• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
4o Dia   Tp5  Os PrincíPios Da Textualidade
 

4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade

on

  • 10,680 views

 

Statistics

Views

Total Views
10,680
Views on SlideShare
10,541
Embed Views
139

Actions

Likes
2
Downloads
379
Comments
1

4 Embeds 139

http://gestandont.blogspot.com.br 80
http://gestandont.blogspot.com 47
http://www.slideshare.net 10
http://webcache.googleusercontent.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Muito bom..
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    4o Dia   Tp5  Os PrincíPios Da Textualidade 4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade Presentation Transcript

    • Os princípios da textualidade Organização: Caroline Rodrigues Cardoso - UnB
    • Um texto é uma unidade de linguagem em uso.
    • Um texto é uma unidade semântica, constitui um todo significativo.
    • Um texto tem uma unidade formal, pois apresenta características que lhe dão coesão.
    • ENTÃO:
    • TEXTO : ocorrência lingüística falada ou escrita que deve apresentar 3 propriedades básicas:  
      • Unidade Sociocomunicativa : o texto é uma unidade de linguagem em uso; Unidade Semântica : o texto é um todo significativo;e Unidade Formal : as palavras devem se integrar para formar um todo coeso.
    • Beaugrande e Dressler (1983) apontam sete fatores de textualidade:
    • coerência, coesão, intencionalidade, aceitabilidade, situacionalidade, informatividade e intertextualidade.
    • é responsável pela unidade semântica, pelo sentido do texto, envolvendo não só aspectos lógicos e semânticos, mas também cognitivos. A coerência
    • é responsável pela unidade formal do texto, que se dá por mecanismos gramaticais e lexicais. A coesão
    • é o empenho do autor em construir um texto coerente, coeso, e que atinja o objetivo que ele tem em mente. Isso diz respeito ao valor ilocutório do texto, ou seja, o que o texto pretende falar. A intencionalidade
    • é a expectativa do recebedor de que o texto tenha coerência e coesão, além de lhe ser útil e relevante. Grice (apud Costa Val: 1991) estabelece estratégias para o autor alcançar aceitabilidade: cooperação (para o autor responder às necessidades do recebedor), qualidade (autenticidade) e quantidade (informatividade). A aceitabilidade
    • diz respeito à pertinência e à relevância do texto no contexto . Situar o texto é adequá-lo à situação sociocomunicativa. A situacionalidade
    • quanto menos previsível se apresentar o texto, mais informatividade. Tanto a falta quanto o excesso de previsibilidade, de informatividade, são prejudiciais à aceitação do texto por parte do leitor. Um bom índice de informatividade atende à suficiência de dados. A informatividade
    • concerne aos fatores que fazem a utilização de um texto dependente do conhecimento de outro(s) texto(s). Um texto constrói-se em cima do "já-dito. A intertextualidade
    • A produção e a recepção de um texto condicionam-se à situação ou à ambiência, ou seja, ao conhecimento circunstancial ou ambiental que motivam os signos e a ambiência em que se inserem, gerando um texto cuja coerência e unidade são suscitados diretamente pelo referente. Contexto
    • Contexto Percebido em duas dimensões:
      • A leitura de superfície é percebida pelos elementos do enunciado, organizados hierarquicamente.
      • A estrutura de profundidade é a interpretação semântica das relações sintáticas, permitindo vasculhar o ânimo do autor.
    • Tipos de contextos:
      • Contexto imediato : refere-se aos elementos que seguem ou precedem o texto imediatamente, incluindo as circunstâncias que o motivam. (título de um livro, nome do autor, tipo de capa... Já podem nos trazer alguma informação sobre...)
      • Contexto situacional : trata-se do contexto estabelecido pelos elementos fora do texto que lhe abrem possibilidades de maior entendimento. (experiências, informações históricas, geográficas, psíquicas... para ser realizada uma leitura ativa, íntima)
      • Os princípios da textualidade nos mostram como cada texto é conectado ao nosso conhecimento do mundo e da nossa sociedade.
      • Os princípios da textualidade devem abranger qualquer tipo de texto. Eles devem nos ajudar a fazer múltiplas conexões não só dentro de um texto, mas também entre o texto e os contextos humanos nos quais ele ocorre, bem como determinar que conexões são relevantes.
      • Mesmo sendo os dois princípios de textualidade mais ‘lingüísticos’, a coesão e a coerência são afetadas por nossas crenças culturais e atitudes.
      • A ‘competência comunicativa’ deve ser vista como um potencial aberto e dinâmico que pode sempre ser enriquecido. Para Beaugrande, as pessoas são ‘competentes’ em graus bastante diferentes e podem encontrar severas limitações na sua liberdade de acessar o conhecimento e buscar objetivos sociais.
    • Do que a terra mais garrida Teus risonhos, lindos campos têm mais flores; “ Nossos bosques têm mais vida” “ Nossa vida”, no teu seio, “mais amores”. (Hino Nacional Brasileiro)   EXERCÍCIO
    • Nossas flores são mais bonitas nossas frutas mais gostosas mas custam cem mil réis a dúzia. (MENDES, Murilo. Canção do exílio )  
    • Nosso céu tem mais estrelas. Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores.  (DIAS, Gonçalves. Canção do exílio )
      • Um texto cita outro com, basicamente, duas finalidades distintas:
      • para reafirmar alguns dos sentidos do texto citado;
      • para inverter, contestar e deformar alguns dos sentidos do texto citado; para polemizar com ele.
    • Em relação ao texto de Gonçalves Dias, o Hino Nacional enquadra-se no primeiro caso, enquanto o de Murilo Mendes encaixa-se no segundo. Quando um texto cita outro invertendo seu sentido, temos uma paródia. Os versos do Hino Nacional, colocados no princípio desta lição, parafraseiam versos de Gonçalves Dias; os de Murilo Mendes parodiam-nos.
    • A percepção das relações intertextuais, das referências de um texto a outro, depende do repertório do leitor, do seu acervo de conhecimentos literários e de outras manifestações culturais. Daí a importância da leitura, principalmente daquelas obras que constituem as grandes fontes da literatura universal. Quanto mais se lê, mais se amplia a competência para apreender o diálogo que os textos travam entre si por meio de referências, citações e alusões. Por isso cada livro que se lê torna maior a capacidade de apreender, de maneira mais completa, o sentido dos textos.
    • Não são as chuvas escassas o principal problema dos que vivem no Sertão. O maior empecilho é a falta de interesse político, haja vista a conveniência de existirem eleitores miseráveis e persuasíveis, que se tornam presas fáceis aos objetivos meramente eleitoreiros dos candidatos da região. Não é preciso ir longe para comprovar que o “polígono das secas” pode ser transformado em uma área rentável, sem causar grandes gastos no orçamento dos Estados ou da União. A região do Vale do Rio São Francisco, em Petrolina e Juazeiro, é o melhor exemplo de desenvolvimento, aplicando-se métodos simples de irrigação. Seca: escassez de água ou de decoro político? Rafael dos Anjos - estudante  
    • As ações emergenciais como as frentes de trabalho e a distribuição de carros-pipas, são as medidas mais utilizadas pelos políticos, principalmente, em anos eleitorais. Projetos como o “Dnocs” (implantação de açudes no Sertão), a transposição do Rio São Francisco e tantos outros que visam a uma regularização da situação no “polígono das secas”, são barrados, devido a superfaturamentos e desfalques nas verbas destinadas ao combate à seca. Não é apenas por água que clama o nordestino, mas por uma oportunidade de se desenvolver. Não é a terra árida ou a escassez de chuvas que determinam a “vida Severina” do sertanejo, mas sim, a ausência de decoro político que persuade esses tantos “severinos”.
    • COSTA VAL, M. Graça. Texto e textualidade. In: ____. Redação e Textualidade . São Paulo: Martins Fontes, 1991. PLATÃO, Francisco; FIORIN, José Luiz. Para entender o texto: leitura e redação. 16. ed. 5. imp . São Paulo: Ática, 2004. XAVIER, Antonio Carlos dos S. Como se faz um texto: a construção da dissertação-argumentativa. Campinas: Ed. do autor, 2001. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS