Apostila de assistente de administração2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Apostila de assistente de administração2012

on

  • 1,958 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,958
Views on SlideShare
1,956
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
117
Comments
0

2 Embeds 2

http://professorclaytonsouza.blogspot.com 1
http://professorclaytonsouza.blogspot.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Apostila de assistente de administração2012 Apostila de assistente de administração2012 Document Transcript

  • CÁRITAS SÃO PEDRO APÓSTOLOApostila de Assistente Administrativo Telefone: (11) 4137-0069 / 4139-9335 E-mail: projetos@caritassaopedroapostolo.com www.caritassaopedroapostolo.com.br Local: Rua Maria Concessa de Medeiros, 280 Parque Pinheiros Taboão da Serra-SP
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Prezados Alunos,Sejam Todos Bem Vindos!A Cáritas São Pedro Apóstolo acolhe a todos com alegria esatisfação para o Curso de Assistente Administrativo. Este cursofoi planejado com a intenção de prepara-los para o mercado detrabalho e por isso, nada melhor do que se preparar comqualificação profissional. Desta forma apresentamos nestaapostila um conteúdo atual e dinâmico para apoio nos exercícios eatividades práticas que serão aplicadas pelo docente em sala deaula. Além disso, para que o curso obtenha sucesso é necessária àparceria dos alunos, docente e direção.Desejamos a todos que tenham um bom curso e sucessoprofissional!Atenciosamente,A Direção. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 2
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO ÍndiceAdministração ........................................................................04Função do Assistente Administrativo ....................................05Diferenças entre bom Profissional e Excelente Profissional.06Tipos de Empresas .................................................................08Ata ..........................................................................................12Como Abrir uma Empresa .....................................................13Gestão Contábil......................................................................17Gestão Financeira...................................................................40Matemática Financeira ...........................................................50Gestão de Materiais................................................................54Gestão de Marketing ..............................................................60Gestão de Pessoas ..................................................................63Bibliografia.............................................................................71 Cáritas São Pedro Apóstolo Página 3
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO ADMINISTRAÇÃOA administração é o conjunto de atividades voltadas a direção de uma organização utilizando-sede técnicas para que alcance seus objetivos de forma eficiente, eficaz e com responsabilidadesocial e ambiental.Administrar é o processo de tomar decisões e realizar ações que compreende quatroprocessos: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO, DIREÇÃO E CONTROLE.Em cada organização, o administrador soluciona problemas, dimensionar recursos, planeja suaaplicação, desenvolve estratégias, efetua diagnósticos de situações. Exclusivo daquelaorganização.Há pelo menos três tipos de habilidades necessárias para que o administrador possa executareficazmente o processo administrativo.HABILIDADE TECNICA: Utilizar conhecimentos, métodos, técnicas e equipamentosnecessários para realização de suas tarefas especificas, através de sua instrução, experiência eeducação.HABILIDADE HUMANA: Capacidade e discernimento para trabalhar com pessoas,compreender suas atitudes e motivações e aplicar uma liderança eficaz.HABILIDADE CONCEITUAL: Habilidade para compreender as complexidades daorganização global e o ajustamento do comportamento da pessoa dentro da organização. Estahabilidade permite que pessoa se comporte de acordo com os objetivos da organização total enão apenas de acordo com os objetivos e as necessidades de seu grupo imediato.Antecedentes históricos: FILOSOFOS IGREJA CATÓLICA CONFUCIO: Administração Publica (Republica) SOCRATES: Dividir Administração da MILITAR Habilidade Técnica PLATÃO: Administração Pública ARISTOTELES: Administração Cientifica REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E EMPREENDEDORES. DESCARTE: Método Cartesiano Cáritas São Pedro Apóstolo Página 4
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOConfúcio: “Confúcio traçou as linhas-mestras de uma república ideal. A república por eleimaginada nasce de um mundo em que os homens viveriam como membros de única família.Tal conceito era utópico, pois pedir aos chineses que tratassem todos os homens como seusirmãos era exigir demais.”.Platão: “O administrador deve trabalhar para garantir a felicidade dos cidadãos”.Aristóteles: “Administração tudo deve ser baseado na realidade”.Descarte: Método Cartesiano: Dividir em quatro pontos; • Dúvida; • Decomposição; • Composição; • Analise.COMPETENCIAS DO ADMINISTRADOR: • CONHECIMENTO • HABILIDADE • ATITUDE • JULGAMENTO FUNÇÕES DO ASSISTENTE ADMINISTRATIVOA profissão de assistente administrativo é focada em realizar atividades fundamentaisem empresas públicas e privadas.Suas principais funções estão relacionadas com o trabalho de escritório, sendo estas: • Tramitar entrada e saída de correspondência. • Recepção de documentos. • Atender chamadas telefônicas. • Atender ao público. • Arquivar documentos. • Manter atualizada a agenda, tanto telefônica como de pendências. • Ter conhecimento de uso de máquinas de escritório, de calculadoras a fotocopiadoras, computadores e os programas usados.Um assistente administrativo pode trabalhar em qualquer lugar que necessite de umapessoa que tenha a capacidade suficiente, podendo ser uma empresa privada, umaadministração pública ou qualquer outro lugar que precise de alguém para fazer asfunções descritas. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 5
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOAuxiliar Administrativo:Objetivo da Função:Executar tarefas específicas e rotinas administrativas, financeiras e logísticas da Unidade eassessorar o Coordenador de Projeto no desempenho das mesmas.Descrição da Função:- Realizar as tarefas e rotinas administrativas da Unidade (recepção dos usuários, preenchimentode fichas e prontuários, organização do atendimento e distribuição de números; organização emanutenção do arquivo e armário de materiais, organização do espaço de atendimento eescritório; atendimento e contatos telefônicos; agendamento das atividades internas e externasdo projeto; digitação de relatórios, formulários e demais documentos, controle de livro de ponto,etc.).- Auxiliar no controle e gestão dos recursos financeiros e logísticos da Unidade (rotinas deestoque e controle de caixa, entrega de contracheques da equipe, recolhimento de recibos ecópias, controle dos vales transporte, recepção, controle e estoque de material e medicamentos,etc.)- Zelo e conservação do material da organização;- Participação nos seminários propostos de formação e atualização;- Participação das reuniões de Equipe sempre que solicitadoQualificações:- 2º grau completo- Conhecimento de Informática (Word, Excel) e serviços de escritório- Noções de inglês - vantagemExperiência Profissional:- Experiência em função semelhante ou compatível (mínimo um ano) - essencial;- Experiência de trabalho em Unidades de Saúde – desejável- Experiência de trabalho em comunidades carentes ou com pessoas/locais em situação de riscosocial e pessoal – essencialCaracterísticas pessoais:- Cortesia e capacidade de lidar com o público - essencial- Discrição e sigilo profissional - essencial- Capacidade de comunicação e trabalho em área de risco social e violência urbana- Interesse por questões sociais – desejável- Iniciativa, dinamismo, e capacidade de trabalho em equipe- Organização pessoal, bom gerenciamento de tempo e flexibilidade para auxiliar em outrasnecessidades da equipe;- Capacidade de lidar com situações de frustração e stress. DIFERENÇAS ENTRE BONS PROFISSIONAIS E EXCELENTES PROFISSIONAIS:Seja qual for a área de atuação profissional, os princípios comentados abaixo podem seraplicados em diversas áreas de nossa vida e por isso é importante saber a diferenças entre bonsprofissionais e excelentes profissionais, já que o objetivo deste curso é a qualificaçãoprofissional, segue algumas dicas: Cáritas São Pedro Apóstolo Página 6
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOUm excelente profissional não é líder, mas um líder que aprendeu; não é um gestor pronto, masgestor construído. O excelente profissional é esculpido no terreno da educação, elaborado nossolos dos conflitos, forjado no calor dos desafios, esculpido no terreno das fragilidades.No passado, ser bom profissional, não importa qual fosse a profissão, era suficiente para tersegurança, obter regalias, atingir metas. Hoje, as sociedades capitalistas passam portransformações tão rápidas e agressivas, que não basta ser bom, é necessário atingir aexcelência, inclusive para ter saúde psíquica.Um excelente profissional decifra os códigos da inteligência e desenvolve pelo menos cincohábitos multifocais. Não é o que mais trabalha, é o que mais pensa. Não é o que é previsível,mas surpreende. Não é o que repete comportamentos, mas o que se reinventa. Não é o queengessa a mente, mas o que liberta a imaginação.1º) Bons profissionais fazem tudo que lhe pedem, enquanto excelentes profissionaissurpreendem, fazem além do que lhe solicitam.Um bom profissional executa as tarefas que lhe são solicitadas, enquanto um excelenteprofissional decifra códigos da intuição criativa e faz muito mais do que lhe pedem. Um bomprofissional é correto, ético, responsável, mas não se doa, não se entrega, não faz nada além doque está contratado para fazer. Um excelente profissional faz coisa que superam suasobrigações.2º) Bons profissionais corrigem erros, enquanto que excelentes profissionais os previnem.Bons profissionais fazem o que podem para reparar um acidente, profissionais brilhantes fazemo que podem para evitar que eles ocorram. Os novos tempos exigem uma liderançaespecializada em prevenir crises e não em corrigi-las.3º) Bons profissionais executam ordens, enquanto profissionais excelentes pensam pelaempresa.Bons profissionais desejam primeiro ser gestores de sua empresa, enquanto excelentesprofissionais almejam ser primeiro gestores da sua mente. Sabem que ninguém pode serbrilhante líder no teatro social, se não for primeiro um grande líder no teatro psíquico.Bons profissionais obedecem a ordens, enquanto excelentes profissionais pensam pela empresa.Os que obedecem a ordens só enxergam a crise depois de instalada, mas os que pensam pelaempresa percebem seus sinais sutis antes que ela surja.4º) Bons profissionais são individualistas, enquanto excelentes trabalham em equipe, lutampelo cérebro do time.Bons profissionais vivem ilhados, enquanto profissionais excelentes vivem interagindo. Bonsprofissionais valorizam a força do individuo, profissionais brilhantes valorizam a força dogrupo. Bons profissionais lutam pelo estrelismo, enquanto profissionais excelentes lutam pelosucesso da equipe.Bons profissionais são ingênuos, desconhecem as armadilhas da sua mente e de seus colegas,enquanto que excelentes profissionais tem consciência de que todos os membros da equipe,inclusive ele, possuem fantasmas alojados no seu inconsciente: o fantasma do “ego”, das Cáritas São Pedro Apóstolo Página 7
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO“vaidades”, dos “paradigmas rígidos”, da “hipersensibilidade”, do “ciúme”, da “necessidadeneurótica de prevalecer nossas ideias”.5º Bons profissionais usam o poder do medo e das pressões, enquanto excelentes usam opoder do elogio.Bons profissionais são aptos para cobrar, pressionar, punir, mas excelentes profissionais sãoaptos a encorajar, estimular e apostar no seu time. Sabem que quem pressiona e pune seus paresestá apto para lidar com números, mas não com seres humanos. Não têm a necessidadeneurótica de estar sempre certo ou de ser o centro das atenções.Excelentes profissionais conhecem o funcionamento da mente, sabem que o que determina oimpacto das suas palavras não é seu tom de voz, mas a imagem que construiu no inconscientecoletivo das pessoas. Se a imagem é excelente, pequenas palavras bastam; se a imagem forruim, gritos não serão suficientes.Sabem que o poder do elogio é muito mais eficiente do que o poder do medo e das pressões.Têm plena consciência de que tanto para corrigir seus liderados quanto para motivá-los, emprimeiro lugar deve-se conquistar o território da emoção e depois da razão. Vive essepensamento: quem não sabe elogiar não é digno de receber elogios.Sabem que seusfuncionários não são seus servos, mas seus parceiros. Encanta-os, dá uma ducha de carisma emtodos os setores em que trabalha e atua. TIPOS DE EMPRESAS.As empresas são organizações econômicas particulares, públicas ou mistas queoferecem bens e ou serviços tendo, em geral, o lucro como objetivo (em uma visão maismoderna, o lucro é uma consequência, ou retorno esperado pelos investidores, doprocesso produtivo e, para as empresas públicas ou “entidades sem fins lucrativos” érepresentado pela “rentabilidade social”). Existem diversos tipos de empresas.Podemos classificar as empresas de acordo com o setor econômico, a quantidade desócios, tamanho, fins ou objetivos, organização ou natureza:* Setor primário: setor agrícolaDenomina-se como Setor Primário os segmentos da economia que produzem matériasprimas, como a agricultura, a pecuária, a pesca e o extrativismo mineral. É um grandesetor em países subdesenvolvidos: na África, a maioria dos países tem suas populaçõesvivendo de agricultura de subsistência.Em países desenvolvidos, a agricultura tornou-se mais desenvolvida tecnologicamente,mecanizando suas fazendas, ao contrário de técnicas rudimentares manuseadasmanualmente. Por exemplo, nos Estados Unidos, o milho é plantado com tratores, quetambém espalham os defensivos, cortam-no e o embalam, sem contato com a mãohumana. Isso prova que, quanto mais uma economia desenvolvida é, maior é oinvestimento em novas tecnologias para sua expansão. Estes avanços em investimentose novas tecnologias permitem ao setor primário cada vez menos contar com menos mão Cáritas São Pedro Apóstolo Página 8
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOde obra, permitindo a estes países contarem com percentuais cada vez menores depessoas empregadas neste setor, tendo um grande percentual nos setores secundário eterciário.Mesmo em países subdesenvolvidos, a agricultura tem papel importante em seudesenvolvimento. Com a melhoria de seus sistemas de saúde, a expectativa de vidamelhora; melhora também sua qualidade. Além disso, aumenta sua renda per capita,fazendo com que as pessoas consumam mais, aumentando a demanda por alimentos.Muitos estudiosos encaram o futuro da agricultura contando cada vez menos com mãode obra: a que restar, vai ser altamente especializada para o manuseio de grandesmáquinas. Isso depende de toda a sociedade voltada para a busca do conhecimento, poiso aumento do nível educacional faz com que os responsáveis pelo Setor Primáriovoltem seus investimentos para os locais certos, fazendo com que sejam tomadas asmelhores decisões e sejam empregadas as técnicas corretas para o beneficio do próprioagricultor.No Brasil, o Setor Primário começa a desenvolver nas regiões Centro-Oeste, Sul eSudeste: nas plantações de soja, milho e cana-de-açúcar são usadas muitas máquinas, ea especialização tem que ser grande para operá-las. Nas regiões Norte e Nordeste(principalmente), ainda há o predomínio de agricultura de subsistência, para baixosíndices de produção e, muitas vezes, com altos níveis de desperdício d e alimentos nahora da comercialização.* Setor secundário: indústrias;O Setor Secundário inclui os setores da economia que transformam produtos, comoindústrias e construção. Este setor geralmente pega os produtos provindos do SetorPrimário e os transformam, ao ponto de servirem para serem usados para outrosnegócios, exportados ou para serem consumidos por consumidores domésticos. Édividido em indústria leve ou pesada. Muitas destas indústrias consomem enormesquantidades de energia, pois requerem maquinaria pesada para converterem materiaisbrutos em produtos acabados. Também produzem muito resíduos, que podem sertóxicos e causar danos ao meio ambiente.Muitos economistas dizem que o bem estar da produção é a ligação entre este e o setorde serviços, que tem que estar bem também para consumir os produtos fabricados. Osetor Secundário é também muito importante para promover o acréscimo da economiaem países em desenvolvimento. Em países desenvolvidos, é fundamental pro ser umafonte de bons empregos, e também por facilitar grande mobilidade social parasucessivas gerações. Suas principais divisões são:- Fábricas aeroespaciais;- Fábricas automobilísticas;- Indústria cervejeira;- Indústria química;- Fábricas de confecções;- Indústria de eletrônicos;- Indústria de maquinaria; Cáritas São Pedro Apóstolo Página 9
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO- Indústria de energia, como petróleo, gás e energia elétrica;- Indústria de aço;- Desenvolvimento de softwares;- Indústria de telecomunicações;- Indústria de cigarros.No Brasil, o Setor Secundário foi iniciado tardiamente. Somente após a SegundaGuerra é que foram feitos os primeiros esforços para a substituição das importações.Na época da Ditadura, o Brasil passa pelo ”Milagre econômico” (1968-1974), no qualforam feitos grandes investimentos em infraestrutura. A partir da década de 80, porcausa de sucessivas recessões, o Setor Secundário perde força e perde participação noPIB para o Setor de serviços.* Setor terciário: serviços;Setor terciário (também conhecido como setor de serviços) é aquele que engloba asatividades de serviços e comércio de produtos. É um dos três setores da economia, osoutros sendo o Setor Primário (agricultura, extração mineral, etc.) e o SetorSecundário (industrialização). Os serviços são definidos na literatura econômicamoderna como “bens intangíveis”.O Setor Terciário envolve as provisões de serviços tanto para outros negócios comopara consumidores finais. Estes podem estar envolvidos como transportes, vendas edistribuição de bens dos produtores aos consumidores; podem ser também de outrosserviços não ligados diretamente ao produto final, como controle de pragas eentretenimento. Os bens podem ser transformados também, como acontece em umrestaurante ou em uma eletrônica. Assim, o foco esta na interação entre pessoas,proporcionando um produto ou serviço que satisfaça os anseios de quem o(s)demandou.Como componentes do Setor Terciário, podemos citar:- Turismo;- Serviços bancários;- Restaurantes;- Hospitais;- Serviços de consultoria;- Corretagem de imóveis;- Serviços públicos.Estes últimos são considerados parte do Setor Terciário enquanto providenciam serviçosbásicos à sociedade, como educação, saúde, etc.; quando cuidam da construção da infra-estrura de um país, com a construção de estradas, pontes, etc., podem ser consideradascomo parte do Setor Secundário.Os serviços são difíceis de serem classificados, pois são intangíveis e incontáveis.Assim, fica difícil para os consumidores mensurarem e entenderem o valor do serviço Cáritas São Pedro Apóstolo Página 10
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOque estão pagando para obter. Como os investimentos e serviços de consultoria, não hágarantias da obtenção de volta do capital investido. ONGs: ONG é um acrônimo usado para as organizações não governamentais (sem fins lucrativos), que atuam no terceiro setor da sociedade civil. Estas organizações, de finalidade pública, atuam em diversas áreas, tais como: meio ambiente combate à pobreza, assistência social, saúde, educação, reciclagem, desenvolvimento sustentável, entre outras. As ONGs possuem funções importantes na sociedade, pois seus serviços chegam a locais e situações em que o Estado é pouco presente. Muitas vezes as ONGs trabalham em parceria com o Estado. As ONGs obtêm recursos através de financiamento dos governos, empresas privadas, venda de produtos e da população em geral (através de doações). Grande parte da mão de obra que atua nas ONGs é formada por voluntários. A ABONG é a Associação brasileira de organizações não governamentais. Exemplo de ONGs: - WWF (Worldwide Fund for Nature) - organização que atual no mundo todo, destinada à proteção do meio ambiente. - Fundação SOS Mata Atlântica - ONG brasileira cuja principal função é atuar em defesa da fauna e flora da Mata Atlântica. - Greenpeace - missão de preservação da natureza e conservação da biodiversidade. ONG mundial que também atua no Brasil. - Cáritas São Pedro Apóstolo- A missão da Cáritas São Pedro Apóstolo é favorecer o fortalecimento de uma comunidade fraterna e participativa que colabore para o crescimento da pessoa humana e possibilita a ampla realização da cidadania.Assim, como fazer a diferenciação de dois hotéis que oferecem o mesmo serviço porpreços idênticos? A diferenciação e a qualidade no atendimento farão o consumidor sedecidir por aquele que mais o agradar com pequenos detalhes. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 11
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO* Empresa individual: quando o proprietário da empresa é apenas uma pessoa;geralmente, neste tipo de organização o capital particular do proprietário se confundecom o da empresa; • Empresa de Responsabilidade Limitada (ou sociedade por quotas): é o tipo mais comum, onde os sócios são responsáveis pela empresa de acordo com a quantidade de quotas. • Sociedade Simples: é aquela formada por pessoas que exercem profissão de natureza intelectual, científica, artística ou literária, mesmo sem contar com colaboradores; • Sociedade Empresária: é aquela onde a atividade econômica organizada é exercida de forma profissional constituindo elemento de empresa; • Sociedade Anônima: tem seu capital distribuído em ações e a responsabilidade de cada sócio, ou acionista, é correspondente a quantidade e valor das ações que ele possui. • Sociedade em Comandita Simples: tipo de sociedade onde, ao lado dos sócios de responsabilidade ilimitada e solidária, existem aqueles que entram apenas com o capital, não participando da gestão do negócio, tendo, portanto, sua responsabilidade restringida ao capital subscrito; • Sociedade em Comandita por ações: são regidas pelas normas das sociedades anônimas porque tem seu capital dividido em ações; • Sociedade em nome Coletivo: constituída apenas por pessoas físicas que respondem ilimitada e solidariamente pelas obrigações da sociedade; • Sem fins lucrativos: organizações onde toda a receita é revertida para as atividades que mantém; • Microempresa: aquela que tem receita bruta anual igual ou inferior a R$244.000,00; • Empresa de Pequeno Porte: aquela que tem receita bruta anual superior a R$244.000,00 e igual ou inferior a R$1.200.000,00. (Lei n.º 9.841 de 05/10/99). ATA A ata é responsável por registrar, de forma resumida e clara, as decisões, resoluções e ocorrências de uma reunião ou qualquer outro tipo de evento que necessite da documentação do seu conteúdo. Uma ata deve ser feita com o intuito de não permitir modificações, para isso, alguns cuidados deverão ser tomados, como: • Não deverá possuir rasuras; • Não deverá ser utilizado nenhum tipo de abreviação; • Deverá ser utilizado o máximo possível de páginas, para evitar a inclusão de informações; • Todo número ou data deverá ser escrito por extenso; • Deverá ser incluída sempre a numeração da página, para evitar a inserção de páginas; Cáritas São Pedro Apóstolo Página 12
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO • Cada secção deverá ser escrita em um único parágrafo, ou seja, sem o uso da tecla <Enter> ao final da linha; • Para uso lega, é necessário a rubrica do presidente em todas as páginas e a assinatura na última página. COMO ABRIR UMA EMPRESA?Neste capitulo é necessário em primeiro lugar entender o que é empreendorismo eempreendedor.EMPREENDORISMO: Designa os estudos relativos ao empreendedor, seu perfil,suas origens, seu sistema de atividades, seu universo de atuação.EMPREENDEDOR: É o termo utilizado para qualificar, ou especificar,principalmente, aquele individuo que detém uma forma especial, inovadora, de sededicar às atividades de organização, administração, execução; principalmente nageração de riquezas, na transformação de conhecimentos e bens em novos produtos –mercadorias ou serviços; gerando um novo método com o seu próprio conhecimento. Éo profissional inovador que modifica, com sua forma de agir, qualquer área doconhecimento humano. Também é utilizado – no cenário econômico – para designar ofundador de uma empresa ou entidade, aquele que construiu tudo a duras custas, criandoo que ainda não existia.Antes de criar uma empresa é necessário um plano de negócio, que é um relatório detalhadode uma organização ou empresa que têm como conteúdo todas as formas possíveis decrescimento e metas a serem atingidas. O conteúdo é formado por pesquisas mercadológicas,plano de marketing, plano financeiro anexos etc.O Plano de Negócio ajuda o empreendedor a identificar o melhor momento para começar ouampliar seu negócio. Abrange etapas como análise de mercado e projeção faturamento,informações que mostrarão para o empresário onde, como, quando e para quem oferecerseus produtos e serviços.A pesquisa de viabilidade apresenta dados sobre o público-alvo e suas necessidades e sobre osprodutos e serviços, os preços, as despesas e as receitas dos concorrentes. Também mostra aprojeção dos custos, da receita e do capital de giro. Mensura o montante inicial para oinvestimento e em quanto tempo o valor será recuperado. Ainda propõe preços para osprodutos e serviços, adequados ao mercado e à necessidade financeira da empresa.O Plano de Negócio serve também como cartão de visitas da empresa e como instrumento deapresentação do negócio de forma concisa, mas que engloba todas as suas principaiscaracterísticas. Alguns dos possíveis públicos para o seu Plano de Negócios estão listados aseguir:Incubadoras de empresas: Com objetivo de se tornar uma empresa incubada.Sócios potenciais: Para estabelecer acordos e direção. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 13
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOParceiros: Para estabelecimento de estratégias conjuntas.Bancos: Para outorgar financiamentos.Intermediários: Empresas de capital de risco, pessoas jurídicas e outros interessados.Gerente de Marketing: Para desenvolver planos de marketing.Executivos de alto nível: Para aprovar e alocar recursos.Fornecedores: Para outorgar crédito para compra de mercadorias e matéria prima.Gente Talentosa: Que você deseja contratar para fazer parte de sua empresa.A própria empresa: Para comunicação interna com os empregados.Os clientes potenciais: para vender o produto/serviço.O Plano de Negócio é composto por várias seções que se relacionam e permitem umentendimento global do negócio de forma escrita e em poucas páginas.Cada seção está explicada em detalhes abaixo:Capa: A capa, apesar de não parecer, é uma das partes mais importantes do Plano de negócios,pois é a primeira coisa que é visualizada por quem lê o seu plano de negócios, devendo ser feitade maneira limpa e com as informações necessárias e pertinentes.Sumário: O sumário deve conter o titulo de cada seção do Plano de Negócios e a páginarespectiva onde se encontra.Sumário Executivo: O Sumário Executivo é a principal seção do seu Plano de Negócios.Através do Sumário Executivo é que o leitor decidirá se continua ou não a ler seu plano denegócios. Portanto, deve ser escrito com muita atenção, revisado várias vezes e conter umasíntese das principais informações que constam em seu Plano de Negócios. Deve ainda serdirigido ao público alvo do seu Plano de Negócios e explicar qual o objetivo do Plano deNegócios em relação ao leitor (exemplo: requisição de financiamento junto a bancos, capital derisco, apresentação da empresa para potenciais investidores, parceiros ou clientes etc.). OSumário Executivo deve ser a última seção a ser escrita, pois depende de todas as outras seçõesdo plano a ser feita.Planejamento Estratégico do Negócio: A seção de planejamento estratégico do negócio é ondevocê define os rumos da sua empresa, sua situação atual, suas metas e objetivos de negócio,bem como a descrição da visão e missão de sua empresa. É a base para o desenvolvimento eimplantação das demais ações de sua empresa.Descrição da Empresa: Nesta seção você deve descrever sua empresa, seu histórico,crescimento/faturamento dos últimos anos, sua razão social, impostos, estrutura organizacional,localização, parcerias, serviços terceirizados etc. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 14
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOProdutos e Serviços: Nesta seção do seu Plano de Negócios você deve descrever quais são seusprodutos e serviços, como são produzidos, ciclo de vida, fatores tecnológicos envolvidos,pesquisa e desenvolvimento, principais clientes atuais, se detém marca e/ou patente de algumproduto etc.Análise de Mercado: Na seção de Análise de Mercado, você deverá mostrar que conhece muitobem o mercado consumidor do seu produto/serviço (através de pesquisas de mercado): comoestá o segmento, as características do consumidor, análise da concorrência, a sua participação demercado e a dos principais concorrentes, os riscos do negócio etc.Plano de Marketing: O plano de marketing apresenta como você pretende vender seuproduto/serviço e conquistar seus clientes, manter o interesse dos mesmos e aumentar ademanda. Deve abordar seus métodos de comercialização, diferenciais do produto/serviço parao cliente, política de preços, projeção de vendas, canais de distribuição e estratégias depromoção/comunicação e publicidade.Plano Financeiro: A seção de finanças deve apresentar em números todas as ações planejadasde sua empresa e as comprovações, através de projeções futuras (quanto precisa de capital,quando e com que propósito), de sucesso do negócio. Deve conter itens como fluxo de caixacom horizonte de três anos, balanço, ponto de equilíbrio, necessidades de investimentos,lucratividade prevista, prazo de retorno sobre investimentos etc.Anexos: Esta seção deve conter todas as informações que você julgar relevantes para o melhorentendimento de seu Plano de Negócios. Por isso, não tem um limite de páginas ou exigências aserem seguidas. A única informação que você não pode esquecer-se de incluir é a relação doscurriculum vitae dos sócios da empresa. Você poderá anexar ainda informações como fotos deprodutos, plantas da localização, roteiro e resultados complementos das pesquisas de mercadoque você realizou, material de divulgação de seu negócio, folders, catálogos, estatutos, contratosocial da empresa, planilhas financeiras detalhadas etc.CAMINHOS E DICAS PARA TORNAR ESSE MOMENTO EMPRESARI AL MENOSCOMPLICADOPara uma micro ou uma pequena empresa exercer suas atividades no Brasil, épreciso,entre outras providências, ter registro na prefeitura ou naadministração regional da cidade onde ela vai funcionar, no estado, na ReceitaFederal e na Previdência Social.Dependendo da atividade pode ser necessário também oregistro na Entidade de Classe,na Secretaria de Meio-Ambiente e outros órgãos de fiscalização.A seguir, mostraremos caminhos e daremos dicas para tornar esse momento empresarial menoscomplicado.Na Junta Comercial ou Cartório de Registro de Pessoa JurídicaO registro legal de uma empresa é tirado na Junta Comercial do estado ou no Cartório deRegistro de Pess oa J urídica. Para as pessoas j urídicas, esse passo éequivalente àobtenção da Certidão de Nascimento de uma pessoa física. A partirdesse registro, a empresa existe oficialmente - o que não significa que ela possa começar aoperar.Para fazer o registro é preciso apresentar uma série de documentos eformulários que podem variar de um estado para o outro. Citamos os mais comuns:ContratoSocial; Documentos pessoais de cada sócio (no caso de uma sociedade).O Contrato Social é apeça mais importante do início da empresa, e nele devem estar definidos claramente osseguintes itens: • Interesse das partes Cáritas São Pedro Apóstolo Página 15
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO • Objetivo da empresa • Descrição do aspecto societário e a maneira de integralização das cotas Para ser válido, o Contrato Social deverá ter o visto de um advogado. As micro empresa se empresas de pequeno porte são dispensadas da assinatura do advogado, conforme prevê o Estatuto da Micro e Pequena Empresa.Ainda na Junta Comercial ou no Cartório, deve- se verificar se há alguma outra empresa registrada com o nome pretendido. Geralmente é necessário preencher um formulário próprio, com três opções de nome. Há estados que j á oferecem esse serviço pela Internet. Se tudo estiver certo, será possível prosseguir com o arquivamento do ato constitutivo da empresa, quando geralmente serão necessários os documentos:•Contrato Social ou Requerimento de Empresário Individual ou Estatuto, em três vias:•Cópia autenticada do RG e CPF do titular ou dos sócios•Requerimento Padrão (Capa da Junta Comercial), em uma via.•FCN (Ficha de Cadastro Nacional) modelo um e dois, em uma via.•Pagamento de taxas através de DARFOs preços e prazos para abertura variam de estadopara estado. Para isso, o ideal é consultar o site da Junta Comercial do estado em que aempresa estiver localizada.Registrada a empresa, será entregue ao seu proprietário o NIRE(Número de Identificação do Registro de Empresa).que é uma etiqueta ou um carimbo, feitopela Junta Comercial ou Cartório, contendo um número que é fixado no ato constitutivo.CNPJCom o NIRE em mãos, chega a hora de registrar a empresa como contribuinte, ou seja, de obtero CNPJ. O registro do CNPJ é feito exclusivamente pela Internet, no site da Receitapor meio do Download de um programa específico. Os documentos necessários, informados nosite, são enviados por sedex ou pessoalmente para a Secretaria da Receita Federal, e a resposta édada também pela Internet. Ao fazer o cadastro no CNPJ, é preciso escolher a atividade que aempresa irá exercer.Essa classificação será utilizada não apenas na tributação, mas também nafiscalização das atividades da empresa. Lembre-se que nem todas as empresas podemoptar pelo Simples, principalmente as prestadoras de serviços que exigem habilitaçãoprofissional. Portanto, antes de fazer sua inscrição no CNPJ, consulte os tipos de empresa quenão se enquadram no Simples.Alvará de FuncionamentoCom o CNPJ cadastrado, é preciso ir à prefeitura ou administração regional para receber oalvará de funcionamento. O alvará é uma licença que permite o estabelecimento e ofuncionamento de instituições comerciais, industriais, agrícolas e prestadoras de serviços,bemcomo de sociedades e associações de qualquer natureza, vinculadas a pessoas f í s i c a sou jurídicas. Isso é feito na prefeitura ou na administração regional oun a Secretaria Municipal da Fazenda de cada município. Geral mente, adocumentação necessária é: • Formulário próprio da prefeitura • Consulta prévia de endereço aprovada • Cópia do CNPJ • Cópia do Contrato Social • Laudo dos órgãos de vistoria, quando necessário. • Inscrição EstadualJá o cadastro no sistema tributário estadual deve ser feito junto à Secretaria Estadual daFazenda. Em geral, ele não pode ser feito pela Internet, mas isso varia de estado paraestado. Atualmente, a maioria dos estados possui convênio com a Receita Federal, o quepermite obter a Inscrição Estadual junto com o CNPJ, por meio de um único cadastro.AInscrição Estadual é obrigatória para empresas dos setores do comércio, indústria eserviços de transporte intermunicipal e interestadual. Também estão incluídos os serviços decomunicação e ener gia. Ela é necessária para a obtenção da inscrição no ICM S Cáritas São Pedro Apóstolo Página 16
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO( Imposto sobre Circul ação de Mercadorias e Ser viços), e em geral adocumentação pedida para o cadastro é:•DUC (Documento Único de Cadastro), em três vias.•DCC (Documento Complementar de Cadastro), em um via.•Comprovante de endereços dos sócios, cópia autenticada ou original.•Cópia autenticada do documento que prove direito de uso do imóvel, comopor exemplo, o contrato de locação do imóvel ou escritura pública do imóvel.•Número do cadastro fiscal do contador.•Comprovante de contribuinte do ISS, para as prestadoras de serviços.•Certidão si mplificada da J unta (para empres as constituídas há mais de trêsmeses).•Cópia do ato constitutivo.•Cópia do CNPJ.•Cópia do alvará de funcionamento.•RG e CPF dos sócios.Observação: em alguns Estados a Inscrição Estadual deve ser solicitada antes do Alvará deFuncionamento.Cadastro na Previdência SocialApós a concessão do alvará de funcionament o, a empresa j á está apta a entrarem operação. No entanto, ainda faltam duas etapas fundamentais para o seu funcionamento.A primeira é o cadastro na Previdência Social, independente da empresap o s s u i r funcionários.Para contratar funcionários, é preciso arcar com as obrigaçõestrabalhistas sobre eles.Ainda que seja um único funcionário, ou apenas os sóciosinicialmente, a empresa precisa e s t a r c a d a s t r a d a n a P r e v i d ê n c i a S o c i a l e p a g a ro s r e s p e c t i v o s t r i b u t o s . A s s i m , o representante deverá dirigir-se à Agência daPrevidência de sua jurisdição para solicitar o cadastramento da empresa e seus responsáveislegais. O prazo para cadastramento é de 30 dias após o início das atividades.Aparato FiscalAgora resta apenas preparar o aparato fiscal para que seu empreendimento entre emação. Será necess ário solicitar a autorização para i mpressão das notas fiscais ea autenticação de livros fiscais. Isso é feito na prefeitura de cada cidade. Empresasque pretendam dedicar-se às atividades de indústria e comércio deverão ir à Secretariade Estado da Fazenda. No caso do Distrito Federal, independente do segmento de atuação daempresa, esta autorização é emitida pela Secretaria de Fazenda Estadual.Uma vez que oaparato fiscal esteja pronto e registrado, sua empresa pode começar a operarlegalmente. Antes, no entanto, certifique-se que tudo ocorreu bem durante osprocedimentos anteriores. Se estiver tudo certo, basta tocar o seu negócio adiante. GESTÃO CONTABILA contabilidade é uma ferramenta indispensável para a gestão de negócios. De longa data,contadores, administradores e responsáveis pela gestão de empresas se convenceram queamplitude das informações contábeis vai além do simples cálculo de impostos e atendimento delegislações comerciais, previdenciárias e legais.Contabilidade Gerencial, em síntese, é a utilização dos registros e controles contábeis com oobjetivo de gerir uma entidade.A gestão de entidades é um processo complexo e amplo, que necessita de uma adequadaestrutura de informações - e a contabilidade é a principal delas. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 17
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOAlém do mais, o custo de manter uma contabilidade completa (livros diário, razão, inventário,conciliações, etc.) não é justificável para atender somente o fisco. Informações relevantespodem estar sendo desperdiçadas, quando a contabilidade é encarada como mera burocraciapara atendimento governamental.Objetivamente, o custo médio de uma contabilidade de empresa de pequeno porte (faturamentoaté R$ 120.000/mês) é acima de R$ 600,00. Numa empresa de médio porte (faturamento até R$1.000.000/mês) este custo vai a R$ 3.000,00 ou mais. Tais empresas precisam aproveitar asinformações geradas, pois obviamente este será um fator de competitividade com seusconcorrentes: a tomada de decisões com base em fatos reais e dentro de uma técnicacomprovadamente eficaz – o uso da contabilidade.A contabilidade gerencial não “inventa” dados, mas lastreia-se na escrituração regular dosdocumentos, contas e outros fatos que influenciam o patrimônio empresarial.Dentre as utilizações da contabilidade, para fins gerenciais, destacam-se, entre outros:1. Projeção do Fluxo de Caixa2. Análise de Indicadores3. Cálculo do Ponto de Equilíbrio4. Determinação de Custos Padrões5. Planejamento Tributário6. Elaboração do Orçamento e Controle Orçamentário CONDIÇÕESO primeiro passo para uma contabilidade verdadeiramente gerencial, é que esta seja atualizada,conciliada e mantida com respeito às boas técnicas contábeis.Desta forma, pressupõe-se, entre outros, que uma contabilidade para uso gerencial deva ter: 1. Contas bancárias devidamente “fechadas” com os respectivos extratos, sendo as diferenças demonstradas e que tais diferenças não afetem o resultado pelo regime de competência. Admite-se, tão somente, as típicas “pendências” bancárias, como cheques não compensados e pequenos valores de débitos e créditos a ajustar. Valores expressivos, como débitos de juros e encargos sobre financiamentos, devem estar contabilizados. 2. Provisões de Férias e 13º Salário feitas mensalmente, com base em relatórios detalhados do departamento de recursos humanos. A falta de provisão mensal distorce as demonstrações contábeis, pois o regime de competência não é atendido. 3. Depreciações, amortizações e exaustões, contabilizadas com base em controles do patrimônio. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 18
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO 4. Registro dos tributos gerados concomitantemente ao fato gerador, efetuando-se também a Provisão do IRPJ e CSLL, conforme regime a que está sujeito a empresa (lucro real, presumido ou arbitrado). 5. Nas empresas que se dedicam às atividades imobiliárias, optar por contabilizar custos orçados das obras. Outras atividades também exigirão técnicas contábeis específicas, como as cooperativas e as instituições financeiras. 6. Receitas, custos e despesas, reconhecidas pelo regime de competência, como detalhado adiante. O REGIME DE COMPETÊNCIA CONTÁBILO reconhecimento das receitas e gastos é um dos aspectos básicos da contabilidade que devemser conhecidos para poder avaliar adequadamente as informações financeiras.Sob o método de competência, os efeitos financeiros das transações e eventos são reconhecidosnos períodos nos quais ocorrem, independentemente de terem sido recebidos ou pagos.Para todos os efeitos, as Normas Brasileiras de Contabilidade elegem o regime de competênciacomo único parâmetro válido, portanto, de utilização compulsória no meio empresarial.A ESTRUTURAÇÃO DO PROCESSO CONTÁBILO PATRIMÔNIONoções de Coisas/Bens/Riqueza Dadas as afinidades entre os termos que compõem o patrimônio, é interessanteconceituá-los, para que se possa fazer perfeita distinção entre eles. Coisa: é o que simplesmente existe na natureza, independente da vontade e intervenção humana. Ex. as florestas, o mar, a terra. Bem: é toda coisa suscetível de avaliação em dinheiro e que satisfaz uma necessidade humana. Riqueza: é tudo o que é útil (tem valor econômico e de troca), limitado (existe em quantidade relativamente pequena), material (se fosse incorpóreo não poderia ser apropriavel e nem permutável) e apropriavel (é a qualidade do que pode ser propriedade de alguém).BENS, DIREITOS E OBRIGAÇÕES. O patrimônio constitui-se de uma parte com valores positivos, denominada ativo, e deuma parte com valores negativos denominada passivo. O ativo é formado pelos bens e direitos e Cáritas São Pedro Apóstolo Página 19
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOo passivo pelas obrigações. O excesso do ativo sobre o passivo é o capital, conhecido comopatrimônio líquido que aparece no passivo, para completar a igualdade entre o total do ativo e odo passivo, resultando na equação patrimonial.ATIVO: representa a parte dos valores positivos do patrimônio, tudo aquilo que a entidade possui ou que ela tem a receber de terceiros. Abrange o conjunto de bens e direitos da entidade. Os elementos que compõe o ativo são revestidos de algumas características especiais,tais como: devem apresentar a potencialidade de gerar benefícios econômicos para a entidade,devem ser um recurso econômico, devem ser de propriedade ou estar na posse de algumaentidade contábil e devem ser mensuráveis monetariamente. Assim, todo o elemento ativo que não seja mais útil à entidade e, portanto tenhaperdido sua capacidade de gerar fluxo de caixa, não deve ser classificado como um elementoativo. Existem entidades que apresentam de 10 a 15% do seu ativo totalmente obsoleto, nãotendo nenhuma utilidade, devendo ser excluído do patrimônio. Bem: é qualquer coisa que satisfaz a necessidade humana e que pode ser avaliado economicamente. Os bens são divididos em: tangíveis que representam os bens materiais (têm formafísica e são palpáveis) e intangíveis que têm como principal característica a inexistência comocoisa e seu valor vinculado a um bem tangível ou a uma determinada situação da empresa (sãoincorpóreos e não palpáveis).Ex: bens tangíveis: destinados à instalação (prédios, terrenos, móveis e utensílios), destinados aprodução (máquinas, equipamentos, instrumentos e acessórios), destinados a transformação(matéria-prima, material secundário e material para embalagem), destinados ao consumo(material de escritório, material de limpeza e selos postais), destinados à circulação (dinheiro,dinheiro em bancos e aplicações financeiras) e destinados à venda (mercadorias e produtoscomprados para revenda).Ex: bens intangíveis: marcas de comércio e patentes de invenção. O Código Civil Brasileiro distingue os bens em: móveis que são os que podem sermovidos por si próprios ou por outras pessoas, tais como: animais, máquinas, equipamentos,estoques de mercadoria, entre outros, e bens imóveis que são os vinculados ao solo e que nãopodem ser retirados sem destruição ou danos, tais como: edifícios, árvores, entre outros. Direito: ato da pessoa ou empresa ceder algum bem ou serviço em troca do pagamento não imediato, originando um direito correspondente. Portanto representa os bens da empresa que estão em mãos de terceiros, como os créditos a receber de terceiros.PASSIVO: representa todas as obrigações financeiras que uma empresa tem para com terceiros, provenientes de transações passadas, realizadas a prazo, com data de vencimento e beneficiário certo e conhecido. Todas as contas do passivo representam os valores negativos do patrimônio. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 20
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Neste grupo está incluído por força de lei o capital próprio, apesar de não ser umaobrigação do patrimônio. A classificação do capital próprio no grupo do passivo é uma meraquestão para atender à necessidade da Contabilidade para garantir a igualdade entre os doisgrupos (ativo e passivo). O passivo abrange então o capital de terceiros (obrigações) e o capital próprio e suasvariações. Obrigações: constituem-se em ato da pessoa ou empresa dispor de algum bem ou serviço e que em troca destes originam um compromisso futuro de pagamento, representado por um documento, como as duplicatas a pagar.PATRIMÔNIO LÍQUIDO: é a diferença entre os valores positivos do ativo (bens e direitos) e os valores negativos do passivo (obrigações) de uma entidade em um determinado momento. É a parte do balanço que representa o capital investido pelos sócios e está graficamente localizado no seu lado direito.Obs. - Sendo o patrimônio líquido a diferença algébrica entre o ativo e o passivo, não temsentido falarmos em ativos ou passivos negativos. Assim concluímos que a entidade terá sempreA > ou = zero, P > ou = zero e PL > = ou < zero. Se a entidade possuir ativos e/ou passivos,ela os terá positivamente, ou não os terá.ABORDAGEM CONCEITUAL DO PATRIMÔNIO É o conjunto de bens, direitos e obrigações vinculados a uma pessoa física ou jurídica,com finalidade definida e mensurável economicamente. Tem-se do lado esquerdo o conjunto debens e direitos pertencentes a uma pessoa ou empresa, e o lado direito inclui as obrigações aserem pagas por essa pessoa ou essa empresa. Patrimônio de Pessoa Física ou Jurídica Bens Obrigações (a serem pagas) Direitos (a receber)ABORDAGEM QUALITATIVA E QUANTITATIVA O patrimônio de uma entidade pode ser visto e analisado sob os seguintes aspectos:Aspecto Qualitativo ou Específico: estuda a terminologia típica de cada um dos elementos quecompõem o patrimônio, tais como: bens numerários (caixa e bancos), bens de venda(mercadorias, produtos acabados e matéria-prima), bens de renda (veículos para alugar eimóveis para alugar) e bens de uso (máquinas e equipamentos, materiais úteis e ferramentas).Ex: caixa, capital social, etc. ... Cáritas São Pedro Apóstolo Página 21
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOAspecto Quantitativo: os componentes patrimoniais devem ser expressos em valoresmonetários.Ex: caixa .....................................R$ 1.000,00 Capital social ........................R$ 50.000,00REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO PATRIMÔNIO O gráfico do patrimônio é representado pelo Balanço Patrimonial, no qual do ladoesquerdo encontram-se os valores ativos e do lado direito os valores passivos, como mostra oexemplo abaixo:ATIVO PASSIVOBens ObrigaçõesEdifícios FornecedoresMóveis e Utensílios Empréstimo BancárioMarcas e Patentes Salários a PagarBanco c/Movimento Impostos a RecolherDireitosAluguéis a Receber PATRIMÔNIO LÍQUIDODuplicatas a Receber Capital Integralizado Lucros AcumuladosA REPRESENTAÇÃO ALGÉBRICA DO PATRIMÔNIOEquação Fundamental Sendo o patrimônio o conjunto de bens, direitos e obrigações com terceiros e capitalpróprio, a equação fundamental do patrimônio é assim definida:CAPITAL PRÓPRIO = BENS + DIREITOS – OBRIGAÇÕES COM TERCEIROS Substituindo os termos bens e direitos por ativo, obrigações com terceiros por passivo, ecapital próprio por patrimônio líquido, podermos afirmar que: P.L. = A - P Cáritas São Pedro Apóstolo Página 22
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Supondo que a entidade venda todos os seus bens, receba todos os seus direitos epague todas as suas obrigações com terceiros, a sobra ou situação líquida é o capital próprio,que é denominado pela Contabilidade de patrimônio líquido.Variações do Patrimônio Líquido A partir da equação fundamental do patrimônio, pode-se deduzir que em dadomomento, o patrimônio assume, invariavelmente, um dos cinco estados a saber:1 – Quando o ativo é maior que o passivo, teremos patrimônio líquido maior que zero, o querevela a existência de riqueza patrimonial. A = P + PL2 – Quando o ativo é maior que o passivo e o passivo é igual a zero, teremos patrimônio líquidomaior que zero, revelando inexistência de dívidas. A = PL3 – Quando o ativo é igual ao passivo, teremos patrimônio líquido igual a zero, revelandoinexistência de riqueza própria. A = P4 - Quando o passivo é maior do que o ativo, teremos patrimônio líquido menor que zero,revelando má situação financeira e existência de passivo a descoberto. A + PL = P5 – Quando o passivo é maior do que o ativo, e o ativo é igual a zero, teremos patrimôniolíquido menor que zero, revelando péssima situação financeira, inexistência de bens e direitos esomente obrigações. PL = PESTRUTURAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE GRUPOS DO ATIVO De acordo com a Lei nº 6.404/76 que regulamenta as sociedades por ações (S.A.), ascontas do ativo devem ser alocadas em ordem decrescente do grau de liquidez (capacidade depagamento), enquanto as contas do passivo devem ser alocadas de acordo com o prazo dasexigibilidades. Podemos visualizar esta obrigação no balanço patrimonial que é um instrumentocontábil que indica em um determinado momento a situação financeira, econômica epatrimonial de uma entidade e no qual as contas são classificadas nos seguintes grupos:Ativo Circulante: composto pelos bens e direitos que irão ser convertidos em dinheiro, noprazo de até 12 (doze) meses. Divide-se nos subgrupos: disponível, realizável a curto prazo,estoques e despesas antecipadas. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 23
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVODisponível: composto pelas exigibilidades imediatas, representadas pelas contas de caixa,bancos conta movimento, cheques para cobrança e aplicações no mercado aberto. Ex: caixa,bancos e fundo de aplicação financeira.Realizável a Curto Prazo: alocam os direitos a receber no prazo de até 12 (doze) meses. Ex:impostos a recuperar, duplicatas a receber ou clientes, (-) duplicatas descontadas, (-) provisãopara devedores duvidosos. Estas duas últimas contas representam contas retificadoras da contaduplicatas a receber ou clientes e são classificadas no ativo, tendo saldos credores, por isso sãodemonstradas com o sinal (-).Estoques: representam os bens destinados à venda e que variam de acordo com a atividade daentidade. Ex: produtos acabados, produtos em elaboração, matérias-primas e mercadorias.Despesas Antecipadas: compreende as despesas pagas antecipadamente que serão consideradascomo custos ou despesas no decorrer do exercício seguinte. Ex: seguros a vencer, alugueis avencer e encargos a apropriar.Ativo Realizável a Longo Prazo: composto pelos direitos que serão recebidos após o términodo exercício seguinte, isto é, após 12 (doze) meses. Ex: duplicatas a receber (+12 meses),aluguéis a receber e contas a receber. Independente do prazo, ainda são classificadas neste grupo, de acordo com a Lei nº6.404/76, as seguintes contas: adiantamentos a sócios, adiantamentos à acionistas, empréstimosà coligadas, empréstimos à controladas, etc. ...Ativo Permanente: compreende os bens fixos necessários para que a entidade alcance seusobjetivos. Divide-se nos subgrupos: investimentos, imobilizado e diferido.Investimentos: são todas as aplicações de recursos que não tem por finalidade o objetivoprincipal da entidade. Ex: imóveis para aluguel, terrenos para expansão, ações em outrasempresas, participação em empresas coligadas, participação em empresas controladas e obras dearte.Imobilizado: representam as aplicações de recursos em bens instrumentais que servem demeios para que a entidade alcance seus objetivos. Os bens materiais sofrem depreciação, os bensimateriais sofrem amortização e os terrenos sofrem exaustão. Ex: veículos, máquinas eequipamentos, imóveis, embarcações, marcas e patentes e direitos autorais.Diferido: representa as aplicações de recursos em despesas que irão influenciar o resultado demais de um exercício. Ex: gastos de implantação, gastos pré-operacionais, gastos commodernização e reorganização.ESTRUTURAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE GRUPOS DO PASSIVOPassivo Circulante: composto por todas as obrigações com prazo de vencimento em até 12(doze) meses. Ex. fornecedores, duplicatas a pagar, salários a pagar, provisão para férias,provisão para imposto de renda e empréstimos bancários.Passivo Exigível a Longo Prazo: representa as obrigações com prazo de vencimento após 12(doze) meses. Ex: empréstimos bancários e financiamentos. Neste grupo também são Cáritas São Pedro Apóstolo Página 24
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOclassificadas as seguintes contas: adiantamentos de sócios, adiantamentos de acionistas,empréstimos de coligadas e empréstimos de controladas.Resultado de Exercício Futuro: compreende as receitas recebidas antecipadamente que deacordo com o regime de competência pertence a exercício futuro. Ex: receita antecipada ecustos atribuídos à receita antecipada.ESTRUTURAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE GRUPOS DO PATRIMÔNIO LÍQUIDOPatrimônio Líquido: representa o capital que pertence aos proprietários. Ex: capital social,reservas de capital, reservas de reavaliação, reservas de lucros (legal, estatutária, contingência,investimentos e lucros a realizar), lucros acumulados ou prejuízos acumulados.Capital Social: discrimina o valor subscrito e o valor que ainda será realizado pelos sócios ouacionistas.Reservas de Capital: são as contas que registram doações recebidas, eventualmente, pelaentidade. No caso de sociedades anônimas, o ágio na emissão de ações, o produto da alienaçãode partes beneficiárias, entre outras.Reservas de Reavaliação: registram os aumentos de valor atribuídos a elementos do ativo emvirtude de novas avaliações feitas pela entidade com base em laudo.Reservas de Lucros: são as contas formadas pela apropriação de lucro da empresa.Lucros ou Prejuízos Acumulados: registra os resultados acumulados pela entidade, quando ainda não distribuídos aos sócios, ao titular ou ao acionista. BALANÇO PATRIMONIALATIVO PASSIVOAtivo Circulante Passivo CirculanteDisponível Exigível a Longo PrazoRealizável a Curto Prazo Resultado de Exercício FuturoEstoques PATRIMÔNIO LÍQUIDODespesas Antecipadas Capital SocialAtivo Realizável a Longo Prazo Reservas de CapitalAtivo Permanente Reservas de ReavaliaçãoInvestimentos Reservas de LucrosImobilizado Lucros ou Prejuízos AcumuladosDiferidoAS CONTASCONCEITOS Cáritas São Pedro Apóstolo Página 25
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Uma conta é um recurso contábil para reunir sob um único item todos os eventos evalores patrimoniais de mesma natureza. Ex: a conta do Banco Ultramarino reúne todos osmovimentos, depósitos e retiradas de dinheiro realizadas no Banco Ultramarino; a contaVeículos informa os movimentos, compras e vendas, de veículos. (S. A. Crepaldi) Conta é o registro de débitos e créditos da mesma natureza, identificados por um títuloque qualifica um componente do patrimônio ou uma variação patrimonial.NATUREZA E SALDO DAS CONTAS As contas devedoras são as representativas dos bens, direitos, despesas e custos.Possuem permanentemente saldo devedor, devendo ser primeiro debitadas e depois creditadas.Ex: caixa, bancos, mercadorias, salários e custos dos produtos vendidos. As contas credoras são as representativas das obrigações, do patrimônio líquido, dasreceitas e dos ganhos. Possuem permanentemente saldo credor, devendo ser primeiro creditadase depois debitadas. Ex: salários a pagar, imposto a pagar, fornecedores e juros recebidos. A diferença entre o débito e o crédito é denominada de saldo. Se o valor dos débitosfor superior ao valor dos créditos, a conta terá um saldo devedor. Se ocorrer o contrário, a contaterá um saldo credor.REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DAS CONTAS A conta é a representação gráfica da relação débito e crédito de um determinado fatoadministrativo. Graficamente, podemos representá-la na forma da letra T, a qual chamamos de Contaem T ou Razonete. Nome da Conta Débito | CréditoLANÇAMENTOS A DÉBITO E A CRÉDITO DAS CONTAS As operações registradas (de acordo com a natureza de cada conta) através delançamentos ocasionam aumentos e diminuições do ativo, do passivo e do patrimônio líquido. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 26
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO As contas do ativo são debitadas quando bens ou direitos entram no patrimônio ecreditadas quando saem. As contas passivas são creditadas quando o patrimônio assume obrigações e debitadaquando as liquida. O patrimônio líquido, como complemento do passivo para igualar ao ativo, obedece aomesmo mecanismo das demais contas passivas, ou seja, suas contas são creditadas quando háaumento de patrimônio, e debitadas quando há redução. ATIVO PASSIVO+ d – c BENS - d + c OBRIGAÇÕES+ d – c DIREITOS -d+c PATRIMÔNIO LÍQUIDO As contas de despesas são debitadas, pois representam redução do patrimônio líquido,enquanto as contas de receitas são creditadas, pois representam aumento do patrimônio líquido.CLASSIFICAÇÃO DAS CONTAS As contas são classificadas em dois grupos: patrimoniais e de resultado.Patrimoniais: representam os elementos ativos e passivos (bens, direitos, obrigações e situaçãolíquida).Ex: Caixa, Duplicatas a Receber, Fornecedores, Empréstimos, Capital Social.Resultado: registram as variações patrimoniais e demonstram o resultado do exercício (receitase despesas).Ex: Salários, Juros Passivos, Receitas Financeiras. O PLANO DE CONTAS O plano de contas é um elenco de todas as contas previstas como necessárias aosregistros (uma vez que é o instrumento que o profissional consulta quando vai fazer umlançamento contábil, pois indica qual conta deve ser debitada e qual conta deve ser creditada)contábeis de uma entidade, oferecendo a vantagem de uniformização das contas utilizadas emcada registro, além de servir de parâmetro para a elaboração das demonstrações contábeis. A finalidade principal do plano é estabelecer normas de conduta para o registro dasoperações da organização, e na sua elaboração devem ser considerados três objetivosfundamentais: Atender às necessidades de informações da administração da entidade; Cáritas São Pedro Apóstolo Página 27
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Observar formato compatível com os princípios contábeis e com a norma legal que regula a elaboração do balanço patrimonial e das demais demonstrações contábeis, ou seja, a Lei nº 6.404/76; Adaptar-se tanto quanto possível às exigências dos agentes externos à entidade (fornecedores, bancos, órgãos fiscais, auditoria externa) e, particularmente, às regras da legislação do Imposto de Renda. O plano completo deve apresentar o título das contas, a classificação, a função,explicar o funcionamento, apontar a relação entre os grupos ou mesmo entre as contas, regular oregistro das contas, estabelecer a análise e os códigos das contas e prever as derivações dascontas. O título de cada conta deve expressar o significado adequado das operações nelaregistradas, pois as demonstrações contábeis podem não ser apenas utilizadas pelos usuáriosinternos, mas também dos usuários externos. Além disso, no caso de sociedade anônima decapital aberto (com ações negociadas em bolsas de valores), é fundamental que suasdemonstrações tenham uma linguagem precisa e clara para facilidade de seus acionistas emparticular e do mercado em geral. A classificação das contas é dada em grupos que permitam a comparação entre si,evidenciando a proporcionalidade entre bens, direitos e obrigações. O responsável pela elaboração do plano de contas precisa ter absoluta consciência dasnecessidades da empresa e das normas técnicas, fazendo com que o elenco apresente contas defunção bem definida, ou seja, esclareça para que serve cada conta e qual o papel quedesempenha na escrituração. Ex: caixa – registra os movimentos de dinheiro em poder daempresa, mercadorias – registra os movimentos de aquisição das mercadorias destinadas àvenda. O funcionamento estabelece a relação da conta com as demais e evidencia como secomporta perante seu objeto. Demonstra como se debita a conta, como se credita, qual anatureza de seu saldo e quais as outras contas com que normalmente tem contato.Ex: caixa – D: pelo recebimento em dinheiro C: pelo pagamento em dinheiro Saldo: representa o numerário em poder da empresa e só pode ser devedor. Quando da elaboração do plano de contas devem ser analisados os graus das contasque são a medida de dependência na análise destas, sendo que a dependente deve ter sempreclassificação inferior com relação a principal. Normalmente são empregados dois graus: contasintética ou principal (1º grau) e conta analítica ou derivada (2º grau).Ex: 1. Ativo - sintética 1.1 Ativo Circulante - analítica Cada conta deve ser identificada por um código que a distingue das demais (estacodificação poderá ser numérica ou alfabética, ou ainda utilizar a combinação de letras enúmeros).Ex: 1. Ativo 1.1.1 Ativo Circulante Cáritas São Pedro Apóstolo Página 28
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO O plano varia de acordo com o tipo de cada entidade e não pode ser rígido e inflexível,devendo permitir as alterações que se mostrarem necessárias por ocasião de sua utilização, poisa rápida evolução da economia moderna gera constantes modificações e aperfeiçoamentos nalegislação comercial e fiscal, bem como nas normas e métodos que regulam a atividadeempresarial, o que exige a criação de novas contas, o cancelamento de algumas e odesdobramento de outras, de modo que os registros acompanhem a evolução dos fatos epermitam a constante atualização dos acontecimentos.ATOS E FATOS ADMINISTRATIVOS O conjunto de acontecimentos que constituem a dinâmica patrimonial é proveniente dosatos e fatos administrativos.Atos Administrativos: são as ocorrências que não alteram diretamente o patrimônio. Ex.Admissão e demissão de funcionários e solicitação de mercadoria.Fatos Administrativos: são todas as ocorrências que alteram o patrimônio permutando os seusvalores ou modificando o patrimônio líquido. A Contabilidade tem como conteúdo o estudo e oregistro contábil dos fatos administrativos e através dos demonstrativos contábeis pode conhecerseus efeitos sobre o patrimônio. Os fatos administrativos podem ser: permutativos emodificativos. Permutativos: são os fatos que provocam variações específicas, permutando os elementos do ativo e do passivo, sem alterar a situação líquida. Este fato altera a qualidade do patrimônio. Ex: compra de um veículo a vista (+A -A), pagamento de uma dívida (-A –P). Modificativos: são os fatos que produzem alteração na situação líquida do patrimônio, ora diminuindo-o, ora aumentado-o. Assim, os fatos modificativos podem ser aumentativos e diminutivos. Ex: despesa a vista (-A -PL) diminutivo Receitas em geral (+A + PL) aumentativoEXEMPLO DE PLANO DE CONTAS A seguir apresentamos um exemplo de plano de contas, que com as devidasadaptações, pode ser utilizado por empresas industriais, comerciais ou prestadoras de serviços.1. ATIVO1.1 Ativo Circulante1.1.1 Disponível Cáritas São Pedro Apóstolo Página 29
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO1.1.1.01 Caixa1.1.1.02 Banco c/Movimento1.1.1.02.01 Banco X1.1.1.02.02 Banco Y1.1.1.03 Aplicação de Liquidez Imediata1.1.1.04 Cheques em Cobrança1.1.1.05 Numerários em Trânsito1.1.2 Realizável a Curto Prazo1.1.2.01 Duplicatas a Receber1.1.2.02 (-) Duplicatas Descontadas1.1.2.03 (-) Provisão p/Devedores Duvidosos1.1.2.04 Impostos a Recuperar1.1.2.04.01 ICMS a Recuperar1.1.2.05 Cheques a Receber1.1.2.06 Adiantamento a Fornecedores1.1.2.07 Adiantamento a Empregados1.1.3 Estoque1.1.3.01 Matérias - Primas1.1.3.02 Material Secundário1.1.3.03 Produtos em Elaboração1.1.3.04 Produtos Acabados1.1.3.05 Mercadorias1.1.3.06 Material de Expediente1.1.4 Despesas Antecipadas1.1.4.01 Seguros a Vencer1.1.4.02 Encargos Financeiros a Apropriar1.1.4.03 Assinaturas e Anuidades1.2 Ativo Realizável a Longo Prazo1.2.1 Duplicatas a Receber1.2.2 (-) Duplicatas Descontadas1.2.3 (-) Provisão p/Devedores Duvidosos1.2.4 Adiantamentos a Sócios1.2.5 Adiantamentos a Acionistas1.2.6 Empréstimos a Coligadas1.2.7 Empréstimos a Controladas1.3 Ativo Permanente1.3.1 Investimentos1.3.1.01 Ações de Controladas1.3.1.02 Ações de Coligadas1.3.1.03 Ações de Outras Empresas1.3.1.04 Imóveis p/Alugar1.3.1.05 Objetos de Arte1.3.2 Imobilizado1.3.2.01 Imóveis1.3.2.02 Móveis e Utensílios1.3.2.03 Veículos1.3.2.04 Embarcações1.3.2.05 Máquinas e Equipamentos1.3.2.06 (-)Depreciação Acumulada1.3.2.07 Direitos Autorais1.3.2.08 (-) Amortização Acumulada1.3.2.09 Terrenos1.3.2.10 (-) Exaustão1.3.3 Diferido Cáritas São Pedro Apóstolo Página 30
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO1.3.3.01 Custos Pré-Operacionais1.3.3.02 Gastos c/Estudos e Projetos1.3.3.03 Gastos c/ Modernização2. PASSIVO2.1 Passivo Circulante2.1.1 Fornecedores2.1.2 Duplicatas a Pagar2.1.3 Salários a Pagar2.1.4 INSS a Recolher2.1.5 FGTS a Recolher2.1.6 Provisão p/ 13º Salário2.1.7 Dividendos a Pagar2.1.8 Imposto de Renda a Recolher2.1.9 Contribuição Social a Recolher2.1.10 Provisão p/ Férias2.1.11 ICMS a Recolher2.1.12 PIS a Recolher2.1.13 COFINS a Recolher2.1.14 Empréstimos Bancários2.2 Passivo Exigível a Longo Prazo2.2.1 Adiantamento de Sócios2.2.2 Adiantamento de Acionistas2.2.3 Empréstimos de Coligadas2.2.4 Empréstimos de Controladas2.3 Resultado de Exercício Futuro2.3.1 Receitas Antecipadas2.3.2 (-) Custos Atribuídos as Receitas Diferidas2.4 Patrimônio Líquido2.4.1 Capital Social2.4.2 Reservas de Capital2.4.2.01 Reservas da Correção Monetária do Capital2.4.3 Reservas de Reavaliação2.4.4 Reservas de Lucros2.4.4.01 Reserva Legal2.4.5 Lucro Acumulado2.4.6 (-) Prejuízo Acumulado2.4.7 (-) Ações em Tesouraria3. RECEITAS3.1 Receitas Operacionais3.1.1 Vendas3.1.1.01 Receita de Vendas de Produtos3.1.1.02 Receita de Vendas de Mercadorias3.1.1.03 Receita de Prestação de Serviços3.1.2 Financeiras3.1.2.01 Juros Ativos3.1.2.02 Juros de Aplicações Financeiras3.1.2.03 Descontos Obtidos3.1.2.04 Variação Monetária Ativa3.1.3 Outras Receitas Operacionais3.1.3.01 Alugueis e Arrendamentos3.1.3.02 Vendas Acessórias Cáritas São Pedro Apóstolo Página 31
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO3.1.3.03 Dividendos e Lucros Recebidos3.2 Receitas Não operacionais3.2.1 Diversas3.2.1.01 Lucro na Venda de Bens3.2.1.02 Lucro na Alienação de Imóveis3.2.1.03 Lucro na Alienação de Veículos3.2.1.03 Lucro na Alienação de Móveis e Utensílios3.2.1.03 Indenizações Recebidas4. DESPESAS4.1 Despesas Operacionais4.1.1 Despesas Administrativas4.1.1.01 Honorários da Diretoria4.1.1.02 Salários e Ordenados4.1.1.03 Encargos Sociais4.1.1.04 Energia Elétrica4.1.1.05 Material de Expediente4.1.1.06 Indenizações e Aviso Prévio4.1.1.07 Manutenção e Reparos4.1.1.08 Serviços Prestados por Terceiros4.1.1.09 Seguros4.1.1.10 Telefone4.1.1.11 Propaganda e Publicidade4.1.2 Despesas com Vendas4.1.2.01 Honorários da Diretoria4.1.2.02 Salários e Ordenados4.1.2.03 Encargos Sociais4.1.2.04 Energia Elétrica4.1.2.05 Material de Expediente4.1.2.06 Indenizações e Aviso Prévio4.1.2.07 Manutenção e Reparos4.1.2.08 Serviços Prestados por Terceiros4.1.2.09 Seguros4.1.2.10 Telefone4.1.1.11 Propaganda e Publicidade4.2 Despesas Não operacionais4.2.1. Perdas na Alienação de Imóveis4.2.2 Perdas na Alienação de Móveis e Utensílios Cáritas São Pedro Apóstolo Página 32
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO4.2.3 Perdas na Alienação de Veículos4.2.3 Outras Baixas do Ativo Permanente4.2.4 Provisões para Perdas PermanentesESCRITURAÇÃOCONCEITOS É a técnica utilizada pela contabilidade para registrar, em ordem cronológica, todos osfatos administrativos que ocorrem no patrimônio das entidades, para fornecer informações sobrea composição do patrimônio e as variações nele ocorridas em determinado período. É o registro dos fatos contábeis, segundo os princípios e normas técnico-contábeis,tendo em vista demonstrar a situação econômico-patrimonial da entidade e os resultadoseconômicos por ela obtidos em um exercício. (Hilário Franco)MÉTODO DE ESCRITURAÇÃO O método de escrituração constitui-se em um conjunto de regras observadas comuniformidade para o registro dos fatos administrativos. Muitas tentativas de escrituração foram sendo elaboradas, ao longo dos séculos, pararegistrar os fatos contábeis até que, em 1949, em Veneza, através da publicação da obra“Tratatus Particularis de Computis et Scripturis” (Tratado Particular de Conta e Escrituração), ofrei e matemático Luca Paccioli, divulgou o método das “Partidas Dobradas”, que se mostrouo mais adequado, produzindo informações úteis e capazes de atender a todas as necessidadesdos usuários para gerir o patrimônio, tornando-se um marco na evolução contábil. O método das “Partidas Dobradas” consiste no princípio no qual para todo débito emuma conta, existe simultaneamente um crédito, da mesma maneira que a soma do débito seráigual a soma do crédito, assim como a soma dos saldos devedores será igual a soma dos saldoscredores.PROCESSOS DE ESCRITURAÇÃO Existem diversas maneiras para registrar os fatos administrativos na contabilidade, taiscomo: manual (escrituração manuscrita), maquinizada (efetuada em máquinas datilográficascomuns) e eletrônica (com a utilização de programas de computador). Cáritas São Pedro Apóstolo Página 33
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO No processo eletrônico os lançamentos são introduzidos por digitação e processados porprograma de computador, que poderá a qualquer tempo fornecer informações contábeis, taiscomo: o saldo e a movimentação das contas, cálculo de impostos e de encargos sociais, folhasde pagamentos, balancetes de verificação, demonstrativos contábeis, entre outros. É o maismoderno e utilizado, atualmente, pelas empresas, principalmente as de médio e de grandeportes, por movimentarem centenas ou milhares de operações por dia (exige pessoal altamenteespecializado).LIVROS DE ESCRITURAÇÃO Para registrar os fatos contábeis ocorridos no patrimônio e atender as obrigações daslegislações: comercial, tributária, trabalhista e/ou previdenciária, as empresas, seja qual for suanatureza jurídica, utilizam diversos livros de escrituração que podem ser classificados em:Quanto à Necessidade de Manutenção: Obrigatórios: exigidos por lei. Ex: Diário, todos os livros fiscais exigidos pela legislação federal, estadual e municipal, os livros exigidos pela Lei nº 6.404/76 das Sociedades Anônimas. Facultativos: criados para prestar maior clareza e controle dos registros contábeis. Ex: Razão, Caixa, Bancos, Fornecedores, Controle de Estoques.Quanto à Utilidade: Principais: registram todos os fatos ocorridos, constituindo–se no centro de informação. Ex: Diário e Razão. Auxiliares: servem para desdobrar os registros constantes nos livros principais. Ex: Caixa, Conta Corrente, Livro de Duplicatas.Quanto à Natureza: Cronológicos: registram as datas de ocorrências dos fatos em ordem rigorosa. Ex: Diário, Caixa. Sistemáticos: registram os fatos separadamente por espécie, ou seja, por conta. Ex: Razão, Conta Corrente. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 34
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOLANÇAMENTOS É o registro dos fatos contábeis realizado através do método das partidas dobradas,sendo a partida devedora representada pela aplicação do recurso e a partida credora sendorepresentada pela origem do recurso.D: AplicaçãoC: Origem Os lançamentos atendem a duas funções: histórica que consiste na narração do fato emordem cronológica (dia, mês, ano e local) e monetária que compreende o registro da expressãomonetária dos fatos e o seu agrupamento conforme a natureza de cada um. E devem serescriturados de acordo com algumas disposições técnicas, tais como: evidenciar o local e a datado registro, a(s) conta(s) debitada(s), a(s) conta(s) creditada(s), o histórico da operação e o valorda operação.Ex: Compra de mercadorias à vista, em Belém (PA), no dia 10 de agosto de 2002, da Cia. dasMáquinas, conforme nota fiscal nº 666, no valor de R$ 35.000,00.Lançamento:Belém (PA), 10 de agosto de 2002.Mercadoriasa Caixa 35.000,00Compra de mercadorias à vista, conforme nota fiscal nº 666, da Cia. das Máquinas.FÓRMULAS DE LANÇAMENTOS Há 04 (quatro) fórmulas para registrar os fatos contábeis, de acordo com o número decontas debitadas e creditadas.1º Fórmula: uma conta debitada e outra creditada;Ex: Recebimento, em dinheiro, de duplicatas no valor de R$ 4.000,00D: CaixaC: Duplicatas a Receber 4.000,002º Fórmula: uma conta debita e mais de uma conta creditada. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 35
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOEx: Recebimento, em dinheiro, de duplicatas no valor de R$ 4.000,00, mais 10% de jurosdevido ao atraso no pagamento efetuado pelo cliente.D: Caixa 4.400,00C: Duplicatas a Receber 4.000,00C: Juros Ativos 400,003º Fórmula: mais de uma conta debitada e uma conta creditada.Ex: Pagamento de fornecedores, em dinheiro no valor de R$ 4.000,00 mais juros de 10% devidoao atraso no pagamento.D: Fornecedores 4.000,00D: Juros Passivos 400,00C: Caixa 4.400,004º Fórmula: mais de uma conta debitada e mais de uma conta creditada.Ex: Compra de mercadorias no valor de R$ 2.000,00 e de móveis e utensílios no valor de R$3.000,00, com pagamento de 50% à vista e o restante à prazo.D: Mercadorias 2.000,00D: Móveis e Utensílios 3.000,00 5.000,00C: Caixa 2.500,00C: Duplicatas a Pagar 2.500,00 5.000,00TÉCNICAS DE CORREÇÃO DOS ERROS DE ESCRITURAÇÃO Os erros de escrituração devem ser corrigidos mediante retificação de lançamentoatravés de estorno, complementação e transferência.Estorno: é utilizado quando ocorre a duplicidade de um mesmo lançamento contábil ou por errode lançamento da conta debitada ou da conta creditada.Complementação: é efetuada para corrigir o valor anteriormente registrado, aumentando-o oureduzindo-o.Transferência: regulariza o lançamento da conta debitada ou creditada indevidamente, atravésda transposição do valor para a conta adequada.Obs.: Os lançamentos realizados fora da época devida deverão registrar nos seus históricos, asdatas de sua efetiva ocorrência e o(s) motivo(s) do atraso.Exemplos de erros de lançamentos: 1- Erros de valor: Pago despesa com salários no valor de R$ 2.000,00, em dinheiro. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 36
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Incorreto D: Despesas c/ Salários C: Caixa ...................................................200,00 Correto D: Despesas c/Salários C: Caixa ...................................................1.800,00 2- Troca de contas: Compra de matéria-prima, à vista, por R$ 8.650,00. Incorreto D: Matéria-prima C: Fornecedores ........................................ 8.650,00 Correto D: Fornecedores C: Caixa ......................................................8.650,00 3- Inversão de contas: Compra de um equipamento, à vista, por R$ 14.000,00. Incorreto D: Caixa C: Equipamentos ....................................... 14.000,00 Cancelamento do Incorreto D: Equipamentos C: Caixa ...................................................... 14.000,00 Correto D: Equipamentos C: Caixa ...................................................... 14.000,00EXERCÍCIO ECONÔMICOA atividade de gestão administrativa das entidades é contínua, mas é necessário estabelecerperíodos, geralmente, de um ano, coincidindo com o ano civil, para obter informações sobre asituação patrimonial, econômica e financeira em determinados períodos.A Lei nº 6.404/76 que regulamenta as entidades constituídas em forma de sociedades por ações(S/A), estabelece que seus balanços devam ter periodicidade de um ano, sem fixar a época emque devem iniciar e terminar os períodos administrativos.A legislação do imposto de renda estabelece que os balanços apresentados com base nopagamento do imposto devem compreender o período de doze meses e encerrar-se no dia 31 de Cáritas São Pedro Apóstolo Página 37
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOdezembro de cada ano, podendo esse período ser inferior a doze meses, caso a entidade tenhasido constituída no decorrer do ano-calendário.O Banco Central exige que os bancos apresentem balanços a cada seis meses, embora seusexercícios sociais continuem por 12 meses. Dá-se o nome de exercício ao período no qual são registrados os fatos contábeis, geralmentecoincidindo com o ano civil, período em que se inicia, desenvolve e conclui a ação daadministração patrimonial. Exercício econômico: é o período de gestão em que são registrados os fatos de naturezaeconômica para informar sobre o resultado do desempenho administrativo, evidenciando lucroou prejuízo. As entidades sem fins lucrativos nas quais predominam registros contábeis depagamentos e de recebimentos, tais como: a União, os Estados e os Municípios, trabalham como período administrativo de gestão denominado exercício financeiro.OPERAÇÕES COM MERCADORIAS As empresas comerciais têm por finalidade a aquisição de mercadorias para revendaservindo como intermediárias nas trocas entre fornecedores e clientes. O controle da evoluçãodo patrimônio dessas empresas é realizado pela Contabilidade Comercial que registra através delançamentos todas as operações relacionadas com compras e vendas de mercadorias, despesasacessórias, descontos ou abatimentos incondicionais, devoluções e incidência de impostos, taiscomo: o Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS).Compra de Mercadorias As compras de mercadorias podem ser realizadas à vista ou a prazo. Nas compras àvista o pagamento é realizado no ato, enquanto nas compras a prazo, cria-se uma obrigação depagamento futuro.Ex.: Compra de mercadorias, à vista, no valor de R$ 460,00, conforme nota fiscal nº 0526 deNeves & Pontes Ltda. Mercadorias a Caixa 460,00 Compra de mercadorias, conforme nota fiscal nº 0526, de Neves & Pontes Ltda.Venda de Mercadorias As vendas de mercadorias, assim como as compras, também podem ser realizadas àvista ou a prazo, constituído-se na principal fonte de receitas das empresas comerciais.Ex.: Venda de mercadorias, à vista, conforme nossa nota fiscal nº 325, no valor de R$ 230,00. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 38
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Caixa a Venda de Mercadorias 230,00 Conforme nossa nota fiscal nº 325Despesas Acessórias As compras de mercadorias podem ter seu custo aumentado pela ocorrência de despesasacessórias, como o valor de fretes e seguros, quando pagas pelo destinatário (comprador),sendo, geralmente, destacadas ema nota fiscal.Ex.: Compra de mercadorias, à vista, no valor de R$ 840,00, conforme nota fiscal nº 0415 deSilva & Souza Ltda. As mercadorias foram transportadas por R.J.J. Transportes Ltda., pelovalor de R$ 36,00, correspondentes a fretes e seguros, conforme nota fiscal de serviços etransportes nº 03814 e apólice de seguro nº 5638. Mercadorias a Caixa 840,00 Compra de mercadorias, conforme nota fiscal nº 0415, de Silva & Souza Ltda. Fretes e Seguros a Caixa 36,00 Despesas com transporte sobre compras, igual a fretes mais seguros, pago à R.J.J. Transportes Ltda., conforme nota fiscal nº 03814 e apólice nº 5638. Mercadorias a Fretes e Seguros 36,00 Correspondentes a fretes e seguros pagos na compra supra que se transferem para integrar o custo de aquisição.Descontos ou Abatimentos Incondicionais O valor das mercadorias pode ser reduzido pela obtenção de descontos ou abatimentosincondicionais, destacados em nota fiscal e não dependentes, para sua concessão, de eventoposterior à emissão desse documento.Obs.: Quando a nota fiscal destacar o desconto ou abatimento incondicional e o valor total danota fiscal já estiver deduzido do valor do desconto, não é obrigatória sua contabilização.Ex.: Compra de mercadorias, à vista, no valor de R$ 760,00, conforme nota fiscal nº 2489, deNeves & Alves Ltda., com desconto incondicional no valor de R$ 60,00. Mercadorias a Diversos Conforme nota fiscal nº 2489, de Neves & Alves Cáritas São Pedro Apóstolo Página 39
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Ltda., como segue: a Caixa Valor da nota fiscal supra 760,00 a Descontos Incondicionais Obtidos Conforme destaque na nota fiscal supra 60,00 700,00Devolução de Compras e de Vendas Após a realização de uma compra ou de uma venda, pode ocorrer sua anulação parcialou total por diversos motivos, tais como: problemas financeiros do comprador, defeitos nasmercadorias, entre outros motivos desconhecidos no momento da aquisição ou da venda,ocasionando sua devolução.Ex.: Devolução de compras correspondente ao valor total da nota fiscal nº 0225 de Mendes &Silva Ltda. Caixa a Devolução de Compras 830,00 Devolução de compras conforme nota fiscal nº 0225 de Mendes & Silva Ltda.Ex.: Devolução de vendas efetuadas no dia 29.07.2002, correspondente ao valor total de nossanota fiscal nº 04106. Devolução de Vendas a Caixa 540,00 Mercadorias recebidas em devolução, conforme nota fiscal nº 04256, correspondente a venda efetuada em 29.07.2002, através de nossa nota fiscal nº 04106.ICMS Incidente sobre Vendas O Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre a Prestaçãode Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS, é umimposto de competência estadual, incidente sobre as atividades de circulação de mercadorias esobre a prestação de alguns serviços específicos como o transporte interestadual eintermunicipal, comunicação e energia elétrica. O ICMS é calculado mediante aplicação de uma alíquota (porcentagem) sobre o valordas mercadorias ou dos serviços. Esta alíquota é estabelecida de acordo com o tipo demercadoria ou do serviço, sua origem e sua destinação. No Pará a alíquota, atualmente, é de17%. A base de cálculo do ICMS é o valor da mercadoria ou serviço registrado na nota fiscal. O ICMS é um imposto não cumulativo, pois o valor pago em uma operação deve sercompensado no valor do imposto a pagar na operação seguinte. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 40
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOEx.: A empresa Neves & Pontes Ltda. comprou, à vista, mercadorias para revenda, de Silva &Souza Ltda., conforme nota fiscal nº 00118, no valor de R$ 400,00, com o ICMS destacado novalor de R$ 68,00. Diversos a Caixa Compra de mercadorias, conforme nota fiscal nº 00118 de Silva & Souza Ltda. Mercadorias Valor líquido da compra. 332,00 ICMS a Recuperar Valor do ICMS destacado pela alíquota de 17%. 68,00 400,00Ex. A empresa Neves & Pontes Ltda., vendeu mercadorias, à vista, por R$ 600,00, conformenota fiscal nº 515, no valor de R$ 600,00, com o ICMS destacado no valor de R$ 102,00. Caixa a Venda de Mercadorias Conforme nossa nota fiscal nº 00118 600,00 ICMS sobre Vendas a ICMS a Recuperar Valor do ICMS destacado pela alíquota de 17%. 102,00 GESTÃO FINANCEIRAQuando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ouespecialista, conforme o caso.Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e comboas referências quanto a sua capacidade profissional.Ao chegarmos ao consultório, o primeiropasso é expor para o médico os sintomas da doença que nos atinge.Em seguida, esse médico iráfazer uma série de perguntas, tais como: idade, hábitos alimentares, se você pratica algum tipode esporte, aspectos relacionados com a profissão, convivência familiar, etc. Em alguns casos, énecessário efetuarmos alguns exames laboratoriais, que certamente irão ajudar o médico adiagnosticar a causa da doença em questão. Depois de realizar o diagnóstico, o médicorecomenda um tratamento para solucionar os problemas de saúde apresentados. Não restadúvida de que a decisão de aceitar ou não o tratamento sugerido pelo médico é por nossa conta.Após algum tempo retornamos ao médico para que o mesmo possa avaliar se o tratamentorecomendado está surtindo os resultados esperados. E, finalmente se o tratamento foi adequado,ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando.No campo empresarial a situação é quase idêntica, você sabia?Quando uma empresa está sentindo algum tipo de dificuldade, ou, então, está com alguma“doença empresarial”, procura ajuda de um profissional, normalmente um consultor ou umprofissional qualificado que possa ajudá-la a solucionar esses problemas. Esses profissionais,são selecionados normalmente por intermédio de boas referências e experiências na resoluçãode problemas empresariais.No primeiro contato, o gestor da empresa expõe o problema e o consultor, por meio de técnicase procedimentos adequados, avalia a situação apresentada, efetua um diagnóstico e propõe umplano de ação visando solucionar os problemas empresariais apresentados. A decisão é do gestorda empresa de aceitar ou não o plano de ação proposto. Caso concorde, o passo seguinte é aimplantação do plano de ação e avaliação dos resultados. O caso da loja de confecção da dona Marieta da Moda Cáritas São Pedro Apóstolo Página 41
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVODona Marieta da Moda, proprietária da loja de confecção Marieta Fashion, tem observado nosúltimos meses que sua empresa não tem apresentado resultados satisfatórios, ou seja, sua contacorrente no banco está negativa, e, em alguns casos, não está conseguindo pagar os seusfornecedores em dia.Depois de consultar alguns amigos e familiares, resolveu buscar ajuda com um Consultorfinanceiro, Sr. Tobias.Bom dia, Sr. Tobias!– Bom dia, dona Marieta! Tudo bem? Como andam os negócios?– Eu não sei o que está realmente acontecendo com as finançasda minha loja. Estou usando o limite do cheque especial, e ainda encontro dificuldade paraliquidar algumas contas.– Dona Marieta, gostaria de saber mais sobre a sua empresa...– Tenho uma loja no centro da cidade, onde vendo moda feminina. A minha empresa já tem trêsanos de funcionamento. Sabe de uma coisa, Sr. Tobias! Durante dois anos e meioaproximadamente, os negócios estavam caminhando bem. Consegui nesse período ampliar osmeus negócios. Nesse tempo aumentei os meus estoques de mercadorias, reformei totalmente oPrédio da loja e estava tendo uma retirada mensal equivalente dez salários mínimos. Aconteceque, nos últimos seis meses, a situação financeira da loja começou a ficar complicada.– Gostaria que a senhora me fornecesse algumas informações financeiras da sua empresa.Preciso saber qual é o seu faturamento médio, o montante das despesas mensais da loja,o valordas suas compras mensais e a sua margem de lucro.E dona Marieta explicou:– No ano passado, as vendas médias da minha loja eram de R$ 18.000,00 por mês. Atualmenteestá faturando R$12.000,00 por mês, as despesas da loja são de R$ 4.000,00, a minha retiradamensal é de R$ 2.000,00, as compras que eu faço ultimamente têm sido no valor de R$ 8.500,00por mês e a margem de lucro é de 60%. Pelas contas que fiz teria que sobrar um lucro líquidode R$ 1.200,00 por mês. Mas acontece que estou com a conta bancária negativa, tenhoatrasado o pagamento de alguns fornecedores... Cada dia me Estou bastante preocupo com asituação da empresa.– Precisamos refazer alguns cálculos e analisar a situação econômica e financeira da suaempresa, dona Marieta! Normalmente, quando uma empresa está sem caixa para pagar seuscompromissos, provavelmente os prejuízos vão se tornar constantes. Mas, para temos certezada real situação da empresa, é necessário coletar outras informações, analisar todos os dadosdisponíveis e, em seguida, diagnosticar a situação financeira da empresa. Está bem assim, donaMarieta?E, dona Marietta, bastante pensativa, desabafou:– Sr. Tobias, eu só tenho a minha loja como fonte de renda e gosto muito do que faço. Desejomuito salvá-la dessa situação complicada e difícil. Portanto, o Senhor faça o que for preciso,que da minha parte prometo seguir as orientações sugeridas. Depois de efetuar alguns cálculospor meio das informações fornecidas pela dona Marieta, o Sr. Tobias quis mais informaçõessobre a margem de lucro da loja.– Sr. Tobias, o cálculo que eu faço para calcular o preço de venda e determinar o lucro brutoda minha empresa é o seguinte. Uma peça que compro a R$ 10,00, por exemplo, aplico60% e vendo a mesma peça a R$ 16,00. Esse cálculo é feito com a maioria dos produtoscomercializados. Se estou vendendo R$ 12.000,00 por mês, o meu lucro bruto mensal é deR$ 7.200,00 (60% de R$ 12.000,00), deduzindo as despesas da loja de R$ 4.000,00, mais asminhas despesas pessoais de R$ 2.000,00 sobram $1.200,00 de lucro líquido. Mas, infelizmente,não sei aonde está indo esse dinheiro!– Agora sei por que sua loja não tem caixa para pagar os compromissos em dia... O prejuízomensal de sua loja, de acordo com os números fornecidos, é de R$ 1.500,00.Espantada, dona Marieta falou:– Gostaria de entender como foi que o Senhor encontrou esse prejuízo de R$ 1.500,00 por mês.Se isso for verdade, tenho que tomar providências urgentes.– Perfeitamente, dona Marieta! Observe esses cálculos: Cáritas São Pedro Apóstolo Página 42
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO– Sua margem de lucro bruta não é de 60% e sim de37,50%. Vou explicar melhor.O produto que custou R$ 10,00 e foi vendido por R$ 16,00proporcionou um lucro bruto de R$ 6,00, que corresponde a 37,50% sobre o preço de vendaefetuado.Para facilitar esse cálculo, você pode utilizar uma fórmula matemática bastantesimples, que irei demonstrar a seguir:Margem de lucro = preço de venda (-) custo da mercadoria vendida dividido novamente pelopreço de venda e, em seguida,multiplicado por 100. Observe a fórmula com os númerosabaixo.R$ 16,00 (-) R$ 10,00 : R$ 16,00 = 0,3750, multiplicando o resultado encontrado por 100,obteremos a margem de lucro de 37,50%. Sabendo que a margem de lucro é de 37,50%,aplicando esse índice no faturamento da empresa, que é de R$ 12.000,00,iremos encontrar ovalor correspondente ao lucro bruto da empresa,que é de R$ 4.500,00. O valor das despesastotais da loja é de R$ 6.000,00, resultando assim um prejuízo de R$1.500,00.Portanto, se a empresa está tendo prejuízo, ela não consegue gerar caixa para honrar seuscompromissos em dia. A causa do prejuízo foi à queda nas vendas, o que representou umaumento relativo das despesas. Quando as vendas eram de R$18.000,00, a despesa total de R$6.000,00 representava 33% das vendas, agora essa mesma despesa representa 50% das vendasatuais.Para a empresa voltar a dar lucro, é necessário que o volume das vendas seja suficiente paracobrir todas as despesas. A estratégia nesse caso seria: aumentar o volume de vendas e/oudiminuir as despesas.Outro aspecto relevante que está ocasionando a falta de liquidez (caixa) éo excesso de compras em relação ao volume de vendas atuais. O volume de compras em funçãodas vendas atuais deveria ser em torno de R$ 7.500,00, no entanto as compras atuais da lojasão de R$ 8.500,00, gerando um excesso de R$ 1.000,00.Recomendamos alguns procedimentose controles financeiros,para possibilitar a adequada gestão financeira da sua empresa,donaMarieta.Portanto, dona Marieta e o leitor estão convidados a acompanhar nossas orientaçõescom o objetivo de melhorar a Gestão Financeira de uma atividade comercial de pequeno porte. Proposta de uma Gestão Financeira para uma atividade comercial de pequeno portePara uma empresa sobreviver e manter-se num mercado cada vez mais competitivo torna-senecessário que o empresário tome suas decisões apoiadas em informações precisas eatualizadas. Evidentemente que nesse trabalho estamos enfocando a área financeira, noentanto, as outras áreas da empresa merecem toda a atenção por parte do empresário. Paragerenciar com eficiência a área financeira de qualquer empresa torna-se necessário implantaralguns relatórios gerenciais, como alguns indicadores de desempenho para que se faça oacompanhamento periódico da sua performance. Os principais relatórios gerenciais da áreafinanceira são os seguintes:• Controle das Vendas Realizadas• Apuração dos Resultados da Empresa• Controle de Caixa do Movimento Realizado• Fluxo de Caixa• Balanço GerencialE os principais indicadores financeiros são:• Lucratividade sobre as vendas• Rentabilidade dos negócios• Poder de pagamento da empresa• Nível de endividamento da empresa• Margem de Contribuição• Ponto de EquilíbrioCom o objetivo de orientar o empresário a obter as informações necessárias da área financeirade sua empresa, apresentaremos alguns modelos de relatórios gerenciais. Pelas informações Cáritas São Pedro Apóstolo Página 43
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOapuradas nos relatórios gerenciais, iremos sugerir alguns indicadores financeiros, como a formade interpretá-los. Relatórios Gerenciais da Área Financeira1. Controle de Vendas RealizadasNormalmente, o proprietário de um pequeno comércio conhece o valor das vendas realizadas nomês. No entanto, conhecer apenas o montante vendido do mês encerrado, é uma informaçãoincompleta, pois torna-se necessário conhecer qual foi o lucro gerado, como a margem de ganhonas vendas realizadas. Tais informações são necessárias para facilitar a análise do desempenhoda empresa com relação às suas vendas, custos e lucro.Neste trabalho, estamos sugerindo um relatório gerencial denominado “Controle de VendasRealizadas”, que tem por objetivo informar as vendas diárias realizadas, os custos dasmercadorias vendidas, o lucro bruto e a margem de lucro sobre as vendas registradas.Recomendamos que esse controle seja feito diariamente até o término do mês. O objetivo desserelatório é informar as vendas diárias realizadas, os custos das mercadorias vendidas, o lucrobruto e margem bruta sobre as vendas de um determinado período, normalmente um mês.Informações importantes:• Os valores correspondentes às vendas da coluna (3) são independentes da forma derecebimento, ou seja, a vista ou a prazo• Os custos das vendas da coluna (4) correspondem ao valor da aquisição da mercadoriavendida, independentemente do pagamento da mesma. Para tanto, torna-se necessário a cadavenda realizada identificar o custo correspondente. Evidentemente, para as empresas quepossuem controles de estoques informatizados, esse relatório provavelmente é gerado pelopróprio sistema.• O lucro bruto é a diferença entre o valor da venda realizada e o custo da mercadoria vendida• A margem de lucro tem a finalidade de demonstrar qual foi o percentual de ganho sobre ovalor da venda de cada produto feito pela empresa.• As informações contidas neste relatório financeiro serão de grande utilidade na elaboração deoutros controles financeiros necessários à gestão financeira da empresa2. Apuração de resultados da empresaO objetivo deste relatório é apurar o resultado líquido mensal da empresa. O resultado líquidomensal é o valor das vendas menos o custo das mercadorias vendidas e as despesas da empresa.Ressaltamos que a retirada dos sócios (pró-labore) se constitui numa despesada empresa, não devendo ser confundido com o lucro líquido. Apresentamos abaixo um modelode um relatório para apuração do resultado líquido mensal. O objetivo deste relatório é apurar oresultado operacional da empresa.Este controle financeiro deverá ser elaborado mensalmente.Informações importantes• Os valores correspondentes às vendas item 1 são obtidos através do relatório gerencialControle de Vendas Realizadas• Os custos das mercadorias vendidas item 2 também são extraídos do relatório gerencialControle de Vendas Realizadas• O lucro bruto item 3 é a diferença entre as vendas e os custos das mercadorias• As despesas variáveis item 4 são gastos que surgem no momentoda realização da venda das mercadorias. As despesas variáveis são proporcionais ao volume devenda. As principais despesas variáveis de uma loja de confecção são os impostos sobre asvendas (Simples Federal, Simples Paulista, ICMS etc.) e comissões dos vendedores. Quando setratar de uma franquia, poderá também ocorrer pagamento de royalties Cáritas São Pedro Apóstolo Página 44
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO• A margem de contribuição item 5 é a diferença entre o lucro bruto menos as despesasvariáveis. O montante da margem de contribuição deverá ser superior as despesas fixas efinanceiras para gerar o lucro.• As despesas fixas item 6 são os gastos com a estrutura da empresa, necessários para o seufuncionamento, por exemplo, aluguel e condomínio, contas de água, luz e telefone, salários eencargos sociais, pró-labore, honorários do contador etc.• As despesas financeiras item 7 são referentes aos juros pagos pelaempresa, em virtude de empréstimos bancários, descontos de chequese/ou duplicatas. As taxas de administração cobradas através das vendas realizadas com cartõesde crédito poderão ser incluídas como despesas financeiras.• O resultado líquido item 8, quando positivo, revela que a empresa gerou lucro, ao contrário,quando o resultado apurado for negativo, significa que a empresa fechou o mês com prejuízo.3. Controle de Caixa do Movimento RealizadoO objetivo do Controle de Caixa é registrar as entradas e saídas realizadas de recursosfinanceiros e apurar o saldo disponível. Este controle financeiro deverá ser feito diariamente.Controle de Caixa do Movimento Realizado – outubro 2001Informações importantes• O valor do saldo inicial do item 1 deve corresponder aos recursos financeiros existentes, sejamem dinheiro, cheques, e também os saldos em conta corrente do banco• As entradas de caixa do item 2 correspondem aos valores recebidos, referentes às vendas àvista realizadas pela empresa. Com relação aos recebimentos de clientes, devem ser informadosos valores correspondentes a duplicatas recebidas, cheques pré-datados e vendas realizadas pormeio de cartão de crédito. Com relação ao valor das outras entradas, trata-se de juros recebidosde clientes por terem pago alguma conta com atraso, ou, então, juros referentes à aplicação desobras de caixa no mercado financeiro;• As saídas de caixa item 3 referem-se aos pagamentos efetuados pela empresa aos fornecedoresde mercadorias, ou, então, pagamentos das despesas operacionais necessárias para manter aatividade empresarial, tais como contas de água, luz e telefone, salários e comissões devendedores, aluguel do prédio etc. No caso de outras saídas de caixa, podem ser amortização dedívidas com fisco, bancos etc.• O saldo final e o lucro líquido são valores diferentes e não compatíveis.4. Fluxo de Caixa – novembro 2002O objetivo do Controle de Caixa é registrar as entradas e saídas previstas de recursos financeirose apurar o saldo disponível previsto. Este controle financeiro deverá ser feito diariamente.Informações importantesAs considerações a ser feitas com relação ao fluxo de caixa ocorrem como as mesmas feitascom relação ao Controle de Movimento de Caixa, porém sempre pensando em entradas e saídasde caixa no futuro, ou seja, todas as entradas e saídas são previstas por um período de tempo, deacordo com o vencimento do recebimento de valores de clientes e dos pagamentos efetuados aosfornecedores e terceiros.5. Balanço gerencialO objetivo do Balanço Gerencial é demonstrar onde os recursos financeiros foram aplicados naempresa (Ativo), como também as fontes de recursos financeiros (Passivo + PatrimônioLíquido). O Ativo é composto por bens e direitos da empresa. O Passivo representa dívidas comterceiros e o Patrimônio Líquido (PL) os recursos financeiros dos sócios ou proprietáriosinvestidos na empresa.Considerações importantes Cáritas São Pedro Apóstolo Página 45
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO• O Balanço Gerencial é dividido em duas colunas: Ativo e Passivo. O Ativo representa asaplicações de recursos feitas na empresa. O Passivo revela as origens de recursos obtidos pelaempresa e que foram investidos no Ativo. Dessa maneira, o leitor pode observar que o total doAtivo sempre será igual ao total do Passivo, por uma razão bastante simples, todos os recursosfinanceiros que estão aplicados no Ativo, tiveram a sua origem no Passivo, ou seja, os recursosaplicados no Ativo estão sendo financiados pelos recursos dos sócios ou proprietários ou deterceiros;• Na composição do Ativo, o Disponível representa os recursos existentes no caixa e bancos àdisposição da empresa. Contas a Receber é composto por cheques pré-datados, duplicatas areceber, fatura de cartão de créditos, etc. Com relação aos estoques, os mesmos deverão seravaliados a preço de custo de aquisição.O Imobilizado é formado pelos bens utilizados pela empresa para manter a sua estruturaoperacional, por exemplo temos: instalações, prateleiras, expositores, balcão, computadores,vitrines, ar-condicionado, móveis e utensílios;• Na composição do Passivo, a conta Fornecedores representa as dívidas que a empresa tem comos fabricantes ou distribuidores de mercadorias. As Contas a Pagar representam as despesasincorridas pela empresa e que ainda não foram pagas, como podem ser citados: salários a pagar,impostos e encargos sociais a recolher, enfim, todos os compromissos assumidos com terceirosque deverão ser pagos nos vencimentos contratados. Empréstimos bancários referem-se acompromissos assumidos com os bancos, em virtude de terem tomados recursos financeirosemprestados das instituições financeiras;• O patrimônio líquido representa o capital inicial e os lucros acumulados durante a existênciada empresa e que pertencem aos proprietários do negócio. O patrimônio líquido representa asituação líquida da empresa, ou seja, é quanto de fato pertence aos sócios caso a empresaencerre suas atividades. O patrimônio líquido é apurado pela diferença feita entre o Ativo e oPassivo;• É importante lembrar que o Lucro Líquido faz o Patrimônio Líquido da empresa aumentar, aocontrário quando acontece um prejuízo o Patrimônio Líquido diminui. O valor do LucroLíquido não está necessariamente no caixa, podendo estar no aumento de qualquer um dosAtivos (estoques, contas a receber e imobilizado), ou na redução do Passivo (fornecedores,contas a pagar e empréstimos).Um outro detalhe importante é quando o Patrimônio Líquidodiminui de um período para outro. Isto significa que os sócios estão tendo prejuízos e, dessamaneira, seus recursos aplicados na empresa estão reduzindo-se. Esse fato pode ser observadona tabela acima, em que o Patrimônio Líquido no mês de outubro de 2001 era de R$23.750,00, já a situação líquida do mês de outubro de 2002 foi deR$ 22.250,00. Isso ocorreu pelo fato de a empresa ter tido um prejuízode R$ 1.500,00, conforme o relatório gerencial Apuração de Resultadosda Empresa no mês de outubro de 2001.Indicadores financeirosOs indicadores financeiros são índices apurados com os valores da empresa, com o objetivo deauxiliar o gestor ou proprietário da loja de confecção a fazer um acompanhamento da situaçãoeconômica e financeira num determinado momento.O gestor ou proprietário de uma loja de confecção, por meio dos indicadores financeiros, poderátomar as decisões gerenciais necessárias, visando corrigir os desvios que estão prejudicando aperformance dos negócios sob o ponto de vista financeiro.Existe uma grande quantidade deindicadores financeiros, no entanto iremos demonstrar aqueles que julgamos necessários, 15para que o leitor implante na sua empresa, faça uma avaliação dos mesmos, e tome as decisõesadequadas, visando manter a empresa com uma boa saúde econômica e financeira.1. Lucratividade sobre as vendasEsse indicador tem como objetivo demonstrar qual é a lucratividade da empresa, ou seja, opoder de ganho da empresa comparando o seu lucro líquido com relação ao seu montante devenda.Para calcular o índice de lucratividade sobre as vendas precisamos Cáritas São Pedro Apóstolo Página 46
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOdas informações contidas no relatório Apuração de Resultado da Empresa.A fórmula para calcular o índice de lucratividade é a seguinte:Fórmula: Resultado Líquido: vendasExemplo: R$ 1.440,00 : R$ 18.000,00 = 8%Nesse caso, a Lucratividade da empresa foi de 8%.De acordo com as informações apresentadas no relatório gerencial Apuração de Resultados daEmpresa do mês de outubro 2001, a Lucratividade da empresa foi de 8%, ou seja, para cada R$100,00 de venda realizada, a empresa obteve um ganho líquido de R$ 8,00 aproximadamente.Já no mês de outubro de 2002 a situação foi a seguinte, para R$ 100,00 de venda a empresaobteve uma perda R$ 12,50, ou seja, a empresa encerrou esse mês com prejuízos.Gostaríamos de informar ao leitor que o índice de lucratividade quanto maior, melhor paraempresa, sendo que o mesmo deve ser comparado com as empresas do mesmo setor.Consideramos uma lucratividade satisfatória para uma loja de confecção quando a mesmafica entre 5% e 10%.2. Rentabilidade dos negóciosTodo e qualquer empresário, independentemente do ramo de atividade empresarial, quandoinveste seus recursos financeiros num negócio, tem uma expectativa de obter um retorno o maisrápido possível dos seus investimentos. O indicador Rentabilidade dos Negóciostem a finalidade de demonstrar para o gestor ou proprietário de uma loja de confecção qual é oseu poder de ganho, ou retorno, sobre o capital investido na empresa. Um outro detalheimportante com relação à rentabilidade (poder de ganho) dos negócios é que existem doispontos de vista sobre essa questão, ou seja, podemos determinar a rentabilidade da empresa,como a rentabilidade dos proprietários do negócio.Para sabermos o poder de ganho da empresa, ou seja, a sua rentabilidade, basta dividirmos oresultado líquido (lucro líquido) pelo total do Ativo da empresa. Utilizando os valores contidosnos relatórios gerenciais apresentados, iremos determinar a Rentabilidade da empresa.16Fórmula: Resultado Líquido : Ativo TotalA Rentabilidade da empresa do mês de outubro de 2001 foi de:R$ 1.440,00 : R$ 40.000,00 = 4%A Rentabilidade da empresa do mês de outubro de 2002 foi de: (R$ 1.500,00) : R$ 41.500,00 =(3,61%). De acordo com o indicadores apresentado acima, podemos deduzir que a rentabilidadeda empresa do mês outubro foi de 4% ao mês, ou seja, para cada R$ 100,00 investidos nosativos da empresa foi gerado um retorno de R$ R$ 4,00 aproximadamente. A Rentabilidadeda empresa no mês de outubro 2002 foi deficitária, ou seja, a empresa teve um prejuízo de R$1.500,00. O índice foi de (3,61%), negativo. Sendo assim, para cada R$ 100,00 investidos noAtivo em outubro de 2002 a empresa teve uma perda de R$ 3,61 aproximadamente.Por outro lado, para sabermos a rentabilidade dos proprietários da empresa, ou seja, seu poderde ganho, basta dividirmos o resultado líquido (lucro líquido) pelo total do Patrimônio Líquido.Iremos utilizar os dados constantes nos relatórios gerenciais para determinar a Rentabilidade dosproprietários da empresa:Fórmula: Resultado Líquido : Total do Patrimônio Líquido Rentabilidade dos proprietários daempresa em outubro de 2001:R$ 1.440,00 : R$ 23.750,00 = 6,06% Rentabilidade dosproprietários da empresa em outubro de 2002:(R$ 1.500,00) : R$ 22.250,00 = (6,74%)De acordo com o indicador apresentado acima, podemos concluir que, no mês de outubro de2001, o poder de ganho dos proprietários da empresa foi de 6,06%, ou seja, para cada R$ 100,00investidos na empresa por parte dos sócios foi gerado um ganho de R$ 6,06 aproximadamente.Com relação ao mês de outubro de 2002 o poder dos proprietários da empresa foi negativo pelofato da empresa fechar o mês com um prejuízo de R$ 1.500,00. Sendo assim para cada R$100,00 dos proprietários investidos na empresa no referido mês gerou uma perda de R$ 6,74.3. Poder de Pagamento da Empresa Cáritas São Pedro Apóstolo Página 47
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOO indicador referente ao poder de pagamento da empresa está relacionado com a sua liquidez,ou seja, este indicador revela se a empresa tem condições de honrar os seus compromissosassumidos com terceiros em dia. Podemos analisar a liquidez (poder de pagamento) de umaempresa periodicamente através do relatório gerencial Fluxo de Caixa. Uma outra forma deanalisar o poder de pagamento (liquidez) de uma empresa é por meio de alguns indicadoresfinanceiros que iremos apresentar a seguir.Podemos analisar a liquidez (poder de pagamento) de uma empresa adotando o seguinteprocedimento:Liquidez = (Disponível + Contas a Receber + Estoques) :Total do PassivoUtilizando as informações constantes do Balanço Gerencial, iremos demonstrar o cálculo daliquidez do mês do outubro de 2001 e 2002, para ilustrar melhor o assunto.Poder de pagamento (liquidez) da empresa no mês de outubro de 2001:(R$ 440,00 + R$ 5.000,00 + R$ 20.000,00) : R$ 16.250,00 = 1,57. Poder de pagamento(liquidez) da empresa no mês de outubro de 2002:(R$ 200,00 + R$ 5.300,00 + R$ 21.000,00) : R$ 19.250,00 = 1,38Analisando o indicador acima podemos concluir que o poder de pagamento da empresareferente ao mês de outubro 2001 foi de 1,57, ou seja, para cada R$ 100,00 de dívidas comterceiros a empresa possui R$ 157,00 para cobrir tal compromisso, através de seus estoques,contas a receber e as disponibilidades. Recomendamos que esse indicador seja sempre acima deum, caso contrário a situação financeira da empresa estará comprometida. Gostaríamos dechamar a atenção do leitor que os estoques demoram mais tempo para se transformar emdinheiro, ou seja, a empresa precisa vender suas mercadorias, e esperar algum tempo parareceber dos seus clientes. Por outro lado, o Contas a Receber apresenta maior liquidez, poispode-se transformar mais rapidamente que os Estoques em dinheiro. Por essa razão, quando osestoques possuírem valores significativos, a empresa poderá adotar um outro procedimentopara calcular o seu poder de pagamento. Nesse caso, a empresa deverá calcular sua liquidez semconsiderar os estoques. Para ilustrar melhor essa situação iremos demonstrar por meio devalores.O poder de pagamento (liquidez) da empresa sem considerar osestoque para o mês de outubro de 2001.Disponível+Contas a Receber : Total do PassivoR$ 440,00 + R$ 5.000,00 : R$ 16.250,00 = 0,33 O poder de pagamento (liquidez) da empresasem considerar os estoques para o mês de outubro 2002. Disponível+Contas a Receber : Totaldo Passivo R$ 200,00 + R$ 5.300,00 : R$ 19.250,00 = 0,29 Analisando o indicador acima,verificamos que o poder de pagamento da empresa sem considerar os estoques para o mês deoutubro de 2001 foi de 0,33, ou seja, para cada R$ 100,00 de dívida a empresa possui apenas R$33,00 de disponibilidade e valores a receber para cobrir os seus compromissos com credores.Nesse caso, a situação financeira da empresa está bastante complicada, pois o valor dos estoquesestá elevado.No mês de outubro de 2002, o poder de pagamento da empresa, sem considerar osestoques, foi de 0,29, ou seja, para cada R$ 100,00 de dívidas com terceiros, a empresa tinhaapenas R$ 29,00 de disponibilidades e valores a receber para cobrir os seus compromissos comcredores. O que se constate, a empresa está com uma situação financeira bastante difícil.Alertamos os gestores e proprietários de lojas de confecção da necessidade de manter umvolume de estoque adequado com as necessidades da empresa para não comprometer o capitalde giro (disponível + Contas a Receber + Estoques). Consideramos um estoque adequado parauma loja de confecção um volume correspondente de dois a três meses de venda suficiente paratrês meses de venda no máximo, sendo o valor dos estoques avaliado a preço de custo deaquisição.4. Nível de endividamento da empresaA finalidade desse indicador é demonstrar qual é a dependência da empresa com relação aosrecursos tomados de terceiros. Quanto mais a empresa depende de recursos de terceiros, querdizer de bancos, mais aumentam suas despesas financeiras (juros pagos). Quando oendividamento da empresa está fora de controle, poderá provocar a quebra da mesma. Portanto,o cálculo e o acompanhamento desse indicador é de suma importância para o gestor ou Cáritas São Pedro Apóstolo Página 48
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOproprietário de uma loja de confecção.Para saber o nível de endividamento da empresa,precisamos das informações contidas no relatório gerencial denominado BalançoGerencial, e, em seguida, fazer o seguinte cálculo:Fórmula - Nível de endividamento da empresa = Total do Passivo : Total do AtivoDe acordo com os valores apresentados no Balanço Gerencial iremos calcular o Nível deendividamento da Empresa para os meses de outubro 2001 e outubro de 2002.Nível de Endividamento da Empresa do mês de outubro de 2001.Total do Passivo : Total do Ativoou entãoFornecedores + Contas a Pagar + Empréstimos : Total do AtivoR$ 11.250,00 + R$ 5.000,00 + R$ 0,00 : R$ 40.000,00 = 40,63%Como demonstrado, o nível de endividamento do mês de outubro de 2001 ficou em 40,63%.Podemos interpretar esse indicador da seguinte forma: 40,63% dos recursos financeirosaplicados nos ativos da empresa (disponível, contas a receber, estoques e imobilizado) sãofinanciados com recursos de terceiros (bancos, fornecedores e demais credores) e os outros59,37% são recursos próprios financiando os ativos da empresa. Podemos deduzir que aparticipação de capitais próprios na empresa é maior que os recursos de terceirosinvestidos nela. Portanto, o nível de endividamento é satisfatório. Nível de Endividamento daEmpresa do mês de outubro de 2002.Fornecedores + Contas a Pagar + Empréstimos : Total do AtivoR$ 12.500,00 + R$ 6.000,00 + R$ 700,00 : R$ 41.500,00 =46,27%Como podemos observar, o nível de endividamento do mês de outubro 2002 ficou em 46,27%.Com relação ao mesmo período de 2001, as dívidas da empresa cresceram, ou seja, do total derecursos financeiros que a empresa possui, 46,27% é de terceiros e 53,73%são recursos próprios investidos na empresa. Neste caso, o nível de endividamento continuasatisfatório.Seria importante que a empresa mantivesse esse índice em torno de 50% nomáximo. Pois quando o índice supera os 50% significa que a empresa tem mais recursosfinanceiros de terceiros investidos nela do que recursos próprios.5. Margem de contribuiçãoA margem de contribuição, item 5 do relatório gerencial Apuração de Resultados da Empresa, éa diferença entre o lucro bruto menos as despesas variáveis. O montante da margem decontribuição deverá ser superior às despesas fixas e financeiras para gerar o lucro. A Margem deContribuição Total do mês do outubro de 2001, conforme a Apuração de Resultados daEmpresa, foi de R$ 5.850,00, e o valor da Margem de Contribuição Total do mês de outubro2002 foi de R$ 3.900,00. A margem de contribuição pode ser definida também como sendo adiferença entre o preço de venda de um produto com os seus gastos variáveis (custo damercadoria mais as despesas variáveis).Iremos exemplificar para facilitar o entendimento.Suponhamos que um determinado produto esteja sendo vendido por R$ 20,00 a unidade, sendoque o custo de aquisição dessa mercadoria foi de R$ 12,00 e as despesas variáveis (comissões eimpostos sobre vendas) 10% do preço de venda, ou seja, R$ 2,00. Neste caso, a Margem decontribuição desse produto é de valor de R$ 6,00. Portanto, a cada unidade vendida desseproduto, o mesmo contribui com R$ 6,00 para cobrir as despesas fixas e financeiras e formar olucro líquido da empresa.Margem de Contribuição = Preço de Venda (-) Gastos VariáveisMargem de Contribuição = R$ 20,00 – R$ 12,00 – R$ 2,00Margem de Contribuição = R$ 6,00A Margem de Contribuição também poderá ser calculada em porcentagem, e, para isso, bastadividir a o valor encontrado da margem de contribuição pelo preço de venda. Fazendo oscálculos ficaria: R$6,00 : R$ 20,00 = 30%.Portanto, uma loja de confecção necessita conhecer a Cáritas São Pedro Apóstolo Página 49
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOMargem de Contribuição dos seus principais produtos que são vendidos na loja, como tambémidentificar qual a participação desses produtos no faturamento da empresa. Comparando aMargem de Contribuição Percentual de cada produto com a porcentagem de participação dessesitem no faturamento da empresa iremos encontrar a Margem de Contribuição Ponderada.Presumimos que o produto do exemplo acima tivesse uma participação de 20% no faturamentototal da empresa, a Margem de Contribuição Ponderada seria de 6%. Explicando melhor ocálculo:Margem de Contribuição Ponderada = % MC x % Participação no Faturamento Margem deContribuição Ponderada = 30% x 20%Margem de Contribuição Ponderada = 6%6. Ponto de EquilíbrioToda loja de confecção necessita de um certo montante de vendas para cobrir todos os seuscustos e despesas para não ter prejuízo.Portanto, quando as vendas igualam-se com os custos edespesas totais, dizemos que a empresa encontra-se no Ponto de Equilíbrio.No entanto, aempresa não tem lucro nem prejuízo. Ponto de Equilíbrio Vendas = Custos + Despesas TotaisO cálculo do Ponto de Equilíbrio poderá ser feito de várias maneiras. Para calcular o Ponto deEquilíbrio devemos utilizar os valores constantes do Uma das maneiras de calcular o Ponto deEquilíbrio de uma empresa é utilizando os valores constantes no relatório gerenciais Apuraçãode Resultados da Empresa. O cálculo é bastante simples, basta somar as despesas fixas mais asdespesas financeiras e dividir pela porcentagem da margem de contribuição. De acordo com asinformações do mês de outubro de 2001 o Ponto de Equilíbrio da empresa foi de R$ 13.569,23.Vamos demonstrar os cálculos com o objetivo de facilitar o entendimento.21Ponto de Equilíbrio do mês de outubro de 2001 = R$ 4.410,00 : 32,5%Ponto de Equilíbrio do mês de outubro 2001 = R$ 13.569,23Ponto de Equilíbrio do mês de outubro de 2002 = R$ 4.800,00 + R$ 600,00 : 32,5%Ponto de Equilíbrio do mês de outubro 2002 = R$ 16.615,38Se observarmos os valores constantes no relatório gerencial Apuração de Resultados, iremosnotar que, no mês de outubro de 2001,as vendas totalizaram R$ 18.000,00 e o ponto deequilíbrio é de R$13.569,23. Por essa razão a empresa apresentou um lucro líquido deR$1.440,00, em que vendas totais foram maiores que o ponto de equilíbrio. Analisando o mêsde outubro de 2002 a empresa apresentou prejuízo de R$ 1.500,00, pois suas vendas totaisforam de R$12.000,00 e no ponto de equilíbrio é de R$ 16.615,31, portanto, bem maior que ofaturamento da empresa no referido mês.O cálculo do Ponto de Equilíbrio pode ser feito antes,durante e após as atividades operacionais da empresa. Quando o cálculo do Ponto de Equilíbrioé feito antes tem a finalidade de prever o volume necessário de vendas para que a empresa nãotenha prejuízo e, nesse caso, trata-se de uma ferramenta que auxilia no planejamento dasvendas. Quando o cálculo for realizado durante as atividades operacionais da empresa tem comoobjetivo acompanhar a evolução das vendas e dos custos e despesas do período. E feito apósserve para comparar o volume de vendas planejado com o realizado e tomar as decisõesnecessárias caso haja algum tipo de distorção. Dicas para manter uma boa Gestão Financeira deum Pequeno Comércio:• Elaborar e manter os relatórios gerenciais (controles financeiros) sempre atualizados;• Acompanhar periodicamente os indicadores financeiros mensalmente;• Manter os estoques em níveis compatíveis com os volumes de vendas. Evitar os excessos decompras;• Fuja sempre que possível de desconto de cheques pré-datados e duplicatas, evitando assim oaumento das despesas financeiras;• Mantenha um controle permanente das despesas fixas, procurando mantê-las compatíveis coma capacidade da empresa; Cáritas São Pedro Apóstolo Página 50
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO• Determine um valor fixo e data fixa para pagamento do seu pró-labore, não esquecendo-se delimitar seu valor dentro das possibilidades da empresa;• Peça orientações do seu contador sobre o melhor enquadramento tributário da sua empresa,visando reduzir a carga tributária;• Adote políticas de formação de preços de venda, que mantenham a empresa competitiva,porém sempre pensando na rentabilidade do negócio;• Sempre que fizer propaganda, análise o custo/benefício da mesma para os negócios daempresa;• Evite os descasamentos de prazos entre os pagamentos de compras com os recebimentos dasvendas a prazo;• Procure adotar critérios seguros e adequados para liberar o crédito nas vendas a prazo,livrando, assim, o aumento da inadimplência;• Não se esqueça de que as três principais áreas de sua empresa são: Compras e Estocagem,Vendas e Marketing e Administração e Finanças. Normalmente os problemas financeiros sãodecorrentes da falta de planejamento, organização, liderança e controle nas atividadesempresariais de compras, estocagem e vendas.Pois é, a dona Marieta da Moda e os demaisproprietários de uma atividade comercial de pequeno porte, com este trabalho,poderão melhorar a Gestão Financeira de seu negócio, mantendo o lucrativo, rentável, compoder de pagamento, com o endividamento sob controle e, acima de tudo, competitivo nomercado. MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas deinvestimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentosmatemáticos para simplificar a operação financeira a um Fluxo de Caixa. Capital O Capital é o valor aplicado através de alguma operação financeira. Também conhecido como: Principal, Valor Atual, Valor Presente ou Valor Aplicado. Em inglês usa-se Present Value (indicado pela tecla PV nas calculadoras financeiras). Juros Juros representam a remuneração do Capital empregado em alguma atividade produtiva. Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. JUROS SIMPLES: o juro de cada intervalo de tempo sempre é calculado sobre o capital inicial emprestado ou aplicado. JUROS COMPOSTOS: o juro de cada intervalo de tempo é calculado a partir do saldo no início de correspondente intervalo. Ou seja: o juro de cada intervalo de tempo é incorporado ao capital inicial e passa a render juros também. O juro é a remuneração pelo empréstimo do dinheiro. Ele existe porque a maioria daspessoas prefere o consumo imediato, e está disposta a pagar um preço por isto. Por outro lado,quem for capaz de esperar até possuir a quantia suficiente para adquirir seu desejo, e neste Cáritas São Pedro Apóstolo Página 51
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOínterim estiver disposta a emprestar esta quantia a alguém, menos paciente, deve serrecompensado por esta abstinência na proporção do tempo e risco, que a operação envolver. Otempo, o risco e a quantidade de dinheiro disponível no mercado para empréstimos definemqual deverá ser a remuneração, mais conhecida como taxa de juros. QUANDO USAMOS JUROS SIMPLES E JUROS COMPOSTOS? A maioria das operações envolvendo dinheiro utiliza juros compostos. Estão incluídas:compras a médio e longo prazo, compras com cartão de crédito, empréstimos bancários, asaplicações financeiras usuais como Caderneta de Poupança e aplicações em fundos de rendafixa, etc. Raramente encontramos uso para o regime de juros simples: é o caso das operações decurtíssimo prazo, e do processo de desconto simples de duplicatas. Taxa de juros A taxa de juros indica qual remuneração será paga ao dinheiro emprestado, para umdeterminado período. Ela vem normalmente expressa da forma percentual, em seguida daespecificação do período de tempo a que se refere: 8 % a.a. - (a.a. significa ao ano). 10 % a.t. - (a.t. significa ao trimestre).Outra forma de apresentação da taxa de juros é a unitária, que é igual a taxa percentual divididapor 100, sem o símbolo %: 0,15 a.m. - (a.m. significa ao mês). 0,10 a.q. - (a.q. significa ao quadrimestre) JUROS SIMPLESO regime de juros será simples quando o percentual de juros incidir apenas sobre o valorprincipal. Sobre os juros gerados a cada período não incidirão novos juros. Valor Principal ousimplesmente principal é o valor inicial emprestado ou aplicado, antes de somarmos os juros.Transformando em fórmula temos: J=P.i.n Onde: J = juros P = principal (capital) i = taxa de juros n = número de períodos Cáritas São Pedro Apóstolo Página 52
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Exemplo: Temos uma dívida de R$ 1000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. peloregime de juros simples e devemos pagá-la em 2 meses. Os juros que pagarei serão: J = 1000 x 0.08 x 2 = 160 Ao somarmos os juros ao valor principal temos o montante. Montante = Principal + Juros Montante = Principal + ( Principal x Taxa de juros x Número de períodos ) M=P.(1+(i.n)) Exemplo: Calcule o montante resultante da aplicação de R$70.000,00 à taxa de 10,5% a.a.durante 145 dias. SOLUÇÃO: M = P . ( 1 + (i.n) ) M = 70000 [1 + (10,5/100).(145/360)] = R$72.960,42 Observe que expressamos a taxa i e o período n, na mesma unidade de tempo, ou seja, anos.Daí ter dividido 145 dias por 360, para obter o valor equivalente em anos, já que um anocomercial possui 360 dias. Exercícios sobre juros simples: 1) Calcular os juros simples de R$ 1200,00 a 13 % a.t. por 4 meses e 15 dias. 0.13 / 6 = 0.02167 logo, 4m15d = 0.02167 x 9 = 0.195 j = 1200 x 0.195 = 234 2 - Calcular os juros simples produzidos por R$40.000,00, aplicados à taxa de 36% a.a.,durante 125 dias. Temos: J = P.i.n A taxa de 36% a.a. equivale a 0,36/360 dias = 0,001 a.d. Agora, como a taxa e o período estão referidos à mesma unidade de tempo, ou seja, dias,poderemos calcular diretamente: J = 40000.0,001.125 = R$5000,00 3 - Qual o capital que aplicado a juros simples de 1,2% a.m. rende R$3.500,00 de juros em75 dias? Temos imediatamente: J = P.i.n ou seja: 3500 = P.(1,2/100).(75/30) Observe que expressamos a taxa i e o período n em relação à mesma unidade de tempo, ou Cáritas São Pedro Apóstolo Página 53
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOseja, meses. Logo, 3500 = P. 0,012 . 2,5 = P . 0,030; Daí, vem: P = 3500 / 0,030 = R$116.666,67 4 - Se a taxa de uma aplicação é de 150% ao ano, quantos meses serão necessários para dobrarum capital aplicado através de capitalização simples? Objetivo: M = 2.P Dados: i = 150/100 = 1,5 Fórmula: M = P (1 + i.n) Desenvolvimento: 2P = P (1 + 1,5 n) 2 = 1 + 1,5 n n = 2/3 ano = 8 meses JUROS COMPOSTOS O regime de juros compostos é o mais comum no sistema financeiro e portanto, o mais útilpara cálculos de problemas do dia-a-dia. Os juros gerados a cada período são incorporados aoprincipal para o cálculo dos juros do período seguinte.Chamamos de capitalização o momento em que os juros são incorporados ao principal.Após três meses de capitalização, temos: 1º mês: M =P.(1 + i) 2º mês: o principal é igual ao montante do mês anterior: M = P x (1 + i) x (1 + i) 3º mês: o principal é igual ao montante do mês anterior: M = P x (1 + i) x (1 + i) x (1 + i) Simplificando, obtemos a fórmula: M = P . (1 + i)nImportante: a taxa i tem que ser expressa na mesma medida de tempo de n, ou seja, taxa dejuros ao mês para n meses.Para calcularmos apenas os juros basta diminuir o principal do montante ao final do período: J=M-PExemplo: Cáritas São Pedro Apóstolo Página 54
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOCalcule o montante de um capital de R$6.000,00, aplicado a juros compostos, durante 1 ano, àtaxa de 3,5% ao mês.(use log 1,035=0,0149 e log 1,509=0,1788) Resolução: P = R$6.000,00 t = 1 ano = 12 meses i = 3,5 % a.m. = 0,035 M=? Usando a fórmula M=P.(1+i)n, obtemos: M = 6000.(1+0,035)12 = 6000. (1,035)12 Fazendo x = 1,03512 e aplicando logaritmos, encontramos: log x = log 1,03512 => log x = 12 log 1,035 => log x = 0,1788 => x = 1,509 Então M = 6000.1,509 = 9054. Portanto o montante é R$9.054,00 GESTÃO DE MATERIAISA proposta deste modulo do curso e apresentar a necessidade de uma abordagem ampliada eatualizada da moderna Gestão de Materiais, que integre as crescentes exigências e os novosdesafios do mercado com as questões práticas levantadas por profissionais praticantes dalogística, consolidando-as com as alternativas e ferramentas oferecidas pelas modernastecnologias da informação. Um Assistente Administrativo ou Administrador de Empresa deveconhecer bem as necessidades, e a partir destas necessidades identificadas, aliadas aoconhecimento adquirido no desenvolvimento de soluções logísticas (cases) em conjunto comdiversos de nossos parceiros,clientes da divisão de consultoria, pretendemos articular osconceitos e respostas efetivas que possam ser implementados em uma grande abrangência deempresas, após – naturalmente – os devidos ajustes aos seus contextos específicos.2. DESENVOLVIMENTO1) DefiniçõesComo primeiro passo dessa empreitada, julgamos fundamental iniciar pelo esclarecimentodaquilo que entendemos por Logística, haja em vista a grande popularização do tema sem umadefinição mais elaborada e especializada. Então vejamos a definição que propôs o Council ofLogistics Management:“Logística é o processo de planejar, implementar e controlar o fluxo earmazenagem, eficaz e eficiente em termos de custos, de matérias-primas, materiais emelaboração e produtos acabados, bem como as Informações correlatas, desde o ponto de origematé o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes.” Simplificandoisso tudo, logística significa abastecer os clientes, sejam aqueles externos, sejam aquelesinternos à nossa organização. E é neste contexto que se faz necessário aperfeiçoamento deconceitos e técnicas que asseguram a disponibilidade do produto certo (com qualidade), naquantidade certa, ao preço certo, na hora certa, sem avarias e acompanhado da documentaçãocorreta.* Daniel Gasnier é gerente da IMAM Consultoria, empresa especializada na soluçãode problemas relacionados à logística e engenharia industrial; movimentação earmazenagem de materiais; técnicas modernas de administração da manufatura; eestratégias de produtividade. Nessa série focalizaremos a Gestão de Materiais, um dos capítulosdentro das competências da Logística, que trata especificamente do Planejamento e Controle de Cáritas São Pedro Apóstolo Página 55
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOMateriais (PCM). Alias, é interessante esclarecer que por Planejamento entendemos o processode determinar diretrizes e ações futuras coordenadas visando aumentar a probabilidade dealcançar os resultados desejados.A partir daí, cabe ao Controle acompanhar o progresso destasações, visando identificar desvios relevantes que acionam medidas corretivas, assegurandoassima implementação do planejamento. Antes do planejamento, no entanto, convém que sejarealizado um reconhecimento ou Diagnóstico da situação atual. Para auxiliá-lo nessa atividade,elaboramos no quadro abaixo uma relação com trinta questões fundamentais que o induzirão arefletir sobre sua Gestão de Estoques. Esse diagnóstico será mais eficiente se você procurardesenvolver respostas narradas por escrito, apresentando e discutindo-as com outras pessoasenvolvidas.Breve Análise Crítica do Processo de Gestão de MateriaisA. PLANEJAMENTO (Plan)1. Os itens estão sendo bem identificados, de maneira inequívoca? Explique.2. Existe uma política para materiais? Descreva-a.3. A política de materiais sugere tratamento diferenciado para as diferentescategorias de itens?4. Está definida um nível de disponibilidades ou uma tolerância em termos faltas?5. Os estoques estão sendo criteriosa e estrategicamente dimensionados?6. Como esta sendo determinado o estoque de segurança e o ponto de pedido?7. Existe alguma forma dinâmica de revisão e ajuste deste ponto de pedido?8. Como são determinadas as quantidades nos lotes de reposição?9. Existe algum processo de análise de riscos e planos de contingência para itens faltantes?Como é realizado?10.Existem indicadores e metas de desempenho? Quais?11.Existe um processo de comunicação entre os envolvidos?B. EXECUÇÃO (Do)12.Software de estoques está atendendo as necessidades dos diversos envolvidos?13.Existe plena visibilidade das informações para subsídio ao entendimento?14.A administração está aplicando o conceito da classificação ABC? Detalhe.15.Como é ativada a reposição de materiais: projeção, ponto de pedido ou sob demanda?C. CONTROLE (Check)16.Você sabe quanto representa o capital de giro em estoques? Por grupos?17.Ocorrem frequentes faltas de materiais necessários? Tem isso quantificado?18.O atendimento aos clientes (externos ou internos) está adequado ou comprometido?19.Os erros ou desvios na projeção da demanda provocam faltas críticas de materiais?20.O estoque de segurança está protegendo o atendimento dentro da tolerância?21.Os tempos de atendimento chegam a comprometer o prazo de entrega ao cliente?22.O giro e/ou a cobertura dos itens estão sendo continuamente acompanhados?23.Os saldos indicados no sistema informatizado são confiáveis?24.Existe necessidade de frequentes ajustes de saldo?25.As causas são identificadas e as medidas corretivas/preventivas implementadas?D. INTERVENÇÃO (Act)26.Da forma como está, a gestão atende e satisfaz os objetivos da organização?27.Existe um programa de melhoria da gestão de materiais?28.Quais foram as mudanças significativas implementadas nos últimos dois anos?29.Quais serão os próximos projetos de melhoria?30.Estes projetos asseguram o sucesso da gestão de materiais?b.Finalidade dos estoques na cadeia de abastecimentoQuando não estão em movimento, isto é, em fluxo, os materiais repousam armazenados emestoques. Sim, concordo - caro leitor - que isto é óbvio, mas em nossa prática concluímos quemuito nos convém repassar alguns princípios fundamentais pois os mesmos nos auxiliam Cáritas São Pedro Apóstolo Página 56
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOsobremaneira a organizar nossas ideias, contribuindo gradativamente para interpretar e entendera complexa realidade da Gestão de Materiais.Desta forma, acompanhe-nos enquanto repassamos as funções primárias dosestoques:Funções primárias dos estoquesPulmão: Como regulador do fluxo logístico, o estoque tem a função de amortecer (“buffer”) asinfluências da oferta na demanda e vice-versa,dessincronizando as velocidades de entrada esaída dos materiais.Exemplos: O volume armazenado na caixa d’água nas residências, parafazer frente às variações diária de abastecimento, bem como o estoque regulador de grãosmantido pelo governo federal, buscando minimizar as variações bruscas de preços decorrentesda sazonalidade anual da agricultura.Estratégico: Quando existe algum risco de caráter extraordinário, o estoque pode assumir afunção de uma resposta contingencial, reduzindo o impacto da falta de oferta.Exemplo: Estoque estratégico de 15 dias de cobertura, mantido pela Petrobras, para assegurarabastecimento dos serviços de emergência caso ocorra uma interrupção repentina na importaçãode petróleo.Especulativo: Existem ocasiões onde empresas operam como agentes financeiros,deliberadamente adquirindo produtos quando os preços estão em baixa e vendendo-os quandoestiverem em alta.Exemplo: Grande lote de barras de alumínio adquiridas por preço de ocasião,a serem comercializadas em médio prazo, assim que a cotação da commodityexceder 30% desse valor. Em síntese, a finalidade dos estoques é amortecer as consequênciasdas incertezas. E, de fato, existem muitas incertezas na logística. Os profissionais de logísticasão unânimes em se queixar frequentemente destas incertezas e dos impactos que elasocasionam no atendimento aos seus clientes. No entanto, como seria aborrecida a vida sem osriscos, não é mesmo? Alias, são as incertezas que asseguram a necessidade desses mesmosprofissionais, pois nenhum sistema automatizado, por mais elaborado que seja, é ou será capazde substituir o talento,a criatividade e o raciocínio humanos. Portanto, sempre foram e sempreserão requeridos profissionais de logística. Neste caso, a postura mais apropriada que noscabe é reconhecermos que as incertezas são intrínsecas à logística (indissociáveis),buscando entender e aprender como administrá-las. Como veremos adiante, nessasérie, a resposta reside na quantificação das incertezas e no desenvolvimento de uma respostaadequada (dimensionamento dos estoques).c.Tipos de estoquesAcima tratamos da finalidade dos estoques. Agora, procurando entender as diversas variáveisem jogo na gestão de materiais, vejamos como podemos categorizar a classificação dos itens,em tipos ou grupos de materiais.Como já deve ter notado, recorremos frequentemente ao termo“materiais” como uma generalização das diversas categorias de itens administrados pelalogística. Nas organizações convencionais de manufatura e serviços, as categorias de materiaismais usuais que encontramos são as seguintes: • Matérias-primas (MP); • Materiais complementares; • Componentes; • Insumos; • Material em elaboração (“work-in-process”, WIP); • Conjuntos (e subconjuntos); • Material de embalagens; • Produtos acabados (PA); • Equipamentos produtivos; • Veículos (e peças para veículos); • Materiais de manutenção; e • Materiais auxiliares. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 57
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOAlias, os itens estocáveis podem ser organizados em estruturas mais elaboradas, como veremosadiante na série, quando abordarmos o Padrão Descritivo de Materiais (PDM), mas para efeitode uma identificação preliminar, essas categorias nos serão suficientes.d.Cadeia de abastecimentoPara intervir e melhorar a Logística das empresas, primeiro é preciso descrever e compreendê-la. Fazemos isso, frequentemente, com o apoio de um esquema da malha logística, que consisteem um desenho que representa o fluxo e a armazenagem dos materiais e informações. Nesseesquema usualmente procuramos incluir todas as informações relevantes (origens, “leadtimes”,coberturas,“checkpoints”, etc…), valendo-se de uma simbologia universal (figura 1.1), queserá utilizada na sequencia dessa série de artigos. Espera Operação Inspeção ArmazenagemTransporteFigura 1.1 – Simbologia padronizada para representação de fluxos logísticos. Julgamos que omaior benefício da malha logística é a visibilidade das informações, base para análises, debatese modelagem de uma ou mais soluções. Se houverem várias soluções, denominamos cadaconfiguração como um cenário alternativo.CanaisIndústriaConsumidorExportaçãoTransportadoraLojaAtacadoAuto-serviçoFornecedoresCDFigura 1.2 – Malha Logística genéricaNa Gestão de Materiais, a malha logística contribui na identificação das origens e destinos decada item que está sendo administrado, de forma que podemos avaliar as posições estratégicasdos estoques, estabelecendo políticas de cobertura e minimizando redundâncias, enquantoagilizamos o abastecimento e a distribuição. Podemos, inclusive, realizar um “zoom”focalizando um depósito qualquer dentro da cadeia de abastecimento, como representado pelafigura 1.3:Figura 1.3 – Fluxo genérico do material em um depósito.Visualizando o conjunto da figura 1.3como um sistema, observamos que todo e qualquer item armazenado em um depósito apresentatransações de entrada, transações de saída e saldos resultantes dessas movimentações.Naturalmente, a denominação genérica “entrada” depende do contexto, isto é, quando nosreferimos a uma matéria-prima, as entradas são as documentadas por notas fiscais - porexemplo - enquanto para um produto acabado o registro é realizado com uma folha de produçãoou documento equivalente. Os softwares de gestão de estoques mantém obrigatoriamente osregistros de todas as movimentações através de apontamentos nos coletores de dados,confirmações e/ou digitações, servindo como base de dados para os levantamentos, análises eparametrizações que estaremos propondo nos próximos artigos.e. Envolvidos com a gestão de materiaisEnquanto tratávamos da finalidade dos estoques, talvez tenha lhe ocorrido quem, afinal decontas, são as entidades envolvidas com os estoques. De fato, o propósito dos estoques ébeneficiar alguém, sejam pessoas ou organizações.Recomendamos que o responsável pelagestão de materiais identifique preliminarmente todos os envolvidos (“stakeholders”), buscandoconhecer suas necessidades e expectativas específicas, para daí procurar atendê-lasadequadamente, sem esquecer-se de elaborar um plano de comunicação (que informaçõesdistribuir, para quem e quando). A seguir relacionamos as mais usuais entidades envolvidas, Cáritas São Pedro Apóstolo Página 58
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOindependente do seu nível hierárquico (diretores, gerentes, analistas, consultores ou pessoaloperacional):Entradas SaídasSaldoEstoqueCheck--IInCheck--Out. • Acionistas; • Matriz; • Alta administração (presidência, diretoria, entre outros); • Clientes e usuários finais; • Áreas de marketing; • Área de vendas (vendedores internos e externos, representantes e distribuidores); • Área de logística: planejamento (PCP), materiais, aquisição (compras), operação, distribuição, inventário, atendimento ao cliente, assistência ao cliente; • Área de produção (ou operações); • Área de manutenção (técnicos de campo inclusive); • Área de sistemas (tecnologia da informação); • Área financeira; • Área contábil; • Auditoria (interna e externa); • Consultores; • Fornecedores; • Parceiros; • Fisco; • Seguro; • Agentes financeiros (bancos, financiadores); • Filiais; e • Colaboradores.f.Gestor de materiaisEntre os diversos envolvidos com a gestão de materiais, diversos dos quais usuários dosmateriais ou das informações geradas nas suas transações, nosso destaque aqui será para ogestor de materiais, aquele que analisa e decide o que e o que não colocar nos estoques daempresa. Usualmente, sua responsabilidade é muito grande, pois as verbas mobilizadas sãoelevadas e limitadas. Daí, da mesma forma que empresas estabelecem suas missões, julgamosfundamental que esse profissional conheça e reflita sobre sua própria missão:Missão do profissional gestor de materiais • Assegurar um satisfatório padrão de qualidade no atendimento das necessidades de seus clientes (externos e internos); • Assegurar e elevar a produtividade da empresa, administrando os materiais, recursos e as informações relacionadas.3. Dilema da Gestão de MateriaisNaturalmente existem boas razões para mantermos e para reduzirmos os estoques:Por um lado, desejamos reduzir os estoques, pois...Por outro lado, precisamosmanter os estoques, pois…Crescente diversificação de produtos exige utilizar recursos de forma mais produtiva.Desejamos maior liquidez. Itens parados no estoque não agregam valor para os clientes.Alguém sempre paga pelo custo do financiamento do capital de giro investido em materiais. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 59
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Estoque reduzido agiliza o “feedback” que melhora a qualidade, e permite resposta rápida namudança de linha. Reduzimos os custos de manutenção, tais como espaço para armazenagem,seguros e perdas por manuseio. Manter estoques provoca também perdas por obsolescência dosmateriais. Existem restrições na cadeia de abastecimento entre a capacidade produtiva instaladae demanda de mercado. Persistem as causas das incertezas e flutuações na oferta e na demanda.A falta de materiais pode comprometer o atendimento, reduzindo o faturamento e permitindoque o cliente procure alternativas na concorrência.Essa situação é conhecida como um dilema ou “trade off”, isto é, uma encruzilhada onde aooptarmos por um caminho temos que abrir mão das vantagens do outro caminho. Estas são asdecisões diárias que cabem aos gestores de materiais, enquanto procuram executar suadesafiadora missão.Para efetivamente administrar este dilema, é necessário dispor de instrumentos gerenciais, quedemonstrem os acertos e desvios de nossas decisões e ações. A seguir, vamos apresentar doisindicadores, críticos para a gestão de materiais:Figura 1.4 – Dilema da Gestão de MateriaisO Indicador gerencial Capital de Giro trata do aspecto econômico financeiro envolvido nagestão de materiais (ponto de vista do acionista). Envolve todo o valor monetário (dinheiro)investido em materiais, sejam estes matérias primas, produtos em elaboração ou produtosacabados. Os modernos softwares de [Milhões US$] [%] Capital de Giro Nível de Serviço0,51310 , gestão empresarial (“Enterprise Resources Planning” ou ERP) usualmente apuramessas informações a partir dos critérios contábeis geralmente aceitos, mas algum cuidado deveser verificado pelo gestor quanto aos critérios de rateio dos custos indiretos. Na medida dopossível, para fins gerenciais, consideramos relevante considerar os custos diretos dos materiais,livre desses rateios, a valor presente e líquido de impostos. Já o indicador Nível de Serviço(“fill rate”) trata do aspecto mercadológico (ponto de vista do cliente), refletindo as expectativase exigências dos clientes, em termos da disponibilidade dos produtos e seus prazos de entrega.Pode ser determinado pela relação entre a quantidade de itens solicitados pelo cliente e aquantidade de itens efetivamente entregues dentro do prazo preestabelecido. Dessa forma, onível de serviço estabelece - enquanto parâmetro - ou mostra - enquanto Indicador - odesempenho no atendimento das necessidades dos clientes daquele estoque. Convém esclarecerque o termo “nível de serviço” é ocasionalmente confundido por leigos com aspectos daqualidade do serviço, tais como presteza, competência, habilidade ou educação do atendente, deforma que o devemos estar atento com a comunicação desse indicador. Por isso, ressaltamosque o Indicador que está sendo proposto neste caso destina-se exclusivamente a quantificar umarelação estatística objetiva e muito bem definida, como é convencionalmente utilizada na praticada logística.3-CONCLUSÃOUma gestão de materiais de sucesso consegue balancear com sabedoria esses dois indicadoresrespondendo ao dilema (“trade-off”) entre reduzir custos e melhorar o atendimento aos clientes.Nos artigos seguintes veremos como fazer para equilibrar essas necessidades com objetividade emetodologia. GESTÃO DE MARKETING Cáritas São Pedro Apóstolo Página 60
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOMarketing tem muitas definições técnicas e até tentativas de tradução para o português como“Mercadologia” (Richiers, 1986) ou “Mercância” (Gracioso, 1971). Seguem algumasconsideradas mais significativas: • Marketing é o conjunto de estratégias e ações que proveem o desenvolvimento, o lançamento e a sustentação de um produto ou serviço no mercado consumidor (Dicionário Novo Aurélio); • Marketing se observada de forma pragmática, a palavra assume sua tradução literal: Mercado. Pode-se, então, afirmar que Marketing é o estudo do mercado. É uma ferramenta administrativa que possibilita a observação de tendências e a criação de novas oportunidades de consumo visando a satisfação do cliente e respondendo aos objetivos financeiros e mercadológicos das empresas de produção ou prestação de serviços (Fraga, Robson, 2006).Segmentação do Mercado-alvo: As primeiras coisas a serem definidas em qualquerplanejamento de marketing é quem são seus consumidores e qual exatamente é seu mercado-alvo. Por maior e mais poderosa que seja, nenhuma empresa pode fazer um bom trabalho emtodos os mercados e satisfazer todas as suas necessidades. Segmentar o mercado é dividi-lo emgrupos com características e interesses semelhantes. É imperativo encontrar um segmento demercado onde estão os clientes em potencial com necessidades similares àquelas que a empresadeseja e pode atender.Criação de Valores: Uma oferta de marketing só alcançará êxito se proporcionar valor ao seumecado-alvo. O cliente recebe benefícios e assume custos, por isso definimos valor como arazão entre tudo aquilo que o cliente recebe e tudo o que sacrifica ao fechar um acordo. É muitomais complexo do que uma simples troca comercial. Os benefícios incluem benefíciosemocionais e funcionais, os custos incluem custos monetários, de tempo, de energia epsicológicos.O cliente está sempre optando entre diferentes ofertas de valor, e escolherá sempre aquela quelhe oferecer a melhor relação custo/beneficio. O profissional de marketing deve aumentar ovalor da oferta para o cliente com diversas estratégias:Variáveis Mercadológicas: A demanda no mercado também sofre influência do cenárioeconômico, por exemplo:1ª Lei de Engel: a medida que a renda familiar aumenta, as despesas com alimentação diminuempercentualmente.2ª Lei de Engel: a percentagem gasta com habitação permanece sempre constante em relação àrenda.3ª Lei de Engel: as percentagens gastas em outros produtos e investimentos tendem a aumentarcom o acréscimo da renda familiar.Lei do Poder de compra: o aumento da renda aumenta o consumo médio, mas não na proporçãodireta do aumento da renda.Leis da Renda familiar: o aumento da renda familiar provoca interesse por outros produtos decaráter supérfluo, já o aumento da família sem acréscimo de renda restringe o consumo aosprodutos essenciais.Leis da utilidade marginal: quanto maior a quantidade de um produto ou dinheiro que umapessoa possuir, menores a utilidades do produtos ou dinheiro e menores as motivações paraobter mais.Lei da oferta/procura: quanto maior a oferta em relação à procura, mais caro um produto setorna. Quanto menor a oferta em relação a procura, mais caro um produto se torna. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 61
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOVariáveis Psicológicas: Explicar as razões de um comportamento de compra, analisar asmotivações conscientes e inconscientes é igualmente importante para o mercadologo. As teoriasdo processo decisório são essencialmente: • Corrente Comportamentalista, baseada nos trabalhos de Pavlov e Skinner; • Corrente Maslowliana, baseada na Pirâmide de Maslow; • Corrente Webleliana, baseada nos grupos de referencia de Tomas Webler; • Corrente Freudiana, baseada na psicanálise.Estas e outras correntes, não se excluem, mas se completam. Retratam forças que levam oconsumidor a compra, como hábitos, motivação, pressão social, etc.Variáveis Controláveis: • Recursos de Marketing: Produto, Preço, Promoção e Distribuição. • Recursos da Empresa: Finanças, Pessoal, Imagem pública, Patentes, Produção e Local.Variáveis Incontroláveis: • Economia/Demanda, Político/Legal, Social/Ético, Estrutura de distribuição, Tecnologia, Competição, Variações Metereológicas. Mercado e Valor O mercado é ainda, como um todo, uma sociedade de massa, de modo que o estudo da Psicologia das Massas também é relevante. Segundo Willian McDougall, as massas se comportam como um animal selvagem. • Aumento de benefícios. • Redução de Custos. • Aumento de benefícios e redução de custos. • Aumento de benefícios em proporção maior do que o aumento de custos. • Redução de benefícios em proporção menor do que redução de custos. Outra forma de aumentar a proposta de valor é mostrar ao consumidor que leva mais e qualquer coisa alem do produto adquirido, concretizemos esta ideia com o exemplo de marketing pessoal do Neymar. A imagem com que o jogador do Santos FC aparece, vende quer seja o penteado ou os brincos que usa. Quem consome as réplicas das camisas com que ele joga, ou quem compra uns brincos e correntes iguais aos dele, ou até mesmo que use o mesmo corte de cabelo, acaba por ter uma satisfação acrescida, além do produto físico. Estima-se que o custo de atrair um novo consumidor é cinco vezes o custo de manter um consumidor fiel. Assim, uma das principais tarefas do marketing é manter seus consumidores satisfeitos. A satisfação do mercado-alvo depende diretamente do desempenho da oferta em relação às expectativas dos clientes. A expectativa por sua vez é construída a partir de experiências anteriores dos consumidores e da reputação, promessas e informações fornecidas pela empresa. O cliente ficará satisfeito se o desempenho alcançar suas expectativas, e insatisfeito se não alcançar. Se o desempenho for além e superar as expectativas, o cliente então ficará altamente satisfeito ou encantado. Um cliente encantado, vale dez vezes mais para a empresa do que um cliente satisfeito, isso porque os altamente satisfeitos são muito menos propensos a mudar para a concorrência quando parece surgir oferta melhor. Os diferentes aspectos que contribuem na gestão desta satisfação podem ser contemplados pelo composto mercadológico. Composto mercadológico: O composto mercadológico, composto de marketing ou simplesmente 4Ps (quatro pés) foi formulado primeiramente por Jerome McCarthy em seu livro Basic Marketing (1960) e trata do conjunto de pontos de interesse para os quais as organizações devem estar atentas se Cáritas São Pedro Apóstolo Página 62
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO desejam perseguir seus objetivos de marketing. O composto é dividido em quatro secções, as quais são: • Produto do inglês product • Preço do inglês prince • Local do inglês place • Promoção do inglês promotion.Cada variável engloba uma serie de atividades. As mais comuns em cada um dos quatros “Ps”são: • Produto: Diferentes tipos de design; Características; Diferenciais para concorrência; Marca; Especificações; Garantia; Embalagem. • Preço: Financiamentos; Condições de Pagamentos; Prazo médio; Número de prestações; Descontos; • Promoção: Propaganda; Publicidade; Relações públicas; Promoções • Praça (local): Lojas Canais de distribuições Logísticas; Armazenamento; Vendas via WEB (Internet); Atendimento ao cliente;Orientações:Produção: A grande questão para as empresas era produzir e não vender. O papel do marketingé essencialmente, entregar produtos em locais onde possam ser comprados.Produto: Considerar que os consumidores preferem os produtos de melhor qualidade,desempenho e aspectos inovadores. Portanto as organizações deveriam esforçar-se paraaprimorar seus produtos permanentemente.Vendas: A orientação para venda significa que o propósito da empresa é satisfazer o desejo docliente para que ele possa voltar e comprar mais vezes em sua loja ou em qualquer outrocomércio que trabalhe. Com isso o cliente fará o marketing da empresa, aumentando os seusclientes.Clientes: A função principal da empresa não é mais produzir e vender, mas satisfazer aclientela, consultando-a antes de produzir qualquer coisa, via estudos de mercado e com basenessa consulta, caso seja favorável, oferecer-lhe produtos/serviços/ideias de qualidade e valorpara que os consumidores voltem a comprar e a falar bem da empresa e de seus produtos. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 63
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOMarketing socialmente responsável: Sustentam que a organização deve determinar asnecessidades, desejos e interesses do mercado alvo e então proporcionar aos clientes de forma amanter ou melhorar o bem-estar do cliente e da sociedade. GESTÃO DE PESSOASGestão de pessoas ou Administração de Recursos Humanos (ARH) é um conjunto de métodos,políticas e práticas definidas com objetivo orientar o comportamento humano e as relaçõeshumanas de forma a maximizar o potencial do capital humano no ambiente de trabalho.Divide-se em várias partes:SISTEMAS DE GESTÃO DE PESSOAS:Sistema Agregar – Provisão de recursos humanos – Recrutamento, seleçãoSistema Aplicar – Aplicação de Recursos Humanos Integração; Desenho e Analise de CargosSistema Desenvolver – Desenvolvimento de Recursos humanos – Treinamento;Desenvolvimento Organizacional.Sistema Manter – Manutenção de Recursos Humanos – Benefícios Sociais, relaçõestrabalhistas.Sistema Monitorar – Monitoração de Recursos Humanos Sistemas de Informações de RH.Levando em consideração que ocorrem mudanças a todo o momento,as organizações precisamter estratégias claras, sustentadas por uma gestão participativa. Deve-se criar um laço estreitoentre todos os níveis de relacionamento, tanto interno como externo, dos quadro funcional até osclientes e fornecedores.As duas formas principais de modelos de sucesso atualmente é a Gestão por Competências e oDesenvolvimento de verdadeiros Lideres.Através do modelo de gestão por competências, deve-se praticar ações gerenciais como: 1) Conscientização de que cada tipo de organização necessita de pessoas com perfis específicos e que cada posto de trabalho existente na empresa tem características próprias e deve ser ocupado por profissionais que apresentem um determinado tipo de perfil de competências. 2) Reconhecimento de que aqueles que ocupam funções de liderança são responsáveis pela oferta de oportunidades que permitam o desenvolvimento e a aquisição de novas competências. 3) Crença de que sempre haverá a demanda para o desenvolvimento de novas competências e o que hoje é exigido para a boa execução de um trabalho, poderá agregar novas exigências amanhã. Desenvolvimento de liderança: O objetivo primário da delegação é conseguir que o trabalho seja feito por outra pessoa. Não apenas tarefas simples como ler instruções e girar alavanca, mas também tomada de decisão e mudanças que dependem de novas informações. Com delegação, seu pessoal tem a autoridade para reagir a situações sem ter que consulta-lo a todo instante. A arte de saber delegar é cada vez mais uma necessidade dentro de uma organização, nomeadamente no que se refere à sua gestão. Delegação é, fundamentalmente confiar sua autoridade a outros. Papel do Líder: • Definir táticas e definir orçamentos; • Controlar o desempenho de indivíduos e atitudes; • Tomar ação corretiva quando a conduta esta fora do esperado; • Tomar decisões consistentes com a estratégia geral da empresa. • Interpretar a realidade emergente • Focalizar os recursos existentes de uma forma eficiente Cáritas São Pedro Apóstolo Página 64
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO • Desenvolver e promover novas capacidades em resposta às mudanças • Facilitar criação, captação e disseminação de conhecimento.Todas estas habilidade expressam a importância na valorização do capital humano,possibilitando não somente o desenvolvimento de suas potencialidades, mas também dasuperação dos seus limites.Departamento Pessoal: Resumo itens básicos CLT13º Salário1ª Parcela 50% até 30 de novembro2ª Parcela 50% até 20 de dezembroAlgumas empresas pagam a primeira parcela do 13º salário nas férias, mas quem decide se opagamento é nas férias ou em novembro é o funcionário.Afastamentos: Auxilio doença previdenciário: Após 15 dias de afastamentos médicos ofuncionário deve ser afastado de suas atividades enquanto realiza seu tratamento, o funcionáriorecebe o “Salário” pela previdência social. Deve-se considerar que o 13º salário só será pagoproporcional ao período trabalhado.Serviço Militar: Homens selecionados a prestar o serviço militar serão abonados em 12 mesesde suas funções.Aviso Prévio: Informado 30 dias anterior ao desligamento por qualquer uma das partes. Faltas Justificadas: • Falecimento (pai, mãe, cônjuge e irmãos) dois dias • Casamento três dias • Nascimento de filhos (pai) cinco dias • Alistamento eleitoral dois dias • Doença 15 diasEstabilidade Provisória: • Dirigente sindical ou CIPA • Gestante • Acidente de trabalhoFérias: 30 dias a cada 12 meses trabalhados (recebe abono de 1/3) do salário.Jornada de trabalho: 44 horas semanais ou 220 mensais.Demissão: Sem Justa CausaFGTS + 50%13º Salário proporcionalFérias proporcionalSaldo do Salário.Descontos comuns:Vale Transporte – 6%Vale Refeição – VariávelINSS de 9% a 11%IR de 15% a 27,5%Salário-baseÉ o salário acordado entre patrão e empregado quando da assinatura do contrato de trabalho.O salário base variável é aquele em que o trabalhador recebe um valor variável conforme suacarga detrabalho. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 65
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVORepouso remuneradoO repouso remunerado é pago aos trabalhadores proporcionalmente aos dias trabalhados.Nas horas-extras dos trabalhadores, também deve ser somado a elas o repouso semanalremunerado para todos os trabalhadores de salário fixo ou variável.Insalubridade e periculosidadeA insalubridade é a exposição a produtos nocivos à saúde, como, por exemplo, tóxicos,conforme: • Grau máximo: adicional ao seu salário 40% do salário mínimo; • Grau médio: adicional ao seu salário 20% do salário mínimo; • Grau mínimo: adicional ao seu salário 10% do salário mínimo;Na periculosidade, o funcionário é submetido a risco de morte, recebendo por isso 30% do seusalário a título de periculosidade.Adicional noturnoO adicional noturno é devido aos trabalhadores que vierem a trabalhar a partir das 22 horas atéàs 5 horas do dia seguinte. A hora tem uma duração de 52,5 minutos e a mesma é acrescida de20% sobre a hora do salário mínimo.Total dos proventos ou salário brutoÉ o somatório de todos os direitos do trabalhador no mês em questão.A Previdência SocialA Previdência Social dos trabalhadores é calculada baseada no total das remunerações dotrabalhador, aplicando-se a tabela publicada pela Previdência Social.Tabela de contribuição dos seguros empregado, empregado doméstico e.Trabalhador avulso, para pagamos de remuneração a partir de 1.º de maio de2004.Fonte: INSS – 5/2006.Salário-de-contribuição (R$) Alíquota para fins de recolhimento ao INSS (%)até R$752,62 7,65de R$752,63 a R$780,00 8,65de R$780,01 a R$1.254,36 9,00de R$1.254,37 até R$2.508,72 11,00IRRF/PFO Imposto de Renda dos trabalhadores sobre a folha de pagamento deve levar em consideraçãoos seguintes pontos.Total das Remunerações( – ) Previdência Social do mês.( – ) Pensão alimentícia.( – ) Valor fixado pelo governo como desconto para dependentes (publicado junto à tabela doIR).( = ) Base de cálculo – esse valor é aquele que irá servir de base para aplicar a tabela do Impostode Renda.Aplica a alíquota da tabela.( – ) Parcela a deduzir publicada junto à tabela do Imposto de Renda, junto ao valor da alíquotado Imposto de Renda.( = ) Imposto de Renda Retido na Fonte.Contribuição confederativa e sindicalA contribuição confederativa de 1% sobre seu total da remuneração de forma mensal,dependendo de sua categoria. Contribuição sindical é anual e recolhida no valor de um dia deseu trabalho no mês. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 66
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOVale-refeiçãoO vale-refeição não é devido pelas empresas que possuírem menos de cem funcionários. Aempresa poderá dar refeição no local, assim poderá ser descontado o valor máximo de 20% dovalor dos vales doados pela empresa.Benefícios sociaisOs benefícios sociais doados pela empresa devem ser descontados do funcionário em um valormínimo, nem que seja R$0,01, porque se não for descontado nenhum valor referente aobenefício, após dois anos incorpora-se ao salário do trabalhador o benefício doado, dessa formaentrando na rescisão trabalhista como salário e com todos os seus direitos.Salário-famíliaÉ devido aos trabalhadores que possuírem filhos menores de 14 anos não-completos e queestejamdentro dos limites da tabela publicada pelo governo.Salário líquido a pagarRefere-se ao total das remunerações, porém já subtraídos os descontos da folha salarial, ou seja,as contribuições dos funcionários.FGTSÉ um depósito mensal na conta vinculada do funcionário junto à Caixa Econômica Federal novalor de 8,5% do total da remuneração do funcionário no mês, sendo que somente 8% vão paraa conta do funcionário e os restantes 0,5% vão para o governo compensar as perdas com o PlanoCollor.Décimo-terceiro salárioÉ o valor de um salário do funcionário por ano, devendo ser paga a primeira parcela emnovembro e a segunda e última em dezembro de cada ano.Férias + abono 1/3É o salário de um mês do funcionário, adiantado de mais 1/3 do valor como abono de férias.INSS patrãoDepende do ramo de atuação da empresa, do tipo de tributação que sofre, e é a soma de diversasalíquotas de contribuição para a área social do governo. Seu valor é entre zero (isentas), e 20%,31% (mais usuais) do total da folha salarial da empresa no mês.Observe os cálculos trabalhistas a seguir, veja como foram resolvidos um a um e suasexplicações.Após isso, tente fazer a bateria de exercícios propostos na auto-avaliação.1. João, trabalhador cujo salário-base é de R$350,00 por mês, é pai de quatro filhos menores.Ele recebeu R$100,00 de vale-transporte e R$100,00 de vale-refeição, além de ter direito háduas horas extras a 50% e quatro horas-extras a 100%. Qual deverá ser o seu salário líquido areceber?Resolução:Salário-base = R$350,00Horas-extras 50% = R$350,00 ÷ 220 = 1,59 x 2 = 3,18 + 50% = R$4,77Horas-extras 100% = R$350,00 ÷ 220 = 1,59 x 4 = 6,36 + 100% = R$12,72Total da remuneração = R$367,49INSS = R$367,49 x 7,65% = R$28,11IRRF = isento conforme tabela do IRRFContribuição confederativa = R$367,49 x 1% = R$3,67 Cáritas São Pedro Apóstolo Página 67
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOVale-transporte = R$350,00 x 6% = R$21,00Vale-refeição = R$100,00 x 20% = R$20,00Salário-família = R$21,27 x 4 = R$85,08Salário líquido a receber = R$379,792. Maria, trabalhadora comissionada, tem a receber R$3.000,00 de comissões no mês. É mãe dedois filhos menores e recebe R$200,00 de vale-transporte e R$200,00 de vale-refeição. O mês aconsiderar tem 26 dias úteis e quatro dias não úteis. Qual o salário líquido que receberá?Salário-base = R$3.000,00Repouso remunerado = R$3.000,00 ÷ 26 = 13,63 x 4 = R$54,52Total da remuneração = R$3.461,53INSS = teto máximo = R$293,49 IRRFTotal da remuneração = R$3.054,52( – ) INSS mês = R$293,49( – ) R$117,00 p/ dep. R$117,00 x 2 = R$234,00( – ) Pensão alimentícia – zero( = ) Base cálculo = R$2.527,03 Alíquota 27,5% = R$694,93( – ) Parcela a deduzir R$465,35( = ) IRRF = R$229,58Base de cálculo mensal em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$Até R$1.164,00 — —De R$1.164,01 até R$2.326,00 15,0 R$174,60Acima de R$2.326,00 27,5 R$465,35Contribuição confederativa = R$3.461,53 x 1% = R$34,61Vale-transporte = R$3.000,00 x 6% = R$180,00R$200,00 – R$180,00 = R$20,00Vale-refeição = R$200,00 x 20% = R$40,00Salário líquido a receber = R$2.571,923. Rita, diretora de empresa, recebe R$2.000,00 mensais, com duas horas-extras a 50% e oitohoras extras.a 100%. É mãe de dois filhos menores. Recebeu R$100,00 de vale-transporte e R$300,00 devale-refeição. Qual será o salário líquido que Rita receberá?Salário-base = R$2.000,00H.E. 50% = R$2.000,00 ÷ 220 = R$9,09 x 2 = 18,18 x 50% = R$27,27H.E. 100% = R$2.000,00 ÷ 220 = R$9,09 x 8 = 72,72 x 100% = R$145,44Total da remuneração = R$2.172,71INSS = R$2.172,71 x 11% = R$239,00Contribuição confederativa = R$2.172,71 x 1% = R$21,72Vale-transporte = R$2.000,00 x 6% = R$120,00Desconto = R$100,00Vale-refeição = R$300,00 x 20% = R$60,00Salário líquido a receber = R$1.671,63Custo da mão de obra – parte patrão • Total das remunerações da folha de pagamento = R$5.594,72 • FGTS 8,5% da remuneração total do funcionário • INSS 20% da remuneração total do funcionário • Décimo-terceiro salário: remuneração total do funcionário ÷ 12 • Férias = remuneração total do funcionário ÷ 12 • Abono 1/3 férias Cáritas São Pedro Apóstolo Página 68
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOObs.: se somássemos todos os gastos do patrão sobre os salários brutos dos funcionários, adespesa do patrão seria na média 100% sobre o valor do funcionário, ou seja, se o funcionáriorecebe R$100,00, o custo do patrão é de R$200,00.Trabalhadores autônomosRPA – Recibo de Pagamento a AutônomoRPA = R$10.000,00 – prestação do serviçoPatrão = paga R$12.000,00, correspondente ao valor do serviço acrescido do gasto da empresacom INSS, que é de 20%, ou seja, R$2.000,00.O autônomo recebe R$7.500,00 aproximadamente, pois devemos considerar o número dedependentes. Para fins de exemplo, consideremos que este prestador de serviço não temdependentes. Do valor bruto do serviço R$10.000,00 serão deduzidos o INSS e IR, assim sendoteremos:Total da remuneração = R$10.000,00( – ) INSS mês = R$293,49 (teto máximo)( – ) R$117,00 p/ dep. zero( – ) Pensão alimentícia = zero( = ) Base cálculo = R$9.706,51Alíquota 27,5% = R$2.669,29( – ) Parcela a deduzir = R$465,35( = ) IRRF = R$2.497,43Valor líquido = R$10.000,00 – INSS R$293,49 – IRRF R$2.497,43 = R$7.502,57Tabela de contribuição dos segurados empregado, empregado doméstico etrabalhador ara pagamento de remuneração a partir de 1.º de maio de 2005.Fonte: INSS 5/2006.Salário-de-contribuição (R$) Alíquota para fins de recolhimento ao INSS (%)até R$800,45 7,65de R$800,46 a R$900,00 8,65de R$900,01 a R$1.334,07 9,00De R$1.334,08 até R$2.668,15 11,00Conhecemos as práticas trabalhistas, aprendendo desde a folha de pagamento da partefuncionário, patrão, trabalhadores autônomos e suas aplicações práticas em cada caso, dentro dalegislação vigente.Atividades 1. Repassar juntos os cálculos das três folhas feitas no livro, bem como a parte patrão e o caso do autônomo, pois isso irá reforçar o aprendizado.Importante:Revisar o contra-cheque e dirigir-se ao Departamento de Pessoal para conhecer a CLT. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 69
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVOAtividades:1. Um trabalhador cujo salário base é de R$1.000,00 e recebeu R$100,00 de vale-transporte.Quanto pode ser descontado no seu contra-cheque?a) R$30,00.b) R$50,00.c) R$60,00.d) R$100,00.2. Um trabalhador que recebeu R$200,00 de vale-refeição poderá ser descontado em quanto emseu contra-cheque?a) R$20,00.b) R$40,00.c) R$30,00.d) R$25,00.3. Um trabalhador cujo salário-base fixo é de R$350,00 teve 2 horas-extras. Quanto ele iráreceber a mais no contra-cheque, considerando o mesmo valor da hora padrão?a) R$200,00.b) R$50,00.c) R$170,00.d) R$3,18.4. Um trabalhador autônomo fornece uma RPA no valor bruto de R$550,00. Qual será o custototal do patrão?a) R$1.1000,00.b) R$1.500,00.c) R$900,00.d) R$660,00.5. Qual o custo médio do patrão sobre a folha de pagamento no caso de um salário bruto deR$1.000,00 de um funcionário?a) R$500,00.b) R$800,00.c) R$1.000.00.d) R$2.000,00. Cáritas São Pedro Apóstolo Página 70
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO BIBLIOGRAFIASCury, Augusto – O código da inteligência formação de mentes brilhantes e a busca pelaexcelência emocional e profissional: Editora Ediouro 2008.http://www.resumosconcursos.hpg.com.br – Apostila de Contabilidade BásicaProfessora Daniela MirandaApostila de Administração de Empresas – Professor Paulo – Universidade Bandeirantes de SãoPaulo, curso de Sistemas de Informação – 2008http://www.resumosconcursos.hpg.com.br – Apostila de Gestão de Recursos Humanos.www.sebraesp.com.br/.../ViaInternet/PlanoDeNegociosSPPLAN/ Cáritas São Pedro Apóstolo Página 71
  • ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Cáritas São Pedro Apóstolo Página 72