0
DIRETORIA DE ENSINO LESTE 4
José Carlos Francisco
Dirigente Regional de Ensino

Orientação Técnica

PLANEJAMENTO ESCOLAR
2...
“O
pressuposto
de
qualquer
atividade de planejamento é o
desejo de mudança, de acertar, de
aperfeiçoar. Seria importante q...
ZAR= Espaço para se
caminhar*
espaço para planejar, espaço para
agir, espaço para refletir

Limite externo (natureza,
soci...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO
Assuntos a serem tratados:
 Retomada e discussão de documentos da e...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO
Assuntos a serem tratados:
 Definição da participação, ao longo do ...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO
Assuntos a serem tratados:
 Definição dos projetos institucionais e...
QUE DESTINO DAR AOS PROJETOS INSTITUCIONAIS
Responda às perguntas e descubra em que pontos eles merecem ajustes
O projeto ...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO

Assuntos a serem tratados:
 Elaboração dos Planos Anuais de Ensino...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO

Assuntos a serem tratados:


Exemplo de
Plano Anual
de Ensino por
...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO
Assuntos a serem tratados:
Documento de base: Currículo do Estado de...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO

Assuntos a serem tratados:
Recuperação Intensiva
Sugestão para elab...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO

Assuntos a serem tratados:

Escolas de Tempo Integral
Sugestão para...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO

Assuntos a serem tratados:
 Orientações e encaminhamentos para ela...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO

Assuntos a serem tratados:
 Levar em consideração: Recomendações q...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO

Assuntos a serem tratados:
 Atenção especial para a EJA:
Promover ...
SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE
PLANEJAMENTO
Assuntos a serem tratados:

Consultar as diversas orientações da CGE...
Planejamento
estratégico
do Professor
A Matemática nos currículos deve
constituir, em parceria com a disciplina de
Língua Portuguesa, um recurso
imprescindível ...
O Planejamento Escolar é um
instrumento facilitador do trabalho
docente. Todo planejamento precisa de
uma
elaboração
e
seg...
Planejando devemos definir:
• O que pretendemos que o (a) aluno (a)
aprenda;
• Como propiciar a aprendizagem;
• Os diferen...
O ato de planejar é sempre processo
de reflexão, de tomada de decisão
sobre a ação a partir dos resultados
das avaliações....
Planejar bem requer:
• Pesquisa permanente;
• Criatividade na elaboração da aula;
• Estabelecer prioridades e limites;
• A...
Ao planejar devemos sempre levar em
conta:
• As características e necessidades de
aprendizagem dos alunos;
• Os objetivos ...
O Currículo de
Matemática
O Currículo Oficial
Características Principais do Currículo
Oficial do Estado:
• a escola aprendente,
• o currículo como e...
O Currículo de Matemática:

Apresenta três competências básicas
a serem desenvolvidas pelos alunos
ao longo de sua trajetó...
Sugestões de atividades:
7º ano
• Frações,
6º ano
• Operações Fundamentais, • Números Decimais,
• Área e Perímetro de
• Pr...
1ª Série do E.M.
• Equações do 2º grau,
• Proporcionalidade,
• Semelhança,
• Probabilidade
2ª Série do E.M.
• Funções,
• R...
Conteúdos e Habilidades:
Para subsidiar o planejamento de ensino e
aprendizagem, encontra-se no caderno referente
ao Currí...
6º Ano

7º Ano

8º Ano

9º Ano

• Compreender e
operar com o SND;
• Compreender o
significado das
frações e operar
com as ...
1º Ano

2º Ano

3º Ano

• Saber reconhecer padrões e
regularidades em sequências
numéricas;
• Conhecer as características
...
Comparação entre as defasagens tendo por base as mesmas
habilidades
SÉRIE

HABILIDADE

DEFASAGEM

6º

Campo Multiplicativo...
Comparação entre as defasagens tendo por base as mesmas
habilidades
SÉRIE

HABILIDADE

DEFASAGEM

1º

Ler e interpretar um...
O Currículo de Língua
Portuguesa
Matrizes de Referência
O Em Língua Portuguesa, em situações de

Leitura e Leitura, existem habilidades e
competências comu...
Matrizes de Referência
O Tema 1 – Reconstrução das condições de

produção e recepção de textos;
O Tema 2 – Reconstrução do...
Matrizes de Referência
O Considerações sobre a produção textual:
O Competência 01 – Tema
O Competência 02 – Gênero
O Compe...
Matrizes de Referência
O Considerações sobre a produção textual:

O Competência 01 – Tema
O Competência 02 – Gênero

O Com...
Olimpíada de Língua Portuguesa
O O lançamento nacional acontece em São Paulo

(SP), no dia 24 de fevereiro, mas os educado...
Olimpíada de Língua Portuguesa
O A partir do lançamento, em 24 de

fevereiro, as inscrições de professores e
as adesões de...
Olimpíada de Língua Portuguesa
O As oficinas com os alunos podem ser

realizadas logo no início do ano letivo e
a metodolo...
O Planejamento estratégico
do Professor deve estar atrelado
ao desenvolvimento de
habilidades, para que o aluno se
torne c...
Professor Coordenador e o
Planejamento Escolar
Gestão Pedagógica do Currículo
O Maestro
Legislação
Legislação
Perfil do Professor Coordenador
Legislação
Autoavaliação
Gestão Pedagógica do Currículo
Autoavaliação, por que?
O A autoavaliação não se propõe apenas a

avaliar
pessoas, mas refletir criticamente sobre as
pote...
Oficina
O Formação de grupos para reflexão da ação

pedagógica diante das seguintes
dimensões:
O Definição da missão e Ges...
DEFINIÇAO DA MISSÃO
Você tira proveito de qualquer oportunidade para
discutir os objetivos, os propósitos e a missão da
es...
MONITORAMENTO DO ENSINO (GESTÃO DE SALA
DE AULA)
Você dedica tempo em orientar os professores de
sua escola sobre como ens...
MONITORAMENTO DO PROGRESSO
DOS ALUNOS
Você revisa com os professores os
dados sobre o desempenho dos alunos
nas avaliações...
PROMOÇÃO DO CLIMA PEDAGÓGICO
Você encoraja os professores a tentar
nova ideias e envolver-se em projetos
pedagógicos multi...
Referências importantes:
O Vasconcellos, Celso dos Santos. Planejamento: projeto de ensino-

aprendizagem e projeto políti...
“Se correr, o bicho pega; se ficar, o bicho come.
Mas se nos juntarmos, a gente pega o bicho.” Mário Sérgio Cortella
Planejamento Escolar 2014
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Planejamento Escolar 2014

26,636

Published on

Apresentação utilizada na Orientação Técnica para Professores Coordenadores e PCAGPs das escolas de Ensino Fundamental/Anos Finais e de Ensino Médio, realizada na Diretoria de Ensino Leste 4 (Núcleo Pedagógico), em 20/02/2014.

Published in: Education

Transcript of "Planejamento Escolar 2014"

  1. 1. DIRETORIA DE ENSINO LESTE 4 José Carlos Francisco Dirigente Regional de Ensino Orientação Técnica PLANEJAMENTO ESCOLAR 2014 Núcleo Pedagógico http://leste4.nucleopedagogico.zip.net delt4npe@see.sp.gov.br
  2. 2. “O pressuposto de qualquer atividade de planejamento é o desejo de mudança, de acertar, de aperfeiçoar. Seria importante que o professor fosse ganhando clareza de que, se não planejar conscientemente, a tendência é reproduzir.” Celso Vasconcellos
  3. 3. ZAR= Espaço para se caminhar* espaço para planejar, espaço para agir, espaço para refletir Limite externo (natureza, sociedade) Zona de Autonomia Relativa (ZAR) Zona de atuação atual Limite interno: Projetado pelo sujeito Contradições do sujeito * Conforme proposta de Celso Vasconcellos
  4. 4. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados:  Retomada e discussão de documentos da escola Proposta Pedagógica, Plano de Gestão 2011-2014, PAP (Plano de Ação Participativo): identificação e caracterização da escola; objetivos, metas e ações da escola.  Análise dos resultados finais de 2013 (Conselho final) e considerações sobre os indicadores da U.E.  O que já conseguimos em 2013? O que falta alcançar?
  5. 5. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados:  Definição da participação, ao longo do ano, em projetos e programas da SEE ou MEC (por adesão ou não) – ex.: Cultura é Currículo – Lugares de Aprender / Escola em Cena / Cinema Vai à Escola, Descubra a Orquestra, Prodesc, ProEmi, Mais Educação, Vale Sonhar, Dengue, Feiras Científicas, Formação para Conselheiros de Escolas, CEL – Centro de Estudos de Línguas, e eventos como OLP, OBMEP, Ismart, Olimpíadas diversas.
  6. 6. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados:  Definição dos projetos institucionais e dos projetos didáticos a serem desenvolvidos ao longo do ano pelos professores.  Lembrando: projetos institucionais ≠ projetos didáticos Ações envolvendo toda a escola em torno de um mesmo objetivo (produzir um jornal, uma campanha), durante o ano todo Investigações mais pontuais, com objetivos, produto, público alvo e prazo bem delimitados Para pensar com carinho: I – Incorporar cada vez mais as TICs nos procedimentos, instrumentos e produtos dos projetos. II – “Projeto Copa”: zelar para que a dimensão da construção do conhecimento (estudo, pesquisa e comunicação sobre as dimensões socioculturais, econômicas e políticas do futebol e da Copa) prevaleça sobre o aspecto “evento”.
  7. 7. QUE DESTINO DAR AOS PROJETOS INSTITUCIONAIS Responda às perguntas e descubra em que pontos eles merecem ajustes O projeto refletiu as necessidades da escola? não sim O projeto continua sendo parte da cultura escolar? Descartar Reimplantar sim Avaliar periodicamente não Buscar referências sim Rever os pontos anteriores para descobrir as causas do problema Replanejar o tempo Reformular sim Fazer a gestão da equipe não As metas estavam dentro do alcance? não Discutir novos projetos A equipe foi envolvida e aderiu à iniciativa? sim As ações planejadas foram executadas? sim Houve adequação aos públicos? Rever formação e comunicação Incluir no PPP não As ações têm embasamento teórico? Não sim O impacto na comunidade foi o esperado? Surgiram novas demandas? Adaptado de: Revista Gestão Escolar, edição de dez.2013/jan. 2014.
  8. 8. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados:  Elaboração dos Planos Anuais de Ensino por Disciplina, conforme modelo publicado no Caderno do Gestor 2008, vol.2, ficha 3, p. 42.
  9. 9. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados:  Exemplo de Plano Anual de Ensino por disciplina, Caderno do Gestor 2008, vol.2, ficha 3, p. 43. (Currículo Estadual) (Currículo Estadual) (Currículo Estadual) (Currículo Estadual)
  10. 10. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados: Documento de base: Currículo do Estado de São Paulo. Consultar a 1ª edição atualizada, 2011, disponível no site da SEE - “(...) os professores devem assumir seus planos, eles devem ser assinados e implementados. Eles são os guias que servem para a elaboração dos planos das aulas e da avaliação da aprendizagem dos alunos.” (CG 2008, v.2, p. 9) “As Propostas Curriculares [agora, Currículo] das disciplinas apresentam um plano anual por séries/bimestres sobre o que deve ser ensinado e aprendido. É importante que os professores formulem seus planos anuais considerando as possibilidades e ajustes, em relação àqueles indicados nas Propostas [= Currículo], mesmo que, durante os bimestres, atualizem os demais aspectos associados à definição dos conteúdos indicados no plano anual.” (CG 2008, v.2, p. 10)
  11. 11. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados: Recuperação Intensiva Sugestão para elaboração do plano anual, dos planos bimestrais e dos planos de aula, específicos para as turmas de RI (etapas III e IV, 7º e 9º anos, respectivamente):  Tomar como parâmetro o documento básico das Matrizes de Referência para a Avaliação (SARESP), que relacionam as habilidades fundamentais para as disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática, Ciências, História e Geografia, já representando um recorte do Currículo;  Ed. Física, Inglês e Arte: ver materiais do envelope.
  12. 12. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados: Escolas de Tempo Integral Sugestão para elaboração do plano anual, dos planos bimestrais e de aula/oficina – ver documentos que poderão auxiliar as unidades escolares no Drive Virtual do Projeto Escola de Tempo Integral: https://drive.google.com/folderview?id=0BzmU0FfGQyrjU WYyX1ZSNzRBXzQ&usp=sharing
  13. 13. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados:  Orientações e encaminhamentos para elaboração e entrega dos Planos Bimestrais de Ensino, conforme modelo publicado no Caderno do Gestor 2008, vol. 2, ficha 5, p. 45.  Combinar diversas modalidades organizativas (atividades permanentes, situações independentes, sequências didáticas e projetos) e estratégias de avaliação.  Análise e interpretação das avaliações diagnósticas (atividades iniciais e resultados da Avaliação da Aprendizagem em ProcessoAAP) para a decisão sobre habilidades a desenvolver, e estratégias para desenvolvê-las. Sobre diagnóstico nas demais disciplinas que não contam com as provas da AAP: ver Orientações para os Primeiros Dias Letivos 2014, documento elaborado pela CGEB enviado por e-mail às escolas no final de janeiro, e documentos de apoio (ver materiais do envelope), elaborados pelos PCNPs.
  14. 14. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados:  Levar em consideração: Recomendações que integram os Relatórios Pedagógicos do SARESP 2011/2012 (disciplinas avaliadas); recomendações abordadas em OTs e Cursos realizados durante 2013.  Importância do planejamento articulado (bimestral, partindo do diagnóstico do aluno) – Língua Portuguesa e Matemática, com demais disciplinas.  Importância do planejamento e da avaliação por habilidades, em todas as disciplinas, inclusive, para o acompanhamento dos alunos com necessidades especiais.
  15. 15. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados:  Atenção especial para a EJA: Promover o estudo e a incorporação à prática das orientações contidas na publicação Reflexões Pedagógicas sobre o Ensino e a Aprendizagem de Pessoas Jovens e Adultas, da Profa. Dra. Stela Piconez (FEUSP).  Material focado no “saber sobre o fazer” (pedagógico), considerando pressupostos andragógicos  Visa à elaboração de planos de ensino ajustados às necessidades de aprendizagem de jovens e adultos  Subsídio para o desenvolvimento de saberes didático-pedagógicos – aperfeiçoamento profissional contínuo dos professores que atuam na EJA  Parte I: considerações sobre como aprendem as pessoas jovens e adultas  Parte II: estratégias para a articulação entre as dimensões de desenvolvimento cognitivo e as dimensões do conhecimento
  16. 16. SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DIAS DE PLANEJAMENTO Assuntos a serem tratados: Consultar as diversas orientações da CGEB (Coordenadoria de Gestão da Educação Básica) a ser disponibilizado em breve, voltadas para todas as disciplinas e áreas, Tecnologia Educacional, os Temas Transversais, a Educação Especial, a Educação de Jovens e Adultos.
  17. 17. Planejamento estratégico do Professor
  18. 18. A Matemática nos currículos deve constituir, em parceria com a disciplina de Língua Portuguesa, um recurso imprescindível para uma expressão rica, uma compreensão abrangente, uma argumentação correta, um enfrentamento assertivo de situações-problema, uma contextualização significativa dos temas estudados.
  19. 19. O Planejamento Escolar é um instrumento facilitador do trabalho docente. Todo planejamento precisa de uma elaboração e segundo Vasconcellos (2006), essa elaboração se dá tendo como referência as três dimensões da ação humana consciente: realidade, finalidade e mediação.
  20. 20. Planejando devemos definir: • O que pretendemos que o (a) aluno (a) aprenda; • Como propiciar a aprendizagem; • Os diferentes momentos de aprendizagem; • O que, quando e como avaliar as aprendizagens. (Cad. Gestor 2008 vol.1 – pg.36 e 39)
  21. 21. O ato de planejar é sempre processo de reflexão, de tomada de decisão sobre a ação a partir dos resultados das avaliações. Ao planejar, antecipamos uma série de acontecimentos que podem ocorrer na ação e nos preparamos para lidar com eles, diminuindo assim a quantidade de imprevistos e tornando as nossas ações mais precisas e de melhor qualidade.
  22. 22. Planejar bem requer: • Pesquisa permanente; • Criatividade na elaboração da aula; • Estabelecer prioridades e limites; • Abrir-se para acolher o aluno e sua realidade; • Flexibilidade para replanejar sempre que necessário.
  23. 23. Ao planejar devemos sempre levar em conta: • As características e necessidades de aprendizagem dos alunos; • Os objetivos educacionais da escola e seu projeto pedagógico; • O conteúdo de cada série; • Os objetivos e seu compromisso pessoal com o ensino.
  24. 24. O Currículo de Matemática
  25. 25. O Currículo Oficial Características Principais do Currículo Oficial do Estado: • a escola aprendente, • o currículo como espaço de cultura, • as competências como referência, • a prioridade para a leitura e a escrita, • a articulação das competências para aprender.
  26. 26. O Currículo de Matemática: Apresenta três competências básicas a serem desenvolvidas pelos alunos ao longo de sua trajetória, divididas em três eixos: • expressão/compreensão, • argumentação/decisão, • contextualização/abstração.
  27. 27. Sugestões de atividades: 7º ano • Frações, 6º ano • Operações Fundamentais, • Números Decimais, • Área e Perímetro de • Propriedades, Figuras Planas • Porcentagem, • Figuras Planas 9º ano • Expressões Algébricas, 8º ano • Números Racionais, • Números Negativos, • Resolução de • Ângulos, Equações do 1º, • Conceito de Equações • Teorema de Tales, • Teorema de Pitágoras • Teorema de Pitágoras
  28. 28. 1ª Série do E.M. • Equações do 2º grau, • Proporcionalidade, • Semelhança, • Probabilidade 2ª Série do E.M. • Funções, • Razões Trigonométricas, • Relações Métricas no Triângulo Retângulo, • Progressão Aritmética e Geométrica 3ª Série do E.M. • Matrizes, • Geometria: Área de Superfície e Volume de Sólidos, • Probabilidade.
  29. 29. Conteúdos e Habilidades: Para subsidiar o planejamento de ensino e aprendizagem, encontra-se no caderno referente ao Currículo de Matemática, uma seção denominada “Quadro de conteúdos e habilidades de Matemática”, que poderá ser perfeitamente objeto de pesquisa para a ação de planejar. Sugere-se aqui, que o plano de ação seja elaborado na forma de grupo colaborativo, de tal forma que todos os professores de Matemática possam elaborar um plano comum de ação para todas as séries/anos da Unidade Escolar.
  30. 30. 6º Ano 7º Ano 8º Ano 9º Ano • Compreender e operar com o SND; • Compreender o significado das frações e operar com as mesmas; • Compreender o significado dos números decimais e operar com os mesmos; • Saber identificar e classificar formas planas e espaciais; • Compreender a noção de área e perímetro; • Compreender informações contidas em tabelas e gráficos. • Compreender a relação entre uma fração e a representação decimal de um número e saber operá-los; • Compreender o significado dos números negativos e operá-los; • Saber reconhecer e resolver situaçõesproblema que envolvam proporcionalidade; • Reconhecer e saber utilizar o conceito de razão; • Conhecer o significado do número pi; • Saber resolver problemas que envolvam a ideia de porcentagem; • Operar com ângulos; • Compreender o conceito de equação a partir da ideia de equivalência. • Compreender a ideia de número racional em sua relação com as frações e as razões; • Compreender a utilidade do uso das potências para representar números muito grandes e muito pequenos; • Relacionar as linguagens algébricas e geométricas no caso dos produtos notáveis; • Realizar operações com monômios e polinômios; • Saber resolver sistemas lineares de duas equações e duas incógnitas; • Compreender e usar o plano cartesiano; • Reconhecer e aplicar o Teorema de Tales; • Compreender o significado do Teorema de Pitágoras; • Calcular áreas de polígonos. • Ampliar os conjuntos numéricos culminando com os números irracionais; • Saber representar os números racionais na reta numerada; • Saber operar com radiciação e potenciação; • Compreender a resolução de equações do 2º grau; • Compreender a noção de função como relação de interdependência; • Saber expressar e utilizar em contextos práticos as funções de 1º e 2º graus; • Saber reconhecer a semelhança entre figuras planas; • Compreender e saber aplicar as relações métricas e as razões trigonométricas dos triângulos retângulos; • Utilizar o número pi no calculo de área e perímetro de circunferência; • Resolver situações-problema que envolvam o princípio multiplicativo e probabilidade
  31. 31. 1º Ano 2º Ano 3º Ano • Saber reconhecer padrões e regularidades em sequências numéricas; • Conhecer as características principais das progressões aritméticas e geométricas; • Saber utilizar em diferentes contextos as funções de 1º e 2º graus; • Conhecer a função exponencial e suas propriedades; • Conhecer o significado dos logaritmos; • Saber usar as relações métricas fundamentais em triângulos retângulos e não retângulos; • Saber aplicar as propriedades dos polígonos regulares em problemas de pavimentação de superfície. • Conhecer as principais características das funções trigonométricas básicas, sabendo construir seus gráficos e aplicá-las em seus diversos contextos; • Compreender o significados das matrizes e das operações entre elas; • Saber resolver e discutir sistemas de equações lineares por escalonamento; • Saber calcular probabilidade de eventos em diferentes situaçõesproblema; • Saber identificar propriedades características, calcular relações métricas fundamentais de sólidos como o prisma, o cilindro, a pirâmide o cone e a esfera. • Saber usar de modo sistemático sistemas de coordenadas cartesianas; • Saber reconhecer a equação da reta e o significado de seus coeficientes; • Saber identificar as equações da circunferência e das cônicas na forma reduzida e conhecer as propriedades características; • Conhecer as relações entre os coeficientes e as raízes de uma equação algébrica; • Saber reduzir a ordem de uma equação a partir do conhecimento de uma raiz; • Compreender o significado geométrico das operações com os números complexos; • Compreender o significado da taxa de variação unitária, utilizando-a para caracterizar o crescimento, decrescimento e a concavidade de gráficos; • Saber analisar e interpretar índices estatísticos de diferentes
  32. 32. Comparação entre as defasagens tendo por base as mesmas habilidades SÉRIE HABILIDADE DEFASAGEM 6º Campo Multiplicativo 49% 6º Campo Multiplicativo 81% 7º Campo Multiplicativo 76% 6º Fração: equivalente, parte todo, porcentagem 83% 6º Fração: equivalente, parte todo, porcentagem 60% 7º Fração: equivalente, parte todo, porcentagem 99%
  33. 33. Comparação entre as defasagens tendo por base as mesmas habilidades SÉRIE HABILIDADE DEFASAGEM 1º Ler e interpretar um gráfico cartesiano que indica a variação de duas grandezas 58% 1º Ler e interpretar um gráfico cartesiano que indica a variação de duas grandezas 61% 2º Ler e interpretar um gráfico cartesiano que indica a variação de duas grandezas 68% 1º Resolver problemas envolvendo as relações métricas dos triângulos retângulos 79% 1º Resolver problemas envolvendo as relações métricas dos triângulos retângulos 75% 2º Resolver problemas envolvendo as relações métricas dos triângulos retângulos 77%
  34. 34. O Currículo de Língua Portuguesa
  35. 35. Matrizes de Referência O Em Língua Portuguesa, em situações de Leitura e Leitura, existem habilidades e competências comuns a todas as séries/anos , dentro de seis temas estruturantes do currículo :
  36. 36. Matrizes de Referência O Tema 1 – Reconstrução das condições de produção e recepção de textos; O Tema 2 – Reconstrução dos sentidos O Tema 3 – Reconstrução da textualidade O Tema 4 – Reconstrução da intertextualidade e relação entre textos O Tema 5 – Reflexão sobre os usos da língua falada e escrita O Tema 6 – Compreensão de textos literários
  37. 37. Matrizes de Referência O Considerações sobre a produção textual: O Competência 01 – Tema O Competência 02 – Gênero O Competência 03 – Coesão e Coerência O Competência 04 – Registro O Competência 05 – Proposição – Indicativos de propostas de intervenção para o problema abordado (9º e 3º ano EM)
  38. 38. Matrizes de Referência O Considerações sobre a produção textual: O Competência 01 – Tema O Competência 02 – Gênero O Competência 03 – Coesão e Coerência O Competência 04 – Registro O Competência 05 – Proposição – Indicativos de propostas de intervenção para o problema abordado (9º e 3º ano EM)
  39. 39. Olimpíada de Língua Portuguesa O O lançamento nacional acontece em São Paulo (SP), no dia 24 de fevereiro, mas os educadores de todo o Brasil já podem se preparar e dar início ao planejamento para a 4ª. edição da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro. O calendário com as datas, prazos e períodos para todas as atividades já está disponível na Comunidade Virtual do CENPEC http://www.escrevendoofuturo.org.br/
  40. 40. Olimpíada de Língua Portuguesa O A partir do lançamento, em 24 de fevereiro, as inscrições de professores e as adesões de Estados e municípios poderão ser realizadas unicamente via Comunidade Virtual Escrevendo o Futuro, o Portal da Olimpíada (www.escrevendo.cenpec.org.br), até o dia 30 de abril.
  41. 41. Olimpíada de Língua Portuguesa O As oficinas com os alunos podem ser realizadas logo no início do ano letivo e a metodologia da Olimpíada segue todos os parâmetros curriculares oficiais de língua portuguesa.. O texto - ou textos, se a escola participa com mais de um gênero - deve ser enviado até a data limite de 15 de agosto
  42. 42. O Planejamento estratégico do Professor deve estar atrelado ao desenvolvimento de habilidades, para que o aluno se torne competente nas diferentes áreas do conhecimento
  43. 43. Professor Coordenador e o Planejamento Escolar Gestão Pedagógica do Currículo
  44. 44. O Maestro
  45. 45. Legislação
  46. 46. Legislação
  47. 47. Perfil do Professor Coordenador
  48. 48. Legislação
  49. 49. Autoavaliação Gestão Pedagógica do Currículo
  50. 50. Autoavaliação, por que? O A autoavaliação não se propõe apenas a avaliar pessoas, mas refletir criticamente sobre as potencialidades e fragilidades da ação profissional , que podem afetar a organização da escola e a qualidade dos serviços prestados a toda a comunidade escolar. O Por esta razão, propomos uma oficina de autoavaliação reflexiva, com o objetivo de valorizar o Professor Coordenador e incentivar ações e processos de melhoria da qualidade da educação em cada escola, bem como favorecer a gestão pedagógica desempenho das escolas.
  51. 51. Oficina O Formação de grupos para reflexão da ação pedagógica diante das seguintes dimensões: O Definição da missão e Gestão do Currículo O Monitoramento do ensino O Monitoramento do progresso dos alunos O Promoção do clima pedagógico
  52. 52. DEFINIÇAO DA MISSÃO Você tira proveito de qualquer oportunidade para discutir os objetivos, os propósitos e a missão da escola com seus professores ? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você disponibiliza as informações adequadas e o apoio necessário aos professores para que possam envolver-se com sucesso no planejamento curricular , nas inovações educacionais e no desenvolvimento geral do ensino aprendizagem dos alunos ? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você trabalha para garantir o bom ajuste entre os objetivos curriculares e os testes de realizações? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você busca aumentar o seu conhecimento e de sua equipe sobre métodos pedagógicos, de tal forma que possa tornar válidas e úteis as sugestões e as críticas sobre o trabalho de seus professores ? ( ) Sim ( ) Não Comentários GESTÃO DO CURRÍCULO
  53. 53. MONITORAMENTO DO ENSINO (GESTÃO DE SALA DE AULA) Você dedica tempo em orientar os professores de sua escola sobre como ensinar , observando seu desempenho em aulas e encorajando-o a fazer o melhor em seu trabalho ? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você instrui e aconselha os professores de uma maneira solidária , encorajando-os a definir objetivos que propiciem o próprio crescimento profissional? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você revisa com os professores os dados sobre o desempenho dos alunos nas avaliações internas e notas bimestrais ? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você utiliza as informações decorrentes dos processos de avaliação para medir o progresso dos alunos em relação aos objetivos propostos nos planos de ensino ? ( ) Sim ( ) Não Comentários MONITORAMENTO DO PROGRESSO DOS ALUNOS
  54. 54. MONITORAMENTO DO PROGRESSO DOS ALUNOS Você revisa com os professores os dados sobre o desempenho dos alunos nas avaliações internas e notas bimestrais ? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você utiliza as informações decorrentes ( dos processos de avaliação para medir o progresso dos alunos em relação aos objetivos propostos nos planos de ensino ? ) Sim ( ) Não Comentários Vocês disponibiliza com facilidade e presteza informações sobre os alunos que possam afetar seu desempenho escolar ? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você discute com os professores os resultados apresentados pelos alunos para determinar os pontos fortes e fracos dos processos de ensino e aprendizagem? ( ) Sim ( ) Não Comentários
  55. 55. PROMOÇÃO DO CLIMA PEDAGÓGICO Você encoraja os professores a tentar nova ideias e envolver-se em projetos pedagógicos multidisciplinares ? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você elogia e reconhece os professores por um trabalho bem executado ? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você observa e dá feedback a(os) professor(es) sobre suas práticas pedagógicas ? ( ) Sim ( ) Não Comentários Você promove espaço para a auto( avaliação da sua equipe de professores ? ) Sim ( ) Não Comentários Você prioriza a escuta e procura ( compreender o ponto de vista das partes envolvidas diretamente no processo ensino aprendizagem (professor-alunopais- equipe gestora)? ) Sim ( ) Não Comentários
  56. 56. Referências importantes: O Vasconcellos, Celso dos Santos. Planejamento: projeto de ensino- aprendizagem e projeto político-pedagógico. 20ª ed. SP: Libertad, 2010. O Piconez, Stela C. Bertholo. Reflexões pedagógicas sobre o ensino e a aprendizagem de pessoas jovens e adultas. SP: SEE, 2013. Caderno do Gestor, volume 1, 2008 http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/18/arquivos/CADERNO_GESTOR_FINA L_red.pdf Caderno do Gestor, volume 2, 2008 – Plano Anual e Plano Bimestral – disponível em http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/18/arquivos/CG-VOL2.pdf Caderno do Gestor, volume 3, 2008 – Plano de Aula e gestão pedagógica das dificuldades de aprendizagem http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/18/arquivos/CG-VOL3.pdf
  57. 57. “Se correr, o bicho pega; se ficar, o bicho come. Mas se nos juntarmos, a gente pega o bicho.” Mário Sérgio Cortella
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×