Apresentação Institucional 2011

278 views
224 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
278
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
44
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação Institucional 2011

  1. 1. Apresentação InstitucionalResultados Financeiros e Operacionais31 de Dezembro de 2011 1
  2. 2. Visão Geral da Companhia
  3. 3. HistóricoHistórico 1872: A companhia inglesa San Paulo Gas Company recebe autorização para a exploração da concessão dos serviços públicos de iluminação de São Paulo; 1912: A canadense Light assume o controle acionário; 1959: A empresa é nacionalizada e passa a se chamar Companhia Paulista de Serviços de Gás (Comgás); 1968: A empresa passa a ser administrada pelo município e recebe o nome de Comgás; 1984: O controle acionário passa para a estatal Companhia Energética de São Paulo (CESP); 1996: Abertura do Capital Social e negociações de ações na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em 1997; 1999: PRIVATIZAÇÃO - O controle acionário da Comgás é arrematado pelo consórcio formado pela British Gas e pela Shell; 2010: A Comgás é consolidada como sendo a maior distribuidora de gás do Brasil, responsável por mais de 30% das vendas de gás natural no país; 2011: Ligação do cliente número 1.000.000. 3
  4. 4. Destaques da ComgásA Comgás é uma Companhia Regulada ... Ativo Premium localizado em uma Crescimento significativo área de concessão no segmento residencial estratégica Perspectivas favoráveis para o Base de gás natural no consumidores Brasil diversificada Sólido sistema regulatório Trajetória de destaque: e regime de concessão Crescimento significativo, transparente rentabilidade e sólida estrutura de capital 4
  5. 5. Área dede ConcessãoÁrea concessão S.J. Rio Preto Barretos Franca POTENCIAL (valores aproximados) Araçatuba Ribeirão Preto 177 Cidades População 29,6 Mi Gas Brasiliano Presidente Central (Araraquara) 27% do PIB Nacional Residências 8,2 Mi Prudente Marília Bauru Veículos 10,0 Mi Sorocaba COMGÁS Gás Natural SPS RegistroMercados (Dezembro de 2011) Residencial: 1.088 mil Uda’s Comercial: 10,4 mil medidores Industrial: 1.002 medidores Cogeração : 23 medidores Termogeração : 2 plantas Veicular: 357 postosVantagens: Área de Concessão Intersecção gasodutos (GASBOL, GASAN, GASPAL) Curta distância para o fornecimento (Santos Basin) Alta densidade demográfica 5
  6. 6. Comgás: umaCombinaçãocompetências e princípios PrincípiosComgás: combinação de de Competências e O acionista controlador da Comgás é a Integral Investments que possui como acionistas principais o Grupo BG e o Grupo Shell com participações acionárias de 83,5% e 16,5% respectivamente. BG SÃO PAULO SHELL GAS BV INVESTMENTS BV Presença no Brasil desde 1994 83,51% 16,49% Atua em mais de 20 países no mercado global de energia. Experiência em Exploração & Produção, Gás Natural Liquefeito, Transmissão & Distribuição, e OUTROS SHELL BRAZIL INTEGRAL Geração de Energia. ACIONISTAS HOLDING BV INVESTMENTS BV (free float) 6,34% 71,91% 21,75% Presente no Brasil desde 1913 Experiência em Distribuição de Derivados de Petróleo, Operações nos Setores de Gás, Energia Elétrica & Exploração, e Produção Offshore. 6
  7. 7. A Comgás é uma Companhia Regulada REGULAÇÃO DE PREÇOS E TARIFAS NORMAS Produção e Transporte: Usuários dos Segmentos ANP (Federal) Residencial e Comercial (pequenos volumes) .................. Distribuição: ARSESP (Estadual) Comercialização e distribuição por todo o prazo da concessão Como prestadora de serviços públicos, suas Demais Usuários atividades são reguladas pela ARSESP, órgão (grandes volumes) do governo do Estado de São Paulo, que delegou à Comgás um prazo de 30 anos a partirwww.arsesp.sp.gov.br de Maio de 1999 para a exploração do serviço Distribuição por todo o prazo de concessão e comercialização público com a possibilidade de renovação uma até 12 anos da data da celebração do contrato de concessão única vez por mais 20 anos.Nota: Com a abertura da comercialização, em 2011, os usuários com consumo acima de 300.000 m3/mês são consideradospotencialmente livres. 7
  8. 8. A Comgás é uma Companhia ReguladaO Contrato de Concessão prevê ciclos tarifários revistos a cada 5 anos Tarifas Máximas Pré Revisão da Margem Nas Revisões Tarifárias é Determinadas Reajuste de Tarifas Máxima definido também: (descontos podem ser aplicados) Fator X e Fator K• A Estrutura Tarifária Inicial •Reajuste anual de margem •Considerando o valor do • Fator X: Fator de eficiência compreende: de distribuição por índice de WACC sobre a Base de (fixo) a ser considerado na atualização annual do P0. Neste inflação (IGPM) excluindo o Ativos Regulatório + 3o cilco tarifário o Fator X foi P gás + P transporte + Fator X e Fator K: Investimentos estabelecido em 0,82 a.a. Margem Máxima Média (P0) P0 * (IGPM – Fator X) + Fator K •Despesas Operacionais = Tarifa •Fator K: Fator de ajuste que •Repasse de custo do gás •Depreciação compensa desvios da margem (gás e transporte) a cada máxima auferido com relação à •Volume de Vendas margem máxima autorizada. No ano em 31 de maio (ou 2o ano do 3o ciclo o Fator K foi eventualmente antes, a estabelecido em 0,006453 R$/m3. critério do regulador).Revisão Tarifária para o 3º Ciclo (2009-2014): P0 estabelecido em 0,3052 R$/m3 Margem de Comercialização de 1,9% 8
  9. 9. Fornecimento de Gás Natural: Natural: Contratos Fornecimento de Gás CONTRATOS Contrato TCQ: Quantidade diária contratada atual de gás boliviano de 8,75 milhões de m³/dia, a qual será reduzida periodicamente até atingir o volume de 8,10 milhões de m³/dia em agosto de 2012. Contrato Firme: Quantidade diária contratada de 4,27 milhões de m³/dia, a qual aumentará periodicamente até atingir o volume de 5,22 milhões de m³/dia em agosto de 2012. Contrato Firme Flexível: modalidade na qual a Petrobras fornecerá o gás natural ou ressarcirá o custo adicional referente ao consumo de combustível alternativo pelo cliente desta modalidade. O suprimento de gás natural pode ser interrompido por critério da Petrobras, mas sem o risco de indisponibilidade de insumo energético alternativo para os clientes da Comgás. Todos os impactos financeiros decorrentes desta operação (tanto dos clientes quanto da Comgás) serão suportados pela Petrobras. 9
  10. 10. Crescimento desde Privatização 1999 2011 CAGR (1999 - 2011) R$ 341mm Receita Líquida R$ 4.102mm 23% 1,3 bi m3 Volume 4,8 bi m3 11% R$ 50mm CAPEX R$ 510mm 21% 2.500 km Rede 8.000 km 10% 17 # Municípios 70 12% 314.034 # Medidores 836.222 8% 10
  11. 11. Segmento Industrial Descrição A Comgás está presente em todos as grandes industrias dentro da área de concessão; Portfólio de clientes diversificado, com mais de 1.000 clientes corporativos; Um produto multiuso: desde a produção de calor e vapor de baixa pressão até processos mais complexos; Diversas vantagens com relação a outros combustíveis: Não tem necessidade de armazenamento Questões ambientais Garantia de fornecimento Baixo custo operacional Estratégia de crescimento: Manter uma base de clientes sólida, com crescimento futuro em linha com o crescimento do PIB industrial Abordagem de pequenas e médias indústrias para ancorar projetos de expansão Atração de novas indústrias para dentro da área de concessão 11
  12. 12. Segmento Residencial Descrição Estratégia de crescimento chave para a Comgás: Expansão geográfica, capturando potencial existente e mantendo o nível de conexões em cerca de 100.000 clientes por ano Aumentar o consumo médio unitário por meio da otimização e expansão da base de clientes Mercado de alto potencial, com crescimento impulsionado por: Desenvolvimento de novos empreendimentos imobiliários Conversões para o gás natural em residências Grande base de clientes com mais de 1 milhão de clientes residenciais; Alternativa para o GLP e a eletricidade 12
  13. 13. Segmento Gás Natural Veicular (GNV) Descrição O gás natural veicular (GNV) pode ser usado como combustível em veículos de transporte individual ou coletivo; Destaca-se pela economia gerada e o benefício ao meio ambiente: Atualmente, é mais competitivo em custo que a gasolina e o etanol Forte benefício econômico para os “heavy users” Comgás está atualmente trabalhando com o governo na implementação de políticas públicas que devem favorecer o setor: Incentivos fiscais (redução no IPVA) Política de transporte público Estratégia de crescimento: Projeto em desenvolvimento: transporte público e pesado 13
  14. 14. Outros Mercados Comercial Termogeração e Cogeração Mais de 10,3 mil clientes; Termogeração: Foco em estabelecimentos de médio e grande Demanda depende do nível de despacho porte; térmico (determinado pelo Governo) Plataforma de crescimento integrada com a Contratos de gás back to back expansão do segmento residencial; Cogeração: Grande potencial de desenvolvimento de novas aplicações: Decisão estratégica da indústria visando eficiência e segurança energética no Mercado incipiente com alto potencial de médio e longo prazo consumo Crescimento sustentável depende do Estrutura dedicada para desenvolvimento suprimento de gás firme e da visibilidade de aplicações não convencionais: de preços competitivos frente à energia climatização, cogeração comercial e geração elétrica no horário de pico Mercado com alto potencial de desenvolvimento 14
  15. 15. Destaques Financeiros e Operacionais
  16. 16. Mercados Volume (em milhões de m3) Segmento Industrial: Composição do Setor (2011) CAGR 10,1%1.676 2.243 2.952 3.418 3.812 4.342 4.761 5.069 5.253 4.261 4.910 4.835 16
  17. 17. Gráficos Financeiros (em Milhões de R$) Volume 5.253 5.069 4.910 4.761 4.779 3.812 4.342 4.261 LAJIDA 3.418 IFRS 2.952 Contabilidade Anterior 2.243 CAGR1.676 23,7% 1.1072000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 1.363 1.182 716 1.035 925 928 860 838 668 549 347 330 177 107 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011Obs: Cálculo do CAGR utilizando Contabilidade Anterior 17
  18. 18. Gráficos Financeiros (em Milhões de R$) Volume 5.253 5.069 4.910 4.761 4.779 3.812 4.342 4.261 Lucro Líquido 3.418 IFRS 2.952 2.243 Contabilidade Anterior1.676 CAGR 24,2%2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 690 580 LAJIDA 487 1.107 1.363 1.182 716 514 1.035 427 443 413 925 928 860 668 838 368 347 549 319 236 330107 177 2422000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 IFRS 108 103 Contabilidade Anterior 45 64 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011Obs: Cálculo do CAGR utilizando Contabilidade Anterior 18
  19. 19. Destaques – Dezembro de 2011 Expansão recorde, mais de 1,1 mil Km de rede instalados durante o período; Forte crescimento da base de clientes da Comgás, mais de 69 mil medidores conectados em 2011; Investimento recorde de R$ 510 milhões realizado no ano; R$ 450 milhões deliberados no ano na forma de dividendos e juros sobre capital próprio; A agência de rating Moody’s confirmou o rating Baa3 de emissor em moeda local na escala global e Aa1.br na escala nacional; Possibilidade de migração para o Novo Mercado, anunciado pela Companhia através de Fato Relevante; Reajuste Extraordinário: A Arsesp (Agência Reguladora), que reajustou as tarifas da Comgás de 3,27% a 11,20% de acordo com o mercado atendido e volume consumido. Para os consumidores residenciais a tarifa não sofreu reajuste. 19
  20. 20. Performance Operacional Volume sem Termogeração (em milhões de m3) 3,8%  Contínuo crescimento no segmento residencial, mais de 109 mil domicílios (UDA’s) conectados no ano;  Maior diversificação das aplicações do gás natural no segmento comercial (climatização);  Volume médio de distribuição de 13 milhões 4.602 4.779 de m³/dia;  Crescimento de 3,8% no volume total, 2,1% desconsiderando o segmento de termogeração (contratos back to back). 1.148 1.173 Trimestre 4T10 4T11 Acumulado 2010 201120
  21. 21. Medidores por Segmento 11,2% 1.087.705 977.750 9,0% 9,0% UDA’s (Unidade Domiciliar Autônoma) 824.457 836.222756.080 767.214 6,4% 2,0% 0% 0% -2,7% 9.760 10.381 982 1.002 2 2 23 23 367 357 RESIDENCIAL UDAs COMERCIAL INDUSTRIAL TERMOGERAÇÃO COGERAÇÃO AUTOMOTIVO TOTAL 2010 2011 21
  22. 22. Volume por Segmento (Em milhares de m³) ∆ ∆ ∆ 4T11 3T11 4T10 2011 2010 4T11/3T11 4T11/4T10 2011/2010 48.399 53.289 42.956 -9,2% 12,7% RESIDENCIAL 183.028 162.849 12,4% 27.993 28.822 26.679 -2,9% 4,9% COMERCIAL 108.272 101.169 7,0% 932.850 991.916 907.780 -6,0% 2,8% INDUSTRIAL 3.850.930 3.688.066 4,4% 87.553 83.530 93.870 4,8% -6,7% COGERAÇÃO 345.754 332.581 4,0% 75.799 73.313 77.051 3,4% -1,6% AUTOMOTIVO 290.878 317.675 -8,4% 1.172.594 1.230.870 1.148.337 -4,7% 2,1% TOTAL 4.778.862 4.602.340 3,8% 12,7 13,4 12,5 MMm³/dia* 13,1 12,6 10.479 762 138.897 NA -92,5% TERMOGERAÇÃO 55.884 307.620 -81,8% 1.183.073 1.231.632 1.287.234 -3,9% -8,1% TOTAL 4.834.746 4.909.960 -1,5% * Excluindo termogeração 22
  23. 23. Volume x Margem 2011 81% 54% 30% 7% 10% 3% 6% 4% 2% 2% 1% 0% 75% 2010 66% Industrial Cogeração Automotivo Residencial Comercial Termogeração Volume Margem 20% 7% 7% 7% 6% 3% 4% 3% 2% 1% Industrial Cogeração Automotivo Residencial Comercial Termogeração 23
  24. 24. Desempenho Financeiro Em milhares de R$ ∆ ∆ 4T11 3T11 4T10 2011 2010 ∆ 2011/2010 4T11/3T11 4T11/4T10 1.067.984 1.097.862 1.050.216 -2,7% 1,7% RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS 4.102.660 4.095.343 0,2% -833.143 -814.483 -677.148 2,3% 23,0% Custo de Bens e/ ou Serviços Vendidos -2.996.617 -2.575.560 16,3% 234.841 283.379 373.068 -17,1% -37,1% RESULTADO BRUTO 1.106.043 1.519.783 -27,2% -117.250 -96.867 -102.752 21,0% 14,1% Desp. Com Vendas, Gerais e Adm. -387.744 -331.809 16,9% -1.496 219 -1.483 -783,1% 0,9% Outras Desp. /Rec. Operacionais -2.015 -6.446 -68,7% 116.095 186.731 268.833 -37,8% -56,8% LAJIDA 716.284 1.181.528 -39,4% -63.437 -60.860 -53.976 4,2% 17,5% Depreciações e Amortizações -240.595 -209.702 14,7% -19.234 -66.174 -33.900 -70,9% -43,3% Financeiras -159.960 -134.590 18,8% 33.424 59.697 180.957 -44,0% -81,5% RESULTADO OPERACIONAL 315.729 837.236 -62,3% 35.155 40.397 127.322 -13,0% -72,4% LUCRO LÍQUIDO 236.139 579.980 -59,3%Valores normalizados pelo Conta Corrente Regulatório (não auditado) 155.400 122.703 -72.391 26,6% -314,7% CONTA CORRENTE (gerado/repassado) 380.205 -259.594 -246,5% 270.456 312.169 201.146 -13,4% 34,5% LAJIDA 1.107.120 927.693 19,3% 137.719 121.381 79.544 13,5% 73,1% LUCRO LÍQUIDO 487.075 408.648 19,2% 24
  25. 25. Indicadores Financeiros 4T11 3T11 4T10 2011 2010 10,4 10,4 11,5 Valor Patrimonial por ação ($) 10,4 11,5 1,2 1,3 4,3 Lucro Líquido por ação ($) 2,0 4,8 1,5 1,3 1,0 Dívida Líquida sobre Patrimônio Líquido (x) 1,5 1,0 3,9 2,2 1,3 Dívida Líquida sobre LAJIDA (x) 2,6 1,1 0,2 0,2 0,3 Dívida Curto Prazo sobre Dívida Total (x) 0,2 0,3 0,6 0,7 0,7 Liquidez corrente (x) 0,6 0,7 22,0% 25,8% 35,5% Margem Bruta (%) 27,0% 37,1% 3,3% 3,7% 12,1% Margem Líquida (%) 5,8% 14,2% 10,9% 17,0% 25,6% Margem LAJIDA (%) 17,5% 28,9% 3,3% 3,8% 13,2% Retorno sobre o ativo (%) 5,5% 15,1% 11,3% 13,0% 37,0% Retorno sobre o Patrimônio Líquido (%) 18,9% 42,1% Valores normalizados pelo Conta Corrente Regulatório (não auditado) 39,8% 40,3% 31,8% Margem Bruta (%) 39,6% 33,1% 14,1% 12,0% 8,3% Margem Líquida (%) 12,9% 10,7% 27,7% 30,8% 21,0% Margem LAJIDA (%) 29,3% 24,2% 25
  26. 26. Evolução do Saldo de Conta Corrente Saldo da conta de gás a recuperar/repassar: Efeito CaixaR$ milhões 26
  27. 27. Estrutura de EndividamentoEstrutura de EndividamentoEndividamento (1) (R$ mil) 2011 2010 Cronograma de Amortização da Dívida (1) (R$ milhões)Divida de Curto Prazo 421.104 393.647 513 Dívida em moeda estrangeira 100% “hedgeada”. 429Dívida de Longo Prazo 1.452.957 1.106.106 421 53 233Endividamento Total 1.874.061 1.499.753 343 81 282(-) Caixa 41.110 145.380 368 168(=) Divida Liquida 1.832.951 1.354.373 279 262 70LAJIDA 716.284 1.181.528 147 98Divida Líquida/ LAJIDA 2,6 1,1 2012 2013 2014 2015 2016 emDívida Curto Prazo/ Dívida Total 0,2 0,3 diante Moeda Local Moeda Estrangeira (1) Inclui Debêntures e DerivativosComposição da Dívida: Curto Prazo/ Longo Prazo Composição da Dívida Outros 17% EIB 27% BNDES 56% 27
  28. 28. InvestimentosInvestimentos Mais de R$ 4,0 bilhões de investimentos no período R$ milhões +26% * A partir de 2009 valores contabilizados em IFRS 8,0 Principais Projetos: Novos projetos:EXTENSÃO DE REDE (Em Mil Km): 6,9 6,2 Taubaté Jundiaí 5,7 4,9 5,1 Campinas 4,5 Santo André 3,6 3,9 3,3 +16% São Bernardo do Campo Piracicaba 2,6 2,92,5 Guarulhos Hortolândia Santos Mogi das Cruzes1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 28
  29. 29. Remuneração Acionistas (em Milhões de R$) 190% PAY OUT IFRS PAY OUT Contabilidade 104% Anterior 95% 92% 77% 75% 73% 53% 74% 26% 17% 15% 10% 427 450 330 334 303 275 268 27 25 11 16 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 NOTA: Payout calculado com base na remuneração deliberada pela Companhia durante o período. 29
  30. 30. Mercado de Capitais (Ano de 2011) Comgás ON +14,5% Comgás PNA +8,2% Ibovespa -18,1% Volume Financeiro: Ações Preferenciais (CGAS5) 30
  31. 31. As afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados operacionais e financeiros e aquelas relacionadas a perspectivas de crescimento da COMGÁS são meramente estimativas e, como tais, são baseadas exclusivamente nas expectativas da diretoria sobre o futuro dos negócios. Essas expectativas dependem, substancialmente, das condições de mercado, do desempenho da economia brasileira, do setor de negócios e dos mercados internacionais e, portanto, sujeitas a mudanças sem aviso prévio.31
  32. 32. RELAÇÕES COM INVESTIDORESinvestidores@comgas.com.brwww.comgas.com.br/investidores ROBERTO LAGE Diretor de Finanças e Relações com Investidores PAULO POLEZI Superintendente de Tesouraria e Relações com Investidores RENATA OLIVA Gerente de Relações com Investidores Rua Olimpíadas, nº 205, 10º andar - Vila Olímpia - CEP 04551-000 / São Paulo - SP - Brasil 32

×