Your SlideShare is downloading. ×
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Ens med
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ens med

2,684

Published on

asdf

asdf

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,684
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E CONTINUADA PROGRAMAS / EXAMES SUPLETIVOS 2007 ENSINO MÉDIO 1. BIOLOGIA/ENSINO MÉDIO O estudo da Biologia, conduzido a bilhões de anos atrás, permite compreender os eventos ocorridos que originaram, nos antigos oceanos, as estruturas químicas constitutivas da vida e, posteriormente, as células, menores unidades que compõem os seres vivos. O conhecimento da estrutura, função e diversidade dos seres vivos, sejam eles uni ou pluricelulares, leva a relacionar todos os eventos ocorridos com os indivíduos ao longo de uma escala geológica, chegando aos dias atuais. Esses eventos são explicados com base nos princípios da física e da química, ciências indissociáveis da biologia. Um evento-chave durante o processo evolutivo dos seres vivos ocorreu quando algumas células começaram a fotossintetizar, ou seja, utilizar a energia solar para sintetizar seu próprio alimento a partir de substâncias simples presentes no ambiente marinho. Tais células fotossintetizantes contribuíram para mudanças na composição da antiga atmosfera e influenciaram a evolução das plantas e dos animais. Os seres vivos — primeiramente as plantas e depois os animais — começaram, então, a colonizar o ambiente terrestre, e muitas estruturas visíveis — presentes nos atuais seres vivos terrestres — são adaptações evolutivas para a sobrevivência em ambiente relativamente seco. Durante a evolução, ocorreu também aumento na complexidade, entretanto, muitos processos bioquímicos e biológicos conservaram-se entre os organismos, desde os mais simples (unicelulares) até os mais complexos. O estudo da biologia também conduz ao futuro porque ele fornece a bagagem de conhecimento necessária para entender e talvez superar muitos desafios com os quais estamos nos deparando e ainda vamos nos deparar. Problemas como poluição, escassez de alimento e de água potável, aquecimento global e destruição da camada de ozônio, além de empreendimentos como o desenvolvimento de novas culturas agrícolas e a cura de doenças, usando a engenharia genética, requerem conhecimentos biológicos. 1
  • 2. Com tudo isso, estudar biologia permite ter uma visão global, não dissociada dos seres vivos e do ambiente no quais estão inseridos. Assim, este programa favorece a aquisição de um conjunto de habilidades que serão requeridas e compreende conteúdos que possibilitarão o desenvolvimento dessas habilidades. HABILIDADES CONTEÚDOS * Reconhecer a célula como unidade viva 1. A organização dos seres vivos formadora de todos os organismos. * Caracterizar os constituintes celulares. 1.1. Moléculas que constituem os seres * Relacionar as funções vitais com os vários vivos. componentes celulares. 1.2. A organização celular da vida. * Associar as células reprodutoras e 1.3. Funções vitais básicas. somáticas aos processos de reprodução, 1.4. Reprodução celular e o código crescimento e regeneração. genético. 1.5. Tecnologias de manipulação do DNA. * Reconhecer os grupos taxonômicos de seres 2. Classificação e diversidade dos seres vivos. vivos * Compreender a morfologia e a fisiologia dos seres vivos e a sua importância ecológica e 2.1. Principais critérios de classificação, econômica. regras de nomenclatura e as categorias * Associar as características morfofisiológicas taxonômicas reconhecidas atualmente. dos seres vivos à sua localização geográfica. 2.2. Principais características dos * Analisar propostas de intervenção humana representantes dos cinco reinos (comércio, indústria, urbanização, (Bactéria, Protoctista, Fungi, Animália e agropecuária) nos diversos ambientes. Plantae), suas especificidades relacionadas às condições ambientais e relações de parentesco entre os seres vivos. 2.3. Características da fauna e da flora nos grandes biomas terrestres, em especial no Cerrado. 2.4. Preservação e recuperação dos ecossistemas e da biodiversidade. * Reconhecer que os seres vivos em um 3. Interação entre os seres vivos ecossistema mantêm entre si múltiplas relações de convivência. 3.1. A interdependência da vida. * Interpretar as relações alimentares como 3.2. Os movimentos dos materiais e da forma de garantir a transferência de matéria e energia na natureza. de energia do ecossistema. 3.3. Comunidades biológicas e dinâmica * Compreender que os elementos químicos das populações. como o carbono, oxigênio e nitrogênio 3.4. A intervenção humana e os circulam no ecossistema. desequilíbrios ambientais. * Reconhecer o ser humano como agente de 3.5. Problemas ambientais regionais e transformações do ambiente. brasileiros. * Conhecer as principais teorias sobre a 4. Origem e evolução da vida origem da vida. * Compreender as transformações que o 4.1. Hipóteses sobre a origem do planeta sofreu no decorrer dos tempos. universo, da Terra e da vida; a vida primitiva. 2
  • 3. * Caracterizar as principais evidências 4.2. Idéias evolucionistas e evolução evolutivas. biológica. * Reconhecer a importância das teorias 4.3. Mecanismos de mutação, evolutivas. recombinação gênica e seleção natural e * Compreender hipóteses referentes à migração. evolução do homem. 4.4. A origem do ser humano. * Comparar argumentos sobre a evolução dos 4.5. Transformação do ambiente e a seres vivos. adaptação dos seres vivos. * Conhecer os avanços biotecnológicos e 4.6. Biotecnologia e suas implicações — posicionar-se de maneira crítica sobre as riscos e benefícios da manipulação de vantagens e desvantagens do uso da material genético à saúde humana e ao biotecnologia (clonagem, transgênicos, meio ambiente. melhoramento genético). * Reconhecer as características básicas dos 5. Equilíbrio orgânico agentes causadores de doenças. * Identificar as formas de contaminação e os 5.1. Relacionar as condições mecanismos de defesa do organismo. socioeconômicas com a qualidade de vida * Estabelecer relações entre doenças e os das populações humanas, em especial na fatores socioeconômicos e culturais. região Centro-Oeste. * Compreender a influência dos fatores 5.2. Distinguir as doenças genéticos, de maus hábitos de vida e de infectocontagiosas, as parasitárias, as fatores ambientais no desencadeamento de degenerativas, as ocupacionais, as doenças. carenciais, as sexualmente transmissíveis * Analisar propostas de intervenção humana, (DST) e as provocadas por toxinas considerando fatores que afetam a qualidade ambientais. de vida dos indivíduos. 5.3. Saúde ambiental — saneamento básico e poluição. 5.4. Sistema imunológico e prevenção de doenças. SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA • LINHARES, S.; GEWANDSNAJDEER. F. Biologia – Série Brasil. Vol. Único, São Paulo, Ática, 2003. • BRASIL. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS – ENSINO MÉDIO: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, MEC, 2003. • PAULINO, W. R. Biologia Atual. Vol. Único, São Paulo, Ática, 2002. • JORNAIS de circulação local e nacional. • REVISTAS de circulação nacional – Veja, IstoÉ, Época, Ciência Hoje, Galileu, Superinteressante, etc. 3
  • 4. 2 . FÍSICA/ENSINO MÉDIO A palavra "física" é de origem grega e significa natureza, daí dizer que a Física é uma ciência natural. É difícil delimitar precisamente onde começa uma ciência e termina outra, pois há uma considerável sobreposição em muitas áreas. De maneira geral, a Física estuda os componentes da matéria e como eles interagem entre si. A Física, por ser uma ciência, é uma atividade humana e, tal como as artes, a literatura, o esporte, faz parte de nossa cultura e nos ajuda a decidir, de maneira mais sensata e racional, sobre os problemas que enfrentamos. A Física proporciona uma interpretação do mundo, uma visão do universo para além de nossos limites imediatos. O aprendizado da Física é, atualmente, indispensável à formação do cidadão. O conhecimento da Física, portanto, faz parte da bagagem de saberes e habilidades que as pessoas devem ter para poder distinguir entre fatos e crendices ou superstições; avaliar com maior clareza as atitudes a tomar; compreender um mundo que utiliza, cada vez mais, tecnologias decorrentes de descobertas científicas; discutir com maior propriedade as políticas científicas e tecnológicas de uma sociedade, exercendo a cidadania com maior intensidade. Os fenômenos da natureza, tão variados, chegam até nós por meio dos nossos sentidos. Esses fenômenos, como, por exemplo, a luz dos relâmpagos, o som dos trovões, a noção de quente e frio, o movimento dos corpos, etc., motivaram a criação dos chamados ramos clássicos da Física, como a Mecânica, Óptica, Ondulatória, Termologia, Eletricidade e Eletromagnetismo e a Física Moderna. A Física, portanto, é um dos instrumentos para a compreensão do mundo em que vivemos, enfocando aspectos relevantes dos elementos vivenciais e mesmo cotidianos, possuindo uma beleza conceitual que por si só torna o seu aprendizado agradável. O programa a seguir apresenta uma orientação para estudo dos principais tópicos de cada um dos ramos da Física Clássica estudados no Ensino Médio. A cada assunto do programa estão relacionadas habilidades específicas básicas esperadas do candidato. O estudo e a compreensão de cada uma dessas habilidades específicas possibilitarão ao candidato alcançar o pretendido sucesso nos Exames Supletivos. HABILIDADES CONTEÚDOS 4
  • 5. * Relacionar as grandezas físicas às suas unidades (por exemplo, quilograma é unidade de massa, 1. Mecânica segundo é de tempo, metro por segundo é unidade de velocidade, 1.1. Medidas e grandezas no Newton é de força, Joule é de energia, Sistema Internacional de etc.). Unidades. * Fazer conversão de unidades (por exemplo, transformar km/h em m/s, grama em quilograma, etc.). * Calcular velocidade média em trajetos lineares. * Calcular o tempo gasto para 1.2. Deslocamento, velocidade e percorrer um certo deslocamento com aceleração. uma determinada velocidade média. * Calcular aceleração média em trajetos lineares. * Aplicar a função horária S = So + v.t em movimento retilíneo uniforme. * Relacionar a velocidade angular em 1.3. Movimento retilíneo uniforme e um movimento circular uniforme com o movimento circular uniforme. período, a freqüência e o deslocamento angular (aplicação das relações ω = ∆θ/∆t, ω = 2π/T = 2πf). * Compreender e aplicar as funções horárias S = So + vo.t + a.t2/2 e v = vo + a.t em movimento retilíneo 1.4. Movimento uniformemente uniformemente variado (MRUV). variado; queda livre; lançamento * Aplicar essas funções para situações horizontal e oblíquo. de queda livre, lançamento horizontal e lançamento oblíquo. * Identificar as diferentes forças que atuam em um objeto, sejam em situações estáticas ou dinâmicas (por exemplo: a força peso, a normal, a tração, a força de atrito, etc.). * Diferenciar massa e peso. * Relacionar força e aceleração em 1.5. Leis de Newton do movimento; movimentos translacionais e força de atrito; força centrípeta. rotacionais (aplicação da segunda lei de Newton F = ma em movimentos translacionais e da segunda lei em movimentos circulares – casos em que a resultante é centrípeta). * Identificar os pares de ação e reação. * Calcular o trabalho de uma força constante (Trabalho = τ = F.d.cosθ). * Calcular a energia cinética de um 1.6. Trabalho, energia e potência; objeto (Ecinética = m.v2/2). teorema trabalho-energia * Relacionar trabalho e potência média cinética; conservação da energia (Pm = τ/∆t). mecânica. * Aplicar o teorema trabalho-energia cinética (τForça resultante = ∆Ecinética). * Utilizar o princípio da conservação da 5
  • 6. energia mecânica em sistemas conservativos (situações em que a energia cinética se transforma em energia potencial e vice-versa, ou seja, Ecinética + Epotencial = constante). * Calcular o impulso de uma força sobre um corpo (Impulso = I = F.∆t). 1.7. Impulso e quantidade de * Aplicar o teorema impulso- movimento; teorema impulso- quantidade de movimento (IForça resultante quantidade de movimento; = ∆Q = m.v – m.vo). conservação da quantidade de * Utilizar o princípio da conservação da movimento. quantidade de movimento em sistemas isolados (por exemplo, em colisões). * Analisar as condições de equilíbrio 1.8. Equilíbrio estático de pontos de um objeto (força resultante nula e materiais e corpos extensos. momento total nulo) * Relacionar a força gravitacional entre dois corpos por meio da lei da gravitação universal (F = G.M.m/r2). 1.9. Gravitação universal; leis de * Relacionar os movimentos dos corpos Kepler. celestes com as Leis de Kepler (lei das órbitas, lei das áreas e lei dos períodos). * Utilizar os conceitos de densidade (d = m/V) e pressão (p = F/A). * Relacionar a pressão em um ponto de um fluido com a profundidade (p = po + d.g.h). 1.10. Densidade e pressão; teorema * Compreender o funcionamento de de Stevin; teorema de Pascal; dispositivos hidráulicos simples (por princípio de Arquimedes. exemplo, elevadores e prensas hidráulicos). * Avaliar a ação do empuxo agindo em um objeto imerso ou flutuante (empuxo = volume do líquido deslocado). * Compreender o conceito de temperatura. * Relacionar temperaturas em diversas 2. Calor escalas termométricas 2.1. Temperatura; equilíbrio térmico; (transformações de Celsius para escalas termométricas. Fahrenheit ou para Kelvin e vice- versa). * Relacionar a dilatação linear, superficial ou volumétrica de um objeto com a variação de sua temperatura 2.2. Dilatação térmica. (por exemplo, aplicar a relação ∆L = α.Lo.∆T para a dilatação linear). * Distinguir temperatura de calor (reconhecer calor como energia transferida do mais quente para o mais 2.3. Calor; trocas de calor; mudança frio). de fase. * Identificar bons e maus condutores térmicos. * Utilizar as relações Q = m.c.∆T e Q = 6
  • 7. m.L em situações de trocas de calor (por exemplo, encontrar temperatura de equilíbrio entre dois ou mais corpos ou materiais, a temperaturas diferentes, colocados em contato). * Relacionar calor e trabalho. Aplicar a primeira lei da termodinâmica 2.4. Primeira lei da termodinâmica; (∆U = Q – τ) em situações e processos transformações gasosas. físicos (por exemplo, transformações gasosas). * Calcular variações de pressão, volume e temperatura, utilizando a equação geral dos gases ideais 2.5. Teoria cinética dos gases. (aplicação da equação de Clapeyron: p.V = n.R.T). * Explicar o que é uma onda e como se propaga. * Classificar as ondas quanto à sua modalidade e natureza da perturbação (ondas longitudinais, ondas 3. Ondulatória transversais, ondas mecânicas, ondas 3.1. Ondas mecânicas. eletromagnéticas, etc.) * Relacionar, para ondas mecânicas, a velocidade de propagação com o comprimento de onda e a freqüência (aplicação da relação v = λ.f). * Definir som, infra-som e ultra-som. * Classificar sons graves e agudos, associando-os a freqüências altas e baixas do som (altura do som). 3.2. Som. * Diferenciar altura do som de intensidade sonora (normalmente chamada de “volume” do som). * Enunciar as leis da reflexão. 4. Óptica 4.1. Reflexão da luz. * Distinguir espelho plano e esférico. * Construir graficamente a imagem fornecida por espelhos planos e esféricos. 4.2. Espelhos planos e esféricos. * Determinar características da imagem fornecida por um espelho (virtual ou real, direita ou invertida, maior ou menor que o objeto) * Explicar a refração da luz. * Relacionar índices de refração com o ângulo de incidência e de refração (aplicação da Lei de Sneel-Descartes: 4.3. Refração. n1.senθ1 = n2.senθ2). * Explicar os fenômenos da reflexão total, da elevação aparente das estrelas, da miragem e do arco íris. * Explicar o princípio de funcionamento da lupa, microscópio e luneta 4.4. Instrumentos ópticos. astronômica. 7
  • 8. * Identificar os elementos constituintes do olho humano. * Explicar as formas de correção dos 4.5. Óptica da visão. defeitos visuais: miopia, hipermetropia e astigmatismo. * Descrever e distinguir os diferentes 5. Eletricidade e Magnetismo processos de eletrização (eletrização 5.1. Eletrização. por atrito, por contato e por indução). * Calcular a força de interação entre cargas elétricas isoladas em função da 5.2. Lei de Coulomb. distância entre elas (aplicação da Lei de Coulomb: F = ko.Q1.Q2/d2). * Conceituar campo elétrico e potencial elétrico. * Prever o movimento de uma carga elétrica colocada em um campo elétrico 5.3. Campo elétrico e potencial uniforme. elétrico. * Relacionar potencial elétrico, diferença de potencial elétrico e energia potencial elétrica. * Relacionar corrente elétrica com o movimento de elétrons ou íons. * Determinar resistor equivalente em associações em série e paralelo. 5.4. Corrente elétrica e resistores. * Aplicar a lei de Ohm (V = R.i). * Avaliar potência e consumo elétricos em aparelhos domésticos (E = P.∆t). * Saber utilizar medidores de corrente 5.5. Instrumentos de medidas e tensão (utilização de voltímetro, elétricas. amperímetro e ohmímetro). * Calcular tensões, correntes e resistências em circuitos elétricos 5.6. Circuitos simples. (aplicação das leis de Kirchoff: lei das malhas e lei dos nós). * Calcular dissipação térmica em circuitos resistivos (chuveiros, 5.7. Lei de Joule. aquecedores, etc. Aplicação da relação: P = V.i = R.i2). * Reconhecer as propriedades magnéticas dos ímãs. 5.8. Materiais magnéticos; campo * Determinar o sentido das linhas de magnético. força do campo magnético. * Determinar a intensidade de campos magnéticos devidos a correntes elétricas em fios retilíneos (aplicação da Lei de Ampère: B = µo.i/2.π.R) 5.9. Lei de Ampère. * Determinar forças magnéticas em cargas elétricas em movimento (aplicação da relação F = q.v.B.senθ). * Compreender a Lei de Lenz, que determina o sentido da corrente elétrica induzida. 5.10. Indução eletromagnética. * Compreender a Lei de Faraday, que serve para calcular a força eletromotriz 8
  • 9. induzida. SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA • BONJORNO, José Roberto e outros. Física fundamental. Volume único. São Paulo: Editora FTD, 1999. • DOCA, Ricardo Helou, BISCUOLA, Gualter José e VILLAS BOAS, Newton. Tópicos de Física. Volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Editora Saraiva, 1993. • FILHO, Aurélio Gonçalves; TOSCANO, Carlos. Física e realidade. Volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Editora Scipione, 1997. • GASPAR, Alberto. Física. Volume único. São Paulo: Editora Ática, 2003. • LUZ, Antônio Máximo Ribeiro da; ÁLVARES, Beatriz Alvarenga. Física. Volume único. São Paulo: Editora Scipione, 1998. • PARANÁ, Djalma Nunes. Física. Edição compacta série novo ensino médio. Volume único. São Paulo: Editora Ática, 2002. • RAMALHO, Francisco Jr. e outros. Os fundamentos da física. Volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Editora Moderna, 2001. • SAMPAIO, José Luiz, CALÇADA, Caio Sérgio. Universo da física. Volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Editora Atual, 2001. 3 . GEOGRAFIA/ENSINO MÉDIO A Geografia é uma ciência que objetiva compreender a dinâmica social e espacial, que produz, reproduz e transforma o espaço geográfico contemporâneo nas diversas escalas (local, regional, nacional e mundial). No Ensino Médio, ela visa orientar a formação de um cidadão no sentido de aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser, reconhecendo as contradições e os conflitos existentes no mundo contemporâneo. A Geografia, ao contribuir para pensar o espaço enquanto uma totalidade na qual se passam todas as relações cotidianas, auxilia o aluno a se reconhecer como um importante 9
  • 10. ator social, que tem compromissos em construir e solidificar a cidadania em todas as esferas da existência humana. Diante do exposto, tem-se a expectativa de que o candidato demonstre conhecimentos e habilidades que possibilitem analisar o espaço geográfico de maneira crítica. Espera-se, dessa forma, que o candidato consiga localizar, compreender e interpretar o mundo complexo, problematizar a realidade, formular proposições, reconhecer as dinâmicas existentes no espaço geográfico, compreender os fenômenos que se desenvolvem por meio das relações existentes entre a sociedade e a natureza. HABILIDADES CONTEÚDOS * Operar e articular conceitos básicos 1. Formação territorial brasileira da Geografia para análise do espaço 2. Geopolítica e regionalização geográfico. * Analisar o espaço geográfico a partir 3. Políticas e impactos da interação sociedade-natureza. socioambientais * Reconhecer e analisar as dinâmicas 4. Espaços urbanos: apropriação e da natureza e da sociedade. uso, dinâmica e estrutura 5. Espaço agrário: apropriação e uso, modernização da agricultura e movimentos sociais 6. Elementos naturais (relevo, clima, rede de drenagem, solos, vegetação, fauna): conceitos, tipos, componentes, dinâmica e uso * Caracterizar e analisar as dinâmicas 7. Espaço e cultura: identidade, das paisagens. processos e territorialidade * Localizar fenômenos e processos 8. População: aspectos socioambientais no espaço geográfico. quantitativos, estruturais e dinâmicos * Interpretar os diferentes tipos de 9. Linguagem cartográfica: linguagens visuais e/ou cartográficas: coordenadas, projeções, fusos globos, mapas, plantas, gráficos, horários, escalas, etc. quadros e tabelas. SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA 10
  • 11. • MAGNOLI, Demétrio e ARAÚJO, Regina. A Nova Geografia: estudos de Geografia geral. São Paulo: Moderna (edição atualizada). • MAGNOLI, Demétrio e ARAÚJO, Regina. A Nova Geografia: estudos de geografia do Brasil. São Paulo: Moderna (edição atualizada). • VESENTINI, J.W. Sociedade e Espaço: geografia geral e do Brasil. São Paulo: Ática (edição atualizada). • VESENTINI, J.W. Sociedade e Espaço: geografia do Brasil. São Paulo: Ática (edição atualizada). 4. HISTÓRIA/ENSINO MÉDIO A História é a disciplina que estuda as transformações e permanências das sociedades e/ou culturas ao longo do tempo. Interessa ao historiador compreender a experiência dos homens no tempo. O olhar que se dirige ao passado é indissociável das experiências do presente, pois as perguntas que se fazem e o instrumental metodológico que se utiliza não estão no passado, mas sim no presente. Por esse motivo, a relação entre passado e presente é dinâmica, o que faz do tempo uma categoria fundamental para o historiador. Pensar historicamente não é apontar uma data, mas compreender que as experiências carregam a marca do tempo em suas expressões artísticas, culturais, políticas, econômicas e sociais. O tempo histórico contempla as permanências e as rupturas instauradas pela ação das coletividades humanas. Quando escreve sobre um tema, o historiador conta a sua história sobre o tema escolhido, portanto, não há “uma” história, mas “versões históricas”. Nesse sentido, a História busca, por meio da ordenação retrospectiva, vestígios que permitam aos contemporâneos reconhecerem as marcas de sua organização social no tempo para interagirem no mundo em que vivem. Para interpretar o passado e construir uma narrativa sobre ele, os historiadores transformam os vestígios encontrados em fontes históricas. Desse modo, as fontes históricas também são diversas e dependem do tema do historiador. Os avanços nos estudos históricos e o contato com outras disciplinas (tais como a Arqueologia, a Antropologia e a Paleografia, por exemplo) ampliaram a variedade dos documentos históricos. Na lista de documentos históricos, cabem fontes escritas e orais, além de sonoras (as cantigas infantis e/ou folclóricas, a bossa nova, a MPB, entre outras) e visuais (pintura, escultura, arquitetura, 11
  • 12. fotografia, filmes e etc.). Do mesmo modo, há que se considerarem os vestígios da cultura material (mobílias, louças, vestimentas, ferramentas e etc.). A atual educação escolar está preocupada em desenvolver nos alunos competências e habilidades que os auxiliem no seu dia-a-dia, ou seja, qualquer conteúdo a ser aprendido só terá sentido ou valor se puder ser utilizado na vida cotidiana. Há ainda competências específicas de cada disciplina que ajudam a compreender os métodos e os conceitos específicos de cada uma delas. Por isso, selecionamos abaixo algumas habilidades específicas para o estudo da disciplina de História. É comum nos livros didáticos a opção por uma organização cronológica, aquela que estabeleceu a conhecida periodização tradicional da História em cinco blocos: Pré-História, Idade Antiga, Idade Média, Idade Moderna e Idade Contemporânea. Embora consideremos pertinentes as críticas, também comuns e conhecidas, à periodização tradicional, resolvemos adotá-la para a exposição de conteúdos porque, além de didática, ela permite compreender a lógica ainda reinante na produção dos textos para a escola. Feitas essas ressalvas, é importante que o candidato tenha ciência de que: 1) a periodização tradicional privilegia uma visão da História a partir da perspectiva européia; 2) as marcações temporais, mais particularmente as datas associadas às passagens de uma “Idade” a outra (como 1453 – data da invasão à Constantinopla –, ou 1789 – data que marca o “início da Revolução Francesa”), apontam “fatos”, mas não os explicam. É preciso saber que as mudanças não ocorreram de um ano para o outro, abruptamente, nem foram imediatamente decisivas. Pensar assim é admitir que os franceses “dormiram” monarquistas em 1788 e “acordaram” republicanos em 1799. Nessa lógica, evidentemente, o pensamento histórico encontra-se ausente, sendo substituído por um raciocínio simplista e reducionista. Como já chamamos a atenção em parágrafos anteriores, a História lida com as permanências e as rupturas, isso quer dizer que as ações humanas realizam-se num longo processo, que não é apenas evolutivo. O que queremos apontar é que, didaticamente, é interessante conhecer a tradicional linha do tempo, mas a compreensão da experiência das coletividades históricas vincula-se ao entendimento de sua cultura e de sua organização social. Nesse sentido, se memorizei uma data, mas não sei mais nada que me permita compreender o coletivo de outros tempos, não alcancei o conhecimento histórico. Muito produtivo seria conseguir encontrar um meio de associar à visão cronológica tradicional as 12
  • 13. leituras sobre a história temática. Por exemplo: é possível estudar “identidades” (que é um tema) tanto quando trabalho com o conteúdo de “História Antiga” como quando trabalho com o conteúdo de “História Contemporânea”. Ao fazer isso, o estudo consegue produzir a articulação entre um “eixo temático” e a “periodização tradicional”. O importante a reter dessa associação é a reflexão sobre as particularidades presentes em cada um desses tempos históricos. As particularidades – que tornam o “tempo histórico singular” – expressam-se na literatura, na produção jornalística, artística, científica, entre outras. Todo o vestígio que remete à ação humana guarda a expressão de sua temporalidade. Como subsídio ao estudo, indica-se uma bibliografia que poderá ser complementada ou substituída por várias outras coleções disponíveis no mercado. É importante considerar as sugestões bibliográficas como um apoio. Como consta nas habilidades, a interpretação de diversos gêneros de texto exige que o candidato amplie suas leituras. Os temas que tratam do mundo contemporâneo, por exemplo, são debatidos, com constância, na imprensa. Reforçamos, enfim, que, embora essa seleção de conteúdos apresente-se de forma resumida, como uma divisão baseada principalmente em conceitos, fatos ou marcos políticos, o candidato deverá estudar também os aspectos econômicos, sociais e culturais de cada sociedade. HABILIDADES CONTEÚDOS * Localizar no espaço e no tempo as 1. História: fontes e procedimentos sociedades e os períodos históricos. metodológicos * Compreender as formações sociais em 2. CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE diferentes períodos da história, inter- relacionando aspectos sociais, 2.1. Oriente: Egito, Mesopotâmia. econômicos, políticos e culturais. 2.2. Ocidente: Grécia e Roma. * Identificar os sujeitos históricos e caracterizar as condições de vida, os 3. CIVILIZAÇÕES DA IDADE MÉDIA interesses, as aspirações e os projetos políticos dos diferentes grupos sociais 3.1. A Europa Feudal. ao longo da história. 3.2. O Império Bizantino. * Interpretar processos históricos, 3.3 Império Islâmico. estabelecendo relações entre diferentes conjunturas e fatos sociais. 4. IDADE MODERNA: A EUROPA * Estabelecer relações entre fatos e 4.1. Os Estados Modernos Absolutistas. processos históricos do Brasil, da Europa, da África e da América. 4.2. O Humanismo e o Renascimento. * Reconhecer a diversidade 4.3 A Reforma Protestante e a Contra- 13
  • 14. sociocultural em diferentes sociedades e Reforma períodos históricos. 4.4. A Expansão Marítima e o * Valorizar a participação social, Mercantilismo identificando os grupos sociais, as alianças e os conflitos estabelecidos em 5. IDADE MODERNA: A AMÉRICA determinados eventos e processos históricos. 5.1. O encontro entre europeus e povos nativos: os conflitos, resistência, * Compreender os fundamentos dominação e a aculturação. históricos da cidadania e da democracia. 5.2. O Sistema Colonial Espanhol. * Comparar sociedades que coexistem 5.3 As Treze Colônias Inglesas da no tempo em regiões geográficas América do Norte. diferentes, identificando semelhanças e diferenças entre os modos de vida. 6. O SISTEMA COLONIAL PORTUGUÊS NO BRASIL * Comparar momentos históricos distintos de uma mesma sociedade, 6.1. A Sociedade Açucareira. identificando mudanças e permanências 6.2. A Expansão Territorial Portuguesa. ao longo do tempo. 6.3. As Sociedades Mineradoras. * Relacionar elementos do passado e do presente, reconhecendo suas diferenças 6.4. Os Movimentos Nativistas. no tempo. 6.5. A Vida Cotidiana no Brasil Colonial. * Interpretar e analisar fontes históricas textuais e visuais, identificando os 6.6. A Arte Colonial. autores e caracterizando os contextos históricos em que foram produzidos. 7. PASSAGEM DA IDADE MODERNA PARA A IDADE CONTEMPORÂNEA * Reconhecer a diversidade de interpretações históricas, contrapondo 7.1. A Revolução Industrial. versões divergentes dos eventos e processos históricos. 7.2. A Independência dos Estados Unidos. * Interpretar diferentes gêneros de textos (literários, artigos de jornal, 7.3. A Revolução Francesa. charges, publicitários, entre outros), relacionando-os com o contexto 7.4. A Era Napoleônica. histórico em que foram produzidos. 7.5. A Independência da América * Interpretar mapas, gráficos e tabelas, Espanhola. relacionando-os com a reflexão sobre os processos históricos. 7.6. O Século XIX. 7.7 Liberalismo, Anarquismo e Socialismo. 7.8. A Unificação da Itália e da Alemanha. 7.9. Imperialismo na Ásia, África e Oceania. 14
  • 15. 7.10. Os EUA e América Latina. 7.11. O Desenvolvimento Artístico e Científico. 7.12. A Vida Cotidiana na Europa e nos EUA. 8. A SOCIEDADE BRASILEIRA NO SÉCULO XIX 8.1. O Processo de Independência Brasileira. 8.2. O Império Brasileiro. 8.3. Goiás: a sociedade agropastoril. 8.4. A Arte e a Ciência no Brasil. 8.5. A Vida Cotidiana no Brasil. 9. O MUNDO DO SÉCULO XX AO XXI 9.1. A Primeira Guerra Mundial. 9.2. A Revolução Russa. 9.3. A Ascensão do Fascismo e do Nazismo. 9.4. A Segunda Guerra Mundial. 9.5. A Guerra Fria. 9.6. A Descolonização da África e da Ásia. 9.7. O Fim da URSS e a Crise dos Estados Socialistas 9.8. A Globalização e o Neoliberalismo. 9.9. A Vida Cotidiana no Século XX. 9.10. Atualidade. 10. O BRASIL DO SÉCULO XX AO XXI 10.1. A República Velha. 10.2. A Revolução de 1930. 10.3. A Era Vargas. 10.4. Goiás no contexto da Marcha para o Oeste. 15
  • 16. 10.5. O Populismo. 10.6. A Ditadura Militar. 10.7.A Nova República 10.8. Vida Cotidiana 10.9. Arte, Cultura Popular e Cultura de Massa. SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA • ARRUDA, José Jobson de A. & PILETTI, Nelson. Toda a História: História Geral e História do Brasil. 4ª edição. São Paulo: Ed. Ática, 1995. • MORAES, José Geraldo Vinci de. Caminhos das Civilizações: História Integrada Geral e Brasil. São Paulo: Ed. Atual, 1998. • PALACIN, Luis & MORAES, Maria Augusta Santana de. História de Goiás. Goiânia: Ed. UFG, 1982. • PALACIN, Luis e outros. História de Goiás em Documentos: I. Colônia. Goiânia: Ed. UFG, 1995. 5. LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA – INGLÊS/ENSINO MÉDIO Considerando o importante papel que a língua estrangeira, especialmente o inglês, desempenha na formação cultural e profissional do indivíduo, a prova dos Exames Supletivos - Ensino Médio terá como objetivo principal avaliar a capacidade do candidato de compreender textos em língua inglesa. Com isso, espera-se que o candidato possa apreender a estrutura global do texto, a sua organização e o uso contextualizado dos recursos da língua. Além disso, o candidato deve ser capaz de identificar os vários tipos de textos: narrativo, descritivo, informativo, apelativo, inferir informações e significados, estabelecer referências textuais e relacionar frases com o texto e o contexto. Para a produção da prova, serão utilizados textos científicos, informativos, literários, didáticos, jornalísticos, publicitários, charges, cartoons, dentre outros. HABILIDADES CONTEÚDOS * Ler e compreender textos em língua 1. Vocabulário básico da língua inglesa. inglesa. * Estabelecer relações entre 2. Estratégias de leitura. 16
  • 17. informações verbais e visuais. 3. Gramática. * Inferir significados com base no contexto. * Reconhecer os usos das estruturas da língua inglesa. * Identificar diferentes tipos de textos. * Estabelecer relações, analogias e comparações, entre outras estratégias, em textos de língua inglesa. SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA • FERRARI, M.; RUBIN, S. G. Inglês para o Ensino Médio. Vol. Único. São Paulo: Scipione, 2002. • MARQUES, A. Password. Vol. 1, 2, 3. São Paulo: Editora Ática, 1996. • SANTOS, M. Super Goal. Student book 2. Singapore: McGraw-Hill Companies, 2001. • DICIONÁRIO Mini Collins – Português – Inglês, Inglês – Português. São Paulo: Editora Siciliano, 1994. 6. LÍNGUA PORTUGUESA/ENSINO MÉDIO Este programa tem por objetivo explicar a você, candidato, o que é essencial para que você tenha um bom desempenho na prova de Língua Portuguesa. A Superintendência de Educação a Distância e Continuada (SUED) busca, ao aprovar seus candidatos, indivíduos que sejam capazes de utilizar a linguagem com competência nas mais variadas situações de uso. Por isso, este programa abrange o conteúdo básico do Ensino Médio, adequando-o às necessidades particulares da Educação de Jovens e Adultos (EJA), conforme as novas diretrizes curriculares para o Ensino Médio. Para compreendermos melhor o enfoque deste programa, é necessário entender que a linguagem está presente nas atividades humanas e seus diferentes usos e funções são construídos na relação entre os falantes de uma língua. A língua, portanto, é um rico instrumento que nos possibilita a comunicação em diversas situações de nossa vida e de diferentes formas, pois é uma atividade social que nos permite interagir com outras pessoas. Tanto na vida 17
  • 18. familiar, na vida escolar, quanto no trabalho, o uso da língua se manifesta sob a forma de textos que, dependendo da situação comunicativa, caracterizam o nível de linguagem a ser utilizado. A esse conjunto variado de textos chamamos gêneros textuais. Eles são formas textuais que circulam em nossa sociedade e são caracterizados conforme a sua função, o tipo de falantes envolvidos e o tipo de assunto abordado. Vejamos: são gêneros textuais os bilhetes, cartas, notícias de jornal, editorial, artigos de opinião, charges, contos, crônicas, poemas, letras de musicas etc. Como você pode ver, há uma infinidade de gêneros textuais com os quais temos contato quase que diário. Então, como falantes, sempre temos contato com o discurso que circula sob a forma desses gêneros. A prova de Língua Portuguesa que você fará, será construída a partir dessa proposta de gêneros textuais, e sua competência lingüística será avaliada com base nos conhecimentos que você tem da Língua Portuguesa em situações reais de uso. Assim, habilidades como leitura, compreensão e escrita são essenciais para que você demonstre conhecer os recursos gramaticais que permitem a um falante entender o uso da ironia numa tira de jornal, por exemplo, ou compreender que um autor expõe suas idéias com o objetivo de convencer seu leitor. Nesse sentido, o que esperamos de você é sua capacidade de ler e escrever, observando sempre que a língua é o meio pelo qual construímos sentidos. Outro ponto importante que deve ser lembrado é que a língua está sujeita à situação comunicativa, ou seja, dependendo de quem fala, com quem se fala, ou sobre o que se fala, o locutor/falante pode empregar a língua sob condições mais formais ou mais informais, empregando modos característicos da região de onde é oriundo etc. A isso chamamos variação lingüística e significa que você, como falante, deve saber qual a situação mais adequada para usar uma ou outra variante lingüística. Considerando o exposto acima, o programa de Língua Portuguesa se apóia em três eixos básicos, a partir dos quais serão avaliadas suas habilidades em relação aos conteúdos propostos para o Ensino Médio. São eles: a) leitura de textos; b) produção de textos; c) análise lingüística. Esses três eixos expressam a natureza da prova que você fará. Assim, esperamos que você compreenda que as habilidades de leitura de textos, análise lingüística e produção de textos são habilidades que se complementam, pois a estrutura gramatical de uma língua depende e define a forma do texto que será construído pelo falante, assim como o sentido é gerado a partir da escolha que esse falante faz das palavras, do gênero textual e das estratégias que são estabelecidas para 18
  • 19. que a comunicação seja clara, eficiente. E são essas competências que esperamos de você nesta prova! O quadro de habilidades e conteúdos abaixo esboça as competências que todo indivíduo que finaliza o Ensino Médio deve apresentar em relação ao exercício da Língua Portuguesa: HABILIDADES CONTEÚDOS * Compreender e interpretar textos que - Linguagens verbal e não-verbal. utilizem as linguagens verbal e não-verbal. - Gêneros discursivos: textos literários * Compreender a estruturação dos gêneros (poesia e prosa), letras de músicas, discursivos: textos literários, jornalísticos, anúncios publicitários, textos científicos e científicos e didáticos, observando sua didáticos, textos jornalísticos (editorial, organização textual e suas funções. notícia, artigo de opinião, carta de leitor, * Perceber os recursos de linguagem quadrinhos, charges). utilizados no texto: denotação, conotação; - Aspectos denotativos e conotativos da pressupostos, implícitos, subentendidos, linguagem; pressupostos — implícitos, ambigüidades. subentendidos, ambigüidades. * Identificar o tema do texto e associá-lo às - Elementos estruturais do texto narrativo idéias e aos acontecimentos da vida (narrador, conflito, personagens, tempo, cotidiana que o sustentam, posicionando-se espaço). diante da visão apresentada pelo autor. - Elementos estruturais do texto * Identificar a idéia central de cada argumentativo (tema, objetivos do autor, parágrafo, bem como as idéias secundárias argumentos, contra-argumentos, do texto, observando os recursos da língua conclusão). para a construção do texto. - Coesão e coerência textuais: elementos * Perceber as propriedades do texto que articulam as idéias no texto: sinais de narrativo (narrador, conflito, personagem, pontuação; usos de preposições, tempo, espaço). conjunções e pronomes; concordância * Perceber as propriedades do texto verbal e nominal; regência verbal e nominal, argumentativo (tema, objetivos, usos dos tempos verbais. argumentos, contra-argumentos, hierarquia - Estrutura, a formação e a classificação de de idéias, conclusão). palavras. * Elaborar textos dos gêneros narrativo - Processos de coordenação e (crônica e conto) e argumentativo (artigo de subordinação. opinião e carta), empregando os elementos - Estratégias de construção textual que os estruturam, obedecendo à (paralelismo, enumeração, inversão, organização lógica das idéias e às interlocução etc). convenções da língua escrita na - Tipos de discurso: direto, indireto, indireto modalidade padrão. livre. * Observar a estrutura, a formação e a - Variação lingüística: língua falada e língua classificação de palavras. escrita; linguagem formal e informal. * Perceber as relações internas do texto: coesão e coerência (pontuação, regência nominal e verbal, acentuação, concordância verbal e nominal etc). * Identificar no texto elementos responsáveis por estabelecer as relações de causa, conseqüência, finalidade, os marcadores de tempo, espaço, modo, observando a estruturação dos elementos lingüísticos na frase e sua relação com as estratégias de construção do texto 19
  • 20. (paralelismo, enumeração, inversão, interlocução etc). * Perceber a organização das idéias nos textos: processos de coordenação e subordinação. * Reconhecer e utilizar os tipos de discurso: direto, indireto, indireto livre. * Perceber as variações da Língua Portuguesa. SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA • LOPES, H. V. et alii. Língua Portuguesa. São Paulo: Editora do Brasil, 2004. • CUNHA, C. Minigramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996. • TERRA, E. & NICOLA, J. Práticas de linguagem: leitura e produção de textos. São Paulo: Scipione, 2001. • Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Língua Portuguesa/ Ministério da Educação – Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica. MEC, 1999. • PLATÃO F. & FIORIN, J. L. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1996. 7. MATEMÁTICA/ENSINO MÉDIO O ser humano faz parte de uma sociedade globalizada, com acesso a todo tipo de informação e, por isso, novos desafios são impostos à vida cotidiana. Faz- se necessário desenvolver capacidades que possibilitem a qualquer indivíduo a busca de soluções criativas e inteligentes para os seus problemas. Apropriar-se dos conceitos e procedimentos matemáticos básicos contribui para a formação do cidadão, inserindo-o no mercado de trabalho, nas relações sociais, culturais e políticas. Nesse contexto, a matemática é uma das mais importantes ferramentas da sociedade moderna. No exercício da cidadania, é preciso saber contar, comparar, medir, calcular, resolver problemas, comprovar e justificar resultados, argumentar logicamente e conhecer formas geométricas. Essas habilidades possibilitam analisar e interpretar criticamente as informações, conhecer formas diferenciadas de abordar problemas e de aprender a aprender. 20
  • 21. O programa é apresentado por meio de um conjunto de habilidades e conteúdos, levando-se em consideração conhecimentos adquiridos no ensino fundamental. A elaboração da prova terá como prioridade situações-problema. HABILIDADES CONTEÚDOS * Reconhecer e classificar os conjuntos 1. Conjuntos Numéricos: numéricos. Números naturais, inteiros, * Efetuar operações fundamentais com números racionais e reais. naturais, inteiros, racionais, irracionais e reais. * Construir e aplicar conceitos de números naturais, inteiros, racionais e reais para explicar fenômeno de qualquer natureza. * Identificar e definir funções de primeiro e segundo graus, função exponencial e logarítmica. * Ler, analisar, construir e interpretar os gráficos 2. Funções: dessas funções. Primeiro Grau. * Analisar e determinar o domínio, o Segundo Grau. contradomínio e a imagem dessas funções. Exponencial. * Resolver problemas envolvendo equações e Logarítmica. inequações de primeiro e segundo graus e exponencial. * Identificar e conceituar progressões aritméticas e geométricas. * Expressar e calcular o termo geral e 3. Progressão Aritmética e determinar a soma dos termos de uma PA e de Progressão Geométrica uma PG. * Resolver problemas do cotidiano que envolvam PA e PG. * Representar e interpretar uma tabela de números como uma matriz, identificando seus elementos. * Identificar e definir os tipos de matrizes. 4. Matrizes e Determinantes * Realizar operações de adição, subtração e multiplicação envolvendo matrizes. * Calcular o determinante de uma matriz de ordem 2 e de ordem 3. * Resolver sistemas de equações lineares de ordem 2 e de ordem 3. * Classificar sistemas lineares quanto ao número de soluções. 5. Sistemas de Equações * Resolver situações-problema através de Lineares sistemas de equações lineares. * Identificar, definir e classificar polígonos. * Calcular área e perímetro de polígonos. 6. Geometria Plana: * Definir círculo e circunferência. Polígonos. * Utilizar semelhança de triângulos para Semelhança de triângulos. resolução de problemas do cotidiano. Círculo. * Determinar a área do círculo e o comprimento Circunferência. da circunferência. 21
  • 22. * Resolver problemas envolvendo polígonos, círculo e circunferência. * Identificar e definir poliedros e corpos redondos. * Calcular área e volume de prismas, pirâmides, 7. Geometria Espacial: cilindro, cone e esfera. Sólidos Geométricos. * Resolver problemas envolvendo prismas, pirâmides, cilindro, cone e esfera. * Utilizar as relações trigonométricas na resolução de problemas. * Expressar a medida de um ângulo em graus e radianos. 8. Trigonometria: * Converter de grau para radiano e de radiano Relações Trigonométricas no para grau a medida de um ângulo. Triângulo Retângulo. * Conceituar ciclo trigonométrico, seno, cosseno Ciclo Trigonométrico. e tangente de um arco. Teorema de Pitágoras. * Resolver problemas do cotidiano utilizando teorema de Pitágoras. * Resolver problemas que envolvam 9. Matemática Financeira: porcentagem, juros simples e compostos, lucro Porcentagem. e prejuízo. Juros Simples. Juros Compostos. * Identificar, conceituar, interpretar e aplicar os conceitos do princípio fundamental da 10. Análise Combinatória: contagem, das permutações, dos arranjos e das Princípio Fundamental da combinações na resolução de situações- Contagem. problema. Permutações. Arranjos. Combinações. * Organizar, analisar e interpretar informações estatísticas apresentadas em jornais e revistas. * Ler, analisar e interpretar dados a partir de representações gráficas e tabelas. Estatística e Probabilidade. * Interpretar e calcular média aritmética e média ponderada. * Calcular a probabilidade de ocorrência de um ou mais eventos. SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA • Jornais e revistas – leitura e interpretação de informações. • DANTE, Luiz Roberto, Matemática - Contextos e Aplicações. São Paulo, Ática, 2003. • GIOVANNI, José Ruy e outros. Matemática Fundamental - Uma nova abordagem. São Paulo. FTD, 2000. 22
  • 23. • Matemática e suas tecnologias: livro do estudante: ensino médio. Coordenação: Zuleika de Felice Murrie. – 2.ed. – Brasília : MEC: INEP, 2002. 8. QUÍMICA/ENSINO MÉDIO O presente programa visa informar ao candidato aos Exames Supletivos/2007 os conteúdos e as habilidades específicas que serão avaliados na prova de Química. A Química é a ciência que estuda as substâncias e suas transformações, podendo-se constatar sua importância para a sociedade como um todo — no desenvolvimento de novos materiais, nos processos produtivos de medicamentos, alimentos, cosméticos, vestuários, combustíveis e, também, na necessária compreensão dos seus pressupostos para que possamos formar um cidadão ciente de seus deveres e perfeitamente capaz de atuar nessa sociedade com os conhecimentos científicos adquiridos. O candidato ao Ensino Médio deverá dominar conteúdos básicos, desenvolver habilidades específicas e compreender a inter-relação da Química e outras ciências. O domínio desses conhecimentos poderá proporcionar ao candidato uma visão crítica e responsável em relação ao meio ambiente e à sociedade, para que ele possa exercer melhor sua cidadania. Vale ressaltar que, para melhor se orientar na preparação para essa prova e evitar a simples memorização dos conteúdos, o candidato deverá desenvolver habilidades específicas relativas a cada assunto, conforme registradas neste programa. HABILIDADES CONTEÚDOS * Conceituar, diferenciar substâncias 1. Substâncias e misturas e misturas e seus respectivos processos de obtenção e purificação. * Identificar os estados físicos da 2. Propriedades da Matéria matéria. 2.1. Estados físicos da matéria: * Interpretar gráficos e tabelas gases, líquidos e sólidos. relativas às propriedades físicas da 2.2. Propriedades físicas: densidade, matéria. ponto de fusão, ponto de ebulição e * Identificar os processos de solubilidade. separação de substâncias baseando- se nas propriedades físicas da matéria. * Compreender os modelos de Dalton, 3. Estrutura da Matéria Thomson, Rutherford e Rutherford- 3.1. Modelos atômicos. 23
  • 24. Bohr estabelecendo relações entre eles, inclusive em termos de momentos históricos e contextos em foram propostos. * Identificar as partículas 4. Partículas Fundamentais do átomo: fundamentais do átomo. prótons, elétrons e nêutrons * Calcular: a) número de prótons, elétrons e nêutrons; b) número atômico e massa atômica. * Compreender e aplicar o conceito de isótopos. * Conceituar elemento químico e 5. Nomenclatura e representação dos representar segundo a IUPAC cada elementos químicos átomo e seu respectivo número atômico e massa atômica. * Classificar os elementos químicos 6. Classificação periódica dos em grupos e períodos com base na elementos químicos e as distribuição dos elétrons. propriedades periódicas * Reconhecer que os elementos químicos estão agrupados, de modo que se possa prever a variação de suas propriedades nos grupos e períodos (raio atômico, potencial de ionização, eletronegatividade). * Reconhecer que as ligações 7. Ligações Químicas químicas se estabelecem pela 7.1. Tipos de Ligação: iônica, interação dos átomos por meio dos covalente e ligação metálica. elétrons da camada de valência e 7.2. Propriedades dos compostos representá-las através dos modelos iônicos e moleculares. de Lewis, fórmula estrutural e 7.3. Geometria molecular. molecular. 7.4. Polaridade das ligações. * Prever o tipo de ligação formada a 7.5. Interações intermoleculares. partir da distribuição eletrônica dos 7.6. Número de oxidação. átomos ligantes e de suas posições na tabela. * Compreender a condutibilidade elétrica e térmica dos metais, mediante o modelo da ligação metálica. * Associar as interações de hidrogênio (pontes de hidrogênio), a interação dipolo-dipolo e as forças de Van der Waals aos estados físicos e propriedades das substâncias. * Compreender a solubilidade por meio dos conceitos de polaridade das ligações e das moléculas. * Diferenciar fenômenos físicos e 8. Reações Químicas químicos. 8.1. Transformações químicas e * Reconhecer que toda reação físicas. química ocorre com a conservação de 8.2. Leis ponderais (Lavoisier e massa, obedecendo a uma proporção Proust). definida entre as quantidades de 8.3. Representação de reações reagentes e/ou produtos. químicas e balanceamento de * Representar reações químicas por equações químicas. 24
  • 25. meio de equações químicas. 8.4. Cálculos estequiométricos. * Balancear equações químicas. * Estabelecer relações quantitativas entre as grandezas massa e mol. * Nomear e escrever as fórmulas 9. Funções inorgânicas químicas dos principais ácidos, bases, 9.1. Ácidos Bases, Sais e Óxidos: sais e óxidos. definição segundo Arrhenius, * Representar por meio de equações nomenclatura, formulação e químicas as reações de neutralização classificação. de ácidos e bases. 9.2. Reações de ácidos e bases. * Identificar e relacionar o estudo das funções inorgânicas em alguns processos ambientais e biológicos (chuva ácida, respiração, digestão, etc). * Identificar soluto e solvente. 10. Soluções e unidades de * Conceituar solução, concentração e concentração unidades de concentração. * Efetuar cálculos sobre unidades de concentração de: a) soluções; b) diluição de soluções; c) mistura de soluções; em gramas por litro, mol por litro, título em massa, título em volume. * Classificar os processos físicos e 11. Termoquímica químicos quanto à energia absorvida ou liberada. * Calcular a variação de entalpia de uma reação, a partir das entalpias padrão de formação, energias de ligação e lei de Hess. * Identificar uma célula eletroquímica 12. Eletroquímica e seus componentes. * Diferenciar pilha e eletrólise. * Identificar e aplicar os potenciais de oxidação e redução para determinar a variação de potencial de uma pilha e de um processo eletrolítico. * Conceituar velocidade de reação 13. Cinética química. * Identificar os fatores que influenciam a velocidade de reação. * Conceituar energia de ativação e sua relação com a velocidade de reação química. * Interpretar processos cinéticos a partir de dados experimentais apresentados na forma de gráficos e tabelas. * Identificar as condições de equilíbrio 14. Equilíbrio químico de uma reação química e determinar 14.1. Sistema em equilíbrio - a constante de equilíbrio. constante de equilíbrio. * Aplicar o Princípio de Le Chatelier 14.2. Fatores que influenciam o para prever o sentido do deslocamento de equilíbrios químicos. deslocamento do equilíbrio químico. 14.3. Solubilidade, pH e pOH. 25
  • 26. * Calcular a constante de equilíbrio em: a) sistemas homogêneos (equilíbrio ácido-base); b) sistemas heterogêneos (produto de solubilidade). * Calcular o pH e o pOH, a partir das concentrações de íons H+ e/ou OH-. * Classificar soluções como ácidas, básicas e neutras, a partir dos valores de pH e pOH. * Identificar os tipos de radiação (alfa, 15. Radioatividade beta e gama). * Reconhecer e aplicar as leis da radioatividade. * Conceitos de Fissão, fusão e irradiação. *Compreender os diversos tipos de aplicações da energia nuclear; * Compreender o processo hibridação 16. Propriedades do Átomo de e os tipos de ligação do carbono. Carbono * Classificar as cadeias carbônicas e 17. Funções Orgânicas os átomos de carbono em primário, 17.1. Hidrocarboneto. secundário, terciário e quaternário. 17.2. Haletos. * Reconhecer as funções orgânicas. 17.3. Álcool. * Nomear as substâncias orgânicas 17.4. Éter. de acordo com a IUPAC. 17.5. Fenol. * Identificar e compreender os tipos 17.6. Aldeído. de reações orgânicas. 17.7. Cetona. * Relacionar as funções orgânicas e 17.8. Ácido Carboxílico. suas reações correlatas com aspectos 17.9. Aminas e Amidas. biológicos, ambientais e sociais. * Conceituar isomeria 18. Isomeria – Plana, geométrica e * Identificar as características dos óptica isômeros: a) planos; b) geométricos; c) ópticos. * Compreender o processo de 19. Petróleo formação do petróleo. * Identificar os componentes do petróleo pelo processo de separação de suas frações (destilação fracionada). * Reconhecer e indicar a importância do craqueamento do petróleo. SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA • Química e Sociedade. Volume único. Wildson L. P. Santos (coord.), Gerson S. Mól (coord.), Roseli T. Matsunaga, Siland M. F. Dib, Eliane N. Castro Gentil S. Silva, Sandra M. O. Santos e Salvia B. Farias.1ª Edição – 2005, Editora Nova Geração. • Química. Volume único. Eduardo Fleury Mortimer e Andréa Horta Machado. 26
  • 27. 1ª edição – 2005, Editora Scipione. • Química. Volume único. Olímpio S. Nóbrega, Eduardo R. Silva e Ruth H. Silva. 1ª Edição – 2005, Editora Ática. • Universo da Química. Volume Único. José Carlos de Azambuja Bianchi, Carlos Henrique Abrecht e Daltamir Justino Maia.1ª Edição – 2005, Editora FTD S/A. • Química na abordagem do cotidiano. Volumes 1, 2 e 3. Eduardo L. Canto e Francisco M. Peruzzo. 3ª Edição – 2005; Editora Moderna. • Química. Volumes 1, 2 e 3. Ricardo Feltre. 6ª Edição – 2005; Editora Moderna. 27

×