COV’S
                          NOVAS TECNOLOGIAS
                           Tintas Decorativas

WORKSHOP: INOVAÇÃO E ECO-...
COV’S
NOVAS TECNOLOGIAS
Tintas Decorativas


 •   Qualidade do ar
 •   COV’s
 •   Emissão COV’s
 •   Poluição do ar
 •   O...
COV’S
NOVAS TECNOLOGIAS
Tintas Decorativas

•   Futuras directivas
•   O mercado Europeu de tintas decorativas
•   Tintas ...
Qualidade do Ar



 • Na União Europeia há um enorme interesse na
   melhoria da qualidade do ar, dando particular atenção...
COV’s
Compostos Orgânicos Voláteis




 • Compostos orgânicos com um ponto de ebulição
   inicial menor ou igual a 250 ºC ...
Emissão COV’s




  • COV’s mais comuns na actividade industrial

   Solventes (ex: tolueno, xileno, éteres glicólicos,
  ...
Emissão COV’s
Tintas Decorativas




 • Solventes emitidos durante a aplicação e secagem
   das tintas e vernizes

 • Solv...
Poluição do Ar




“Living in the Environment”, Miller, 10th edition in Instituto do Ambiente, 2005
Ozono Troposférico
                     * Eniscuola.net
Efeito estufa

                *( Alterações climatéricas - o efeito estufa – E)
Efeitos da emissão COV’s



 • O uso de Tintas Decorativas contribui para a
   emissão de COV’s para a atmosfera

 • Origi...
Regulamentação das emissões de COV´s
no Sector das Tintas


 • Directiva 2004/42/CE
    “relativa à limitação das emissões...
Directiva 2004/42/CE
(DL 181/2006)


 • Informar correctamente os consumidores

 • Melhorar a qualidade do ar -redução pol...
Directiva 2004/42/CE
(DL 181/2006)
  •OBJECTIVO

  Reduzir a poluição atmosférica resultante do contributo das emissões de...
Directiva 2004/42/CE
(DL 181/2006)

• 12 subcategorias de produtos



• Base Aquosa ou Base Solvente



• Valores limite d...
ANEXO II
(TEOR MAXIMO COV PARA TINTAS E VERNIZES)
                                                                        ...
Revisão da Directiva 2004/42/CE (categorias d,e,f)
COV’s - Propostas novos limites interiores BS


          Subcategoria ...
Futuras Directivas


    •Directiva sobre Tectos de Emissão exigirá que os
 estados membros da UE reduzam as suas emissões...
O MERCADO EUROPEU DE TINTAS
DECORATIVAS *

  •Volume de negócios: ca. 7.000.000.000 Euros

  •Número de fabricantes: ca. 3...
TINTAS DECORATIVAS


 • Tecnologia Base Solvente

 • Tecnologia Base Aquosa

 • Tintas Decorativas utilizadas na União Eur...
NOVAS TECNOLOGIAS


  •Incremento na actividade ID - redução COV’ s (novos
  limites categorias d,e,f ) / Novas tecnologia...
Novas tecnologias de produtos
Parcerias


 Universidades
 •   UA-CICECO
 •   UC-CTUC
 •   UM-DF
 •   UP-FEUP


 Projectos ...
Novas tecnologias de produtos


 Efeito da ilha de calor à escala urbana




 Tinta para controlo da radiação solar
Efeito Ilha de calor à
escala urbana
 • O desenvolvimento das áreas urbanas provocam a
   alteração da paisagem

 • Edifíc...
Efeito Ilha de calor à escala
urbana
 • Numa cidade com 1 milhão de habitantes a
   temperatura média anual é de ca. 1 a 3...
Efeito Ilha de calor à escala
urbana

 • Maior consumo de energia (cerca de 5 a 10 % nos
   picos de calor) - maior utiliz...
Efeito Ilha de calor à escala
urbana



Exemplos para minimizar efeito ilha de calor

• Tinta para controlo da radiação so...
Espectro da Radiação Solar
Transferência de calor
Transferência de calor


 Materiais utilizados nos telhados

 • Baixa reflectividade solar (ca.5 a 15% )

 • Elevada absor...
Tinta para controlo da radiação
solar

•   Projecto Investigação

•   Tinta para controlo da radiação solar

•   Diminuiçã...
Tinta para controlo da radiação
solar

 •   Aumentam a emissividade térmica para o exterior

 •   Redução da carga térmica...
Tintas no âmbito do Regulamento das
Características de Comportamento Térmico dos
Edifícios (RCCTE) - DL n.º 80/2006, de 4 ...
Tintas no âmbito do Regulamento das
Características de Comportamento Térmico dos
Edifícios (RCCTE) - DL n.º 80/2006, de 4 ...
Tinta para controlo da radiação
solar/térmica
Tintas no âmbito do Regulamento dos Sistemas
 Energéticos de Climatização
em Edifícios (RSECE) - DL n.º 79/2006, de 4 de A...
Tintas no âmbito do RSECE - parecer da
ADENE (Agência para a Energia)

Tintas e vernizes para aplicação em edifícios, abra...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

06 Cin 230909

780

Published on

Filomena Braga - CIN

Published in: Design, Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
780
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
26
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

06 Cin 230909

  1. 1. COV’S NOVAS TECNOLOGIAS Tintas Decorativas WORKSHOP: INOVAÇÃO E ECO-DESIGN PARA UMA MAIS ELEVADA QUALIDADE DE VIDA NOS EDIFÍCIOS Filomena Braga Setembro 2009
  2. 2. COV’S NOVAS TECNOLOGIAS Tintas Decorativas • Qualidade do ar • COV’s • Emissão COV’s • Poluição do ar • Ozono troposférico • Efeito estufa • Efeitos da emissão COV’s • Directiva 2004/42/CE (DL 181/2006) • Anexo II (Teor máximo COV para Tintas e Vernizes) • Revisão da directiva 2004/42/CE / COV’s - propostas novos limites
  3. 3. COV’S NOVAS TECNOLOGIAS Tintas Decorativas • Futuras directivas • O mercado Europeu de tintas decorativas • Tintas decorativas • Novas tecnologias de produtos/parcerias • Efeito “ilha de calor” à escala urbana • Espectro da radiação solar • Transferência de calor • Tinta para controlo da radiação solar • Tintas no âmbito do RCCTE • Tintas no âmbito do RSECE - parecer da ADENE
  4. 4. Qualidade do Ar • Na União Europeia há um enorme interesse na melhoria da qualidade do ar, dando particular atenção à redução da emissão de óxidos de enxofre e nitrogénio, amónia e compostos orgânicos voláteis (COV’s) • A redução da emissão de COV’s tem particular importância para a indústria das Tintas
  5. 5. COV’s Compostos Orgânicos Voláteis • Compostos orgânicos com um ponto de ebulição inicial menor ou igual a 250 ºC a uma pressão de 101,3 KPa • Evaporam facilmente a temperaturas inferiores ao seu ponto de ebulição
  6. 6. Emissão COV’s • COV’s mais comuns na actividade industrial Solventes (ex: tolueno, xileno, éteres glicólicos, destilados de petróleo, etc...) Lubrificantes Diluentes Combustíveis líquidos (gasolina, gasóleo…)
  7. 7. Emissão COV’s Tintas Decorativas • Solventes emitidos durante a aplicação e secagem das tintas e vernizes • Solventes utilizados na limpeza do material de aplicação
  8. 8. Poluição do Ar “Living in the Environment”, Miller, 10th edition in Instituto do Ambiente, 2005
  9. 9. Ozono Troposférico * Eniscuola.net
  10. 10. Efeito estufa *( Alterações climatéricas - o efeito estufa – E)
  11. 11. Efeitos da emissão COV’s • O uso de Tintas Decorativas contribui para a emissão de COV’s para a atmosfera • Origina cerca de 550.000 toneladas de emissões de COV’s (incluindo o uso associado de solvente principalmente para limpeza) o que representa menos de 3% das emissões totais na União Europeia
  12. 12. Regulamentação das emissões de COV´s no Sector das Tintas • Directiva 2004/42/CE “relativa à limitação das emissões de compostos orgânicos voláteis resultantes da utilização de solventes orgânicos em determinadas tintas e vernizes e de repintura automóvel” • DL 181/2006 Transposta para legislação portuguesa em 6 SET.2006
  13. 13. Directiva 2004/42/CE (DL 181/2006) • Informar correctamente os consumidores • Melhorar a qualidade do ar -redução poluição atmosférica • Proteger a saúde dos cidadãos
  14. 14. Directiva 2004/42/CE (DL 181/2006) •OBJECTIVO Reduzir a poluição atmosférica resultante do contributo das emissões de COV’s para a formação de ozono troposférico •Âmbito Produtos de revestimento para aplicação em edifícios, seus remates e guarnições e estruturas associadas, para fins decorativos, funcionais e protectores •Proposta Redução da emissão de COV na Europa em cerca de 45%
  15. 15. Directiva 2004/42/CE (DL 181/2006) • 12 subcategorias de produtos • Base Aquosa ou Base Solvente • Valores limite de COV’ s (produto pronto a utilizar (g/l)) • Fase: 2010
  16. 16. ANEXO II (TEOR MAXIMO COV PARA TINTAS E VERNIZES) Fase II, g/L* Subcategoria de produto Tipo (a partir de 01.01.2010) a Tintas mate para paredes e tectos interiores (brilho BA 30 <25@60º) BS 30 b Tintas brilhantes para paredes e tectos interiores (brilho BA 100 >25@60º) BS 100 c Tintas para paredes exteriores de substrato mineral BA 40 BS 430 d Tintas para remates e painéis interiores/exteriores de BA 130 madeira ou metal BS 300 e Vernizes e lasures para remates interiores/exteriores, BA 130 incluindo lasures opacas BS 400 f Lasures com poder de enchimento mínimo para interiores BA 130 e exteriores BS 700 * Teor de COV (Massa de compostos orgânicos voláteis expressa em g/l na formulação do produto pronta a utilizar).
  17. 17. Revisão da Directiva 2004/42/CE (categorias d,e,f) COV’s - Propostas novos limites interiores BS Subcategoria de produto Tipo Nova Fase , g/L* d Tintas para remates e painéis interiores de madeira ou BA 130 metal BS 130 d Tintas para remates e painéis exteriores de madeira ou BA 130 metal BS 300 e Vernizes e lasures para remates interiores, incluindo BA 130 lasures opacas BS 130 e Vernizes e lasures para remates exteriores, incluindo BA 130 lasures opacas BS 400 f Lasures com poder de enchimento mínimo para BA 130 interiores BS 130 f Lasures com poder de enchimento mínimo para exteriores BA 130 BS 700 * Teor de COV (Massa de compostos orgânicos voláteis expressa em g/l na formulação do produto pronta a utilizar).
  18. 18. Futuras Directivas •Directiva sobre Tectos de Emissão exigirá que os estados membros da UE reduzam as suas emissões de vários poluentes do ar, incluindo COV’s, para níveis mais baixos, a partir do ano 2010 •Directiva sobre o ozono exigirá que os estados membros tomem medidas adicionais para limitar a concentração de ozono no ar a um nível máximo de 120 microgramas por metro cúbico
  19. 19. O MERCADO EUROPEU DE TINTAS DECORATIVAS * •Volume de negócios: ca. 7.000.000.000 Euros •Número de fabricantes: ca. 3000 •Quota de mercado: 60% •Nº utilizadores profissionais: ca. 2.500.000 •Nº utilizadores DIY: ca. 100.000.000 * (A redução de COV nas tintas Decorativas -elaborado CEPE) – Ano 2002
  20. 20. TINTAS DECORATIVAS • Tecnologia Base Solvente • Tecnologia Base Aquosa • Tintas Decorativas utilizadas na União Europeia – ca. 70% são de base aquosa • A emissão de solventes provém tanto das tintas de base aquosa como das tintas de base solvente
  21. 21. NOVAS TECNOLOGIAS •Incremento na actividade ID - redução COV’ s (novos limites categorias d,e,f ) / Novas tecnologias •Novos desenvolvimentos de produtos de base solvente com alto conteúdo em sólidos •Novos desenvolvimentos de produtos de base aquosa •Novas tecnologias de produtos - Parcerias com Universidades
  22. 22. Novas tecnologias de produtos Parcerias Universidades • UA-CICECO • UC-CTUC • UM-DF • UP-FEUP Projectos de Investigação Projectos de Mestrado Integrado
  23. 23. Novas tecnologias de produtos Efeito da ilha de calor à escala urbana Tinta para controlo da radiação solar
  24. 24. Efeito Ilha de calor à escala urbana • O desenvolvimento das áreas urbanas provocam a alteração da paisagem • Edifícios, estradas e outras infra-estruturas reduzem as superfícies naturais e vegetação • Ilha de calor superfícies e ambiente • Num dia quente de verão duma cidade as superfícies expostas à energia solar (telhados, pavimentos, etc), aquecem mais do que a temperatura ambiente (até cerca de 20ºC)
  25. 25. Efeito Ilha de calor à escala urbana • Numa cidade com 1 milhão de habitantes a temperatura média anual é de ca. 1 a 3 ºC mais quente do que nas áreas suburbanas; no entanto à noite o diferencial pode ser muito superior (até ca.12 ºC). Esta situação é devida à lenta libertação de calor acumulado nos edifícios e infra-estruturas urbanas.* • Estas alterações tornam as áreas urbanas mais quentes do que as áreas rurais e suburbanas, tendo a aparência de uma “ilha” num mapa com linhas isotérmicas * (U.S. Environmental Protection Agency )
  26. 26. Efeito Ilha de calor à escala urbana • Maior consumo de energia (cerca de 5 a 10 % nos picos de calor) - maior utilização ar condicionado Efeitos associados • Pior qualidade do ar - emissão gases resultantes da actividade industrial e dos meios de transporte (aumento efeito estufa) • Problemas de saúde dos cidadãos - problemas respiratórios, exaustão (calor) e mortalidade
  27. 27. Efeito Ilha de calor à escala urbana Exemplos para minimizar efeito ilha de calor • Tinta para controlo da radiação solar • Aumentar nº árvores e vegetação
  28. 28. Espectro da Radiação Solar
  29. 29. Transferência de calor
  30. 30. Transferência de calor Materiais utilizados nos telhados • Baixa reflectividade solar (ca.5 a 15% ) • Elevada absortividade solar (ca. 85 a 95% ) • Não existe praticamente radiação reflectida para a atmosfera • Elevada emissividade térmica para o interior do edifício
  31. 31. Tinta para controlo da radiação solar • Projecto Investigação • Tinta para controlo da radiação solar • Diminuição carga térmica solar • Matérias primas específicas • Provocam o aumento da reflectividade da radiação solar • Diminuem a transferência de calor através da película de tinta (menor absortividade solar)
  32. 32. Tinta para controlo da radiação solar • Aumentam a emissividade térmica para o exterior • Redução da carga térmica para o interior dos edifícios • Maior conforto térmico no interior dos edifícios • Menor consumo energia para arrefecimento (ar condicionado) • Redução da temperatura ambiente no exterior • Diminuição do efeito de ilha de calor à escala urbana
  33. 33. Tintas no âmbito do Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE) - DL n.º 80/2006, de 4 de Abril • RCCTE Requisitos ao projecto de novos edifícios e de grandes remodelações por forma a salvaguardar a satisfação das condições de conforto térmico nesses edifícios sem necessidades excessivas de energia quer no Inverno quer no Verão • Tinta para controlo radiação solar – Telhados • Tinta para controlo radiação solar – Fachadas Menor necessidade energética de arrefecimento no interior dos edifícios
  34. 34. Tintas no âmbito do Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE) - DL n.º 80/2006, de 4 de Abril • Futuro Tinta para controlo radiação térmica – Interior Menor necessidade energéticas de aquecimento no interior do edifícios
  35. 35. Tinta para controlo da radiação solar/térmica
  36. 36. Tintas no âmbito do Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE) - DL n.º 79/2006, de 4 de Abril O Decreto-Lei n.º 79/2006, de 4 de Abril, aprova o RSECE e transpõe parcialmente as medidas impostas pela Directiva 2002/91/CE, relativa ao desempenho energético dos edifícios. Entre outras, impõe regras que conduzam à manutenção de uma boa qualidade do ar interior (QAI), estabelecendo requisitos e parâmetros.
  37. 37. Tintas no âmbito do RSECE - parecer da ADENE (Agência para a Energia) Tintas e vernizes para aplicação em edifícios, abrangidas pelo DL181/2006, de 6 de Setembro (Directiva COV produtos), desde que cumpram os requisitos desta legislação, são considerados materiais ecologicamente limpos, no âmbito do RSECE, de acordo com a ADENE e tendo como fonte a APA – Agência Portuguesa do Ambiente. APT (Associação Portuguesa de Tintas) Abril de 2009
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×