Your SlideShare is downloading. ×
Gustave Courbet
Gustave Courbet
Gustave Courbet
Gustave Courbet
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Gustave Courbet

1,804

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,804
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
27
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. João Simplício 11J Gustave Courbet Jean Désiré Gustave Courbet, nasceu a 10 de Junho de 1819 em Ornans, França e foi um pintor anarquista que liderou o movimento Realista em França no século XIX. “Já tenho cinquenta anos e sempre vivi em liberdade, deixai-me morrer livre; Quando morrer deixai que seja dito: Ele não pertencera a nenhuma escola, a nenhuma igreja, a nenhuma instituição, a nenhuma academia, e por fim a nenhum regime senão o da liberdade.” Gustave Courbet Courbet inovou no Realismo, quer pelas suas composições figurativas, quer pelas suas pinturas paisagísticas de carácter campestre e marítimas, a sua obra em geral levantou desde cedo grande polémica e apesar das suas pinturas serem muitas vezes relacionadas com o movimento Romântico, Courbet pintava segundo os ideias Realistas, pondo de lado os considerados ideais do belo e do estético Românticos, procurando representar honestamente o mundo que conhecia nas suas detalhadas composições. Começou a pintar assim que iniciou os seus estudos em Direito. Mais tarde decidiu por iniciativa própria aprofundar os seus estudos em relação ao desenho e à pintura, começando por copiar os grandes mestres que via no museu do Louvre, principalmente Velázquez. As suas primeiras obras foram maioritariamente auto-retratos, entre representações de espaços fechados como o seu próprio ateliê (meados de 1844) que lhe custaram bastantes críticas. Estas afirmavam que o seu trabalho era muito corriqueiro e que não demonstrava expressão própria. Não se dando por vencido, construiu um salão onde mais tarde expôs quarenta e quatro das suas obras, às quais chamava “realistas”, fundando assim o movimento. Por volta de 1850, Courbet passa a criar quadros onde se manifestam figuras voluptuosas e femininas, relacionadas com o trabalho do pintor Romântico Ingres, contudo o nu era o que mais se manifestava como forma de representação pura e crua da realidade. Estes trabalhos eram muito criticados, ao ponto de serem descritos com simples representações eróticas, e depois destes seguiram-se uma série de naturezas-mortas, quadros de caça e como sempre as paisagens campestres e marinhas que eram prova do seu nível técnico e artísticos elevados. Acusado de ter destruído uma coluna na Place Vendôme, viu-se forçado a partir para Viena, o seu ateliê foi leiloado e o dinheiro utilizado para a reconstrução da mesma coluna, morreu anos depois a 31 de Dezembro 1877.
  • 2. Algumas das suas obras: Atelier do Artista, 1855 • Auto-Retratos: A Loucura Auto-Retrato com um cão preto • Paisagens (marítimas e campestres):
  • 3. O mar turbulento, 1870 A onda, 1870 O rio e a paisagem Paisagem de Puit Noir • Retratos anatómicos: A origem do mundo Jo, a linda rapariga irlandesa
  • 4. Bibliografia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Gustave_courbet http://www.gustavecourbet.org/ (tradução) João Simplício Nº19 11ºJ

×