• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Estudo preliminar
 

Estudo preliminar

on

  • 1,458 views

Estudo preliminar do mercado de reformas no Brasil. Realizado pela LCA Consultores.

Estudo preliminar do mercado de reformas no Brasil. Realizado pela LCA Consultores.

Statistics

Views

Total Views
1,458
Views on SlideShare
1,325
Embed Views
133

Actions

Likes
0
Downloads
15
Comments
0

3 Embeds 133

http://www.clubedareforma.org.br 94
http://clubedareforma.org.br 37
http://translate.googleusercontent.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Estudo preliminar Estudo preliminar Presentation Transcript

    • Soluções estratégicas em economia
    • Estruturação domercado de reformas no BrasilDiagnóstico e Proposições (versão preliminar) São Paulo, 05 de março de 2012
    • Objetivo Propor diretrizes para Estrutura do Trabalho a estruturação do mercado de reformas 1. Economia brasileira: situação atual no Brasil, com base na e perspectivas situação atual e 2. O setor habitacional no Brasil perspectivas para a economia brasileira e 3. Experiência internacional na experiência 4. Proposições internacional. 3
    • Estruturação do mercado de reformas no Brasil Estrutura do Trabalho1. Economia brasileira2. O setor habitacional no Brasil3. Experiência internacional4. Proposições
    • Estabilização e cenário internacional possibilitaramciclo de expansão entre 2004 e 2008200420052008: ciclo a 840,7 PIB (base 1995=100) 165 158de expansão mais 155 147duradouro desde a 145 135 década de 70 123 125 Fonte: IBGE. Elaboração: LCA. Crescimento 115 102 105 médio do PIB de 95 4,6% 85 2006 2009 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2007 2008 2010 PIB per capita avançou a um Crescimento deixa de ser intermitente ritmo de 3,6% ao Aumento da demanda global por commodities e fluxo positivo ano de investimentos externos aumentaram as reservasFonte: Banco Mundial internacionais em poder do Banco Central
    • Perspectivas: Crises financeiras recentes não afetaramexpectativa de crescimento nos próximos anosCrise financeira mundial PIB (base 1995=100) de 2008 200PIB brasileiro recuou 0,3% 188 em 2009, mas encerrou 1902010 com um crescimento 180 174 Fonte: IBGE. Elaboração: LCA. *Projeção: LCA. de 7,5% 170 158 4,1% a.a.Crise da dívida europeia 160 Crise da dívida Crescimento nacional 150 147 europeia esperado de 2,7% em 140 Crise 2008 2011 130 2011* 2012* 2013* 2014* 2015* 2008 2009 2010Avanços dos fundamentos macroeconômicos permitiram a adoção de Expectativa é que a economia brasileira retome políticas anticíclicas como trajetória de expansão sustentada no longo prazo redução da taxa de juros Crescimento projetado entre 2013 e 2015 é de 4,1% a.a.
    • Mobilidade social: ascensão da nova classe média População por classe social (em milhões de pessoas) Classes D/E representavam 55% 31 Fonte: FGV. Elaboração: LCA. *Projeção: FGV. 23 13 17 da população 66 82 brasileira em 2003 102 113 Hoje, sua 47 48 39 participação é de 40 49 35 26 16 34% 2003 2006 2011 2014* Mais da metade da Classe E Classe D Classe C Classes A/B população constitui a classe C, a projeção é Aumento da renda acompanhado de melhora da que em 2014 essa distribuição e maior disponibilidade de crédito fizeram camada representecom que milhões de famílias brasileiras passassem a ter 57% da população maior acesso a novos produtos e serviços
    • Aumento do nível de renda e distribuição permitesofisticação da cesta de consumo Propriedade de bens duráveis (% famílias) Ampliação doconsumo de bens 90% 80% duráveis indica 70% 79% mudança no 60% 61% padrão de 50% 40% 44% 44% consumo 30% 38% 35% 34% 43%Em apenas 6 anos, Elaboração: LCA. 20% 16% 18% 10% a parcela das 0% 7% 4% famílias que Carro DVD Player Motocicleta Computador Máquina de Lavar Aparelho Celular possuem DVD Fonte: POF 2003 x 2009 Fonte: PNAD 2004 x 2009 cresceu 53,9 p.p.
    • Oferta de serviços básicos no Brasil também avançouna última década Domicílios com infraestrutura/serviços Governo tem diversos básicos (%) programas que visam àprovisão de infraestrutura 3% e serviços básicos à 6% moradia, como por 96,0 98,9exemplo, Luz para Todos, 82,8Saneamento para Todos e 77,8 18%Serviços Urbanos de Água e Esgoto 55,5 47,2 Apesar do esforço, universalização dos Esgotamento Sanitário Água encanada Iluminaçãoserviços de água e esgoto 2000 2010 Fonte: Censo 2010. Elaboração: LCA.ainda encontra-se distante
    • Ainda há elevada desigualdade no acesso a serviços públicos Elaboração de políticas de desenvolvimento sevem ser condizentes com as diferentes necessidades Atendimento deserviços básicos varia Domicílios com ligação à rede de água (%) entre regiões Apesar do avanço na provisão de serviços públicos, carências ainda são muitas – necessidade deinvestimentos públicos Fonte: Censo 2010. Elaboração: LCA.
    • Estruturação do mercado de reformas no Brasil Estrutura do Trabalho1. Economia brasileira: situação atual2. O setor habitacional no Brasil3. Experiência internacional4. Proposições
    • Conjuntura macroeconômica e alterações legais/regulatórias incentivam segmento habitacional Principais mudanças institucionais no setor entre 2004 e Mudanças facilitaram 2006Lei nº 10.931/04 Maior segurança jurídica com a alienação fiduciária de imóveis aumento de crédito Estímulo ao crédito habitacional (Os bancos que não converteremResolução 3.177/04 do no mínimo 65% dos recursos da poupança em crédito habitacional Operações passaram de 1,3%CMN deverão sofrer penalidades pelo CMN) Criação do Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social (SNHIS) e em 2004 paraLei nº 11.124/05 do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (FNHIS), com o objetivo de centralizar e gerenciar os recursos para o SNHIS aproximadamente 4% do PIBDecretos nº 5.597, 5.804e 5.905/06 Desoneração de IPI para 45 itens relacionados à construção civil em 2011 Imóveis financiados com recursos da poupança e do FGTS Em 2005, apenas 15% do (milhares de unidades) crédito habitacional provinha 350 300 290 dos recursos da poupança 250 205 139 Em 2010, a participação da 200 188 156 171 150 133 37 65 99 99 SBPE poupança no crédito 20 FGTS 100 imobiliário foi de 48% 151 50 113 119 106 106 89 0 2005 2006 2007 2008 2009 2010Fontes: BCB e CEF/FGTS. Elaboração: LCA. SBPE – Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo. FGTS – Fundo de Garantia do Tempo deServiço.
    • Mesmo com trajetória crescente, ainda há grande distância entre crédito habitacional no Brasil e países desenvolvidos O crédito Crédito habitacional como proporção do PIB – habitacional no 70,3 Jul/11Brasil equivale a 4% 66,1 61,2do PIB, uma relação bem baixa em 40,2 39,8 37,7 comparação com Fontes: BCB/RTI. Elaboração: LCA.outros países, como 22,9 Estados Unidos 4,1 (70%), Holanda (66%) e Espanha EUA Holanda Espanha Área do França Alemanha Itália Brasil (61%) EuroHá necessidade de expansão do mercado de crédito no Brasil
    • Superação do déficit habitacional ainda está distante Déficit habitacional em 2009 - por coabitação e precariedade (Em milhões de domicílios) 2% 3% 7,2 milhões 4% 3,5 mi 45% 45% do déficit 46% habitacional* quantitativo é passível 3,7 mi favela rústico de ser resolvido com cortiço improvisado múltiplas inadequações reformas habitacionais Precariedade Coabitação Fonte: FGV PNAD/2009. Elaboração: LCA.Precariedade inclui moradias improvisadas (locais construídos sem fins residenciais), moradias rústicas * Que representam 3,2 milhões de moradias(domicílios que expõem seus moradores a riscos, desconforto e insalubridade), moradias em favelas e cortiços rústicas ou em favelas Reforma pode exercer papel relevante para amenizar problemas de déficit habitacional
    • Necessidade de reforma é elevada em todas as classes de renda Necessidade e pretensão de reforma por classes de renda 82% da população 82% das classes D/E 71% 77% declaram 42% 39% necessidade de 31% reforma no domicílio e Necessidade de Reforma * Domicílios que gastaram com menos da metade reforma ** gastou com classes A/B Classe C Classes D/E material de *Fonte: LatinPanel , dados de 2008. **Fonte: POF 2008/2009. Elaboração: LCA. construção e Há distância significativa entre a serviço de reforma necessidade e o gasto efetivo emFonte: LatinPanel, dados de 2008 e POF 2008/2009. reforma
    • Necessidade de gastos com reforma é crescente A autoconstrução representou R$51 bilhões em 2009*, cerca de 35% do PIB da Construção Civil Fonte: FGV/Sinduscon-SP. Estoque bruto de capital residencial (R$ bilhões de 2009) 2.500 2.132*** R$ 19 bilhões 2.000 R$51 bilhões 1.500 Valor necessário 1.000 para repor a R$ 32 bilhões depreciação do 500 estoque de capital 0 residencial** 1953 1957 1961 1965 1969 1973 1977 1981 1985 1989 1993 1997 2001 2005 2009 Fonte: Ipea. Elaboração LCA* O PIB do setor foi de R$ 146 bilhões e o valor adicionado pelas construtoras foi de R$95 milhões, o restante é considerado autoconstrução** Foi considerado 1,5% do estoque de capital*** Dado de 2009: estimativa LCA A necessidade de recursos para Maior parte dos gastos com reforma recomposição do estoque de capitalapenas repõe a depreciação dos domicílios residencial depreciado é crescente
    • Benefícios da reforma: aspectos sociais e de saúde Iluminação natural, acústica e qualidade do ar inadequadas estão relacionadas com problemas tão diversos como proliferação de Abrigo, garantia de fungos, stress e doenças respiratórias segurança,armazenamento e consumo dos alimentos, uso dos Alta densidade de moradores contribui para a disseminação de doenças contagiosas recursos da higiene pessoal e saneamento, Reforma que melhore a estrutura física das desenvolvimento da habitações, através do uso de revestimentos família, entre outros adequados, boa circulação de ar, incidência solar apropriada deve ter impacto positivo em vários aspectosFonte: Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização Fonte: Departamento de Saneamento e SaúdeAmbiental, Escola Nacional de Saúde Pública,Pan-Americana de Saúde (OPAS), apud ROJAS et al(2008). Fiocruz. 2004.
    • Estruturação do mercado de reformas no Brasil Estrutura do Trabalho1. Economia brasileira: situação atual2. O setor habitacional no Brasil3. Experiência internacional4. Proposições
    • Argentina: Financiamento a famílias sem acesso aomercado de crédito Programa Federal Mejor Vivir  80% das moradias necessitavam de melhorias ou expansões Possui Equipes de Gestão  Programa criado em 2004 visava a melhoria de de Projeto formadas por aproximadamente 1% das moradias responsáveis técnicos e  Ações visam moradias com carência em ao sociais que fiscalizam até menos um dos seguintes pontos: 40 obras por vez  Instalação sanitária  Abastecimento de água Orçamento deve ter  Acabamento adequado de pisos, paredes e avaliação prévia da telhados secretaria competente  Número de cômodos adequado Empresas executoras têmEm dezembro de 2011 havia 75,9 mil de passar por licitação reformas concluídas e 34,7 mil em execução
    • México: programas de crédito subsidiado Programa Ésta es tu casa Objetivos  Subsídios para reforma da moradia e regularização da propriedadePromover o acesso  Exigida poupança prévia de 5% do valor do projeto da população de  Beneficiário não pode ser proprietário de outro imóvel ou menor renda ao já ter recebido algum subsídio habitacional financiamento habitacional Subsídios para melhorias e reformas – Governo México (R$ milhões)Redução do déficit 96,9 103,3 habitacional Fonte: CONAVI. Elaboração: LCA. qualitativo 46,8 49,6 36,542.783 reformas de 2008 a 2010 2007 2008 2009 2010 2011 - 1º sem
    • Chile: programa de subsídio direto Subsídios para melhorias e reformas (R$ milhões) Mudança de foco a 388,6 partir de 2006: 362,6 331,8 Fonte: MINVU. Elaboração: LCA.aumento do incentivo à reforma, mas sem abandonar o financiamento de 107,8 novas construções 18,9 2,0 2,9 4,0 2,7 2,7 2,2 Destaca-se o 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Programa de Protección del Patrimonio Familiar Programa de Subsídio para reparação e melhoria da moradia Protección del Abrange obras de segurança, habitabilidade, manutenção, Patrimonio Familiar, dentre outrasresponsável por mais Exige assistência técnica, empreiteiro registrado e licença parade 80% dos subsídios construção para conceder benefício no setor Projeto deve ser aprovado previamente pela Secretaria regional de serviços e habitação e urbanização
    • Estruturação do mercado de reformas no Brasil Estrutura do Trabalho1. Economia brasileira: situação atual2. O setor habitacional no Brasil3. Experiência internacional4. Proposições
    • Crédito para reforma e ampliação: linhas específicas da Caixa Econômica Federal  ConstrucardExistem linhas para  Carta de crédito – SBPE todas as faixas de  Carta de crédito individual – FGTS renda  Carta de crédito solidário – Fundo de Desenvolvimento Social (FDS) Linhas de – Encontram-se suspensos os procedimentos de habilitação, classificação e seleção para o crédito solidário financiamento  Para reforma/ampliação os documentos necessáriosfocam a compra de são: material de – Certidão da Matrícula do imóvel construção – Comprovantes de Recolhimento de Foro e de Laudêmio se o imóvel tiver sido herdado – IPTUConstrucard possui – Descritivo das intervenções e croquis taxa definida de  Se houver ampliação e/ou alteração na estrutura: acordo com a – Projeto de arquitetura aprovado pela administração pública – Documentos do responsável técnico, inclusive registro no renda familiar Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura - CREA
    • Programas específicos para reforma são regionais  Melhoria das Condições de Habitabilidade - Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (FNHIS) – Repasse a gestores de estados e municípios para assentamentos precários operado pela Caixa Decreto que institui  Algumas secretarias estaduais desenvolvem programas, Minha Casa, Minha por exemplo: Vida estabelece a  São Paulo: Programa Especial de Melhorias (PEM) – Atende famílias com renda entre 1 e 5 s.m.reforma como uma das – recursos da Secretaria da Habitação estadual, a fundo finalidades perdido, com previsão de contrapartida municipal  Tocantins: Cartão Moradia – Fonte de recurso: ICMS estadualNo entanto, melhorias – Atende famílias com renda de até 3 s.m.não são enquadradas – Famílias com renda entre 3 e 6 s.m. podem receber até 60 % do valor global da obra no MCMV*  Rio Grande do Norte: Cartão Reforma – Atende famílias com renda per capita familiar igual ou inferior a ½ s.m. – Recursos de até R$1.500,00 *Fonte: Site da Caixa Econômica Federal
    • Proposição para estruturação do mercado de reforma Utilizando 1 Mercado instituições e Famílias que possuem recursos mas não priorizam programas já a reforma na alocação de gastosexistentes e tomando como base a referência 2 Ação Conjunta internacional no Famílias que necessitam de crédito parcialmente subsidiado pelo Governo para reformar a moradia setor de reforma épossível encaminhar proposições focadas 3 Ação Pública Direta em 3 públicos-alvo Famílias do cadastro único, que necessitam de recursos diretos do governo para reforma de domicílios
    • Incentivos à reforma: ações direcionadas de acordocom a rendaMercado Ação Pública Direta Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Fast-track para regularização fundiária e do imóvel Material educativo sobre os benefícios da reforma e divulgação das linhas de crédito para reforma e ampliação da moradia Fomento do mercado de orientação técnica: incentivo à formação e qualificação de mão de obra, incentivo à realização de reforma por profissionais especializados Microcrédito e crédito subsidiado para estímulo à reforma Recursos diretos a famílias do cadastro único
    • Fast-track para regularização fundiária e do imóvel Grupo 1 Grupo 2 Grupo 31,7 milhões de domicílios carecem de regularização fundiária Fonte: Ministério das Cidades/Fundação João Pinheiro Escolha de Maior facilidade comunidades/ na obtenção dos bairros com Divulgação das exigências e iniciativas, documentos parcela necessários para como mutirão cartorário significativa de conseguir domicílios financiamento irregulares
    • Cartilha informativa e mão de obra qualificada Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Material educativo sobre Cartilha para informar à população osos benefícios da reforma e incentivos já existentes, bem como os benefícios divulgação das linhas de que a reforma pode proporcionar em termos de crédito para reforma e saúde e bem-estar, além da importância de contratar profissionais qualificados ampliação da moradia Apoio governamental à qualificação da mão de obraFomento do mercado Incentivo à realização de reforma porde orientação técnica profissionais especializados: atrelar liberação de recursos a projetos que atendam a critérios técnicos
    • Microcrédito e crédito subsidiado Grupo 2 Grupo 3 Financiamento a Fomento do taxas Maior número de mercado de subsidiadas para famílias com acesso ao mercado de crédito crédito público habitacional específico Mais de R$ 16 bilhões* dos gastos com reforma foram feitos a prazo. Segundo o Banco Central, o financiamento de material de construção concedido pelo SBPE foi de apenas R$ 100 milhões.* Estimativa LCA a partir de dados da POF e FGV/ Sinduscon-SP
    • Cadastro Único: instrumento para direcionamento depolíticas públicas Grupo 3 Cadastro identifica famílias com renda mensal de até meio salário mínimo porCadastro único pessoa ou de três salários mínimos no total (20 milhões de famílias) Detalha características do domicílio e acesso a serviços básicos Recurso direto a famílias do Cadastro Único