Your SlideShare is downloading. ×
0
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Rui Monteiro - Lafarge
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Rui Monteiro - Lafarge

1,087

Published on

O enfoque deste Workshop está na demonstração das oportunidades de intervenção que resultam da actual conjuntura no âmbito do PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA, dando relevo às …

O enfoque deste Workshop está na demonstração das oportunidades de intervenção que resultam da actual conjuntura no âmbito do PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA, dando relevo às medidas que se adaptam è reabilitação do meio edificado.

O Workshop é dirigido a todos os decisores que influenciam a qualidade de construção do meio edificado.

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,087
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Divisão de Agregados & BetãoDivisão de Agregados & Betão Construção Sustentável Ordem dos Arquitectos, 21 de Maio de 2010 Rui Monteiro
  • 2. O Grupo Lafarge Origem do Grupo Lafarge em 1833 Líder mundial em materiais de construção:  Nº1 em Cimento,  Nº2 em Agregados  Nº 3 em Betão e Gesso Vendas em 2008: 19.033 milhões € 84.000 empregados 2187 centros de produção em 89 países 500 pessoas dedicadas a R&D, 200 das quais doutoradas 21 de Maio de 2010 2
  • 3. Prioridades Lafarge  Ser a melhor empresa no ramo industrial em termos de Segurança  Assegurando um ambiente de trabalho seguro e saudável para os nossos “stakeholders”  Oferecer aos nossos clientes produtos inovadores e soluções que melhorem os modelos de construção  Investimento de 120 M€ em R&D em 2008.  Um compromisso com o Desenvolvimento Sustentável  Reduzir o nosso impacto no meio ambiente (redução de emissões de CO2; reabilitação de pedreiras, biodiversidade, diminuição de emissões NOx, SOx, e poeiras)  Objectivo: reduzir em 20% a emissão de CO 2 / Ton. de cimento entre 1990 e 2010. Realizado a 2008: - 18,2 %.  Cuidar das comunidades envolventes 21 de Maio de 2010 3
  • 4. Construção Sustentável: Os 6 desafios Lafarge 1. Pegada Ambiental: Redução das emissões de CO 2, incorporação de subprodutos no processo industrial (cinza volante, escória de alto forno), uso de combustíveis alternativos 2. Implementação local. Aos novos produtos desenvolvidos em laboratório, tem de corresponder uma aplicação em obra adequadas a cada realidade geográfica. 1. Oferta adaptada de serviços de valor acrescentado: 1. na cadeia logística, na diminuição do impacto no transporte, mantendo ou aumentando o nível de serviço ao cliente 2. no aconselhamento técnico, sobre as melhores soluções à medida de cada desafio 1. Custo Energético. 40% da necessidade energética mundial tem origem nos edifícios, e cerca de 80% desta é consumida durante o seu período de uso. 1. Adaptação a necessidades específicas. Clima, tipo de construção e nível de desenvolvimento dos diferentes países têm impacto no comportamento dos edifícios e no método construtivo utilizado. Oferta alargada de produtos soluções. Ex.:Portugal - Gama de solução de argamassas industriais estabilizadas. 1. Estética e Conforto, Gama de produtos diferenciada, de resistência e/ou durabilidade elevada, com possibilidade de integração em distintos elementos dos projectos 21 de Maio de 2010 4
  • 5. Desafio 4: Custo energético  Recorremos à ferramenta de Análise de Ciclo de Vida (ACV), como método científico de análise comparativa das soluções.  A ACV só tem significado quando se tem em consideração cada material, a sua interligação com os restantes, os métodos construtivos, as soluções arquitectónicas e mesmo as questões de planeamento urbanístico associadas.  Como tirar partido da inércia térmica do betão? 21 de Maio de 2010 5
  • 6. Betão: propriedades múltiplas  2º material mais consumido depois da água (>1m 3 per capita) 7 Bm3 /ano  Origem milenar, tornou-se nos últimos 100 anos o principal material de construção.  Propriedades Chave:  Resistência mecânica  Durabilidade  Inércia Térmica 200  Conforto acústico  150 Evolução da Resistência Moldabilidade/Adaptabilidade (SCC) Pa  Baixo teor de C02 M 100  Excelente relação qualidade/preço: disponibilidade de matéria prima em CO2/T Material Teor em todo 50o mundo, adaptabilidade de formulações a cada realidade, produzido betão 100 kg localmente tijolo cerâmico 200 kg 0 aço 1200 kg 1900 1910 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Ano 21 de Maio de 2010 6
  • 7. Inércia Térmica Capacidade de um material armazenar fluxos térmicos, para os restituir posteriormente. Conceito adoptado ao longo de séculos, nos métodos construtivos tradicionais, tendo em atenção as particularidades do clima mediterrânico, caracterizado por amplitudes térmicas diárias elevadas. O betão tem uma densidade elevada (2400 kg/m3) que lhe confere uma grande capacidade de acumular calor e suavizar gradientes térmicos para dentro dos edifícios. Permite criar conforto térmico e realizar economias de climatização/aquecimento, logo economias de energia. A solução tem de ser integrada: ao nível arquitectónico, projecto térmico, em termos da exposição solar do edifício, tipologia de vãos, possibilidade de ventilação natural… 21 de Maio de 2010 7
  • 8. Inércia Térmica Uma forma de potenciar o desempenho energético dos edifícios, passa por integrar o conceito de inércia térmica dos materiais aliado às soluções técnicas actuais em termos de isolamento térmico no exterior. Dia Noite Interior Exterior Interior Exterior Temp. Ext. Máx. Temp. Int. Máx. Gradiente térmico Ext. Temp. Int. Min. Temp. Ext. Mín. Isolamento Térmico Fachada de betão 21 de Maio de 2010 8
  • 9. Inovação e desenvolvimento: Aplicações  Ultra Series Poroso: betão com estrutura aberta que permite taxas de percolação de água de 100 a 320 l/min.m2, resistência até 25 MPa, possibilidade de incluir cor para obter efeitos estéticos.  Contribuição para a manutenção de níveis freáticos nos aquíferos. Desempenha um papel activo em situações de tempestade em ambiente urbano, diminuindo caudais a jusante. Aplicação em zonas de estacionamentos, caminhos pedonais, arranjos urbanísticos e camadas de protecção mecânica em coberturas . 21 de Maio de 2010 9
  • 10. 21 de Maio de 2010 10
  • 11. Inovação e desenvolvimento: Aplicações  Ultra Series Leve EPS: betonilha de regularização muito leve (450 kg/m3), condutividade térmica muito reduzida (0,16 W/K.m)  Aplicação em camadas de forma de edifícios, diminui o peso nas estruturas (menores recursos: aço, betão), pode funcionar como complemento em soluções de isolamento térmico .  Thermedia 0.6B: última inovação no domínio da construção sustentável – divide por 3 o coeficiente de transmissão térmica do betão (0,60 W/K.m) mantendo propriedades estruturais (25 MPa)  Aplicável em paredes de fachada de edifícios, diminui em 35% as perdas por efeito de ponte térmica. 21 de Maio de 2010 11
  • 12. Obrigado ! Contactos: rui.monteiro@pt.lafarge.com www.lafarge.com 21 de Maio de 2010 12

×