Your SlideShare is downloading. ×
Geotecnologias na cartografias de riscos - Instituto Geológico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Geotecnologias na cartografias de riscos - Instituto Geológico

510
views

Published on

Apresentação feita no I Encontro Luso-Brasileiro de Risco, realizado em Rio Claro, SP, em 24 de agosto de 2012

Apresentação feita no I Encontro Luso-Brasileiro de Risco, realizado em Rio Claro, SP, em 24 de agosto de 2012

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
510
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Geotecnologias na Cartografia de RiscosCláudio José FerreiraI ENCONTRO LUSO-BRASILEIRO DE RISCO Rio Claro, 24 de agosto de 2012
  • 2. ROTEIRO
  • 3. PAPEL DAS GEOTECNOLOGIASMapa é uma das Cessão dos dadospossibilidades de para usuário gerar consulta mapa Atualização dedados e modelos Monitoramentoem tempo efetivo Variação livre da Melhor escala com o representação zoom espacial é a matricial Informação Democratização da geográfica informação voluntária
  • 4. CONCEITUAÇÃO DE RISCO R = f ( Evento, Vulnerabilidade, Consequências)Política Vulnerabili- Dano, Perda, AmeaçaNacional dade PrejuízoISDR- Vulnerabili- Perigo ExposiçãoONU dadeISO - Fontes Controle Consequência31000 R = P * V *D
  • 5. VARIAÇÕES DO CONCEITO DE RISCOEm quais locais a probabilidade deocorrência de eventos perigosos é R=Pmaior?Em quais locais a ocorrência deeventos perigosos tem maior R=P*Vprobabilidade de causar danos?Em quais locais os danos tem maiorprobabilidade de serem mais R = P*V*Dsignificativos?
  • 6. MODELO DE GESTÃO DE RISCO Estabelecimento do contexto Avaliação de Risco IdentificaçãoComunicação& Tomada de Monitoramento Decisão Análise Apreciação Tratamento do risco Prevenção Preparação Mitigação Modificado ISO 31000
  • 7. APLICAÇÃO DO MODELO DA PAISAGEM EMNÍVEL REGIONAL Unidade de paisagem: intersecção de plano de informação do substrato geológico-geomorfológico (UBC) com o plano de informação do uso e cobertura da terra (UHCT). UBC UHCT UTB
  • 8. Altimetria 50k, SRTM ASTER 1 MDE Imagens Landsat2 Rede Hidrográfica 3 Sub-bacias Spot, RapidEye 4 UBC – substrato e ou melhor atributos 5 UHCT - cobertura urbana e não urbana 6 UTB e índices e atributos 7 Mapas temáticos
  • 9. NATUREZA DOS ATRIBUTOS Dados 106anos estáticos SubstratoResoluções temporais Cobertura Chuva Dados dinâmicos Intervenções humanas horas
  • 10. ATRIBUTOS DO SUBSTRATO Declividade Altimetria Drenagem Lineamentos Excedente Hídrico
  • 11. ATRIBUTOS DO USO E COBERTURA Densidade de Ocupação Estágio de Ocupação Ordenamento Urbano
  • 12. ATRIBUTOS DO USO E COBERTURA Polígonos Setores Censitários Descrição das variáveis IBGE Coleta de Esgoto Abastecimento de Água Destinação do Lixo Renda Alfabetização População
  • 13. GERAÇÃO DE MATRIZ E CÁLCULO DEMÉDIAS ZONAIS Geração de Pontos Amostrais Interpolação
  • 14. Muito obrigadoCláudio José Ferreiracferreira@igeologico.sp.gov.br