Your SlideShare is downloading. ×
0
Análise comparativa dos
padrões jornalísticos e a
influência dos modelos
estrangeiros;
 O mercado jornalístico absorveu com
alguma relutância a noção de que a
notícia é um produto, que seu
processo de produçã...
 No jornalismo em escala global e no
praticado em terras brasileiras,
qualidade se tornou sinônimo de
busca de excelência...
Peça de marketing
Técnica
 Ao longo da história da imprensa
brasileira é possível distinguir um
conjunto de esforços pela qualidade,
inovação e exc...
 As empresas se esforçam para padronizar,
normatizar, inovar e aperfeiçoar processos e
sistemas. Iniciativas que servem d...
 Outra direção na busca da qualidade se dá
externamente à organização jornalística. Esses
movimentos pela qualidade vêm d...
 Ultimamente as pressões contra esses
tipos de casos contendo influências nos
textos estão sendo analisadas pela,
(Liberd...
 No mundo todo, cerca de 38 mil jornais
competem pelo público leitor.
 Denominado quarto poder, o jornalismo
sempre aguç...
 É inegável que existe uma estreita
relação entre o regime político e o
modelo de imprensa.
 Autores como Hatchen ou Mcq...
Jornalismo ocidental
 O Modelo de Jornalismo Ocidental
surgiu a partir das revoluções francesa e
americana e vigora nos p...
 Este modelo de jornalismo defende
que a imprensa deve ser livre,
independente do Estado e dos outros
poderes;
 A ativid...
 Os Estados que têm uma imprensa “livre”,
geralmente têm:
• Leis que protegem as liberdades individuais
e os direitos de ...
 Aliada à ideia do modelo ocidental
está a que a democracia é benéfica
para o indivíduo e para a sociedade
em geral e que...
Crítica
 As ideias de imprensa “livre” e de livre
acesso à imprensa foram exportadas para
todo o planeta a partir do Ocid...
 Chomsky afirma que o jornalismo ocidental na verdade
funciona como um modelo de propaganda do governo
e de grandes corpo...
Jornalismo autoritário
 É determinado pelo regime político;
 O jornalismo não pode ser usado para
promover mudanças, cri...
 A atividade jornalística, nesses países, é
submetida ao controlo direto do Estado,
através do Governo e de censuras.
 O...
 Alguns órgãos de comunicação social
podem estar nas mãos de empresas
privadas, mas o Estado impõe-lhes
sanções económica...
Jornalismo comunista
 Em países como Cuba, China ou Vietnã,
o Estado domina a imprensa e é o
proprietário monopolista dos...
 O regime é o da ditadura do
proletariado: a imprensa socialista deve
estar a serviço do proletariado,
impedindo a contra...
 O Pravda (Пра́вда, "A
Verdade") foi o principal jornal
da União Soviética e um
órgão oficial do Comitê
Central do Partid...
 O Granma foi fundado em 3
de outubro de 1965 e nasceu
da união de outros dois
jornais: os matutinos
Revolución e o Hoy.
...
 Xinhua: agência chinesa
estatal de notícias
 www.xinhua.org
 Na China existe o órgão
oficial do PCC, Diário do
Povo.
C...
Jornalismo revolucionário
 Os objetivos deste modelo ou são
derrubar um sistema político ou
contribuir para o fim de algu...
Jornalismo para o
desenvolvimento
 Este modelo foi – e ainda é – praticado
em países em vias de desenvolvimento.
Em algun...
Bibliografia
 CHOMSKY, Noam. Conhecimento da
História e construção Teórica na
Lingüística Moderna. DELTA, 1997
 PRADO, S...
Comunicação comparada -  Aula 5
Comunicação comparada -  Aula 5
Comunicação comparada -  Aula 5
Comunicação comparada -  Aula 5
Comunicação comparada -  Aula 5
Comunicação comparada -  Aula 5
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Comunicação comparada - Aula 5

380

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
380
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Comunicação comparada - Aula 5"

  1. 1. Análise comparativa dos padrões jornalísticos e a influência dos modelos estrangeiros;
  2. 2.  O mercado jornalístico absorveu com alguma relutância a noção de que a notícia é um produto, que seu processo de produção se dá em larga escala e que, para a sobrevivência das empresas do ramo e do jornalismo em geral, é necessário atingir padrões mínimos de qualidade na oferta dos serviços;
  3. 3.  No jornalismo em escala global e no praticado em terras brasileiras, qualidade se tornou sinônimo de busca de excelência técnica , se converteu em peça de marketing e em argumento determinante para a implantação de processos de controle e de gestão dos processos jornalísticos;
  4. 4. Peça de marketing
  5. 5. Técnica
  6. 6.  Ao longo da história da imprensa brasileira é possível distinguir um conjunto de esforços pela qualidade, inovação e excelência, que partem tanto de dentro das organizações jornalísticas quanto vêm de fora delas.
  7. 7.  As empresas se esforçam para padronizar, normatizar, inovar e aperfeiçoar processos e sistemas. Iniciativas que servem de exemplo: criação de cargos de ombudsman ou gerente de qualidade; concepção e implementação de manuais de redação; criação e composição de conselho de leitores; criação de prêmios para incentivar a competitividade interna; ações para a profissionalização da gestão; elaboração de projetos ou políticas editorias, e sua consequente implantação; reformas internas nos produtos; adoção de processos de normatização e gerenciamento; busca de excelência técnica e inovação tecnológica; fortalecimento e organização empresarial, por meio de entidades associativas; ações para a expansão de negócios pela via da diversificação mercadológica.
  8. 8.  Outra direção na busca da qualidade se dá externamente à organização jornalística. Esses movimentos pela qualidade vêm de governos, organizações não-governamentais, igrejas, associações classistas, profissionais que não ocupam cargos diretivos, academia e outras instituições e atores influentes. São movimentos que reivindicam ou contribuem para o aperfeiçoamento da imprensa e de seus veículos, como se a sociedade se organizasse em busca da qualidade jornalística. Ex.: observatórios de mídia; iniciativas de análise e crítica de mídia; códigos de ética profissional; projetos de qualidade no ensino de graduação ou formação profissional; etc.
  9. 9.  Ultimamente as pressões contra esses tipos de casos contendo influências nos textos estão sendo analisadas pela, (Liberdade de Imprensa de 2003 - Relatório Mundial sobre Independência na Mídia) na qual classificou 115 dentre 193 países como não tendo liberdade ou tendo liberdade relativa. No entanto, uma manipulação sutil das notícias pode ocorrer mesmo em regiões que têm liberdade de imprensa.
  10. 10.  No mundo todo, cerca de 38 mil jornais competem pelo público leitor.  Denominado quarto poder, o jornalismo sempre aguçou a sede dos poderes instituídos, que, de forma declarada ou ofuscada, procuram controlar a sua ação. É desta maneira que foram surgindo os diferentes modelos de jornalismo, constituindo, cada um, o reflexo do regime político prevalecente na respectiva sociedade
  11. 11.  É inegável que existe uma estreita relação entre o regime político e o modelo de imprensa.  Autores como Hatchen ou Mcquail apresentam diferentes conceitos de jornalismo e acabam por limitar o jornalismo e os jornalistas: o modelo autoritário de jornalismo, o ocidental, o revolucionário, o comunista e, por fim, o jornalismo para o desenvolvimento.
  12. 12. Jornalismo ocidental  O Modelo de Jornalismo Ocidental surgiu a partir das revoluções francesa e americana e vigora nos países democráticos capitalistas, como os Estados Unidos, o Brasil, Portugal, Espanha, Reino Unido, entre outros.  Há uma subdivisão: modelo europeu (ou modelo literário) e modelo norte- americano de jornalismo
  13. 13.  Este modelo de jornalismo defende que a imprensa deve ser livre, independente do Estado e dos outros poderes;  A atividade jornalística é apenas limitada pela lei, pela ética e pela deontologia;
  14. 14.  Os Estados que têm uma imprensa “livre”, geralmente têm: • Leis que protegem as liberdades individuais e os direitos de propriedade. • Elevados níveis de rendimento econômico, alfabetização e educação. • Existência de oposição legítima. • Mercado publicitário capaz de gerar receitas suficientes para sustentar a imprensa.
  15. 15.  Aliada à ideia do modelo ocidental está a que a democracia é benéfica para o indivíduo e para a sociedade em geral e que só uma população bem informada pode participar dos processos de tomada de decisão.
  16. 16. Crítica  As ideias de imprensa “livre” e de livre acesso à imprensa foram exportadas para todo o planeta a partir do Ocidente. Porém, o fluxo de informações se faz dos países ricos para os pobres. Essa doutrina gera uma ingerência nos assuntos internos dos países´, uma imposição dos valores ocidentais e promove um “imperialismo cultural”.  Para Noam Chomsky, o modelo ocidental de jornalismo funciona como um modelo de propaganda.
  17. 17.  Chomsky afirma que o jornalismo ocidental na verdade funciona como um modelo de propaganda do governo e de grandes corporações por 4 fatores: • Recrutamento, pelas empresas, de jornalistas respeitadores dos conceitos e normas internas. • Interiorização, pelos jornalistas, das limitações impostas pelos proprietários e pelos poderes político e econômico. • Auto-censura derivada dos mecanismos de controle. • Dependência do índice de audiência. Existência de filtros para as notícias, que atuam com naturalidade
  18. 18. Jornalismo autoritário  É determinado pelo regime político;  O jornalismo não pode ser usado para promover mudanças, criticar o governo ou governantes ou para minar as relações de poder.  É submetido aos interesses da classe dominante. Porém, não se utiliza da hegemonia, mas da coerção para manter esse domínio.
  19. 19.  A atividade jornalística, nesses países, é submetida ao controlo direto do Estado, através do Governo e de censuras.  Os correspondentes estrangeiros e a internet são vistos como ameaça, enquanto os jornalistas nacionais ficam sujeitos à autoridade do Estado, não havendo, em consequência, a liberdade de imprensa.
  20. 20.  Alguns órgãos de comunicação social podem estar nas mãos de empresas privadas, mas o Estado impõe-lhes sanções económicas, códigos de conduta, penas de prisão e até a impossibilidade do exercício da profissão dos jornalistas. A suspensão das edições é outra forma de controle do Estado.
  21. 21. Jornalismo comunista  Em países como Cuba, China ou Vietnã, o Estado domina a imprensa e é o proprietário monopolista dos meios de comunicação.  Diferencia-se do modelo autoritário porque nos estados socialistas o Estado é proprietário de todos os meios de comunicação e apoiam o governo e o partido. Enquanto que no modelo autoritário, o Estado pode impor sanções às empresas privadas.
  22. 22.  O regime é o da ditadura do proletariado: a imprensa socialista deve estar a serviço do proletariado, impedindo a contra-revolução da burguesia.  A imprensa se orienta pelos princípios do que se têm de publicar e o que não se pode publicar: é notícia o que serve ao interesse do proletariado, representado pelo partido comunista.
  23. 23.  O Pravda (Пра́вда, "A Verdade") foi o principal jornal da União Soviética e um órgão oficial do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética entre 1918 e 1991. O jornal ainda existe e está em circulação na Rússia, mas ficou mais conhecido nos países ocidentais por seus pronunciamentos durante o período da Guerra Fria. Existe ainda um certo número de outros jornais menos famosos em outros países que também se chamam Pravda.
  24. 24.  O Granma foi fundado em 3 de outubro de 1965 e nasceu da união de outros dois jornais: os matutinos Revolución e o Hoy. É o órgão oficial do Partido Comunista Cubano e pode ser lido em espanhol pelo http://www.granma.cubaweb. cu/  Em português, há uma edição internacional: http://www.granma.cu/portug ues/index.html
  25. 25.  Xinhua: agência chinesa estatal de notícias  www.xinhua.org  Na China existe o órgão oficial do PCC, Diário do Povo. Como há outros jornais chineses, pode-se dizer que na China se aplica o modelo autoritário de jornalismo.
  26. 26. Jornalismo revolucionário  Os objetivos deste modelo ou são derrubar um sistema político ou contribuir para o fim de algum controle – estrangeiro ou de uma classe social.  Normalmente são clandestinos, mas nos estados de direito democráticos há diversas publicações alternativas com objetivos revolucionários.
  27. 27. Jornalismo para o desenvolvimento  Este modelo foi – e ainda é – praticado em países em vias de desenvolvimento. Em alguns casos é uma etapa anterior ao modelo ocidental de jornalismo. Entende-se que os MCM devem ser usados para a construção da identidade nacional, para combater o analfabetismo e a pobreza e para desenvolver o país.  Desta forma, os MCM apoiaram os Estados e governos de acordo com a necessidade de desenvolvimento.
  28. 28. Bibliografia  CHOMSKY, Noam. Conhecimento da História e construção Teórica na Lingüística Moderna. DELTA, 1997  PRADO, Sara Núñez et all (1993), Comunicación social y poder, Madrid, Editorial Universitas,1993.  SOUSA, Jorge Pedro (2003), Elementos de Teoria e Pesquisa da Comunicação e dos Media, Porto, Edições Fernando Pessoa, 2003
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×