0

Seminário midiatização e cotidiano 17.09.2012

309

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
309
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Seminário midiatização e cotidiano 17.09.2012"

  1. 1. Midiatização e Cotidiano: reflexõessobre as interações tecnomediadas UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PPGC/UFPB – setembro 2012
  2. 2. Sob o signo de Hermes: o espírito mediador• Midiatização, interação e comunicação compartilhada• ClaudioCPaiva• UFPB
  3. 3. Hermes na Idade MídiaAntropologia filosófica da comunicação digital• Exploração interdisciplinar da comunicação• Reflexão filosófica• Etnografia da cultura da convergência• Uma antropologia interpretativa• Hermes-Mercurio- Trismegistus• Hermenêutica da comunicação digital
  4. 4. Convergência Midiática e Ciberativismo• Comunicação • Internet e sistemas Colaborativa e hipermídia: uma nova Convergência realidade social sociotecnológica eletrônica.• como vetor de • Mídia Cidadã: empoderamento • interação colaborativa: coletivo
  5. 5. Paradoxos da sociedade midiatizada • Estratégias globais da• Os desplugados, os comunicação em rede: “sem banda larga”; • Chiapas,• Desafios do século 21: • Gênova, democratização da • Seattle, informação, facilidade de acesso, conexão • Primavera Árabe, ágil, banda larga para • América Latina todos. Cidadania e Inclusão Digital
  6. 6. A dimensão visível da inteligência coletiva conectada• O correio eletrônico, • O chat, o blog, o MSN, o• webjornalismo, Facebook, o Twitter e o• informatização bancária, YouTube• medicina computadorizada,• voto eletrônico,• GPS, enciclopédias , bibliotecas virtuais, teleconferências,• educação mediada pela tecnologia;
  7. 7. Complexidades da cultura de convergência• De um lado, o complexo • Do outro lado, o midiático massivo complexo pós-massivo: controlado pelo sistema “sistemas sociais de global de produção resposta”, estratégias capitalista, meramente de distribuição e comercial e lucrativo socialização da informação
  8. 8. Conteúdos Digitais e Convergências Tecnológicas• André Lemos faz distinção • Uma etnologia das entre a tecnocultura formas de vida mental (domínio técnico da vida inclui o mito e o logos, a social) e a • técnica e a magia, desde• Cibercultura (socialização um estágio pré-moderno dos saberes técnicos); da civilização.• A convergência de • A techné e a epistème formas, conteúdos e interligadas na sabedoria linguagens sinaliza uma antiga e elevação da qualidade de • na era da comunicação vida digital
  9. 9. A hermenêutica como estratégia leitura de leitura e mediação• O paradoxo da • Uma perspectiva comunicação - que se antropo-filosófica da quer comunicação para transparente, democráti decifrar o mistério das ca , conjunções, a• mas impulsionada pelas coincidência dos forças opostos: econômicas, políticas, in • Virtual e presencial stitucionais em direção • Academia e mercado contrária • Capital e trabalho
  10. 10. A sabedoria de Hermes e o poder da comunicação em rede• Filosofia, antropologia, • Hermes e as leituras sociologia, psicanálise e do grande livro do crítica literária. mundo.• Hermes, como o • gestor perspicaz no intérprete e mediador enfrentamento da diante das causas da conjunção dos humanidade. contrários.• Homero, Petrônio, Dant • convergências e e, Shakespeare, Proust, complexidades da Dostoievsky cultura na era da comunicação digital.
  11. 11. Hermes-Mercúrio-Trismegistus O poder da interpretação• Hermes é Mercúrio (na • Hermes Trismegistos acepção latina): (Thot egípcio): a• cogito imaginação mítico- matemático, saber racionalista pragmático, dedução e contabilidade do mundo
  12. 12. Significado e atualidade do culto de Hermes• A complexidade do • O métier dos discurso como doxa engenheiros de (opinião vivenciada no comunicação, criadores senso comum), como do techné (expressão da soft, técnicos, inventore arte e dos saberes s; práticos), e como • cyberpunks, hackers, ph epistème (saber reakers modificam o especulativo, ciência, fil comando dos osofia). computadores, telefone s, mídias locativas;
  13. 13. 2011: O ano de Mercúrio e da Comunicação• Mercúrio: atividades ligadas ao comércio: merces é mercado, mercadoria; liga-se - portanto - a um nível de conhecimento cerebral, contábil, pragmático. Mercúrio tem o discernimento para os negócios; favorece uma vigorosa imaginação criativa no mundo da propaganda e do marketing, a sua marca no imaginário do consumo tem grande receptividade.
  14. 14. Hermes e a Galáxia de McLuhan• Paradoxos, oximoros, pro • Mistério das conjunções vocação sistemática: entre o cérebro e a• a arte de aproximar os mente, o sensorial e o contraditórios. tecnológico, as redes• Previsão das neurais e os estímulos convergências sócio- eletrônicos, a percepção tecnológicas do século 21. cognitiva e a tactilidade das mídias.• “o meio é a mensagem” ;• “os meios são as massagens”
  15. 15. Mitologias antigas, modernas e recentes• A simbologia dos anjos. • As imagens de Hermes e a Asas do Desejo. civilização:• No sincretismo místico Boticelli, Rubens, Turner, religioso brasileiro: traduz Celine, De Vries, e na na figura emblemática de • imaginação poética de Exu, do candomblé. escritores como• A grife Hermès Dante, Goethe, Oscar• Ícone da velocidade: Wilde e Fernando Pessoa.• A Nike e as asas de Mercúrio
  16. 16. Iconicidades do Multiculturalismo• Nossa Senhora dos Navegantes (e da Boa Viagem), São Cristovão (padroeiro dos motoristas), São Rafael (padroeiro dos motociclistas), São Francisco Sales (padroeiro dos jornalistas), Santo Antonio (protetor dos feirantes e dos namorados), Santo Isidoro de Sevilha (padroeiro dos internautas).
  17. 17. As dimensões diurna e noturna do imaginário• Linguagens e • Lazer, diversão e experiências advindas entretenimento (o e- de interesses e comerce, o marketing motivações distintos; digital, as compras on• Força simbólica da line são sua expressões internet e hipermídia mais evidentes) e • Trabalho e Educação (como o e-learning, as teleconferências, as publicações virtuais).
  18. 18. Etnografia e hermenêuticada cultura de convergência• Games interativos (O Inferno de Dante);• videologia de Harry Potter,• ambientes imersivos e sensoriais como o Second Life,• website pornotube.com,• dispositivos de art-net minimalista (PPS, Slideshare)• epifanias cibermístico-astrológicas (site Porto do Céu),• posts comemorativos (morte de Bin Laden no YouTube)• comentários dos ciberativistas no Orkut,• “Segredos de polichinelo” no wikileaks.
  19. 19. Leituras imersivas e Hermenêutica Digital• A inteligência coletiva • O Estado, o Capital e a conectada, graças à grande sociedade civil disputam o hermenêutica digital, a ciberespaço com interesses• gigantesca máquina e objetivos distintos. sociotécnica provedora de • E o êxito no exercício das leituras do mundo, tem o inteligências em rede, o poder de controle das convergências• transformar o discurso em sócio-tecnológicas, vai ação. A comunicação depender do modo como compartilhada é puderem gerar estratégias atravessada coletivas de permanentemente por informação, comunicação e poderes em conflito. interpretação do mundo.
  20. 20. Hermenêutica e Theatrum Philosoficum• As bases filosófico- • Capturar o sentido da científicas para o pré- engrenagem sociotécnica entendimento: que agrega a máquina de• Exploração antropo- escrever, o rádio, o filosófica da cibercultura: telefone e o video.• Hermenêutica (PALMER), Justaposição de produtos de eras tecnológicas• Questões fundamentais distintas e formas de da hermenêutica percepção diferenciadas. (CORETH,) e• Interpretação e Ideologias (RICOEUR);
  21. 21. Kant e o imperativo categórico; Bruno e o imperativo da visibilidade• Kant (1724-1804): • “Imperativo da• antecipou visibilidade”,:utilizado McLuhan, nunca saiu da por Bruno (2010); sua “aldeia” e – reza a • As estratégias de lenda – almejou decifrar visibilidade, conexão e o mundo forjando mobilidade como pré- filosoficamente uma requisitos para a “globalização” avant la entrada do ser na lettre, através das ordem da cultura; extensões de uma razão pura e transcendental.
  22. 22. Padrões de Linguagem e ecologia da comunicação• Schleiermacher : • Dilthey (1833-1911):• sistema de • abre caminho para as padronização da futuras reflexões, no linguagem digital como sec.21, estratégia de • o espírito do tempo, a construção dos efeitos inteligência cognitiva e de verdade. a ecologia da (Antecipação de comunicação Baudrillard e a crítica do (desenvolvidas por simulacro). Bateson, e Escola de Chicago).
  23. 23. Gadamer, Ricoeur e a interpretação das culturas• Gadamer (1900-2002), o • E Ricoeur (1913-2005), o estudioso do belo, estimula a “filósofo do sentido”, dedicou- exploração dos se com afinco ao tema das “enigmas, segredos e “interpretações e ideologias” e mistérios” da realidade “o conflito das sensível estetizada pelas interpretações”, impelindo-nos tecnologias audiovisuais a enfrentar (e compreender) compartilhadas. os paradoxos e complexidades da comunicação digital. • (Sodré, Santaella, Lemos, Lévy, Amaral, Morais, Antoun, Silveir a atualizam os esforços atuais de interpretação da cultura do ciberespaço).
  24. 24. Milton Santos• A questão que se colocam os filósofos é a de distinguir entre uma natureza mágica e uma natureza racional. (...) Os sistemas lógicos evoluem e mudam, os sistemas de crenças religiosas são recriados paralelamente à evolução da materialidade e das relações humanas e é sob essas leis que a Natureza vai se transformando. MILTON SANTOS, 1994.
  25. 25. O espírito de Narciso nas águas do Facebook
  26. 26. O filme Rede Social• Mark Zuckerberg, • Complexo de Roberto Carlos: 1 milhão de amigos• inventor do Facebook • (Marcia Tiburi)• personalidade narcisista, recalque, auto • Sociedade em Rede, O estima baixa, poder da identidade• ressentimento, (Castells, 1999)• egoísmo, crueldade • Cibercultura (Lévy, 1999 ) • Cibercultura, tecnologia e• Uma história de vida social (Lemos, 2002) superação
  27. 27. Crítica e auto crítica da midiatização• O que significa a pergunta • Tecnoburocracia• “O que você está • Corporações midiáticas pensando?” • O imperativo da• Quem pergunta? visibilidade.• O quê? • A persona virtual e a• Como? máscara social• Por quê? • O poderes hegemônicos e• Quem monitora quem? os empoderamentos • A Ética e o Direito • As liberdades individuais • O contexto do neoliberalismo
  28. 28. As tecnologias da visibilidade e o paradoxo do narcisismo• As telas e videos como • A máquinas de visão reforços da ideologia da como vetores de do individualismo e da tribalização e socialidade exclusão social • Os meios como extensão dos afetos comunitários
  29. 29. O indivíduo, o livre arbítrio e o mal• Os direitos humanos• A criminalidade• O sujeito, cidadão,• consumidor• O vício e o cuidado de si• O sagrado exercício da liberdade• Postagem• Foto-charge• Antitabagismo
  30. 30. Narcisismos coletivos presenciais• Comunidade dos estetas • Comunidade dos artistas
  31. 31. Narcisismos Coletivos Virtuais• Comunidade dos • Comunidade dos e-leitores artistas, estetas e ligados na e amantes dos livros música
  32. 32. Redes Virtuais, Redes da Indignação Social• A política partidária e • Esfera pública clássica• a politiz@ção do cotidiano • Esfera públic@ conectada
  33. 33. Narciso, o chiste e suas funções inconscientes• O riso como estratégia de sobrevivência• A lógica do pior• A desforra das massas• Carnavalização das celebridades• http://www.facebook.co m/photo.php?fbid=47924 2205422810&set=a.1395 48342725533.26846.1000 00111058248&type=1&th eater
  34. 34. Redes sociais – Vetores de socialização• Solidariedade• Sociabilidade• Socialidade• Confiança• Respeito mútuo• Atenção• Polidez• Tolerância• Generosidade
  35. 35. Crítica e autocrítica midiática• http://www.facebook.c om/photo.php?fbid=38 1534175241569&set=a. 153985054663150.327 96.153964131331909& type=1&theater
  36. 36. Redes sociais de protesto
  37. 37. Rio + 20
  38. 38. O espírito de porco dos internautas• Distúrbios e variações da personalidade narcísica• O sarcasmo• O chiste• O riso cruel• O bulling• A inversão• Narcisismo, recalque, sa dismo, a sublime crueldade em rede
  39. 39. O emotivo e o indicial no Facebook• http://www.facebook.c om/photo.php?fbid=38 8480731210752&set=a. 210713612320799.506 76.100001464850687& type=1
  40. 40. Indivíduos conectados eRedes da Indignação Coletiva
  41. 41. O Facebook e o show do Eu• “Menos Luiza que está no Canada” !• Exibicionismo midiático• Ostentação material• Espetacularização do ego• Fogueira das Vaidades• Imperativo da visibilidade• Obsessão pela fama• Desejo de celebridade• O imperativo da visibilidade
  42. 42. Referências
  43. 43. Referências
  44. 44. Referências • Empoderamentos individuais e coletivos
  45. 45. Referências
  46. 46. Referências
  47. 47. Referências
  48. 48. Referências
  49. 49. Obrigado!
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×