção separado das roupas domésticas e lave os equipamentos de proteção individual após cada uso;- Mantenha o restante do produto em sua embalagem original, adequadamente fechado em local trancado, longe do alcance de crianças e animais;- Dar manutenção necessária nos equipamentos de segurança. Atentar para o período de vida útil dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.PRIMEIROS SOCORROSIngestão: PROVOQUE VÔMITO até duas horas após a ingestão se o pacienteestiver consciente. Beba 1 a 2 copos de água, com 10 g ou mais de carvãomedicinal e procure logo o médico, levando a embalagem, rótulo, bula oureceituário agronômico do produto.Olhos: em caso de contato com os olhos, lave-os com água corrente emabundância e procure o médico levando a embalagem, rótulo, bula ou receituárioagronômico do produto.Pele: em caso de contato com a pele, lava-la com água e sabão em abundância, eprocure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico doproduto.Inalação: procurar local arejado e procure o médico, levando a embalagem, rótulo,bula ou receituário agronômico do produto.Tratamento Médico de Emergência e Antídoto:SULFATO DE ATROPINA É O ANTÍDOTO DE EMERGÊNCIA EM CASO DEINTOXICAÇÃO, NUNCA ADMINISTRE SULFATO DE ATROPINA ANTES DOAPARECIMENTO DOS SINTOMAS DE INTOXICAÇÃO.Administrar Sulfato de atropina – crianças 0,015 a 0,050 mg/Kg corporal/dose, de 10/10minutos ou 15/15 minutos; adultos 1 a 2 mg/dose, de 10/10 minutos ou 15/15 minutos.Após estabilização do paciente, pode-se utilizar a infusão contínua na dose de 20 a 25ug/Kg corporal/hora, em crianças, e 1,0 mg/hora em adultos, ou mantida em aplicações“em bolo”, diminuindo-se a dose e ampliando-se o intervalo entre doses. Tal procedimentodeve ser feito com cautela, uma vez que a dose deve ser reajustada de acordo com amelhora clínica. A presença de taquicardia e hipertensão não contra-indica aatropinização. Critérios para espaçamento das doses (30/30 min.; 60/60 min.; 2/2 horas).Reversão do quadro e sinais de intoxicação atropínica (secura na boca, rubor facial,taquicardia, midriase, agitação psicomotora e alucinações). A antropinização deve sersuspensa quando o paciente estiver assintomático após algum tempo, com espaçamentode pelo menos 2 horas, e nunca antes disso, pois pode haver rebote e reaparecimento doquadro de intoxicação. Tal procedimento deve ser feito com cautela, uma vez que podehaver piora no quadro. Manter em observação por 72 horas, com monitorização cardio- 5
  6. 6. respiratório e oximetria de pulso. A ação letal dos organofosforados pode ser comumenteatribuída a insuficiência respiratória, pelos mecanismo de: broncoconstrição, secreçãopulmonar excessiva, falência da musculatura respiratória e conseqüente depressão docentro respiratório por hipóxia. Devido a esta complicação, manter monitoramento etratamento sintomático. É indicado supervisão do paciente por pelo menos 48 horas.Oximas (Contrathion) – são antídotos verdadeiros, reativadores da colinesterase. Deveser iniciado precocemente (nas 24 horas iniciais) e pode ter seu uso prolongado por até22 dias. Doses: adulto – 200 mg EV, em 50 ML de Sf a 0,9% de 6/6 horas; injeção EV em“bolus” de 30 mg/Kg de peso corporal ou ainda, 8-10 mg/Kg/h EV, até a plenarecuperação do paciente (2-4 dias em geral). Dose máxima de 2 g/dia. Crianças – 4 a 5mg/Kg EV, dose máxima de 30 mg/Kg/dia.Outros procedimentos: a) tratamento sintomático nos casos onde a intoxicação nãoestiver excluída; b)em caso de convulsão usar Benzodiazepínico; c) correção dosdistúrbios hidroeletrolíticos; d)contra-indicações – morfina, barbitúricos, reserpina,fenotiazínicos, aminofilina, teofilina e insulina. Recomenda-se consultar um Centro deControle de Intoxicações, quando houver dúvida, ou caso haja aparecimento da SíndromeIntermediária ou da Neuropatia Tardia. A primeira deve ser tratada com bloqueadorneuromuscular adespolarizante e (re)intubação do paciente, enquanto a segunda, damesma forma que a Síndrome de Guillain-barré Atípica, ou seja, plasmaférese efisioterapia motora. Contra-indicação: morfina, aminofilina e tranquilizantes.TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 08007010450Sintomas de Alarme:Fraqueza, dor de cabeça, opressão no peito, visão turva, pupilas não reativas, salivaçãoabundante, náuseas, vômito, diarréia e cólicas abdominais.Mecanismo de Ação, Absorção e Excreção:No homem, o metamidofós age sobre o sistema nervoso, inibindo atividade daacetilcolinesterase. Em estudo realizado com homens e mulheres observou-se que aatividade de colinesterase plasmática foi afetada, mas nenhum efeito foi observado nacolinesterase eritrocitária. Resíduos foram detectados na urina.Em ratos, o Metamidofós age sobre o sistema nervoso central e inibe a atividade dacolinesterase. O Metamidofós é rapidamente absorvido, distribuído nos órgãos e tecidos,sendo que as maiores concentrações foram encontradas no fígado. É excretadoprincipalmente pela urina e parte pela respiração e fezes.De 50 a 57% do produto administrado é eliminado entre 1º e o 3º dia.O metamidofós é rapidamente degredado via desaminação e/ou demetilação.Efeitos Agudos e Crônicos:Em estudos de laboratório em ratos, após administração oral, os sintomas começaram aaparecer dentro de 5 a 20 minutos, desaparecendo 4 a 6 dias após a aplicação. Viadermal, foram observados sintomas após 45 minutos, até cerca de 3 horas do tratamento,persistindo por até 7 dias. Em coelhos o produto não mostrou ser irritante à pele, nemirritante lesivo aos olhos. Não é sensibilizante dermal para cobaias, nem mostrou efeitosmutagênicos. Nos estudos crônicos, nas doses mais elevadas, foram observados reduçãona atividade da colinesterase e redução no ganho de peso nos animais. A dose de nãoefeito tóxico foi de 2 ppm.Os efeitos agudos e crônicos estão relacionados com efeitos muscarínicos, nicotínicos eneurológicos, os quais são:- Síndrome muscarínico, colinérgico ou parassimpaticomimétrico: é caracterizada pela miose, ambliopia (nem sempre), visão borrada, sialorréia, bradisfigmia, broncoespasmo com aumento das secreções brônquicas, tosse, vômitos, cólicas, 6
  7. 7. diarréia, apnéia, asfixia, colapso respiratório, disúria. Pode ocorrer ainda, conjuntivite, lacrimejamento, fadiga, cianose, fraqueza geral, tenesmo, anorexia, constrição torácica, etc., pode de início ocorrer midríase e só após algumas horas é que se instala a miose (caso mais grave). O acúmulo de secreções brônquicas pode levar a insuficiência respiratória por hipóxia.- Síndrome nicotínica: é caracterizada pela fasciculação muscular, tremores da língua, lábios, olhos, pálpebras, cãibras, mialgias, espasmos, hipertensão arterial passageira, espasmos e tremores da musculatura esquelética, seguidos por flacidez e paralisias.- Síndrome neurológica: observa-se um nível de colinesterase hemática muito baixo. Aparece cefaléia, ansiedade, tontura, confusão mental, convulsões (depressão da descarga frênica – convulsão de origem central), colapso, depressão dos centros cardio-respiratórios. O bloqueio cardíaco pode causar a morte. Tontura, distúrbios da palavra e coma tem sido observados.DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE, ARMAZENAMENTO,CONSERVAÇÃO, DESTINAÇÃO FINAL DE EMBALAGENS E RESÍDUO DEPRODUTOS E TRANSPORTE:1. PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:- Este produto é:( ) Altamente Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE I).(X) MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II).( ) Perigoso Ao Meio Ambiente (CLASSE III).( ) Pouco Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE IV).- Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para microcrustáceos.- Evite contaminação ambiental – Preserve a natureza.- Não utilize equipamento com vazamento.- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.- Aplique somente as doses recomendadas.- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d’água . Evite a contaminação da água.- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.2. INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:- Mantenha o produto em sua embalagem original , sempre fechada.- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.- A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente.- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. 7
  8. 8. - Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT.- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.3. INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:- Isole e sinalize a área contaminada.- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa SIPCAM AGRO S/A – Telefone de Emergência: (0XX11)55030550.- Utilize equipamento de proteção individual – EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara com filtros).- Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d’água. Siga as instruções abaixo:• Piso Pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com o auxilio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e devidamente identificado. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.• Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante pelo telefone indicado acima.• Corpos d’água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.- Em caso de incêndio, use jatos DE ÁGUA EM FORMA DE NEBLINA, CO2 OU PÓQUÍMICO, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.4. PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:- LAVAGEM DA EMBALAGEM Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmosEPI’s – Equipamentos de Proteção Individual – recomendados para o preparo da calda doproduto.- Tríplice lavagem (Lavagem Manual):Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamenteapós o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;- Adicione água limpa à embalagem até ¼ do seu volume;- Tampe bem a embalagem e agite-a por 30 segundos;- Despeje a água da lavagem no tanque do pulverizador;- Faça esta operação três vezes;- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo. 8
  9. 9. - Lavagem sob Pressão: Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os seguintes procedimentos :- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;- A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo. Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes procedimentos:- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas. O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra. Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade. O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.- TRANSPORTEAs embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas,medicamentos, rações, animais e pessoas.- PARA EMBALAGEM SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA) ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA 9
  10. 10. O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo o usuário, deveser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável,no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido oproduto ou no local indicado na nota, emitida pelo estabelecimento comercial.- TRANSPORTE As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas,medicamentos, rações, animais e pessoas.- DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários,somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmenteautorizadas pelos órgãos competentes.- É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO- EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meioambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e asaúde das pessoas.- PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso,consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para a sua devolução edestinação final. A desativação do produto é feita por incineração em fornos destinados para estetipo de operação, aprovados pelo órgão ambiental competente.- TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS O transporte está sujeito ás regras e aos procedimentos estabelecidos nalegislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto,bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados juntos de pessoas,animais, rações, medicamentos ou outros materiais. 10

×