O Organizador Operário                                                            Parte 1 Internacional Porta-voz da Fraçã...
BoliviaBOLÍVIA DE PÉ JUNTO AOS OPERARIOS FABRIS DE LA PAZ E A VALENTE MOÇÃO QUE FIZESSEM NO CONCLATDE BRASIL CONTRA O ROUB...
programa para o movimento obreiro boliviano. Para pôr em pé uma           também os renegados do trotskismo, falam em seu ...
junho, contou com a presença e participación de delegações      garantem a superexplotación e o saque de nossas nade más d...
de enfrentar conseqüentemente ao imperialismou, terminou   Assim, os fabris cremos que o Conclat se pôs na barricada      ...
6. O voto dos dirigentes desse segundo congresso do ELAC    trabalhadores, os obreiros fabris de La Paz nos pomos acontra ...
costro de vida num 200%, em abril de este añou, os                 O látigo do capital está unindo a toda a classe obreira...
14. ¡Há que voltar a pôr em pé a revolución para centralizar o combate e destruir ao estado sionistalatinoamericano! para ...
sua coordenadora nacional de fábricas, e da COB em 1952          de todo o país, principalmente aos de Huanuni, a que romp...
TESES DO PULACAYOTESE CENTRAL DA FEDERAÇÃO SINDICAL DE TRABALHADORES MINEIROS DE BOLÍVIA    (Aprovada sobre a base do proj...
privilégios do latifundiário e do capitalista. O       O proletariado boliviano, por sua extrema    revolução democrático-...
à burguesia. A colaboração de classes quer       salvação nacional. Quando existe fome e        “democracia” do Norte e de...
definitivamente o perigo fascista e os mais franca traição aos explorados eV. LUTA CONTRA O FASCISMO                      ...
O estudo científico das necessidades da         Somente estas medidas nos permitirão           ainda em épocas que não sej...
tendo a evidência de não fazer sob o amparo       de todos os setores da burguesia e de seus   o massacre de Catavi se rep...
Ooi portugues 1 3
Ooi portugues 1 3
Ooi portugues 1 3
Ooi portugues 1 3
Ooi portugues 1 3
Ooi portugues 1 3
Ooi portugues 1 3
Ooi portugues 1 3
Ooi portugues 1 3
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Ooi portugues 1 3

479

Published on

Published in: Travel, News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
479
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Ooi portugues 1 3"

  1. 1. O Organizador Operário Parte 1 Internacional Porta-voz da Fração Leninista Trotskista Internacional - Nova Época Vol. 3 Setembro 2010 - Valor R$ 2,00 / Solidário R$ 5,00RESOLUÇÕES DO SEGUNDO CONGRESSO DA FLTI As massas levantaram-se e lutaram contra o ataque dos capitalistas e seus governos, o saque do imperialismo e suas massacres contra revolucionárias Bolívia Dois políticas e dois caminhos para a classe operária mundial Por um verdadeiro congresso internacional das Organizações Operárias de Luta Peru Não á reconciliação com o governo e o regime, assassino de trabalhadores e camponeses Argentina Abaixo o Estado assassino! Teses de Um programa revolucionário para a classe operária boliviana e para o proletariado dos Pulacayo países semi coloniais
  2. 2. BoliviaBOLÍVIA DE PÉ JUNTO AOS OPERARIOS FABRIS DE LA PAZ E A VALENTE MOÇÃO QUE FIZESSEM NO CONCLATDE BRASIL CONTRA O ROUBO DA REVOLUÇÃO BOLIVARIANA Duas políticas e dois caminhos para a classe obreira mundial Cabecera da mobilização dos trabalhadores fabris da La Paz. Ou com os operarios fabris de La Paz enfrentando à burocracia sindical e a demagogia de “esquerda” de Morales e os governos bolivarianos expropiadores da revolução Ou junto ao CONCLAT e ao Foro Social Mundial pendurados dos faldones da burguesia e a frente popularApresentação aos trabalhadores, não lhe deram nada à classe obreira mais do que fome, paus, repressão e mortes. Todos os dirigentes no congresso do Apresentamos neste Suplemento Especial de Democracia Obrera, CONCLAT votaram na contramão da moção dos fabris de La Paz,editado em comum pela LTI de Bolívia e a LOI-CI de Argentina, uma argumentando que “não é o momento”, demonstrando assim que suaproposta de documento à Federação Departamental de Trabalhadores política a nível internacional é a de submeter à classe obreira àFabris de La Paz de Bolívia, dando-lhe continuidade à valente moção burguesia e a seus governos.que os trabalhadores fabris fizessem ao congresso do CONCLAT de Hoje os trotskistas da FLTI tomamos a valente moção dosBrasil. Ali, chamaram a todas as organizações desse encontro a trabalhadores fabris de La Paz e lhes apresentamos este documentoenfrentar às burocracias sindicais colaboracionistas e à demagogia para que seja votado por eles e pelos mineiros revolucionários, comode esquerda “” dos governos bolivarianos que, falando de defender ontem o fizessem os mineiros com as Teses de Pulacayo, como•2 • Org O Organizador Operário
  3. 3. programa para o movimento obreiro boliviano. Para pôr em pé uma também os renegados do trotskismo, falam em seu nome para pisoteá-direção verdadeiramente revolucionária e internacionalista da COB e lo, enterrá-lo e renegar dele na prática todos os dias, levando à classepara que a classe obreira boliviana volte a pôr em pé a heróica obreira à impotência e a derrota.revolução do 2003-2005 para conquistar o salário, o pão, o trabalho, a O programa revolucionário das Teses de Pulacayo, resguardadoaposentadoria, a terra, os hidrocarbonetos e a independência nacional, durante décadas no mas profundo dos desníveis dos combativose encabeçar uma única revolução proletaria em todo o continente mineiros, ficou hoje em mãos dos revolucionários da Fração LeninistaAmericano. Trotskista Internacional e nas mãos firmes dos combativos operarios Editamos também neste suplemento as “Teses de Pulacayo” que fabris de La Paz que hoje enfrentam ao governo de frente popular deforam apresentadas no ano 1946 pelos trotskistas Evo Morales, seu pacto com a Média Lua fascista e às direçõescuartainternacionalistas aos mineiros bolivianos. Estas teses, baseadas sindicais colaboracionistas da COB. O programa revolucionário dano Programa de Transição da IV Internacional, foram aprovadas pela classe obreira boliviana ficou em mãos do trotskismo principista, dosseção mineira de Llallagua e depois adotadas como Teses Políticas operarios fabris e a baseie mineira que aperta os dentes contra a traiçãoCentrais no Congresso da Federação Sindical de Trabalhadores de suas direções.Mineiros de Bolívia (FSTMB) realizado em Pulacayo no ano 1946. Estas Apresentamos aqui nosso aporte político e programático àteses foram o programa do proletariado boliviano na heróica revolução vanguarda do proletariado boliviano e internacional no combate porde 1952, e foram adotadas imediatamente no mesmo ano pela Central um reagrupamento revolucionário e internacionalista da classe obreira,Obrera Boliviana (COB), fundada ao calor mesmo da revolução. Este para derrotar ao imperialismo e a seus governos cipayos com osprograma foi defendido e guardado como um tesouro nos desníveis métodos da revolução proletaria.das minas por gerações e gerações de trabalhadores do subsolo. Omesmo mantém sua total vigência e segue sendo uma guia de ação A libertação dos trabalhadores será obra dos trabalhadoresnão só para a classe obreira boliviana, senão latinoamericana e mesmos!mundial. Os dirigentes colaboracionistas da classe obreira, bem comoPROPOSTA DA FLTI AOS COMBATIVOS TRABALHADORES FABRIS DE LA PAZ E AOS MINEIROSREVOLUCIONÁRIOS DE BOLÍVIA inevitavelmente com o governo de Evo Morales e seu pactoPor um verdadeiro Congresso internacional das com a Média Lua fascista. Este governo se tem deorganizações obreiras de luta, para romper toda senmascaradocomo um vil servente das multinacionais,subordinação à burguesía e seus governos e organizar que com discursos de “esquerda” desapropriou o combateum confronto unificado contra o imperialismo e seus revolucionário do 2003-2005 . Este governo não lhe deu aosagentes obreiros nem o trabalho, nem o pão, nem os hidrocarbonetos e aos camponeses pfaças não lhe deu a 1. Os trabalhadores fabris do La Paz vimos de dar uma terra que segue em mãos da oligarquía. Pelo contrário, aforte luta por nossas demandas, pelo salário e a jubilación quem luchamod sóo lhes deu paus, represión e mortes.digno. Neste caminho nossa luta se viu enfrentada Apoiados no programa revolucionário da classe obreira boliviana como são A Tese de Pulacayo, que declaran a guerra a morte contra a explotación, o capitalismo e o imperialismo FRAÇÃO LENINISTA TROTSKISTA e seus agentes ao interior de nossas organizações obreiras; a INTERNACIONAL Federación Departamental de Trabalhadores Fabris de La Paz viajou a Brasil convidados ao congresso do Conclat (Comgreso da Classe Trabalhadora), em procura da unidade WEB: internacionalista com nossos irmãos de classe do mundo para www.democraciaobrera.org enfrentar ao imperialismo com os métodos da revolución socialista. BLOG: http://conscienciaeluta.blogspot.com MAILS: Os dirigentes do “Congresso da Classe Trabalhadora” varnguarproleta@hotmail.com (Conclat) em Brasil recusam a moción dos trabalhadores fltinternational@ymail.com fabris de La Paz 2. Este congresso de CONLUTAS e a Intersindical de Brasil e sua “Encontro internacional de CONCLAT” do 5 ao 7 deInternacional •3 •
  4. 4. junho, contou com a presença e participación de delegações garantem a superexplotación e o saque de nossas nade más de 20 países do mundo sob o chamado a “a unidade cionespelas multinacionais. Negar-se a votar pela propostados trabalhadores”. No Encontro Internacional participaram dos trabalhadores fabris de La Paz, significa renegar da lutaorganizações obreiras como Batay Ouvriere de Haiti, a pela revolución socialista, pelo governo obreiro eCoordenadora Sindical de Equador, a Coordenadora pela camponês, e pelo derrocamiento destes governos e seusResistência de Honduras, a Coordinadora Sindical e dirigentes regimené anti obreiros e serventes do imperialismo.de judiciais de Colômbia, a TCC de Uruguai, a Mesa Os trabalhadores fabris afirmamos ¡Abaixo os pactosCoordenadora sindical de Paraguai, a UNT de Venezuela e antiobreros dos governos “bolivarianos” “indigenistas”um representante dos sindicatos de trabalhadores públicos de com as multinacionais e o imperialismo em Bolívia,Grécia; estiveram también diferentes organizaciones políticas Ameirica Latina e o mundo! ¡Abaixo a farsa de aque se reclamam do socialismo como a Une Internacional dos “revolución bolivariana”! ¡Viva a revolución socialistaTrabalhadores (LIT), uniu-an Internacional de Trabalhadores obreira e camponesa!(UIT), Corrente Vermelha de España, o Movimento Socialistados Trabalhadores (MST) de Argentina, o Novo PartidoAnticapitalistas francés, Socialist Action de EE.UU, o PSOL Os dirigentes que votaram na contramão da proposta dose PSTU de Brasil e Chukaku-tem de Japón. fabris de La Paz, são os mesmos que cercam a luta dos obreiros bolivianos e submeteram à burguesíà os setores No entanto, apesar da enorme quantidade de organizações más combativos do proletariado do continente Americanoe forças presentes, este congresso não foi uma alternativarevolucionária para os obreiros do mundo. Seus dirigentes 3. A moción e nossa luta pelo salário, jubilación digno e asvotaram na contramão do chamado dos trabalhadores demandas obreiras, que enfrentou ao traidor Morrosfabris de La Paz de enfrentar e desmascarar as enquistado na COB, às direções colaboracionistas das“demagogias organizacionesesquerdistas” dos obreiras, e aog o v e r n o s governo de Evoexploradores e Morales, seumasacradores da Constituciónclasse obreira burguês e seucomo o de Evo pacto com a MédiaMorales, Chávez Lua fascista; foiem Venezuela ou recusada por essesLula em Brasil, dirigentes doargumentando que Conclat em Brasil.“não é o Negaram-se amomento”. desmascarar e Mesa da dereção do ELAC em 2008Deixaram ao enfrentar adescoberto que demagogia das burguesías nativas demostrando que longe de apoiar o combatetodos eles são dirigentes como Morros da COB, que dos obreiros, pretendem cercar-nos para voltar a submeter-sustentam a mesma política a nível internacional de nos ao governo de Evo Morales e seu “revolución bolivariana”submetimento da classe obreira à burguesía e seus governos. como o fizessem antes desde o “Encontro Latinoamericano eComprendemos que votar na contramão da moción dos fabris Caribeñou dos trabalhadores - ELAC” realizado no 2008 ondeé submeter-se ao governo de Evo Morales, Chavez, Lula, etc., Pedro Montes foi presidente honorário. Este burócrata traidorliquidando assim toda independência de classes e unidade da sustentado internacionalmente pelo ELAC, subordinou à classeclasse obreira. A luta contra este governo e seus “demagogias obreira boliviana ao governo burgués de Evo Morales e Lineraesquerdistas” nos leva a enfrentar también a nossos inimigos que assassinou com suas Forças Armadas aos mineiros deao interior das organizações obreiras que são as direções Huanuni nos bloqueios de Caihuasi. Ante o levantamentocolaboracionistas nas que o governo de Evo Morales se apóia. fascista da Média Lua que massacrou aos obreiros ePor isso largamos o grito de ¡ Fora da COB Morros traidor! camponeses em Santa Cruz, no Plano 3000, em Beni e em¡Fora de las organizações obreiras do mundo todas as Pando; sustentou a Evo Morales negándose a que a classedireções colaboracionistas com a burguesía! obreira ponha em pie a milícia obreira para achatar à Os fabris chamamos a todas as organizações de luta dos Média Lua e desapropriar às multinacionais quetrabalhadores do mundo a que rompam toda subordinación a organizam e armam aos fascistas. Assim ficou submetidoestes governos burgueses que se dizem “indigenistas”, o proletariado no Oriente sob as botas das bandas fascistas e o“socialistas” e sua farsa de “revolución bolivariana”. É ejército banzerista, enquanto Evo Moralhes controla com puñou de ferro aos obreiros no Planalto e reprime suasimpossível conquistar nossas demandas sem enfrentar a estes demandas.governos que levam à derrota a luta dos trabalhadores, e•4 • Org O Organizador Operário
  5. 5. de enfrentar conseqüentemente ao imperialismou, terminou Assim, os fabris cremos que o Conclat se pôs na barricada legitimando a “democracia” dos golpistas, deixando isoladosoposta à revolución boliviano e seu grito de “ ¡Fora Gringos!”, e livrados a sua sorte aos obreiros hondureñvos que aún seguemjá que para “jogar aos gringos” devemos derrotar a seus sendo massacrados pelos golpistas.serventes disfarçados de “indigenistas” e “bolivarianos”. Estesseñores do Conclat desde o luxuoso palco do congresso de Ante a ocupación militar de Haiti, negaram-se a lutarSantos em Brasil, nada compreenderam do combate dos por pôr em pé serviço militarcias obreiras e brigadas obreirasobreiros bolivianos. Ante a tentativa da burguesía encabeçada internacionalistas de médicos, socorristas e combatentes, parapor Evo Morales de desviar os embates revolucionários do ir na ajuda das massas e derrotar às tropas imperialistas ianques2003 e 2005 com a demanda demagógica de subir as regalías e européias de ocupación e aos ejércitos gurkas de Lula, Evodo 30% ao 50%, os obreiros respondemos com o grito de “ Morales e Kirchner, para derrotá-los e expulsá-los da ilha.¡Nem 30 nem 50%, Nacionalización!” “¡Expropiación das Negaram-se a chamar –contra a ocupación militar- atransnacionales!”, cobrándonos a cabeça do governo de desapropriar o alimento e a propriedade dos capitalistasCarlos Mesa em 2005. Os obreiros do Alto revolucionário e para que sobrevivam as massas martirizadas e explodidasde La Paz, na revolución, aprendemos a enfrentar as de Haiti e Dominicana. ¡Essa é a ajuda que necesitan nossosdemagogias da burguesía. irmãos haitianos! 4. O Congresso do CONCLAT-ELAC, ao votar na 5. A crise mortal do capitalismo imperialista lhe tirou todoscontramão de emfrentar a “demagogia das burguesías”, seus pontos de apoio ao reformismo, e propõe imperativamentevotaram a favor do submetimento da classe obreira a ruptura com a política reformista, lutando de formanorteamericana ao demagogo açougueiro Obama; como fez a revolucionária, como propõem as Tesis de Pulacayo, pelaburocracia da central obreira AFL-CIO em EE.UU., que lhe conquista do poder e a implantación do governo obreiro esignificou ao proletariado pagar com hambre, milhões de camponês como único meio para derrotar ao capitalismo.demissões, O congresso dom i s é r i a , Conclat sustenta –desocupación e ao igual queruína, o salvataje Morros desde ados bancos em COB- a política decrises. Foram Alan “pressionar” eBenjamin e “exigir-lhe” àsClarence Thomas, burguesíasdirigentes dos antiobreras paraportuários de que “não ataquemOakland de aos trabalhadores”.Estados Unidos Assim, estesparticipes deste dirigentes emCongresso do Brasil desdeELAC junto a Conlutas e aPedro Montes, Shafik Handal (El Salvador), Hugo Chávez (Venezuela), Fidel Castro (Cuba) e Evo Morales (Bolívia). Intersindical,quem chamaram à mantiveramclasse obreira a todas as greves eapoiar a Obama e puseram aos pés de sua própria burguesía combates parciais da classe obreira como lutas de presiónimperialista ao más avançado da classe obreira sobre o governo, negándose a llamar a impor a greve geralnorteamericana, que convocando a duas greves gerais contra derrotando à burocracia da Central Única de Trabalhadores.Bush no próprio corazón da besta imperialista había tomado Realizaram marchas para exigir que a burguesía vote uma leiem suas mãos a luta contra a guerra de Iraque e pelos direitos proibindo as demissões. Propuseram pressionar a Lula parados imigrantes. que nacionalize as fábricas que despedían obreiros por centos Por isso, ante o golpe militar em Honduras organizado e milhares, quando é Lula quem encabeça este ataque.por Obama faz já um añou, estes dirigentes se negaram a Com esta mesma política internacional de submetimentobloquear os portos para paralizar o envíou de armas à base do proletariado à burguesía país por país, estes dirigentesmilitar ianque nesse país e garantir que éstas cheguem a mãos terminaram sustentando os pactos contrarrevolucionariosda heróica resistência hondureña, unindo à classe obreira do de las burguesías nativas com o imperialismo, com os quaiscontinente americano para enfrentar com os métodos da se cercou ao proletariado boliviano para estrangular nossarevolución proletaria o ataque contra as massas em revolución de 2003-2005 e o combate antiimperialista daCentroamérica. classe obreira de todo o continente. Estas direções reformistas se subordinaram ao “frentedemocrático” do imperialismo e as burguesías bolivarianas,que como o covarde derrocado Zelaya em Honduras, à horaInternacional •5 •
  6. 6. 6. O voto dos dirigentes desse segundo congresso do ELAC trabalhadores, os obreiros fabris de La Paz nos pomos acontra a moción dos fabris de La Paz, foi um voto de disposición de lutar pela unidade internacionalista dosubmetimento às burguesías, em primeiro lugar a Obama ao proletariado chamando a organizar um verdadeiroque lhe exigem que “retire aos embaixadores de Israel” congresso obreiro internacional de independência dequando é quem sustenta e financia esse estado gendarme e classes e com democracia obreira. “¡Proletarios do mundogenocida contra o povo palestino. Não enfrentar às burguesías univos!”nacionais e sua demagogia foi um voto a favor de Ao Fatah edas burguesías islámicas, que desde Egito negociam arendición das massas palestinas e que a heróica Gaza 9. É necessário um congresso internacional dasreconheça ao estado sionista de Israel. É um voto a favor de organizações obreiras revolucionárias para que o grito defortalecer o cerco contra o povo palestino –como no 2003- guerra da revolución boliviana de: ¡Fora gringos!2005 contra os obreiros bolivianos com a Cume e Contra Cume ¡Espingarda Metralla, Bolívia não se cala! e ¡O gás paralevada a cabo em Argentina- que lhe impuseram estas os bolivianos! ¡Nem 30% nem 50%, nacionalización!burguesías nativas, que são as encarregadas degerir os privilégios que têm por administrar oscampos de concentración onde está o martirizadopovo palestino. 7. A burguesía internacional e o imperialismomontam um cerco a nosso combate para que nãose generalize a tudoe l proletariadolatinoamericano e mundial rompendo com aburguesía .Os dirigentes reunidos no congressodo Conclat se puseram ao serviço desta política;por isso votaram em nome de “a luta e unidadedos trabalhadores” uma política de “exigencia”à burguesía “bolivariana”, isto é desubmetimento, contrária à luta queencabeçamos os trabalhadores fabris de La Mobilização nas ruas da La Paz, BolíviaPaz. É o mesmo cerco que sofrem as massaspalestinas, o mesmo cerco que lhe impuseram ao combate seja o da classe obreira em China e toda Ásia, a classedas massas em Grécia para que não se generalize a toda obreira de Iraque e Afganistán, e os obreiros de Haiti e daEuropa numa única Greve Geral continental para que a crise classe obreira mundial. Já que “¡Fora gringos!” significarealmente a paguem os capitalistas. Assim, subordinando à o chamado à ¡Expropiación sem pagamento e sobclasse obreira à burguesía país por país, impedem um combate controle obreiro dos parásitos de Wall Street e os bancosrevolucionário generalizado de la smassas do mundo contra a dos imperialismos europeus! ¡Abaixo Obama, assassinobancarrota capitalista que ameaça arrastar aos explodidos à dos povos oprimidos de Iraque, Afganistán eMed iomás cruel barbárie. Oriente! ¡Expropiación sem pagamento e sob controle Os fabris dizemos: ¡Abaixo a colaboración de classes obreiro das multinacionais e os banqueiros! ¡Esse é odas organizações obreiras com a burguesía! ¡Abaixo o programa para EE.UU., para Europa e para dar umsubmetimento da classe obrera aos governos burgueses impulso às massas revolucionárias de Grécia!que cercam a luta dos fabris em Bolívia, do povo palestinoe dos explodidos de Grécia! 10. Frente à profunda crise económica mundial, os capitalistas e seus bancos lhe declararam a guerra à classePara que a crise mundial a paguem os capitalistas: ¡Pelo obreira. Em España já começou o ataque contra os trabalhadores, igual que em Inglaterra e Portugal; nos paísestriunfo da revolución socialista internacional! do este europeu se desenvolve uma quebra generalizada¡Por um verdadero congresso obreiro internacional para dos estados condenando às massas a penúrias inacreditáveis.pôr ao proletariado do continente americano de pé junto a Em Europa, onde em grande parte se esta jogando o destinoseus irmãos de Grécia, Europa, EE.UU., Médio Oriente, da classe obreira mundial, os trabalhadores gregos estánÁsia e África para preparar uma luta unificada contra a respondendo à bancarrota capitalista protagonizando já 6bancarrota capitalista! Greves Gerais no que vai do añou, com mobilizações em massa e confrontos de rua contra a represión, garantidos 8 . Concientes que a burguesía é uma única classe a por suas organizações de democracia direta. Os obreirosnível mundial que se coordena para achatar aos de Kirguistán já marcaram o caminho. Ante o aumento do•6 • Org O Organizador Operário
  7. 7. costro de vida num 200%, em abril de este añou, os O látigo do capital está unindo a toda a classe obreira detrabalhadores e explodidos desarmaram à policía assassina, Ásia sob terríveis condições de miséria e escravatura. Étomaram-se as comisarías, armaram-se e derrocaram ao hora de que a unam os obreiros concientes e suasgoverno de Bakiev como o fizemos os obreiros bolivianos organizações revolucionárias.em 2003 e 2005 com Goni e Mesa. ¡Esse é o caminho! Vemos as revoltas de Tailândia, na península de Indochina, onde centenas de maquiladoras japonesas lhe 11 . O combate dos obreiros fabris de Bolívia encontra pagam 3 dólares diários aos camponeses desposeídois dea seus melhores aliados no combate do proletariado suas terras, como o fazem em Coréia do Norte ou em China.grego contra os governos imperialistas e na heróica Não deixam de suceder-se enormes revoltas da classerevolución dos obreiros de Kirguistán. Contra esta obreira norcoreana contra o robo em massa das poupançasperspectiva, encabeçados pelos “Novos Partidos do povo, impulsionado pela burocracia restauracionista ouAnticapitalistas”, reuniram-se a fins de maio na “Contra nova burguesía de esse país que afundou ao povo na fomeCume de Madri” com os mesmos dirigentes do Conclat- generalizada.ELAC de Brasil, os dirigentes reformistas europeus e lhe A luta por salário, contra as demissões e a precarizacióndisseram aos explodidos de Grécia e Europa que “não se trabalhista no Japón dos macacopolios imperialistas, poderápode derrocar aos gobiernvos burgueses”, tal qual nos triunfar se a classe obreira japonesa ata seu destino aodisseram em Brasil aos fabris. Dizem-lhes aos obreiros que triunfo dos combates que os obreiros já están dando emsóo se pode lutar “por uma Europa forte e social” China, Coréia do Norte, Vietnã e Tailândia, todos explodidospressionando aos governos antiobreros e masacradores por estes mesmos monopólios.da classe obreira. ¡A igual trabalho, igual salário para os trabalhadores A unidade internacionalista da clase obreira não pode de Japón e de toda Ásia!, é de primeiro ordem para avir dos Congressos de dirigentes que pregam a “Europa unidade internacionalista da classe obreira em todo oSocial” dos capitalistas. Sóo os obreiros españoles e Extremo Oriente, para enfrentar o ataque dos monopóliosfranceses podem derrotar à Repsoly à Total, que juntas imperialistas.saqueiam os hidrocarbonetos bolivianos; os obreirosingleses à Britsh Petroleum que junto à Exxon ianquesustenta e financiam à Média Lua fascista para que nos O grito dos obreiros japoneses deve ser: “¡O inimigomassacrem em Bolívia, combatendo por desapropriar a estas está em casa!”. Votemos em todas as organizações obreirasmultinacionais imperialistas sem indemnización e de Japón unir o combate contra o governo imperialista àponiéndolas sob controle obreiro. O triunfo da luta dos luta de nossos irmãos de classe asiáticos que enfrentam osobreiros bolivianos e latinoamericanos, bem como dos governos e regimenes das burguesías serventes doexplodidos de Médio Oriente e África, define-se em última imperialismo yanky e japonés. ¡Abaixo o régemem dasinstância no combate revolucionário da classe obreira de corporações e o governo do DPJ - Novo Partido do Povo-EE.UU., nas barricadas de Paris e Atenas, nas callé de Madri Rengo, sustentado pela socialdemocracia e o estalinismo!e Berlín. ¡Abaixo Hu Jintao e os mandarines “vermelhos” chineses! ¡Abaixo a burocracia esclavista de Coréia do Norte! ¡Abaixo Por isso nesses luxuosos congressos de Madri e Santos- o governo burgués restaurador de Vietnã! ¡Abaixo aBrasil não tiveram lugar as massas revolucionárias de monarquía e a ditadura militar de Tailândia! ¡Uma só classe,Kirguistán, que se armaram, se autoorganizaron, e uma só luta! ¡Uma só revolución em todo o Extremoderrocaram ao governo de Bakiev; e hoje tentam ser Oriente!achatados pela base militar ianque, as tropas russas e oexercito da “burguesía democrática” de Rosa Otunbayeva,que já massacraram a milhares de explodidos. 13.Os trabalhadores fabris de La Paz que lutamos pela ¡Somos uma só classe, uma mesma luta do unidade da classe obreira internacional afirmamos que: duasproletariado internacional! ¡Abaixo todos os governos pontas de uma mesma soga da crise mundial estáncapitalistas que comandam o ataque contra a classe estrangulando aos explodidos do mundo. Em nome daobreira! ¡Por uma greve geral continental no caminho “estabilización monetário” atiram o craque sobre osde demolir à Europa imperialista de Maastricht e explodidos para qoue paguem a crise como vemos emavançar para os Estados Unidos Socialistas de Europa! Europa, e por outro lado em setores do planeta atacam às massas com inflación, carestía de a vida e superexplotación como em China, Argentina, Bolívia etc. Frente a isto, o 12.No congresso do Conclat de Brasil esteve presente programa da classe obreira mundial deve ser impor auna delegación de sindicatos de Japón, mas esse congresso ¡Escala móvil de salários e horas de trabalho!não lançou ningún programa revolucionário para os ¡Expropiación sem pagamento e sob controle obreiroexplodidos de Ásia e o Extremo Oriente que se encontram de toda fábrica que fechamento ou despeça!numa dura luta contra as multinacionais, o imperialismo,as maquilas e suas gobiernvos.Internacional •7 •
  8. 8. 14. ¡Há que voltar a pôr em pé a revolución para centralizar o combate e destruir ao estado sionistalatinoamericano! para que volte a escutar-se o grito dos fascista de Israel. Estes dirigentes da conferência de Brasil-obrervos argentinos e suas jornadas revolucionárias de 2001 Santos novamente se negam a combater contra o fascismo“Que se vão todos e não fique nem um só” dos padrões e e o ataque do imperialismo ao povo Palestino, como ontemseus políticos; ¡Espingarda, Metralla, Bolívia não se se negaram a fazê-lo em Bolívia ante o ataque da Médiacala!; ¡Que voltem os trabalhadores portuários de Lua fascista.EE.UU. em Oakland a bloquear os portos para que os Há que marchar desde Egito a derrubar o muro deianques não podem enviar pertrechos a suas tropas em Rafah e coordenar e centralizar à resistência Palestina.Iraque e Afganistán! ¡Que volte a comuna obreira e A classe obreiracamponesa em canetaviana deveOaxaca-México!; para levantar a demanda deassim poder derrotar ao ¡ Espingarda,imperialismo, suas metralla, Palestinabases militares em não se cala! ¡Pelanosso continente e a destrucción do estadoseus governos cipayos. sionista fascista dePara que morra a Israel! ¡Pela derrotaEuropa dos militar de todas asimperialistas e viva a tropas imperialistasu n i d a d e em Afganistán erevolucionária e Iraque! ¡Meiosocialista da Europa Oriente deve ser ados trabalhadores. Marcha dos professores na La Paz, Bolívia tumba doPara que nos unamos imperialismo!aos obreiros chineses ¡Pela derrota das tropas imperialistas que ocupamque lutam contra as multinacionais imperialistas como Haiti! ¡Pela derrota das tropas dos governos de Bolívia,Honda com greves em todas suas plantas, como nas fábricas Argentina, Brasil e Venezuela que sustentam o massacrede Tonghua e Lingzou ajusticiando a seus padrões negreiros contra o povo haitiano! ¡Pela derrota do golpe militare contra a brutal explotación que sofrem no norte de China proimperialista em Honduras! ¡Fora as tropasem mãos do selvagem capitalismo que hoje dirige o Partido imperialistas de toda Ameirica Latina e o mundo!Comunista desse país. Um congresso de unidade da classeobreira mundial para romper a subordinación da classeobreira de Médio Oriente às burguesías islámicas; que 16.¡Os trabalhadores do mundo devemos defender aem África rompa o cerco à revolución de Madagáscar e Cuba contra o bloqueio imperialista, mas también devemossuas milícias obreiras, rompendo a subordinación do defender as conquistas da revolución do próprio gobiernouproletariado à burguesía negra como começam a fazê-lo dos Castro e suas medidas procapitalistas que entregam aos obreiros têxteis em luta de Zimbabué e os obreiros hotelería e o níquel às multinacionais e hoje ameaçam comferroviários, da construcción e setores da base de soldados jogar de seus trabalhos a um millón de obreiros!em Sudáfrica. ¡Nesta unidade internacionalista, osobreiros latinoamericanos e os trabalhadores fabrilhes 17.Um verdadeiro congresso internacional para lutarde La Paz encontraremos as forças para triunfar! como um só puñou por ¡ Liberdade a todos os presos políticos do mundo! ¡Desprocesamiento de todos os 15. ¡De pé junto ao povo palestino! ¡Brigadas lutadores obreiros e populares! ¡Por tribunais obreirosinternacionalistas das organizações obreiras para atirar e populares para julgar e castigar a todos os responsáveisabaixo o muro do oprobio de Rafah e o cerco contra a dos massacres contra os explodidos!luta do povo palestino! ¡Pela destrucción do estadosionista fascista de Israel! Precisamos um congresso 18 . Precisamos um congreso obreiro internacionalobreiro internacional para chamar a todas as organizações que lute realmente pela independência de classe, aobreiras do mundo a romper o cerco que lhe impuseram independência dos sindicatos do estado burgués e pelatodas as *burguesías nativas “islámicas” de Médio Oriente más amplo democracia obreira nas organizações de luta.com o imperialismo. Não se pode combater o genocídio A unidade das filas obreiras que clama a base trabalhaiorado imperialismo com proclamas vacías de “ no congresso de CONLUTAS-Intersindical não virá desolidariedade com o povo palestino” e “boicote contra negociados entre os dirigentes; estamos por pôr em péIsrael” como propõe o congresso de Brasil e o de Madri. É comitês de fábrica, empresa por empresa, com delegadosnecessário pôr em pé uma Assembléia nacional obreiro e removibles pela base, sejam da central sindical que sejam.camponesa Palestina e brigadas obreiras internacionais Esta é a experiência dos obreiros brasileros nos 70 ‘com•8 • Org O Organizador Operário
  9. 9. sua coordenadora nacional de fábricas, e da COB em 1952 de todo o país, principalmente aos de Huanuni, a que rompame sua democracia revolucionária; é a democracia obreira com suas direções e conformemos juntos esse Bloco Obreiroque devemos voltar a conquistar em nossas organizações Internacionalista para conquistar uma dirección revolucionárioobreiras. da COB que é a única que pode levar adiante este programa ¡Abaixo os métodos das patotas de burócratas que para triunfar.utilizam a violência física para dirimir diferenças ¡Congresso de base da COB JÁ! ¡Por uma direcciónpolíticas! revolucionário internacionalista da COB! Os obreiros fabris estamos por derrotar os métodos Devemos conquistar desde as bases um verdadeiroinficionados pelas direções colaboracionistas e burocráticas congresso democrático da COB de delegados votados eme dos partidos reformistas: de apalear opositores para assembléia de todas as organizações que compomos nossoliquidar a democracia obreira e a liberdade de expresión e ente matriz. ¡Abaixo Morros traidor, fora da COB!pensamento ao interior das organizações obreiras. As ¡Salário básico vital e escala móvil de salários! ¡Por aumentoorganizações obreiras de Bolívia deram uma conseqüente geral de salários em base ao custo da canastra familiar!luta contra os métodos dos burócratas; pronunciaram-se ¡Trabalho para todos! ¡Pela escala móvil de horas de trabalho!condenamdou a agresión do Grupo Quilombo Urbano ¡Passe a planta permanente de todos os trabalhadores(aliado ao PSTU) contra os jóvenes do Comitê pelo Voto eventuais, contratados e precarizados! ¡Jubilación digno JÁ!Nulo – FT do Norte de Brasil. Estes métodos nefastos,envenenaram ao movimento obreiro internacional. Comtra o saque das trasnacionales: ¡Fora gringos! ¡Expropiación sem pagamento de todas as multinacionais sob 19 . ¡Abaixo as arbitragens e as conciliações obligatorias! controle obreiro para garantir a verdadeira nacionalización¡Fora as mãos do estado patronal das organizações obreiras! dos hidrocarbonetos! ¡Nacionalización sob controle obreiro e¡Abaixo todas as leis burguesas que regulamentam cómo sem indemnización de toda sas minas, oleodutos e gasoductos!têm que se organizar os trabalhadores: os obreiros nos ¡Nacionalización sem pagamento e sob controle obreiro doorganizamos como nós queremos! cerro Mutún! ¡Abaixo a burocracia e a aristocracia obreira! ¡Abaixo o ¡Abaixo os ministros “obreiros” do governo burgués dedesconto compulsivo das quotas sindicais! ¡Basta de Evo Morales! ¡Abaixo as arbitragens patronais obrigatórios!dirigentes vitalícios e milionários nos sindicatos: pordirigentes revogáveis em qualquer momento pelas ¡Há que derrotar aos fascistas da Média Lua! ¡Abaixo oassembléias de base, que ganhem o salário de um obreiro pacto do governo de Evo Morales com a Média Lua fascista!médio e que después de elogio um mandato, voltem a ¡A COB e todas suas organizações devem preparar-se paratrabalhar! ¡Por direções revolucionárias e internacionalistas derrotar ao fascismo pondo em pé a milícia obreira enos sindicatos e as organizações obreiras do mundo! camponesa como em 1952! ¡Por comitês de soldados em lous quartéis que desconheçam à oficialidade assassina do ejército Banzerista e se unam com suas armas ao povo! 20 . Desde a Federación Departamental de As direções colaboracionistas destruíram a aliança obreiraTrabalhadores Fabris de La Paz, chamamos em primeiro e camponesa que habíamoos conquistado nas ruas noslugar às bases das organizações obreiras reunidas em combates de 2003 e 2005, e lhe permitiram ao governo deSantos-Brasil, e a todas as organizações de luta dos Evo Morales controlar as organizações dos camponesestrabalhadores do mundo a conquistar este Congresso pobres. ¡Há que voltar a conquistar a aliança revolucionáriaObreiro Internacional para preparar, em base a este obreira e camponesa! ¡Expropiación dos grandesprograma, uma luta ounificada da classe obreira contra a terratenientes! ¡A terra para os camponeses! ¡Expropiaciónbarbárie imperialista. ¡Para que a classe obreira mundial da banca! ¡Banca estatal única sob controle dos trabalhadoresviva, o imperialismo deve morrer! para outorgar-lhe crédito barato aos camponeses arruinados para que tenham semente, tratores e fertilizantes!¡Há que retomar o caminho das jornadas de Outubro de ¡Por um governo obreiro e camponês!2003 e Maio Junho de 2005!¡Por um Bloco Obreiro Internacionalista! ¡Por um congresso obreiro internacional de ruptura das Desde a FDTFLP chamamos à dirección e aos organizações obreiras com a burguesía para enfrentar e derrotarcombativos trabalhadores do Magistério Urbano de La ao imperialismo! ¡Para que a crise a paguem os capitalistas: peloPaz, O Alto e Oruro a que lutemos juntos por este apelo triunfo da revolución socialista internacional!internacional, e a que coordenemos já mesmo efetivamente SECRETARIADO DE COORDINACIÓN INTERNACIONALnossa luta, poniendo em pé um Bloco Obreiro DA FRACCIÓN LENINISTA TROTSKISTA INTERNACIONALInternacionalista para lutar pelo programa que aquiapresentamos. Desta maneira convocar aos mineiros de baseInternacional •9 •
  10. 10. TESES DO PULACAYOTESE CENTRAL DA FEDERAÇÃO SINDICAL DE TRABALHADORES MINEIROS DE BOLÍVIA (Aprovada sobre a base do projeto apresentado pela delegação de Llallagua) Bolívia - Novembro de 1946. senão que surgem imediatamente as unas1.- FUNDAMENTOS 5. - “As características definitivas da das outras”. economia nacional, por grandes que sejam, 1.- O proletariado, ainda na Bolívia, fazem parte integrante, e em proporção cada 7. - Os senhores feudais têmconstitui a classe social revolucionária por vez maior, de uma realidade superior que se amalgamado seus interesses com os doexcelência. Os trabalhadores das minas, o chama economia mundial; neste fato tem seu imperialismo internacional, do que sesetor mais avançado e combativo do fundamento no internacionalismo operário.” converteram em seus serventesproletariado nacional, definem o sentido de O desenvolvimento capitalista se caracteriza incondicionais. Daí que a classe dominanteluta da FSTMB. por uma crescente tonificação das relações seja uma verdadeira feudal-burguesia. Dado internacionais, que encontram seu índice de o primitivismo técnico seria inconcebível a expressão no volume do comércio exterior. exploração do latifúndio se o imperialismo 2.- Bolívia é país capitalistaatrasado, dentro da amálgama dosmais diversos estágios de evoluçãoeconômica, predominaqualitativamente a exploraçãocapitalista, e as outras formaçõeseconômico-sociais constituemherança de nosso passado histórico.Desta evidência inicia o predomíniodo proletariado na política nacional. 3.- Bolívia pese tem ser paísatrasado só é um elo da correntecapitalista mundial. Asparticularidades nacionaisrepresentam em si uma combinaçãodos traços fundamentais da economiamundial. Milícia operária na revolução boliviana de 1952 4. - A particularidade bolivianaconsiste em que não se apresentouno palco político uma burguesia capaz de não fomenta artificialmente sua existêncialiquidar o latifúndio e as outras formas 6. - Os países atrasados se movem sob arrojando-lhe migalhas. A dominaçãoeconômicas pré-capitalistas, de realizar a o signo da pressão imperialista, seu imperialista não se a pode imaginar isoladaunificação nacional e a libertação do jugo desenvolvimento tem um caráter combinado: dos governantes crioulos. A concentração doimperialista. Tais tarefas burguesas não reúnem ao mesmo tempo as formas capitalismo se apresenta em Bolívia num altocumpridas são os objetivos democrático- econômicas mais primitivas e a última grau: três empresas controlam a produçãoburgueses que inadiavelmente devem palavra da técnica e da civilização mineira, isto é, o eixo econômico da produçãorealizar-se. Os problemas centrais dos capitalistas. O proletariado dos países nacional. A classe dominante é mesquinhapaíses semicoloniais são: a revolução agrária atrasados está obrigado a combinar a luta na mesma medida em que é incapaz dee a independência nacional, isto é, a pelas tarefas democrático-burguesas com a realizar seus próprios objetivos históricos elibertação do jugo imperialista, tarefas que luta pelas reivindicações socialistas. Ambas se encontra unida tanto aos interesses doestão estreitamente unidas as umas às tampas - a democrática e a socialista - “não latifúndio como os do imperialismo, O estadooutras. estão separadas na luta por etapas históricas feudal-burguês se justifica como um organismo de violência para manter os•10 • Org O Organizador Operário
  11. 11. privilégios do latifundiário e do capitalista. O O proletariado boliviano, por sua extrema revolução democrático-burguesa, por ser tal,Estado é um poderoso instrumento que juventude e incomparável vigor, por ter será realizada pelos setores “progressistas”possui a classe dominante para achatar a permanecido quase virgem no aspecto da burguesia e que o futuro estado encarnarásua adversária. Somente os traidores e os político por não ter tradições de a formula de governo de unidade e concórdiaimbecis que o estado tem a possibilidade de parlamentarismo e colaboracionismo nacionais, põe de manifesto a intenção firmeelevar-se acima das classes sociais e de classista e, em fim, por atuar num país no de estrangular ao movimento revolucionáriodecidir paternalmente a parte que que a luta de classes adquire extrema no marco da democracia burguesa. Oscorresponde a cada uma delas. beligerância, dizemos que por tudo isto o trabalhadores uma vez no poder não poderão proletariado pôde converter-se num dos mais deter-se indefinidamente nos limites 8. - A classe média ou pequena radicais. Respondemos aos reformistas e aos vendidos à rosca que um proletariado democrático-burgueses e se verão obrigados, cada dia em maior medida, a darburguesia é a mais numerosa e, no entanto,seu peso na economia é insignificante. Os de tal qualidade exige reivindicações cortes sempre mais profundos no regime da revolucionárias e uma temerária audácia na propriedade privada, deste modo a revoluçãopequenos comerciantes e proprietários, ostécnicos, os burocratas, os artesãos e os luta. adquirirá caráter permanente.camponeses, não puderam até agora Os trabalhadores mineiros denunciamosdesenvolver uma política de classe ante os explorados a quem pretendemindependente e menos o poderão no futuro. II.- O TIPO DE REVOLUÇÃO QUE substituir a revolução proletária com reuniõesO campo segue à cidade e nesta o caudilho DEVE REALIZAR-SE palacianas fomentadas pelos diversosé o proletariado. A pequena burguesia segue setores da feudal-burguesia.aos capitalistas em etapas de “tranqüilidadesocial” e quando prospera a atividade 1.- Os trabalhadores do subsolo nãoparlamentar. Vai por trás do proletariado em insinuamos que devem passar-se por alto III. LUTA CONTRA Omomentos de extrema agudização da luta as tarefas democrático-burguesas: luta por COLABORACIONISMO CLASSISTAde classes (exemplo: a revolução) e quando elementares garantias democráticas e pelatem a certeza de que será o único que lhe revolução agrária imperialista. Também nãoassinale o caminho de sua emancipação. negamos a existência da pequena burguesia, 1.- A luta de classes é, em último termoNos dois extremos a independência de sobretudo dos camponeses e dos artesãos. a luta pela apropriação da mais-valia. Osclasse da pequena burguesia é um mito. Assinalamos que a revolução democrático- proletários que vendem sua força de trabalhoEvidentemente, são enormes as burguesa, se não se a quer estrangular, deve lutam em fazê-lo em melhores condições epossibilidades revolucionárias de amplas converter-se só numa fase da revolução os donos dos meios de produçãocapas da classe média, basta recordar os proletária. (capitalistas) lutam por seguir usurpando oobjetivos da revolução democrático- Enquanto aqueles que nos assinalam produto do trabalho não pago, ambosburguesa, mas também é verdadeiro que não como propugnadores de uma imediata perseguem objetivos contrários, resultandopodem realizar por se sós tais objetivos. revolução socialista em Bolívia, bem estes interesses irreconciliáveis. Não sabemos que para isso não existem podemos fechar os olhos ante a evidência 9.- O proletariado se caracteriza por ter condições objetivas. Deixamos claramente sentado que a revolução será democrático- de que a luta contra os patronos é uma luta a morte, por que nessa luta se joga o destinoa suficiente força para realizar seus própriosobjetivos e inclusive os alheios. Seu enorme burguesa por seus objetivos e unicamente da propriedade privada. Não reconhecemos,peso específico na política está determinado um episódio da revolução proletária pela contrariamente a nossos inimigos, trégua napelo lugar que ocupa no processo da classe social que a acaudilhará. luta de classes. A presente etapa histórica,produção e não por seu escasso número. O A revolução proletária na Bolívia não querque é uma etapa de vergonha para aeixo econômico da vida nacional será dizer excluir às outras capas explodidas da humanidade, só poderá ser superada quandotambém o eixo político da futura revolução. nação senão a aliança revolucionária do desapareçam as classes sociais, quando já proletariado com os camponeses, os não existam explorados e exploradores. O movimento mineiro boliviano é um dos artesãos e outros setores da pequena Sofisma estúpido dos colaboracionistas quemais avançados de América Latina. O burguesia cidadã. sustentam que não deve ir-se à destruiçãoreformismo argumenta que não pode dar-se dos ricos, senão a converter aos pobres emno país um movimento social mais adiantadoque o dos países tecnicamente mais 2. ricos. Nosso objetivo é a expropriação dos - a ditadura do proletariado é uma expropriadores.evoluídos. Tal concepção mecanicista da projeção estatal de dita aliança. A consignarelação entre a perfeição das máquinas e a de revolução ditadura proletária põe em claroconsciência política das massas foi o fato de que será a classe operária o núcleo 2. - Todo tentativa de colaboração comdesmentida inumeráveis vezes pela história. diretor de dita transformação e de dito nossos verdugos, todo tentativa de Estado. O contrário, sustentar que a concessão ao inimigo em nossa luta, é nada menos que uma entrega dos trabalhadoresInternacional •11 •
  12. 12. à burguesia. A colaboração de classes quer salvação nacional. Quando existe fome e “democracia” do Norte e de sua prepotênciadizer renunciar de nossos objetivos. Toda opressão dos operários, não pode ter mundial. Não se pode falar de democraciaconquista operária, ainda a menor, foi grandeza nacional; isso se chama miséria e quando são sessenta famílias as queconseguida depois de cruenta luta contra o decrepitude nacionais. Nós aboliremos a dominam os Estados Unidos da América esistema capitalista. Não podemos pensar exploração capitalista. quando essas sessenta famílias chupam onum entendimento com os subjugadores por Guerra de morte contra o capitalismo! sangue dos países semicoloniais, como oque o problema das reivindicações Guerra de morte contra o colaboracionismo nosso. À prepotência ianque correspondetransitórias o uma descomunalsubordinamos à acumulação e agudizaçãorevolução proletária. dos antagonismos e Não somos contradições do sistemareformistas, ainda que capitalista. Estados Unidosentregamos aos é a pólvora que espera otrabalhadores a contato de uma só faíscaplataforma mais para explodir. Declaramo-avançada de nos solidários com oreivindicações, somos, proletariado norte-s o b r e t u d o , americano e inimigorevolucionários, por irreconciliável de suaque nos dirigimos a burguesia que vive datransformar a estrutura rapina, de incessantemesma da sociedade. Os fabris da La Paz atacam ao transformação do Estado Ministério do Trabalho num dócil instrumento em 3. - Recusamos a mãos dos exploradores. As reformista! Pelo caminho da luta de classes posturas de “boa vizinhança”, “pan-ilusão pequeno-burguesa de solucionar oproblema operário deixando em mãos do para a destruição da sociedade capitalista! americanismo”, etc., não são senão disfarces que utiliza o imperialismo ianque e a feudalEstado ou de outras Instituições que têm a burguesia crioula para enganar aos povosesperança de passar por organismoseqüidistantes entre as classes sociais em IV. LUTA CONTRA O IMPERIALISMO da América Latina. O sistema da consulta diplomática recíproca; a criação deluta. Tal solução, ensina a história do instituições bancárias internacionais commovimento operário nacional e tambéminternacional, significou sempre uma solução 1. - Para os trabalhadores mineiros luta dinheiro dos países oprimidos; a concessão de bases militares estratégicas para osde acordo aos interesses do capitalismo e a de classes quer dizer, sobretudo, luta contra ianques; os contratos leoninos sobre a vendacosta da fome e da opressão do proletariado. os grandes mineiros, isto é, contra um setor de matérias primas, etc., são diversas formasA arbitragem obrigatória e a regulamentação do imperialismo ianque que nos oprime. A da descarada entrega dos países sul-dos meios de luta dos trabalhadores é, na libertação dos explorados está subordinada americanos por seus governantes aogeneralidade dos casos, o começo da à luta contra o capitalismo internacional. imperialismo voraz. Lutar contra estederrota. Por que lutamos contra o capitalismo entreguismo e denunciar toda vez que o No possível trabalhamos por destroçar a internacional representamos os interesses de imperialismo mostre a garra, é um deverarbitragem obrigatória. Que os conflitos toda a sociedade e temos objetivos comuns elementar do proletariado.sociais sejam resolvidos sob a direção dos com os explorados de todo mundo. A Os ianques não se conformam comtrabalhadores e por eles mesmos!. destruição do imperialismo é questão prévia assinalar o destino das composições à tecnificação da agricultura e à criação da ministeriais, vão mais longe: tomaram para 4. - A realização de nosso programa de pequena e pesada indústria. si a tarefa de orientar a atividade policial dos Ocupamos a mesmo posição que o países semicoloniais, não outra coisareivindicações transitórias, que deve levar-nos à revolução proletária, está subordinada proletariado internacional por que estamos significa a anunciada luta contra ossempre à luta de classes. Estamos empenhados em destruir uma força também revolucionários anti-imperialistas.orgulhosos de ser os mais intransigentes internacional: o imperialismo. Trabalhadores de Bolívia: Fortificaiquando se fala de compromissos com os vossos quadros para lutar contra o rapazpadrões. Por isto é uma tarefa central lutar e 2. - Denunciamos como inimigo imperialismo ianque!destroçar aos reformistas que pregam a declarados do proletariado aoscolaboração classista, aos que aconselham “esquerdistas” alugados ao imperialismoapertar-se os cintos em aras da chamada ianque que nos fala da grandeza da•12 • Org O Organizador Operário
  13. 13. definitivamente o perigo fascista e os mais franca traição aos explorados eV. LUTA CONTRA O FASCISMO grupelhos fascistizantes! Somente com os esquecer do que nossa linha é a linha métodos da revolução proletária e no marco revolucionária da luta de classes. 1. da luta de classes poderemos derrocar o - Nossa luta contra o imperialismo tem fascismo.que ser paralela a nossa luta contra a feudal- 3. - As próximas eleições darão comoburguesia entreguista. O antifascismo se resultado um governo ao serviço dos grandesconverte, na prática, num aspecto de tal luta: mineiros, por algo será o produto de eleiçõesa defesa e consecução de garantias VI. A FSTMB E A SITUAÇÃO ATUAL que não têm nada de democráticas. A maioriademocráticas e a destruição das bandas da população, os indígenas e uma enorme percentagem do proletariado, pelosarmadas e mantidas pela burguesia. 1.- A situação revolucionária do 21 de obstáculos que põe a Lei Eleitoral e por ser julho, criada pela irrupção à rua dos analfabetos, está impossibilitado de coincidir 2. - O fascismo é produto do capitalismo explorados privados de pão e de liberdade e às urnas eleitorais. Setores da pequenainternacional. O fascismo é a última etapa a ação defensiva beligerante dos mineiros, burguesia, corrompidos por obra da classede decomposição do imperialismo, mas, com imposta pela necessidade de defender as dominante, determinam o resultado dastudo, não deixa de ser uma fase imperialista. conquistas sociais conseguidas e conseguir eleições. Não nos fazemos nenhuma ilusãoQuando se organiza a violência desde o outras mais avançadas, permitiu aos com respeito à luta eleitoral.Estado para defender os privilégios representantes da grande mineração montarcapitalistas e destruir fisicamente ao sua maquinaria estatal, graças à traição e Os operários não chegaremos ao podermovimento operário, encontramo-nos num cumplicidade dos reformistas que pactuaram por obra da papeleta eleitoral, chegaremosregime de corte fascista. A democracia com a feudal-burguesia. O sangue do povo por obra da revolução social. Por isto,burguesa é um luxo demasiado caro, que serviu para que seus verdugos devemos afirmar que nossa conduta frentesomente países que acumularam muita consolidassem sua posição no poder. O fato ao futuro governo será a mesma que frentegordura a costa da fome mundial podem dar- de que a Junta de Governo seja uma à atual Junta de Governo. Se se cumpremse. Em países pobres, como o nosso, por instituição provisória não modifica em nada as leis, felicitações, para isso estão postosexemplo, os operários num momento a situação criada. os governantes. Se não chegam a cumprirdeterminado estão condenados a enfrentar- enfrentarão nossa mais enérgico protesto. Os trabalhadores mineiros fazem bemse com a boca das espingardas. em colocar-se à expectativa frente aos Pouco importa o partido político que governantes e exigir que obriguem àstenha que recorrer a medidas fascistizantes empresas cumprir as leis que regem o país. VII. REIVINDICAÇÕESpara viver melhor os interesses imperialistas. Não podemos nem devemos solidarizar-nos TRANSITÓRIASSe se persiste em manter a opressão com nenhum governo que não seja nosso Cada sindicato, cada região mineira, têmcapitalista, o destino dos governantes está próprio, isto é, operário. Não podemos dar seus problemas peculiares e os sindicalistasjá escrito: a violência contra os operários. esse passo por que sabemos que o Estado devem ajustar sua luta diária a essas representa os interesses da classe social peculiaridades. Mas existem problemas que, 3. - A luta contra os grupelhos dominante. por si sós, sacodem e unificam aos quadrosfascistizantes está subordinada à luta contra operários de toda a nação: a misériao imperialismo e a feudal-burguesia. Os que, 2.- Os ministros “operários” não mudam crescente e o boicote patronal que se fazempretextando lutar contra o fascismo, a natureza dos governos burgueses. cada dia mais ameaçantes. Contra essesentregam-se ao imperialismo “democrático” Enquanto o Estado defende à sociedade perigos a FSTMB propugna medidase à feudal-burguesia também “democrática”, capitalista, os ministros “operários” se radicais.não fazem outra coisa que preparar o convertem em vulgares proxenetas dacaminho para a chegada inevitável de um burguesia. O operário que tem a debilidaderegime fascistizante. 1. - Salário básico vital e escala celular de mudar seu posto de luta nas filas de salários.- A supressão do sistema de Para destruir definitivamente o perigo revolucionárias por uma carteira ministerial mercado barato e a excessiva desproporçãofascista temos que destruir o capitalismo burguesa, passa às filas dos traidores. A existente entre padrão de vida e os salárioscomo sistema. burguesia cria aos ministros “operários” para reais, exige a fixação de um salário básico Para lutar contra o fascismo, longe de poder enganar melhor e mais facilmente aos vital.atenuar artificialmente as contradições trabalhadores, para conseguir que osclassistas, temos que avivar a luta de explorados abandonem seus própriosclasses. métodos de luta e se entreguem em corpo e Nota.- O Primeiro Congresso Extraordinário da Operários e explorados em geral: alma à tutela do ministro “operário”. FSTMB, complementando este ponto, lembrouDestruamos o capitalismo para destruir A FSTMB nunca irá fazer parte dos lutar pela implantação da semana de trabalho governos burgueses, pois isso significaria a de trinta e seis horas para mulheres e meninos.Internacional •13 •
  14. 14. O estudo científico das necessidades da Somente estas medidas nos permitirão ainda em épocas que não sejam suaves parafamília operária deve servir de base para a evitar que os quadros operários sejam os capitalistas.fixação do salário básico vital, isto é, do destroçados pela miséria e que o boicote O direito ao trabalho não é umasalário que permita a essas famílias levar patronal aumente artificialmente o exercito reivindicação dirigida a tal ou qual capitalistauma existência que possa chamar-se de desocupados. em particular, senão ao sistema em seuhumana. conjunto, por isto não pode interessar-nos o Como sustentou o Terceiro Congresso 3.- Ocupação de minas.- Os capitalistas lamento de alguns pequenos empresáriosMineiro (Catavi-Llallagua, março de 1946), pretendem conter o ascendente movimento quebrados.esse salário vital deve ser complementado operário com o argumento de que estão Se os patronos se encontramcom o sistema da escala celular de salários. obrigados a fechar suas minas em caso de incapacitados de outorgarem a seusEvitemos que a curva do alça dos preços ter perdas. Pretende-se pôr uma corda no escravos um pedaço mais de pão; se onão possa nunca ser atingida pelos capitalismo para subsistir se vêreajustes periódicos de salários. obrigado a atacar o salário e as Ponhamos fim à eterna manobra conquistas atingidas, se osde anular os reajustes de salários capitalistas respondem a todamediante a depreciação do signo tentativa reivindicativa com amonetário e pela elevação quase ameaça do fechamento de suassempre artificial, dos preços dos instalações, não lhes fica aosmeios de subsistência. trabalhadores mais recurso do que Os sindicatos devem encarregar- ocupar as minas e tomar por suase de controlar o custo da vida e conta o manejo da produção.exigir às empresas o aumento A ocupação das minas por seautomático de salários de acordo a mesma ultrapassa o marco dodito custo. O salário básico, longe de capitalismo, já que propõe a questãoser estático, deve seguir à curva do de saber quem é o verdadeiro donoaumento dos preços dos artigos de das minas: os capitalistas ou osprimeira necessidade. trabalhadores. A ocupação não se deve confundir com a socialização 2. - Semana de 40 horas de das minas, trata-se somente de evitar que o boicote patronaltrabalho e escala celular de horas de prospere, que os trabalhadorestrabalho.- A tecnificação das minas sejam condenados a morrer-se deacelera o ritmo do trabalho dooperário. A própria natureza do fome. A greve com ocupação das minas se converte num dos objetivostrabalho no subsolo converte a centrais da FSTMB.jornada de 8 horas em excessiva e que pescoço dos sindicatos apresentando-lhesaniquila em forma desumana a vitalidade do Por tais projeções, é evidente que a o espectro dos funcionários públicos ocupação das minas adquire categoria detrabalhador. A luta mesma por um mundo demitidos. Ademais, a paralisaçãomelhor exige do que em alguma medida se medida ilegal. Não podia ser de outro modo. temporária das explorações, demonstra-o alibere ao homem da escravatura da mina. experiência, só serviu para procurar os Um passo que desde todo ponto de vista Por isto, a FSTMB lutará pela verdadeiros alcances das leis sociais e para supera os limites do capitalismo não podeconsecução da semana de quarenta horas, re-contratar os operários, sob a pressão da encontrar uma legislação preestabelecida.jornada que deve ser complementada com fome, em condições verdadeiramente Sabemos que ao ocupar as minasa implantação da escala celular de horas de vergonhosas. rompemos o direito burguês e nostrabalho. A única maneira de lutar encaminhamos a criar uma nova situação, As grandes empresas têm o sistema de que depois os legisladores ao serviço doseficazmente contra o perigo permanente do dupla contabilidade. Uma para exibí-la anteboicote patronal contra os operários, está em explorados se encarregarão de introduzí-la os operários e pagar os impostos ao Estadoconseguir a implantação da escala celular nos códigos e tentarão estrangulá-la e outra para estabelecer a quantia de mediante regulamentações.de horas de trabalho na mesma proporção dividendos. Não podemos ceder em nossasem que aumenta o número de desocupados. aspirações ante os algarismos dos livros de O decreto supremo da Junta de GovernoTal diminuição não deve significar uma contabilidade. proibindo a apreensão das minas pelosdiminuição do salário, já que este é operários não afeta nossa posição. Os operários que sacrificaram suas vidasconsiderado vital necessário. Sabíamos que não é possível contar em tais em aras da prosperidade das empresas têm casos com a colaboração governamental e o direito de exigir não se lhes negue trabalhar,•14 • Org O Organizador Operário
  15. 15. tendo a evidência de não fazer sob o amparo de todos os setores da burguesia e de seus o massacre de Catavi se repita temos quedas leis, não nos fica mais recurso do que agentes de “esquerda”. A sífilis do movimentoarmar aos trabalhadores. Para recusar àsocupar as minas sem direito a indenização bandas fascistas e aos fura-greves, operário constitui o sindicalismo dirigido. Osalguma em favor dos capitalistas. sindicatos quando se convertem em formemos piquetes operários devidamente A ocupação das minas deve fazer surgir apêndices governamentais perdem sua armados.os Comitês de Minas, que devem formar-se liberdade de ação e arrastam às massas pelo De onde sacamos armas? Ocom a participação de todos os caminho da derrota. fundamental é ensinar aos trabalhadores detrabalhadores, inclusive dos não Denunciamos à Confederação Sindical base que devem armar-se contra a burguesiasindicalizados. Os Comitês de Minas devem de Trabalhadores de Bolívia (CSTB) como a armada até os dentes; os meios já sedecidir os destinos da minas e dos operários agência governamental no campo operário. encontrarão. Esquecemos talvez queque intervêm na produção. Não podemos confiar em organizações que diariamente trabalhamos com poderosos Trabalhadores mineiros: ¡para recusar o têm sua secretaria permanente no Ministério explosivos?.boicote patronal OCUPAI As MINAS! de Trabalho e enviam a seus membros tem Toda greve é o começo potencial da realizar propaganda governamental. guerra civil e a ela devemos ir devidamente 4. - Contrato coletivo de trabalho.- em A FSTMB tem absoluta independência em relação com os setores burgueses, ao armados. Nosso objetivo é vencer e para isso não devemos esquecer que a burguesianossa legislação o padrão pode escolher reformismo de esquerda e ao governo. conta com exércitos, polícias e bandaslivremente entre o contrato individual e Realiza uma política sindical revolucionária fascistas. Corresponde-nos, pois, organizarcoletivo. Até a data e por que às empresasassim lhes interessa não foi possível levar à e denúncia como traição toda componenda as primeiras células do exército proletário. com a burguesia ou com o governo. Todos os sindicatos estão obrigados a formarprática o contrato coletivo. Temos que lutar Guerra de morte contra o sindicalismo piquetes armados com os elementos jovenspor que se estabeleça uma só forma decontrato de trabalho: o coletivo. dirigido! e combativos. Os piquetes sindicais devem organizar- Não se pode permitir que a prepotênciado capitalista enrole o trabalhador individual, 6. - Controle operário nas minas.- A se militarmente e à brevidade possível.incapaz de dar um livre consentimento ali FSTMB apóia toda medida que tomem osonde a miséria do lar obriga a aceitar o mais sindicatos em sentido de realizar um efetivo 8. - Bolsa pró-greve.- As empresas têmignominioso contrato de trabalho. controle dos operários em todos os aspectos uma arma de controle dos mercados e nos Aos capitalistas organizados, que fazem do funcionamento das minas. miseráveis salários que obrigam os operáriosem comum acordo para extorquir ao operário Temos que romper os segredos patronais a não ter mais recursos do que asmediante o contrato individual oponhamos de exploração, de contabilidade, de técnica, remunerações diárias. A greve tem seu pioro contrato coletivo dos trabalhadores de transformação de minerais, etc., para inimigo na fome que sofrem os grevistas.organizados nos sindicatos. estabelecer a direta intervenção dos Para que a greve chegue a feliz termo se a) O contrato coletivo de trabalho deve trabalhadores como tais em ditos “secretos”. tem que eliminar a adversa pressão familiar.ser sobretudo, revogável em qualquer Já que nosso objetivo é a ocupação das Os sindicatos estão obrigados a destinar umamomento pela só vontade dos sindicatos; b) minas, temos que nos interessar em sacar parte de seus rendimentos a engrossar a às claras os segredos patronais. bolsa pró-greve, para poder, se for o casode adesão, isto é, obrigatório ainda para osnão sindicalizados, o operário que vá Os operários devem controlar a direção outorgar, aos operários o socorro necessário.contratar-se encontrará preestabelecida as técnica da exploração, da contabilidade, ¡Destruamos o controle patronal dascondições pertinentes; c) não deve excluir intervir na designação de empregados de greves mediante a fome, organizado deas condições mais favoráveis que se tivesse categoria e, sobretudo, devem interessar-se imediato bolsas pró-greve!conseguido mediante contratos individuais; em publicar os benefícios que recebem osd) sua execução e o contrato mesmo devem grandes mineiros e as fraudes que realizam 9. - Regulamentação da supressão doestar controlados pelos sindicatos. quando se trata de pagar impostos ao Estado mercado barato.- Já dissemos que o sistema O contrato coletivo deve tomar como e de contribuir à Caixa de Seguro e poupança de mercado barato permitia aos patronos umponto de partida nossa plataforma de operária. enriquecimento indevido a costa do salárioreivindicações transitórias. Aos reformistas que falam dos sagrados do trabalhador. A simples supressão do Contra a extorsão do capitalismo: direitos do padrão, oponhamos a consigna mercado barato não faz senão agravar aCONTRATO COLETIVO DE TRABALHO! de CONTROLE OPERÁRIO NAS MINAS. situação dos trabalhadores e se converte numa medida contrária a seus interesses. 5.- Independência sindical.- A realização 7. - Armamento dos trabalhadores.- Para que a supressão de mercado barato Dissemos que enquanto exista o capitalismo cumpra sua função deve exigir-se que ode nossas aspirações será possível sesomos capazes de liberar-nos da influência a repressão violenta do movimento operário regulamento respectivo complemente dita é um perigo latente. Se queremos evitar queInternacional •15 •

×