Your SlideShare is downloading. ×
0
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

1VB VISITA AO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA - ALINE

4,601

Published on

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,601
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
51
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães<br />14 de outubro de 2009<br />Visita ao Museu Geológico de Salvador-BA<br />
  • 2. Museu Geológico da Bahia<br /> <br />É um museu brasileiro localizado na Avenida Sete de Setembro 2.195, no Corredor da Vitória, em Salvador.<br />O museu dispõe de estrutura, instalações e coleções equiparadas com alguns dos melhores museus, de mesmo tema, em funcionamento nos Estado Unidos e na Europa.<br />Após a reinauguração em Março de 2002, se tornou uma boa opção para os estudantes adquirirem novos conhecimentos sobre geologia, mineralogia, pedras preciosas, mineração, história e outros assuntos. Vinculado à Secretaria da Indústria, Comércio e Mineração, o museu já está se transformando em um novo centro cultural e de lazer.<br />Entre as raridades de seu acervo, destaca-se o granito Azul Bahia, típico da Bahia, cotado internacionalmente em cerca de US$ 500 cada metro quadrado, e uma réplica do meteorito Bendegó, o maior meteorito brasileiro, encontrado em 1784, no município baiano de Monte Santo e classificado como o 11º mais importante do mundo.<br />Em uma sala denominada de “Energia dos Cristais”, encontram-se peças muito interessantes, como gemas e pedras semipreciosas, bolas de cristal e artesanatos feito com conchas. Uma outra sala está reservada para a coleção Otto Billian, fundador da Empresa Baiana de Minerais. Durante 50 anos, ele reuniu uma coleção de mais de quatro mil peças, das quais destacam-se os cristais de quartzo, as pedras preciosas, os minerais e réplicas de diamantes famosos, além de livros, revistas e manuscritos que falam sobre o assunto. Possui ainda um confortável auditório, com capacidade para 125 pessoas e equipado com projetor, sistema de som digital e recursos tecnológicos. De quinta a domingo, o espaço funciona como cinema, com uma programação predominante de filmes de arte. Nos outros dias, o auditório é destinado a atividades educativas, eventos culturais e científicos.<br />
  • 3. Gema (mineralogia)<br />Uma gema é um mineral, rocha (como a lápis-lazúli) ou material petrificado que quando cortado e facetado ou polido é coleccionável ou pode ser usado em joalheria. Outros são orgânicos, como o âmbar (resina de árvore fossilizada) e o azeviche (uma forma de carvão). Algumas gemas geralmente consideradas preciosas e bonitas são demasiado macias ou frágeis para serem usadas em jóias (por exemplo, rodocrosita monocristalina), mas são exibidas nos museus e procuradas por colecionadores.<br />
  • 4. Características e classificação das gemas:<br />As gemas são descritas e diferenciadas por geólogos através de diferentes especificações técnicas. Em primeiro lugar, do que é feito ou a sua composição química. Os diamantes, por exemplo, são constituídos por carbono (c), os rubis por óxido de alumínio (Al2O3). Dependendo da composição, muitas arestas são cristalinas que são classificados pelo sintoma cristalino por cúbico, trigonal ou monoclínico. Um outro termo usado é o hábito, a forma com que a gema é geralmente encontrada. Como exemplo, os diamantes cristalizam no sistema cúbico e são encontrados frequentemente na forma octaédrica.<br />As gemas são maleaveis em diferentes gangs, espécies e variedades. Por acaso, o rubi é a variedade vermelha do corindon enquanto que todas as outras cores de corindon são consideradas safiras . A esmeralda (verde), água-marinha (azul), bixbite (roxa), goshenite (azul claro), heliodoro (amarelo), e morganite (cor-de-rosa) são todas variedades da espécie mineral berilo.<br />As gemas caracterizam-se por: índice de refracção, dispersão, peso específico, dureza, clivagem, modo de fratura e lustre. Podem exibir pleocroísmo de um determinado tipo e ainda luminescência e um espectro de absorção característico.<br />Certos materiais ou falhas numa gema podem estar presentes na forma de inclusões características . Uma gema pode ocorrer em determinados locais, chamados ocorrências. As gemas de diferentes localizações podem apresentar características próprias que podem ajudar na identificação.<br />
  • 5. Lista de gemas :<br />Ágata - Alexandrita - Ametista - Água-marinha<br />Crisocola - Crisoprase - Espinela - Feldspato <br />Granada- Hematita- Jade - Jaspe - Lápis-lazúli<br />Malaquita - Obsidiana - Olivina - Opala<br />Pirita - Quartzo - Sugilite -Tanzanite<br />Topázio - Turquesa – Turmalina – Zircão.<br />Entre outras variedades.<br />Existem cerca de 130 espécies minerais que foram utilizadas como gemas, com 50 espécies mais comuns. Estes incluem:<br />
  • 6. Minerais que raramente ocorrem em formas com qualidade gamológica:<br />Andaluzite<br />Axinite<br />Benitoíte<br />Bixbite (berilo vermelho)<br />Cassiterite<br />Clinohumite<br />Iolite<br />Kornerupine<br />Moissanite natural<br />Zeólito (Thomsonite)<br />
  • 7. Materiais artificiais ou sintéticos utilizados como gemas:<br />Vidro (com elevado teor de chumbo).<br />Zircônia cúbica sintética<br />Coríndon sintética<br />Espinela sintética<br />Moissanite sintética<br />
  • 8. Há vários materiais orgânicos usados como gemas, incluindo:<br />Âmbar<br />Osso<br />Coral<br />Marfim<br />Azeviche<br />Madrepérola<br />Pérola<br />
  • 9. Materiais artificiais ou sintéticos utilizados como gemas:<br />Vidro (com elevado teor de chumbo).<br />Zircônia cúbica sintética<br />Coríndon sintética<br />Espinela sintética<br />Moissanite sintética<br />
  • 10. Uma seleção de seixos de gemas polidos por abrasão em tambor cilíndrico.<br />1 - Turquesa<br />2 - Hematita<br />3 - Crisocola<br />4 - Olho de tigre<br />5 - Quartzo<br />6 - Turmalina<br />7 - Cornalina<br />8 - Pirita<br />9 - Sugilite<br />10 - Malaquita<br />11 - Quartzo rosa<br />12 - Obsidiana<br />13 - Rubi<br />14 - Ágata muscínea<br />15 - Jaspe<br />16 - Ametista<br />17 - Ágata azul<br />18 - Lápis-lazúli<br />
  • 11. Turquesa :<br />É uma gema geralmente de cor ciano opaca. As variedades mais caras são a &quot;robin&apos;seggblue,&quot; (cor azul do céu). As inferiores são esverdeadas. A turquesa que se desvanece na cor é também inferior. A turquesa é um fosfato de alumínio com pequenas quantidades de cobre e ferro. A gema é apenas ligeiramente mais dura do que o vidro.Em épocas antigas, turquesa foi usada pelos Egípcios e foi retirada por eles na Peninsula do Sinai. Existem depósitos importantes no Irã perto de Nishapur e também no sudoeste americano. A turquesa era considerada a pedra nacional da Pérsia e usada intensamente na decoração de objetos. A Turquesa é usada por artesãos Nativos Americanos especialmente os trabalhadores em metais da tribo de índios americanos navaho.<br />
  • 12. Hematite :<br />Ou hematita é um mineral de fórmula óxido de ferro III, (Fe2O3), um dos diversos óxidos de ferro.O minério contém, às vezes, quantidades ligeiras de titânio. Quando dado forma em ornamentos é freqüente chamado de diamante preto.Um mineral muito comum, colorido preto ao cinza, marrom ao marrom avermelhado, ou vermelho. Os depósitos de hematita cinzento são encontrados tipicamente nos lugares onde houve água parada ou fontes de água mineral quente, tais como aqueles em Yellowstone. O mineral pode precipitar-se fora da água e coletar em camadas no fundo de um lago ou outro lugar com água parada. No entanto a hematita pode também ocorrer sem água, como o resultado da atividade vulcânica.<br />
  • 13. Crisocola:<br />Do grego chrysos (ouro) + kolla (cola) (em alusão ao material utilizado na soldadura do ouro), termo usado pela primeira vez por Teofrasto em 315 a.c., é um mineral, de fórmula química CuSiO3 - nH2O (silicato hidratado de cobre). É um mineral de origem secundária e forma-se em zonas de oxidação de depósitos minerais ricos em cobre. Os minerais que ocorrem associados à crisocola incluem, entre outros, quartzo, azurita, malaquita, cuprita. Pode também existir limonita associada. É um minério menor de cobre.A cor da crisocola é o azul-esverdeado. Utilizado por vezes como pedra ornamental. Ocorre geralmente sob a forma de massas botrioidais, arredondadas, crostas ou como enchimento de fracturas.Dureza: 2.5 a 3.5.<br />
  • 14. Olho de tigre :<br />É uma gema que exibe acatassolamento apresentando normalmente cor amarela a vermelho-marrom, com um lustre sedoso. Trata-se de crocidolitasilicificada, um clássico exemplo de pseudomorfismo. Uma variedade não totalmente silicificada é chamada olho de falcão. Um membro do grupo do quartzo, suas propriedades físicas e visuais são idênticas ou muito próximas às propriedades de um cristal simples de quartzo.As gemas são geralmente lapidadas em cabochão para melhor exibirem o efeito de acatassolamento. Pedras de cor vermelha são obtidas por tratamento térmico. Pedras cor-de-mel são usadas para imitar a muito mais valiosa variedade de crisoberilo olho-de-gato.<br />
  • 15. Quartzo :<br />O quartzo e o mais abundante mineral da Terra (aproximadamente 12% vol.). Possui estrutura cristalina trigonal composta por tetraedros de sílica (dióxido de silício, SiO2), pertencendo ao grupo dos tectossilicatos. O seu hábito cristalino é um prisma de seis lados que termina em pirâmides de seis lados, embora frequentemente distorcidas e ainda colunar, em agrupamentos paralelos, em formas maciças (compacta, fibrosa, granular, criptocristalina), maclas com diversos pseudomorfos. É classificado como tendo dureza 7 na Escala de Mohs. Apresenta as mais diversas cores(alocromático) conforme as variedades. Peso específico 2.65. Sem clivagem, apresentando fracturaconcoidal. O nome &quot;quartzo&quot; é de origem incerta, sendo a mais provável a palavra alemã &quot;quarz&quot;, que por sua vez será de origem eslava.Mineradores de rochas contendo quartzo podem sofrer de uma doença denominada silicose.<br /> <br />
  • 16. Turmalina :<br />Os minerais do grupo da turmalina constituem um dos mais complexos grupos de minerais de silicato quanto à sua composição química, sendo todos eles ciclossilicatos. Trata-se de um conjunto de minerais de silicato de boro e alumínio, cuja composição é muito variável devido às substituições isomórficas (em solução sólida) que podem ocorrer na sua estrutura. Os elementos que mais comumente participam nestas substituições são o ferro, o magnésio, o sódio, o cálcio e o lítio existindo outros elementos que podem também ocorrer. A palavra turmalina é uma corruptela da palavra turamali do cingalês para pedra que atrai a cinza (uma referência às suas propriedades piroeléctricas).<br />
  • 17. Cornalina :<br />É uma variedade vermelha ou avermelhada-marrom de calcedônia. A palavra é derivada do Latim carne do significado da palavra em referência à cor da carne exibida às vezes.Se a colocarmos ao sol durante longos períodos de tempo a sua cor ficara acentuada.<br />
  • 18. Quartzo rosa :<br />O Quartzo róseo é um tipo de quartzo, que tem uma tonalidade cor-de-rosa pálida. A cor deve-se geralmente a uma quantidade pequena de impurezas de titânio no material maciço e, como tal, raramente se encontra na forma de cristal. A verificar-se, a sua cor deve-se a um fosfato e não a uma impureza. Os primeiros cristais foram encontrados na pegmatite, encontrada próximo a Rumford, Maine, EUA, mas a maioria de cristais no mercado vêm de Minas Gerais, Brasil.Não é muito popular como gema facetada porque sua cor cor-de-rosa é frequentemente demasiado pálida e as pedras são sempre fuscas, e tenham, muito frequentemente, falhas grandes. Quando o quartzo cor-de-rosa é cortado em cabochons, ou arredondado em grânulos para colares ou esculpido, torna-se de longe mais eficaz.<br />
  • 19. Pirita :<br />O mineral pirita ou pirita de ferro, é o nome comum do dissulfeto de ferro, FeS2. Tem os cristais isométricos que aparecem geralmente como cubos, mas também frequentemente como octaedros ou piritoedros (dodecaedros com faces pentagonais). Tem uma fratura ligeiramente desigual e conchoidal, uma dureza de 6-6.5 na escala de Mohs, e uma densidade de 4.95-5.10. Devido ao seu brilho metálico e à cor amarelo-dourada, recebeu também o apelido de ouro de tolo (ou ouro dos parvos); ironicamente, contudo, pequenas quantidades de sais de ouro podem às vezes ser encontrados nas pirites. De fato, dependendo da quantidade de ouro, a pirita aurífera pode mesmo ser uma fonte valiosa do metal precioso. Em piritas podem ocorrer também arsênio, níquel, cobalto e cobre.<br />
  • 20. Sugilite :<br />É um mineral um tanto obscuro nomeado para o geólogo japonês que descobriu os primeiros espécimes em 1944, Ken-ichiSugi. Está tornando-se muito popular no comércio da jóia. Não dá forma a cristais bem dados forma mas é geralmente maciço. Isto é APROVADO, porque é usado na maior parte para finalidades de pedra ornamental e semipreciosa. Tem uma cor roxa opaca muito distintiva quando encontrado em suas máscaras mais desejáveis da cor. As pedras lustradas são na maior parte opacas com um luster quase waxy e uma cor roxa avermelhada profunda. Foi descrito como uma turquesa roxa embora não houvesse nenhuma relação entre os dois minerais.<br />
  • 21. Malaquita :<br />É um mineral do grupo dos carbonatos (carbonato de cobre (II)) com dureza entre 3,5 e 4 na Escala de Mohs. Seu sistema cristalino é monoclínico, e frequentemente forma massas botrioidais, fibrosas ou estalagmíticas. A malaquita geralmente resulta da alteração de minérios de cobre e ocorre frequentemente associada com azurita, goethita e cuprita. À exceção da cor verde, as propriedades da malaquita são muito similares àquelas da azurita, e agregados conjuntos dos dois minerais são encontrados com frequência, embora a malaquita seja mais comum do que a azurita.<br />
  • 22. Obdisiana :<br />É um tipo de vidro vulcânico, formado quando a lava esfria rapidamente, por exemplo, fluindo sobre água. Consiste em 70% ou mais de sílica (SiO2 - dióxido de silício). A obsidiana não é um mineral verdadeiro por não ser cristalino e, além disso, é muito similar na composição ao granito e riolito.<br />É classificada às vezes como um mineralóide. As cores da obsidiana variam, dependendo da presença das impurezas. Ferro e magnésio tipicamente dão à obsidiana uma cor verde escura a preta. A inclusão de pequenos cristais brancos, aglomerados radiais de cristobalite produzem um padrão manchado ou de &quot;floco de neve&quot;. Pode conter bolhas de ar, restantes do fluxo da lava, alinhados ao longo de camadas criadas como a rocha derretida estava fluindo antes de ser refrigerada. Estas bolhas podem produzir efeitos interessantes tais como um reflexo dourado ou do arco-íris. <br />
  • 23. Rubi :<br />É uma pedra preciosa vermelha, uma variedade do mineral corindon (óxido de alumínio) cuja cor é causada principalmente pela presença de crômio. Os rubis naturais são excepcionalmente raros, mas produzem-se rubis artificialmente que são comparativamente baratos.O rubi é minerado na África, Ásia e na Austrália. Eles são mais comuns em Myanmar, SriLanka e Tailândia, porém também são encontrados em Montana e na Carolina do Sul. Algumas vezes ocorrem juntamente com espinelas nas mesmas formações geológicas ocorrendo confusão entre as duas espécies: no entanto, bons exemplares de espinelas vermelhas têm um valor próximo do rubi.O rubi tem dureza 9 na escala de Mohs, e entre as gemas naturais somente é ultrapassado pelo diamante em termos de dureza. As variedades de corindon não vermelhas são conhecidas como safiras.<br />
  • 24. Ágata muscínea :<br />Ágata muscínea ou ágata musgo é uma variedade de ágata com inclusões dendríticas em forma de árvore com cores que vão de verde a negro ou de castanho a vermelho.<br />
  • 25. Jasper :<br />É uma opaca, impura variação do quartzo isto é vermelho, amarelo ou outras cores. Este mineral quebra com uma superfície lisa que seja usada para a ornamentação ou como uma Gema. Pode altamente ser lustrado e é usado para vasos, selos, e em uma vez para caixas de snuff. Quando as cores estão nas listras ou nas faixas, é chamado jasper listrado ou unido. O Egyptianpebble é um jasper amarelo marrom. Existe um tipo de Jaspe negro chamado de Basanite ou Pedra-de-toque, usado para testar a pureza do ouro.Neste teste, risca-se o basanite com o objeto de ouro e a seguir, coloca-se ácido clorídrico sobre o risco, o ácido ataca o cobre e pela reação, sabe-se a qualidade do ouro.<br />
  • 26. Ametista :<br />É uma variedade violeta ou púrpura do quartzo, muito usada como ornamento. Diz-se que a origem de seu nome é do grego a, &quot;não&quot; e methuskein, &quot;intoxicar&quot;, de acordo com a antiga crença de que esta pedra protegia seu dono da embriaguez. Entretanto, de acordo com o Rev. C. W. King, a palavra provavelmente é uma corruptela de um nome oriental da pedra. A ametista foi usada como pedra preciosa pelos antigos egípcios e era amplamente empregue na antiguidade por entalhadores. Contas de ametista foram encontradas em túmulos anglo-saxônicos na Inglaterra.<br />
  • 27. Ágata :<br />Ágata (ag&apos; it) é um termo aplicado não a uma espécie mineral distinta, mas a um conjunto de várias formas de sílica, principalmente Calcedônia. Seixo da ágata do musgo, uma polegada de comprimento (2,5 cm). De acordo com Teofrasto a ágata (achates) foi nomeada do rio Achates, agora o Drillo, na Sicília, onde o mineral foi primeiramente encontrado.<br />
  • 28. Lápis-lazúli :<br />Conhecido também como lápis, é uma rocha metamórfica de cor azul utilizada como gema ou como rocha ornamental desde antes de 7000 a.C. em Mehrgarh na Índia, situado nos dias de hoje no Paquistão. A sua cor azul-escura e opaca, fez com que esta gema fosse altamente apreciada pelos faraós egípcios, como pode ser visto por seu uso proeminente em muitos dos tesouros recuperados dos túmulos faraônicos. É ainda extremamente popular hoje. Trata-se de uma rocha e não de um mineral porque é composto de vários minerais. A primeira parte do nome, lápis, em latim significa pedra. A segunda parte, lazúli, é a forma genitiva no latim, lazulum, que veio do árabe (al)- lazward, que veio do persa لاژوردlāzhward, que veio do sânscrito Raja Warta significando anel, vida do rei. Lazúli era originalmente um nome, mas logo veio a significar azul por causa de sua associação com a pedra. A palavra em inglês azure, o azul espanhol e português, e o azzurro italiano são cognatos.<br />
  • 29. Feldspato :<br />Feldspato (do alemão feld, campo; e spat, uma rocha que não contém minério) é o nome de uma importante família de minerais, do grupo dos tectossilicatos, constituintes de rochas que formam cerca de 60% da crosta terrestre. Cristalizam nos sistemas triclínico ou monoclínico.Eles cristalizam do magma tanto em rochas intrusivas quanto extrusivas; os feldspatos ocorrem como minerais compactos, como filões, em pegmatitas e se desenvolvem em muitos tipos de rochas metamórficas. Também podem ser encontrados em alguns tipos de rochas sedimentares.<br />
  • 30. Granada :<br />A Granada (do latim granatus, um grão) é o nome geral dos membros de um grupo de minerais com habitus cristalino constituído por dodecaedros e trapezoedros. São nesosilicatos de fórmula geral, A3B2(SiO4)3. As diversas variedades de granada podem incorporar diversos elementos químicos na sua estrutura, principalmente cálcio, magnésio, alumínio, ferro2+, ferro3+, cromo, manganês e titânio. <br />As granadas não apresentam clivagem, mas mostram partição dodecaédrica. A fratura é concoidal a desigual; algumas variedades são muito resistentes e são valiosas para finalidades abrasivas. A dureza das granadas encontra-se no intervalo 6,5-7,5 e a densidade (peso específico) está entre 3,1 e 4,3. O brilho varia entre vítreo e resinoso, podendo ainda ser transparentes ou opacas, conforme a preseça ou ausência de inclusões. As granadas podem apresentar as seguintes cores: vermelho, amarelo, marrom, preto, verde, ou incolor.Os membros do grupo da granada subdividem-se através da sua variabilidade química.<br />
  • 31. Olivina :<br />Os membros do grupo das olivinas são constituídos por silicatos de magnésio e ferro, com fórmula química (Mg,Fe)2SiO4, formando uma solução sólida em que a razão Fe/Mg varia entre os dois extremos.Sendo esses extremas a forsterite Mg2SiO4 e a faialite Fe2SiO4.<br />Este mineral dá ainda o nome a um grupo de minerais com estrutura semelhante (o grupo da olivina) que inclui os minerais monticellite e kirschsteinite. Os minerais do grupo da olivina cristalizam no sistema ortorrômbico, e são nesossilicatos.É um dos minerais mais comuns na Terra, tendo também sido encontrada em rochas lunares, em meteoritos e inclusive em rochas de Marte.<br />
  • 32. Opala :<br />O mineralóide Opala é sílica amorfa hidratada, o percentual de água pode chegar a 20%. Por ser amorfo, ele não tem formato de cristal, ocorrendo em veios irregulares, massas, e nódulos. Tem a fratura conchoidal, brilho vítreo, dureza na escala de Mohs de 5,5-6,6, gravidade específica 2,1-2,3, e uma cor altamente variável. A opala varia do branco direto incolor, azul leitoso, cinza, vermelho, amarelo, verde, marrom e preto. Freqüentemente muitas destas cores podem ser vistas simultaneamente, em decorrência de interferência e difração da luz que passa com o minuto, aberturas regularmente arranjadas dentro do microestructura do opala, conhecido como difração de Bragg (Retículo de Bragg).<br />
  • 33. Tanzanite :<br />Tanzanite ou Tanzanita é uma variedade do mineral zoisite descoberta nos Montes Meralani no norte da Tanzânia em 1967 próximo de Arusha,afirma-se que por um natural de Goa de nome Manuel de Sousa. Desde então, a gema conheceu uma onde de popularidade, nomeadamente nos EUA onde a Tiffany & Co. teve um papel fundamental tanto no seu baptismo, como na sua apresentação ao mercado e subsequente promoção. Trata-se de uma gema popular e valiosa quando lapidada apesar de a sua durabilidade não ser muito grande. Digno de realce é o forte tricroísmo que apresenta (azul safira, violeta e verde dependendo da orientação do cristal). No entanto, a maior parte da tanzanite recebe tratamento térmico artificial para melhorar a sua cor, o que reduz significativamente o seu tricroís.<br />
  • 34. Ágata :<br />Na astrologia a ágata está associada aos planetas Terra e Mercúrio, isto favorece a força, a autoconfiança e a felicidade. Quem leva consigo uma ágata estará sempre pronto para lidar de forma criativa bem humorada com a realidade.<br />
  • 35. Água-Marinha :<br />Descoberta em Madagascar num passado remoto. Os antigos pescadores romanos apegavam-se ás suas águas-marinhas na esperança de verem seus redes cheia de peixes. A água marinha simboliza o astro lunar, com seus poderes de atração sobre os oceanos. Além de reger o signo de Peixes.<br />
  • 36. Esmeralda :<br />Segundo os povos orientais, as esmeraldas podiam aliviar ou curas muitos males. além de serem usadas como bálsamo contra venenos de cobras e escorpiões. Está gema foi associada a deusa Diana. Sua cor verde possui propriedades calmantes. Acredita-se que seria possível aliviar ou até curar inflamações e infecções.<br />
  • 37. Calcedônia Estratificada :<br />Encontrado em : caetité - BA<br />
  • 38. Obsidiana :<br />Vidro vulcânico encontrado em Santa Catarina - SC<br />
  • 39. Quartzo Morion :<br />Acreditam muitos que a coloração morion se deve ao resultado de uma irradiação natural. A energia deste cristal está relacionada com a energia do primeiro chakra. Por isso é o cristal de eleção para ajudar o &apos;&apos;enraizamento das pessoas<br />
  • 40. Marca Ondulada :<br />Muito comum em derivação de rochas, encontrada em Itaparica- BA<br />
  • 41. Varvito :<br />Testemunho de sondagem ( borehobe )<br />Encontrado em Bagé - RS<br />
  • 42. Diamantes:<br />O diamante é uma forma alotrópica do carbono, de fórmula química C.<br />Cristaliza no sistema cúbico, geralmente em cristais com forma octaédrica (8 faces) ou hexaquisoctaédrica (48 faces), frequentemente com superfícies curvas, arredondadas, incolores ou coradas. Os diamantes de cor escura são pouco conhecidos e o seu valor como gema é menor devido ao seu aspecto pouco atrativo. Diferente do que se pensou durante anos, os diamantes não são eternos pois o carbono definha com o tempo, mas os diamantes duram mais que qualquer ser humano.<br />Sendo carbono puro, o diamante arde quando exposto a uma chama, transformando-se em dióxido de carbono. É solúvel em diversos ácidos e infusível, excepto a altas pressões.<br />O diamante é o mais resistente material de ocorrência natural que se conhece, com uma dureza de 10 (valor máximo da escala de Mohs). Isto significa que não pode ser riscado por nenhum outro mineral ou substância que possua uma dureza inferior a 10. No entanto, é muito frágil, esse fato deve-se à clivagem octaédrica perfeita segundo {111}. Estas duas características fizeram com que o diamante não fosse talhado durante muitos anos. As maiores jazidas do mundo são de África do Sul.Outras jazidas importantes situam-se na Rússia (segundo maior produtor) e na Austrália (terceiro maior produtor), entre outras de menor importância.<br />A densidade é de 3,48. O brilho é adamantino, derivado do elevadíssimo índice de refracção (2,42). Recorde-se que todos os minerais com índice de refracção maior ou igual a 1,9 possuem este brilho. No entanto, os cristais não cortados podem apresentar um brilho gorduroso. Pode apresentar fluorescência sob luz ultravioleta, originando colorações azul, rosa, amarela ou verde.<br />
  • 43. Diamantes do Brasil:<br /><ul><li>1 - Estrela do sul
  • 44. 2 - Presidente Vargas
  • 45. 3 - Dresden inglês </li></ul>1<br />2<br />3<br />
  • 46. Diamantes da África do Sul:<br /><ul><li>1 Cullinan I
  • 47. 2 Cullinan II
  • 48. 3 Tiffany</li></ul>1<br />2<br />3<br />
  • 49. <ul><li> É o maior meteorito brasileiro, constituído de ferro e níquel, esta exposto no Museu Nacional desde 1888 e tem uma réplica, em madeira, (Palácio da Descoberta), um museu de ciência, no coração de Paris. A identificação da peca foi feita recentemente, por Marcomede Rangel Nunes, do Observatório Nacional, junto com Gerard Oudenot, chefe do Departamento de Astronomia desse museu.
  • 50. Dimensão: 2,15 m X 1,50 m X 0,66 M
  • 51. Peso: 5.360 kg
  • 52.  Uauá- Bahia
  • 53.  (Réplica em gesso e resina)</li></ul>Meteorito de Bendegó:<br />
  • 54. O que são fósseis e qual é a sua importância?<br />Fósseis são restos ou vestígios preservados de animais, plantas ou outros seres vivos em rochas, sedimentos, gelo ou âmbar. Preservam-se como moldes do corpo ou partes deste, rastros e pegadas. A totalidade dos fósseis e sua colocação nas formações rochosas e camadas sedimentares é conhecido como registro fóssil. A palavra &quot;fóssil&quot; deriva do termo latino &quot;fossilis&quot; que significa &quot;ser desenterrado&quot;. A ciência que estuda os fósseis é a Paleontologia. A fossilização raramente ocorre porque a matéria orgânica dos seres vivos tende a ser rapidamente decomposta. Logo, para que um organismo seja fossilizado, os restos devem ser rapidamente cobertos por sedimentos. Existem diferentes tipos de fósseis e diferentes processos de fossilização.<br />Algumas imagens a seguir:<br />
  • 55. Pata do Pampatério:<br />Reconstituição da Pata do Pampatério (Tatu gigante pré-histórico).<br />
  • 56. Mastodonte:<br />Réplica de um mastodonte. Ao redor, fósseis de mastodonte encontrados no município de Nordestina, BA.<br />
  • 57. Peixe fossilizado: <br />Peixe do período Cretáceo .<br />
  • 58. Madeira fossilizada.<br />
  • 59. Lepidotes roxoi:<br />O Lepidotes roxoi é um peixe fóssil baiano. O exemplar na imagem acima está em exposição no Museu Nacional, no Rio de Janeiro.<br />
  • 60. Vértebra de uma baleia primitiva:<br />Esses fósseis têm grande importância na datação de rochas e origem da vida na Terra.<br />
  • 61. Crédito: <br />Alunos: Aline Almeida<br />Diego Macedo<br />Lucas Gabriel<br />Tássia Reis<br />Vanessa Souza<br />1º Ano – Turma B – Turno Vespertino<br />

×