• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Receitas tradicionais mineiras
 

Receitas tradicionais mineiras

on

  • 22,020 views

 

Statistics

Views

Total Views
22,020
Views on SlideShare
22,015
Embed Views
5

Actions

Likes
4
Downloads
0
Comments
1

1 Embed 5

http://cursodeguias-cenforpbio.blogspot.com 5

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Receitas tradicionais mineiras Receitas tradicionais mineiras Document Transcript

    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 A Culinária na Estrada Real Adelaide Engler Consultora em Culinária e Turismo O caminho da Estrada Real foi traçado pelos bandeirantes, tropeiros e aventureiros que buscavam os tesouros das Minas Gerais. O caminho inicial passa por importantes cidades mineiras, que foram formadas naquela época : Diamantina, Ouro Preto, Tiradentes, São João Del Rey, São Tomé das Letras, Caxambu, São Lourenço, depois atravessa o Vale do Paraíba e vai até o Porto de Parati, por onde escoavam as riquezas. O chamado caminho novo desce por Barbacena, Juiz de Fora, Itaipava e Petrópolis, encerrando-se no Rio de Janeiro. No início, havia abundância de ouro e pedras preciosas, mas havia escassez do bem mais precioso - alimentos. Os bandeirantes se mantinham com o que era possível transportar ou obter na natureza, aprendendo com os índios. Muitos escravos morriam de fome. A convivência destas três raças fez surgir a nossa rica cozinha mineira, que mistura técnicas e ingredientes dos índios, dos africanos e dos portugueses. A cozinha mineira é história. É fácil encontrar explicações lógicas para os hábitos mais peculiares. Os doces, para ajudar na conservação, eram feitos com muito açúcar e daí surgiu o hábito de consumi-los com queijo, para equilibrar o paladar. A cachaça era servida para os escravos, que vinham com seus pés gelados após horas de trabalho na mineração, com o intuito de aquecer. Carne de porco, carne seca, galinha, peixes, mandioca, milho, arroz, feijão, verduras, queijos, pimenta, frutas, biscoitos, rapadura, doces, tudo se combina na tradicional cozinha das Minas Gerais. É possível distinguir as influências de cada raça em nossos pratos e até mesmo nos utensílios usados até hoje na produção de alimentos. Dos índios, herdamos as folhas, como o ora-pro-nobis; os brotos de samambaia, abóbora, bambu; o feijão andu; a batata; o mel; a mandioca, em suas mais variadas formas - cozida, assada, farinha, caldo ou mingau. O milho, assim como a mandioca, é consumido de diversas formas, seja cozido, assado, em forma de pamonha, farinha ou no famoso angu, que acompanha muito bem as carnes. As frutas locais: a pitanga, a amora, o pequi, a cagaita, o maracujá do mato, o jatobá, a gabiroba, o bacupari e o aromático limão capeta, que tem também funções medicinais. Herdamos também o gosto pela pesca e pela caça – o lambari, o piau, o mandim, a traíra, o jacaré, o macaco, a codorna, o coelho, o pombo, o veado, o tatu, a paca, o porco-do-mato, a cobra, o lagarto e até mesmo gambá, todos fazem ou já fizeram parte das mesas mineiras. O urucum, também conhecido como colorau, é usado até hoje para dar uma atraente cor avermelhada aos pratos. Foi apresentado pelos índios, que faziam com a planta sua tinta natural para se pintar e repelir insetos, além do uso medicinal: o chá das sementes tem ação digestiva e expectorante. A infusão das folhas atua contra bronquite, faringite e inflamação dos olhos. O pó é digestivo, laxante, expectorante, febrífugo, cardiotônico, hipotensor e antibiótico, agindo como anti- inflamatório para contusões e feridas.
    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 Dos índios recebemos também utensílios e instrumentos, e até mesmo a técnica do artesanato, para a confecção dos balaios de taquara. Os vasilhames de barro e bambu, as cabaças de abóbora e o cuité, para tomar uma boa cachaça. Para assar havia vários métodos: - eram usadas trempes de madeira, onde carnes de caça ou pesca eram enfiadas em espetos de bambu e amarradas com cipó; - o fogão de chão: em um buraco cavado na terra, eram colocados alimentos enrolados em folhas, o buraco era novamente tampado com terra e acesa uma fogueira em cima; - o fogão de pedra: montagem de três pedras fincadas no chão; - a fornalha de cupim: um cupinzeiro era esculpido com 2 aberturas - a maior usada para colocar a lenha e fazer brasa, a menor para sair a fumaça. - o forno de barranco: buraco cavado no meio do barranco com um a saída para a fumaça e uma entrada para a lenha. Este era usado para o preparo de cerâmica. A evolução de todos esses métodos fez com que surgisse o charmoso fogão de lenha : feito de adobe, tijolo ou pedra-sabão. Dos africanos recebemos hábitos alimentícios bastante praticados em Minas, como o gosto pelo quiabo, a farinha, o cuscuz, o toucinho, o feijão preto e a couve. Entre os utensílios, os que mais se destacam são as gamelas, utilizadas durante o preparo e também para servir. Seus variados tamanhos e madeiras permitem uma decoração harmoniosa e atraente para uma mesa. Os portugueses também deixaram sua marca. Foram importantes no aprimoramento da mesa, na sofisticação da apresentação dos pratos e especialmente na confeitaria de bolos, biscoitos e doces. Trouxeram o cultivo da cana-de-açúcar, o melado, os doces de ovos, as compotas de frutas, as roscas da Rainha, as geléias, os bolos, os sequilhos, os licores, sementes de café e feijão, as favas e também pratos ensopados de carne e legumes, almôndegas e frango ao molho pardo (este, já herdado por eles da cozinha francesa). Os pratos ficaram mais finos não apenas pelas receitas, mas também pelas lindas porcelanas trazidas da coroa. Nos séculos XIX e XX vieram também outros imigrantes europeus: alemães, ingleses, belgas e italianos, que aqui deixaram suas marcas. O bolo inglês ou english cake, trazido pelos funcionários das minerações inglesas, pronunciado erroneamente pelos brasileiros, ficou conhecido pelo nome de “queka”. As técnicas de fazer lingüiça, provavelmente trazidas pelos portugueses e aprimoradas com os imigrantes alemães. Além do uso abundante da abobrinha, tão apreciada pelos italianos e pelos mineiros.
    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 A COZINHA Como é linda e fascinante a decoração de uma cozinha típica mineira! As casas de fazenda tinham arquitetura semelhante umas às outras. Do lado de fora ficava o forno a lenha, para o preparo das quitandas, e também um balcão para destrinchar o porco, principal carne utilizada nas fazendas. A cozinha era parte importante da casa, ficava no fundo, o teto era enegrecido pela fumaça, o chão de terra batida ou atijolado, mas era muito grande e bem equipada. No meio ficava sempre o fogão a lenha, grande e com muitas bocas para trabalhar. Dependuradas sobre o fogão, ripas de madeira de onde pendiam lingüiças e carnes para defumar. Nas laterais, balcões ornados com os adereços típicos: tachos de cobre, colheres de pau, gamelas, peneiras, latas com quitandas, pilão de madeira para tempero e pilão grande para socar café. Na entrada da cozinha, uma grande mesa e longos bancos, todos de madeira, onde cozinheiras, crianças e mulheres se reuniam para enrolar biscoitos e preparar o delicioso pão de queijo. Este surge apenas mais tarde, após o início da criação de gado na região, que trouxe a carne de boi e o leite, que permitiram a produção dos famosos queijos de Minas. OS PRATOS TÍPICOS Costelinha, lombo, lingüiça, tutu de feijão, feijão tropeiro, caldo de mandioca, frango ao molho pardo e frango com quiabo são os pratos mais encontrados em todas as cidades históricas do Ciclo do Ouro. Alguns ainda preparam estas iguarias usando banha de porco, que confere um aroma e um sabor super especial. Os acompanhamentos variam um pouco. Os mais comuns são: torresmo, couve, chuchu, abobrinha, abóbora, arroz, mandioca, farofa, angu e ora-pro-nóbis (uma verdura selvagem da região, rica em proteínas, que aparecia nos quintais). No café-da-manhã, não pode faltar o famoso pão de queijo, a broa de milho, a rosca, os queijos e biscoitos caseiros doces e salgados - o biscoito de polvilho, biscoito de queijo, biscoito frito, o biscoito de araruta e muitos outros. Estes saborosos hábitos do interior de Minas, viraram uma paixão nacional. O pão de queijo hoje é produzido industrialmente, consumido em todo o País e também no exterior. A Cachaça A cachaça, que antigamente era um destilado barato utilizado para aquecer os pobres escravos, hoje atrai a atenção de multidões. O setor fatura milhões e são organizadas feiras anuais em Belo Horizonte com participação de diversos produtores e milhares de visitantes. A cachaça é hoje o terceiro destilado mais consumido no mundo, perdendo apenas para o whisky e a vodka.
    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 Origem e produção A cana-de-açúcar, elemento básico para obtenção de vários tipos de álcool é uma planta da família das gramíneas, seu nome em latim é Saccharum Officinarum e é originária da Ásia. Os primeiros relatos sobre fermentação da cana-de-açúcar, vêm dos egípcios antigos, que inalavam esses líquidos para cura de moléstias. A fermentação, é o processo onde o açúcar é transformado em álcool. Para ele ocorrer, é necessário um agente catalisador: os fungos ou leveduras, neste caso a Saccharomyces, que transforma a sacarose em etanol. Mais tarde, os alquimistas passaram a atribuir à aguardente propriedades místicas, e chamaram-na de eau de vie, ou água da vida, receitada como elixir da longevidade. Os árabes desenvolveram os equipamentos para destilação e começaram a produzir algo semelhante às aguardentes que conhecemos hoje. Alguns similares pelo mundo Em toda a região Mediterrânea são bastante populares aguardentes transparentes, que possuem aroma de aniz e quando misturadas com água tornam-se esbranquiçadas. Na França produzem o Pastis, na Grécia o Ouzo, no sul da Ásia, a bebida é chamada de Arak. Na Itália destila-se a uva e se produz-se a Grappa; na Alemanha destila-se a cereja e produz-se o Kirsch; na Escócia a cevada, que produz o muito conhecido Whisky. Na Rússia, a Vodka, que é feita do centeio; no Japão, o Sakê, obtido a partir do arroz; e na Escandinávia, a Aquavit, obtida através da batata.. Portugal destila o bagaço da uva e produz a Bagaceira. O Rum, produzido nos países hispanicos das Américas, difere da nossa Cachaça pois é produzido do melaço da cana-de-açúcar e não apenas do suco da cana ou garapa. A cachaça na gastronomia Podemos definir a cachaça, popularmente conhecida por pinga e mais de duzentos outros sinônimos, como uma aguardente de cana. É um destilado muito versátil. É excelente ingrediente para coquetéis, como a famosa caipirinha, a saborosa batida de coco e também pode ser apreciada pura, especialmente aquelas cachaças de coloração amarelada, envelhecidas em barris de carvalho. Podemos utilizar a cachaça também na cozinha. Muitos pratos tradicionais da cozinha mineira levam cachaça. Ela é especialmente utilizada no preparo de carnes, para reduzir a gordura e a “mágoa”. Segundo a sabedoria popular, o animal ao ser abatido morre com raiva pela violência sofrida na morte. Esta violência é chamada de “mágoa” . Criou-se então o hábito de usar cachaça e limão no preparo das carnes, com o intuito de aliviar os possíveis efeitos malignos da adrenalina negativa no abate e reduzir a gordura. Há também a tradicional gelatina de cachaça e várias outras iguarias que levam a aguardente na receita. Pratos modernos podem ser criados com um toque especial dado pela cachaça - risottos, molhos doces e salgados, carnes, frutas e caldas flambadas para sobremesas, não há limites. A globalização O setor vem crescendo e se organizando rapidamente. Hoje existe uma legislação para controlar a qualidade da cachaça. Apenas as aguardentes de cana-de-açúcar produzidos no Brasil e com teor alcóolico entre 38o e 54o GL podem ser chamados de cachaça.
    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 Ela é hoje um produto internacional: é a 3a bebida destilada mais consumida no mundo. A exportação da cachaça saltou de 2,1 milhões de litros em 1983 para 18 milhões em 2004. A Alemanha e os países da América Latina são os maiores importadores de cachaça do Brasil. O Brasil produz 1,5 bilhões de litros de cachaça por ano e a indústria, só no Estado de Minas Gerais, movimentou 1,5 bilhões de Reais em 2003. Minas lidera o mercado de cachaça artesanal no Brasil , contando com muitos produtores de cachaças envelhecidas, de grande qualidade. RECEITAS TRADICIONAIS MINEIRAS Galinha ao Molho Pardo ou Galinha à Cabidela Obs: Para fazer este prato, é necessário obter o sangue fresco de 1 galinha, batido imediatamente com 2 colheres de sopa de vinagre, para não talhar. Ingredientes : 1 galinha já limpa, cortada em pedaços suco de 2 limões 1 cebola picada 2 colheres de sopa de óleo 1 dente de alho socado 1 folha de louro Sal a gosto 1 colher de sopa de farinha de trigo. Modo de Fazer: Limpar a galinha cuidadosamente, por dentro e por fora. Esfregar o suco dos limões e cortar em pedaços pelas juntas - o peito em 3 partes. Numa panela colocar o óleo, a cebola, a folha de louro e refogar até a cebola ficar transparente. Juntar os pedaços da galinha, temperar com sal, acrescentar um pouco de água e cozinhar em fogo brando até a carne ficar bem macia. Pouco antes de servir, tirar um pouco do caldo em que a galinha está cozinhando, misturar com o sangue que ficou reservado, e com a farinha de trigo. Colocar na panela e cozinhar mais um pouco, mexendo com uma colher-de-pau para engrossar. Servir bem quente com arroz branco, angu e couve . Tutú de Feijão Ingredientes : 500g de feijão cozido 100g de farinha de mandioca 200g de torresmo 200g de lingüiça 4 ovos cozidos, cortados em rodelas 1 cálice de cachaça 1 cebola pequena repicada
    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 1 cebola cortada em rodelas, refogada em 1 colher de sopa de azeite 1 colher de alho repicado Sal e pimenta a gosto Óleo para refogar Salsinha repicada Modo de fazer: Bater no liquidificador o feijão com o caldo do cozimento. Aquecer o óleo, refogar o alho e a cebola repicada. Colocar o feijão e deixar cozinhar no fogo baixo, até o momento de colocar a farinha. Colocar a cachaça e o sal. Deixar cozinhar mais um pouco. Acrescentar umas gotas de caldo de pimenta malagueta (facultativo). À parte, cozinhar e picar os ovos, fritar a lingüiça e o torresmo e dourar a cebola no azeite. Despejar o tutú em um refratário, colocando por cima os ovos, a lingüiça, os torresmos, a cebola e a salsinha picada. Frango com quiabo Ingredientes : 1 Frango inteiro 1/2 Kg tomates maduros picados sem sementes 1/2 Kg quiabo picado grosso 1 cebola batida 2 dentes de alho Salsinha e cebolinha (cheiro verde) Sal e pimenta do reino Modo de Fazer: Picar o frango, nas juntas, lavar e temperar com sal e pimenta. Refogar com óleo. Depois de corado, colocar o tomate picado e a cebola batida. Colocar um pouco de água, tampar e deixar cozinhar 10 minutos. A seguir, colocar o quiabo picado e deixar cozinhar sem mexer. Acrescentar o cheiro verde e servir acompanhado de angu. Feijão Tropeiro O feijão tropeiro, composto de uma mistura de feijão cozido, farinha de mandioca, lingüiça ou carne de porco e torresmo, era a alimentação básica dos homens que transportavam mercadorias em lombo de burro (tropas) no século XVIII. Era preparado pelos próprios homens, nas paradas feitas durante a viagem. Ingredientes : 500g de feijão cozido al dente 2 dentes de alho cortados em pedacinhos 1 cebola média cortada em pedacinhos 200g de bacon em cubinhos 400g de torresmo 400g de lingüiça de pernil 6 ovos 1 xícara de farinha de mandioca torrada
    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 Óleo ou Azeite Sal e pimenta a gosto Salsinha picada Modo de Fazer: Fritar os ovos em um pouco de manteiga e deixar firmar antes de mexer, em uma frigideira. Colocar o óleo ou azeite em uma panela grande e larga; fritar o bacon. Refogar o alho e a cebola na mesma panela. Acrescentar o feijão sem o caldo e temperar com sal e pimenta. Deixar ferver um pouco para apurar o tempero; Colocar os ovos, a lingüiça e o torresmo. Desligar o fogo e colocar a farinha e a salsinha Angu à mineira Ingredientes : 6 ½ xícaras de água 6 ½ xícaras de leite 2 ½ xícaras de fubá moinho d’água 1 colher de manteiga Sal a gosto Modo de Fazer: Numa vasilha, dissolver o fubá em 3 xícaras de água fria. À parte, levar ao fogo, em uma panela, a água restante, a manteiga e o leite. Quando ferver, abaixar o fogo e despejar a água com o fubá na panela. Temperar com sal e cozinhar, mexendo sempre com uma colher de pau, por 15 minutos ou até obter a consistência de um purê. Canjiquinha com costelinha Ingredientes : 400g de canjiquinha 1 kg de costelinha ½ kg de lingüiça calabresa ½ xícara de óleo 2 tomates em cubos pequenos Couve Cebola, alho, salsa e cebolinha a gosto Caldo de carne Sal e pimenta malagueta a gosto Modo de Fazer: Deixar a canjiquinha de molho por aproximadamente 2 horas. Cozinhar em água abundante e reservar.
    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 Cortar a costelinha em pedaços. Temperar com sal, alho e cebola picados e a pimenta malagueta. Aquecer o óleo e fritar a costelinha. Quando estiver quase frita, acrescentar a lingüiça calabresa e mexer até que as duas fiquem douradas. Acrescentar o tomate picado, em cubos pequenos, colocar a canjiquinha cozida e a água em que ela foi cozida. Se necessário, acrescentar um pouco de água quente. Provar o tempero e corrigir, se for o caso. Picar a couve bem fina e colocar por cima. Decorar com salsinha e cebolinha picadas. Vaca atolada Conta-se pelas terras de Minas que este tradicional prato ganhou o engraçado nome de vaca atolada porque, ao ficar pronto, lembra a imagem do gado, que cruzava o território mineiro, atolado nos brejos das trilhas dos tropeiros. Seja esta história verdadeira ou não, o que ninguém pode negar é que vaca atolada é apreciada em muitas cidades mineiras. Ingredientes : 2 cebolas grandes, cortadas em rodelas 1 kg de costelas de vaca 1kg de mandioca 3 gotas de Pimenta Malagueta 3 colheres de sopa de Óleo 1 colher de chá de Tempero Mineiro (Receita abaixo) 1 tomate grande Modo de Fazer: Temperar as costelas de vaca (partidas em pedaços). Refogar no óleo, deixando corar. Pingar água até cozinhar. Acrescentar a mandioca aos pedaços (previamente descascadas, lavadas e escorridas). Quando a mandioca estiver quase cozida, cobrir com rodelas de cebolas. Ferver mais um pouco até cozinhar . Dispor numa travessa - as costelas por baixo e as mandiocas e cebolas por cima. * Tempero mineiro: alho, cebola, cebolinha verde, pimentões verdes, sal e salsa, batidos no liquidificador. Leitão Pururuca Desde épocas imemoriais, o leitão assado e servido inteiro à mesa já encheu os olhos (e estômagos) de reis, rainhas e da nobreza que os cercava. Entre os plebeus e camponeses, embora bem mais raramente, o leitão também fazia parte dos principais banquetes e festas, por ser um símbolo de fartura que, acreditava-se, atraía ainda mais abundância à mesa da casa de quem o servia. Acredita-se que a tradição de comer o leitão e mesmo a utilização de grande quantidade de partes do porco e seus derivados (banha, pernil, torresmo etc.) nas mais diversas receitas mineiras tenha se fixado por influência dos portugueses, que, nos pousos e pequenos vilarejos à beira das trilhas das Minas Gerais, criavam porcos para servir aos tropeiros que por lá passavam na busca incessante do ouro.
    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 O leitão pururuca é, portanto, uma legítima amostra da adaptação em terras mineiras, com seus temperos e modos de fazer, de tradições vindas de além-mar e que até hoje nos deixam com água na boca. 1 leitão de 5 kg 8 dentes de alho esmagados 1 cebola picada Suco de 5 limões 1 garrafa de vinho branco seco Pimenta do reino 1 pimenta malagueta picada Vinagre Sal a gosto Óleo Pimenta do Reino Modo de Fazer: Fazer uma marinada com o vinho, suco de limão, vinagre, cebola picada, pimenta do reino, sal, pimenta malagueta e alho esmagado. Passar essa marinada em todo o leitão. Deixar o leitão no tempero por, no mínimo, 24 horas. Colocar numa assadeira, proteger as orelhas e o rabo com papel alumínio para que não queimem. Colocar na assadeira a marinada do tempero, mais um pouco de água e uns dois copos de óleo. Cobrir com papel alumínio e levar ao forno por cerca de uma hora e meia. Olhar o assado e com uma colher grande ou concha regar o líquido do fundo da assadeira sobre o mesmo. No final do cozimento, retirar o papel alumínio e deixar o leitão dourar. Quando estiver no ponto, colocar uma panela com 1 litro de óleo para esquentar. Quando o óleo estiver bem quente, quase saindo fumaça, jogar essa gordura sobre o leitão para que sua pele estoure e se torne a famosa - pururuca. Torresmo 2 kg de toucinho de barriga 2 latas de óleo Sal a gosto 1 cálice de cachaça Modo de Fazer: Cortar o toucinho em cubos. Lavar, secar e temperar com sal e cachaça. Colocar óleo em uma panela funda e de fundo grosso, em quantidade suficiente para cobrir os torresmos. Colocar os torresmos e ligar o fogo, mantendo a chama baixa. Deixar cozinhar até branquear. Desligar e deixar esfriar. Em outra panela aquecer bem o óleo e colocar os torresmos para pururucar. Opcional : ao retirar, polvilhar farinha de mandioca por cima.
    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 Pão de queijo 200 ml de leite 200 ml de água 100 ml de óleo 1 kg de polvilho azedo 1 colher de sobremesa de sal 6 ovos ligeiramente batidos, um a um. 800g de queijo meia cura ralado ou parmesão ralado fino Modo de Fazer: Ferver o leite com a água, o óleo e o sal. Escaldar o polvilho e deixar esfriar um pouco. Juntar os ovos, um de cada vez, amassando bem. Misturar o queijo e amassar mais. Gelar por 2 horas. Fazer pequenas bolinhas e colocar na assadeira untada com óleo. Assar em forno pré-aquecido a 180°C até dourar. Broa de fubá cremosa 3 ovos 1 pote de iogurte natural 1 copo de requeijão de fubá 1 copo de requeijão de açúcar cristal 1 copo de requeijão de leite 1 copo de requeijão de queijo minas curado ralado 1 copo americano de óleo de soja, até a risca 1 colher de café de sal 1 colher bem cheia de farinha de trigo 1 colher bem cheia de fermento em pó Modo de Fazer: Bater no liquidificador os ovos, acrescentar o iogurte, o fubá, o açúcar, o sal, o óleo e o leite. Acrescentar o fubá, a farinha de trigo e bater mais um pouco. Acrescentar o queijo e por último o fermento em pó. Assar em tabuleiro untado e polvilhado com farinha de trigo em forno médio (180°C) por aproximadamente 45 minutos. Ao retirar do forno, ainda quente, polvilhar com açúcar refinado e canela. Doce de Leite 2 litros de leite 1 kg de açúcar Modo de Fazer: Misturar o leite e o açúcar em uma panela. Deixar cozinhar em fogo baixo. Mexer de vez em quando com a colher de pau, para que a mistura não grude no fundo da panela. À medida que o doce for engrossando, intensificar a freqüência das mexidas. Assim que o fundo da panela começar a aparecer, o doce já está no ponto. Deixar esfriar e colocar em uma compoteira. Opcional: Acrescentar cascas de limão, para um sabor especial. Necessidades do turista estrangeiro
    • PUC Minas – Revista de Turismo – Vol. 1 - N° 1 - Nov. 2005 É muito importante pensar no turista e como ELE se sente diante de tantas novidades exóticas ao visitar Minas Gerais. Muitas vezes deslumbrado com as iguarias saborosas, não percebe que a caipirinha é preparada com uma aguardente, que torresmo é pele de porco, e se delicia com nossas iguarias, todas simultaneamente e com excesso. O estômago do turista não está habituado a estes pratos e é sensível aos mesmos. É importante avisá-los para não exagerar, explicar bem os ingredientes dos pratos. É essencial equilibrar o cardápio dos restaurantes e especialmente dos hotéis e pousadas com saladas e pratos leves, para os visitantes poderem optar por pratos simples e internacionais. Um filé com fritas, um peixe ou filé de frango com legumes, uma salada verde com tomate, uma sopa de legumes, um espaguete com molho de tomate e frutas, devem sempre fazer parte do cardápio. O Europeu está habituado a comer com pães de boa qualidade, no café e nas refeições. Quanto melhor o pão que for servido no restaurante/hotel, mais satisfeito o turista europeu vai ficar e pode voltar e recomendar para seus amigos e parentes. Antes de comer com a boca, comemos com os olhos e com o olfato, é importante decorar os pratos para atrair as pessoas que nunca provaram nossas especialidades, tutu de feijão não é bonito à primeira vista. Os utensílios mineiros - as gamelas, as vasilhas de barro, as panelas de pedra, o pilão, a colher de pau e todos outros adereços são bonitos e charmosos, devem ser utilizados na mesa e no fogão para caracterizar nossa região. Seremos lembrados pelo turista, como um Estado que possui uma cozinha fascinante - com história, sabor, design e personalidade.