• Like
  • Save
Newsletter licinia de campos 33   mitos sobre nutricao
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Newsletter licinia de campos 33 mitos sobre nutricao

on

  • 446 views

Mitos sobre Nutrição

Mitos sobre Nutrição

Statistics

Views

Total Views
446
Views on SlideShare
446
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Newsletter licinia de campos 33   mitos sobre nutricao Newsletter licinia de campos 33 mitos sobre nutricao Document Transcript

    • NEWSLETTER LICINIA DE CAMPOSSEMANA 33SETE ERROS MAIS COMUNS A RESPEITO DA NUTRIÇÃOA pessoa lê todas as revistas, compra todas as vitaminas certas, conhece todas as palavras de referêncianos rótulos dos alimentos. Com certeza, pelos padrões, esse indivíduo conseguiria preencher umrelatório de nutrição obtendo nota 10.Mas antes da pessoa começar a comprar produtos nutricionalmente estrelados para colocar na suadespensa, deveria saber que poucos de nós estamos realmente fazendo melhores escolhas alimentaresdo que antes....É fácil adquirir produtos populares com concepções distorcidas a respeito de Nutrição – mitos e meias-verdades ultimamente nos levam a fazer escolhas alimentares menos saudáveis do que imaginamos.Por esse motivo, hoje vamos citar 7 erros nutricionais cometidos pela maioria das pessoas e nemimaginam que estão caindo nesse engodo, nem na maneira de evitá-los.1. Assumir suas escolhas como melhores do que realmente sãoDesde sucos de frutas a barrinhas de cereais, pães multi-grãos e produtos light, é fácil se iludir pensandoque suas escolhas alimentares são mais saudáveis do que realmente são. A propaganda voltada para nosdar a impressão de alimentos saudáveis tem funcionado a cada dia mais.Quando um rótulo afirma: “Pão multi-grão” soa bem saudável, não é? Mas a menos que este mesmorótulo diga “grãos integrais”, não significa necessariamente ser a escolha de pão mais saudável que sepossa fazer.Da mesma forma, muitos pensam que o consumo de uma sopa de legumes é mais nutritiva que umprato de hortaliças – não se conscientizando das poucas hortaliças utilizadas para a sopa (ou mesmohortaliças ricas em feculosos), e nem em quantos nutrientes são perdidos durante o processamento(descascar, cozinhar, triturar, etc).Outro erro comum é substituir frutas in natura por sucos de frutas. Os sucos com certeza são maissaudáveis que refrigerantes. Mas também são fonte concentrada de açúcar (frutose) e não chegam nemperto do mesmo nível em nutrientes obtidos pelo consumo da fruta inteira. Um copo de 250ml de sucode laranja fornece ao organismo cerca de 3 vezes mais frutose que uma laranja inteira, e sem dúvida se
    • perde algumas propriedades saudáveis como resultado do processo de extração. É recomendável paraquem tem o hábito de consumir um copo de suco de frutas de manhã, trocá-lo por um pedaço de frutainteira.Se estiver tentando perder peso, é certo que o senso de saciedade obtido com um copo de suco não é omesmo que se obtém com um pedaço de fruta. Ao contrário, consome-se um lote inteiro rico emcalorias – e ainda se passa fome. Recomendação diária de ingestão de frutas* Crianças 2-3 anos 1 xícara** 4-8 anos 1 to 1 ½ xícaras** Meninas 9-13 anos 1 ½ xícaras** 14-18 anos 1 ½ xícaras** Meninos 9-13 anos 1 ½ xícaras** 14-18 anos 2 xícaras** Mulheres 19-30 anos 2 xícaras** 31-50 anos 1 ½ xícaras** 51+ anos 1 ½ xícaras** Homens 19-30 anos 2 xícaras** 31-50 anos 2 xícaras** 51+ anos 2 xícaras** *estas quantidades são apropriadas para indíviduos com menos de 30 minutos de atividade física moderada por dia. As pessoas com níveis de atividade física maiores estão aptas a consumir mais enquanto perdurar a necessidade calórica.A frutose é o açúcar presente naturalmente nas frutas, com poder adoçante superior ao açúcar comum.Estudos têm associado o consumo excessivo de frutose ao aumento de triglicerídeos (gorduras) nacorrente sanguínea. Contudo, o metabolismo da frutose no organismo humano não é totalmenteconhecido. Assim, não se deve extrapolar as quantidades listadas acima no consumo de frutas.Solução: sempre que possível, consuma alimentos frescos, naturais, não processados. Mesmo quandose consome uma porção menor, é mais fácil obter um bom grupo recheado de nutrientes. Ao compraralimentos embalados, leve algum tempo lendo os rótulos, com o mesmo cuidado que se toma aoselecionar um xampú ou um creme hidratante. Não assuma de cara que o produto é mais saudável –mesmo estando na seção de alimentos saudáveis (ou orgânicos, ou naturais, ou dietéticos) dosupermercado. Acostume-se a ler os rótulos.2. A confusão sobre carboidratosUltimamente virou moda adotar dietas com baixo teor em carboidratos. Ou se ouve dizer comfrequência que o consumo de carboidratos à noite deve ser evitado. (A hora de consumo dos
    • carboidratos não muda seu valor calórico: 4 kcal/ grama). Mas antes de reconstruir sua pirâmidenutricional personalizada, há alguns pontos a conhecer.Há carboidratos excelentes para a saúde, outros “menos bons”, mas tanto seu cérebro quanto seuorganismo devem obter alguma fonte de carboidratos TODOS os dias. Além disso, os carboidratoscomplexos (aqueles ricos em grãos integrais e fibras) mantêm a pessoa mais saciada por tempo maislongo, e ajudam a consumir menos comida – e por consequência a PERDER peso!Eliminar este importante grupo alimentar não é o único engano relacionado às dietas ou ao bomequilíbrio nutricional. Tão problemático quanto, é acreditar que dietas com baixo teor em carboidratosou sem carboidratos são saudáveis, ou ao contrário, que se pode consumi-los em qualquer quantidade!Da mesma forma, age o mito das dietas pobres em gorduras, imaginando que se uma refeição não temgorduras, não tem calorias (ou pelo menos quase). Algumas pessoas também pensam que se a dieta forpobre em carboidratos, pode-se consumir o quanto quiser dos demais alimentos e não ganhar peso. Eisto simplesmente não é verdade. O consumo de QUALQUER tipo de alimento à vontade,indiscriminadamente, conduz ao ganho de peso.Solução: nunca se deve cortar nenhum grupo alimentar da dieta – inclusive os carboidratos. Igualmenteimportante é aprender quais carboidratos otimizam seu aporte dietético. É muito mais difícil sedescontrolar quando se inclui carboidratos do tipo frutas frescas e hortaliças (carboidratos também) egrãos integrais na dieta.3. Comer demaisSuper estimar o quanto de alimentos seu organismo necessita está entre os enganos mais comuns, sejapreenchendo o prato com alimentos de baixo teor gorduroso, ou de baixo teor em carboidratos, oumesmo alimentos saudáveis, nutricionalmente equilibrados (tipo prato cheio de salada). Muitas pessoasacham que devem se sentir não somente saciadas após uma refeição, mas repletas. A maioria daspessoas perdeu o contato com a sensação de ter consumido alimentos suficientes. Pensam que podemconsumir porções maiores se todos os alimentos do prato cumprirem as regras da dieta adotada – comoas citadas acima – o que, é claro, não é verdade.Um prato colorido e com pelo menos um ingredientes de cada grupo alimentar da pirâmide nutricionaltem mais chances de cumprir o seu papel em nutrir e não só em alimentar.Solução: estar consciente dos tamanhos das porções. Pese e mensure as porções padronizadas, aomenos no começo, para saber quais quantidades devem ter (e parecer). Nunca use porções derestaurantes como guia – eles sempre super-dimensionam-nas.
    • 4. Não consumir o suficienteMesmo que o superconsumo e o subconsumo pareçam ser contraditórios em questão de errosnutricionais, eles estão relacionados. Se a pessoa não come a intervalos regulares por todo o dia,arrisca-se romper os níveis de glicemia e de insulina, o que no final pode promover armazenamento degorduras e retardar o metabolismo – e por sua vez levar ao ganho de peso.Solução: coma a cada 4 horas (pequenas porções) e nunca deixe seu organismo “ficar esfomeado” entreuma refeição e outra.5. Ingerir muitos suplementosAs pessoas tendem a esquecer este conceito: uma pílula de vitamina é um suplemento – ou seja elacomplementa a dieta, e não serve para substituir os alimentos não consumidos. Além disso, o consumoexcessivo de vitaminas pode terminar sabotando a boa saúde.Cada vitamina, cada mineral, cada fitoquímico no organismo trabalha em conjunto, uns com os outros, eé fácil pertubar este equilíbrio, se a pessoa estiver tomando doses concentradas de nutrientesindividuais, ou mesmo grupos de nutrientes.Bandeira vermelha para qualquer plano de dieta que solicite suplementos de alta potência para cumpriras necessidades nutricionais. Significa que este plano alimentar não é saudável e que a pessoa podeperder os efeitos sinergéticos saudáveis, advindos dos alimentos integrais – inclusive não ajuda a sesentir saciado por mais tempo, evitando também a quebra celular, importante para a prevenção dedoenças.Solução: recomenda-se não tomar mais que uma dose de multivitaminas por dia. Não suplemente adieta com nutrientes individuais sem a orientação de um médico, nutricionista ou outro especialista emsaúde. Mantenha em mente que o balconista da farmácia geralmente não é um especialista em saúde. Ecomo já dizia Hipócrates: “ Faça do alimento o seu remédio”.6. Excluir exercíciosEmbora a maioria das pessoas acredite que nutrição trata somente de alimentos, na verdade a nutriçãoestá mais relacionada em COMO seu organismo utiliza os alimentos – e aí é onde o exercício regularentra.Sem exercícios adequados, não se pode manter taxa metabólica suficientemente alta para queimar osalimentos com eficiência. Uma pílula não pode fazer isso por ninguém, os alimentos por si só tambémnão podem realizar esse propósito. Exercício é a única maneira de se ativar o metabolismo.
    • Solução: torne o ato de se exercitar parte regular de sua vida. E não trave se não puder fazê-lo todos osdias a mesma hora. Se perder sua rotina de manhã, não espere até o dia seguinte, para entãocompensar fazendo o dobro. Ao invés disso, tente exercitar-se um pouco – mesmo um pouquinho queseja – todos os dias.7. Acreditar em tudo o que se lê a respeito de nutrição e perda de pesoSó porque alguém escreveu um livro de dietas ou um guia nutricional não significa que é umespecialista. Se estiver tomando um livro por guia, olhe as credenciais do autor e se pergunte: estapessoa é um dietista? Possui algum grau avançado em nutrição? Ou vc está entrando na onda do livroporque foi escrito por uma celebridade com boa aparência?Mesmo se um “especialista” estiver atrás do plano dietético ou nutricional, é importante certificar-se deque esse plano está baseado em pesquisas sólidas. Este plano foi testado em 20 pessoas ou 200? Osresultados foram publicados em revistas médicas ou científicas – ou estão baseados somente emrelatórios anedotários? São estas coisas que metem medo: o modo como as pessoas não prestamatenção antes de seguir os ditos, de seguir o que está sendo popular – e este é o maior erro.Talvez mais importante ainda: NÃO HÁ UMA DIETA OU PLANO NUTRICIONAL QUE SEJA CORRETO PARATODAS AS PESSOAS. As pessoas precisam parar de reclamar quando um plano dietético não funcionapara elas. Talvez não seja a dieta correta para essa pessoa em particular, e não o plano de dieta em si.Trata-se somente de achar o plano mais aconselhável para cada um, pois nem todos os organismosreagem da mesma forma mediante um plano de sucesso. Cada caso é um caso isolado e precisa serbem analisado para a adequação da dieta correta.Solução: antes de seguir um plano nutricional ou dietético, verifique as credenciais do autor ou criador.Procure planos fundamentados por dados científicos publicados, e com suporte em opiniões de muitosespecialistas da área.Dra Licinia de CamposGraduada em Nutrição (Universidade São Judas Tadeu) com formação autodidata em Gastronomia; pós-graduada em Gestãode Negócios de Serviços de Alimentação (SENAC); curso de especialização em Docência e Didática para Ensino Superior emTurismo e Hotelaria (SENAC); curso de Auditor Líder ISO 22000 (Food Design); ex-redatora do Suplemento Feminino do jornal“O Estado de SP” (1984- 1989); especialização em Antropologia Alimentar através de premiação para o Seminário:“Alimentation et hiérarchies sociales et culturelles” pelo IEHCA na Universidade de Tours, França; participante do programa“Com Sabor” da Rede Mulher por 3 anos; tradutora de diversos fascículos e livros para a Editora Globo; consultoragastronômica- nutricional do site www.sic.org.br (Serviço de Informação da Carne) e do site www.lacteabrasil.org.br;palestrante especializada em Gastronomia e Nutrição; redatora da revista NutriNews há mais de 10 anos com premio DestaqueFood Service 2008; docente em vários cursos das unidades SENAC desde 1998; Coordenadora do curso de Gastronomia da
    • Faculdade Paschoal Dantas; Consultora e Assessora Especializada em Gestão Operacional Administrativa de UnidadesAlimentares; mestranda pela Universidade de Léon, Espanha do curso Master em Gerontologia – Ciência do Envelhecimento.Contatos comerciais p/ assessoria gastronômica e nutricional em Serviços de Alimentação; preparo de manuais e receituáriosp/ veiculação em internet, revistas, folhetos, etc; tradução de textos culinários e nutricionais; aulas, palestras e treinamentosem Higiene e Manipulação Alimentar, Cortes e Qualidades das carnes bovinas, suínas e ovinas, Adequação de Métodos deProcedimentos e Cozimentos em Unidades Alimentares, Características da Culinária Internacional por especificidade (européia,asiática, oriental, brasileira, etc).e-mail: liciniadecampos@uol.com.br.Tel: (11) 97376596RECEITASÉRIE RECEITA COM HISTÓRIALasanha ao pesto com cogumelos e espinafre (8 porçòes)Quem não gosta de lasanha? Um bom queijo, boa carne, bom molho e tudo isso junto leva a uma boalasanha. Acredita-se que o prato teve sua origem na Itália. Contudo, o termo “lasanha” vem do grego.Os italianos usaram a palavra para se referir ao prato no qual a lasanha era preparada. Não foi a 1ª vezque o nome do prato tomou o nome do recipiente.Mas suas origens não são assim tão simples. Para tornar mais confusa a origem, a receita foiapresentada no primeiro livro de cozinha escrito na Inglaterra, levando à conclusão lendária de que oprato se originou nas Ilhas Britânicas.Os livros registram que o mercador veneziano Marco Polo trouxe o macarrão com ele da sua viagem àChina. Outra versão diz que a descoberta de Polo foi na realidade uma redescoberta de uma comidaanteriormente popular na Itália, nos tempos etruscos e romanos. Há algumas evidências de massaetrusco-romano feita com trigo duro e que se chamava “lagane”. Contudo, este prato, cuja 1ª mençãofoi no século I DC, não era cozida como macarrão comum, e sim assada no forno. Portanto a laganeantiga tinha alguma similaridade, mas não podia ser considerada como macarrão.Ao redor de 1300, o macarrão seco era bem popular por sua nutrição e pela vida de prateleira longa,tornando-o alimento ideal para longas viagens de navio. O macarrão viajou ao redor do globo durante asviagens de descobertas um século mais tarde. Nessa época, diferentes formatos de macarrão tinhamaparecido e novas tecnologias tornaram o macarrão fácil de preparar. Com estas inovações, o macarrãorealmente se tornou parte da vida italiana. Contudo, o próximo grande avanço na história do macarrãosó chegou depois do século XIX quando o macarrão encontrou o tomate.Embora os tomates tenham sido levados para a Europa logo após a descoberta do Novo Mundo, levoubastante tempo para a planta ser considerada comestível. De fato, os rumores eram de que o tomateera venenoso em partes da Europa e suas colonias até a metade do século XIX. Foi só em 1839 que a 1ª
    • receita de macarrão com tomates foi documentada. Assim, logo depois, os tomates tomaram conta dopedaço, especialmente no sul da Itália. O resto é uma deliciosa história.4 xícaras de folhas de espinafre – 2 xícaras de cogumelos frescos – ½ xícara demolho pesto já pronto – 1 xícara (100g) de mussarela ralada – 1 xícara (100g)de queijo provolone ralado – 1 xícara (100g) de queijo ricota – 1 ovo grandebem batido – 1 xícara (100g) de queijo parmesão ralado – 750 ml de molho detomate com manjericão – 1 lata de molho de tomate (250g) – 1 pacote (250g)de folhas de lasanha pré-cozida (12 folhas).Cozinhe as folhas de espinafre a vapor por 3 minutos ou até murcharem. Escorra, seque e pique-asgrosseiramente. Misture o espinafre, cogumelos e pesto em tigela média, mexendo para misturar,reserve. Em outra tigela média, misture a mussarela com o provolone, a ricota e o ovo batido, mexendobem. À parte, misture o molho de macarrão com a lata de molho. Espalhe 1 xícara do molho no fundode um refratário com 6 litros de capacidade, untado levemente. Arrume 3 folhas sobre o molho e cubracom 1 xícara da mistura de queijos e 1 xícara da mistura de espinafre. Repita as camadas, terminandocom a mistura de espinafre. Coloque as últimas 3 folhas de lasanha sobre o molho, espalhe o molhorestante sobre as folhas. Polvilhe com a ½ xícara restante de parmesão. Cubra com papel alumínio e leveao forno até ficar pronto.Informação nutricional: 398 kcal; gorduras totais 18,2g; proteínas 22,2g; carboidratos 38,5g; fibras 2g;colesterol 56mg; ferro 2,8mg; sódio 1036mg; cálcio 407mg.