Your SlideShare is downloading. ×
0
25 A 28 DE ABRIL DE 2010<br />HANGAR – BELÉM – PA<br />TRATAMENTO CIRÚRGICO DOS SARCOMAS PRIMÁRIOS DO RETROPERITÔNEO<br />...
SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />INTRODUÇÃO<br />Sarcomas de partes moles são tumores raros que representam...
Patologia<br />Metástases para linfonodos são muito raras <br />Metástases à distância (pulmão e fígado), são infreqüentes...
Tipos Histológicos<br />Lipossarcoma<br />Leiomiossarcoma<br />Fibrossarcoma<br />Neurofibrossarcoma<br />Histiocitoma fib...
Sarcomas primários do retroperitônio<br />Leiomiossarcoma<br />
SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />Diagnóstico<br />
SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />Diagnóstico<br />Grandes massas TC, RM e USG<br /> ( INCa med 20,5 cm / 6 ...
TNM<br /> T:  Tumor primário                        <br />              T0:  Sem evidência de tumor primário <br />       ...
 Estadiamento por grupo:<br />Estadiamento  Ia                    T1a                      N0                     M0      ...
Neurofibrossarcoma<br />SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />
Tratamento<br />Quimioterapia<br />Controversa ( Adriamicina )<br />Intraperitonial ( Sugarbaker )<br />baixa eficácia ( R...
Sarcomas primários do retroperitônio<br />Radioterapia<br />Braquiterapia<br />Redução da toxicidade.<br />Intra operatóri...
Sarcomas primários do retroperitônio<br />Tratamento da Recorrência<br />Reressecção nas recidivas;<br />Ressecção das met...
Sarcomas primários do retroperitônio<br />Fatores Prognósticos Clássicos<br />Ressecção completa com margens negativas<br ...
Análise retrospectiva de 91 pacientes com sarcoma primário de retroperitônio, operados na Seção de Cirurgia Abdomino-Pélvi...
Objetivo:<br />	Validar a importância prognostica da cirurgia compartimental de princípio no tratamento cirúrgico dos sarc...
Foram avaliados:<br />51 mulheres (56,1%), 40 homens (43,9%)<br />64 brancos (70,3%), 27 afrodescendentes (29,7%)<br />Ida...
As queixas mais comuns foram:<br />Dor abdominal (57 pacientes) – 62,6%<br />Massa abdominal (47 pacientes) – 51,7%<br />A...
<ul><li> TIPO HISTOLÓGICO - INCA (1992 – 2008)</li></ul>				N                              %<br />Leiomiossarcoma         ...
Sarcomas primários do retroperitônio<br /><ul><li>Grau de diferenciação tumoral
G3 em 38 pacientes (41,8%)
G1 em 20 pacientes (22,0%)
G2 em 16 pacientes (17,6%)
GX em 18 pacientes (19,8%)
O tempo médio de cirurgia foi de 4 horas e 03 min
38,5% (35/91) das ressecções houve hemotransfusão (mediana de 900 ml - 300 a 3000 ml)</li></li></ul><li>Taxa de ressecabil...
Sarcomas primários do retroperitônio<br />Tratamento<br />Cirurgia com ressecção completa com margens negativas<br />55/91...
Sarcomas primários do retroperitônio<br /><ul><li> Morbidade
 28 pacientes (30,8%)com 31 complicações pós-operatórias:
6 sangramentos
4 trombose venosa profunda
3 lesões vasculares
2 fistulas
 1 laceração duodenal
2 neutropenias
2 pneumonias
2 insuficiências respiratórias
2 Infecções do trato urinário
2 ISC
1 obstrução intestinal por brida, 1 suboclusão intestinal
1 evisceração
1 lesão esplênica
1 derrame pleural
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Sarcomas retroperitoniais congresso médico amazônico

800

Published on

Sarcomas de partes moles são tumores raros que representam 1-2% de todos os tumores malignos sólidos.

Published in: Travel, Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
800
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Sarcomas retroperitoniais congresso médico amazônico"

  1. 1. 25 A 28 DE ABRIL DE 2010<br />HANGAR – BELÉM – PA<br />TRATAMENTO CIRÚRGICO DOS SARCOMAS PRIMÁRIOS DO RETROPERITÔNEO<br />TCBC Carlos Eduardo Rodrigues Santos<br />Presidente eleito do Capítulo Brasileiro da IHPBA 2011 - 2012<br />Editor chefe da revista eletrônica de Cirurgia www.cirurgiaonline.com.br, <br />Autor do “Manual de Cirurgia Oncológica”, <br />Mestre em Cirurgia Geral Abdominal HUCFF – UFRJ <br />Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO)<br />
  2. 2. SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />INTRODUÇÃO<br />Sarcomas de partes moles são tumores raros que representam 1-2% de todos os tumores malignos sólidos.<br />Somente 10-20% destes tumores estão localizados no retroperitônio.<br />INCA 66587 ult 10 anos => aprox 1531 (2,29%) sarcomas e somente 8 a 10 sarcomas retroperitoniais ao ano são operados <br />
  3. 3. Patologia<br />Metástases para linfonodos são muito raras <br />Metástases à distância (pulmão e fígado), são infreqüentes ( alto grau ) - IV<br />Invasão local<br />Localização => Diagnóstico Tardio<br />SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />
  4. 4. Tipos Histológicos<br />Lipossarcoma<br />Leiomiossarcoma<br />Fibrossarcoma<br />Neurofibrossarcoma<br />Histiocitoma fibroso maligno<br />Rabdomiossarcoma<br />Hemangiopericitoma<br />Ganglioneuroblastoma<br />Sarcoma sinovial<br />GIST<br />Outros sarcomas não classificados.<br />SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />
  5. 5. Sarcomas primários do retroperitônio<br />Leiomiossarcoma<br />
  6. 6. SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />Diagnóstico<br />
  7. 7. SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />Diagnóstico<br />Grandes massas TC, RM e USG<br /> ( INCa med 20,5 cm / 6 a 55 cm )<br />Diferencial Tumor Visceral X Extra Visceral<br />PET Scan<br />Diag Malig ( Neurofibromatose )<br />Estadiamento<br />Diag Histológico Operatório<br />
  8. 8. TNM<br /> T: Tumor primário <br /> T0: Sem evidência de tumor primário <br /> T1: Tumor ≤ 5 cm<br /> T1a: tumor superficial<br /> T1b: tumor profundo*<br /> T2: Tumor > 5 cm<br /> T2a: tumor superficial<br /> T2b: tumor profundo*<br /> N: Linfonodos regionais<br /> N0: Ausência de linfonodos regionais comprometidos <br /> N1: Metástase para linfonodos regionais<br /> M: Metástase à distância<br /> M0: Ausência de metástase à distância<br /> M1: Metástase à distância<br />SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />G: Grau<br />G1 bem diferenciado<br />G2 moderadamente diferenciado<br />G3 pouco diferenciado<br />G4 indiferenciado<br />
  9. 9. Estadiamento por grupo:<br />Estadiamento Ia T1a N0 M0 baixo grau<br />T1b N0 M0 baixo grau <br />Estadiamento Ib T2a N0 M0 baixo grau<br />T2b N0 M0 baixo grau <br />Estadiamento IIa T1a N0 M0 alto grau<br />T1b N0 M0 alto grau<br />Estadiamento IIb T2a N0 M0 alto grau<br />Estadiamento III T2b N0 M0 alto grau<br />Estadiamento IV qualquer T N1 M0 qualquer grau<br /> qualquer T qualquer N M1 qualquer grau<br />SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />
  10. 10. Neurofibrossarcoma<br />SARCOMAS DE PARTES MOLES DO RETROPERITÔNEO<br />
  11. 11. Tratamento<br />Quimioterapia<br />Controversa ( Adriamicina )<br />Intraperitonial ( Sugarbaker )<br />baixa eficácia ( Rabdomiosarcoma )<br />GIST => Mesilato deImatinibe alta taxa de resposta<br />Avaliar c-kit - Leiomiossarcoma<br />Impacto negativo na sobrevida<br /> Risco de morte de 3 a 4,6 X<br />Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  12. 12. Sarcomas primários do retroperitônio<br />Radioterapia<br />Braquiterapia<br />Redução da toxicidade.<br />Intra operatória<br />única fração de alta dose (maior que 25 Gy).<br />Pré operatória<br />1- A margem tumoral é melhor definida;<br />2- O tumor desloca as alças intestinais para fora do campo terapêutico;<br />3- O tumor é tratado “in situ” antes da possível contaminação neoplásica da cavidade abdominal, que pode ocorrer durante a cirurgia.<br />Pós operatória<br />Nenhum comprovou aumento na sobrevida<br />Todos apresentam toxicidade<br />
  13. 13. Sarcomas primários do retroperitônio<br />Tratamento da Recorrência<br />Reressecção nas recidivas;<br />Ressecção das metástases pulmonares e hepáticas.<br />
  14. 14. Sarcomas primários do retroperitônio<br />Fatores Prognósticos Clássicos<br />Ressecção completa com margens negativas<br />Diâmetro da lesão<br />Grau de diferenciação celular<br />Reressecção possível e radical<br />Ausência de Hemotransfusão<br />
  15. 15. Análise retrospectiva de 91 pacientes com sarcoma primário de retroperitônio, operados na Seção de Cirurgia Abdomino-Pélvica do Instituto Nacional de Câncer, no período de junho 1992 a janeiro 2008, idade >=18 anos. <br />Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  16. 16. Objetivo:<br /> Validar a importância prognostica da cirurgia compartimental de princípio no tratamento cirúrgico dos sarcomas primários do retroperitônio e avaliar seu impacto em relação a morbimortalidade dos pacientes operados.<br />Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  17. 17. Foram avaliados:<br />51 mulheres (56,1%), 40 homens (43,9%)<br />64 brancos (70,3%), 27 afrodescendentes (29,7%)<br />Idade mediana: 52 anos<br />História familiar de câncer: positiva em 32 casos (35,2%)<br />Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  18. 18. As queixas mais comuns foram:<br />Dor abdominal (57 pacientes) – 62,6%<br />Massa abdominal (47 pacientes) – 51,7%<br />Associação (massa+dor) em 21 pacientes – 20,1%<br />Somente 6 pacientes assintomáticos – 6,6% <br />Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  19. 19. <ul><li> TIPO HISTOLÓGICO - INCA (1992 – 2008)</li></ul> N %<br />Leiomiossarcoma 29 31,9%<br />Lipossarcoma 28 30,8%<br />Sarcoma 13 14,3%<br />Outros 21 20,1%<br />Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  20. 20. Sarcomas primários do retroperitônio<br /><ul><li>Grau de diferenciação tumoral
  21. 21. G3 em 38 pacientes (41,8%)
  22. 22. G1 em 20 pacientes (22,0%)
  23. 23. G2 em 16 pacientes (17,6%)
  24. 24. GX em 18 pacientes (19,8%)
  25. 25. O tempo médio de cirurgia foi de 4 horas e 03 min
  26. 26. 38,5% (35/91) das ressecções houve hemotransfusão (mediana de 900 ml - 300 a 3000 ml)</li></li></ul><li>Taxa de ressecabilidade: 83,5% (76/91 pcts)<br />Taxa de radicalidade entre os ressecados: 55,3% (42/76 pcts)<br />42 R0 (55.3%), 10 R1 (11.0%) e 24 R2 (26.4%)<br />Houve 6 óbitos pós-operatórios (mortalidade = 6,6%) devido: <br />1 embolia pulmonar,<br />1 Insuficiência respiratória <br />1 sangramento, <br />1 morte domiciliar indeterminada<br />1 uremia e <br />1 distúrbio hidroeletrolitico<br />Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  27. 27. Sarcomas primários do retroperitônio<br />Tratamento<br />Cirurgia com ressecção completa com margens negativas<br />55/91 pacientes (60,4%) com ressecções associadas de órgãos adjacentes<br />Total 124 órgãos ressecados em associação<br /> 42/124 invadidos ( 33,9% )<br />Órgão associado ressecado mais comum: RIM (30 casos)<br />Somente 3 / 30 Rins apresentavam doença ( 10%) <br />
  28. 28. Sarcomas primários do retroperitônio<br /><ul><li> Morbidade
  29. 29. 28 pacientes (30,8%)com 31 complicações pós-operatórias:
  30. 30. 6 sangramentos
  31. 31. 4 trombose venosa profunda
  32. 32. 3 lesões vasculares
  33. 33. 2 fistulas
  34. 34. 1 laceração duodenal
  35. 35. 2 neutropenias
  36. 36. 2 pneumonias
  37. 37. 2 insuficiências respiratórias
  38. 38. 2 Infecções do trato urinário
  39. 39. 2 ISC
  40. 40. 1 obstrução intestinal por brida, 1 suboclusão intestinal
  41. 41. 1 evisceração
  42. 42. 1 lesão esplênica
  43. 43. 1 derrame pleural
  44. 44. 1 descência de anastomose
  45. 45. 1 distúrbio hidroeletrolítico
  46. 46. 10/91 (11,0%) Reoperações </li></li></ul><li>Sarcomas primários do retroperitônio<br />RESULTADOS INCA<br /><ul><li> 42 pac R0  25 recidivaram (59,5%)
  47. 47. padrão peritoneal em 18 casos </li></ul> hematogênico em 7 casos (fígado, pulmão, mama e pele)<br /> local em 2 casos<br /> linfonodal em 3 casos<br /><ul><li> 5 pacientes com recidiva em dois padrões distintos e concomitantes
  48. 48. 19/25 re-ressecções (76%)</li></ul> 9/19 operações R0 (47,4%)<br />
  49. 49. <ul><li>Sobrevida global mediana: 23,8 meses
  50. 50. 49,2% 2 anos e 26,6% em 5 anos
  51. 51. Sobrevida global mediana (Ressecados): 30,8 meses
  52. 52. 55,8% 2 anos e 32,0% em 5 anos
  53. 53. Mediana de SLD: 44,4 meses
  54. 54. 63,5% 2 anos e 36,8% em 5 anos
  55. 55. Mediana de sobrevida Cirg R0: 57,2 meses
  56. 56. 73,0% 2 anos e 49,6% em 5 anos</li></ul>Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  57. 57. Análiseunivariada dos fatoresprognósticos<br />
  58. 58. Análiseunivariada dos fatoresprognósticos<br />Sem significância estatística:<br />História familiar de câncer<br />Sintomas de massa ou dor<br />Idade < ou > mediana 52 anos<br />Sexo<br />Raça<br />Tratamento adjuvante ( Qt ou Rxt )<br />Tipo histológico<br />Ressecção de órgãos em associação<br />
  59. 59. Sarcomas primários do retroperitônio<br />Análise multivariada de Cox dos fatores prognósticos<br />
  60. 60. À análise univariada foram significativos para sobrevida (p<0,05):<br />Grau de diferenciação tumoral [G1 + G2] <br />Ressecção radical (R0) <br />Ausência de Hemotransfusão no ato operatório<br />Re-ressecção, mesmo que paliativa, nos casos de recidiva ou persistência de doença<br />Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  61. 61. Sarcomas primários do retroperitônio <br />
  62. 62. Sarcomas primários do retroperitônio<br />DISCUSSÃO<br /> Diâmetro tumoral 20,5 cm ( 1320 cm2) (4¶.R2)<br />Dificuldade de análise completa da margem<br />60,4% ressecção multi-orgânica<br />Total 124 órgãos ressecados em associação<br />Aumento da morbidade<br />Margem pequena junto a estruturas nobres<br />Não há limites anatômicos precisos e estes tumores não respeitam limites anatômicos<br />
  63. 63. Sarcomas primários do retroperitônio<br />Grandes Tumores (mediana 20,5 cm)<br />33.0% de sarcomas gigantes (≥ 25cm) <br />Doglietto GB, Tortorelli AP, Papa V, Rosa F, Bossola M, Prete FP, Covino M, Pacelli F. Giant retroperitoneal sarcomas: a single institution experience. World J Surg.2007; 31 (5): 1047-54 <br />
  64. 64. UICC TNM* – Sarcomas de Partes Moles<br />Estagio IB - 20 pacientes<br />Estagio III - 54 pacientes, Sobrevida p= <0,001<br />41.8% (38 pacientes) - G3 (alto grau)<br />Comparando G1+G2 X G3+GX, p= 0,001<br />G1 X G2+G3+GX, p= <0,001, <br />*Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. TNM: classificação de tumores malignos / traduzidopor Ana Lúcia Amaral Eisenberg. 6. ed. - Rio de Janeiro: INCA, 2004. 254p. Tradução de: TNM: classification of malignant tumours. (6th ed)<br />Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  65. 65. Sarcomas primários do retroperitônio<br /><ul><li>Grupo “Compartimental Negativo” - cirurgia compartimental e sem invasão destes órgãos na análise histopatológica,
  66. 66. Cirurgia compartimental se realizou por princípio;
  67. 67. Grupo “Compartimental Positivo” - compartimental e com invasão destes órgãos na análise histopatológica,
  68. 68. Cirurgia compartimental se realizou por necessidade;
  69. 69. Grupo “Não Compartimental” representando os pacientes sem cirurgia compartimental,
  70. 70. Sem ressecção de órgãos em associação.</li></li></ul><li>Análiseunivariadacomparativa entre osgrupos “Compartimental Positivo”, “Compartimental Negativo” e “Não Compartimental”<br />* p value (com mobidade X sem morbidade = 0.01)<br />** Não mensurável - menos da metadade foi ao óbito<br />
  71. 71. Sarcomas primários do retroperitônio<br />Significância estatística:<br />Cirurgia Compartimental<br />Maior Morbidade, p = 0.01;<br />Hemotransfusão, p = 0.02.<br />Cirurgia Não Compartimental<br />Menor tempo cirúrgico, p = 0.004.<br />
  72. 72. Sobrevida pior no grupo Compartimental Positivo<br />Características do Tumor - Órgãos adjacentes invadidos<br />Aumento da sobrevida esperada nas Cirurgia Compartimentais Negativas <br />Maior Radicalidade esperada<br />Não ocorreu maior sobrevida<br />Provavelmente pelo aumento da morbidade e hemotransfusão<br />Melhor sobrevida na Cirurgia não compartimental<br />Forte argumento para se evitar a ressecção desnecessária de órgão não invadidos<br />Sarcomas primários do retroperitônio<br />
  73. 73. Sarcomas primários do retroperitônio<br />Ressecção multiorganica<br /> (Cirurgia Compartimental Positiva e Negativa) X Cirurgia Não Compartimental<br />Melhor sobrevida na Cirurgia Não Compartimental, p = 0.03.<br />
  74. 74. Sarcomas primários do retroperitônio<br />Cirurgia compartimental não alterou prognóstico<br />
  75. 75. Sarcomas primários do retroperitônio<br />CONCLUSÃO<br />Fatores prognósticos clássicos como radicalidade, grau de diferenciação celular, hemotransfusão e re-ressecção foram validados.<br />A cirurgia Compartimental, como ou sem invasão dos órgãos adjacentes não aumentou a sobrevida mas a morbidade.<br />Não encontramos vantagem em ressecar órgãos em associação por principio devendo realizá-la por necessidade.<br />Somente a ressecção completa de pequenos tumores, com baixo grau e evitando hemotransfusões desnecessárias pode garantir uma melhor sobrevida.<br />
  76. 76.
  77. 77. Agora o Cirurgião tem uma casa na Internet<br />
  78. 78. MUITO OBRIGADO !<br />carloseduardo@cirurgiaonline.com.br<br />(21) 9132-7752 ou (21) 2103-1500<br />
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×