• Save
Fomento da atividade empresarial nos municípios   desenvolvimento local
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Fomento da atividade empresarial nos municípios desenvolvimento local

on

  • 1,780 views

Apresentação da Superintendência de Polarização Industrial, no II Congresso de Gestão Pública do ES.

Apresentação da Superintendência de Polarização Industrial, no II Congresso de Gestão Pública do ES.

Statistics

Views

Total Views
1,780
Views on SlideShare
1,718
Embed Views
62

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 62

http://www.lcapromo.com.br 62

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Fomento da atividade empresarial nos municípios desenvolvimento local Presentation Transcript

  • 1. FOMENTO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL NOS MUNICÍPIOS UMA ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL
  • 2. SUPPIN • Autarquia vinculada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento – Sedes. • Objetivos: − Estudar e planejar geograficamente as áreas de desenvolvimento prioritário para efeito de instalação e ordenação de empreendimentos empresariais. − Contribuir para a interiorização do processo de industrialização, visando a dinamização da economia do Estado – ES 2025 – ESTRATÉGIA DE DESCENTRALIZAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO.
  • 3. ATUAÇÃO DA SUPPIN
  • 4. MARCO TEÓRICO: DESENVOLVIMENTO LOCAL • Promove o dinamismo econômico e a melhoria da qualidade de vida da população. • Requer o envolvimento da sociedade local no planejamento contínuo da ocupação do espaço e na distribuição dos frutos do processo de crescimento. • Parte de dentro para fora. São levadas em conta as especificidades da região, as suas potencialidades econômicas e, principalmente, as necessidades e preferências da população. • Os benefícios gerados se reverterão para própria sociedade.
  • 5. ESTATUTO DAS CIDADES • Define as diretrizes gerais da política urbana que deve ser executada pelos municípios e estabelece como responsabilidade desses o planejamento de seu desenvolvimento. • Os municípios devem elaborar o seu Plano Diretor Municipal (PDM), documento que direcionará a política de desenvolvimento dessa esfera de governo - é o instrumento básico da política de desenvolvimento e expansão urbana.
  • 6. ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA ECONÔMICA (EVTE) E O TERMO DE REFERÊNCIA (TR) • O EVTE pode ser compreendido como a aplicação de conhecimentos teóricos e práticos sobre a realidade e as potencialidades municipais. • Fundamenta a decisão de se implantar um projeto de polarização empresarial como mecanismo de incentivo ao desenvolvimento local. • O primeiro passo a ser tomado é a elaboração do Termo de Referência - documento que definirá o que será abordado e investigado no EVTE • O TR mostra o que, porque, como, onde e quando fazer, ou seja, estabelece todas as diretrizes do estudo.
  • 7. PONTOS PRINCIPAIS DO EVTE • Caracterização sócio - econômica do Município e sua inserção no contexto do Estado e da região; • Atividades econômicas relevantes; • Investidores em potencial; • Análise da logística e infraestrutura do município; • Sugestões de políticas para impulsionar o desenvolvimento do empreendimento; • Definição do tipo de empreendimento viável para o município (polo, quadra ou centro empresarial); • Identificação de áreas para a implantação do empreendimento. • Análise do impacto do projeto no município, nos municípios vizinhos e na região; • Análise da legislação e dos aspectos ambientais;
  • 8. PASSO A PASSO PARA IMPLANTAR UM PROJETO DE POLARIZAÇÃO EMPRESARIAL Elaborar o TR Elaborar o EVTE Definir/desapropriar a área Elaborar o projeto urbanístico (polo ou quadra Empresarial) ou arquitetônico (Centro Empresarial). Providenciar o licenciamento ambiental - estudos ambientais e projetos complementares.
  • 9. PASSO A PASSO PARA IMPLANTAR UM PROJETO DE POLARIZAÇÃO EMPRESARIAL Registrar o empreendimento (polo ou quadra) em Cartório Providenciar a licença para execução da obra Iniciar as obras de infraestrutura Definir Normas de Vendas Providenciar a Licença de Operação após a conclusão da obra.
  • 10. OBJETIVO  Promover o desenvolvimento local, interiorizando o processo de industrialização e dinamizando a economia do Estado.  Fornecer aos prefeitos e gestores públicos capixabas, que objetivam desenvolver a sua cidade e região, política pública apropriada voltada para o aprimoramento das atividades empresariais de forma ordenada e harmonizada com o crescimento urbano.
  • 11. POLO EMPRESARIAL • Destina-se à atração e implantação de empresas de quaisquer portes e atividades, preferencialmente integrantes de uma mesma cadeia produtiva. Divide-se em Polo e Micro-polo. • O Micro-polo, em geral, tem dimensões em torno de 80.000 m2 e lotes em torno de 1.000 m2. • O Polo, em tese, tem área acima de 150.000 m2, organizados em quadras com lotes que variam de dimensão conforme a topografia do terreno. • Sugere-se que o Polo seja afastado do centro urbano, mas deve oferecer toda a infraestrutura de ruas pavimentadas e sinalizadas, disponibilidade de água, energia, comunicações, transportes, rede de esgoto, etc. • O Polo é indicado para aqueles municípios ou regiões onde a demanda é elevada (acima de 100 empresas).
  • 12. Polo Empresarial Civit
  • 13. Polo Empresarial de Vila Velha
  • 14. Condomínio Empresarial Privado Perini Business Park – Joinville, SC
  • 15. QUADRA EMPRESARIAL • Dimensões em torno de 10.000 m2 e 20.000 m2 e lotes por volta de 500 m2. • Destina-se à atração e implantação de empresas que integrem, preferencialmente, uma mesma cadeia produtiva. • O sistema viário deve ser integrado à localidade em que o empreendimento está inserido, bem como deve oferecer a mesma infraestrutura exigida para um Polo. • Pode existir no local área de uso comum às empresas, como estacionamento, auditório, restaurante, escritório de apóio administrativo, área para exposição e venda de produtos, etc.
  • 16. CENTRO EMPRESARIAL • Área com tamanho reduzido, em torno de 4.000 m2 , podendo (ou não) ser ocupada por um grande galpão organizado em módulos. • Deve oferecer áreas de uso comum às empresas (estacionamento, auditório, restaurante, etc.). • É organizado dentro da concepção de incubadoras, mas difere dessas por abrigar empresas já consolidadas. • Deve servir à relocalização das empresas, transferindo-as de bairros ou aglomerados residenciais, levando à integração e cooperação, racionalizando os custos e gerando sinergia positiva para o desenvolvimento empresarial do município que o abriga.
  • 17. Agradecemos a atenção William Galvão Lopes william.galvao@suppin.es.gov.br Contato www.suppin.es.gov.br Maria Emília V. Braun Rizk Tel.: 3224 5954 3325 9300