Infertilidade masculina (2) final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Infertilidade masculina (2) final

on

  • 442 views

 

Statistics

Views

Total Views
442
Views on SlideShare
442
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Infertilidade masculina (2) final Infertilidade masculina (2) final Presentation Transcript

  • Epidemiologia No geral, tanto a mulher como o homem contribuem com 40% dos casos de infertilidade do casal;
  • Definição  A infertilidade masculina é definida como a incapacidade de engravidar a parceira após 1 ano (12 ciclos menstruais) de relações sexuais frequentes, não protegidas, ou seja, sem uso de qualquer método contraceptivo.  Não confundir com esterilidade, que é definida como a incapacidade definitiva de engravidar a parceira.
  • Fatores de Risco  Baixo número de espermatozóides;  Ausência de espermatozóides por uma falha na produção no testículo ou por um processo de obstrução;  Diminuição da mobilidade do espermatozóide, o que impede que este encontre e fertilize o óvulo, processo que ocorre na trompa;  Alterações na forma do espermatozóide, o que interfere na sua capacidade de penetrar nas camadas do óvulo;  Dificuldade no coito, por um distúrbio na ejaculação ou pela impotência; View slide
  • Factores de Risco (cont.)  Profissões em que o homem está exposto a altas temperaturas, como padeiros. Motoristas e Empregados de escritório também são profissões criticas.  Banhos quentes de imersão, saunas e solários também tem uma influencia acrescida na infertilidade.  Uso de roupas apertadas.  Hábitos alimentares e estilos de vida.  Alterações significativas no peso. (IMC >19 e <29)  Tipo e frequência das relações sexuais.  Idade do homem. View slide
  • Causas  Idiopática   10% dos casos de infertilidade parecem apresentar todo o sistema genital sem problemas, mas mesmo assim são inférteis. Em muitos casos, existem anomalias moleculares dos espermatozóides, para os quais não existem testes de detecção.
  • Causas (cont.)    Diminuição do numero de espermatozóides morfologicamente normais. Hiperspermia  Aumento do volume de sémen.    Teratozoospermia Hipospermia Diminuição do volume de sémen. Astenozoospermia  Diminuição da mobilidade progressiva rápida dos espermatozóides   Necrozoospermia Imobilidade total por morte dos espermatozóides.
  • Causas (cont.)  Tumores malignos  Obrigam frequentemente à remoção cirúrgica do órgão, á quimioterapia e á radioterapia.   Quer a QT como RT se for pélvica, são agentes esterlizantes dos testículos. Orquidectomia: remoção cirúrgica do testículo.
  • Causas (cont.)  Anomalias anatómicas  Alterações da morfologia dos genitais externos:  Alteração da localização da localização do meato urinário (hipospádias; epispádias;)  Alteração do tamanho e localização dos testículos (hipotrofia: diminuição moderada do volume; anorquidia: ausência congénita do testículo;)
  • Causas (cont.)  Lesões do Escroto:  Hidrocelo  Acumulação congénita de liquido no escroto. Causa diminuição da qualidade do semén.  Varicocelo  Síndrome anatómico de varizes escrotais, que consiste numa dilatação anormal das veias que drenam os testículos. Provoca a acumulação de substâncias nocivas para o órgão e o aumento da temperatura local, levando a uma diminuição na produção dos espermatozóides.
  • Causas (cont.)  Quistos do epidídimo   Podem ser congénitos ou secundários a infecções. Podem causar azoospermia obstrutiva. Torção testicular  acidental.  Pode levar á remoção cirúrgica do testículo (orquidectomia)
  • Causas (Cont.)  Azoospermia   Consiste na ausência de espermatozóides no líquido seminal ou espermatozóides em numero insuficiente; E afecta 1% a 2% do total de homens inférteis.
  • Causas (Cont.) Pode ser dividida em 2 grupos: Azoospermia obstrutiva Processos obstrutivos, ausência dos canais deferentes, situações póscirúrgicas, entre outros. Azoospermia não obstrutiva Gerada pela falência da produção testicular de espermatozóides. As causas podem ser problemas dos testículos ou a diminuição da produção de hormonas que estimulam o funcionamento testicular.
  • Causas (cont.)  Anejaculação  Ausência de erecção/ejaculação;  Também são frequentes nos casos das lesões dos nervos pélvicos secundários á cirurgia oncológica abdominal ou ás doenças neurodegenerativas;  Pode ocorrer na diabetes, doenças cardiovasculares e acidentes cérebro-vasculares ;  Pode ser de causa psíquica;  Devido a determinadas medicações ou hábitos;
  • Causas (cont.)  Ejaculação retrógrada  O sémen durante a ejaculação pode refluir para a bexiga em vez de ser expelido para o exterior.
  • Causas (cont.)  Anorquídia   Ausência congénita do testículo; Criptorquidia  Situação congénita caracterizada pela descida incompleta dos testículos para o escroto, ficando na região abdominal ou no canal inguinal.  Pode transformar-se numa neoplasia maligna se não ocorrer cirurgia.
  • Diagnóstico  Alterações do espermograma  São avaliados, através do sémen ejaculado, o volume, o pH, a viscosidade, o tempo de liquefacção, a concentração, a mobilidade, a morfologia, a resistência dos espermatozóides, infecções e presença de anti-anticorpos. Valores normais de um espermograma  Volume: 1.5 a 6 ml  Ph: 7-8  Concentração: > 20 milhões/ml  Mobilidade: > 50%
  • Causas genéticas Principal causa Infecções genitais, sobreaquecimento, medicamentos e sedentarismo; Alterações no espermograma Secundárias Álcool, tabaco, drogas; Tóxicos ambientais, profissionais, alimentares;
  • Tratamento  Eliminar os factores de risco o mais precoce possível;  O primeiro passo para um tratamento bem sucedido e a consequente gravidez da parceira, é o correto diagnóstico da situação.  Muitas causas de infertilidade masculina podem ser corrigidas; outras, apesar da impossibilidade, poderão ser contornadas com diversos métodos disponíveis de fertilização em laboratório.
  • Bibliografia  Infertilidade Masculina, in http://www.apfertilidade.org/web/causas-de-infertilidademasculina; Dezembro/2013  Infertilidade Masculina, in http://www.abcdasaude.com.br/; Dezembro/2013  Infertilidade Masculina, in http://www.portaldasaude.pt/portal; Dezembro/2013  PHIPS, Monahan; Enfermagem Médico-Cirúrgica: perspetivas de doença; Volume II, 8ª Edição, Lusodidacta; 2010.
  • Escola Superior de Saúde Jean Piaget de Vila Nova de Gaia UC: SMOG Docente: Prof. Laurinda Braga de Oliveira Trabalho elaborado por: • Cláudia Sofia nº 48308 • Joana Nunes nº 49140 • Marlene Magalhães nº 48546 • Sara Mota nº 48428