Transtornos ansiosos na infância e adolescência

7,506 views

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
7,506
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
243
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transtornos ansiosos na infância e adolescência

  1. 1. TRANSTORNOS ANSIOSOS, SÍNDROME DO PÂNICO E DEPRESSÃO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DR. CLÁUDIO COSTA IPEMED-2012 Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  2. 2. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Generalidades:A vivência ansiosa é um fato natural da vida, comum desde a infância. Ansiedade e angústia são componentes normais do desenvolvimento e sua ausência é patológica, colocando em risco a própria vida. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  3. 3. Transtornos ansiosos na infância e adolescênciaO que é ansiedade? A) conceito psicológico: – Trata-se de uma vivência de sofrimento psíquico, não necessariamente uma doença. – Caracteriza-se por sentimento de medo antecipatório diante de um evento considerado ameaçador. – Sinal e tentativa para restabelecer coerência psíquica Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  4. 4. Transtornos ansiosos na infância e adolescênciaO que é ansiedade? Conceito neurofisiológico: – Descarga neuronal no tronco cerebral, desencadeando reações autonômicas:  Liberação de noradrenalina pelo locus ceruleus  Liberação de serotonina na região central da rafe  Estimulação do sistema límbico nas situações de ameaça: medo antecipatório Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  5. 5. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Modelo homeostático: Homeostase necessidadetensão da necessidade ação restauradoraSe eficaz: volta a homeostaseNão eficaz: permance a tensão de necessidade, portanto permanece a ansiedade : sintoma Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  6. 6. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Modelo psicanalítico: A partir de Freud, a ansiedade é definida como uma tensão psíquica derivada de conflitos inconscientes, diante de conteúdos libidinais não aceitáveis pelo Eu e Super-Eu. Mobilização dos “mecanismos de defesa” disponíveis: negação, recalque, sublimação, etc. Os conteúdos recalcados reaparecem sob forma de sintomas neuróticos (mais aceitáveis pelo Eu) Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  7. 7. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Modelo conductual (psicológico) – A conduta humana ocorre em três áreas: – Área mental: pensamento, sentimentos, dúvidas, desejos, etc. – área corporal: movimentos, funcionamento geral, sensações sensoperceptivas, etc. – Área social: relacionamento interpessoal, aproximação ou afastamento, etc. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  8. 8. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Modeloconductual e os “Transtornos Ansiosos” Medo Angústia Ansiedade Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  9. 9. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Área social: MEDO: o medo é aprendido e está ligado a uma situação específica (educação e experiência). Faz parte do desenvolvimento normal. Patologia do medo: ausência: risco, inconsequência... excesso: fobias, inibição, fobia social... Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  10. 10. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Áreacorporal: ANGÚSTIA: sensações de extremo mal-estar acompanhadas de manifestações somáticas neurovegetativas. Denotam insegurança diante de perigo indeterminado ou do desconhecido. • Exemplo: angústia do 8º mês – normal no desenvolvimento • Patologia: doenças psicossomáticas Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  11. 11. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Área Mental: ANSIEDADE: vivência de mal-estar, desequilíbrio, fantasias de perigo iminente. Invade todo o organismo (áreas corporal e social). Substrato da maioria dos transtornos psicopatológicos. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  12. 12. Transtornos ansiosos na infância e adolescência FORMAS CLÍNICAS: As formas clínicas variam de acordo com a idade e o desenvolvimento e obedecem ao arsenal de recursos adquiridos pela criança. No início da vida, predominam as formas corporais. À medida em que a criança se desenvolve, as manifestações somáticas cedem lugar a manifestações psíquicas e sociais Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  13. 13. Transtornos ansiosos na infância e adolescência– No bebê, o corpo é o instrumento principal de relação com o mundo exterior. Assim, as angústias precoces se manifestarão como: Transtornos de sono Estados de hipertonia Dificuldades alimentares Irritabilidade Hipervigilância (imobilidade silenciosa e atentiva) Transtornos psicossomáticos diversos – trato gastrointestinal - trato respiratório – etc. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  14. 14. Transtornos ansiosos na infância e adolescência– Na infância e adolescência, aparecem sintomas ligados ao desempenho escolar, respostas às exigências parentais, mudanças corporais: Inquietação Fobias específicas, inespecíficas Fobia escolar Angústia de separação Transtornos obsessivos Angústia Podem aparecer, também, as manifestações somáticas Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  15. 15. Transtornos ansiosos na infância e adolescência “Cartão do Dia dos Pais- Paciente 09 anos” Caio, 8 anos. Julho, 2012
  16. 16. Transtornos ansiosos na infância e adolescência CLASSIFICAÇÃO: Tanto a CID-10 quanto o DSM-IV têm um capítulo intitulado: Transtornos emocionais com início específico na infância (F 93 / 309.21 ) Transtorno de ansiedade de separação Transtorno de ansiedade fóbica Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  17. 17. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Transtorno de ansiedade de separação: – Preocupação irrealista e aflitiva sobre possíveis danos acometendo os pais ou importantes figuras de vinculação – Relutância ou recusa persistente em ir para a escola, separar-se dos pais, dormir fora de casa – Medos antecipatórios quando a criança toma conhecimento de viagens dos pais – Sintomas físicos concomitantes: cefaléias, distúrbios gastro-intestinais, pesadelos repetitivos com temas de separação – Início antes dos 18 anos Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  18. 18. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Transtornode ansiedade de separação: Epidemiologia: – Incidência maior em torno de 11 anos – Prevalência: 3,5 a 5,4 % (Costello-1999) Diagnóstico diferencial: – Principalmente com Depressão – É comum a comorbidade – Simples evasão escolar, gazeta, fuga das responsabilidades Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  19. 19. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Transtorno de ansiedade fóbica na infância: – Classificam-se aqui os medos (fobias) que se iniciam no período apropriado do desenvolvimento, porém com intensidade excessiva e duração maior do que 4 semanas. Exemplos:  Medo de animais: no período pré-escolar  Medo de escuro: entre os 18m e 2 anos  Medo da morte: em torno dos 8 anos Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  20. 20. Transtornos ansiosos na infância e adolescênciaTranstornos fóbico-ansiosos que se classificam como no adulto: Transtorno Fóbico: específica, inespecífica, fobia social Transtorno de Pânico – ansiedade paroxística aguda Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) Transtorno Obsessivo-compulsivo (TOC) Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  21. 21. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Transtorno de Pânico:Mais raro na infância. Mais comum no final da adolescência. Crises repetidas de angústia, com sintomas somáticos e psicológicos: taquicardia, dor pré-cordial, taquipnéia, sudorese, distúrbios gástricos, sensação e medo de morte iminente, etc. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  22. 22. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Tratamentos: Prevenção: orientação dos pais e acolhimento atencioso do bebê ou da criança; atenção aos fatores psicológicos: descuido, abandono, ambiente estressante Psicoterapia: resolução de conflitos inconscientes – ludoterapia Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  23. 23. Transtornos ansiosos na infância e adolescência Tratamento psicofarmacológico:  Ansiolíticos: Cuidados com indução à dependência e abuso da droga – Iniciar com dosagens baixas: 0,25mg/dia  Antidepressivos:  Tricíclicos: bastante eficazes. Contradindicações quando há arritmias cardíacas. Valorizar efeitos colaterais: boca seca, tremor, insônia.  ISRS: também eficazes. História de excitação e alguns raros casos de suicídio.  Betabloqueadores: uso não bem estabelecido. Efeitos adversos: depressão, bradicardia. Contra- indicações: asma e diabetes.Horizonte Dr. Cláudio Costa - Belo
  24. 24. Depressão em crianças e adolescentes Não há uma classificação específica para Transtornos de Humor em crianças e adolescentes. Portanto: Classificação igual à do adulto. Depressão Maior (depressão clássica) Transtorno bipolar Distimia Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  25. 25. Depressão em crianças e adolescentesOs sintomas variam de acordo com a idade, o período evolutivo e as capacidades expressivas. depressão no bebê: recusa à alimentação, inquietação, irritabilidade, transtorno de sono.- Hospitalismo: quadro grave, evoluindo da inibição psicomotora, para irritabilidade, desconhecimento do ambiente, imobilidade, posição em decúbito, olhar perdido, marasmo, morte. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  26. 26. Depressão em crianças e adolescentes Depressão durante a segunda infância:  Quanto mais nova, predominam as manifestações somáticas (doenças de pele, transtornos gástricos, inapetência, insônia).  Na idade escolar e pré-púbere: irritabilidade, sentimentos de menos-valia, ideação de ruína e suicídio, inibição social.  Insônia ou hipersônia  Inapetência ou excesso de apetite  Perda de prazer nas atividades anteriormente prazerosas Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  27. 27. Depressão em crianças e adolescentes Depressão na adolescência:  Insônia  Irritabilidade  Isolamento social  Perda de prazer  Alterações do apetite e peso  Abuso de substância (álcool e drogas)  Comportamento anti-social  Pensamentos de ruína – ideação e tentativas de auto-extermínio  Mais comum em meninas Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  28. 28. Depressão em crianças e adolescentes Tratamentos: – Orientação familiar – Terapia familiar – Psicoterapia: individual ou grupal – Psicofarmacoterapia – Internação hospitalar Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  29. 29. Depressão em crianças e adolescentes Psicofarmacoterapia: – Avaliar:  Gravidade do caso  Idade do paciente  Avaliação “risco x benefício”  História familiar positiva para determinado fármaco  Presença de sintomas físicos, transtornos alimentares, insônia, inibição social Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  30. 30. Depressão em crianças e adolescentes Fatores de risco para uso de psicofármacos antidepressivos na adolescência: Abuso (supervalorização) Dependência psicológica Desconhecimento por parte do profissional Uso irregular: subdosagem, intervalos inadequados entre as tomadas, substituições precipitadas, excesso de medicação Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  31. 31. Depressão em crianças e adolescentes Farmacoterapia: Drogas mais usadas Estabilizadores do humor: lítio, ácido valpróico, carbamazepina, antipsicóticos atípicos (olanzapina, risperidona) Antidepressivos tricíclicos: imipramina, clomipramina, amitriptilina ISRS: sertralina, paroxetina, fluoxetina, citalopram, venlafaxina Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte
  32. 32. Depressão em crianças e adolescentes Efeitos colaterais dos antidepressivos: – Pelo bloqueio dos receptores muscarínicos (efeitos anticolinérgicos):  Boca seca  Constipação  Sedação  Taquicardia  Retenção urinária – Pelo bloqueio dos receptores alfa-1 e alfa-2 adrenérgicos:  Hipotensão e sedação Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte

×