Estrategia Global Em AlimentaçãO E Atividade FíSica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Estrategia Global Em AlimentaçãO E Atividade FíSica

on

  • 3,957 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,957
Views on SlideShare
3,941
Embed Views
16

Actions

Likes
1
Downloads
80
Comments
0

2 Embeds 16

http://www.slideshare.net 13
http://www.loucosporesportesruthcabral.blogspot.com 3

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Estrategia Global Em AlimentaçãO E Atividade FíSica Estrategia Global Em AlimentaçãO E Atividade FíSica Presentation Transcript

    • 2. Estratégia Global em Dieta,
    • Atividade Física e Saúde
    • http://www.opas.org.br/
    • O que é ?
    • Documento que propõem ações de prevenção e controle das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs);
    • Aprovado em Maio de 2004 – 57º Assembléia Mundial da Saúde – Organização Mundial da Saúde;
    • São ações empreendidas conjuntamente, em nível local, nacional e mundial buscando a prevenção e controle de DCNTs.
    • Quais são as principais
    • Doenças Crônicas Não Transmissíveis?
        • Obesidade;
        • Diabetes tipo 2;
        • Alguns tipos de câncer;
        • Doenças Cardiovasculares .
    • Quadro Epidemiológico
    • 60% da mortalidade mundial;
    • 45% da morbidade global;
    • 2/3 do total de óbitos no Brasil;
    • 69% dos gastos referentes a atenção à saúde no Brasil.
    • Objetivos
    • Reduzir fatores de risco de doenças não transmissíveis associadas a alimentação não saudável e a falta de atividade física;
    • Promover a conscientização e conhecimento da população da importância da alimentação saudável e da atividade física para saúde;
    • Fomentar , fortalecer e implantar políticas de alimentação e nutrição;
    • Informar e instrumentalizar os
    • profissionais da saúde.
    • Principais Ações da Estratégia Global
    • Sensibilização e Mobilização Social: agenda política, fóruns, movimentos sociais
    • Informação e Educação: campanhas, programas de educação na área de saúde e educação
    • Política Alimentar e Agrícola: programas de alimentação, regulamentação da propaganda de alimentos; cantinas escolares
    • Políticas de preços e subvenções: políticas fiscais favoráveis
    • Principais Ações da Estratégia Global
    • Otimização dos serviços de saúde: educação e estímulo aos projetos de saúde
    • Incentivo ao setor privado – promoção e prevenção: aproximação com empresas do ramo da alimentação
    • Participação dos órgãos representativos das profissões e associação de consumidores: parceria de órgãos e associações de moradores
    • Investir em Sistemas de Vigilância: monitoramento dos fatores de risco.
  • CONTEXTO SOCIAL POLÍTICO TÉCNICO TRABALHADORES ÁREA DA SAÚDE Nutricionistas, Enfermeiros, Prof ed física, Assistentes Sociais e demais profissionais PROMOTORES Estratégia Global em Dieta, Atividade Física e Saúde
    • OBESIDADE
    • o que é obesidade e excesso de peso: são avaliadas pelo IMC – pode variar de acorod com as populações e com a idade
    • O problema: + de 1 bilhão de adultos com excesso de peso no mundo; 17,6 milhões de crianças obesas com – de 5 anos;
    • A obesidade é responsável por 2 a 6% do custo toal de atenção à saúde em vários países em desenvolvimento.
    • O impacto do excesso de gordura para a saúde: produzem efeitos metabólicos adversos sobre a pressão arterial, níveis de colesterol e triglicérides sangüíneos e a resistência à insulina.
    • Conseqüências: DCV, DM tipo 2, Câncer (mama, cólon, próstata, endométrio, rim e vesícula biliar), osteoartrite.
    • Relatório sobre saúde no mundo (OMS, 2002): 58% do diabetes, 21% das cardiopatias isquêmicas, 8 a 42% de certos tipos de câncer – atribuíveis a IMC > 21 kg/m 2.
    • OBESIDADE
    • O que fazer : estratégias a longo prazo que inclui prevenção, manutenção do peso, por meio de ações multisetoriais e integradas (alimentação + atividade física).
    • - criação de políticas públicas que promovam a disponibilidade e o acesso a alimentos com baixo teor de gordura e alto teor de fibras e que promovam oportunidades para atividade física;
    • - engajamento em atividade física moderada por, pelo menos, 30 min diários;
    • - promoção de comportamentos saudáveis para incentivar, motivar e permitir que as pessoas percam peso:
        • Consumo de + frutas , verduras e cereais integrais;
        • Diminuição de alimentos gordurosos e açucarados;
        • Estimular atividades físicas.
    • DIABETES
    • o que é: doença crônica, causada por uma deficiência do pâncreas na produção de insulina, ou por incapacidade da insulina exercer adequadamente suas funções.
    • A insulina é o principal responsável pelo metabolismo e pelo aproveitamento da glicose pelas céls do organismo, com finalidade de gerar energia. Sua ausência ou atuação deficiente, resulta num excesso de açúcar no sangue, causando alterações no metabolismo do açúcar, das gorduras e das proteínas, ocasionando muitos prejuízos para o corpo, particularmente para os sistemas vascular e nervoso .
    • Cerca de 177 milhões de pessoas sofrem de diabete no mundo e isso deverá dobrar até 2030.
    • Boa parte dessa expansão ocorrerá em países em desenvolvimento, devido ao crescimento demográfico, ao envelhecimento da população, aos hábitos alimentares pouco saudáveis, à obesidade e aos estilos de vida sedentários.
    • Os casos do tipo 2 são crescentes – quase 90% dos casos.
    • Complicações:
    • DCV – 70% das mortes de diabéticos em países industrializados;
    • Neuropatia, causando lesões nas extremidades e até impotência; ulcerações das extremidades e amputações;
    • Retinopatia;
    • insuficiência renal.
    • O que fazer:
    • A prevenção primária - por meio de alimentação saudável e atividade física regular – reduz ou adia as necessidades de atenção à doença. Deve ser enfatizada nas regiões mais pobres do mundo, onde os recursos são excassos.
    • A prevenção secundária incui diagnóstico precoce e tratamento apropriado. Controlar a hipertensão, o colesterol, os níveis de glicemia pode reduzir substancialmente o risco de complicações e desacelerar sua progressão.
    • Vários estudos demonstram que, mais da metade das pessoas com excesso de peso e com tolerância diminuída à glicose conseguiram reduzir incidência de DM, por meio da diminuição no peso – meia hora de caminhada diária.
    • É uma doença dispendiosa. Investir na prevenção dos FR é benéfico para todos.
    • DOENÇAS CARDIOVASCULARES
    • Doenças coronarianas (ou doença isquêmica ou infarto);
    • Doenças vascular cerebral (derrame);
    • Hipertensão (pressão alta);
    • Doença reumática cardíaca.
    • 1/3 dos óbitos ocorridos no mundo em 2001 são devidos às DCV;
    • Há também sérios problemas de incapacidade por causa de cardiopatias ou AVC;
    • Cerca de 80% dos óbitos por DCV ocorrem em países em desenvolvimento, de baixa e média renda.
    • O que acontece:
    • O aumento das DCV no mundo reflete uma mudança significativa nos hábitos alimentaresm nos níveis de atividade física e no consumo de cigarros no mundo.
    • Tais mudanças resultam dos processos de industrialização, urbanização, desenvolvimento econômico e globalização do mercado de alimentos.
    • Hoje em dia, a alimentação das pessoas se caracteriza por um alto teor calórico e baixo nivel de nutrientes. Além disso, as pessoas são muito menos ativas.
    • Principais fatores de risco: cigarro, atividade física reduzida e desequilíbrio nutricional.
    • Isso resulta em : hipertensão, alto nível de colesterol no sangue, excesso de peso e obesidade e DM tipo 2.
    • Os hábitos alimentares pouco saudáveis incluem grande consumo de gorduras satuaradas, sal e carboidratos refinados e baixo consumo de frutas e verduras.
    • O que fazer:
    • Manter peso saudável;
    • Não fumar;
    • Atividade física de, pelo menos 30 min/dia;
    • Evitar excesso de alimentos salgados e açucarados;
    • Substituir gorduras saturadas por gorduras insaturadas;
    • Consumir frutas, verduras, cereais integrais e poucos alimentos feitos com farinha refinada;
    • Aumentar consumo de alimentos ricos em ác graxos ômega-3 (peixes e óleos vegetais).
    • Políticas e programas econômicos e educacionais devem ser dirigidos a toda a população, visando a promoção do citado acima.
    • Quem já sofreu infarto ou derrame deve também combinar medicamentos (estatinas, aspirinas, entre outros).
    • CÂNCER
    • O que é: doenças (+ de 100) que tem em comum o crescimento desordenado de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo se espalhar, produzindo metástases em diversas regiões do corpo. Pode surgir em qualquer parte do organismo, principalmente, em conseqüência da exposição individual a agentes cancerígenos, geralmente por inalação ou ingestão.
    • Os hábitos pessoais como fumo, padrões alimentares e pouca atividade física, desempenham o papel mais importante no seu desenvolvimento e não os fatores genéticos.
    • O problema: quase 20 milhões de pessoas vivem com câncer no mundo e, até 2020, poderão ser 30 milhões. Os fatores associados à dieta são responsáveis por 30% dos casos – em países ocidentais – o que faz da alimentação a 2ª causa principal causa prevenível de câncer, após o fumo. Também está relacionada à condição social dos indivíduos.
    • Excesso de peso: aumentam o risco de CA de esôfago, cólon e reto, ama, endométrio e rins;
    • consumo excessivo de álcool: aumenta o risco de CA da cavidade oral, faringe, laringe, esôfago, fígado, mama;
    • excesso de sal: aumentam o risco de CA de estômago
    • comidas muito quentes; aumentam o risco de CA na cavidade oral, faringe e esôfago;
    • Carnes em conserva: aumentam o risco de CA de cólon, reto e esôfago;
    • Aflatoxina: aumenta risco de câncer de fígado
    • que fazer: A atividade física diminui o risco de CA de mama, cólon e reto; Alimentação rica em frutas e verduras diminui o risco de CA na cavidade oral, estômago, cólon e reto; Fibra, soja, peixe, ácidos graxo, carotenóides, vitaminas B2, B6, folato, B12, C, D, E, Ca, Zn, Selênio,, estão sob estudos e, possivelmente excerçam papel de “proteção” contra o vários tipos de CA.
    • INTERVENÇÕES EFICAZES
    • Governo + indústria de alimentos e bebidas: redução de 25% o teor de sal nos alimentos (Reino Unido);
    • Campanhas governamentais para redução da ingestão de sal + tratamento da Hipertensão arterial: redução em 70% no nº de AVC (Japão);
    • Esforço governamental para redução do teor de colesterol:
    • - troca do óleo de dendê por óleo de soja (Ilhas Maurício);
    • - diminuição do uso da manteiga (Finlândia): queda acentuada na mortalidade por cardiopatia e AVC;
    • PROGRAMA AGITA São Paulo/ Mundo http://www.agitasp.com.br/
    • Principais recomendações sobre Alimentação
    • Alcançar balanço energético e peso saudável
    • Aumentar o consumo de frutas, hortaliças,
    • cereais integrais e frutos secos
    • Reduzir o consumo de gorduras saturadas e
    • trans e substituí-lo por gorduras insaturadas
    • Reduzir o consumo de açúcares livres
    • Reduzir o consumo de sal e que este seja
    • iodado
    • Principais recomendações sobre Alimentação
    • Informar o consumidor para a seleção de
    • alimentos saudáveis
    • Reduzir a comercialização intensiva de
    • alimentos ricos em gorduras e/ou açúcares
    • Estimular o aleitamento materno exclusivo até o
    • 6º mês, introdução de alimentos adequados ao
    • lactente compatibilizando com o aleitamento até
    • o 2º ano de vida
  • OBRIGADA PELA ATENÇÃO!
    • http://www.saude.gov.br/
    • http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/cronicas/dcnt
    • http://www.inca.org.br/
    • http://www.paho.org/
    • http://www.cdc.gov/
    • http://www.who.int/
    • http://www.sbd.org.br/
    • http://www.5aday.com/
    • http://www.opas.org
    • http://www.cardiol.org .br