Your SlideShare is downloading. ×

Paulo Sarabanda - Magnetic Fields 18 Nov 2010 Braga

737
views

Published on

Em 2010, a Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL, em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Agência para a Energia (ADENE), visitará oito cidades no continente com os seus SEMINÁRIOS cujo …

Em 2010, a Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL, em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Agência para a Energia (ADENE), visitará oito cidades no continente com os seus SEMINÁRIOS cujo objectivo é colocar à disposição dos interessados a informação relevante sobre a Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior e sobre as medidas da Construção Sustentável, conducentes a uma prosperidade alargada.

Published in: Technology

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
737
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
19
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação Empresarial de Braga 18 de Novembro de 2010 ADENE – Agência para a Energia sce@adene.pt
  • 2. Sistema de Certificação Energética e da QAI (SCE) •  A Certificação - Panorama actual e futuro •  Certificado Energético e da QAI •  Potencial das Medidas de Melhoria •  Eficiência energética e incentivos •  Ponto de Situação do SCE •  Ponto de situação ao nível do País •  Ponto de situação ao nível do distrito de Braga •  Simulador
  • 3. Contexto Europeu - Directiva 2002/91/CE de 16 de Dezembro (EPBD) Suporte para a actual legislação nacional e responsável pela introdução de certificação •  Objectivo: Promover a melhoria do desempenho energético dos edifícios na Comunidade, tendo em conta: •  Estabeleceu requisitos em matéria de:   Metodologia de cálculo do desempenho energético integrado dos edifícios   Aplicação de requisitos mínimos para o desempenho energético dos novos edifícios   Aplicação de requisitos mínimos para o desempenho energético dos grandes edifícios existentes que sejam sujeitos a grandes obras de renovação   Certificação energética dos edifícios   Inspecção regular de caldeiras e instalações de ar condicionado nos edifícios e, complementarmente, avaliação da instalação de aquecimento quando as caldeiras tenham mais de 15 anos
  • 4. Transposição da Directiva em Portugal efectuada em 2006 Introdução do Sistema de Certificação Energética Nacional (SCE) - D.L. 78/2006 foi a novidade legislativa SCE - Dec. Lei 78/2006 RSECE - Dec. Lei 79/2006 RCCTE - Dec. Lei 80/2006 Transpõe Directiva 2002/91/CE para direito nacional 2006
  • 5.   Edifícios residenciais   Pequenos edifícios de serviços (P ≤ 25 kW)   Base da metodologia simplificada para certificação de Edifícios Existentes   Edifícios de serviços -  Grandes (>1000 m2 ou 500 m2) -  Pequenos com climatização (P > 25kW)   Edifícios de habitação com sistemas de climatização de P > 25kW Actual Regulamentação RCCTE e RSECE aplicam-se a edifícios de habitação de serviços respectivamente - RCCTE (Dec. Lei 80/2006) - RSECE (Dec. Lei 79/2006)
  • 6. Âmbito de aplicação do SCE Obrigatoriedade da emissão de um CE de acordo com calendarização definida na Portaria 461/2007 Edifícios Novos Edifícios Existentes Desde 1 Janeiro 2009 Desde 1 Julho 2007 Desde 1 Julho 2008
  • 7. Desafios da nova EPBD (ENERGY PERFORMANCE OF BUILDING DIRECTIVE) Directiva 2010/31/EU de 19 de Maio de 2010   Objectivo europeu "UE 20-20-20" em 2020:   redução de 20% nas emissões de GEE;   20% de energia proveniente de fontes renováveis;   aumento de 20% na eficiência energética;   Apresentação da classe energética na publicidade ao edifício a partir do momento em que seja colocado no mercado;   Requisitos mínimos baseados em critérios de viabilidade económica ao longo do ciclo de vida do edifício.
  • 8.   Metas nacionais ambiciosas e planos de incentivos para recuperação do parque edificado existente e para construção de novos “edifícios energia quase zero”.   Afixação de certificados energéticos na entrada dos edifícios públicos -  A partir de 2012 para edifícios com A>500 m2 de área útil, -  A partir de 2015 para edifícios com A>250 m2 de área útil;   “Edifícios energia quase zero” -  Novos edifícios públicos a partir de 2018, -  Todos os novos edifícios, a partir de 2020. Desafios da nova EPBD (ENERGY PERFORMANCE OF BUILDING DIRECTIVE) Edifícios de energia quase zero
  • 9. Em processo a nova Revisão Regulamentar Prevista publicação até 2011 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO: Grupo de Coordenação e Integração Grupo de trabalho SCE Grupo de trabalho RCCTE Grupo de trabalho RSECE - ENERGIA Grupo de trabalho RSECE - QAI Grupo de Coordenação e Integração • Principais funções • Visão estratégica • Coordenação geral • Integração de todas as áreas • Composição institucional
  • 10. Sistema de Certificação Energética e da QAI (SCE) •  A Certificação - Panorama actual e futuro •  Certificado Energético e da QAI •  Potencial das Medidas de Melhoria •  Eficiência energética e incentivos •  Ponto de Situação do SCE •  Ponto de situação ao nível do País •  Ponto de situação ao nível do distrito de Braga •  Simulador
  • 11. •  Identificação da fracção •  Etiqueta de Desempenho Energético •  9 classes (de A+ a G) •  Emissões de CO2 do edifício •  Desagregação necessidades de energia •  aquecimento, arrefecimento e águas quentes •  necessidades energia em kWh/m2.ano Certificado Energético (CE) Certificado informa de um modo simples e directo
  • 12. 12 •  Propostas de medidas –  Redução estimada de energia –  Investimento estimado –  Pay-back simples •  Nova Classe Energética –  se implementadas parte ou a totalidade das medidas Certificado Energético Informação sobre medidas de melhoria de desempenho
  • 13. 13 Certificado Energético Restante informação disponível •  Campos descritivos dos elementos mais relevantes a nível regulamentar: –  Paredes, coberturas e pavimentos (incluindo pontes térmicas planas) –  Vãos envidraçados –  Sistemas de climatização (aquecimento e/ ou arrefecimento) –  Produção de AQS (energia não renovável) –  Sistemas de aproveitamento de energias renováveis : •  Colectores solares •  Outros sistemas –  Ventilação
  • 14. Classificação energética Uma casa eficiente pode consumir menos de ¼ do consumo de referência Classe energética Comparação com consumo de referência A+ Menos 25% consumo de referência A Entre 25% a 50% B 50% a 75% B- 75% a 100% C 100% a 150% D 150% a 200% E 200% a 250% F Entre 250% a 300% G Mais de 300% consumo de referência   Classificação baseada no consumo de energia para climatização e AQS   Iluminação não afecta classificação energética no sector residencial
  • 15. Bolsa de Peritos Qualificados Pesquisa www.adene.pt www.casacertificada.pt
  • 16. Sistema de Certificação Energética e da QAI (SCE) •  A Certificação - Panorama actual e futuro •  Certificado Energético e da QAI •  Potencial das Medidas de Melhoria •  Eficiência energética e incentivos •  Ponto de Situação do SCE •  Ponto de situação ao nível do País •  Ponto de situação ao nível do distrito de Braga •  Simulador
  • 17. Propostas de medidas de melhoria nos certificados São a ferramenta indutora de impacto da certificação energética - Descrição sucinta das oportunidade de melhoria identificadas - Intervalos para:  Redução da factura  Custo investimento  Período de retorno - Nova classe energética se todas as medidas assinaladas forem implementadas
  • 18. Correcção de patologias construtivas Redução das necessidades de energia útil por intervenção na envolvente Utilização de energias renováveis Eficiência dos sistemas Estudo das medidas de melhoria - DESPACHO N.º 11020/2009 DE 30 ABRIL É obrigatório para os edifícios existentes e deve respeitar hierarquia de opções Hierarquia do estudo de propostas de medidas de melhoria
  • 19. Sistema de Certificação Energética e da QAI (SCE) •  A Certificação - Panorama actual e futuro •  Certificado Energético e da QAI •  Potencial das Medidas de Melhoria •  Eficiência energética e incentivos •  Ponto de Situação do SCE •  Ponto de situação ao nível do País •  Ponto de situação ao nível do distrito de Braga •  Simulador
  • 20. Incentivos e apoios Base para a operacionalização e implementação de incentivos Plano Nacional de Acção para a Eficiência energética (PNAEE) Resolução do Conselho de Ministros n.º 80/2008   OBJECTIVO ATÉ 2015:   Operacionalização de 12 programas para eficiência energética   Sectores dos Transportes, Residencial & Serviços, Indústria, Comportamentos, Estado, etc… •  Redução de consumo energia final em 10% até 2015 Estratégia Nacional para a Energia 2020 (ENE2020) -  Resolução do Conselho de Ministros nº 29/2010   OBJECTIVO PARA PRÓXIMA DECADA:   Promoção da Eficiência Energética   Aposta nas Energias Renováveis •  31% do consumo de energia final •  60% da energia eléctrica em Portugal •  Redução de consumo energia final em 20% até 2020 2015 2020
  • 21. Incentivos e apoios VANTAGENS PARA AS CLASSES DE DESEMPENHO ENERGÉTICO MAIS EFICIENTES - Bonificação em 10% de dedução à colecta de IRS dos custos com crédito à habitação nas casas com classe A ou A+. -  A - A+ -  IRS - IMI - Lisboa - Redução em 25% para edifícios que tenham classe energética A e em 50% em imóveis com classe energética A +. -  A - A+ - Gaia - Redução até 70% nas taxas de licenciamento por implementação de energias renováveis. Benefício adicional de 15% em imóveis com classe energética A +. - A+ - Taxas de Licenciamento - Geral - Redução até 10% para os edifícios que utilizem técnicas ambientalmente sustentáveis, activas ou passivas. - Revisão do PDM - Créditos de edificabilidade – Para os investimentos que promovam a eficiência energética, recebem direitos de edificabilidade; - A+ - NOVO CONCEITO – BÓNUS DE EDIFICABILIDADE - Lisboa - Porto
  • 22. Outras medidas e incentivos Continuação de planos de deduções fiscais para as energias renováveis para 2011  Ano 2009 – Comparticipação na aquisição sistemas solares térmicos no valor € 1.641,70 para particulares e IPSS;  IVA – Tributação a 13% na aquisição de aparelhos, máquinas e outros equipamentos destinados à captação e aproveitamento de energia solar, eólica e geotérmica;  IRS – Benefícios fiscais de 30% dedutíveis à colecta na aquisição de equip. novos para utilização energias renováveis;  Microgeração – Novo Decreto-lei Nº 118-A/2010 , que visa simplificar e incentivar os novos microprodutores, através de novas tarifas: REGIME GERAL E BONIFICADO: Tarifa de referência de €400/MWh (1º período) e de €240/ MWh (2º período);  Dedução dos custos do certificado energético, nas mais- valias da venda do imóvel ( cod.51 do CIRS).  Incentivos à Reabilitação Urbana, com deduções à colecta em sede de IRS  Orçamento de Estado 2010  Promoção de intervenções de reabilitação que melhorem a eficiência energética dos edifícios existentes: - incentivo ao isolamento térmico (fachadas, pavimentos e coberturas) - melhoria das características térmicas dos vãos envidraçados (caixilharia, vidro e protecções solares). - Este incentivo está concretizado também em sede de deduções à colecta no IRS – Portaria 303/2010  AVISOS QREN APOIO À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: . Colectores Solares térmicos; - Equipamentos mais eficientes; - Isolamentos Térmicos; - Envidraçados - Fotovoltaico para consumo próprio;  AVISO Nº03/SI/2010 Dirigido ás PME DOTAÇÃO : 9.5 milhões euros  AVISOS REGIONAIS Dirigido às IPSS/ ADUP DOTAÇÃO :21.5 milhões euros www.renovaveisnahora.pt www.paineissolares.gov.pt
  • 23. •  A Certificação - Panorama actual e futuro •  Processo de Certificação Energética •  Eficiência energética e incentivos •  Certificação Energética •  Ponto de situação ao nível do País •  Ponto de situação ao nível do distrito de Braga •  Simulador Certificação Energética de Edifícios
  • 24. Emissão mensal de CEs/DCRs ronda os 15000 registos, em 2010 76% dos documentos registados no SCE correspondem a edifícios existentes  ~339 590 CE’s emitidos  ~3000 DCR’s por mês  ~12000 CE por mês Informação adicional DCR – Certificados em fase de projecto CE/DCR – Certificados após DCR’s CE – Certificados de edifícios existentes 855 13042 2117 2514 2630 2737 3757 2528 3307 2740 3108 3463 3627 3086 2933 2900 3597 2868 2843 3105 3248 2098 2695 2678 9
 6
 23
 3
 35
 9
 45
 52
 12
 90
 43
 112
 82
 85
 143
 210
 308
 206
 191
 272
 325
 533
 412
 1 715 7715 11822 1656215827 15544 14052 15055 11089 11961 1216811529 104301056810622 12456 11932 105929969 10371 8837 9123 8966 Jan2009 Fev2009 Mar2009 Abr2009 Mai2009 Jun2009 Jul2009 Ago2009 Set2009 Out2009 Nov2009 Dez2009 Jan2010 Fev2010 Mar2010 Abr2010 Mai2010 Jun2010 Jul2010 Ago2010 Set2010 Out2010 Ano 2007 Ano 2008 Ano 2009 Ano 2010 0 2000 4000 6000 8000 10000 12000 14000 16000 18000 20000 CE
 CE/DCR
 DCR

  • 25. Classes A e B predominam nos novos edifícios Cerca de 60% dos edifícios existentes abaixo do limiar aplicável a novos edifícios (B-) O Tipo de Edifícios mais certificados são os RESIDENCIAIS 91%
 9%
 Residencial
 Serviços





 Edifícios novos % de DCR e CE/DCR por classes 11% 38% 28% 20% A+ A B B- Edifícios existentes % de CE por classes 0.5% 4.3% 21.4% 11.5% 32.5% 14.3% 7.7% 2.5% 5.3% A+ A B B- C D E F G A CLASSE C é a representativa a nível nacional
  • 26. Cerca de metade dos edifícios certificados são recentes Mais de 80% dos edifícios construídos antes de 2000 são classe C ou inferior 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Antes 1950 1950 a 1959 1960 a 1969 1970 a 1979 1980 a 1989 1990 a 1999 2000 a 2005 2006 a 2009 % do total de certificados edifícios existentes 0% 20% 40% 60% 80% 100% Anterior a 1950 1950-1959 1960-1969 1970-1979 1980-1989 1990-1999 2000-2005 2006-2010 Entre A+ e B- Entre C e G
  • 27. Grande maioria dos edifícios novos já prevê solar térmico Situação inverte-se nos edifícios existentes: apenas 7% com sistemas instalados Fracções de habitação com sistema solar Esolar (GWh/ano) Energia primária (ktep/ ano) Novos (DCRs) 39816 56 - 98 4,8 – 28,3 Existentes (CEs) 6979 10 - 17 0,8 – 5,0
  • 28. 0.5% 4.3% 21,4% 11.5% 32,5% 14,3% 7,7% 2,5% 5,3% A+ A B B- C D E F G Cenário real % de CE por classes 5,5% 31,0% 30,1% 18,5% 9,5% 3,7% 1.1% 0.3% 0.3% A+ A B B- C D E F G Medidas implementadas % de CE por classes 62% abaixo de B- 85% acima do limite mínimo para edifícios novos Impacto das medidas de melhoria Potencial de melhoria se forem implementadas todas as Medidas de Melhoria identificadas pelos PQ’s
  • 29. - O ESTUDO DAS MEDIDAS DE MELHORIA - NOS EDIFICIOS EXISTENTES É VALORIZADA A SUA INFORMAÇÃOS NOS CERTIFICADOS ENERGÉTICOS 6%
 94%
 CE
sem
MM
 CE
com
MM
 -  INCIDÊNCIA DAS MEDIDAS DE MELHORIA -  IDENTIFICADAS NOS CE EMITIDOS AQS
 31%
 Climatização
 15%
 Envolventes
 Opacas
 18%
 Energias
 Renováveis
 22%
 Vãos
 Envidraçados
 11%
 Ventilação
 4%
 - 2/3 DAS MEDIDAS INCIDEM SOBRE A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DOS EQUIPAMENTOS (AQS E CLIMATIZAÇÃO) E SOBRE O RECURSO ÀS ENERGIAS RENOVÁVEIS (COLECTORES SOLARES TÉRMICOS). Quantificação das medidas de melhoria mais sugeridas Necessidades de reforço do estudo de m.melhoria conducentes á redução das necessidades energéticas
  • 30. Distrito de Braga Certificação Energética a 31.Out.2010 Distrito
 Nº
Ces
 %
 RanK
 Lisboa

 87904
 28%
 1
 Porto
 53701
 17%
 2
 Braga
 17502
 6%
 5
 4994 Un 2833 Un 2833 Un 29% 16% 16% 0 1000 2000 3000 4000 5000 6000 Amares Barcelos Braga Cabeceiras de Basto Celorico de Basto Esposende Fafe Guimarães POVOA DE LANHOSO Terras de Bouro Vieira do Minho Vila Nova de Famalicão Vila Verde Vizela Braga PortugalContinental DCR CE/DCR CE
  • 31. Distrito de Braga Evolução de classes energéticas até 31.Out.2010   O distrito de Braga confirma a tendência Nacional, sendo a classe energética mais representativa a classe C 1.0%
 6.0%
 24.6%
 11.2%
 28.0%
 15.8%
 6.4%
 2.2%
 4.9%
 A+
 A
 B
 B‐
 C
 D
 E
 F
 G

  • 32. •  A Certificação - Panorama actual e futuro •  Processo de Certificação Energética •  Eficiência energética e incentivos •  Certificação Energética •  Ponto de situação ao nível do País •  Ponto de situação ao nível do distrito de Braga •  Simulador Certificação Energética de Edifícios
  • 33. Simulador de Eficiência Energética em Edifícios casA+
  • 34. A nossa página na Web já teve mais de 28.000 visitas www.casamais.adene.pt Página disponível desde Setembro de 2009 Em média 50 visitas/ dia Todos os continentes Mais de 100 Países JAMAICA BURKINA FASO YEMEN GEORGIA JAPÃO MALI
  • 35. Portugal considerado um caso de sucesso na certificação Estudo da ECEEE aponta Portugal como exemplo a seguir
  • 36. www.adene.pt MUITO OBRIGADO