• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
 

Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.

on

  • 1,044 views

Estudamos em matéria de Únidade Biológica Animal (UBA)

Estudamos em matéria de Únidade Biológica Animal (UBA)
Escola Superior Agrária de Coimbra.
Licenciatura em Engenharia Agro - Pecúaria.
__________@x__________.

Statistics

Views

Total Views
1,044
Views on SlideShare
1,044
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
12
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal. Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal. Presentation Transcript

    • Licenciatura em Engenharia Agro – Pecuária Carbúnculo Hemático e Carbúnculo Sintomático Disciplina: Unidade biológica animal Docente: Fernando Delgado Trabalho realizado por: Alarindo Salvador 20120160 David Marques 20120130 Marco Santos 20120167 Coimbra 12/13
    • O Carbúnculo Hemático é causada pelo Bacillus anthracis, uma bactéria gram-positiva, encapsulada, imóvel e com tendência de formação de esporos. Etiologia Os esporos podem se espalhar através de água de rios, insectos, animais selvagens e aves. Podem estar presentes em pastagens o que é muito preocupante. O carbúnculo sintomático, provoca uma inflamação clostridial dos músculos esqueléticos, é causado pelo Clostridium chaouvei, uma bactéria gram- positiva em forma de bastonete e produtora de esporos. A bactéria é altamente resistente às mudanças ambientais e desinfectantes, persistindo no solo por muitos anos.
    • Etiopatogenia • • • • O modo mais comum de infecção natural é pela via oral os esporos podem ser ingeridos através de pastos contaminados, através de água contaminada, ou em rações que tem na composição produtos de origem animais contaminado. O carbúnculo pode entrar no corpo humano através dos intestinos, pulmões (inalação) ou pele, sendo que esta doença não é contagiosa. A infecção dá-se quase sempre através dos esporos e não pela forma activa. Normalmente o período de incubação da bactéria é de algumas horas a 7 dias.
    • Sintomatologia • Carbúnculo hemático nos animais: • Carbúnculo Hemático no homem: • Esta enfermidade é conhecida como moléstia febril, aparecendo sintomas de depressão, debilidade, escorrimentos hemorrágicos em diferentes orifícios do corpo e presença de tumefações subcutâneas edematosas. • Por vezes os sintomas podem passar despercebidos(não há tempo de o animal os exibir) • Infecção Pulmonar – problemas respiratórios graves. • Infecção gastrointestinalVómitos sanguíneos e diarreia • Infecção cutânea – Formação de um ponto negro que ganha grande exuberância.
    • Carbúnculo Sintomático nos animais: • • • • • • • Afecta principalmente a musculatura estriada (coração). Lesões nas massas musculares germinação dos esporos em lesões que possam existir na massa muscular. 1º sintoma é uma manqueira. Há perda de apetite, febre alta, cólicas, respiração acelerada, apatia, dispneia e os característicos tumores crepitantes (tumefações gasosas), quentes e dolorosas. Aumento de volume da massa muscular com crepitação no local, intenso edema gelatinoso avermelhado em torno da lesão. A musculatura afectada é negra, seca, porosa e friável. O fígado, coração, e rins estão pálidos. Quando o animal está á beira da morte, apresenta tremores musculares.
    • Diagnóstico Carbúnculo sintomático Diagnóstico Carbúnculo hemático • Na maioria das vezes a observação dos sinais clínicos não chega a acontecer. • Necropsia em função da morte rápida. • A rápida decomposição da carcaça, • “rigor mortis” ausente ou incompleto. • derrames de sangue não coagulado pelas aberturas naturais e edemas generalizados. • PCR (Reacção da Polimerase em Cadeia), • esfregação sanguíneo ou de órgãos e músculos lesionados • imunofluorescência directa. • O “rigor mortis” nestes animais é bastante precoce e entra rapidamente em putrefacção Nota: Nos casos superagudos são encontradas poucas lesões características o que dificulta o diagnóstico, por esse motivo a colheita de material deve ser realizada de preferência por uma pessoa habilitada.
    • Prevenção • • • • imunização dos animais sensíveis; destruição das carcaças de animais mortos; durante a tosquia, evitar os cortes; vacinação sistemática dos animais; Outras medidas: • Notificação de qualquer caso às autoridades sanitárias mais próximas; • Isolamento dos pastos contaminados; • Desinfecção energética ou queima dos objectos e utensílios contaminados; • Tratamento dos animais doentes com doses adequadas de soro anti - carbunculoso; • Drenagem e saneamento das áreas pantanosas. Tratamento • Uso de antibióticos (ex.: penicilina, tetraciclina, eritromicina ou cloranfenicol) Excell 10 vacina para prevenção do carbúnculo sintomático Nota: Devido á morte rápida dos animais sem apresentação dos sinais clínicos impede a realização de tratamentos curativos.
    • Conclusões finais O carbúnculo no presente e no futuro é uma das doenças mais importantes e que maior problemas causa ás espécies pecuárias. • O Bacillus anthracis é como que o terrorista em caso de existir bioterrorismo esta bactéria seria a grande “bomba atómica”, ao provocar a morte sem sequer usar a sua forma activa É necessário que haja prevenção da doença para reduzir a enfermidade e para reduzir possíveis perdas a nível económico e social
    • Em termos gerais, para combater todas as doenças animais o caminho mais importante é sistema de prevenção (como por exemplo: vacinação, saneamento, bem estar animal, etc…). Um bom criador deve saber: “PREVENTION IS BETTER THAN CURE”
    • Referencias Bibliográficas  http://www.infoescola.com/doencas/carbunculo-hematico/  http://www.infoescola.com/medicina-veterinaria/carbunculo-sintomatico/5  http://www.vetmed.vt.edu/education/curriculum/vm8054/Labs/Lab10/CASES/BLACKLE G/CHAUVOEI%20COMPOSITE.jpg  http://ocw.tufts.edu/data/6/207367/207373_xlarge.jpg  http://www.webrural.com.br/webrural/artigos/pecuariacorte/sanidade/carbunculoh_a rquivos/image007.jpg  http://coral.ufsm.br/lpv/aulas/claudio/ptg1001muscular_arquivos/slide0035_image010 .jpg  http://www.webrural.com.br/webrural/artigos/pecuariacorte/sanidade/carbunculoh_a rquivos/image004.jpg  http://4.bp.blogspot.com/-Lp9B5i5tX-8/TeVHR5tFhI/AAAAAAAAAJ8/nz7qO6eVkpE/s1600/manqueira+%25283%2529.jpg  http://api.ning.com/files/Nm3Pgdyn9zHrIymXs9Kh97EWkys*HjG1A9QgI8IMF6UUcfRTE9qSNlhcvdBlaqkphHyWseBKbrLiJ4YOdyjB9Et9cRQdtcB/Ima gem019.jpg  http://eyepathologist.com/images/KL16847.jpgttp://www.vetboi.com.br/produtos/Exc ell_10_20DS_100ML_detp.png  www3.fmvz.usp.br:8080/index.../Carbunculo%20Hemático%20(1).pd