Your SlideShare is downloading. ×
0
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Kurt lewin
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Kurt lewin

32,557

Published on

Biografia e principais contribuições de Kurt Lewin, baseado no texto de Antonelo, C. S.; Pujol Junior, E.; Silva, M. V. Escola das relações humanas. disponível em …

Biografia e principais contribuições de Kurt Lewin, baseado no texto de Antonelo, C. S.; Pujol Junior, E.; Silva, M. V. Escola das relações humanas. disponível em http://nutep.adm.ufrgs.br/adp/RH.html, acessado em jan, 2012.

Published in: Education
0 Comments
10 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
32,557
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
517
Comments
0
Likes
10
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Divisão: Estabelecimento da distinção entre sócio-grupo (grupo de tarefa) e o psico-grupo (grupo estruturado, polarizado e orientado em função dos próprios membros que constituem o grupo – grupo de formação).
  • A piramide das necessidades de Maslow é de 1954, posterior a descrição das necessidades de Kut Lewin.
  • Transcript

    • 1. Kurt Lewin
    • 2. Um resumo do texto “ Escola das relações humanas” de Antonelo, C. S.; Pujol Junior, E.; Silva, M. V. Psicologia dos Processos Grupais Claudia Sodré
    • 3. Kurt Lewin - biografia http://nutep.adm.ufrgs.br/adp/RH.html <ul><li>09/09/1890 - Nasce Kurt Lewin na Prússia </li></ul><ul><li>1914 - titulo de doutor em filosofia pela Universidade de Berlim </li></ul><ul><li>1926 - Primeira Obra : A investigação em psicologia sobre comportamento e emoção. </li></ul><ul><li>1926 - Professor titular de Psicologia da Universidade de Berlim </li></ul><ul><li>1933 - Estatuto acadêmico cassado pelos nazistas </li></ul>
    • 4. Kurt Lewin - biografia http://nutep.adm.ufrgs.br/adp/RH.html <ul><li>1933 - Foge da Alemanha </li></ul><ul><li>1933 - Passa pela Inglaterra e vai para EUA convidado para ensinar na Universidade de Stanford (Califórnia) </li></ul>
    • 5. Kurt Lewin- biografia http://nutep.adm.ufrgs.br/adp/RH.html <ul><li>1934 - Professor de Psicologia na Universidade de Cornell –Nova York Cátedra de psicologia de da criança na Universidade de Iowa direção de um Centro de Pesquisa ligado ao departamento de Psicologia &amp;quot;Child welfare research center&amp;quot; Publicação de dois trabalhos Ä dynamic theory of personality&amp;quot; e &amp;quot;Principles of topological psycology” </li></ul><ul><li>1939 - Volta a Universidade de Stanford </li></ul><ul><li>1939 - Orientação das pesquisas alteram-se para psicologias dos grupos que seja dinâmica e gestaltica </li></ul>
    • 6. Kurt Lewin- biografia http://nutep.adm.ufrgs.br/adp/RH.html <ul><li>1940 - Torna-se professor na Universidade de Harvard </li></ul><ul><li>1945 - Funda a pedido do MIT um centro de pesquisas em dinâmica de grupo, que se torna o mais célebre nos EUA </li></ul><ul><li>1947 ( 12 de fevereiro) – Com 56 anos morre Kurt Lewin. </li></ul>
    • 7. Importância de sua obra <ul><li>Influenciou os teóricos da Administração e a Psicologia Industrial da década de 60. </li></ul><ul><li>Influenciou a introdução da Psicologia da Gestalt nas universidades dos EUA. </li></ul><ul><li>Devota seus últimos anos à pesquisa sobre grupos, sendo responsável por uma elevação do status da Psicologia Social como ciência. </li></ul><ul><li>Até os dias de hoje é fonte de inspiração para pesquisas. </li></ul>
    • 8. Contribuições <ul><li>  Criação da Teoria de Campo </li></ul><ul><li>Criação da Pesquisa-Ação </li></ul><ul><li>Fundador de Dinâmica de Grupo. </li></ul><ul><li>Estabeleceu as bases para a posterior divisão das ciências sociais. </li></ul>
    • 9. Dinâmica de grupo <ul><li>  &amp;quot; é o estudo das forças que agem no seio dos grupos, suas origens, conseqüências e condições modificadoras do comportamento do grupo.&amp;quot;. </li></ul>
    • 10. Importância da DN <ul><li>&amp;quot; (...) para organização é a de que, considerando os grupos responsáveis pelos atingimento dos objetivos organizacionais, a variação no comportamento do grupo é de conhecimento vital para o administrador.&amp;quot; </li></ul>
    • 11. Como se formam os grupos <ul><li>&amp;quot;A formação do grupo fundamenta-se na idéia de consenso nas relações interpessoais, ou seja, concordância comum sobre os objetivos e sobre os meios de alcança-los, resultando a solidariedade grupal.&amp;quot; </li></ul>
    • 12. A teoria de Campo
    • 13. <ul><li>  Para Kurt Lewin &amp;quot;O comportamento é produto de um campo de determinantes interdependentes (conhecidos como &amp;quot;espaço de vida&amp;quot; ou &amp;quot; campo social&amp;quot; ). As características estruturais dessa campo são representadas por conceitos extraídos da topologia e da teoria de conjuntos e as características dinâmicas são representadas através de conceitos de forças psicológicas e sociais&amp;quot; (Zander, 1967), </li></ul>
    • 14. Teoria do Campo <ul><li>É mais propriamente um método do que uma teoria. </li></ul><ul><li>Seus pressupostos estão intimamente ligados à Teoria da Gestalt. </li></ul><ul><li>Enfatiza a motivação como motor do comportamento. </li></ul>
    • 15. Principais conceitos <ul><li>Espaço de vida : todos os fatos que existem para o indivíduo, ou grupo, num dado momento. </li></ul>
    • 16. Principais Conceitos <ul><li>Conceitos dinâmicos essenciais para analisar o comportamento: </li></ul><ul><ul><ul><li>a tensão, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>a energia, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>a necessidade, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>a valência e </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>o vetor. </li></ul></ul></ul>
    • 17. <ul><li>Processos como: </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>a percepção, </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>a ação </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>e a recordação, </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><li>meios pelos quais as tensões de um sistema se igualam; </li></ul>Principais Conceitos
    • 18. Principais Conceitos <ul><li>A aprendizagem que provoca mudanças várias, como: </li></ul><ul><ul><ul><li>da motivação (adquirir novos gostos ou aversões), </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>mudança do grau de pertença ao grupo, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>assimilação de uma nova cultura. </li></ul></ul></ul>
    • 19. Equação do comportamento humano <ul><li>  C = f (P,M)  </li></ul><ul><li>Onde: (C) é função, </li></ul><ul><li>(F) ou resultado da interação entre a pessoa (P) e o meio ambiente (M) que a rodeia. </li></ul>
    • 20. Ambiente psicológico <ul><li>  Ambiente Psicológico: (ou ambiente comportamental) é tal como é percebido e interpretado pela pessoa, relaciona-se com as atuais necessidades do indivíduo. </li></ul><ul><li>Objetos, pessoas ou situações, podem adquirir valência no ambiente psicológico, determinando um campo dinâmico de forcas psicológicas. </li></ul>
    • 21. Valência <ul><li>A origem do conceito vem da química: foi um dos primeiros conceitos usados na tentativa de descrever ligações e/ou afinidades químicas. </li></ul><ul><li>Refere-se às relações entre necessidades e os seus objetos. </li></ul>
    • 22. Valência <ul><li>Valencia positiva: pessoas ou situações que podem ou prometem satisfazer necessidades presentes do indivíduo. Atraem o indivíduo. </li></ul><ul><li>Valência negativa: quando podem ou prometem ocasionar algum prejuízo Os objetos, pessoas ou situações de valência negativa repelem o indivíduo. </li></ul>
    • 23. Vetor <ul><li>Origem: da Física, da Cinemática. </li></ul><ul><li>&amp;quot;Algumas grandezas (como velocidade, força, etc) precisam, além do valor escalar, de uma direção e graficamente são representadas por um segmento de reta com seta. São denominadas grandezas vetoriais.&amp;quot; http://www.mspc.eng.br/matm/vetor110.shtml </li></ul>
    • 24. Vetor <ul><li>Um vetor tende sempre a produzir locomoção, um movimento em uma certa direção </li></ul><ul><li>Quando dois ou mais vetores atuam sobre uma mesma pessoa ao mesmo tempo, a locomoção é uma resultante de forças. </li></ul><ul><li>A locomoção pode ser impedida bloqueada por uma barreira, que é algum impedimento em relação a um objeto, pessoa ou situação. </li></ul>
    • 25. Barreira <ul><li>A barreira não têm valência e não exerce nenhuma força, oferece resistência sempre que alguma força exercida sobre ela. </li></ul><ul><li>Quando a barreira é rígida, ela exige do indivíduo tentativas de exploração para ultrapassá-la e, </li></ul><ul><li>Quando inultrapassável, aí sim, adquire valência, negativa. </li></ul>
    • 26. Tensão <ul><li>Toda a necessidade cria um estado de tensão no indivíduo, uma predisposição à ação sem nenhuma direção específica.   </li></ul>
    • 27. Necessidades e motivações <ul><li>Força consciente ou inconsciente que leva um indivíduo a determinado comportamento, motivam o comportamento humano, dando-lhe direção e conteúdo. </li></ul>
    • 28. Lewin e Maslow <ul><li>necessidades fisiológicas ou vegetativas - São inatas e instintivas: alimentação, sono, exercício físico, satisfação sexual, abrigo e proteção contra os elementos e de segurança física contra os perigos; </li></ul><ul><li>necessidades psicológicas - exclusivas do ser humano, aprendidas e adquiridas no decorrer da vida: segurança íntima, de participação, de autoconfiança, de afeição;Raramente são satisfeitas em sua plenitude. </li></ul><ul><li>necessidades de auto-realização e de expressão criativa - São produtos da educação e da cultura. Também são raramente satisfeitas em sua plenitude. </li></ul>
    • 29. Bibliografia <ul><li>Antonelo, C. S.; Pujol Junior, E.; Silva, M. V. Escola das relações humansa . In: http://nutep.adm.ufrgs.br/adp/RH.html , acessed in jan, 2012. </li></ul>

    ×