DISCURSO DE JFK / NAZISMO INTERNACIONAL

942 views

Published on

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
942
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

DISCURSO DE JFK / NAZISMO INTERNACIONAL

  1. 1. CONSPIRAÇÃO MUNDIAL & NAZISMO INTERNACIONALPartes do discurso feito pelo presidente John F. Kennedy no HOTEL WALDORF-ASTORIA em 27de abril de 1961 sobre a rede conspiracional de sociedades secretas coesas e altamente eficientes (cliqueaqui para ver as partes mencionadas ou aqui para ver ou ouvir na íntegra). Elas atuam nos EstadosUnidos e no mundo (clique aqui para ver). Elas atuam efetivamente dentro da Casa Branca, NASA,Pentágono, FMI, Federal Reserve (clique aqui e aqui para ver), Conselho de Relações Exteriores(CFR), CIA, FBI, Estado Maior Conjunto (Joint Chiefs of Staff), Quartel-general Supremo das ForçasAliadas Europa (Supreme Headquarters Allied Powers Europe – SHAPE), Universidades, Fundações(Carnegie, Ford, Mellon, Rockefeller, etc) e Fundos, Banco Mundial, ONU, etc., em perfeitacoordenação com o Palácio de Buckinghan de Sua Majestade e, daí para o mundo em efeito cascata e,também, falando sobre a Primeira Emenda da Constitução dos Estados Unidos que, dentre outrascoisas, "garante" ou deveria garantir, pela Constituição americana, o direito da Liberdade deExpressão e Liberdade de Imprensa. Como Kenndy afirma explicitamente na parte que foi omitida(em itálicos) da transcrição do discurso original: Somos um povo averso a sociedades secretas, juramentos secretos e procedimentos secretos (...) existe uma conspiração monolítica e impiedosa ao redor do mundo, a qual nós nos opomos, que conta com meios secretos de converter-nos à sua causa para assim aumentar sua esfera de influência através de infiltração, subversão, intimidação, (...) é um sistema que conseguiu recrutar uma vasta fonte de recursos humanos e materiais dentro de uma máquina de alta eficiência que combina operações militares, diplomáticas, serviços de Inteligência, econômicas, científicas e políticas (...) seus planos e a execução dos mesmos não vêm a público, não são publicados, os seus erros são enterrados e não aparecem em primeira página, seus dissidentes são silenciados, nenhum gasto é questionado, nenhum rumor é inspecionado, nenhum segredo é revelado... nós seremos capturados por aqueles ansiosos em expandir seu alcance aos limites extremos da censura e acobertamentos oficiais e isto eu não pretendo permitir dentro do alcance do meu controle...Comparem este discuro que selou definitivamente o destino de JFK com o discurso do ex-ministro daDefesa do Canadá, e membro do Conselho Privado da Rainha (Privy Council), Paul Hellyer, quemenciona uma entrevista de Bill Clinton com a jornalista correspondente da Casa Branca na época,Sarah McClendon, em que Clinton menciona a existência de um governo dentro do governo dosEstados Unidos que detém o poder definitivo. (clique aqui para ver)Esta rede de sociedades secretas que opera dede o Palácio de Buckinghan de Sua Majestade e, emúltima instância, dirige a Casa Branca, por conseguinte os rumos dos Estados Unidos e do mundo, nadamais é que aquele grupo "clandestino muito fechado de pessoas do governo e militares" mencionadopelo ex-astronauta Edgar Mitchell em sua entrevista ao jornalista mexicano Jaime Maussan. (cliqueaqui para ver)Este é o mesmo grupo de pessoas que controlam a "organização" citada pelo reformado e já falecidoTenente-coronel da Inteligência do Exército dos Estados Unidos, Philip Corso, cujo filho afirma: Meupai falou que ainda hoje, somente 10% da história é dita, o resto é classificado. (clique aqui paraver)
  2. 2. É também o mesmo grupo de pessoas mencionado pelo jornalista americano da K-LAS TV, GeorgeKnap, quando afirma que "há muitas pessoas que tem informações... não posso culpá-las por nãoquererem falar pois nosso governo, elementos ou representantes dele, parecem usar a intimidaçãoe o medo para mantê-las quietas." (clique aqui para ver)O ex-presidente Eisenhower que conhecia o poder por trás do poder destas sociedades secretas, e quesabia no que elas estão envolucradas, mencionou-as sutilmente em seu discuro quando entregou o cargode Presidente dos Estados Unidos ao seu sucessor, JFK, nomeando este poder oculto de COMPLEXOMILITAR-INDUSTRIAL. (clique aqui para ver)Oliver Stone em seu filme JFK - A Pergunta que Não Quer Calar também menciona explicitamenteeste mesmo governo oculto dos Estados Unidos por trás do assassinato de JFK, implicando nele o FBI,CIA, Casa Branca, o ex-presidente Lindon Johnson, etc. (clique aqui para ver)Este COMPLEXO MILITAR-INDUSTRIAL, que faz parte do poder por trás do trono comandadopor grandes banqueiros e empresários internacionais ligados a Wall Street e City Londrina, e lideradopor grandes empresas do ramo aeroespacial como Boeing Commercial Airplanes (BCA), McDonnellDouglas (Rand Corporation), Lockheed Aircraft Corporation, General Dynamics Corporation, BellAircraft Corporation (Bell Aerospace), North American Aviation, Northrop Corporation e ThompsonRamo Wooldridge’s Space Technology Laboratories etc..., atuando na área científica secreta (ver aquiexemplo), e apoiado pelo ESTADO MAIOR CONJUNTO (JOINT CHIEFS OF STAFF) noPentágono, estava, em conluio com a NASA e sua agência de segurança, o DISC (Defense IndustrialSecurity Command ou Comando de Segurança Industrial da Defesa), por trás tanto do assassinato deJFK usando como ponta de lança o Escritório Britânico de Assassinatos Permindex, como também,da tentativa de assassinato do presidente francês De Gaulle, em 1962, pelo mesmo motivo que éexplicado aqui em detalhes, incluindo o coronel e engenheiro da Força Aérea Francesa especializadono desenvolvimento de mísseis ar-ar, Jean Bastien-Thiry, fuzilado depois de julgado e condenado comsentença de morte sem revelar quem operava por trás de si. A questão imposta aqui é: quem operavapor trás de Bastien-Thiry?Um artigo menciona: “Estamos agora em 2007 e ainda que dúzias de livros sobre o OAS tenham sidoescritos, permanecem ainda muitas áreas veladas. Dentre elas, há a existência de uma organização tipo“prima” do OAS denominada por alguns autores de “Vieil Etat Major” (the Old Head Quarter ou oVelho Quartel-general) também chamada de CNRI (Inside National Council of Resistance ou Conselhonacional de Resistência Interior).”De acordo com as conclusões do julgamento, Bastien-Thiry e seus homens, como sempre, teriamatuado como um grupo isolado. Contudo, como coloca o autor do artigo anterior, “nós sabemos comoele manejou seu comando de Agosto de 1962, mas, temos somente algumas poucas informaçõesnebulosas sobre a hierarquia da qual ele obteve sua missão e suas ordens (...) eu devotei meses depesquisa contatando ou tentando contatar testemunhas ainda vivas deste caso: homens do comando, dafamília de Bastien e amigos, advogados que defenderam o comando no julgamento, etc (...) minhateoria é que uma forte organização estava por trás do comando de Bastien. Um governo alternativoestava pronto para assumir o governo [da França] assim que as notícias sobre a execução de De Gaullefossem anunciadas. Fitas suprimidas pela Inteligência francesa poderiam provar a existência destegoverno das sombras.”
  3. 3. Qual era este governo das sombras?Investigadores de conspiração costumasm relacionar Bastien com a organização das sombrasmencionada anteriormente, “Vieil État-Major”, e, que esta, era provavelmente apoiada por militares dealta patente, políticos e chefes de grandes empresas (clique aqui) que nos levam de volta ao discurso deJFK, ao discurso de Eisenhower sobre o Complexo Militar-Industrial, ao depoimento de EdgarMitchell, ao discurso de Paul Hellyer sobre o governo oculto americano dentro da Casa Branca, àafirmação de Philip Corso em seu depoimento, ao depoimento de George Knap da K-LAS TV, e aodiscurso que Oliver Stone colocou na boca de Jim Garrison perante o júri do New Orleans Parish quetambém envolve a Casa Branca, o FBI, a CIA, etc. Até mesmo um recente DVD conspiracional namesma linha do Zeit Geist, intitulado Prepare-se, nos remete “aos lugares mais obscuros da pesquisasmilitares” (clique aqui para ver), referindo-se a aeronaves movidas a anti-gravitação conhecidasvulgarmente como OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados).Onde tudo isso nos leva?Ainda que Operação Gladio seja o nome informal dado para qualquer organização por trás das cenas,ela é também, algumas vezes chamada de Operação Super NATO. Como Nato é a sigla em línguainglesa para OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), é lá, na OTAN, que devemosprocurar o motivo pelo qual ela é usada para designar qualquer operação por trás das cenas.Esta busca nos leva a descobrir que Operação Gladio foi o codenome utilizado para uma operaçãoclandestina paramilitar financiada e patrocinada pela CIA e criada por instruções de Allen Dulles peloQuartel-general Supremo dos Aliados Europa (SHAPE) da OTAN na Itália, depois da Segunda GuerraMundial, cujo propósito era dar continuidade a ações anti-comunistas (eufemismo para facilitar edifundir o nazismo mundial) no caso de uma invasão do bloco ocidental pelo Pacto de Varsóvia(invasão comunista). Nesta operação, esconderijos de armas eram mantidos secretos (aqui entra Jean deMenil e sua Schlumberger), rotas de fugas eram preparadas, e membros leais a causa eram recrutados,isto é, anticomunistas (Solidaristas), ex-nazistas e ex-fascistas. É neste contexto que se inclui por umlado, a Organização Gehlen do ex-nazista Reinhard Gehlen (ver aqui) e sua Rádio Europa Livre, e, poroutro, a loja maçônica P2 (Propaganda 2) de Licio Gelli por trás do assassinato do Papa João Paulo I –na noite de 28 de setembro de 1978, o papa sorriso era envenenado – e do presidente do BancoAmbrosiano, Roberto Calvi, enforcado na Ponte Blackfriars (Ponte dos Frades Negros), e que deixaraum rombo de 1,4 bilhão de dólares no Ambrosiano e um déficit de 250 milhões de dólares nas contasdo Instituto de Obras Religiosas (Instituto Per L’Opere de Religione – IOR), (clique aqui) o banco doVaticano, que se tornara o maior acionista do banco Ambrosiano por obra e graça do prelado americanoMonsenhor Paul Marcinkus que colocara Roberto Calvi, o banqueiro de Deus, na presidência doAmbrosiano. Embora nunca tenha sido esclarecido por completo onde foi parar o dinheiro desaparecidodos cofres do Banco Ambrosiano, é fácil descobrir rastreando as pistas.Segundo o livro Narcotráfico S.A., o Escritório Britânico de Assassinatos Permindex, que mantinhaligações estreitíssimas com Dick Cheney (Halliburton e sua subsidiária Brown & Root), Bushes (ZapataPetroleum), Farishes (clique aqui para ler sobre família Farish), Edgar Bronfman (Seagram’s, cujoadvogado era Louis Mortimer Bloomfield da Permindex) (clique aqui), tinha como coração a conexãonazi-comunista dirigente de um exército internacional de narco-traficantes, contrabandistas e assassinose suas ligações com o empedernido nazista François Genoud que, sob a proteção de Allen Dulles doOSS americano e Sir William Stephenson do SOE britânico “transferiu os fundos de Hitler e Goebbels
  4. 4. para os bancos suíços sob uma ‘paz secreta’ que começou 2 anos antes do fim da Segunda GuerraMundial”. Adolf Hitler e o Papa de Hitler, Pio XIIGenoud, que facilitara a transferência de milhões de marcos da Alemanha para bancos suíços que maistarde financiariam a Organização ODESSA, que, com o conhecimento e o beneplácito do Vaticano eusando propriedades extraterritorias do Vaticano, deu fuga a incontáveis altos oficiais nazistas daAlemanha para a Espanha, América do Sul, etc., e que também facilitara o fluxo de milhões de dólarespara ex-nazistas escondidos na América do Sul, estreitamente ligado com Otto Skorzeny, ex-oficial daSS nazista, especialista em operações especiais durante a II Guerra e considerado “o homem maisperigoso da Europa”, estava profundamente envolvido em venda de armas para a Organização doExército Secreto Francês (OAS) do antropologista francês Jacques Soutelle que, em 1941, junto comJean de Menil, da petrolífera Schlumberger, ocupara importantes posições na Rede França Livre (FreeFrench) de De Gaulle em Caracas, Rio de Janeiro, cidade do México e Honduras só para facilitar maistarde a chegada de levas de nazistas e vichyitas da Organização ODESSA à América do Sul, ao finalda guerra. (ver Narcotráfico S.A.)Por falar em “paz secreta” iniciada 2 anos antes do término da guerra, seria o caso de especularmos odestino final de Hitler. Agora que o crânio contendo um furo de tiro tido como sendo de Adolf Hitler –que teria suicidado-se em seu bunker ao final da guerra – foi cientificamente desmascarado (cliqueaqui), sabendo-se também que o pai de Hitler, Alois Hiedler, era um filho bastardo do banqueirovienense Salomon Meier Rothschild, sabendo-se que Hitler tinha vários doublés idênticos (cliqueaqui), e também sabendo-se que ao final da guerra Stalin, em Potsdam, acusara os americanos defacilitar a fuga de Hitler para a zona de ocupação britânica, ficamos com a questão: se a OrganizaçãoODESSA deu fuga para incontáveis altos oficiais nazistas, logo Hitler, o mais alto de todos os nazistasficaria na Alemanha somente para se suicidar?É interessante um livro intitulado Ocultismo e Teosofia (Biblioteca de Cultura Teosófica II, Seção deLivros da Sociedade Teosófica Brasileira, Rio de Janeiro, 1949) de autoria de um tal Laurentus, em que
  5. 5. o mesmo afirma: “Enquanto Mussolini teve uma morte trágica, Hitler goza as delícias de sua pseudomorte.” Há base para tal afirmação?“No início do ano de 1984, um assassinato muito estranho mobilizou toda a polícia da cidade do Rio deJaneiro, tendo inclusive repercussão internacional. Karl Albert Brugger, jornalista alemão,recentemente chegado ao Brasil, passeava pela movimentada Praia de Ipanema, quando, em plena luzdo dia, um estranho "assaltante" - que por sinal nada roubou - aproximando-se dele, tirou-lhe a vidamediante o certeiro disparo de uma potente arma de fogo em uma região vital. Em suma: um "trabalho"de extrema precisão, digno de um assassino profissional!”... (leia assunto completo postado porSérgio O. Russo aqui)Brugger chegou a escrever um livro intitulado A Crônica de Akakor, publicado em várias línguasinclusive na língua portuguesa pela Editora Bertrand em Portugal (clique aqui) e, por algum motivodesconhecido, proibido no Brasil. O livro, comentando sobre um regimento alemão de 2.000 soldadosenviado, durante a guerra, por Hitler, de submarino até a ilha de Marajó, e depois adentrando a selvaamazônica com destino a Akakor, conta que no final da guerra, duas pessoas do mais alto escalãonazista, infelizmente não identificadas no livro, teriam chegado à mesma região de Akakor. Quemseriam? Só o futuro poderá responder-nos.Caros leitores, o que eu acabo de escrever é apenas uma minuta de uma conspiração de proporçõesplanetárias em andamento na Terra, sobre a qual eu poderia editar um tratado que ocuparia umabiblioteca maior que a do Vaticano, mas não é o caso aqui.Resumindo, a hierarquia da qual Bastien-Thiry e seu comando obtiveram sua missão e suas ordens era aprópria Operação Gladio que o leitor pode interpretar como queira, como Operação real ou comoapenas um nome informal para qualquer operação por detrás das cenas sem maior consequência.Quanto ao destino do dinheiro desviado pelo prelado Marcinkus, foi para o mesmo lugar para onde vaio dinheiro do narcotráfico peneirado em todo o mundo, ou seja, usado como financiamento desta autosustentável Operação Gladio mundial que sustenta, dá cobertura e proteção (assassinando quematravesse seu caminho, direta ou indiretamente) as pesquisas secretas realizadas pelo COMPLEXOMILITAR-INDUSTRIAL denunciado por Eisenhower e criado após a Segunda Guerra Mundial para,secretamente, usando a NASA como cortina de fumaça, sediar o programa espacial secreto nazista nosEstados Undidos, projeto negro e mantido por orçamento negro proveniente do narcotráfico mundial,resultado da Operação Paperclip de retirada de cientistas nazistas da Alemanha sob a responsabilidadedo OSS (Office of Strategic Services − antecessor da CIA), cujo chefe era Allen Dulles baseado naSuíça sob as ordens do General William Donovan e que depois passara para a responsabilidade daAgência Conjunta de Objetivos de Inteligência (Joint Intelligence Objectives Agency – JIOA) criadaem 1945 como um subcomitê do Comitê Conjunto de Inteligência (Joint Intelligence Committe – JIC)do Estado Maior Conjunto (Joint Chiefs of Staff – JCS) das Forças Armadas dos Estados Unidos que écomposto pelos Chefes do Estado Maior (Chiefs of Staff – CS) das quatro forças, Exército, Marinha,Aeronáutica e Fuzileiros (Mariners).Não é por outro motivo que a CIA fora criada em julho de 1947 como continuação do OSS, pororientação de Robert A. Lovett que, também por “coincidência” residia na ilha dos deuses do Olimpo, aIlha Júpiter em Hob Sound, Flórida, onde encontra-se, entre outras, a residência privada dos Bush, paralidar com a questão da nave espacial “acidentada” em Roswell, por “coincidência” também em julho de1947. Como a história é cheia de “coincidências”, na residência de Lovett encontrava-se de férias em
  6. 6. 1949 a Sra. Josephine Forrestal para onde fora levado por avião da Marinha o Tenente-coronel esecretário de Defesa recém demitido por Truman, James Forrestal, donde só sairia para ser metido noHospital Naval de Betesda por “depressão”, no qual encontraria sua morte por “suicídio”. Segundoreportagem do New York Times, Forrestal havia morrido por queda de sua janela. Não dizia o quepoderia ter causado a queda e não continha menção alguma sobre o primeiro relato sobre o cinto de seuroupão de banho amarrado em seu pescoço. FOTO DE CIENTISTAS NAZISTAS REUNIDOS NUM BAR NOS ESTADOS UNIDOS Willi Mrazek, Friedrich Dhom, Emil Hellebrand, Walter Jacobi, Herman Weidner, Helmut Zoike, Wernher von Braun, Robert Paetz, e Oscar Bauschinger. Note a Suástica Nazi no letreiro. Von Braun fez uma completa troca da máquina Industrial Militar Alemã para o Complexo Industrial Militar Americano.Não é por outro motivo que o assassinato de JFK nada mais fora que um GOLPE DE ESTADONAZISTA cuja descrição detalhada pode ser lida aqui. Ainda que a Alemanha tenha perdido aGuerra, o nazismo a ganhou, quando então a Operação Gladio fora criada como Ponto Focal dogoverno mundial das sombras, com ramificações pelo mundo todo e, principalmente, infiltrada na CasaBranca como governo por trás do governo, orquestrando todos os eventos políticos, guerras,assassinatos de alto nível, derrubada de governos, incluindo-se aqui até mesmo a queda de Nixon quebateu de frente com este governo das sombras. Não nos esqueçamos que Nixon fora o criador daAgência de Esforço Contra Drogas (Drug Enforcement Agency – DEA), justamente o produto fonte derecursos negros que financiam as pesquisas negras e as operações negras que as protegem. Como olivro Narcotráfico S. A. coloca em duas ocasiões:
  7. 7. 1- Se Nixon não tivesse apoiado os interesses mais básicos da nação, ao começar um esforço total para acabar com o tráfico de drogas de cima a baixo, provavelmente ele não teria sido tão descortesmente forçado a sair, por Henry Kissinger, Edward Kennedy e seus patrões britânicos. Há documentos públicos disponíveis na DEA e em outras agências policiais mostrando que a “Guerra às Drogas” por Nixon foi dirigida aos maiorais – às intituições bancárias, às redes transportadoras, e só então aos canais de distribuição de drogas nas ruas do país. Ao mesmo tempo que Nixon compreendeu genericamente a estrutura vertical do problema, ele e seus assessores pouco perceberam que, atacando a infra-estrutura das drogas, eles faziam o mesmo à oligarquia britânica e ao suporte inteiro do mercado do Eurodólar, à KGB soviética, recentemente reorganizada por Yuri Andropov, e à República Popular da China. Tivesse Nixon compreendido o problema das drogas como um problema de Londres-Moscou-Pequin, ele estaria talvez melhor preparado para lidar com o ataque “interno-externo” à sua administração. 2- O tráfico internacional de drogas funciona como uma única multinacional, não muito diferente dos cartéis farmacêuticos baseados na Suíça – controlando a produção, o fornecimento a distribuição, a estocagem e o financiamento por uma única e integrada administração (...) Henry Kissinger, junto com sua sociedade política internacional conhecida como Kissinger Associados, é quem está na encruzilhada de cada uma dessas redes: o canal extra-oficial com a União Soviética, as redes de droga e terror da Itália à Ibero-América e os mais altos níveis das finanças – inclusive sua diretoria no American Express, entidade na qual estabeleceu a maior parte da estrutura de comando da Narcotráfico S. A.CLIQUE AQUI PARA CONTINUAÇÃO ATÉ O FUNDO DO ESGOTO

×