Palestra sobre a fome
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
3,542
On Slideshare
3,275
From Embeds
267
Number of Embeds
7

Actions

Shares
Downloads
104
Comments
0
Likes
1

Embeds 267

http://metanoiacruz.blogspot.com 111
http://www.metanoiacruz.net 80
http://metanoiacruz.blogspot.com.br 69
http://www.metanoiacruz.blogspot.com.br 3
http://metanoiacruz.blogspot.pt 2
http://search.conduit.com 1
http://www.google.pt 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. FOME, INDIGNAÇÃO OU CONIVÊNCIA?
  • 2. Calcula-se que 815 milhões de pessoas, em todo o mundo sejam vítimas crônicas ou graves de subnutrição, a maior parte das quais  são mulheres e crianças dos países em vias de desenvolvimento.
  • 3. A subnutrição crônica, quando não conduz à morte física, implica freqüentemente uma mutilação grave, nomeadamente a falta de desenvolvimento das células cerebrais nos bebês, e cegueira por falta de vitamina A.
  • 4. Todos os anos, dezenas de milhões de mães gravemente subnutridas dão à luz dezenas de milhões de bebês igualmente ameaçados.
  • 5. África Etiópia, Eritréia, Somália, Sudão, Quênia, Uganda e Djibuti a fome que há muito mata nestes países milhões de africanos, já deixou de ser notícia na imprensa internacional. Entre as principais causas desta mortandade está a seca, as guerras e a permanente instabilidade política e religiosa na região.
  • 6. Na África austral, existem presentemente 10 milhões de mulheres, homens e crianças a conhecer formas extremas do flagelo da fome. Malaui, Zimbábue, Lesotho e a Suazilândia são alguns dos países mais afetados. Malaui enfrenta seca e a pior fome nos últimos 50 anos. Segundo o governo, 70% da população de 11 milhões passa fome.
  • 7. As perspectivas de desenvolvimento para este continente são pouco animadoras. Na África subsaariana, o número de pobres pode aumentar de 315 milhões para 404 milhões em 2015, afetando perto de metade da população da região.
  • 8. Ásia A situação é particularmente dramática no Afeganistão, onde cinco a dez milhões de pessoas estão ameaçadas de fome, mas também muito grave na Coréia do Norte, Mongólia, Armênia, Geórgia e Tajiquistão, etc.(Dados de 2002).
  • 9. Médio Oriente No Médio Oriente as projeções do Banco Mundial são também pouco animadoras para esta região, a situação é dramática na Palestina e no Iraque. O número de pobres irá disparar, estimulando o crescimento de conflitos sociais. 
  • 10. A intervenção dos EUA no Iraque, para além das vítimas que já produziu, agravou ainda mais esta tragédia.
  • 11. América Latina Milhões de pessoas passam fome na América Latina, segundo o director-geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO). 
  • 12. 211 milhões de latino-americanos e caribenhos vivem abaixo da linha de pobreza, com um aumento de 11 milhões desde 1990.
  • 13. As perspectivas futuras continuam a ser pouco risonhas para toda a América Latina. Os efeitos da globalização far-se-ão sentir por muito tempo, nomeadamente através de continuas crises econômicas. As suas frágeis economias estão hoje à mercê das empresas dos países mais ricos.
  • 14. A fome é , portanto, uma verdade mundial que não h á como esconder, uma realidade que atua como um espinho na carne de todos aqueles que se incomodam com ela.
  • 15. O grande te ó logo e pastor batista Martin Luther King em uma de suas c é lebres frases disse: “ O que me assusta não é o grito dos maus, e sim o silêncio dos bons ” .
  • 16. Concordamos com Luther King, pois no que diz respeito á fome, o mais assustador não são os índices, mas a indiferença.
  • 17. Se pensarmos como Luther King, poderemos ter duas posturas diante da fome, indigna ç ão ou conivência.
  • 18. Estamos acostumados a pensar na indignação como um sentimento negativo. Corretamente entendida, a indignação não apenas é aceitável, mas absolutamente necessária para que certas situações sejam transformadas.
  • 19. Sentir indigna ç ão significa reagir diante do mal, não ficar passivo e indiferente, é protestar ativamente contra aquilo que atenta contra a verdade, contra a justi ç a, contra a dignidade humana.
  • 20. Segundo o australiano Peter Singer, professor de bio é tica na universidade de Princeton, em seu mais recente livro, A Vida que Você Pode Salvar , “ h á uma m á cula moral em um mundo rico como o nosso ” .
  • 21. Singer prega que as pessoas em situa ç ão financeira confort á vel deveriam separar 5% de sua renda anual para impedir o sofrimento e a morte dos mais necessitados.
  • 22. Peter Singer não é um te ó rico sobre o assunto. Além de doar 25% de sua renda anual, em um de seus sites ele encoraja as pessoas a fazerem o mesmo, combatendo assim a pobreza mundial.
  • 23. Ele ensina que essa ajuda aos pobres trar á significado e prop ó sito à s nossas vidas.
  • 24. É compreens í vel o sentimento de impotência e de desalento que tomam conta de muitos de boa vontade, diante de sofrimentos tão antigos, poderosos e arraigados na nossa sociedade.
  • 25. Tem-se a impressão que será impossível extirpá-los de nosso meio. Todavia, experiência de outros mostra que não precisa ser assim.
  • 26. Na Inglaterra do século 18, a indignação e as ações concretas de pessoas, como William Wilberforce, contribuíram para o fim do tráfego de escravos e a erradicação do trabalho infantil.
  • 27. Nos Estados Unidos, já no século 20, a indignação e os protestos de Luther King iniciou o vigoroso movimento que resultou no fim da segregação racial.
  • 28. Não podemos calar, ser conivente, com a fome que assola o mundo, matando sem piedade nosso semelhante.
  • 29. Devemos nos indignar contra ela, é nosso dever como cidadão mundial!
  • 30. FOME, INDIGNAÇÃO OU CONIVÊNCIA?