Your SlideShare is downloading. ×
0
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Emergentism - portugese
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Emergentism - portugese

1,205

Published on

1 Comment
1 Like
Statistics
Notes
  • Ótimo, justamente o que procurava: abordagem reducionista & abordagem emergentista.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
1,205
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
43
Comments
1
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Transcript

    • 1. Emergentismo : o fim do reducionismo ? C. Lémery – Lisboa – Abril 07
    • 2. Emergentismo: o fim do reducionismo? <ul><li>As visões do mundo </li></ul><ul><li>Do reducionismo ao emergentismo </li></ul><ul><li>Panorama : </li></ul><ul><ul><li>O que é a vida? </li></ul></ul><ul><ul><li>A emergência em f ísica </li></ul></ul><ul><ul><li>Um exemplo em ciências sociais </li></ul></ul>
    • 3. Vis ão do mundo <ul><li>O mundo visto pela física </li></ul><ul><li>O mundo visto pela química </li></ul><ul><li>O mundo visto pela biologia </li></ul><ul><li>O mundo visto pela neurociências </li></ul><ul><li>O mundo visto pelas ciências económicas e sociais </li></ul><ul><li>… </li></ul>
    • 4. Outras visões do mundo
    • 5. Autres visions du monde Outras visões do mundo
    • 6. Autres visions du monde Outras visões do mundo
    • 7.  
    • 8. Porquê tantas visões ? <ul><li>Uma metodologia reducionista </li></ul>Estudo das propriedades das sub-partes Compreensão do todo Um fenómeno Solidificação dos elementos que consituem um fenómeno
    • 9. Teoria do todo Princípios fundamentais Átomos Química Processos biológicos Psicologia Sociologia Etc. Partículas Moléculas Cognição
    • 10. As peças do puzzle Calculos numéricos para 256 moléculas ? Número de moléculas num litro de água: 3000000000000000000000000000 R. Bukowski et al. Science 315, Mars 2007
    • 11. Teoria do todo? Princípios fundamentais A passagem de uma ciência a outra é especulativa Incapacidade da abordagem reducionista? Átomos Química Processos biológicos Psicologia Sociologia Etc. Partículas Moléculas Cognição
    • 12. Numerosos pontos de interrogação… Uma outra abordagem?
    • 13. Da abordagem reducionista à abordagem emergentista
    • 14. Uma mudança de paradigma <ul><li>Reducionismo </li></ul><ul><ul><ul><li>Todo = Soma das partes </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Solidificação dos componentes </li></ul></ul></ul><ul><li>Emergentismo </li></ul><ul><ul><ul><li>O conjunto é mais que a soma das suas partes </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Focagem sobre as relações </li></ul></ul></ul>
    • 15. Reducionismo: focagem sobre as estruturas Assim que há condições de condensação Como se formam as núvens? Moléculas de água
    • 16. Reducionismo: focagem sobre as estruturas Como se formam as núvens?
    • 17. O que a abordagem reducionista não explica ?
    • 18. Integração das relações entre fenómenos Como se formam as núvens? Emergência das formas Cessação das condições Cessação da forma Condições P, T Humidade Poeiras Forma : Núvem
    • 19. Do reducionismo à sistémica Abordagem Sistémica Abordagem Reducionista Dinâmica de rede: o conjunto tem mais propriedades que as partes « De que é feito este objecto? » « Quais são as relações inerentes a este objecto ? »
    • 20. Abordagem sistémica da realidade Temperatura Evapotranspiração Humidade O todo é mais que a soma das partes Vegetação A nuvem: uma propriedade emergente
    • 21. O que é a vida?
    • 22. O que é a vida? <ul><li>Defenição clássica: «Capacidade de um organismo se reproduzir, respirar e nutrir-se» </li></ul><ul><li>Wikipedia : «A vida é um estado organizado e homeoestático da matéria» </li></ul><ul><li>Wikipédia II : «A vida é o nome de um fenómeno empirico particularmente importante para os humanos mas que não é fácil definir ( cf. infra ). Este fenómeno opõe-se à noção de matéria inerte e articula-se com a noção de morte.» </li></ul>
    • 23. A abordagem reducionista da vida <ul><li>Um sistema vivo é um objecto que contém ADN </li></ul><ul><li>… e que não está morto </li></ul>Vida = propriedade dos sitemas vivos É necessário mudar a abordagem?
    • 24. A natureza da ciência Khun - 1962, A Estrutura das Revoluções Científicas Ciência normal <ul><li>Modelo de pesamento, paradigmas: </li></ul><ul><li>observações </li></ul><ul><li>questões em relação </li></ul><ul><li>métodos </li></ul>Mudança os paradigmas Fenómeno inexplicado
    • 25. Ciência Normal Abordagem reducionista a natureza da vida Abordagem emergentista
    • 26. O que é a vida? Quantas bactérias existem num organismo humano? Tantas quantas as células! Perspectiva sistémica: o nosso organismo é um ecossistema
    • 27. Sistemas ecológicos <ul><li>Caracterizados por uma estrutura em rede: </li></ul>
    • 28. Rede = facteo de regulação <ul><li>Loop de retroacção </li></ul>Verão quente Aumento da quantidade de algas Aumento da actividade dos crustáceos Regulação quantidade de alga
    • 29. Auto-produção dos organismos: auto-poiése Condições Intra-celulares T, salinidade, etc… Forma ADN… Ambiente Proteínas Enzimas Rede Nova propriedade: a Vida Auto-poiése : Cada nó da rede participa na produção e transformação de outros nós da rede -> Auto-produção Maturana & Varela, 1974 Rede
    • 30. Auto-regulação das redes <ul><li>Quanto mais nós existirem na rede, a todas as escalas, mais esta se torna susceptivel de encontrar o equílibrio depois de uma perturbação </li></ul>rede écologiques Nós = organismos vivos rede de organismos vivos Nós = orgãos rede celular: Nós = célula rede intracelular: Nós = organelos rede bioquímica: Nós = moléculas Ligações = reacções químicas
    • 31. O equilibrio homeoestático Consequência de numerosos loops de retroacção Condições físico-químicas propícias à sua sobrevivências Meio exterior P salinidade T pH
    • 32. A interdependência dos organismos vivos Cada organismo é um sub-conjunto do seu ambiente e mantém o seu equilibrio homeoestático
    • 33. A vida  propriedade intrínseca <ul><li>Vida: </li></ul><ul><li>Propriedade emergente numa determinada escala </li></ul><ul><li>Processos/relações em movimento </li></ul><ul><li>Uma célula «vive» porque se encontra num ambiente adequado </li></ul>Não se pode atribuir a propriedade «vida» independentemente do ambiente: <ul><li>Um organismo «vive» porque se encontra num ambiente adequado </li></ul>
    • 34. A emergência em física
    • 35. A emegência em física A propriedades dos sistemas macroscópicos são emergentes Não podem ser deduzida de níveis microscópios São independentes do mundo microscópio Ex 1 : P.V=n.R.T Explicação clássica: movimento browniano Mas as moléculas de gás não se submetem à mecânica newtonmiana! Lei experimental Então «verdadeira» Laughlin (nobel da física) Prigogine (nobel da química)
    • 36. A emegência em física Ex 2 : Os estados cristalinos ordenados É fácil mostrar que os átomos se organizam de uma forma cristalina É difícil (leia-se impossível) explicar a ordem emergente à nossa escala Contudo ela assegura a coesão dos nossos edificios! Robert Laughlin – prémio Nobel da física A propriedades dos sistemas macroscópicos são emergentes Não podem ser deduzida de níveis microscópios São independentes do mundo microscópio
    • 37. Um exemplo das ciências sociais Sondar as opiniões
    • 38. A sondagem de opiniões População global 56 % não 44 % sim Fiabilidade: amostra ~ 1000 pessoas Válidas se as pessoas têm uma opinião à priori A abordagem é reducionista S N S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S S N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N
    • 39. Como se formam as opiniões? Médias A medida da opinião não é independente do que queremos medir! Abordagem emergentista Emergencia de uma propriedade colectiva: A opinião do grupo. Opinião indívidual História colectiva Opiniões colectivas História pessoal A opinião colectiva não é somente a soma das opiniões individuais. Sondagem
    • 40. Um último exemplo?
    • 41. <ul><li>Descrever o estado do corpo humano </li></ul><ul><li>Quantos parâmetros são necessários para fazer o diagnóstico do estado de saúde de um ser humano? </li></ul>10 31 bytes Espaço necessário para armazenar a informação da posição dos átomos de um ser humano com uma precisão do tamanho do átomo Rq : 1 disco rigido = 100 GB = 10 11 bytes A saúde de um indivíduo não se deduz do seu estado «molecular». Mas de propriedades macroscópicas colectivas.
    • 42. Outros exemplos <ul><li>Neurociência </li></ul><ul><ul><li>A memória como uma propriedade emergente </li></ul></ul><ul><li>Gestão e organização humamna </li></ul><ul><ul><li>gestão da rede </li></ul></ul>Etc…
    • 43. O fim do reducionismo? Reducionismo: Compreender as rodas dentadas da mecânica O mecanismo dos relógios Emergentismo: Estudo das propriedade emergentes do colectivo O relógio indica a hora Não explica por que o relógio indica as horas Duas abordagens complementares que permitem uma simplificação da compreensão do mundo Não há demónios no mostrador!! Um mostrador indica a hora
    • 44. Acabou Obrigado pela vossa atenção Não vivemos o fim da descoberta mas o fim do reducionismo. A falsa ideologia que prometeu à humanidade o mestria de tudo graças ao microscópio foi abalada pelos acontecimentos e pela razão. Não se trata da falsidade das leis microscópicas. Apenas se tornaram “não-pertinentes” em muitos casos devido às suas filhas e às filhas das suas filhas, no mais alto nível: as leis organizacionais do Universo. Lauglhin (2005). A different Univers: Reinventing Physiscs from the bottom down.

    ×