• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
02 Carlos Pedro Ferreira 10 Dec 2009 Madeira
 

02 Carlos Pedro Ferreira 10 Dec 2009 Madeira

on

  • 963 views

O último WORKSHOP em 2009 promovido pela Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL em parceira com a Agência para a Energia (ADENE) e a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), dedicado ao tema da ...

O último WORKSHOP em 2009 promovido pela Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL em parceira com a Agência para a Energia (ADENE) e a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), dedicado ao tema da “Qualidade do Ar Interior” no Funchal, no dia 10 de Dezembro 2009.

Statistics

Views

Total Views
963
Views on SlideShare
960
Embed Views
3

Actions

Likes
0
Downloads
9
Comments
0

2 Embeds 3

http://www.slideshare.net 2
http://static.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    02 Carlos Pedro Ferreira 10 Dec 2009 Madeira 02 Carlos Pedro Ferreira 10 Dec 2009 Madeira Presentation Transcript

    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt RSECE-QAI Caracterização e análise do ar interior Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt 3. Exemplos de caracterização e análise química Estudo comparativo de metodologias de amostragem e medição do ar interior; Comparação entre o método de referência gravimétrico e um método de medição directa de PM10; Comparação entre o método de referência para determinação de bactérias e fungos – burbulhamento; Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Caso de estudo – PM10 edifício residencial  Projecto final de curso de Engenharia do Ambiente (parceria Departamento de Ambiente da UA – Grupo Sondar);  Estudo comparativo de metodologias de amostragem e medição que caracterizarão a QAI no âmbito do RSECE;  Realizar um caso de estudo nas residências universitárias da UA – amostragem e medição de PM10;  Este caso de estudo constitui uma ferramenta auxiliar de avaliação de diferentes metodologias de amostragem e medição de poluentes! Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Mas porquê um estudo sobre partículas? As PM10 são um importante parâmetro de caracterização da QAI; Emitidas por um conjunto alargado de fontes, encontrando-se normalmente presentes em ambientes interiores; Poluente causador de problemas de saúde, como a Asma e Alergias, que afectam uma grande percentagem da população. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Caso de estudo – PM10 objectivos  Conhecer as gamas de concentração em edifícios residenciais durante períodos distintos;  Testar o método gravimétrico para períodos de 12 horas;  Observar as variações das concentrações de PM10 ao longo do dia, através da aplicação de métodos contínuos;  Verificar a correlação entre o método gravimétrico e 2 métodos contínuos. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Caso de estudo – equipamentos Utilização de 3 equipamentos de medição, com modos de funcionamento distintos: - Tecora ECO PM – método EPA PM10 (EPA) (Q=16,67 l/min); - Tecora ECO PM – cabeça de amostragem PM10 método EN 12341 (Q=38,33 l/min); Amostrador TOPAS – light scattering; Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Amostrador de baixo caudal para PM10 Aplicação da Norma EN12341; Aplicação do método EN, com a amostragem a decorrer a um caudal de 38,33 l/min. Aplicação do método EPA: Caudal de 16,87 l/min. Acondicionamento de filtros (37mm); 21±1 ºC e 50±5 % Temperatura = 21±1 ºC HR = 50±5 % Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Equipamento de medição de PM10 Amostrador TOPAS Light scattering Amostragens em contínuo na cozinha de um dos blocos da residência de estudantes; Funcionamento em paralelo com o Tecora, durante 5 dias; Princípio de medição baseado na dispersão de luz pelas partículas. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Locais de amostragem De todo o complexo residencial, seleccionou-se um bloco residencial movimentado, considerado como representativo da actividade normal numa residência de estudantes; Seleccionaram-se dois quartos, um em cada fachada do edifício, sendo os quartos, locais onde os estudantes passam a maior parte do seu tempo; Determinou-se a [PM] na cozinha na medida em que este é o local onde 10 ocorrem maiores emissões de poluentes e com níveis de ocupação mais elevados. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Localização de pontos de amostragem Cozinha residências UA Legenda Amostrador localizado a cerca de 1,70 m do solo Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Localização de pontos de amostragem Quarto de um estudante Legenda residências UA Amostrador localizado a cerca de 1,65 m do solo Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Cálculo da [PM10] – método gravimétrico Fórmulas de cálculo mi Ci  ΔCi Vi Vi Qa t a Δm i ΔCi  Vi mi m fi  mii  mb i Δmi Δmmf  Δmmi  Δmib Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Condições importantes a verificar… Segundo a norma europeia EN 12341, A diferença entre as diversas pesagens efectuadas para os brancos de campo deve ser inferior a 40µg; incerteza mbi brancos de campo deve ser inferior a 10%! A IR (%) dos  100 i mi IRi=Incerteza relativa na medição i, causada pelos brancos de campo. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Caso de estudo PM10 nas residências da UA Incerteza relativa do método gravimétrico operações de campo A amostragem deverá ter uma duração superior a 12H para o método EPA! Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Caso de estudo PM10 nas residências da UA Concentração de PM10 exterior e interior 90,0 Quarto 80,0 Concentração (ug/m3) 70,0 Cozinha 60,0 Exterior 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 dom,16/03 11 ter, 01/04 11 ter, 01/04 23 ter, 11/03 11h ter, 11/03 23h qua, 12/03 11 qua, 12/03 23 qui, 13/03 11 qui, 13/03 23 sex, 14/03 11 sex, 14/03 23 sab, 15/03 11 sab, 15/03 23 dom,16/03 23 sab, 29/03 11 sab, 29/03 23 dom, 30/03 11 dom, 30/03 23 seg, 31/03 11 seg, 31/03 23 qua, 02/04 11 qua, 02/04 23 qui, 03/04 11 qui, 03/04 23 Dados obtidos para a Qualidade do ar exterior – www.qualar.org Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Resultados obtidos Na cozinha as concentrações de partículas variam entre os 18 e os 74 µg/m3; Concentrações mais elevadas, no período das 11h-23h, o que pode ser justificado por: Emissão de partículas na altura da confecção dos alimentos.; Exaustores desligados; Observações: Das 23 às 11horas, a concentração é mais baixa, uma vez que a utilização deste espaço durante o referido período de tempo é muito pequena. No quarto onde foram realizadas as amostragens, as concentrações variaram entre os 16 e os 58 µg/m3. Neste caso, não se observa nenhuma tendência no que diz respeito à variação da concentração de partículas entre um período e o outro. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Caso de estudo PM10 nas residências da UA Variações de concentração de PM10 ao longo do dia na cozinha, obtidas através do analisador TOPAS 700 sab, 29/03 - 30/03 dom, 30/03 - 31/03 600 seg, 31/03 - 01/04 concentração de PM10 (ug/m3) ter, 01 - 02 Abr 500 qua, 02-03 Abr 400 300 200 100 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 :5 :4 :3 :2 :4 :3 :2 :3 :2 :1 :2 :1 :0 :5 :0 :1 :0 :5 :1 :0 :5 :4 :0 :5 :4 :3 :4 :3 :2 01 11 11 12 13 14 15 16 16 17 18 19 20 21 21 22 23 00 02 02 03 04 05 06 07 07 08 09 10 hora do dia Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Caso de estudo PM10 nas residências da UA Correlação entre o método gravimétrico e o método contínuo – TOPAS co n cen tração d e PM10 (u g /m 3) - T O PA S 100 80 60 y = 1,1169x + 0,4816 40 R2 = 0,9923 20 0 0 20 40 60 80 100 conce ntração de PM 10 (ug/m 3) - Te cora Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Caso de estudo PM10 efeito de um pau de incenso… 450,0 400,0 350,0 concentração PM10 (ug/m3) pDR1200 - média 5 minutos pDR1200 - média 12 horas 300,0 Tecora - média 12 horas 250,0 200,0 150,0 100,0 50,0 0,0 7:12 9:36 12:00 14:24 16:48 19:12 21:36 Hora do dia Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Emissões intermitentes O ensaio procura simular uma situação extrema Importância em realizar as medições na “pior situação” Ao acender um pau de incenso no quarto de uma residência de estudantes a [PM10] variou mais de 500 μg/m3, tendo-se atingido valores da ordem dos 700 μg/m3 – médias de 10 minutos! Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Casos de estudos conclusões O método gravimétrico de referência adaptado para 12H, pode ser aplicado apenas para um caudal de 38,33 l/min. (cabeça EN); Elevada correlação entre o método de referência e os dois métodos equivalentes para os ensaios realizados; Medições em contínuo e de MO (método de borbulhamento) demonstram a importância de efectuar as amostragens nos períodos de maior ocupação, quando as fontes de emissão estão activas! Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Conclusões finais Concentração exterior Inspecção visual e Questionário Locais, pontos e períodos Amostragem/medição Equipamento Duração e frequência Carlos Pedro Ferreira FIM
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Concentrações no exterior O RSECE refere, no n.º10 do artigo 29.º, que as medições de QAI devem ser feitas quando [poluentes]exterior < ½ [poluentes]max.interior. Medição Modelação Deve ser efectuada:  Na proximidade do edifício, de Previsão (qualar) preferência à mesma altura do solo, Pode evitar mas afastada pelo menos 1m das deslocações ao local de paredes. amostragem  No caso da existência de sistemas Estações de monitorização AVAC, a medição deve ser realizada junto às entradas de ar. da Qualidade do Ar Carlos Pedro Ferreira Conclusões
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Inspecção visual e questionário Permite obter informação Auxilia a escolha da estratégia sobre factores que de amostragem a adoptar, influenciam a QAI nomeadamente:  Ocupação  Locais  Ventilação  Pontos  Actividades e fontes de  Períodos poluentes  Odores Carlos Pedro Ferreira Conclusões
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Locais e pontos de amostragem Devem ser seleccionados i) Aleatoriamente; ii) Em zonas “isentas” para comparação com zonas com queixas; iii) Por zonas contíguas com características específicas. Como exemplo a proximidade com áreas de perfumarias, cosméticos, restauração, actividades de limpeza a seco, garagens, áreas de fumadores, sala de impressoras, etc. iv) Em zonas dos edifícios fustigados por ventos predominantes; i) Integração, numa mesma zona, dos espaços que apresentem determinadas características comuns, nomeadamente: Níveis e tipos semelhantes de actividades, cargas térmicas e fontes de emissão de poluentes; Compartimentação e organização dos espaços; “open space”, gabinetes, etc. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Nº de pontos de amostragem O número mínimo de pontos de amostragem/medida pode ser calculado pela expressão seguinte, arredondado para a unidade, e deve ser salvaguardada a representatividade da amostra: N i 0,15  Ai onde: Ni = nº de locais de medida na zona i; Ai = área da zona i, em m2. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Definição de pontos de amostragem/medição deve-se considerar os seguintes critérios: A amostragem deverá ser conduzida num local que representa as actividades ocupacionais; Os locais devem ser seleccionados de modo a minimizar o impacto nas actividades extra laborais; As medições devem ser feitas na zona ocupada do espaço, de acordo com a definição de zona ocupada que consta da norma EN13779; As localizações não devem estar a menos de 1 metro das fontes de contaminação; Todas as medições devem ser feitas ao nível das vias respiratórias e sempre próximo do centro da zona. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Momento e número mínimo de medições Sempre que os edifícios tenham funcionamento descontínuo, as medições das concentrações de CO2 e PM10 devem ser realizadas no período representativo de ocupação: após decorridas duas a três horas após o início do funcionamento dos espaços; quando são atingidas as condições de equilíbrio, justificado através de monitorização contínua; Relativamente aos poluentes microbiológicos, deve ser feita no mínimo uma medição por dia, igualmente em condições normais de funcionamento do edifício. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Momento e número mínimo de medições – cont. no caso da recolha do Radão por métodos passivos 1 a 3 meses antes da realização da auditoria QAI. No caso da utilização de detectores sólidos 2 a 3 horas em cada local, com medição em integrações sucessivas de pelo menos 30 minutos cada; no tratamento dos dados deverá ser removida a tendência de crescimento inicial das medições, quando ela exista, e tomado o valor de equilíbrio atingido na parte final da medição [16]. No caso de situações em que a evolução temporal das concentrações dos poluentes tenda para uma estabilização, a medição deve ter lugar preferencialmente no período de funcionamento estabilizado; Nota: Recomenda-se que, na presença de indícios de fontes de poluição do ar interior, se compare, numa primeira fase, as concentrações dos parâmetros no exterior e no interior, respectivamente, na entrada de ar para o edifício e na entrada de ar para as zonas ocupadas, de forma a verificar se a fonte interior de poluição se deve ao sistema de distribuição de ar, e/ou a fontes no interior das zonas ocupadas. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Duração das amostragens Recomenda-se um período de 3 a 5 minutos para sistemas de medição portáteis de leitura em tempo real dos parâmetros poluentes, por ponto de amostragem definido; Nos restantes casos devem seguir as regras de medição recomendadas por cada método. Carlos Pedro Ferreira
    • AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE AGÊNCIA PARA A ENERGIA Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL www.apambiente.pt www.adene.pt www.construcaosustentavel.pt Exemplo de estratégia de amostragem Microrganismos Locais de trabalho e espaços públicos (Hong-Kong)  4x5 min, dentro dum período de 8 horas  Amostradores tipo Anderson ou surface air system (SAS)  Durante as piores situações esperadas. Carlos Pedro Ferreira