Cosmo e matheus

512 views
414 views

Published on

este TRABALHO TEM O INTUITO DE DESCREVER UM POUCO SOBRE A história de como aconteceu o extrativismo vegetal na Amazónia e contar também o que o extravismo ajuda na vida das

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
512
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Cosmo e matheus

  1. 1. Extrativismo vegetal na Amazônia Escola : E.E Dona Consuelo Mülle r Matéria : Geografia Professor : Gilvano Série : 2º f 23/09/2011 Cosmo Júnior Matheus Carvalho Alunos :
  2. 2. Conclusão Extrativismo significa resumidamente todas as atividades de coleta de produtos naturais, sejam estes produtos de origem animal, vegetal ou mineral. É a mais antiga atividade humana, antecedendo a agricultura, a pecuária e a indústria. Praticada mundialmente através dos tempos por todas as sociedades. Até o início do século XIX o conceito de extrativismo baseava-se nas ideias dos Naturalistas, nas grandes descobertas científicas, nas grandes viagens, enfim, na "mãe natureza" e na riqueza nela contida, pensamento que foi reforçado pela Revolução Industrial e pelas teorias de Karl Marx, onde tudo era produto e que os recursos naturais passaram a ser chamados de Matérias-primas, tidas como inesgotáveis e seu consumo controlável pelo homem. Já no século XX com o avanço das tecnologias e do crescimento populacional, o homem começou a perceber que esta matéria-prima oriunda dos recursos naturais eram esgotáveis. Desta maneira surgiram novas idéias com relação a sustentabilidade dos ecossistemas, as quais foram colocadas em prática através dos chamados projetos de desenvolvimento sustentável.
  3. 3. Extrativismo significa resumidamente todas as atividades de coleta de produtos naturais, sejam estes produtos de origem animal, vegetal ou mineral. É a mais antiga atividade humana, antecedendo a agricultura, a pecuária e a indústria. Praticada mundialmente através dos tempos por todas as sociedades. Até o início do século XIX o conceito de extrativismo baseava-se nas idéias dos Naturalistas, nas grandes descobertas científicas, nas grandes viagens, enfim, na "mãe natureza" e na riqueza nela contida, pensamento que foi reforçado pela Revolução Industrial e pelas teorias de Karl Marx, onde tudo era produto e que os recursos naturais passaram a ser chamados de Matérias-primas, tidas como inesgotáveis e seu consumo controlável pelo homem. Já no século XX com o avanço das tecnologias e do crescimento populacional, o homem começou a perceber que esta matéria-prima oriunda dos recursos naturais eram esgotáveis. Desta maneira surgiram novas idéias com relação a sustentabilidade dos ecossistemas, as quais foram colocadas em prática através dos chamados projetos de desenvolvimento sustentável. Assim, um novo perfil sobre as atividades extrativistas no mundo começou a ser delineado e as ações do homem com relação ao extrativismo sofreram profundas alterações, o que inicialmente tinha apenas um caráter ideológico passou à prática e as ações de sustentabilidade tornaram-se perceptíveis.
  4. 4. O que é extrativismo ? O termo extrativismo, em geral é utilizado para designar toda atividade de coleta de produtos naturais, seja de origem mineral (exploração de minerais), animal (peles, carne, óleos), ou vegetal (madeiras, folhas, frutos...). Extrativismo significa resumidamente todas as atividades de coleta de produtos naturais, sejam estes produtos de origem animal,vegetal ou mineral. É a mais antiga atividade humana, antecedendo a agricultura, a pecuária e a industria . Praticada mundialmente através dos tempos por todas as sociedades.
  5. 6. Extrativismo vegetal É um processo de exploração dos recursos vegetais nativos (ou seja, naturais de um lugar), onde a pessoa apenas coleta ou apanha os produtos que vai encontrando em uma região. Não é um processo que produz muito, porque a pessoa tem que vagar pela mata ou campo à procura do seu objetivo: madeira, borrachas, ceras, fibras, frutos, nozes, produtos medicinais etc. A exploração da madeira é a principal atividade extrativa vegetal no Brasil. A madeira é retirada principalmente na Amazônia, provocando o desmatamento da floresta. Além da madeira, são extraídos produtos como a castanha-do-pará, o palmito, o látex de seringueira, o babaçu, e muitos outros produtos em todo o Brasil. Alguns desses produtos são extraídos de forma muito tradicional, não ocasionando um impacto tão grande na natureza como no caso da castanha-do-pará. 
  6. 7. O extrativismo é a principal atividade econômica na Mata dos Cocais. Milhares de pessoas vivem do extrativismo do coco de babaçu. A semente deste coco é utilizada como matéria-prima pelas indústrias de cosméticos, medicamentos e alimentos.   No lado leste da Mata, mais seco, predomina a carnaúba, que pode atingir até 20m de altura, cujas folhas retira-se a cera empregada como lubrificante na indústria eletrônica, de perfumaria, e na fabricação de plásticos e adesivos.   Embora aproveitada de maneira ordenada por várias comunidades extrativistas que exercem suas atividades sem prejudicar essa formação vegetal, a Mata de Cocais também é seriamente ameaçada pela ampliação das áreas de pasto para a pecuária, principalmente no Maranhão e no norte do Tocantins. Essa área ocupa menos de 3% da área total do Brasil
  7. 8. O extrativismo na amazônia O interesse econômico pela Amazônia despertou-se no século XVIII mediante a procura das chamadas "Drogas do Sertão", plantas medicinais, óleos, resinas, cacau, peles, peixes e carnes secas. Embora, naquele período, tivessem sido estabelecidas, às margens dos grandes rios, fazendas para pecuária e agricultura, - cacau, café, algodão, - estas significavam muito pouco, quando comparadas com as atividades extrativas. A participação dos índios e caboclos muito contribuiu para o crescimento do extrativismo, mas os índios, na maioria dos casos, eram perseguidos e obrigados a trabalhar para os colonizadores. Não é significativa a participação do negro no extrativismo na Amazônia.
  8. 9. <ul>Na Região Norte está localizado um importante ecossistema para o planeta: a Amazônia . Além da Amazônia, a região apresenta uma pequena faixa de mangue (no litoral) e alguns pontos de cerrado, e também alguns pontos de matas galerias. </ul>
  9. 10. Extrativismo na Amazônia A Região Norte é uma das cinco regiões brasileiras, sendo a mais extensa delas, com uma área de 3.869.637. Formada por sete estados: acre, amapá, amazonas , pará, Rondônia , Roraima e Tocantins . A Região Norte está localizada na região geoeconomia da amazônia entre o maciço das guianas (ao norte), o planalto central (ao sul), a cardinheiras dos andes (a oeste) e o oceano atlântico (a nordeste). Na região predomina o clima equatorial com exceção do norte do Pará, do sul do Amazonas e de Rondônia onde o clima é tropical.
  10. 11. Caracterização do extrativismo da borracha e da castanha O extrativismo da borracha e da castanha foi montado e se desenvolveu sobre dois grandes pilares: capital forâneo e latifúndio. Foram duas condicionantes porque: <ul><li>O empreendimento exigia capital, formando uma corrente desde o exportador que financiava o comprador na cidade, que por sua vez financiava os compradores intermediários e estes aos seringalistas os quais forneciam mantimentos aos seringueiros.
  11. 12. Para ser rentável, a extração exigia o latifúndio, em razão da baixa densidade das seringueiras e castanheiras na floresta. </li></ul>
  12. 13. O &quot;Seringal tradicional&quot;, expressão socioeconômica da Região, tinha as seguintes características: <ul><li>exclusividade do extrativismo e ausência de agricultura;
  13. 14. importação dos principais bens de consumo, deixando os seringueiros em total dependência do patrão;
  14. 15. custo de produção garantido pelo patrão, porém sem deixar margem de lucro ao seringueiro; era uma maneira de não deixá-lo sair da atividade, pois sempre era mantido como devedor do seu patrão;
  15. 16. descontos excessivos na pesagem da borracha e fixação de preços baixos. </li></ul>Hoje existem poucos seringais funcionando no modelo tradicional. Com a abertura de estradas e ramais e com o avanço da fronteira agrícola, apareceram muitos intermediários e aos poucos foi desaparecendo a figura do único patrão, dono do seringal, o seringalista.
  16. 17. EXTRATIVISMO VEGETAL Fim...

×