Your SlideShare is downloading. ×
Slides assessoria de imprensa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Slides assessoria de imprensa

1,920
views

Published on

Slides Assessoria de Imprensa. Pós Graduação em Comunicação Empresarial.

Slides Assessoria de Imprensa. Pós Graduação em Comunicação Empresarial.


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,920
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Trabalho de Pós GraduaçãoDisciplina: Relações Públicas nas OrganizaçõesTema: Assessoria de ImprensaGrupo: Brênio PetersBruna Siqueira OroñaBruno CamiloLucas PortoMaíra PimentaSusi Ewald
  • 2. Sobre Assessoria de ImprensaJornalismo se tornou algo tão venenoso, que as organizaçõespassaram a contratar jornalistas como ‘antídotos’.Surgimento da Assessoria de Imprensa no Mundo (AMARAL,1997)Ive Lee (1906) usa técnicas de publicidade para mudança de imagemdo americano John Rockfeller.Lee marca a diferença entre fazer propaganda e trabalhar a opiniãopública (Relações Públicas).“O desenvolvimento dos meios de comunicação de massa e dasindústrias influenciou o comportamento das empresas, que se viramcompelidas à prestar mais informações aos seus públicos”.(TORQUATO, 1987).
  • 3. Montagem de verdadeiras “redações” dentro da empresa paracontra-atacar a imprensa.No Brasil, a assessoria de imprensa começa com uma imagemnegativa. O profissional do setor é visto como uma barreia ao fluxode informação. (DUARTE, 1996).Com a redemocratização no país as assessorias passam a sergradativamente fontes importantes de informação.O aspecto comercial passa a sobrepujar enormemente a consciênciacrítica dos veículos. A propaganda sempre fez “cair” materialjornalístico de última hora.Os jornais passam a ter mais comunicação mercadológica dosinteressados do que cobertura jornalística focada no interessepúblico.
  • 4. Quem sai ganhando com essa falta de qualidade na imprensa são asgrandes corporações que perpetuam seu monopólio.Quem perde com este jogo é a cidadania e população que se informapor meio dos veículos.O que fazer?A melhor saída seria o engajamento da classe para a recuperação dadignidade da mídia. Não apenas jornalista ou RPs, mas todosprofissionais de comunicação.
  • 5. As estruturas de Comunicação Social (FERRARETTO, 1996).Muito do que se discute – interesse das empresas batendo de frente cominteresse público – tem a ver com a atividade de assessoria.“Mais que um simples intermediário, o assessor de comunicação tem queser um especialista, tanto em imprensa e suas rotinas produtivas quantoà assuntos pertinentes à personalidade e/ou instituição”. (CASTANHO,2003).Como atender aos interesses institucionais sem ludibriar a opiniãopública maquiando certos aspectos negativos?A resposta passa por vários caminhos, mas sempre começa pela condutaética e profissional que as assessorias devem assumir.
  • 6. As escolas de comunicação tem uma parcela de culpa. Cada vez maispermeiam suas grades com disciplinas técnicas e deixam de lado aformação humanística dos futuros profissionais da área.Outro fator que cooperaria para mudança no quadro atual seria aformação de equipes com profissionais distintos.A discussão de ideias entre jornalistas, profissionais de RP e publicitáriospoderia levar a uma maior qualidade no trabalho prestado aoassessorado.O ideal seria que a assessoria prestasse um “serviço especializado,coordenando as atividades de comunicação de um assessorado com seuspúblicos e estabelecendo políticas e estratégias que englobam as áreasde jornalismo ( assessoria de imprensa e informações jornalísticas), RP(imagem pessoal e institucional) e publicidade e propaganda(comercialização de serviços e produtos)”. (FERRARETTO, 1996).
  • 7. Essa fórmula seria ideal e levaria a organização à prática daComunicação Integrada.  Integração de diversas linguagens e veículos que uma organização precisa lançar mão.  Adaptação das linguagens a cada público, mas todas elas agindo em sinergia para justamente, integrar as comunicações.
  • 8. Palavra-chave: SINERGIAAs organizações, ao invés de isolar profissionais por sua área deformação, devem buscar uma maior interação entre cada parte,o que, com certeza, acarretaria numa melhoria de resultados e, consequentemente, em lucros.
  • 9. Referências Bibliográficas:AMARAL, Luiz. Jornalismo - matéria de primeira página. Rio de Janeiro: TempoBrasileiro, 1997.CASTANHO, Valéria. Assessoria de comunicação na iniciativa privada, na áreapública e no terceiro setor. Comunicação e Espaço Público, Ano VI, Brasília, 2003.DUARTE, Jorge Antônio Menna. O papel do jornalista na comunicação empresarial: ocaso Embrapa. Dissertação de Mestrado. São bernardo do Campo: Unesp, 1996.FERRARETTO, Luiz Artur; KOPPLIN, Elisa. Assessoria de Imprensa: teoria eprática. Porto Alegre: Sagra-Dc Luzzato, 1996.NETO, Manoel Marcondes Machado. Relações Públicas e Marketing: convergênciaentre comunicação e administração. Rio de Janeiro: Conceito Editorial, 2008.TORQUATO, Francisco Guaudêncio. Jornalismo Empresarial. São Paulo: Summus,1987.