Participação IAEG 2010 palestra IG 8 outubro 2010

627 views
541 views

Published on

Palestra referente a participação no 11° Congresso Internacional da Associação Internacional de Geologia de Engenharia e Ambiental – IAEG 2010 realizado no período de 5-10 de setembro de 2010, em Auckland, Nova Zelândia.

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
627
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Participação IAEG 2010 palestra IG 8 outubro 2010

  1. 1. Aotearoa: a terra das extensas nuvens brancas e o Congresso Internacional de Geologia de Engenharia e Ambiental ● Cláudio José Ferreira
  2. 2. Objetivos ● Apresentar o trabalho sobre evolução da degradação das encostas da Serra do Mar no Litoral Norte; ● Atualizar conhecimento nas áreas de Desastres Naturais, Sensoriamento Remoto & SIG, Gerenciamento de Riscos
  3. 3. Trabalho apresentado
  4. 4. Método
  5. 5. Resultados Período N° de sub- bacias Solo Exposto Vegetação Herbácea- Arbustiva Total 1966-2001 15 -79,26% -55,11% -60,95% 1966-1977 15 -4,06% +13,43% +9,20% 1966-1973 14 +52,21% +7,26% +17,08% 1973-2001 29 -76,84% -49,41% -55,94% 1973-1977 29 +26,86% +2,69% +8,45% 1977-2001 33 -79,34% -41,78% -52,60%
  6. 6. Resultados
  7. 7. Nova Zelândia: tectônica
  8. 8. Contexto Tectônico
  9. 9. Monte Eden – 28.000 anos
  10. 10. Ilha Rangitoto – 600 anos
  11. 11. Qual a diferença? 76 mortes zero mortes
  12. 12. 1º Ponto de Discussão: desastres naturais não são naturais e não deveriam ser chamados assim, pois suas causas principais são humanas!
  13. 13. Desastres não devem ser protagonistas da gestão de risco a desastres - Sergio Mora R = Perigo x Vulnerabilidade ● Melhor uso do território; ● Preservação e melhor manejo do meio ambiente e recursos naturais; ● Diminuição da pobreza
  14. 14. O Grande Debate: Mitigação de desastres é uma perda de dinheiro; ela cria um falso senso de segurança e é irresponsável ● Desastres são socialmente construídos; ● Mudanças Climáticas: não deve ser a “inequívoca prioridade” somente porque organizações internacionais, grupos lobistas e políticos influentes querem.
  15. 15. PERIGO VULNERABILIDADE RISCO GERENCIAMENTO DO RISCO MÓDULO DE PERIGO MÓDULO DE EXPOSIÇÃO MÓDULO DE FRAGILIDADE MÓDULO DE DANOS MÓDULO DE PREJUÍZOD
  16. 16. Temas em destaque ● Crítica aos modelos de baixo custo na construção de estradas no Nepal; ● Trabalhos da “Parceria em Conhecimento sobre o Transporte Global” – Dar suporte à implantação de transporte sustentável em países em desenvolvimento pela promoção de acesso livre a informações e assessoria; – GTKP é uma parceria de organizações globais, governos regionais e locais e interessados; – www.gtkp.com
  17. 17. ● LIDAR - Light Detection and Ranging → Modelo Digital do Terreno – Inventário de escorregamentos; http://www.australiangeomechanics.org/ – Levantamento de descontinuidades; ● InSAR - Interferometric Synthetic Aperture Radar (Radar Interferométrico de Abertura Sintética) – Rotina para definir validade da aplicação; – Monitoramento taludes.
  18. 18. 2º Ponto de Discussão: tecnologias Lidar e InSar ainda são pouco utilizadas no Brasil e podem constituir bons campos de desenvolvimento e aplicações para as atividades do Instituto Geológico!
  19. 19. ● Áreas degradadas pela mineração e planejamento do suprimento de agregados; ● Contaminação de solo; ● Materiais para redução de turbidez; ● Dolinas em áreas urbanas; ● Escorregamentos; ● Seguros para eventos naturais; ● Uso Google Earth.
  20. 20. Monitoramento por fibra optica Brillouin Optical Time Domain Reflectometry (BOTDR)
  21. 21. Escorregamentos ● Importância do inventário de escorregamentos para o gerenciamento de risco; ● Tarefa que requer ainda muita P&D e a construção de modelos relacionais em SIG e interfaces simples para usuários; ● Solicitação de formação de rede de colaboração formal ou informal.
  22. 22. Grupo de Trabalho Internacional sobre Inventário Mundial de Escorregamentos (WP/WLI, 1993). Informações necessárias: − número de referência único para cada escorregamento; − Coordenadas da parte superior e inferior do escorregamentos; − Mecanismo de ruptura inferido; − Estado e estilo da atividade do escorregamento; − Causas potenciais do escorregamento; − Geometria; − Diferença de elevação entre a parte superior e inferior do escorregamento; − Condicionantes do terreno; − Elementos em risco; − Fotografias áereas e mapas; − Grau de confiança das informações; − Comentários e informações adicionais.
  23. 23. Chuva Seguros(Libras) Uso de Seguros
  24. 24. Uso Google Earth
  25. 25. Uso Google Earth
  26. 26. Aspectos de campo
  27. 27. Cratera e anel de tufos
  28. 28. Estrutura artificial contra erosão marinha
  29. 29. Pedreira de basalto desativada
  30. 30. Pillow lavas (lavas em almofada)
  31. 31. Erosão costeira
  32. 32. Aspectos culturais
  33. 33. Auckland vs Wellington - Rugby
  34. 34. Casas de madeira
  35. 35. Feira dominical distrito de Avondale
  36. 36. Museu de Auckland
  37. 37. Ian Stehbens - Google Earth

×