A experiência do IPB na implementação da política de open access
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A experiência do IPB na implementação da política de open access

on

  • 393 views

1ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Livre

1ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Livre

Statistics

Views

Total Views
393
Views on SlideShare
393
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A experiência do IPB na implementação da política de open access A experiência do IPB na implementação da política de open access Presentation Transcript

  • A Experiência do IPB na Implementação da Política de Open Access
    Clarisse Pais
    Orlando Rodrigues
  • IPB
    27 anos
    5 Escolas
    3 Centros de Investigação
    7500 estudantes
    15000 diplomados
  • Origem da Iniciativa
    • Em 2006 foi estabelecido o objectivo estratégico de aumento da visibilidade externa da produção científica do IPB e, simultaneamente, de
    • Estreitar a relação com a comunidade envolvente, disponibilizando publicamente os resultados da investigação.
  • Origem da Iniciativa
    • Concluiu-se então que a adopção de uma política de “openacess” constituía a melhor forma de atingir aqueles objectivos.
    • Desenvolveu-se um projecto, que incluía a implementação de um repositório institucional e submeteu-se a financiamento.
  • Origem da Iniciativa
    • Candidatura ao Pos-C em 2006
    • Aprovação da candidatura em finais de Janeiro de 2007
    • Entrada em produção do repositório em Novembro de 2006.
  • Objectivos
    • Integrar e promover a visibilidade dos resultados da investigação do IPB, reforçando a sua imagem enquanto produtor de ciência e conhecimento;
    • Disponibilizar a informação de uma forma livre e gratuita em formato digital;
    • Preservar a “memória científica” do IPB;
  • Envolvimento Institucional
    • Com o objectivo de desenvolver um processo de tomada decisões tão participado quanto possível, que fosse funcional e adaptado às realidades do IPB,
    • O processo iniciou-se com a constituição de um Conselho Coordenador dos Serviços de Documentação e Bibliotecas do IPB, integrando um elemento de cada Escola, escolhido em Conselho Científico
  • Envolvimento Institucional
    • Neste Órgão definiu-se a estrutura de organização do repositório e pronunciou-se sobre a política auto-arquivo. É ainda atribuição deste Conselho deliberar sobre situações que, eventualmente, contrariem a política de auto-arquivo aprovada.
    • A Administração executiva do repositório está delegada na Coordenadora dos Serviços de Documentação e Bibliotecas do IPB.
  • Estrutura do repositório
    A organização do repositório baseia-se na estrutura orgânica do IPB
    Comunidades: representam as Escolas (5)
    Sub-comunidades: departamentos (36)
    Revista EduSer
    Série Estudos – Monografias em acesso livre
    Centro de Investigação (CIMO)
    Colecções: (463)
    A tipologia documental de cada colecção foi uniformizada (deliberação do Conselho Permanente de 30/04/2010)
  • RCAAP e SARI
    • Candidatura em meados de Março de 2009;
    • Aprovação em 31/03/2009;
    • Integração com o DeGóis;
    • Integração na B-on
  • Compromisso Institucional
    • Assinatura da Declaração de Berlim em 08/09/2009;
    • Aprovação da Política de Auto-Arquivo de Publicações na Biblioteca Digital do IPB pelo Conselho Permanente em 30/04/2010.
    • Inscrição da política no ROARMAP em 2010/08/19
    • Inscrição no Directório Luso-Brasileiro em 2010/11/23
  • Política de Auto-Arquivo/Depósito
    • O depósito de documentos na Biblioteca Digital do IPB deve ser efectuado através do auto-arquivo.
    • O Instituto Politécnico de Bragança adopta uma política de obrigatoriedadeno depósito de todas as publicações produzidas pelos seus investigadores.
    • A Biblioteca Digital do IPB constitui o registo oficialda produção científica do IPB.
  • Política de Auto-Arquivo/Depósito
    • Esta política é compatível com o respeito pelos direitos de autores/copyright:
    • Todos os documentos de carácter científico relativamente aos quais o autor detenha os direitos de autor, ou no mínimo o direito de o auto-arquivar, deverão ser depositados na Biblioteca Digital do IPB em acesso livre.
  • Política de Auto-Arquivo/Depósito
    • Os documentos relativamente aos quais o autor tenha concedido direitos que impeçam a sua disponibilização em acesso livre (como artigos de revistas que ainda não permitam o auto-arquivo pelos autores, capítulos de livros, etc.) e/ou dos quais se pretenda obter rendimentos de direitos de autor (livros, etc.) deverão ser depositados integralmente, mas aconselha-se a que o seu texto completo deva ficar em acesso restrito.
  • Política de Auto-Arquivo/Depósito
    • A produção científica ou técnica de natureza confidencial ou patenteável, deve ser depositada em acesso restrito, de modo, a garantir a salvaguarda das condições inerentes à sua natureza.
  • Recomendações para Publicação
    • Conforme a Declaração de Berlim, assinada em 2009/09/08 pelo Instituto Politécnico de Bragança, recomenda-se a publicação de artigos científicos em periódicos que se encontrem em livre acesso.
    • O IPB recomenda a todos os seus membros que mantenham os direitos de autor sobre as suas obras, ou caso não seja possível, que garantam o direito de disponibilizar uma cópia na Biblioteca Digital do IPB.
  • A Evolução do Repositório
  • A Evolução do Repositório
  • Reconhecimento Nacional e Internacional
  • Reconhecimento Nacional e Internacional
  • Reconhecimento Nacional e Internacional
  • Documentos - Tipo de Acesso
  • Tipologia Documental
  • Desafios
    • Sessões informativas para os docentes do IPB, incentivando-os e apontando-lhes as vantagens do auto-arquivo;
    • Desmistificar a complexidade associada ao depósito a aos direitos de autor;
  • Desafios
    • Continuar a informar das políticas das editoras inscritas no Sherpa/Romeo;
    • Continuar a divulgar a Biblioteca Digital do IPB em sessões de formação;
    • Contribuir para o desenvolvimento do RCAAP.
  • Conclusão
    • A adopção de uma política de “openaccess” e a implementação do repositório no IPB está a operar uma “revolução”.
    • Estão a ser construídas as bases de uma verdadeira política de “openinnovation”
  • clarisse@ipb.pt
    orlando@ipb.pt
    Instituto Politécnico de Bragança
    CONHECIMENTO ABERTO !