Projeto interdisciplinar de libras

8,136 views
7,891 views

Published on

Nossa contribuição em Libras.

1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
  • muito relevante pois, quando nos deparamos com um aluno surdo há muito desespero por parte do docente que ainda não se sente preparado para receber este aluno, assim como o planejamento que deve atender as especificidades da LIBRAS
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
8,136
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
116
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Projeto interdisciplinar de libras

  1. 1. PROJETO INTERDISCIPLINAR DE LIBRAS GRUPO:Claudia Patrícia Leite Veneno EzidioCláudia Márcia do Nascimento RosaJane Santiago da FonsecaLuciana Cristina Silva GoulartSueli de Paula Laranja dos SantosAna Paula Alves Ferreira
  2. 2. INTRODUÇÃO Educação é direito de todos, está na lei. Mas no caso das pessoas com deficiência essa educação tem que estar voltada para que respeite as suas singularidades e particularidades. Para que tenhamos uma possível inclusão das crianças com necessidades especiais é necessário uma mudança de cultura das escolas, além de um aprimoramento na formação inicial e em serviço dos professores, ainda é preciso difundir recursos tecnológicos que os profissionais da educação e todo pessoal envolvido na busca de uma educação com qualidade podem utilizar. O uso de tecnologias poderá facilitar o processo de inclusão de crianças e jovens com deficiência auditiva.  O aluno surdo precisa aprender algum tipo de linguagem para que possa se expressar. A família tem um papel fundamental nesse processo, mas a escola deve ser uma forte aliada, precisa preparar a criança surda para a vida em sociedade, dando-lhe condições para aprender um código de comunicação que possibilite sua participação na sociedade. Jogos, desenhos, dramatizações, brincadeiras de faz-de-conta, histórias infantis ajudam no aprendizado da linguagem e na construção de conceitos e regras de um código de comunicação.
  3. 3. INTRODUÇÃO É certo que o uso de representações visuais como tática de ensino numa proposta pedagógica inclusiva favorecerá a assimilação de significados pela criança, bem como permitirá a representação mental de experiências. A atividade de sala de aula precisa favorecer às crianças surdas a possibilidade de entrada em comunidade lingüística com o propósito de concretizar uma apropriação de sistemas de representação não verbal e a constituição da linguagem para que haja comunicação.  Usar recursos visuais apropriados facilita a compreensão do que está sendo ensinado. Objetos, filmes, fitas de vídeo, fotos, gravuras de livros e revistas e desenhos são alguns desses recursos. A escrita e ainda o uso da língua de sinais, da mímica, da dramatização, de expressões faciais e corporais de gestos naturais e espontâneos ajudam a dar significado ao que está sendo estudado.
  4. 4. INTRODUÇÃO Usar recursos visuais apropriados facilita a compreensão do que está sendo ensinado. Objetos, filmes, fitas de vídeo, fotos, gravuras de livros e revistas e desenhos são alguns desses recursos. A escrita e ainda o uso da língua de sinais, da mímica, da dramatização, de expressões faciais e corporais de gestos naturais e espontâneos ajudam a dar significado ao que está sendo estudado. Após analisarmos a entrevista selecionamos o seguinte recurso tecnológico que poderá facilitar a aprendizagem do aluno surdo: DICIONÁRIO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (http://www.acessobrasil.org.br/libras/).SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Estratégias e orientações pedagógicas para a educação de crianças com necessidades educacionais especiais: dificuldades de comunicação e sinalização: surdez. [livro] Brasília: MEC; SEESP, 2002, P. 49.Fontes de consulta:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2004000300005http://www.ines.gov.br/( RECURSO DICIONÁRIO DE LIBRAS: http://www.acessobrasil.org.br/libras/)http://www.prp.unicamp.br/pibic/congressos/xiicongresso/cdrom/pdfN/4.pdfhttp://www.youtube.com/watch?v=UleHGh7yOX8&feature=relatedhttp://www.youtube.com/watch?v=TVbmXlm16JM
  5. 5. PROPOSTA DE TRABALHO HISTÓRIAS INFANTIS, LIBRAS E LINGUAGEM ESCRITA COM O ALUNO SURDO INTEGRADO EM TURMA REGULAR Sabendo que a estrutura textual que o surdo adquire com a LIBRAS é diferente da nossa, utilizaremos a história PATINHO FEIO para a aprendizagem de LIBRAS e para integrar e propiciar o aprendizado não só para a aluna com surdez como também para seus colegas de classe. Para esta proposta o professor regente da turma poderá contar com o apoio de um intérprete e ou instrutor.
  6. 6. PROPOSTA – 1º MOMENTOContação da história PATINHO FEIO para a turma. http://www.geartefono.com.br/media/images/Patinho-feio.jpg http://www.submarino.com.br/produto/1/238119/patinho+feio,+ohttp://www.geartefono.com.br/media/images/Patinho-feio.jpghttp://www.submarino.com.br/produto/1/238119/patinho+feio,+o
  7. 7. 2º MOMENTO separar a turma em grupos de 2 ou 3 alunos, propor escrever frases sobre a história com o apoio de imagens da mesma. Cada grupo seria responsável por uma parte da história e o professor deverá intervir para fazer as adaptações na estrutura frasais. Neste momento o instrutor poderá ter um papel importante na adaptação das frases/ou reescrita, já que geralmente esse profissional é surdo. exemplo: Era um lindo dia de primavera. adptação: lindo dia primavera exemplo: Mamãe pata observava feliz o nascimento de seus filhotinhos. adptação: mamãe pata observar feliz nascer filhotes
  8. 8. 3º MOMENTO consultar o dicionário de libras para aprender os sinais das frases adaptadas. (http://www.acessobrasil.org.br/libras/)
  9. 9. 4º MOMENTO após treinar e aprender os sinais, propor uma contação da história em libras realizada pelas crianças (grupos) com: -um leitor -um interpréte aluno Essa etapa será filmada usando as imagens da história de fundo (filmado com máquina fotográfica digital), editar em programa de edição (movie maker) e montar um filme da contação. (http://inclusodosurdo.blogspot.com/2010_06_01_archive.html) (busca de imagens - www. Google.com.br)
  10. 10. 5º MOMENTO A professora poderá propor a elaboração de uma filmoteca com contos infantis da turma em Libras. http://www.youtube.com/watch?v=TVbmXlm16JM
  11. 11. CONCLUSÃO É importante que o aluno surdo aprenda o português, mas precisamos entender e valorizar a cultura surda e suas particularidades. A língua de sinais, com estrutura própria e natural da comunidade surda, permite a interação dos surdos com o texto/contexto das histórias infantis, permitindo a leitura de mundo. Os recursos tecnológicos ajudarão aos aluno surdos a descobrir o mundo da escrita e da linguagem, fazendo com que ele possa ser inserido no meio social com mais autonomia. A contação de histórias para crianças tem importância crucial no processo de aquisição da linguagem. O contexto das histórias infantis enriquece a prática pedagógica podendo trabalhar várias questões do mundo dos alunos pelo imaginário. Esse trabalho com as histórias infantis narradas em língua de sinais possibilita a aquisição da escrita de crianças surdas, permitindo o acesso à língua portuguesa. A compreensão do contexto da história acontece por meio da língua de sinais, proporcionando à criança surda o aprendizado da escrita como segunda língua. http://www.youtube.com/watch?v=TVbmXlm16JM
  12. 12. CONCLUSÃO A maneira como a atividade está sendo proposta ainda favorece a integração dos alunos, surdos e ouvintes em ambos os mundos da oralidade e da LIBRAS, desperta o possível interesse pelo aprendizado de libras por parte dos alunos ouvintes e promove o entendimento de como se dá a comunicação. Entretanto, percebemos alguns pontos que podem dificultar um pouco esse trabalho. Entre eles a presença do intérprete, que apesar de estar previsto na lei, ainda não é um profissional presente em todas as salas de aula com aluno surdo integrado e a falta de conhecimento dos professores a respeito da surdez e da linguagem de sinais que permitiria por em prática propostas pedagógicas com mais segurança e envolvimento da gestão da escola para propiciar uma cultura de real inclusão na unidade escolar. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Estratégias e orientações pedagógicas para a educação de crianças com necessidades educacionais especiais : dificuldades de comunicação e sinalização: surdez. [livro] Brasília: MEC; SEESP, 2002, P. 49.
  13. 13. FONTES DE CONSULTA http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103- 863X2004000300005 http://www.ines.gov.br/( RECURSO DICIONÁRIO DE LIBRAS: http://www.acessobrasil.org.br/libras/) http://www.prp.unicamp.br/pibic/congressos/xiicongresso/cdrom/pdfN/4. pdf http://www.youtube.com/watch?v=UleHGh7yOX8&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=TVbmXlm16JM

×