Bens escassos Parte 2 oportunidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Bens escassos Parte 2 oportunidade

on

  • 321 views

Bens Escassos

Bens Escassos
Os Capitais Próprios e as Contragarantias
Cuidados a ter no seu uso

Statistics

Views

Total Views
321
Views on SlideShare
289
Embed Views
32

Actions

Likes
1
Downloads
4
Comments
0

1 Embed 32

http://www.scoop.it 32

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Bens escassos Parte 2 oportunidade Document Transcript

  • 1. BENS ESCASSOS II Os Capitais Próprios e as Contragarantias Cuidados a ter no seu uso II) A Oportunidade CJA Business Consulting NOV13 Um dos principais cuidados a ter com a utilização dos Capitais Próprios e das Contragarantias disponíveis relaciona-se com a oportunidade de o fazer.
  • 2. Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias CJA Business Consulting www.cja-bc.com TLM 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com Quando existem capitais próprios disponíveis, excedentes da empresa ou capitais dos sócios, muitas vezes a tentação dos decisores é utilizá-los, para evitar custos financeiros. Efectivamente não são criados custos financeiros, mas este tipo de procedimento também tem custos. Custos de capital e custos de oportunidade. Os capitais dos sócios ao serem investidos na empresa deixam de ter a remuneração que estes conseguiriam com os mesmos, extremamente variável em função do perfil de investidor e das decisões de investimento tomadas, mas há uma remuneração que se extingue. É um custo. E tanto os capitais dos sócios como os excedentes existentes na empresa têm um custo de oportunidade. Ao deixarem de estar disponíveis, não poderão ser aplicados em oportunidades que surjam a partir desse momento. Não é de todo um custo tangível, mas o custo existe. Quando falamos de contragarantias a principal questão que se levanta é o custo de oportunidade. Por vezes para obter melhores condições ou para facilitar a aprovação de uma operação pontual os decisores disponibilizam aos bancos contragarantias que tem disponíveis. Ao fazerem-no deixam de as ter disponíveis para futuras necessidades. Ao tomar estas decisões os decisores buscam as melhores condições para a sua empresa, o que é correcto. Muitas vezes conseguem-nas, mas fica por apurar o custo das mesmas, sobretudo o custo de oportunidade. É algo que na grande parte das vezes só mais à frente “apurado”. E o que fazer para melhor perceber o custo de oportunidade e para o minorar? A melhor via para perceber o custo de oportunidade é a existência de planeamento. Se a empresa tiver um planeamento a médio prazo poderá ter a noção das disponibilidades e das necessidades que terá em determinado período, logo uma melhor percepção das consequências futuras de na altura em que está a decidir, disponibilizar para determinada operação fundos ou contragarantias. Com essa noção poderá decidir melhor sobre a oportunidade de no momento disponibilizar fundos ou contragarantias, ou antes utilizar capitais alheios, bancários ou não, suportar os respectivos custos e manter a sua liquidez ou o seu património desonerado, para futuras utilizações. Para minorar o custo de oportunidade das decisões que estamos a analisar, uma via é repartir o custo. O que é repartir o custo?
  • 3. Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias CJA Business Consulting www.cja-bc.com TLM 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com Olhamos para o ponto anterior destas nossas publicações, a Visão Global. Se vamos injectar fundos ou disponibilizar garantias, então devemos olhar para a nossa relação global com o banco com quem estamos a falar e tentar obter vantagens dessa nossa decisão noutras operações. Assim o custo de oportunidade que assumimos gerará mais proveitos e será repartido entre a operação que estamos a trabalhar e outras operações em carteira. Existindo planeamento, esta repartição de custo poderá mesmo afectar necessidades futuras, baixando imenso o custo de oportunidade inerente à decisão tomada. A decisão de utilizar de fundos disponíveis da empresa ou dos sócios ou contragarantias, comprometendo-as de uma forma mais ou menos estrutural é das decisões mais importantes das empresas. Lembremos, são bens escassos, apetecíveis e preciosos. Assim o processo de tomada de decisão tem alguns pontos chave: 1) Deve ser conduzido pela Empresa e não pelos seus parceiros financeiros, devendo esta agir em antecipação 2) Para agir em antecipação deverá estar respaldada num processo de planeamento em que tenha a melhor noção possível das suas necessidades futuras 3) Devem sempre ser estudadas alternativas que mesmo trazendo custos financeiros, preservem a liquidez ou a capacidade de endividamento da empresa 4) Os bancos após terem uma operação feita com determinados níveis de capitais próprios ou com determinadas contragarantias, dificilmente no futuro farão uma operação similar em piores condições… Complexo. SIM. Utilize Apoio Especializado Na Relação Com a Banca. CJA Business Consulting Carlos Jerónimo Augusto http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo-augusto/66/279/758 www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 www.cja-bc.com carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com TLM 911161776