Apresentação institucional 2 t13

496 views
448 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
496
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
288
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação institucional 2 t13

  1. 1. 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Resultados Financeiros e Operacionais 30 de junho de 2013
  2. 2. Disclaimer As afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados operacionais e financeiros e aquelas relacionadas a perspectivas de crescimento da COMGÁS são meramente estimativas e, como tais, são baseadas principalmente nas expectativas ou projeções de eventos futuros e tendências, que afetam ou podem afetar o negócio. Essas estimativas estão sujeitas a diversos riscos e incertezas e são feitas considerando as informações atualmente disponíveis, elas dependem, substancialmente, das condições de mercado, do desempenho da economia brasileira, do setor de negócios e dos mercados internacionais e, portanto, sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Em virtude dessas incertezas, o investidor não deve tomar nenhuma decisão de investimento com base nessas estimativas e declarações sobre operações futuras.
  3. 3. Visão Geral da Companhia
  4. 4. 4 Histórico Trajetória da Companhia – Mais de 100 anos de história A companhia inglesa San Paulo Gas Company recebe autorização para a exploração da concessão dos serviços públicos de iluminação de São Paulo; Cosan adquire da British Gas (BG) 60,1% do capital social da Comgás. 2012 2011 Ligação do cliente número 1.000.000; 1996 Abertura do Capital Social e negociações de ações na Bovespa em 1997 1959 A empresa é nacionalizada e passa a se chamar Companhia Paulista de Serviços de Gás (Comgás); 1872 1912 A canadense Light assume o controle acionário; 1999 Privatização - Controle acionário arrematado pelo consórcio formado pela British Gas e pela Shell A Comgás é consolidada como a maior distribuidora de gás do Brasil, responsável por mais de 30% das vendas de gás natural no país 2010
  5. 5. Regulada ... 5 Ativo Premium localizado em uma área de concessão estratégica Crescimento significativo no segmento residencial Base de consumidores diversificada Trajetória de destaque: Crescimento significativo, rentabilidade e sólida estrutura de capital Sólido sistema regulatório e regime de concessão transparente Perspectivas favoráveis para o gás natural no Brasil Destaques da Comgás
  6. 6. 6 Crescimento desde Privatização 50 616 1999 2012 CAPEX R$ mm 341 5.280 1999 2012 Receita Líquida R$ mm 1,3 5,3 1999 2012 Volume bi m³ 2.500 9.308 1999 2012 Rede Km 17 71 1999 2012 # Municípios 314.034 1999 2012 # Medidores 889.789
  7. 7. Comgás: uma combinação de competências e princípios 7 Listagem das ações da Comgás em Bolsa de Valores: Conforme inserido no Edital de Privatização e refletido no Estatuto Social da Companhia, a Comgás é uma sociedade de capital aberto com ações negociadas em Bolsa de Valores, condição que deverá ser mantida durante todo o prazo da concessão. Nota: Em 5 de novembro de 2012, a Cosan concluiu a aquisição da participação de 60,05% da Comgás do Grupo BG pelo montante total de R$ 3,4 bilhões. Estrutura Acionária da Comgás Estrutura Acionária Atual SHELL BRAZIL HOLDING BV 6,34% INTEGRAL INVESTMENTS BV 11,86% SHELL GAS BV 100% OUTROS ACIONISTAS (free float) 21,75%60,05%
  8. 8. 177 Cidades 27% do PIB Nacional Área de concessão Mercados (Junho de 2013)  Residencial: 1.262 mil Uda’s  Comercial: 11,8 mil medidores  Industrial: 1.012 medidores  Cogeração : 25 medidores  Termogeração : 2 plantas  Veicular: 311 postos Gas Brasiliano PresidentePresidente PrudentePrudente AraçatubaAraçatuba S.J. RioS.J. RioPretoPreto MaríliaMarília BauruBauru CentralCentral (Araraquara)(Araraquara) RibeirãoRibeirãoPretoPreto FrancaFrancaBarretosBarretos Gás Natural SPS RegistroRegistro SorocabaSorocaba COMGÁS 8 Vantagens: Área de Concessão  Intersecção gasodutos (GASBOL, GASAN, GASPAL)  Curta distância para o fornecimento (Bacia de Santos)  Alta densidade demográfica População 29,6 Mi Residências 9,2 Mi Veículos 10,0 Mi POTENCIAL (valores aproximados) Área de Concessão
  9. 9. Usuários dos Segmentos Residencial e Comercial (pequenos volumes) Comercialização e distribuição por todo o prazo da concessão Demais Usuários (grandes volumes) Distribuição por todo o prazo de concessão e comercialização até 12 anos da data da celebração do contrato de concessão Produção e Transporte: ANP (Federal) .................. Distribuição: ARSESP (Estadual) www.arsesp.sp.gov.br REGULAÇÃO DE PREÇOS E TARIFAS NORMAS 9 Nota: Com a abertura da comercialização, em 2011, os usuários com consumo acima de 300.000 m3/mês são considerados potencialmente livres. Como prestadora de serviços públicos, suas atividades são reguladas pela ARSESP, órgão do governo do Estado de São Paulo, que delegou à Comgás um prazo de 30 anos a partir de Maio de 1999 para a exploração do serviço público com a possibilidade de renovação uma única vez por mais 20 anos. Regulamentação A Comgás é uma Companhia Regulada
  10. 10. 10 Revisão da Margem Máxima •Considerando o valor do WACC sobre a Base de Ativos Regulatório + Investimentos •Despesas Operacionais •Depreciação •Volume de Vendas Tarifas Máximas Pré Determinadas (descontos podem ser aplicados) •A Estrutura Tarifária Inicial compreende: Reajuste de Tarifas • Reajuste anual de margem de distribuição por índice de inflação (IGPM) excluindo o Fator X e Fator K: • Repasse de custo do gás (gás e transporte) a cada ano em 31 de maio (ou eventualmente antes, a critério do regulador). Nas Revisões Tarifárias é definido também: Fator X e Fator K • Fator X: Fator de eficiência (fixo) a ser considerado na atualização annual do P0. Neste 3o cilco tarifário o Fator X foi estabelecido em 0,82% a.a. •Fator K: Fator de ajuste que compensa desvios da margem máxima auferido com relação à margem máxima autorizada. No 4o ano do 3o ciclo o Fator K foi estabelecido em 0,009991 R$/m3. P gás + P transporte + Margem Máxima Média (P0) = Tarifa P0 * (IGPM – Fator X) + Fator K Revisão Tarifária para o 3º Ciclo (2009-2014):  P0 estabelecido em 0,3052 R$/m3  Margem de Comercialização de 1,9% = ++ Regulamentação O Contrato de Concessão prevê ciclos tarifários revistos a cada 5 anos
  11. 11. Bacia de Santos Pré-Sal Existentes Expansão Área de Concessão da Comgás Atividades de expansão progredindo simultaneamente nas cidades da área de concessão  Metas para o período (2009-2014):  5.000km de rede a ser estabelecida  Renovação da rede de 282km  500k clientes a serem conectados  15 frentes de trabalho simultâneas  1.000 funcionários diretos e mais 4.000 indiretos atuando na expansão  Busca de excelência na segurança das operações e integridade da rede de distribuição  Extensa análise de campo e seleção das melhores oportunidades considerando  Distância da rede existente  Densidade demográfica  Perfil sócio-econômico e propensão para consumo  Perspectiva de desenvolvimento futuro  Potencial para integração dos diversos segmentos de mercado 11 Plano de Negócios Expansão Geográfica
  12. 12. 67% 6% 4% 4% 2% 17% 60% 2% 28% 8% 2% 2T12 2T13 +6% 12 Volumes em milhões de m3 72,0% 6,8% 5,2% 3,8% 2,1% 10,0% Industrial Cogeração GNV Residencial Comercial Termogeração 1.348 1.431 423,6 mi R$ 1,4 bi m³ Margem Volume
  13. 13. 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Composição do Setor Industrial CAGR (00-12) 10,0% 1.676 2.243 2.952 3.418 3.812 4.342 4.761 5.069 4.261 5.253 5.259 4.8354.910 +8,8% 13 Volumes em milhões de m3 22,7% 19,0% 14,4% 12,3% 10,1% 7,6% 6,4% 3,4% 2,2% 1,0% 0,7% 0,2% QUÍMICO / PETROQUÍMICO CERÂMICA PAPEL E CELULOSE METAIS / FUNDIÇÃO E NÃO FERROSOS VIDROS / CRISTAIS BEBIDAS / ALIMENTOS AUTOMOTIVO / PNEUMATICO TÊXTIL / LAVANDERIA / TINTURARIA OUTROS SIDERURGICA FARMACÊUTICO ELETRO / ELETRÔNICO 72,0% 6,8% 5,2% 3,8% 2,1% 10,0% Industrial Cogeração GNV Residencial Comercial Termogeração
  14. 14. Fornecimento de Gás Natural: CONTRATOS 14 Quantidade diária contratada: aproximadamente 13,3 milhões de m³/dia, além dos contratos de leilão. Quantidade diária demandada: aproximadamente 12,9 milhões de m³. Contratos Fornecimento de Gás Contrato TCQ Firme Leilão UTE - Fernando Gasparian Corn GBD (Tambaú) Modalidade Firme Firme Firme Curto Prazo Back to Back Back to Back Firme Origem do Gás Boliviana Nacional Excedente dos contratos da PB com termelétricas Não determinada Não determinada Não determinada Qde Contratada Término do Contrato jul/19 dez/13 set/13 dez/13 mar/23 nov/13 Transporte: reajuste anual de acordo com a inflação americana: CPI Parcela Fixa: reajuste anual pelo IGP-M Commodity: corrigido trimestralmente pela variação de uma cesta de óleos + variação cambial Parcela Variável corrigida trimestralmente pela variação de uma cesta de óleos Commodity + Transporte: corrigido mensalmente pela variação cambial pelo dólar dos Estados Unidos da América Commodity + Transporte ( PPI + variação cambial pelo dólar dos Estados Unidos da América) Preço 1,5 MMm³/mês Portaria ARSESP 0,3 MM m³/dia2,76 MMm3 /dia PPI + IGPM e variação cambial pelo dólar dos Estados Unidos da América 8,10 MMm³/dia 5,22 MMm3 /dia conforme lances Commodity + Transporte Conforme lance vencedor do leilão Parcela Fixa + Parcela Variável
  15. 15. Casas 7,5 Apart. 1,7 31,2% 65,5% 3,3% 87,8% 10,9% 1,3%  Estratégia de crescimento chave para a Comgás:  Expansão geográfica, capturando potencial existente e mantendo o nível de conexões em cerca de 100.000 clientes por ano  Aumentar o consumo médio unitário por meio da otimização e expansão da base de clientes  Mercado de alto potencial, com crescimento impulsionado por:  Desenvolvimento de novos empreendimentos imobiliários  Conversões para o gás natural em residências  Grande base de clientes com mais de 1 milhão de clientes residenciais  Alternativa para o GLP e a eletricidade Potencial da Área de Concessão(1) clientes a serem capturados mercado a ser estudado 6.2 15 + 47 mil novos prédios (lançamentos/empreendimentos) para serem capturados Residencial já conectados ao Gás Natural Descrição Nota(1): milhões de domicílios
  16. 16. 16 Industrial Descrição A Comgás está presente em todos as grandes industrias dentro da área de concessão; Portfólio de clientes diversificado, com mais de mil clientes; Um produto multiuso: desde a produção de calor e vapor de baixa pressão até processos mais complexos; Diversas vantagens com relação a outros combustíveis:  Não tem necessidade de armazenamento  Questões ambientais  Garantia de fornecimento  Baixo custo operacional Estratégia de crescimento:  Manter uma base de clientes sólida, com crescimento futuro em linha com o crescimento do PIB industrial  Abordagem de pequenas e médias indústrias para ancorar projetos de expansão  Atração de novas indústrias para dentro da área de concessão
  17. 17. O gás natural veicular (GNV) pode ser usado como combustível em veículos de transporte individual ou coletivo; Destaca-se pela economia gerada e o benefício ao meio ambiente:  Atualmente, é competitivo em custo com a gasolina e o etanol  Forte benefício econômico para os “heavy users” Comgás está atualmente trabalhando com o governo na implementação de políticas públicas que devem favorecer o setor:  Incentivos fiscais (redução no IPVA)  Política de transporte público Estratégia de crescimento:  Projeto em desenvolvimento: transporte público e pesado 17 Gás Natural Veicular - GNV Descrição
  18. 18. Mais de 11,1 mil clientes; Foco em estabelecimentos de médio e grande porte; Plataforma de crescimento integrada com a expansão do segmento residencial; Grande potencial de desenvolvimento de novas aplicações:  Mercado incipiente com alto potencial de consumo  Estrutura dedicada para desenvolvimento de aplicações não convencionais: climatização, cogeração comercial e geração no horário de pico 18 Comercial Descrição
  19. 19. Cogeração: Decisão estratégica da indústria visando eficiência e segurança energética no médio e longo prazo Crescimento sustentável depende do suprimento de gás firme e da visibilidade de preços competitivos frente à energia elétrica Mercado com alto potencial de desenvolvimento Termogeração: Demanda depende do nível de despacho térmico (determinado pelo Governo) Contratos de gás back to back 19 Cogeração e Termogeração Descrição
  20. 20. Destaques Financeiros e Operacionais
  21. 21. 21 Destaques  EBITDA de R$ 380mm no 2T13, 123% acima do 2T12, impactado por R$ 65mm da venda do antigo site operacional da Mooca;  Aumento de R$ 30mm no saldo da conta corrente regulatória, por conta da apreciação do dólar frente ao real;  10% de crescimento no número total de clientes em relação a junho 2012;  Crescimento de 50% dos investimentos em relação ao 2T12, totalizando R$ 220mm no trimestre;  Construção de 380 Km de rede de distribuição no trimestre, 30% a mais do que o 2T12. 2T13
  22. 22. Medidores 22 Total por Segmento *UDA’s (Unidade Domiciliar Autônoma) 916.418 897.974 855.988 2,1% 7,1% 1.261.587 1.229.713 1.147.384 2,6% 10,0% 11.778 11.435 10.855 3,0% 8,5% 1.012 1.011 1.006 0,1% 0,6% 2 2 2 0,0% 0,0% 25 25 23 0,0% 8,7% 311 318 338 -2,2% -8,0% 929.546 910.765 868.212 2,1% 7,1% 1.274.715 1.242.504 1.159.608 2,6% 9,9% COMERCIAL AUTOMOTIVO TOTAL MEDIDORES TOTAL CLIENTES INDUSTRIAL TERMOGERAÇÃO COGERAÇÃO jun/13 mar/13 jun/12 RESIDENCIAL NÚMERO DE UDA's* jun/13 X mar/13 jun/13 X jun/12
  23. 23. 23 Volume por Segmento em mil m3 58.729 41.815 50.732 40,4% 15,8% 100.544 91.614 9,7% 30.142 25.793 27.899 16,9% 8,0% 55.935 54.095 3,4% 958.996 928.145 946.683 3,3% 1,3% 1.887.141 1.881.221 0,3% 85.401 82.659 89.712 3,3% -4,8% 168.060 175.746 -4,4% 63.135 59.961 70.290 5,3% -10,2% 123.096 137.969 -10,8% 1.196.403 1.138.373 1.185.316 5,1% 0,9% 2.334.776 2.340.645 -0,3% 13,1 12,6 13,0 12,9 12,9 1.431.346 1.367.015 1.347.966 4,7% 6,2% 2.798.361 2.535.513 10,4% 2T13 x 1T13 2T13 x 2T12 2,8% 44,4% INDUSTRIAL COGERAÇÃO RESIDENCIAL COMERCIAL TERMOGERAÇÃO TOTAL AUTOMOTIVO TOTAL MMm3 /dia 2T12 228.642 162.650 2T13 1T13 234.943 1S13 1S12 1S13 x 1S12 463.585 194.868 137,9%
  24. 24. 170 314 380 2T12 1T13 2T13 319 262 396 2T12 1T13 2T13 140 92 188 2T12 1T13 2T13 38 122 168 2T12 1T13 2T13 em milhões de R$ Normalizado IFRS Desempenho Financeiro 24 EBITDA Lucro Líquido +21% +38% +51% +104% 123% +24% +34% 342%
  25. 25. 25 Desempenho Financeiro em milhares de R$ 1.605.652 1.447.744 1.278.522 10,9% 25,6% 3.053.396 2.398.878 27,3% -1.179.424 -1.032.376 -1.007.191 14,2% 17,1% -2.211.800 -1.808.606 22,3% 426.228 415.368 271.331 2,6% 57,1% 841.596 590.272 42,6% -106.794 -99.656 -99.929 7,2% 6,9% -206.450 -194.178 6,3% 60.167 -1.358 -1.197 -4530,6% -5126,5% 58.809 -5.713 -1129,4% 379.601 314.354 170.205 20,8% 123,0% 693.955 390.381 77,8% -81.145 -79.702 -72.153 1,8% 12,5% -160.847 -139.277 15,5% -44.014 -50.023 -47.632 -12,0% -7,6% -94.037 -87.381 7,6% 254.442 184.629 50.420 37,8% 404,6% 439.071 163.723 168,2% 167.850 121.591 37.689 38,0% 345,4% 289.441 112.198 158,0% Valores normalizados pela Conta Corrente Regulatório (não auditado) 29.377 -46.420 155.369 -163,3% -81,1% -17.043 209.285 -108,1% 396.165 262.013 318.874 51,2% 24,2% 658.179 587.609 12,0% 188.178 91.893 140.216 104,8% 34,2% 280.071 250.293 11,9% CONTA CORRENTE (gerado/repassado) EBITDA LUCRO LÍQUIDO Custo de Bens e / ou Serviços Vendidos LUCRO BRUTO Desp. Com Vendas, Gerais e Adm. Outras Desp. / Rec. Operacionais EBITDA Depreciações e Amortizações Financeiras RESULTADO OPERACIONAL RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS 1S13 1S12 LUCRO LÍQUIDO 1S13 x 1S122T13 1T13 2T12 2T13 x 2T122T13 x 1T13
  26. 26. 26 Indicadores Financeiros Valores anualizados 20,55 19,15 11,32 20,55 11,32 2,80 2,03 0,63 4,83 1,87 0,89 0,99 1,53 0,89 1,53 1,44 1,81 3,05 0,79 1,33 0,38 0,40 0,37 0,38 0,37 0,73 0,68 0,56 0,73 0,56 26,5% 28,7% 21,2% 27,6% 24,6% 23,6% 21,7% 13,3% 22,7% 16,3% 10,5% 8,4% 2,9% 9,5% 4,7% 5,1% 3,9% 1,6% 8,8% 4,7% 13,6% 10,6% 5,6% 23,5% 16,5% Valores normalizados pelo Conta Corrente Regulatório (BRGAAP não auditado) 30,9% 27,6% 35,9% 29,3% 35,6%0 27,7% 19,9% 27,1% 24,0% 26,5%0 13,1% 7,0% 11,9% 10,2% 11,3% 2T13 Retorno sobre o Patrimônio Líquido (%) Margem Bruta (%) Margem EBITDA (%) Margem Líquida (%) Valor Patrimonial por ação ($) Lucro Líquido por ação ($) Dívida Líquida sobre Patrimônio Líquido (x) Dívida Líquida sobre EBITDA(*) (x) Dívida Curto Prazo sobre Dívida Total (x) Liquidez corrente (x) 1T13 2T12 1S13 1S12 Margem Bruta (%) Margem EBITDA (%) Margem Líquida (%) Retorno sobre o ativo (%)
  27. 27. -230 -198 -128 -5 150 204 360 362 381 334 364 dez.10 mar.11 jun.11 set.11 dez.11 mar-12 jun.12 set.12 dez.12 mar.13 jun.13 27 Conta corrente em milhões de R$ (2T12) = +156 (2T13) = +30
  28. 28. 293 380 555 680 jun/12 jun/13 +30% 2T 2T Investimentos Extensão de Rede (em km) 28 em milhões de R$ Projetos Rede Taubaté 44 Km Osasco 2 31 Km Hortolândia, Monte Mor e Capivari 30 Km São João da Boa Vista 25 Km Piracicaba 19 Km RETAP (Aço) 16 Km Rio Claro 9 Km 147 220 268 394 jun/12 jun/13 +50% 2T 2T
  29. 29. 2,6 2,9 3,3 3,6 3,9 4,5 4,9 5,1 5,7 6,2 6,9 8,0 9,3 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 100 229 200 230 276 474 426 397 403 406 405 510 616 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Investimentos Principais Projetos:Extensão de Rede (em mil km): Mogi das Cruzes Taubaté Osasco II Guarulhos São José dos Campos Itaquera São Bernardo do Campo Rio Claro Jabaquara II Hortolândia Campinas II Piracicaba Novos projetos: SJBV / Aguaí Taboão da Serra Santo André Santos Noroeste 29 71 municípios conectados Investimentos em milhões de R$ +21%
  30. 30. 709 201 197 204 91 214 258 73 103 102 184 212 2013 2014 2015 2016 2017 2018 em diante Nacional Externo Endividamento 274 300 306 275 426 967 em milhares de R$ Cronograma de amortização (R$ mm) Composição da dívida – Jun/13 *EBITDA dos últimos 12 meses Curto Prazo 38%Longo Prazo 62% EIB 22% BNDES 42% Outros 36% Endividamento jun/13 jun/12 Divida de Curto Prazo 967.040 803.541 Dívida de Longo Prazo 1.581.266 1.350.924 Endividamento Total 2.548.306 2.154.465 (-) Caixa 359.285 79.543 (=) Divida Liquida 2.189.021 2.074.921 EBITDA(*) 1.268.229 693.207 Divida Líquida/ EBITDA 1,73 2,99 Dívida Curto Prazo/ Dívida Total 0,38 0,37
  31. 31. 31 PAY OUT Resultado Normalizado PAY OUT IFRS Remuneração aos Acionistas em milhões de R$ Nota: Payout calculado com base na remuneração deliberada pela Companhia no período 11 16 27 25 303 330 334 275 268 427 450 200 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 17% 15% 26% 10% 95% 77% 75% 53% 73% 105% 92% 38% 74% 190% 55%
  32. 32. 32 Mercado de Capitais (Jan – Jun 2013) 0 50000 100000 150000 200000 250000 0 20 40 60 80 100 120 Volume CGAS5 IBOV CGAS5 Dez 12 = R$ 58,50 Jun 13 = R$ 48,47 Var = -17,15% IBOV Dez 12 = 60.952 Jun 13 = 47.457 Var = -22,14% Base 100 Vol CGAS5 (R$ mil)
  33. 33. RELAÇÕES COM INVESTIDORES investidores@comgas.com.br ri.comgas.com.br ROBERTO LAGE Diretor de Finanças e Relações com Investidores ANDRÉ SALGUEIRO Gerente de Relações com Investidores Rua Olimpíadas, nº 205, 9º andar - Vila Olímpia - CEP 04551-000 / São Paulo - SP - Brasil

×